SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 18
Baixar para ler offline
TRIGONOMETRIA
A trigonometria é uma parte importante da Matemática. Começaremos lembrando as relações
trigonométricas num triângulo retângulo.
Num triângulo ABC, retângulo em A, indicaremos por Bˆ e por Cˆ as medidas dos ângulos
internos, respectivamente nos vértices B e C.
TEOREMA DE PITÁGORAS: Em todo triângulo retângulo, a soma dos quadrados das medidas
dos catetos é igual ao quadrado da medida da hipotenusa.
222
cba 
Definições:
1. Em todo triângulo retângulo, o seno de um ângulo agudo é a razão entre a medida do
cateto oposto a esse ângulo e a medida da hipotenusa.
a
b
hipotenusa
Bˆânguloaoopostocateto
Bˆsen 
a
c
hipotenusa
Cˆânguloaoopostocateto
Cˆsen 
2. Em todo triângulo retângulo, o cosseno de um ângulo agudo é a razão entre a medida do
cateto adjacente a esse ângulo e a medida da hipotenusa.
a
c
hipotenusa
Bˆânguloaoadjacentecateto
Bˆcos 
a
b
hipotenusa
Cˆânguloaoadjacentecateto
Cˆcos 
3. Em todo triângulo retângulo, a tangente de um ângulo agudo é a razão entre a medida dos
catetos oposto e adjacente a esse ângulo.
c
b
Bˆânguloaoadjacentecateto
Bˆânguloaoopostocateto
Bˆtg 
b
c
Cˆânguloaoadjacentecateto
Cˆânguloaoopostocateto
Cˆtg 
Observação:
Note que
Bˆcos
Bˆsen
a
c
a
b
c
b
Bˆtg  .
Em geral, utilizaremos
xcos
xsen
xtg  , para o ângulo x.
VALORES NOTÁVEIS
1) Considere o triângulo eqüilátero de medida de lado a.
2
1
a
2
a
)30(sen 
2
3
a
2
3a
)30cos( 
3
3
3
1
2
3a
2
a
)30(tg 
2
3
a
2
3a
)60(sen 
2
1
a
2
a
)60cos(  3
2
a
2
3a
)60(tg 
2) Considere o quadrado de medida de lado a.
2
2
2
1
2a
a
)45(sen 
2
2
2
1
2a
a
)45cos(  1
a
a
)45(tg 
Resumindo:
30o
45o
60o
Seno
2
1
2
2
2
3
Cosseno
2
3
2
2
2
1
Tangente
3
3 1 3
ARCOS DE CIRCUNFERÊNCIA
Dados dois pontos distintos A e B sobre uma circunferência, esta fica dividida em duas partes,
denominadas arcos, que indicaremos por ou .
As unidades usuais para arcos de circunferência são: grau e radiano.
MEDIDA DE ARCOS
Considere uma circunferência orientada, de centro O e raio unitário. Definimos:
GRAU: é o arco unitário correspondente a
360
1
da circunferência que contém o arco a ser
medido.
RADIANO: é um arco unitário cujo comprimento é igual ao raio da circunferência que contém o
arco a ser medido. ( o
radiano 571  )
As medidas de arcos de circunferências em graus e em radianos são diretamente proporcionais,
possibilitando a obtenção da equação de conversão de unidades, através de uma regra de três
simples, em que  é a medida em graus e  em radianos.
medida em graus medida em radianos
 
180 





180
CICLO TRIGONOMÉTRICO
Considere uma circunferência orientada, de centro O e raio unitário. Imagine um ponto A se
deslocando sobre a circunferência.
Existe uma diferença muito importante para se graduar uma reta e uma circunferência: enquanto
que na reta cada ponto corresponde a um único número real, na circunferência cada ponto
corresponde a uma infinidade de números reais e todos diferem de múltiplos inteiros de 2 .
A figura a seguir ilustra a graduação, em radianos, de uma circunferência de raio 1.
Ao marcarmos o ponto P na circunferência de raio 1, temos um triângulo retângulo
correspondente, de onde calculamos:
p
p
x
1
x
cos  ; p
p
y
y
sen 
1
; 122
 pp yx obtendo-se 122
 sencos
A figura acima mostra que no eixo x temos o valor do cosseno e no eixo y, temos o seno,
definindo o chamado ciclo trigonométrico.
Para os pontos A, B, C e D podemos obter os seguintes valores:
sen0 = yA = 0 cos0 =xA = 1
sen
2
 = yB = 1 cos
2
 =xB = 0
sen  = yC = 0 cos  =xC = -1
sen
2
3 = yD = 1 cos
2
3 =xD = 0
sen2 = yA = 0 cos2  =xA = 1
FUNÇÕES TRIGONOMÉTRICAS
Estudaremos as funções seno, cosseno, tangente, cotangente, secante e cossecante, nos ciclos
trigonométricos.
Veremos a periodicidade e os gráficos das funções seno cosseno e tangente.
O que é periodicidade?
Para que fique bem claro o que este termo quer dizer, vamos exemplificar com os dias da
semana, de 7 em 7 dias eles se repetem, chamamos este fato de periódico, e o período é 7.
Estas três funções que serão apresentadas são ditas funções periódicas.
Definição: Uma função f é periódica se existir um número real p > 0 tal que f(x+p) = f(x),
fDomx  . Neste caso, o menor valor de p que satisfaz tal condição é chamado período de f.
Observação: o gráfico de uma função periódica é caracterizado por ter seu “desenho” se
repetindo. Assim, para desenharmos a curva toda, basta desenharmos a parte correspondente a
um período e copiar à direita e à esquerda infinitas cópias da parte desenhada.
Vamos analisar a periodicidade destas três funções trigonométricas:
1) Seno
sen(x) = sen(x + 2 ) = sen(x + 4 ) =..... = sen(x + k2  ), k  Z.
Seno é função periódica de período 2 
2) Cosseno
cos(x) = cos(x + 2  ) = cos(x + 4  ) =..... = cos(x + k2  ), k  Z.
Cosseno é função periódica de período 2
3) Tangente
tg(x) = tg(x +  ) = tg(x+ 2 ) =..... = tg(x + k  ), k  Z.
Tangente é função periódica de período 
Generalizando: y = a sen(kx) e y = a cos(kx) p =
k
2
Generalizando: y = a tg(kx) p =
k

Exemplos:
1) Determine o período de cada função:
a). y = 3 sen(x) p = 2 
b) y = 3 sen(2x) p = 

