SlideShare uma empresa Scribd logo
Os
sertões Portinari
Cangaceiros, 1951
Adaptação – Prof: Lúcio Braga
Os Sertões- Em Cima da Hora- 1976
A guerra de Canudos
(1896-1897)
 Muita turbulência na passagem do Império para a República
-Contexto: Abolição (1888), Proclamação da República (1889),
Constituição Republicana inspirada no modelo federalista
presidencialista norte-americano (1891), separação Estado e Igreja,
crise financeira -especulativa “Encilhamento” (1889-1891), Revolta da
Armada (1893-1894), Revolução Federalista (RS, 1893-1895)
A guerra de Canudos
(1896-1897)
 Rebelião de cunho religioso (contra o casamento civil), anti-republicana
(contra impostos e “imoralidades” da República) e em favor de maior
igualdade social, liderada pelo beato Antonio Conselheiro.
=> Situação do NE: fome, seca, violência, desemprego, abandono das
autoridades
 Conflito irrompe no sertão da Bahia e os combatentes são seguidores de
Antonio Conselheiro, Jagunços e sertanejos sem emprego
A guerra de Canudos (1896-1897)
caricatura publicada na Revista
Ilustrada, retrata Antônio Conselheiro,
com um séquito de bufões armados com
bacamartes em luta contra a República
Os jornais, as elites e a população urbana interpretaram o episódio como uma luta em
prol da restauração monárquica.
“Doente grave só lhe pode ser
aplicado o conceito da paranóia de
Tanzi e Riva (...) Foi um documento
raro de atavismo. A constituição
mórbida levando-o a interpretar
caprichosamente as condições
objetivas (...) traduz-se
fundamentalmente como uma
regressão ao estágio mental dos
tipos ancestrais da espécie. (....)
Antonio Conselheiro foi um gnóstico
bronco” Os Sertões
A guerra de Canudos (1896-1897)
 Arraial de Canudos é fundado em 1893,
às margens do Rio Vaza Barris por Antonio
Conselheiro.
 A comunidade atraiu pessoas carentes por lá
haver trabalho e acesso a terra, sem a
exploração dos fazendeiros.
Um desentendimento com um lugarejo vizinho
foi o pretexto para intervenção militar, enviada
em novembro de 1896 . 100 praças são
derrotados pelos jagunços.
A guerra de Canudos (1896-1897)
“A partir dos restos de uma fazenda abandonada
em pleno sertão baiano, Canudos brotou e
cresceu tão rápido quanto um cogumelo depois da
chuva. Gentes vinham de todos os quadrantes do
interior nordestino, atraídas pela comunidade que
prosperava sob as bênçãos de um líder inspirado.
Em menos de uma década o povoado já havia se
tornado a terceira maior cidade da Bahia.
Alarmados, fazendeiros e autoridades se viam na
iminência de perder sua mão-de-obra devido ao
êxodo em massa para o novo arraial. Um relatório
da polícia alertou o governo federal de que "um
indivíduo pregando doutrinas subversivas fazia
grande mal ao Estado, distraindo o povo e
arrastando-o após si, procurando convencer de
que era o Espírito Santo".
Nicolau Sevcenko
Vista Geral de Canudos
Fotos Flávio de Barros,1897
 Canudos foi abatido após 4
expedições militares, a última com
quase 5 mil homens
 Antônio Conselheiro, morto em 22
de setembro de 1897, teve seu corpo
exumado e sua cabeça decepada
para estudos frenológicos.
No final, 300 mulheres, velhos e
crianças se renderam.
 Os 5.200 casebres foram
pulverizados a dinamite.
A guerra de Canudos (1896-1897)
Fotos Flávio de Barros,1897
A guerra de Canudos (1896-1897)
Mulheres e crianças
– Prisioneiros de guerra
O corpo de Antonio
Conselheiro
Fotos Flávio de Barros,1897
A guerra de Canudos (1896-1897)
Ruínas
de Canudos
Revista de ano “O Jagunço” de Arthur Azevedo, representada pela 1ª vez em
fevereiro de 1898
O Jagunço
“O Jagunço não é tão somente
O matuto fanático e mau
Que nos ínvios sertões mata a gente
Escondido por trás de um bom pau
O jagunço o palúrdio parola,
Que o progresso não quer da nação
E, sem ter convicções na cachola,
Prega idéias de restauração
(....)
O malandro que come do Estado
Que só sabe dizer ´venha a nós´
E não está da República ao lado,
É jagunço, e jagunço feroz”
Portinari
Cangaceiros, 1951
Caricatura de Euclides da Cunha
por Raul Pederneiras, 1903
 Euclides da Cunha escreve para O Estado de S.
Paulo dois artigos sobre a campanha de Canudos,
publicados respectivamente em 14 de março e 17
de julho de 1897. Em "A nossa Vendéia“ ( o 1º
artigo), compara a primeira batalha de Canudos com
a “vendéia”, rebelião ocorrida na Bretanha- França,
em 1793, entre republicanos jacobinos e
camponeses católicos, padres e nobres defensores
da monarquia.
 A convite de Júlio de Mesquita é enviado como
correspondente de guerra do O Estado de S. Paulo e
segue em 4 de agosto para os sertões da Bahia.
Passa dois meses em campo e envia regularmente
suas notas de repórter para o jornal. Fonte: Site da ABL
http://www.euclidesdacunha.org.br/
Caricatura de Euclides da Cunha
por Raul Pederneiras, 1903
 Em 26 de outubro, de volta a São Paulo,
publica em O Estado de S. Paulo o último
artigo da série "Diário de uma expedição",
intitulado "O Batalhão de São Paulo".
 A série sobre a campanha de Canudos
constituiu-se na matriz de Os Sertões,
publicado em 1902 pela Ed. Laemmert
Fonte: Site da ABL
http://www.euclidesdacunha.org.br/
Ana de Assis
Dilermando de Assis
 Quais são as
principais idéias de
Euclides da Cunha
em Os Sertões?
 Como é
representado o
sertanejo?
 Quais são os
dilemas do Brasil?
Portinari
Cangaceiros, 1951
                                                                                                            
