SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 12
Baixar para ler offline
CONEXÃO
CURITIBA
Del. PF
Igor
Romário
de Paula
Carlos
Fernando
dos
Santos
Lima
Delatn
Dallagnol
Sérgio
Moro
Gebran
Neto
Felix
Fischer
Edson
Fachin
Del. PF
Márcio
Anselmo
Juiz do caso Banestado, que envolvia políticos ligados ao ex-
Presidente FHC, como José Serra (PSDB) e Jorge Bornhausen
(PFL), pelo desvio de U$ 30 bilhões. Juiz da 13ª Vara Federal
de Curtiba, é amigo de Gebran Neto, relator da Lava Jato no
TRF-4, de quem foi contemporâneo no programa de pós-
graduação da Universidade Federal do Paraná. Além disso,
Moro e Gebran tiveram o mesmo orientador na UFP.
Sérgio Moro
Desembargador do Tribunal Regional Federal da 4ª região e
responsável por julgar recursos de pessoas condenadas - por
Sérgio Moro - em primeira instância na Lava Jato, é natural
de Curitiba, onde se formou e fez carreira no meio jurídico. Em
um livro de sua autoria, Gebran declarou ser amigo pessoal de
Sérgio Moro, com quem diz manter "uma amizade que só faz
crescer".
Gebran Neto
Relator da Lava Jato no STJ, também tem forte ligação com
Curitiba e região, onde foi professor de diversas universidades
de Direito ao longo da década de 1970, 1980 e 1990 até ser
nomeado por Fernando Henrique Cardoso (PSDB) para o cargo
de ministro no STJ. Fischer não era o relator da Lava Jato no
STJ. Em dezembro de 2015, a relatoria saiu das mãos do
ministro Marcel Navarro e foi para as mãos de Felix Fischer
em razão de uma regra regimental do STJ. Recentemente,
Fischer negou o recurso da defesa de Lula que pedia a
suspeição do juiz Sérgio Moro, contrariando o parecer da
desembargadora Aurea Maria E. Nogueira Lustosa Pierre.
Felix Fischer
Formado em Direito pela Universidade Federal do Paraná,
Fachin não era o relator dos casos da Lava Jato na STF. Ele só
assumiu a relatoria após a morte de Teori Zavascki, em uma
manobra do próprio STF.
Edson Fachin
Também delegado da Polícia Federal, permaneceu na
coordenação da Lava Jato em Curitiba até o início de 2017.
Também fez parte da equipe que “investigou” o caso
Banestado, que acabou em “pizza”. Em 2014, juntamente
com outros delegados da PF, declarou apoio a Aécio Neves.
Em seu facebbok, fez postagens chamado o ex-Presidente
Lula de anta. Montou dois inquéritos contra Lula e indiciou o
ex-Presidente em tempo recorde, demonstrando que não
houve apuração de fatos, mas que os argumentos do
indiciamento já estavam prontos
Márcio Anselmo
Delegado, coordenador da Lava Jato, com carreira na Polícia
Federal de Curitiba, declarou publicamente apoio à
candidatura de Aécio Neves, durante as eleições de 2014.
Igor Romário de Paula admitiu que a Polícia Federal gravou
imagens de Lula sem autorização judicial, durante a condução
coercitiva do ex-Presidente. Também fez parte do caso
Banestado, que nunca condenou políticos do PSDB e DEM
(antigo PFL), todos ligados a FHC.
Igor Romário de Paula
Procurador da turma de Curitiba, também atuou no caso
Banestado, que manteve livre políticos do PSDB e DEM (antigo
PFL). Foi casado com Vera Márcia Ribas, ex-funcionária do
Banco Banestado. É filho de Osvaldo dos Santos Lima, ex-
deputado da Arena e ex-presidente da Assembleia Legislativa do
Paraná. Em setembro de 2003 a IstoÉ publicou uma matéria
sobre Santos Lima cujo título: “Raposa no galinheiro”. O subtítulo
emenda: “Procurador Santos Lima, casado com ex-funcionária
do Banestado, tentou barrar quebra de sigilo de contas
suspeitas”. Segundo jornalistas, Santos Lima tentou de todas as
maneiras impedir que os “preciosos documentos” fossem
entregues aos membros da CPI, que investigava o caso.
Carlos Fernando dos Santos Lima
Procurador da República no MPF, também atuou no
caso Banestado. É formado em Direito pela
Universidade Federal do Paraná, mesma instituição
que o juiz Sérgio Moro atua como professor de Direito
Processual Penal.
Deltan Dallagnol
Essas relações pessoais e profissionais que se misturam entre o juiz
Sérgio Moro, o desembargador Gebran Neto, os ministros Félix Fischer e
Edson Fachin, os procuradores Deltan Dallagnol e Carlos Fernando dos
Santos Lima, e os delegados Igor Romário de Paula e Márcio Anselmo
revelam os riscos para o Direito brasileiro das decisões que serão
tomadas e referendadas, uma vez que, ao que parece, não serão
baseadas em provas ou nas leis, mas muito mais sustentadas por uma
lealdade de uma “confraria de amigos” dessa Conexão Curitiba
Paulo Pimenta
deputado federal (PT-RS)
Paulo Pimenta: Conexão Curitiba