2
2
c). y = 2 sen(x/2) p = 

4
2/1
2
d) y = 3 cos(2x) p = 

2
2
e) y = cos(3x/5) p =
3
10
5/3
2 


2) Determine o período de cada função:
a). y = tg(2x) p =
2

b). y = 2 tg(x) p = 
a). y = tg(x/2) p = 

2
2/1
GRÁFICO DA FUNÇÃO SENO
y = sen x
Propriedades
a) Dom = 
b) Img = [-1, 1]
c) Período = 2
d) sen (-x) = - sen (x)
GRÁFICO DA FUNÇÃO COSSENO
y = cos x
Propriedades
a) Dom = 
b) Img = [-1, 1]
c) Período = 2
d) cos (-x) = cos (x)
GRÁFICO DA FUNÇÃO TANGENTE
y = tg x
Propriedades
a) Dom = }kx/x{  2
b) Img = 
c) Período = 
d) tg (-x) = -tg (x)
RELAÇÕES FUNDAMENTAIS
tg x =
xcos
senx
, para 

 k
2
x com Zk 
sen2
x + cos2
x = 1, para Rx 
cotg x =
senx
xcos
, para  kx com Zk  sec2
x = 1 + tg2
x, para 

 k
2
x com Zk 
sec x =
xcos
1
, para 

 k
2
x com Zk 
cossec2
x = 1 + cotg2
x, para  kx com Zk 
cossec x =
senx
1
, para  kx com Zk 
FÓRMULAS DE ADIÇÃO E SUBTRAÇÃO
Sendo “a” e “b” dois números reais.
sen(a + b) = sena.cosb + cosa.senb sen(a – b) = sena.cosb – cosa.senb
cos(a + b) = cosa.cosb - sena.senb cos(a – b) = cosa.cosb + sena.senb
tg(a + b) =
tgb.tga
tgbtga


1
tg(a - b) =
tgb.tga
tgbtga


1
Exemplos
1) Calcule
a) )15cos( 
Solução:
4
26
2
1
2
2
2
3
2
2
)30(sen)45(sen)30cos()45cos()3045cos()15cos(


 
b) )15(sen 
Solução:
4
26
2
1
2
2
2
3
2
2
)30cos()45(sen)30cos()45(sen)3045(sen)15(sen


 
b) )15(tg 
Solução:
 
 
  32
6
326
6
3612
39
3369
33
33323
33
33
33
33
33
33
3
33
3
33
3
3
11
3
3
1
)30(tg)45(tg1
)30(tg)45(tg
)3045(tg)15(tg
22
22

































FÓRMULAS DE MULTIPLICAÇÃO: ARCO DUPLO (2a)
A partir das fórmulas de adição e subtração, podemos obter as seguintes fórmulas de
multiplicação:
cos(2a) = cos(a+a) = cos a cos a – sen a sen a = cos2
a – sen2
a =
=cos2
a –(1- cos2
a ) = 2 cos2
a -1
sen(2a) = sen(a+a) = sen a cos a + sen a cos b = 2 sen a cos a
tg(2a) = tg (a+a) =
atg1
tga2
tga.tga1
tgatga
2




Ou seja,
cos 2a = asenacos 22  sen 2a = 2 sen a . cos a
cos 2a = 2 cos2
a – 1
tg 2a =
.atg1
tga2
2

cos 2a= 1 – 2 sen2
a
Exemplos
1) Sabendo que
3
1
)x(tg  , calcule tg(2x).
Solução
tg(2x) =
4
3
8
9
3
2
9
8
3
2
9
1
1
3
1
2
.xtg1
xtg2
2





2) Resolva a equação 1)x(sen3)x2cos(  .
Solução
02)x(sen3)x(sen2
1)x(sen3)x(sen)x(sen1
1)x(sen3)x(sen)x(cos
1)x(sen3)x2cos(
2
22
22




Resolvendo a equação de 2º grau em sen(x), temos:
25169)2(2432 
xexistenão2
4
53
ou
k2
6
5
xouk2
6
x
2
1
4
53
4
53
)x(sen











Conjunto solução:










 Zk,k2
6
5
xouk2
6
xRxS
FÓRMULAS DE BISSECÇÃO
As fórmulas de bissecção podem ser obtidas do seguinte modo:
2
)b2cos(1
bsen)b2cos(1bsen2bsen21)b2cos( 222 
 e, se considerarmos b=
2
a
,
obtemos
2
1
2
2 acosa
sen

 .
Seguindo essa idéia, temos
2
1
2
2 acosa
sen


2
1
2
2 acosa
cos


acos
acosa
tg



1
1
2
2
RELAÇÕES DE PROSTAFÉRESE
Fazendo





qba
pba
, ou seja,










2
qp
b
2
qp
a
e substituindo nas fórmulas de adição e subtração,
obtemos as relações de prostaférese dadas por
sen p + sen q =
2
qp
cos
2
qp
sen2




sen p - sen q =
2
qp
cos
2
qp
sen2




cos p + cos q =
2
qp
cos
2
qp
cos2




cos p - cos q =
2
qp
sen
2
qp
sen2




tg p + tg q =
)qcos().pcos(
)qp(sen 
tg p - tg q =
)qcos().pcos(
)qp(sen 
FUNÇÕES TRIGONOMÉTRICAS INVERSAS
Nosso problema agora é procurar, se existirem, valores de y para os quais sen y = x,
lembrando que 1x1  .
Dado x, o valor de y correspondente tal que sen y = x determina uma função. Mas, para que o
valor de x determinado seja único, teremos que usar a restrição
2
y
2



.
Para solucionarmos esta questão, temos que estudar as funções trigonométricas inversas.
1) Função arco-seno (arcsen)
A cada x  [–1,1] associa-se um único y 




 

2
,
2
tais que sen y = x.
Assim, definimos a função
arcsen : [–1,1] 




 

2
,
2
x )x(arcseny 
Exemplos
1) Calcule
a) y = arcsen(1/2)
Solução
y = arcsen(1/2)  sen y = 1/2 . Lembrando que y 




 

2
,
2
, temos y =  /6, ou seja,
62
1
arcsen







.
b) y = arcsen(0)
Solução
y = arcsen(0)  sen y = 0 . Lembrando que y 




 

2
,
2
, temos y = 0, ou seja,   00arcsen  .
c) y = arcsen(-1/2)
Solução
y = arcsen(-1/2)  sen y = -1/2 . Lembrando que y 




 

2
,
2
, temos y =  /6, ou seja,
62
1
arcsen







 .
d) y = arcsen(1)
Solução
y = arcsen(1)  sen y = 1 . Lembrando que y 




 