 É o primeiro a enunciar o dualismo litoral X sertão/interior, a chamar a
atenção para os dramas do sertão e a defender à integração do interior no
processo de construção da nação
 oposição entre os intelectuais afrancesados da rua do Ouvidor,
“trogloditas completos” , “enluvados e encobertos de tênue verniz”
versus os atávicos, fanáticos e desbravadores da natureza do Sertão de
Canudos
 Para o autor, a “marcha do progresso, no entanto era inexorável. O
sertanejo seria absorvido pelas “raças superiores”
“ A civilização avançará nos sertões impelida por essa ‘força motriz da
História’” Os Sertões, página 9
Fonte: “O Brasil como sertão” de Nísia Trindade Lima. In: BOTELHO, André e SCHWARCZ, Lilia. Um enigma chamado
Brasil. SP, Cia das Letras, 2009.
“Os sertões entre dois centenários” de Roberto Ventura. In:MADEIRA, Angélica e VELOSO, Mariza (orgs). Descobertas
do Brasil. Brasília, Editora da Universidade de Brasília, 2001.
 Os Sertões é dividido em 3 partes
- A Terra
* análise das condições da terra do sertão(geológicas e
geográficas), do clima e do seu principal problema (a seca e o
deserto)
“Realmente, entre os agentes determinantes da seca se intercalam,
de modo apreciável, a estrutura e conformação do solo. (...) O
martírio do homem , ali, é o reflexo de tortura maior, mais ampla,
abrangendo a economia geral da vida. Nasce o martírio secular da
Terra...” (Os Sertões)
 O homem
* o homem como produto do meio , etnico e das circunstâncias
sociais. Descrição do tipo sertanejo, suas características,
mentalidade e costumes.
Divisão do vaqueiro em dois tipos: jagunço e gaúcho - antíteses
provocadas pela interação homem-meio.
                           
                  “O jagunço é menos teatralmente heróico, é mais tenaz; é mais
resistente, é mais perigoso; é mais forte; é mais duro”
Vivendo em um meio adverso, “o sertanejo é antes de tudo, um
forte”, um “hércules-quasímodo”, feio, com aparência débil e
preguiçosa, como uma “simplicidade a um tempo adorável e
ridícula”,crédulo, “eivado de misticismo”, mas quando surge um
incidente “tranfigura-se”
                                                                                                             
