Trabalho tn

604 visualizações

Publicada em

0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
604
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
316
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
2
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Trabalho tn

  1. 1. Turismo de Natureza Prof: Rui Gomes 2011 Luciana Oliveira | Animação Turística 2011 Reinventing the Wheel: A Definitional Discussion of Bicycle Tourism
  2. 2. 2 Índice 1. Introdução 3 2. Corpo de Trabalho 2.1 Resumo 4 2.2 Introdução e Contexto 5/6 2.3 Conclusões 7 2.4 Comparação com os Paradoxos 8/9 3. Conclusão 10
  3. 3. 3 Introdução Com a análise deste artigo pretende-se esclarecer conceitos sobre uma temática de turismo da natureza, nomeadamente o cicloturismo que surge como uma vertente de ecoturismo, que pretende continuar a sua existência em harmonia com a biodiversidade e vingar no panorama do turismo a nível global. Como tal, o principal objetivo é que o leitor no final fique sensibilizado para estas tendências e aja de uma maneira mais sustentavel e amiga do ambiente, permitindo que as gerações vindouras tenham recursos para a sua sobrevivência e possam conhecer a natureza como nós já a conhecemos.
  4. 4. 4 Corpo de trabalho Reinventing the Wheel: A Definitional Discussion of Bicycle Tourism (“A reinvenção da Roda”: reestruturação da definição do conceito de cicloturismo) por Matthew Lamont Resumo A relação entre cicloturismo e turismo tem vindo a atrair cada vez mais a atenção dos estudiosos. Pois, o cicloturismo foi alvo de um ressurgimento na forma de lazer, entretenimento e prática desportiva. Enquanto existirem várias tentativas de definição de cicloturismo, a interpretação atual é dividida com base na análise de parâmetros na caracterização do publico-alvo do cicloturismo. Também existe uma disparidade entre a série de actividades de cicloturismo e as características que distinguem a participação dos turistas desta modalidade de outros turistas. Ao mesmo tempo, alguns mercados turísticos potencialmente significativos relacionados com o cicloturismo tem sido ignorados ou exageradamente excluídos das definições existentes. Este trabalho examina criticamente as definições existentes e propõe uma definição técnica de cicloturismo, destinado a facilitar uma mais rigorosa e consistente dimensão estatística sobre esta forma de turismo. Incompatibilidades dos parâmetros utilizados na definição proposta também serão discutidos ao longo do papel. Palavras-Chave: Cicloturismo; Ciclismo; Definição; Lazer; Entretenimento.
  5. 5. 5 Introdução e Contexto Durante a década de 1890, a bicicleta representou um meio de transporte para a maioria das classes sociais, antes da produção em massa de veículos a motor. O ciclismo foi extremamente popular até por volta de 1920, até que os automóveis se tornaram acessíveis às classes superiores. Assim, O “boom da bicicleta” deixou embaixadores/testemunhos em forma de organizações, tais como: a Liga de Ciclistas Americanos e o Clube de Ciclistas no Reino Unido, que continuam a defender o ciclismo de alta qualidade e, por isso, o uso da bicicleta tem vindo a aumentar (Tobin, 1974). Hoje, a modalidade é emergente e sugere-se o ciclismo não só como lazer, mas também como entretenimento e turismo. No entanto está passando por uma fase de reestruturação. Ritchie (1998) chamou à atenção para dados que indicam um crescimento em vendas de bicicletas em toda a Europa, no Reino Unido e na Nova Zelândia. Enquanto fontes do governo australiano, demonstram um aumento no ciclismo de lazer e entretenimento, entre 1997 e 2006 (Ministério das Comunicações, Tecnologia da Informação às Artes, 2006). O desenvolvimento de infra-estruturas para suporte de lazer e de entretenimento para o ciclismo, têm como objetivo incentivar o turismo, tornando-se cada vez mais importante sob as decisões dos autarcas e dirigentes políticos. Estes que têm vindo a reconhecer o potencial do ciclismo em contribuir para a revitalização económica, particularmente nas comunidades rurais (Ritchie & Hall, 1999). Além disso, Faulks· (2006) observou o aumento do predomínio da organização de eventos de ciclismo na Austrália, que muitas vezes geram benefícios económicos para as comunidades de acolhimento, de que o New South Wales e o passeio Big Bike Ride são exemplos. Independentemente disso existem numerosas iniciativas que visam estimular viagens de bicicleta. Estas iniciativas geralmente envolvem a construção de infra-estruturas juntamente com a comercialização de campanhas (Publicidade). A Rede Nacional de Ciclovias, no Reino Unido é uma iniciativa da British Sustrans, associação de caridade de transportes sustentáveis. A visão deste