2
,
2
, temos y =  /2, ou seja,  
2
1arcsen

 .
2) Função arco-cosseno (arccos)
A cada x  [–1,1] associa-se um único y   ,0 tais que cos y = x.
Assim, definimos a função
arccos : [–1,1]   ,0
x )xarccos(y 
Exemplos
1) Calcule
a) y = arccos(1/2)
Solução
y = arccos(1/2)  cos y = 1/2 . Lembrando que y   ,0 , temos y =  /3, ou seja,
32
1
arccos







.
b) y = arccos(0)
Solução
y = arccos(0)  cos y = 0 . Lembrando que y   ,0 , temos y =  /2, ou seja,  
2
0arccos

 .
c) y = arccos(-1/2)
Solução
y = arccos(-1/2)  cos y = -1/2. Lembrando que y   ,0 temos y = 2 /3, ou seja,
3
2
2
1
arccos







 .
d) y = arccos(1)
Solução
y = arccos(1)  cos y = 1 . Lembrando que y   ,0 temos y =  , ou seja,   1arccos .
3) Função arco-tangente (arctg)
A cada x  [–1,1] associa-se um único y 




 

2
,
2
tais que tg y = x.
Assim, definimos a função
arcsen : [–1,1] 




 

2
,
2
x )x(arctgy 
Exemplos
1) Calcule
a) y = arctg(1)
Solução
y = arctg(1)  tg y = 1 . Lembrando que y 




 

2
,
2
, temos y =  /4, ou seja,  
4
1arctg

 .
b) y = arcsen( 3 )
Solução
y = arctg( 3 )  tg y = 3 . Lembrando que y 




 

2
,
2
, temos y =  /3, ou seja,
  3
3arctg

 .
c) y = arctg(-1)
Solução
y = arctg(-1)  tg y = -1 . Lembrando que y 




 

2
,
2
, temos y =  /4, ou seja,  
4
1arctg

 .
EXERCÍCIOS SOBRE TRIGONOMETRIA
1) Em cada um dos casos, calcule o seno, o cosseno, a tangente do ângulo agudo assinalado:
2) Um barco deveria sair do porto da cidade A e ir até o porto da cidade B em uma linha reta, (no
sentido norte-sul). Entretanto, uma correnteza fez com que o barco sofresse um desvio de na
direção leste. Ultrapassando o trecho de correnteza o capitão necessitou efetuar uma correção no
rumo no barco de 45º para a esquerda, de tal forma que ao reencontrar a rota original é possível
traçar um triângulo retângulo.
(norte) A
5 milhas
(leste)
(sul) B
3) A lua é satélite natural da Terra e faz uma revolução em torno do sol em aproximadamente 28
dias.
a) De quantos radianos é o movimento da lua em um dia?
b) Qual a distância percorrida pela lua em uma revolução completa? (adote a distância da terra à
lua de 385.000km).
4) Reduza os arcos à primeira volta, represente-os graficamente e calcule o valor de seu seno,
cosseno e tangente.
a)1470º b) –1020º c)
4
25
d)
2
5

5) Determine o valor de
(a) sen 1620º (b) sen (-990º)
6) Sendo sen a = 1/2 e cos b = -1/2, sabendo que a e b são arcos do 2º quadrante, calcule:
a) sen (a+b) b) cos(a-b) c) tg (a+b)
Se o barco percorreu 5 milhas na direção
leste, quanto ele teve que andar para
retornar á rota original?
7) Resolva a expressão matemática
a) x = sen (/6)- cos (2/3)-3*sen()
b) y = tg(/4)+2*sen(5/6) – [sen (/3)-cos(/6)]
8) (MACK) O valor se sen 55º.cos35º+sen35º.cos55º é:
a) –1 b) -0,5 c) zero d)0,5 e) 1,0
9) Simplifique as expressões:
a) )x5(sen)x9(sen  b) sen (x-900º) + cos (x-540º)
10) Construa o gráfico (dois períodos completos) das seguintes funções, explicitando o domínio, a
imagem e o período:
a) y = 4 sen x b) y=1 - sen x c) y = 2 sen x/4
11) Calcule :
a) sen (9/4) e cos (9/4)
b) sen (-2/3) e sen (-2/3)
c) sen 8 e cos8
12. Encontre os valores do ângulo no intervalo [0, 2) que satisfaça as equações:
a) sen =1; cos=-1; tg =1; sec=1;
b) sen =0; cos=0; tg=0; sec=0;
c) sen = -1/2; cos= 1/2; tg= -1; sec=2.
13. Determine o período das funções:
a) y = sen (8) b) z= 4 sen (8)
c) x = cos (4/7) d) p=3 cos(/4+/2)
14. Simplifique a expressão 







 cos
2
sen)sen()sen( .
15. Sabendo-se que sen  = -1/3, calcule:
a) sen (  - ) b) sen (  + ) c) cos (/2 - )
16. Usando as fórmulas de adição, calcule:
a) sen (+/2) b) cos75º c) cos (5/6), (sugestão 5/6 = /2+/3)
17. Mostre que  cossen22sen .
18. Mostre que
2
2cos
2
1
cos2 
 .
RESPOSTAS DOS EXERCÍCIOS DO CÁLCULO ZERO - TRIGONOMETRIA
1) a)
2
1
tg,
5
52
cos,
5
5
sen  b)
4
3
tg,
5
4
cos,
5
3
sen 
2) 5 2
3) a) /14 rad b) 770.000  km
4) a) 1470º equivale a 30º portando sen 30º = ½; cos 30º = 3 /2 e tg 30º = 3 /3
b) – 920 º equivale a 60º portando sen 60º = 3 /2 , cos 60º =1/2 e tg 60º = 3
c) 25/4 equivale a /4 portando sen /4 = 2 /2 , cos /4 = 2 /2 e tg /4 = 1
d) -5/2 equivale a 3/2 portando sen 3/2 = -1 , cos 3/2 = 0 e tg 3/2 = indefinida
5) a) zero b) 1
6) a) 1 b) 3 /2 c)indefinido
7) a) -1 b) 2
8) e
9) a) 2 sen x b) -sen x - cos x
10) a) Dom =  , Im = [-4, 4], p=2 b) ) Dom =  , Im = [0, 1], p=2
c) Dom =  , Im = [-2, 2], p=8
11) a) 2 /2 e 2 /2 b) - 3 /2 e -1/2 c) 0 e 1
12) a) /2, , /4 e 5/4, 0
b) 0 e , /2 e 3/2, 0 e , /2 e 3/2
c) 7/6 e 11/6, /3 e 5/3, 3/4 e 7/4, /3 e 5/3
13) a) /4 b) /4 c) 7/2 d) 8
14) –2sen
15) a) – 1/3 b) 1/3 c) -1/2
16) a) - 3 /2 b)   4/26  c) - 3 /2