 Os Sertões é dividido em 3 partes
- A Luta
Discorre com riqueza de detalhes sobre a Campanha de Canudos
Cantadores popular – quadrinha
“Eu tava na ponta da rua
Eu vi a rua se fechar
Eu vi a fumaça da pólvora
Eu via a corneta bradar
Eu vi Antônio Conselheiro
Lá no Alto do Tambor
Com 180 praças
É amor, é amor, é amor” (Domínio público)
Foto: Flávio de Barros - 1897
O Brasil 
da Fome
Portinari
Retirantes, 1944
Morte e Vida Severina _ João Cabral de Melo Neto
Escrito em 1954-55 e publicado em 1966
O meu nome é Severino
Não tenho outros de pia
Como há muitos Severinos que é santo de Romaria
Resolveram me chamar
Severino de Maria
Como há muitos Severinos com mães chamadas Maria,
Fiquei sendo o da Maria do finado Zacarias
Mas isso ainda diz pouco
Há muitos na freguesia
Por causa de um coronel que se chamou Zacarias
E que foi o mais antigo senhor desta sesmaria (...)
Somos muitos Severinos iguais em tudo na vida,
Morremos de morte igual mesma morte severina
Que é morte que se morre de velhice antes dos trinta
De emboscada antes dos vinte
De fome um pouco por dia
(de fraqueza e de doença que é morte severina, ataca em qualquer idade até gente
não nascida)
                                                                                                             
Portinari-1944

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Semana de Arte Moderna 1922
Semana de Arte Moderna 1922Semana de Arte Moderna 1922
Semana de Arte Moderna 1922
seixasmarianas
 
O modernismo brasileiro
O modernismo brasileiroO modernismo brasileiro
O modernismo brasileiro
Junior Onildo
 

Mais procurados (20)

Vanguardas Europeias - Cubismo
Vanguardas Europeias - CubismoVanguardas Europeias - Cubismo
Vanguardas Europeias - Cubismo
 
Angústia, de Graciliano Ramos
Angústia, de Graciliano RamosAngústia, de Graciliano Ramos
Angústia, de Graciliano Ramos
 
EUCLIDES DA CUNHA ( SUA HISTÓRIA )
EUCLIDES DA CUNHA ( SUA HISTÓRIA )EUCLIDES DA CUNHA ( SUA HISTÓRIA )
EUCLIDES DA CUNHA ( SUA HISTÓRIA )
 
Vanguardas Europeias
Vanguardas EuropeiasVanguardas Europeias
Vanguardas Europeias
 
Gênero poesia
Gênero poesiaGênero poesia
Gênero poesia
 
Machado de Assis
Machado de AssisMachado de Assis
Machado de Assis
 
Vidas secas
Vidas secas Vidas secas
Vidas secas
 
Edgar allan poe
Edgar allan poe Edgar allan poe
Edgar allan poe
 
Ppt realismo (1)
Ppt realismo (1)Ppt realismo (1)
Ppt realismo (1)
 
Modernismo Brasileiro
Modernismo BrasileiroModernismo Brasileiro
Modernismo Brasileiro
 
Modernismo
Modernismo Modernismo
Modernismo
 
Especial Clarice Lispector
Especial Clarice LispectorEspecial Clarice Lispector
Especial Clarice Lispector
 
2ª fase do modernismo brasileiro
2ª fase do modernismo brasileiro2ª fase do modernismo brasileiro
2ª fase do modernismo brasileiro
 
Semana de Arte Moderna 1922
Semana de Arte Moderna 1922Semana de Arte Moderna 1922
Semana de Arte Moderna 1922
 
O Cortiço - Aluísio Azevedo
O Cortiço - Aluísio AzevedoO Cortiço - Aluísio Azevedo
O Cortiço - Aluísio Azevedo
 
Concretismo e Neoconcretismo
Concretismo e NeoconcretismoConcretismo e Neoconcretismo
Concretismo e Neoconcretismo
 
Parnasianismo'
Parnasianismo'Parnasianismo'
Parnasianismo'
 
Os sertões e suas questões sociais. Eulcides da Cunha e o litoral vs sertão.
Os sertões e suas questões sociais. Eulcides da Cunha e o litoral vs sertão.Os sertões e suas questões sociais. Eulcides da Cunha e o litoral vs sertão.
Os sertões e suas questões sociais. Eulcides da Cunha e o litoral vs sertão.
 
O modernismo brasileiro
O modernismo brasileiroO modernismo brasileiro
O modernismo brasileiro
 
Semana de arte moderna
Semana de arte modernaSemana de arte moderna
Semana de arte moderna
 

Destaque

Trabalho de Literatura - Os Sertões e Euclides da Cunha
Trabalho de Literatura - Os Sertões e Euclides da CunhaTrabalho de Literatura - Os Sertões e Euclides da Cunha
Trabalho de Literatura - Os Sertões e Euclides da Cunha
Harize Rose
 
Euclides da cunha
Euclides da cunhaEuclides da cunha
Euclides da cunha
llegiordano
 
Euclides da cunha - Ana frenhe
Euclides da cunha - Ana frenheEuclides da cunha - Ana frenhe
Euclides da cunha - Ana frenhe
llegiordano
 