projeto é criar um país, com rede de ciclovias de alta qualidade para passageiros, ciclistas recreativos, bem como incentivando o turismo (Sustrans, 2007). Similar à Rede Nacional de Ciclovias, Eurovelo é uma iniciativa da Federação Europeia de Ciclistas, que visa proporcionar alta qualidade aos ciclistas em todo o continente, minimizando a interação com os veículos a motor e, mantendo-os seguros. Em 60.000 km de vias delineadas, e embora os passageiros locais sejam o foco principal da Eurovelo, o turismo é uma consideração a ter em conta como o percurso será em última análise, permitindo aos ciclistas andar por todo o continente de forma livre (Federação Europeia de Ciclistas, 2007). O potencial do ciclismo relacionado com o turismo contribui para o desenvolvimento económico da Austrália rural, que está sendo gradualmente reconhecido. Por exemplo, o Munda Trail Biddi na Austrália Ocidental, em meandros com mais de 900 km, através de uma configuração na maior parte de floresta e por meio de pequenas cidades. O trilho é construído a partir de caminhos florestais velhos e em caminhos ferroviários inutilizáveis. A maioria dos visitantes supostamente despende cerca de três dias de ciclismo no trilho, com uma procura elevada, para o uso durante
  6. 6. 6 a noite, de aluguer de bicicletas, alojamento, transporte, alimentação e bebidas em muitas das cidades da rota (Munda Biddi Foundation, 2005). Apesar da prevalência crescente de iniciativas de oferta e procura de cicloturismo em produtos turísticos, existem estudos académicos sobre a relação entre ciclismo e turismo, que consideram esta fraca. Tem havido pouca discussão em relação às características que distinguem turistas de cicloturismo de outros turistas, resultando em medidas questionáveis sobre o tamanho do mercado de cicloturismo, bem como uma estatística imprecisa, com medições sobre esta forma de turismo. Fomentar o debate sobre parâmetros técnicos que poderiam ser usados para definir o turismo pode contribuir para uma pesquisa mais rigorosa para o tamanho do mercado, avaliação e benefícios e impactos no cicloturismo. Portanto, o objetivo deste trabalho é contribuir com uma definição técnica, o que pode ajudar a esclarecer o alcance e natureza das atividades que podem ser considerados formas de cicloturismo, bem como sugerindo parâmetros para os investigadores de turistas de cicloturismo e distingui-los de outros turistas.
  7. 7. 7 Conclusões A relação entre ciclismo e turismo tem sido observada desde a década de 1890. No entanto, esta relação só recentemente despertou o interesse para estudos. A pesquisa em todo o âmbito dessa relação parece limitada pela falta de debate sobre as características que distinguem os turistas de cicloturismo de outros turistas, como tal tem-se procurado corrigir este papel. Definições inconsistentes podem resultar em conhecimentos divididos, onde é difícil e, muitas vezes imprudente comparar os resultados de diferentes estudos. Até à data existem várias definições de cicloturismo, muitas das quais estão limitadas por parâmetros conceituais do turismo; pela aplicação equivocada de conceitos; ou pela exclusão de atividades de ciclismo com ligações claras com o turismo. Este trabalho analisou criticamente as definições existentes de cicloturismo, e criticou os conceitos incorporados em tais definições. Como resultado, foi proposta a definição por um especialista, apontando o cicloturismo como viagens de um indivíduo para fora da sua região de origem, sendo que a participação ativa ou passiva no ciclismo são considerados o principal objetivo para essa viagem. Esta nova definição amplia o objetivo da investigação da relação entre ciclismo e turismo, justificando a inclusão de pessoas que viajam com o propósito de se alistar no ciclismo competitivo, além de pessoas que viajam especificamente para observar eventos de ciclismo. Um aspecto desta definição proposta que pode causar mais debate é a questão da diferenciação entre excursionistas no mesmo dia e visitantes durante a noite. A definição apresentada inclui no mesmo dia excursionistas e visitantes durante a noite como turistas de cicloturismo, enquanto ao mesmo tempo, enfatizando que esta é uma questão altamente controversa quando se formula uma definição universal do turismo. No entanto, foi sugerida uma aproximação de forma prudente para que estudiosos fornecessem os resultados separados entre excursionistas e visitantes durante a noite, de forma a reduzir as possibilidades de interpretações ambíguas de resultados de investigação, que podem ocorrer se os dados de ambos os grupos forem combinados. Isto é, convém ser particularmente prudente em estudos que medem os benefícios do turismo em regiões específicas, atribuindo aos turistas de cicloturismo no mesmo dia e durante a noite.