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Arte na idade média
Arte na idade médiaArte na idade média
Arte na idade média
Sofia Yuna
 
A arquitetura gótica
A arquitetura góticaA arquitetura gótica
A arquitetura gótica
Ana Barreiros
 
Arte e arquitectura renascentista
Arte e arquitectura renascentistaArte e arquitectura renascentista
Arte e arquitectura renascentista
Sofia Pais
 
Inscricaoecircunscricaodesolidosgeometricos
InscricaoecircunscricaodesolidosgeometricosInscricaoecircunscricaodesolidosgeometricos
Inscricaoecircunscricaodesolidosgeometricos
didicadoida
 
+Sistema de equações do 1º e do 2º grau
+Sistema de equações do 1º e do 2º grau+Sistema de equações do 1º e do 2º grau
+Sistema de equações do 1º e do 2º grau
Camila Rodrigues
 

Mais procurados (20)

Arte na idade média
Arte na idade médiaArte na idade média
Arte na idade média
 
Arte do Renascimento
Arte do RenascimentoArte do Renascimento
Arte do Renascimento
 
Sombras
Sombras Sombras
Sombras
 
A arquitetura gótica
A arquitetura góticaA arquitetura gótica
A arquitetura gótica
 
Provincias unidas
Provincias unidasProvincias unidas
Provincias unidas
 
Arte e arquitectura renascentista
Arte e arquitectura renascentistaArte e arquitectura renascentista
Arte e arquitectura renascentista
 
O Barroco
O BarrocoO Barroco
O Barroco
 
Arquitectura do renascimento
Arquitectura do renascimentoArquitectura do renascimento
Arquitectura do renascimento
 
Isometrias 6º ano (translação, rotação, reflexão)
Isometrias   6º ano (translação, rotação, reflexão)Isometrias   6º ano (translação, rotação, reflexão)
Isometrias 6º ano (translação, rotação, reflexão)
 
Inscricaoecircunscricaodesolidosgeometricos
InscricaoecircunscricaodesolidosgeometricosInscricaoecircunscricaodesolidosgeometricos
Inscricaoecircunscricaodesolidosgeometricos
 
Arquitetura romana ii
Arquitetura romana iiArquitetura romana ii
Arquitetura romana ii
 
+Sistema de equações do 1º e do 2º grau
+Sistema de equações do 1º e do 2º grau+Sistema de equações do 1º e do 2º grau
+Sistema de equações do 1º e do 2º grau
 
Arquitetura barroca - História da Arte
Arquitetura barroca - História da ArteArquitetura barroca - História da Arte
Arquitetura barroca - História da Arte
 
Exercício passo-a-passo pirâmide em plano rampa - fácil
Exercício passo-a-passo pirâmide em plano rampa - fácilExercício passo-a-passo pirâmide em plano rampa - fácil
Exercício passo-a-passo pirâmide em plano rampa - fácil
 
Secções Planas
Secções PlanasSecções Planas
Secções Planas
 
Arcos
ArcosArcos
Arcos
 
Rococó
RococóRococó
Rococó
 
Módulo 6 escultura barroca
Módulo 6   escultura barrocaMódulo 6   escultura barroca
Módulo 6 escultura barroca
 
Andebol b regras do jogo
Andebol b regras do jogoAndebol b regras do jogo
Andebol b regras do jogo
 
Gian Lorenzo Bernini 2
Gian Lorenzo Bernini 2Gian Lorenzo Bernini 2
Gian Lorenzo Bernini 2
 

Semelhante a Trigonometria

1 ano trigonometria no triângulo retângulo - 2008
1 ano   trigonometria no triângulo retângulo - 20081 ano   trigonometria no triângulo retângulo - 2008
1 ano trigonometria no triângulo retângulo - 2008
Erick Fernandes
 
Base trigonometria 001
Base trigonometria  001Base trigonometria  001
Base trigonometria 001
trigono_metria
 
Trigonometria ponteiros relogio
Trigonometria ponteiros relogioTrigonometria ponteiros relogio
Trigonometria ponteiros relogio
trigono_metria
 
Função trigonometrica
Função trigonometricaFunção trigonometrica
Função trigonometrica
myri2000
 
Ciclo trigonometrico
Ciclo trigonometricoCiclo trigonometrico
Ciclo trigonometrico
ISJ
 
Aula 7 - Funções Logarítmicas, Exponenciais e Trigonometricas
Aula 7 - Funções Logarítmicas, Exponenciais e TrigonometricasAula 7 - Funções Logarítmicas, Exponenciais e Trigonometricas
Aula 7 - Funções Logarítmicas, Exponenciais e Trigonometricas
Turma1NC
 
Função trigonometrica
Função trigonometricaFunção trigonometrica
Função trigonometrica
myri2000
 

Semelhante a Trigonometria (20)

trigonometria
trigonometriatrigonometria
trigonometria
 
Funções trigonométricas
Funções trigonométricasFunções trigonométricas
Funções trigonométricas
 
1 ano trigonometria no triângulo retângulo - 2008
1 ano   trigonometria no triângulo retângulo - 20081 ano   trigonometria no triângulo retângulo - 2008
1 ano trigonometria no triângulo retângulo - 2008
 
Aula-05_-_Trigonometria-no-triangulo-retangulo.pdf
Aula-05_-_Trigonometria-no-triangulo-retangulo.pdfAula-05_-_Trigonometria-no-triangulo-retangulo.pdf
Aula-05_-_Trigonometria-no-triangulo-retangulo.pdf
 
Base trigonometria 001
Base trigonometria  001Base trigonometria  001
Base trigonometria 001
 
Geometria analítica2
Geometria analítica2Geometria analítica2
Geometria analítica2
 
Geometria analítica2
Geometria analítica2Geometria analítica2
Geometria analítica2
 
Integral de linha
Integral de linhaIntegral de linha
Integral de linha
 
Trigonometria ponteiros relogio
Trigonometria ponteiros relogioTrigonometria ponteiros relogio
Trigonometria ponteiros relogio
 
Função trigonometrica
Função trigonometricaFunção trigonometrica
Função trigonometrica
 
Ciclo trigonometrico
Ciclo trigonometricoCiclo trigonometrico
Ciclo trigonometrico
 
Preparação exame nacional matemática 9.º ano - Parte III
Preparação exame nacional matemática 9.º ano - Parte IIIPreparação exame nacional matemática 9.º ano - Parte III
Preparação exame nacional matemática 9.º ano - Parte III
 