Triste Fim de Policarpo Quaresma - 3ª A - 2011
Triste Fim de Policarpo Quaresma - 3ª A - 2011Triste Fim de Policarpo Quaresma - 3ª A - 2011
Triste Fim de Policarpo Quaresma - 3ª A - 2011
Daniel Leitão
 
Triste Fim de Policarpo Quaresma
Triste Fim de Policarpo QuaresmaTriste Fim de Policarpo Quaresma
Triste Fim de Policarpo Quaresma
Daniel Leitão
 
Pre Modernismo by trabalho da hora
Pre Modernismo by trabalho da horaPre Modernismo by trabalho da hora
Pre Modernismo by trabalho da hora
Douglas Maga
 
Canudos de ontem e hoje slides monografia
Canudos de ontem e hoje slides monografiaCanudos de ontem e hoje slides monografia
Canudos de ontem e hoje slides monografia
Unopar2010História
 
Tramitacao- Marco Civil da Internet
Tramitacao- Marco Civil da InternetTramitacao- Marco Civil da Internet
Tramitacao- Marco Civil da Internet
Lucio Braga
 
Indviduo e sociedade
Indviduo e sociedadeIndviduo e sociedade
Indviduo e sociedade
Lucio Braga
 
vidas secas e os sertões
vidas secas e os sertõesvidas secas e os sertões
vidas secas e os sertões
doidamaisfeliz
 
Triste fim de policarpio quaresma
Triste fim de policarpio quaresmaTriste fim de policarpio quaresma
Triste fim de policarpio quaresma
Ildina Soares
 
A sociologia de max weber
A sociologia de max weberA sociologia de max weber
A sociologia de max weber
Lucio Braga
 

Destaque (20)

Trabalho de Literatura - Os Sertões e Euclides da Cunha
Trabalho de Literatura - Os Sertões e Euclides da CunhaTrabalho de Literatura - Os Sertões e Euclides da Cunha
Trabalho de Literatura - Os Sertões e Euclides da Cunha
 
Euclides da cunha
Euclides da cunhaEuclides da cunha
Euclides da cunha
 
Euclides da cunha
Euclides da cunhaEuclides da cunha
Euclides da cunha
 
Euclides da cunha - Ana frenhe
Euclides da cunha - Ana frenheEuclides da cunha - Ana frenhe
Euclides da cunha - Ana frenhe
 
Os sertões
Os sertõesOs sertões
Os sertões
 
Triste Fim de Policarpo Quaresma - 3ª A - 2011
Triste Fim de Policarpo Quaresma - 3ª A - 2011Triste Fim de Policarpo Quaresma - 3ª A - 2011
Triste Fim de Policarpo Quaresma - 3ª A - 2011
 
Triste Fim de Policarpo Quaresma
Triste Fim de Policarpo QuaresmaTriste Fim de Policarpo Quaresma
Triste Fim de Policarpo Quaresma
 
Pre Modernismo by trabalho da hora
Pre Modernismo by trabalho da horaPre Modernismo by trabalho da hora
Pre Modernismo by trabalho da hora
 
O Triste Fim De Policarpo Quaresma - Lima Barreto
O Triste Fim De Policarpo Quaresma -  Lima BarretoO Triste Fim De Policarpo Quaresma -  Lima Barreto
O Triste Fim De Policarpo Quaresma - Lima Barreto
 
Urupês - 3ª A - 2011
Urupês - 3ª A - 2011Urupês - 3ª A - 2011
Urupês - 3ª A - 2011
 
O Triste Fim de Policarpo Quaresma
O Triste Fim de Policarpo QuaresmaO Triste Fim de Policarpo Quaresma
O Triste Fim de Policarpo Quaresma
 
Canudos de ontem e hoje slides monografia
Canudos de ontem e hoje slides monografiaCanudos de ontem e hoje slides monografia
Canudos de ontem e hoje slides monografia
 
Os sertões luta
Os sertões   lutaOs sertões   luta
Os sertões luta
 
Euclides da Cunha mostra que Paulo Souto realiza pra valer
Euclides da Cunha mostra que Paulo Souto realiza pra valerEuclides da Cunha mostra que Paulo Souto realiza pra valer
Euclides da Cunha mostra que Paulo Souto realiza pra valer
 
Atividade elias
Atividade eliasAtividade elias
Atividade elias
 
Tramitacao- Marco Civil da Internet
Tramitacao- Marco Civil da InternetTramitacao- Marco Civil da Internet
Tramitacao- Marco Civil da Internet
 
Indviduo e sociedade
Indviduo e sociedadeIndviduo e sociedade
Indviduo e sociedade
 
vidas secas e os sertões
vidas secas e os sertõesvidas secas e os sertões
vidas secas e os sertões
 