Mais conteúdo relacionado

Mais de Luiz Carlos Azenha (20)

Impeachment de Alexandre de Moraes
Impeachment de Alexandre de MoraesImpeachment de Alexandre de Moraes
Impeachment de Alexandre de Moraes
 
Prisão de Jefferson
Prisão de JeffersonPrisão de Jefferson
Prisão de Jefferson
 
TV Brasil
TV BrasilTV Brasil
TV Brasil
 
Pesquisa Bolsonaro
Pesquisa BolsonaroPesquisa Bolsonaro
Pesquisa Bolsonaro
 
MP aciona organizadores
MP aciona organizadoresMP aciona organizadores
MP aciona organizadores
 
Segunda parte
Segunda parteSegunda parte
Segunda parte
 
DOI-CODI
DOI-CODIDOI-CODI
DOI-CODI
 
Representacao copa america
Representacao copa americaRepresentacao copa america
Representacao copa america
 
Cepedisa usp-linha-do-tempo-maio-2021 v2
Cepedisa usp-linha-do-tempo-maio-2021 v2Cepedisa usp-linha-do-tempo-maio-2021 v2
Cepedisa usp-linha-do-tempo-maio-2021 v2
 
Palestras Lula
Palestras LulaPalestras Lula
Palestras Lula
 
Integra denuncia-pgr-deputado-daniel
Integra denuncia-pgr-deputado-danielIntegra denuncia-pgr-deputado-daniel
Integra denuncia-pgr-deputado-daniel
 
Impactos lavajatoeconomia
Impactos lavajatoeconomiaImpactos lavajatoeconomia
Impactos lavajatoeconomia
 
Carta aberta-aos-participantes-da-cupula-de-lideres-sobre-o-clima
Carta aberta-aos-participantes-da-cupula-de-lideres-sobre-o-climaCarta aberta-aos-participantes-da-cupula-de-lideres-sobre-o-clima
Carta aberta-aos-participantes-da-cupula-de-lideres-sobre-o-clima
 
Plano de vacinação
Plano de vacinaçãoPlano de vacinação
Plano de vacinação
 
Propaganda
PropagandaPropaganda
Propaganda
 
Sorocaba
SorocabaSorocaba
Sorocaba
 
16 case of_hauschildt_v._denmark
16 case of_hauschildt_v._denmark16 case of_hauschildt_v._denmark
16 case of_hauschildt_v._denmark
 
Sorocaba
SorocabaSorocaba
Sorocaba
 
Peticao0014 210413180413
Peticao0014 210413180413Peticao0014 210413180413
Peticao0014 210413180413
 
Peca 106-hc-164493 020420213158
Peca 106-hc-164493 020420213158Peca 106-hc-164493 020420213158
Peca 106-hc-164493 020420213158
 