RAZÕES TRIGONOMÉTRICAS NA CIRCUNFERÊNCIAxxxxxxx.pdf
RAZÕES TRIGONOMÉTRICAS NA CIRCUNFERÊNCIAxxxxxxx.pdfRAZÕES TRIGONOMÉTRICAS NA CIRCUNFERÊNCIAxxxxxxx.pdf
RAZÕES TRIGONOMÉTRICAS NA CIRCUNFERÊNCIAxxxxxxx.pdf
 
Aula 7 - Funções Logarítmicas, Exponenciais e Trigonometricas
Aula 7 - Funções Logarítmicas, Exponenciais e TrigonometricasAula 7 - Funções Logarítmicas, Exponenciais e Trigonometricas
Aula 7 - Funções Logarítmicas, Exponenciais e Trigonometricas
 
Funções do 1º grau
Funções do 1º grauFunções do 1º grau
Funções do 1º grau
 
3º Ano FunçãO
3º Ano  FunçãO3º Ano  FunçãO
3º Ano FunçãO
 
Trigonometria
TrigonometriaTrigonometria
Trigonometria
 
Função trigonometrica
Função trigonometricaFunção trigonometrica
Função trigonometrica
 
Ciclo trigo
Ciclo trigoCiclo trigo
Ciclo trigo
 
Formulas mat
Formulas matFormulas mat
Formulas mat
 

Último

Gramática - Texto - análise e construção de sentido - Moderna.pdf
Gramática - Texto - análise e construção de sentido - Moderna.pdfGramática - Texto - análise e construção de sentido - Moderna.pdf
Gramática - Texto - análise e construção de sentido - Moderna.pdf
Kelly Mendes
 
1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf
1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf
1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf
aulasgege
 
ATIVIDADE 1 - ENF - ENFERMAGEM BASEADA EM EVIDÊNCIAS - 52_2024
ATIVIDADE 1 - ENF - ENFERMAGEM BASEADA EM EVIDÊNCIAS - 52_2024ATIVIDADE 1 - ENF - ENFERMAGEM BASEADA EM EVIDÊNCIAS - 52_2024
ATIVIDADE 1 - ENF - ENFERMAGEM BASEADA EM EVIDÊNCIAS - 52_2024
azulassessoria9
 

Último (20)

Slides Lição 07, Central Gospel, As Duas Testemunhas Do Final Dos Tempos.pptx
Slides Lição 07, Central Gospel, As Duas Testemunhas Do Final Dos Tempos.pptxSlides Lição 07, Central Gospel, As Duas Testemunhas Do Final Dos Tempos.pptx
Slides Lição 07, Central Gospel, As Duas Testemunhas Do Final Dos Tempos.pptx
 
Acróstico - Maio Laranja
Acróstico  - Maio Laranja Acróstico  - Maio Laranja
Acróstico - Maio Laranja
 
EBPAL_Serta_Caminhos do Lixo final 9ºD (1).pptx
EBPAL_Serta_Caminhos do Lixo final 9ºD (1).pptxEBPAL_Serta_Caminhos do Lixo final 9ºD (1).pptx
EBPAL_Serta_Caminhos do Lixo final 9ºD (1).pptx
 
Química-ensino médio ESTEQUIOMETRIA.pptx
Química-ensino médio ESTEQUIOMETRIA.pptxQuímica-ensino médio ESTEQUIOMETRIA.pptx
Química-ensino médio ESTEQUIOMETRIA.pptx
 
Gramática - Texto - análise e construção de sentido - Moderna.pdf
Gramática - Texto - análise e construção de sentido - Moderna.pdfGramática - Texto - análise e construção de sentido - Moderna.pdf
Gramática - Texto - análise e construção de sentido - Moderna.pdf
 
Poema - Maio Laranja
Poema - Maio Laranja Poema - Maio Laranja
Poema - Maio Laranja
 
O que é, de facto, a Educação de Infância
O que é, de facto, a Educação de InfânciaO que é, de facto, a Educação de Infância
O que é, de facto, a Educação de Infância
 
transcrição fonética para aulas de língua
transcrição fonética para aulas de línguatranscrição fonética para aulas de língua
transcrição fonética para aulas de língua
 
UFCD_8291_Preparação e confeção de peixes e mariscos_índice.pdf
UFCD_8291_Preparação e confeção de peixes e mariscos_índice.pdfUFCD_8291_Preparação e confeção de peixes e mariscos_índice.pdf
UFCD_8291_Preparação e confeção de peixes e mariscos_índice.pdf
 
Maio Laranja - Combate à violência sexual contra crianças e adolescentes
Maio Laranja - Combate à violência sexual contra crianças e adolescentesMaio Laranja - Combate à violência sexual contra crianças e adolescentes
Maio Laranja - Combate à violência sexual contra crianças e adolescentes
 
Modelos de Inteligencia Emocional segundo diversos autores
Modelos de Inteligencia Emocional segundo diversos autoresModelos de Inteligencia Emocional segundo diversos autores
Modelos de Inteligencia Emocional segundo diversos autores
 
1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf
1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf
1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf
 
ATIVIDADE 1 - ENF - ENFERMAGEM BASEADA EM EVIDÊNCIAS - 52_2024
ATIVIDADE 1 - ENF - ENFERMAGEM BASEADA EM EVIDÊNCIAS - 52_2024ATIVIDADE 1 - ENF - ENFERMAGEM BASEADA EM EVIDÊNCIAS - 52_2024
ATIVIDADE 1 - ENF - ENFERMAGEM BASEADA EM EVIDÊNCIAS - 52_2024
 
FUNDAMENTOS DA PSICOPEDAGOGIA - material
FUNDAMENTOS DA PSICOPEDAGOGIA - materialFUNDAMENTOS DA PSICOPEDAGOGIA - material
FUNDAMENTOS DA PSICOPEDAGOGIA - material
 
SQL Parte 1 - Criação de Banco de Dados.pdf
SQL Parte 1 - Criação de Banco de Dados.pdfSQL Parte 1 - Criação de Banco de Dados.pdf
SQL Parte 1 - Criação de Banco de Dados.pdf
 
425416820-Testes-7º-Ano-Leandro-Rei-Da-Heliria-Com-Solucoes.pdf
425416820-Testes-7º-Ano-Leandro-Rei-Da-Heliria-Com-Solucoes.pdf425416820-Testes-7º-Ano-Leandro-Rei-Da-Heliria-Com-Solucoes.pdf
425416820-Testes-7º-Ano-Leandro-Rei-Da-Heliria-Com-Solucoes.pdf
 
EB1 Cumeada Co(n)Vida à Leitura - Livros à Solta_Serta.pptx
EB1 Cumeada Co(n)Vida à Leitura - Livros à Solta_Serta.pptxEB1 Cumeada Co(n)Vida à Leitura - Livros à Solta_Serta.pptx
EB1 Cumeada Co(n)Vida à Leitura - Livros à Solta_Serta.pptx
 
Alemanha vs União Soviética - Livro de Adolf Hitler
Alemanha vs União Soviética - Livro de Adolf HitlerAlemanha vs União Soviética - Livro de Adolf Hitler
Alemanha vs União Soviética - Livro de Adolf Hitler
 
Histogramas.pptx...............................
Histogramas.pptx...............................Histogramas.pptx...............................
Histogramas.pptx...............................
 