  8. 8. 8 Comparação com os Paradoxos Tal como é referido no documento auxiliar, em Definition Paradoxes: From concept to definition de Peter Björk, o Ecoturismo é considerado como uma forma de turismo alternativa à cultura de massas, praticado de uma maneira sustentável tendo em conta os recursos naturais e culturais de uma dada área. Este conceito de “ecoturismo” tem sofrido por várias fases desde sua “criação”, pois tem sido mencionado como um movimento platónico em busca de um panorama ideal, que pretende atingir um equilíbrio entre o Turismo e a Natureza. (Ambos os conceitos interligados suscitam a duvida de permanecer em harmonia constante). Assim, devido a esta dificuldade de conseguir atingir ou tornar real a atitude que a sua teoria defende, o ecoturismo tem sido criticado pois o consideram como impossível de concretizar. Ecotourism has been considered more an ideal than a reality. No entanto, é importante salientar que o ecoturismo não defende apenas a preservação da biodiversidade em áreas onde se pratica turismo e a presença humana é notável. Mas também se preocupa em ser uma alternativa económica viável ao turismo de massas. Na medida em que, pretende concentrar-se em pequenas escalas e de uma forma sustentável. Tendo como principal objetivo o de atenuar a elevada exploração dos recursos e áreas naturais por parte dos turistas que não estão sensibilizados para a preservação da natureza. Como tal, a esta forma alternativa de turismo foi-lhe concebida a difícil tarefa de respeitar a natureza mas também, a de ter mais seguidores desta causa. Não pelo facto de se transformar em mais uma tipologia de turismo de massas mas, para transformar comportamentos dos turistas que visitam estes locais (ou mesmo outros). Mas para que esta vontade se concretize é fulcral uma coordenação mútua entre o comportamento dos turistas, os interesses dos dirigentes políticos e os objetivos das organizações. Ecotourism, for example, should be managed ‘to be low-impact’ (Fennell, 2003). Apresentados estes factos, segue-se uma contextualização entre ecoturismo e o tema deste artigo, - o cicloturismo. Na medida em que, o cicloturismo é uma tipologia de turismo em contacto com a natureza. Ou seja, se as atividades organizadas não forem realizadas da maneira mais correcta e respeitando a biodiversidade pode mesmo ser fatal. Sendo que nos esquecemos e estamos a prejudicar habitats de outros seres vivos, destruindo recursos naturais e modificando paisagens unicas, contribuindo, assim, (sem darmos conta) para o aumento de distúrbios na economia, através de desperdícios e poluição no nosso planeta. Ecotourism is not mass tourism, and can therefore not be the (only) solution to sustainable tourism development Em jeitos de conclusão, é fundamental mencionar que para o cicloturismo ser uma forma de turismo sustentável e que respeite a natureza o contributo principal vem de cada um de nós. A nossa atitude mais que nunca tem que mudar! O turismo não vai deixar de existir e nós não vamos deixar de visitar locais e explorar a biodiversidade ao longo do globo. No entanto, as pessoas têm que perceber que há locais que devem
  9. 9. 9 permanecer intactos e NATURAIS como eles são. Apesar da sua beldade a natureza não existe para contemplar os humanos. Assim se adequa ao cicloturismo, que é realizado em ambientes naturais (e, organizado por humanos). Estes mesmos que devem urgentemente aprender que se podem divertir, relaxar, estar em contacto com a natureza sem a prejudicar. Acima de tudo os humanos devem reconhecer o seu lugar no Mundo e a sua pequenez em relação à Mãe Natureza. Afinal ela é que manda e só cá estamos devido a ela. Respeitá-la é importante.
  10. 10. 10 Conclusão A realização deste trabalho permitiu-me compreender novos conceitos em relação ao cicloturismo que se enquadra na vertente do turismo da natureza. Considero-os importantes na medida em que futuramente me irão ser úteis não só para a organização de atividades que se realizem em ambientes naturais, mas também permitiu que se concretizasse uma sensibilização da minha perspetiva em relação à natureza e às atitudes que tenho no meu quotidiano. Não por que não tivesse já conhecimento mas porque me deu mais vontade e coragem para continuar a agir de uma forma sustentavel e amiga do ambiente. Assim como, convencer mais pessoas a agirem desta forma, fazendo-as perceber que é preciso fazer algo e preservar a natureza que está sempre presente ao longo da nossa vida. E para que ela se mantenha assim por muito tempo é necessário respeitá-la mais e ajudá-la a sobreviver à presença humana.

×