Paulo Pimenta: Conexão Curitiba

  • 1.
  • 3. Juiz do caso Banestado, que envolvia políticos ligados ao ex- Presidente FHC, como José Serra (PSDB) e Jorge Bornhausen (PFL), pelo desvio de U$ 30 bilhões. Juiz da 13ª Vara Federal de Curtiba, é amigo de Gebran Neto, relator da Lava Jato no TRF-4, de quem foi contemporâneo no programa de pós- graduação da Universidade Federal do Paraná. Além disso, Moro e Gebran tiveram o mesmo orientador na UFP. Sérgio Moro
  • 4. Desembargador do Tribunal Regional Federal da 4ª região e responsável por julgar recursos de pessoas condenadas - por Sérgio Moro - em primeira instância na Lava Jato, é natural de Curitiba, onde se formou e fez carreira no meio jurídico. Em um livro de sua autoria, Gebran declarou ser amigo pessoal de Sérgio Moro, com quem diz manter "uma amizade que só faz crescer". Gebran Neto
  • 5. Relator da Lava Jato no STJ, também tem forte ligação com Curitiba e região, onde foi professor de diversas universidades de Direito ao longo da década de 1970, 1980 e 1990 até ser nomeado por Fernando Henrique Cardoso (PSDB) para o cargo de ministro no STJ. Fischer não era o relator da Lava Jato no STJ. Em dezembro de 2015, a relatoria saiu das mãos do ministro Marcel Navarro e foi para as mãos de Felix Fischer em razão de uma regra regimental do STJ. Recentemente, Fischer negou o recurso da defesa de Lula que pedia a suspeição do juiz Sérgio Moro, contrariando o parecer da desembargadora Aurea Maria E. Nogueira Lustosa Pierre. Felix Fischer
  • 6. Formado em Direito pela Universidade Federal do Paraná, Fachin não era o relator dos casos da Lava Jato na STF. Ele só assumiu a relatoria após a morte de Teori Zavascki, em uma manobra do próprio STF. Edson Fachin
  • 7. Também delegado da Polícia Federal, permaneceu na coordenação da Lava Jato em Curitiba até o início de 2017. Também fez parte da equipe que “investigou” o caso Banestado, que acabou em “pizza”. Em 2014, juntamente com outros delegados da PF, declarou apoio a Aécio Neves. Em seu facebbok, fez postagens chamado o ex-Presidente Lula de anta. Montou dois inquéritos contra Lula e indiciou o ex-Presidente em tempo recorde, demonstrando que não houve apuração de fatos, mas que os argumentos do indiciamento já estavam prontos Márcio Anselmo
  • 8. Delegado, coordenador da Lava Jato, com carreira na Polícia Federal de Curitiba, declarou publicamente apoio à candidatura de Aécio Neves, durante as eleições de 2014. Igor Romário de Paula admitiu que a Polícia Federal gravou imagens de Lula sem autorização judicial, durante a condução coercitiva do ex-Presidente. Também fez parte do caso Banestado, que nunca condenou políticos do PSDB e DEM (antigo PFL), todos ligados a FHC. Igor Romário de Paula
  • 9. Procurador da turma de Curitiba, também atuou no caso Banestado, que manteve livre políticos do PSDB e DEM (antigo PFL). Foi casado com Vera Márcia Ribas, ex-funcionária do Banco Banestado. É filho de Osvaldo dos Santos Lima, ex- deputado da Arena e ex-presidente da Assembleia Legislativa do Paraná. Em setembro de 2003 a IstoÉ publicou uma matéria sobre Santos Lima cujo título: “Raposa no galinheiro”. O subtítulo emenda: “Procurador Santos Lima, casado com ex-funcionária do Banestado, tentou barrar quebra de sigilo de contas suspeitas”. Segundo jornalistas, Santos Lima tentou de todas as maneiras impedir que os “preciosos documentos” fossem entregues aos membros da CPI, que investigava o caso. Carlos Fernando dos Santos Lima
  • 10. Procurador da República no MPF, também atuou no caso Banestado. É formado em Direito pela Universidade Federal do Paraná, mesma instituição que o juiz Sérgio Moro atua como professor de Direito Processual Penal. Deltan Dallagnol
  • 11. Essas relações pessoais e profissionais que se misturam entre o juiz Sérgio Moro, o desembargador Gebran Neto, os ministros Félix Fischer e Edson Fachin, os procuradores Deltan Dallagnol e Carlos Fernando dos Santos Lima, e os delegados Igor Romário de Paula e Márcio Anselmo revelam os riscos para o Direito brasileiro das decisões que serão tomadas e referendadas, uma vez que, ao que parece, não serão baseadas em provas ou nas leis, mas muito mais sustentadas por uma lealdade de uma “confraria de amigos” dessa Conexão Curitiba Paulo Pimenta deputado federal (PT-RS)