Formação T.2 do Modulo I da Formação HTML & CSS
Formação T.2 do Modulo I da Formação HTML & CSSFormação T.2 do Modulo I da Formação HTML & CSS
Formação T.2 do Modulo I da Formação HTML & CSS
 

Trigonometria

  • 1. TRIGONOMETRIA A trigonometria é uma parte importante da Matemática. Começaremos lembrando as relações trigonométricas num triângulo retângulo. Num triângulo ABC, retângulo em A, indicaremos por Bˆ e por Cˆ as medidas dos ângulos internos, respectivamente nos vértices B e C. TEOREMA DE PITÁGORAS: Em todo triângulo retângulo, a soma dos quadrados das medidas dos catetos é igual ao quadrado da medida da hipotenusa. 222 cba  Definições: 1. Em todo triângulo retângulo, o seno de um ângulo agudo é a razão entre a medida do cateto oposto a esse ângulo e a medida da hipotenusa. a b hipotenusa Bˆânguloaoopostocateto Bˆsen  a c hipotenusa Cˆânguloaoopostocateto Cˆsen  2. Em todo triângulo retângulo, o cosseno de um ângulo agudo é a razão entre a medida do cateto adjacente a esse ângulo e a medida da hipotenusa. a c hipotenusa Bˆânguloaoadjacentecateto Bˆcos  a b hipotenusa Cˆânguloaoadjacentecateto Cˆcos 
  • 2. 3. Em todo triângulo retângulo, a tangente de um ângulo agudo é a razão entre a medida dos catetos oposto e adjacente a esse ângulo. c b Bˆânguloaoadjacentecateto Bˆânguloaoopostocateto Bˆtg  b c Cˆânguloaoadjacentecateto Cˆânguloaoopostocateto Cˆtg  Observação: Note que Bˆcos Bˆsen a c a b c b Bˆtg  . Em geral, utilizaremos xcos xsen xtg  , para o ângulo x. VALORES NOTÁVEIS 1) Considere o triângulo eqüilátero de medida de lado a. 2 1 a 2 a )30(sen  2 3 a 2 3a )30cos(  3 3 3 1 2 3a 2 a )30(tg  2 3 a 2 3a )60(sen  2 1 a 2 a )60cos(  3 2 a 2 3a )60(tg 
  • 3. 2) Considere o quadrado de medida de lado a. 2 2 2 1 2a a )45(sen  2 2 2 1 2a a )45cos(  1 a a )45(tg  Resumindo: 30o 45o 60o Seno 2 1 2 2 2 3 Cosseno 2 3 2 2 2 1 Tangente 3 3 1 3 ARCOS DE CIRCUNFERÊNCIA Dados dois pontos distintos A e B sobre uma circunferência, esta fica dividida em duas partes, denominadas arcos, que indicaremos por ou . As unidades usuais para arcos de circunferência são: grau e radiano.
  • 4. MEDIDA DE ARCOS Considere uma circunferência orientada, de centro O e raio unitário. Definimos: GRAU: é o arco unitário correspondente a 360 1 da circunferência que contém o arco a ser medido. RADIANO: é um arco unitário cujo comprimento é igual ao raio da circunferência que contém o arco a ser medido. ( o radiano 571  ) As medidas de arcos de circunferências em graus e em radianos são diretamente proporcionais, possibilitando a obtenção da equação de conversão de unidades, através de uma regra de três simples, em que  é a medida em graus e  em radianos. medida em graus medida em radianos   180       180 CICLO TRIGONOMÉTRICO Considere uma circunferência orientada, de centro O e raio unitário. Imagine um ponto A se deslocando sobre a circunferência. Existe uma diferença muito importante para se graduar uma reta e uma circunferência: enquanto que na reta cada ponto corresponde a um único número real, na circunferência cada ponto corresponde a uma infinidade de números reais e todos diferem de múltiplos inteiros de 2 .
  • 5. A figura a seguir ilustra a graduação, em radianos, de uma circunferência de raio 1. Ao marcarmos o ponto P na circunferência de raio 1, temos um triângulo retângulo correspondente, de onde calculamos: p p x 1 x cos  ; p p y y sen  1 ; 122  pp yx obtendo-se 122  sencos A figura acima mostra que no eixo x temos o valor do cosseno e no eixo y, temos o seno, definindo o chamado ciclo trigonométrico.
  • 6. Para os pontos A, B, C e D podemos obter os seguintes valores: sen0 = yA = 0 cos0 =xA = 1 sen 2  = yB = 1 cos 2  =xB = 0 sen  = yC = 0 cos  =xC = -1 sen 2 3 = yD = 1 cos 2 3 =xD = 0 sen2 = yA = 0 cos2  =xA = 1 FUNÇÕES TRIGONOMÉTRICAS Estudaremos as funções seno, cosseno, tangente, cotangente, secante e cossecante, nos ciclos trigonométricos. Veremos a periodicidade e os gráficos das funções seno cosseno e tangente. O que é periodicidade? Para que fique bem claro o que este termo quer dizer, vamos exemplificar com os dias da semana, de 7 em 7 dias eles se repetem, chamamos este fato de periódico, e o período é 7. Estas três funções que serão apresentadas são ditas funções periódicas. Definição: Uma função f é periódica se existir um número real p > 0 tal que f(x+p) = f(x), fDomx  . Neste caso, o menor valor de p que satisfaz tal condição é chamado período de f.