Triste fim de policarpio quaresma
Triste fim de policarpio quaresmaTriste fim de policarpio quaresma
Triste fim de policarpio quaresma
 
A sociologia de max weber
A sociologia de max weberA sociologia de max weber
A sociologia de max weber
 

Semelhante a Os sertões euclides_da_cunha

A guerra de canudos
A guerra de canudos A guerra de canudos
A guerra de canudos
Mateus Silva
 
Portugues - PRÉ-MODERNISMO. LICEU CUIABANO 3ºC
Portugues - PRÉ-MODERNISMO. LICEU CUIABANO 3ºCPortugues - PRÉ-MODERNISMO. LICEU CUIABANO 3ºC
Portugues - PRÉ-MODERNISMO. LICEU CUIABANO 3ºC
liceuterceiroc
 

Semelhante a Os sertões euclides_da_cunha (20)

GUERRA DE CANUDOS
GUERRA DE CANUDOSGUERRA DE CANUDOS
GUERRA DE CANUDOS
 
Movimentos sociais rurais
Movimentos sociais ruraisMovimentos sociais rurais
Movimentos sociais rurais
 
Guerra de canudos
Guerra de canudosGuerra de canudos
Guerra de canudos
 
O pré modernismo
O pré modernismoO pré modernismo
O pré modernismo
 
A guerra de canudos
A guerra de canudos A guerra de canudos
A guerra de canudos
 
Revoltas República Velha
Revoltas República VelhaRevoltas República Velha
Revoltas República Velha
 
Canudos
CanudosCanudos
Canudos
 
Pré modernismo
Pré modernismoPré modernismo
Pré modernismo
 
Portugues - PRÉ-MODERNISMO. LICEU CUIABANO 3ºC
Portugues - PRÉ-MODERNISMO. LICEU CUIABANO 3ºCPortugues - PRÉ-MODERNISMO. LICEU CUIABANO 3ºC
Portugues - PRÉ-MODERNISMO. LICEU CUIABANO 3ºC
 
3°-ANO-Pré-Modernismo-material-complementar.pptx
3°-ANO-Pré-Modernismo-material-complementar.pptx3°-ANO-Pré-Modernismo-material-complementar.pptx
3°-ANO-Pré-Modernismo-material-complementar.pptx
 
Pré modernismo 3º ano
Pré modernismo 3º anoPré modernismo 3º ano
Pré modernismo 3º ano
 
guerra de canudos ensl
guerra de canudos enslguerra de canudos ensl
guerra de canudos ensl
 
Pré-Modernismo (Introdução) e Euclides da Cunha
Pré-Modernismo (Introdução) e Euclides da CunhaPré-Modernismo (Introdução) e Euclides da Cunha
Pré-Modernismo (Introdução) e Euclides da Cunha
 
Deserd. RepúB.
Deserd. RepúB.Deserd. RepúB.
Deserd. RepúB.
 
República oligárquica
República oligárquicaRepública oligárquica
República oligárquica
 
Guerra de Canudos
Guerra de CanudosGuerra de Canudos
Guerra de Canudos
 
República velha questões
República velha questõesRepública velha questões
República velha questões
 
República velha questões
República velha questõesRepública velha questões
República velha questões
 
Pré modernismo
Pré modernismoPré modernismo
Pré modernismo
 
Guerra dos canudos
Guerra dos canudosGuerra dos canudos
Guerra dos canudos
 

Mais de Lucio Braga

Cidadania e direitos humanos
Cidadania e direitos humanosCidadania e direitos humanos
Cidadania e direitos humanos
Lucio Braga
 
Consumo e cidadania
Consumo  e cidadaniaConsumo  e cidadania
Consumo e cidadania
Lucio Braga
 
Estado liberal e contratualismo
Estado liberal e contratualismoEstado liberal e contratualismo
Estado liberal e contratualismo
Lucio Braga
 
Questões terceiro ano ensino médio
Questões terceiro ano ensino médioQuestões terceiro ano ensino médio
Questões terceiro ano ensino médio
Lucio Braga
 
Estrutura e mobilidade social conecte
Estrutura e mobilidade social   conecteEstrutura e mobilidade social   conecte
Estrutura e mobilidade social conecte
Lucio Braga
 
Mobilidade social link
Mobilidade social linkMobilidade social link
Mobilidade social link
Lucio Braga
 
A divisão social do trabalho émile durkheim
A divisão social do trabalho  émile durkheimA divisão social do trabalho  émile durkheim
A divisão social do trabalho émile durkheim
Lucio Braga
 