  • 7. Observação: o gráfico de uma função periódica é caracterizado por ter seu “desenho” se repetindo. Assim, para desenharmos a curva toda, basta desenharmos a parte correspondente a um período e copiar à direita e à esquerda infinitas cópias da parte desenhada. Vamos analisar a periodicidade destas três funções trigonométricas: 1) Seno sen(x) = sen(x + 2 ) = sen(x + 4 ) =..... = sen(x + k2  ), k  Z. Seno é função periódica de período 2  2) Cosseno cos(x) = cos(x + 2  ) = cos(x + 4  ) =..... = cos(x + k2  ), k  Z. Cosseno é função periódica de período 2 3) Tangente tg(x) = tg(x +  ) = tg(x+ 2 ) =..... = tg(x + k  ), k  Z. Tangente é função periódica de período  Generalizando: y = a sen(kx) e y = a cos(kx) p = k 2 Generalizando: y = a tg(kx) p = k  Exemplos: 1) Determine o período de cada função: a). y = 3 sen(x) p = 2  b) y = 3 sen(2x) p =   2 2 c). y = 2 sen(x/2) p =   4 2/1 2 d) y = 3 cos(2x) p =   2 2 e) y = cos(3x/5) p = 3 10 5/3 2    2) Determine o período de cada função: a). y = tg(2x) p = 2  b). y = 2 tg(x) p =  a). y = tg(x/2) p =   2 2/1
  • 8. GRÁFICO DA FUNÇÃO SENO y = sen x Propriedades a) Dom =  b) Img = [-1, 1] c) Período = 2 d) sen (-x) = - sen (x) GRÁFICO DA FUNÇÃO COSSENO y = cos x Propriedades a) Dom =  b) Img = [-1, 1] c) Período = 2 d) cos (-x) = cos (x) GRÁFICO DA FUNÇÃO TANGENTE y = tg x Propriedades a) Dom = }kx/x{  2 b) Img =  c) Período =  d) tg (-x) = -tg (x) RELAÇÕES FUNDAMENTAIS tg x = xcos senx , para    k 2 x com Zk  sen2 x + cos2 x = 1, para Rx  cotg x = senx xcos , para  kx com Zk  sec2 x = 1 + tg2 x, para    k 2 x com Zk  sec x = xcos 1 , para    k 2 x com Zk  cossec2 x = 1 + cotg2 x, para  kx com Zk  cossec x = senx 1 , para  kx com Zk 
  • 9. FÓRMULAS DE ADIÇÃO E SUBTRAÇÃO Sendo “a” e “b” dois números reais. sen(a + b) = sena.cosb + cosa.senb sen(a – b) = sena.cosb – cosa.senb cos(a + b) = cosa.cosb - sena.senb cos(a – b) = cosa.cosb + sena.senb tg(a + b) = tgb.tga tgbtga   1 tg(a - b) = tgb.tga tgbtga   1 Exemplos 1) Calcule a) )15cos(  Solução: 4 26 2 1 2 2 2 3 2 2 )30(sen)45(sen)30cos()45cos()3045cos()15cos(     b) )15(sen  Solução: 4 26 2 1 2 2 2 3 2 2 )30cos()45(sen)30cos()45(sen)3045(sen)15(sen     b) )15(tg  Solução:       32 6 326 6 3612 39 3369 33 33323 33 33 33 33 33 33 3 33 3 33 3 3 11 3 3 1 )30(tg)45(tg1 )30(tg)45(tg )3045(tg)15(tg 22 22                                 
  • 10. FÓRMULAS DE MULTIPLICAÇÃO: ARCO DUPLO (2a) A partir das fórmulas de adição e subtração, podemos obter as seguintes fórmulas de multiplicação: cos(2a) = cos(a+a) = cos a cos a – sen a sen a = cos2 a – sen2 a = =cos2 a –(1- cos2 a ) = 2 cos2 a -1 sen(2a) = sen(a+a) = sen a cos a + sen a cos b = 2 sen a cos a tg(2a) = tg (a+a) = atg1 tga2 tga.tga1 tgatga 2     Ou seja, cos 2a = asenacos 22  sen 2a = 2 sen a . cos a cos 2a = 2 cos2 a – 1 tg 2a = .atg1 tga2 2  cos 2a= 1 – 2 sen2 a Exemplos 1) Sabendo que 3 1 )x(tg  , calcule tg(2x). Solução tg(2x) = 4 3 8 9 3 2 9 8 3 2 9 1 1 3 1 2 .xtg1 xtg2 2      2) Resolva a equação 1)x(sen3)x2cos(  . Solução 02)x(sen3)x(sen2 1)x(sen3)x(sen)x(sen1 1)x(sen3)x(sen)x(cos 1)x(sen3)x2cos( 2 22 22     Resolvendo a equação de 2º grau em sen(x), temos: 25169)2(2432 
  • 11. xexistenão2 4 53 ou k2 6 5 xouk2 6 x 2 1 4 53 4 53 )x(sen            Conjunto solução:            Zk,k2 6 5 xouk2 6 xRxS FÓRMULAS DE BISSECÇÃO As fórmulas de bissecção podem ser obtidas do seguinte modo: 2 )b2cos(1 bsen)b2cos(1bsen2bsen21)b2cos( 222   e, se considerarmos b= 2 a , obtemos 2 1 2 2 acosa sen   . Seguindo essa idéia, temos 2 1 2 2 acosa sen   2 1 2 2 acosa cos   acos acosa tg    1 1 2 2 RELAÇÕES DE PROSTAFÉRESE Fazendo      qba pba , ou seja,           2 qp b 2 qp a e substituindo nas fórmulas de adição e subtração, obtemos as relações de prostaférese dadas por sen p + sen q = 2 qp cos 2 qp sen2     sen p - sen q = 2 qp cos 2 qp sen2    
  • 12. cos p + cos q = 2 qp cos 2 qp cos2     cos p - cos q = 2 qp sen 2 qp sen2     tg p + tg q = )qcos().pcos( )qp(sen  tg p - tg q = )qcos().pcos( )qp(sen  FUNÇÕES TRIGONOMÉTRICAS INVERSAS Nosso problema agora é procurar, se existirem, valores de y para os quais sen y = x, lembrando que 1x1  . Dado x, o valor de y correspondente tal que sen y = x determina uma função. Mas, para que o valor de x determinado seja único, teremos que usar a restrição 2 y 2    . Para solucionarmos esta questão, temos que estudar as funções trigonométricas inversas. 1) Função arco-seno (arcsen) A cada x  [–1,1] associa-se um único y         2 , 2 tais que sen y = x. Assim, definimos a função arcsen : [–1,1]         2 , 2 x )x(arcseny 
  • 13. Exemplos 1) Calcule a) y = arcsen(1/2) Solução y = arcsen(1/2)  sen y = 1/2 . Lembrando que y         2 , 2 , temos y =  /6, ou seja, 62 1 arcsen        . b) y = arcsen(0) Solução y = arcsen(0)  sen y = 0 . Lembrando que y         2 , 2 , temos y = 0, ou seja,   00arcsen  . c) y = arcsen(-1/2) Solução y = arcsen(-1/2)  sen y = -1/2 . Lembrando que y         2 , 2 , temos y =  /6, ou seja, 62 1 arcsen         . d) y = arcsen(1) Solução y = arcsen(1)  sen y = 1 . Lembrando que y         2 , 2 , temos y =  /2, ou seja,   2 1arcsen   .