Fato patologico e anomia
Fato patologico e anomiaFato patologico e anomia
Fato patologico e anomia
Lucio Braga
 
Raízes do brasil – sergio buarque de holanda
Raízes do brasil – sergio buarque de holandaRaízes do brasil – sergio buarque de holanda
Raízes do brasil – sergio buarque de holanda
Lucio Braga
 
Norbert elias processo civilizador
Norbert elias  processo civilizadorNorbert elias  processo civilizador
Norbert elias processo civilizador
Lucio Braga
 
A sociologia de max weber - CEI
A sociologia de max weber - CEIA sociologia de max weber - CEI
A sociologia de max weber - CEI
Lucio Braga
 
Metodos e pesquisa em ciências sociais aula 2
Metodos e pesquisa em ciências sociais aula 2Metodos e pesquisa em ciências sociais aula 2
Metodos e pesquisa em ciências sociais aula 2
Lucio Braga
 

Mais de Lucio Braga (20)

Weber a Ética Protestante e o Espírito do Capitalismo
Weber   a Ética Protestante e o Espírito do CapitalismoWeber   a Ética Protestante e o Espírito do Capitalismo
Weber a Ética Protestante e o Espírito do Capitalismo
 
A sociologia compreensiva de weber
A sociologia compreensiva de weber  A sociologia compreensiva de weber
A sociologia compreensiva de weber
 
Movimentos sociais
Movimentos sociaisMovimentos sociais
Movimentos sociais
 
Os Tipos de Dominação para Weber- 1o.ano - CSB
Os Tipos de Dominação para Weber- 1o.ano - CSBOs Tipos de Dominação para Weber- 1o.ano - CSB
Os Tipos de Dominação para Weber- 1o.ano - CSB
 
A sociologia de max weber
A sociologia de max weberA sociologia de max weber
A sociologia de max weber
 
Cidadania e direitos humanos
Cidadania e direitos humanosCidadania e direitos humanos
Cidadania e direitos humanos
 
Consumo e cidadania
Consumo  e cidadaniaConsumo  e cidadania
Consumo e cidadania
 
Mídia e Poder na Sociedade espetáculo- Guy Dèbord
Mídia e Poder na Sociedade espetáculo- Guy DèbordMídia e Poder na Sociedade espetáculo- Guy Dèbord
Mídia e Poder na Sociedade espetáculo- Guy Dèbord
 
teoria Crítica e Escola de Frankfurt
teoria Crítica e Escola de Frankfurtteoria Crítica e Escola de Frankfurt
teoria Crítica e Escola de Frankfurt
 
Estado liberal e contratualismo
Estado liberal e contratualismo  Estado liberal e contratualismo
Estado liberal e contratualismo
 
Estado liberal e contratualismo
Estado liberal e contratualismoEstado liberal e contratualismo
Estado liberal e contratualismo
 
Questões terceiro ano ensino médio
Questões terceiro ano ensino médioQuestões terceiro ano ensino médio
Questões terceiro ano ensino médio
 
Estrutura e mobilidade social conecte
Estrutura e mobilidade social   conecteEstrutura e mobilidade social   conecte
Estrutura e mobilidade social conecte
 
Mobilidade social link
Mobilidade social linkMobilidade social link
Mobilidade social link
 
A divisão social do trabalho émile durkheim
A divisão social do trabalho  émile durkheimA divisão social do trabalho  émile durkheim
A divisão social do trabalho émile durkheim
 
Fato patologico e anomia
Fato patologico e anomiaFato patologico e anomia
Fato patologico e anomia
 
Raízes do brasil – sergio buarque de holanda
Raízes do brasil – sergio buarque de holandaRaízes do brasil – sergio buarque de holanda
Raízes do brasil – sergio buarque de holanda
 
Norbert elias processo civilizador
Norbert elias  processo civilizadorNorbert elias  processo civilizador
Norbert elias processo civilizador
 
A sociologia de max weber - CEI
A sociologia de max weber - CEIA sociologia de max weber - CEI
A sociologia de max weber - CEI
 
Metodos e pesquisa em ciências sociais aula 2
Metodos e pesquisa em ciências sociais aula 2Metodos e pesquisa em ciências sociais aula 2
Metodos e pesquisa em ciências sociais aula 2
 

Os sertões euclides_da_cunha

  • 2. Os Sertões- Em Cima da Hora- 1976
  • 3. A guerra de Canudos (1896-1897)  Muita turbulência na passagem do Império para a República -Contexto: Abolição (1888), Proclamação da República (1889), Constituição Republicana inspirada no modelo federalista presidencialista norte-americano (1891), separação Estado e Igreja, crise financeira -especulativa “Encilhamento” (1889-1891), Revolta da Armada (1893-1894), Revolução Federalista (RS, 1893-1895)
  • 4. A guerra de Canudos (1896-1897)  Rebelião de cunho religioso (contra o casamento civil), anti-republicana (contra impostos e “imoralidades” da República) e em favor de maior igualdade social, liderada pelo beato Antonio Conselheiro. => Situação do NE: fome, seca, violência, desemprego, abandono das autoridades  Conflito irrompe no sertão da Bahia e os combatentes são seguidores de Antonio Conselheiro, Jagunços e sertanejos sem emprego
  • 5. A guerra de Canudos (1896-1897) caricatura publicada na Revista Ilustrada, retrata Antônio Conselheiro, com um séquito de bufões armados com bacamartes em luta contra a República Os jornais, as elites e a população urbana interpretaram o episódio como uma luta em prol da restauração monárquica. “Doente grave só lhe pode ser aplicado o conceito da paranóia de Tanzi e Riva (...) Foi um documento raro de atavismo. A constituição mórbida levando-o a interpretar caprichosamente as condições objetivas (...) traduz-se fundamentalmente como uma regressão ao estágio mental dos tipos ancestrais da espécie. (....) Antonio Conselheiro foi um gnóstico bronco” Os Sertões
  • 6. A guerra de Canudos (1896-1897)  Arraial de Canudos é fundado em 1893, às margens do Rio Vaza Barris por Antonio Conselheiro.  A comunidade atraiu pessoas carentes por lá haver trabalho e acesso a terra, sem a exploração dos fazendeiros. Um desentendimento com um lugarejo vizinho foi o pretexto para intervenção militar, enviada em novembro de 1896 . 100 praças são derrotados pelos jagunços.
  • 7. A guerra de Canudos (1896-1897) “A partir dos restos de uma fazenda abandonada em pleno sertão baiano, Canudos brotou e cresceu tão rápido quanto um cogumelo depois da chuva. Gentes vinham de todos os quadrantes do interior nordestino, atraídas pela comunidade que prosperava sob as bênçãos de um líder inspirado. Em menos de uma década o povoado já havia se tornado a terceira maior cidade da Bahia. Alarmados, fazendeiros e autoridades se viam na iminência de perder sua mão-de-obra devido ao êxodo em massa para o novo arraial. Um relatório da polícia alertou o governo federal de que "um indivíduo pregando doutrinas subversivas fazia grande mal ao Estado, distraindo o povo e arrastando-o após si, procurando convencer de que era o Espírito Santo". Nicolau Sevcenko
  • 8. Vista Geral de Canudos Fotos Flávio de Barros,1897  Canudos foi abatido após 4 expedições militares, a última com quase 5 mil homens  Antônio Conselheiro, morto em 22 de setembro de 1897, teve seu corpo exumado e sua cabeça decepada para estudos frenológicos. No final, 300 mulheres, velhos e crianças se renderam.  Os 5.200 casebres foram pulverizados a dinamite. A guerra de Canudos (1896-1897)
  • 9. Fotos Flávio de Barros,1897 A guerra de Canudos (1896-1897) Mulheres e crianças – Prisioneiros de guerra O corpo de Antonio Conselheiro
  • 10. Fotos Flávio de Barros,1897 A guerra de Canudos (1896-1897) Ruínas de Canudos
  • 11. Revista de ano “O Jagunço” de Arthur Azevedo, representada pela 1ª vez em fevereiro de 1898 O Jagunço “O Jagunço não é tão somente O matuto fanático e mau Que nos ínvios sertões mata a gente Escondido por trás de um bom pau O jagunço o palúrdio parola, Que o progresso não quer da nação E, sem ter convicções na cachola, Prega idéias de restauração (....) O malandro que come do Estado Que só sabe dizer ´venha a nós´ E não está da República ao lado, É jagunço, e jagunço feroz” Portinari Cangaceiros, 1951
  • 12. Caricatura de Euclides da Cunha por Raul Pederneiras, 1903  Euclides da Cunha escreve para O Estado de S. Paulo dois artigos sobre a campanha de Canudos, publicados respectivamente em 14 de março e 17 de julho de 1897. Em "A nossa Vendéia“ ( o 1º artigo), compara a primeira batalha de Canudos com a “vendéia”, rebelião ocorrida na Bretanha- França, em 1793, entre republicanos jacobinos e camponeses católicos, padres e nobres defensores da monarquia.  A convite de Júlio de Mesquita é enviado como correspondente de guerra do O Estado de S. Paulo e segue em 4 de agosto para os sertões da Bahia. Passa dois meses em campo e envia regularmente suas notas de repórter para o jornal. Fonte: Site da ABL http://www.euclidesdacunha.org.br/