  • 14. 2) Função arco-cosseno (arccos) A cada x  [–1,1] associa-se um único y   ,0 tais que cos y = x. Assim, definimos a função arccos : [–1,1]   ,0 x )xarccos(y  Exemplos 1) Calcule a) y = arccos(1/2) Solução y = arccos(1/2)  cos y = 1/2 . Lembrando que y   ,0 , temos y =  /3, ou seja, 32 1 arccos        . b) y = arccos(0) Solução y = arccos(0)  cos y = 0 . Lembrando que y   ,0 , temos y =  /2, ou seja,   2 0arccos   . c) y = arccos(-1/2) Solução y = arccos(-1/2)  cos y = -1/2. Lembrando que y   ,0 temos y = 2 /3, ou seja, 3 2 2 1 arccos         . d) y = arccos(1) Solução y = arccos(1)  cos y = 1 . Lembrando que y   ,0 temos y =  , ou seja,   1arccos .
  • 15. 3) Função arco-tangente (arctg) A cada x  [–1,1] associa-se um único y         2 , 2 tais que tg y = x. Assim, definimos a função arcsen : [–1,1]         2 , 2 x )x(arctgy  Exemplos 1) Calcule a) y = arctg(1) Solução y = arctg(1)  tg y = 1 . Lembrando que y         2 , 2 , temos y =  /4, ou seja,   4 1arctg   . b) y = arcsen( 3 ) Solução y = arctg( 3 )  tg y = 3 . Lembrando que y         2 , 2 , temos y =  /3, ou seja,   3 3arctg   . c) y = arctg(-1) Solução y = arctg(-1)  tg y = -1 . Lembrando que y         2 , 2 , temos y =  /4, ou seja,   4 1arctg   .
  • 16. EXERCÍCIOS SOBRE TRIGONOMETRIA 1) Em cada um dos casos, calcule o seno, o cosseno, a tangente do ângulo agudo assinalado: 2) Um barco deveria sair do porto da cidade A e ir até o porto da cidade B em uma linha reta, (no sentido norte-sul). Entretanto, uma correnteza fez com que o barco sofresse um desvio de na direção leste. Ultrapassando o trecho de correnteza o capitão necessitou efetuar uma correção no rumo no barco de 45º para a esquerda, de tal forma que ao reencontrar a rota original é possível traçar um triângulo retângulo. (norte) A 5 milhas (leste) (sul) B 3) A lua é satélite natural da Terra e faz uma revolução em torno do sol em aproximadamente 28 dias. a) De quantos radianos é o movimento da lua em um dia? b) Qual a distância percorrida pela lua em uma revolução completa? (adote a distância da terra à lua de 385.000km). 4) Reduza os arcos à primeira volta, represente-os graficamente e calcule o valor de seu seno, cosseno e tangente. a)1470º b) –1020º c) 4 25 d) 2 5  5) Determine o valor de (a) sen 1620º (b) sen (-990º) 6) Sendo sen a = 1/2 e cos b = -1/2, sabendo que a e b são arcos do 2º quadrante, calcule: a) sen (a+b) b) cos(a-b) c) tg (a+b) Se o barco percorreu 5 milhas na direção leste, quanto ele teve que andar para retornar á rota original?
  • 17. 7) Resolva a expressão matemática a) x = sen (/6)- cos (2/3)-3*sen() b) y = tg(/4)+2*sen(5/6) – [sen (/3)-cos(/6)] 8) (MACK) O valor se sen 55º.cos35º+sen35º.cos55º é: a) –1 b) -0,5 c) zero d)0,5 e) 1,0 9) Simplifique as expressões: a) )x5(sen)x9(sen  b) sen (x-900º) + cos (x-540º) 10) Construa o gráfico (dois períodos completos) das seguintes funções, explicitando o domínio, a imagem e o período: a) y = 4 sen x b) y=1 - sen x c) y = 2 sen x/4 11) Calcule : a) sen (9/4) e cos (9/4) b) sen (-2/3) e sen (-2/3) c) sen 8 e cos8 12. Encontre os valores do ângulo no intervalo [0, 2) que satisfaça as equações: a) sen =1; cos=-1; tg =1; sec=1; b) sen =0; cos=0; tg=0; sec=0; c) sen = -1/2; cos= 1/2; tg= -1; sec=2. 13. Determine o período das funções: a) y = sen (8) b) z= 4 sen (8) c) x = cos (4/7) d) p=3 cos(/4+/2) 14. Simplifique a expressão          cos 2 sen)sen()sen( . 15. Sabendo-se que sen  = -1/3, calcule: a) sen (  - ) b) sen (  + ) c) cos (/2 - ) 16. Usando as fórmulas de adição, calcule: a) sen (+/2) b) cos75º c) cos (5/6), (sugestão 5/6 = /2+/3) 17. Mostre que  cossen22sen . 18. Mostre que 2 2cos 2 1 cos2   .
  • 18. RESPOSTAS DOS EXERCÍCIOS DO CÁLCULO ZERO - TRIGONOMETRIA 1) a) 2 1 tg, 5 52 cos, 5 5 sen  b) 4 3 tg, 5 4 cos, 5 3 sen  2) 5 2 3) a) /14 rad b) 770.000  km 4) a) 1470º equivale a 30º portando sen 30º = ½; cos 30º = 3 /2 e tg 30º = 3 /3 b) – 920 º equivale a 60º portando sen 60º = 3 /2 , cos 60º =1/2 e tg 60º = 3 c) 25/4 equivale a /4 portando sen /4 = 2 /2 , cos /4 = 2 /2 e tg /4 = 1 d) -5/2 equivale a 3/2 portando sen 3/2 = -1 , cos 3/2 = 0 e tg 3/2 = indefinida 5) a) zero b) 1 6) a) 1 b) 3 /2 c)indefinido 7) a) -1 b) 2 8) e 9) a) 2 sen x b) -sen x - cos x 10) a) Dom =  , Im = [-4, 4], p=2 b) ) Dom =  , Im = [0, 1], p=2 c) Dom =  , Im = [-2, 2], p=8 11) a) 2 /2 e 2 /2 b) - 3 /2 e -1/2 c) 0 e 1 12) a) /2, , /4 e 5/4, 0 b) 0 e , /2 e 3/2, 0 e , /2 e 3/2 c) 7/6 e 11/6, /3 e 5/3, 3/4 e 7/4, /3 e 5/3 13) a) /4 b) /4 c) 7/2 d) 8 14) –2sen 15) a) – 1/3 b) 1/3 c) -1/2 16) a) - 3 /2 b)   4/26  c) - 3 /2