  • 13. Caricatura de Euclides da Cunha por Raul Pederneiras, 1903  Em 26 de outubro, de volta a São Paulo, publica em O Estado de S. Paulo o último artigo da série "Diário de uma expedição", intitulado "O Batalhão de São Paulo".  A série sobre a campanha de Canudos constituiu-se na matriz de Os Sertões, publicado em 1902 pela Ed. Laemmert Fonte: Site da ABL http://www.euclidesdacunha.org.br/
  • 14.
  • 16.  Quais são as principais idéias de Euclides da Cunha em Os Sertões?  Como é representado o sertanejo?  Quais são os dilemas do Brasil? Portinari Cangaceiros, 1951
  • 17.                                                                                                               É o primeiro a enunciar o dualismo litoral X sertão/interior, a chamar a atenção para os dramas do sertão e a defender à integração do interior no processo de construção da nação  oposição entre os intelectuais afrancesados da rua do Ouvidor, “trogloditas completos” , “enluvados e encobertos de tênue verniz” versus os atávicos, fanáticos e desbravadores da natureza do Sertão de Canudos  Para o autor, a “marcha do progresso, no entanto era inexorável. O sertanejo seria absorvido pelas “raças superiores” “ A civilização avançará nos sertões impelida por essa ‘força motriz da História’” Os Sertões, página 9 Fonte: “O Brasil como sertão” de Nísia Trindade Lima. In: BOTELHO, André e SCHWARCZ, Lilia. Um enigma chamado Brasil. SP, Cia das Letras, 2009. “Os sertões entre dois centenários” de Roberto Ventura. In:MADEIRA, Angélica e VELOSO, Mariza (orgs). Descobertas do Brasil. Brasília, Editora da Universidade de Brasília, 2001.
  • 18.  Os Sertões é dividido em 3 partes - A Terra * análise das condições da terra do sertão(geológicas e geográficas), do clima e do seu principal problema (a seca e o deserto) “Realmente, entre os agentes determinantes da seca se intercalam, de modo apreciável, a estrutura e conformação do solo. (...) O martírio do homem , ali, é o reflexo de tortura maior, mais ampla, abrangendo a economia geral da vida. Nasce o martírio secular da Terra...” (Os Sertões)
  • 19.  O homem * o homem como produto do meio , etnico e das circunstâncias sociais. Descrição do tipo sertanejo, suas características, mentalidade e costumes. Divisão do vaqueiro em dois tipos: jagunço e gaúcho - antíteses provocadas pela interação homem-meio.                                               “O jagunço é menos teatralmente heróico, é mais tenaz; é mais resistente, é mais perigoso; é mais forte; é mais duro” Vivendo em um meio adverso, “o sertanejo é antes de tudo, um forte”, um “hércules-quasímodo”, feio, com aparência débil e preguiçosa, como uma “simplicidade a um tempo adorável e ridícula”,crédulo, “eivado de misticismo”, mas quando surge um incidente “tranfigura-se”
  • 20.                                                                                                                Os Sertões é dividido em 3 partes - A Luta Discorre com riqueza de detalhes sobre a Campanha de Canudos Cantadores popular – quadrinha “Eu tava na ponta da rua Eu vi a rua se fechar Eu vi a fumaça da pólvora Eu via a corneta bradar Eu vi Antônio Conselheiro Lá no Alto do Tambor Com 180 praças É amor, é amor, é amor” (Domínio público) Foto: Flávio de Barros - 1897
  • 22. Morte e Vida Severina _ João Cabral de Melo Neto Escrito em 1954-55 e publicado em 1966 O meu nome é Severino Não tenho outros de pia Como há muitos Severinos que é santo de Romaria Resolveram me chamar Severino de Maria Como há muitos Severinos com mães chamadas Maria, Fiquei sendo o da Maria do finado Zacarias Mas isso ainda diz pouco Há muitos na freguesia Por causa de um coronel que se chamou Zacarias E que foi o mais antigo senhor desta sesmaria (...) Somos muitos Severinos iguais em tudo na vida, Morremos de morte igual mesma morte severina Que é morte que se morre de velhice antes dos trinta De emboscada antes dos vinte De fome um pouco por dia (de fraqueza e de doença que é morte severina, ataca em qualquer idade até gente não nascida)                                                                                                               Portinari-1944