A Serenissima República

2.418 visualizações

Publicada em

Trabalho sobre o conto "A Sereníssima República" de Machado de Assis.

Publicada em: Educação
0 comentários
2 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
2.418
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
22
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
6
Comentários
0
Gostaram
2
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

A Serenissima República

  1. 1. Seminário Papéis Avulsos Análise do conto: A Sereníssima República Grupo: Ana Luísa Nery Larissa Garcia Layná Maia
  2. 2. A Sereníssima República Objetivo: Analisar o conto ''A Sereníssima República'' , com o propósito de fazer com que seja entendido as metáforas que Machado de Assis usa para criticar o sistema de governo não só da época mas sim generalizando-o.
  3. 3. A Sereníssima República Resumo: O conto inicia-se com o narrador que chama atenção para uma nova descoberta, melhor do que a publicada no jornal O Globo. Então o narrador afirma ter encontrado uma aranha e a partir dela criou uma sociedade denominada "A Sereníssima República". Ao longo da narrativa é determinado um governo politico para as aranhas, e faz uso do mesmo sistema da República da antiga Veneza, este sistema foi sendo modificado várias vezes e em todas elas foram fraudados pelas próprias aranhas, sempre corrupto e falho, pois as aranhas buscavam seus próprios interesses.
  4. 4. A Sereníssima República Por que desse título? Tem por nome A Sereníssima República pelo fato de ser, uma ironia e crítica contra o processo eleitoral imposto na época (século XIX).
  5. 5. A Sereníssima República Importância do subtítulo: Mostrar do que se trata o conto.
  6. 6. A Sereníssima República Reflexão: Será realmente uma crítica feita ao processo eleitoral daquela época (Brasil no século XIX) ?
  7. 7. A Sereníssima República Reflexão: Neste conto, há certa sátira a religião?
  8. 8. A Sereníssima República “A minha estatura, as vestes talares, o uso do mesmo idioma, fizeram-lhes crer que era eu o deus das aranhas, e desde então adoraram-me”
  9. 9. A Sereníssima República Ironia "A aranha, senhores, não nos aflige nem defrauda; apanha as moscas, nossas inimigas, fia, tece, trabalha e morre. Que melhor exemplo de paciência, de ordem, de previsão, de respeito e de humanidade?"
  10. 10. A Sereníssima República Aspectos estruturais da narrativa: Narrador e a construção do conto: Narrador de primeira pessoa, um personagem, que faz parte da história. O conto é feito em base de uma metáfora. Espaço: Conferência. Tempo: 1876, século XIX. Personagens: Cônego Vargas e Erasmus (aranha).
  11. 11. A Sereníssima República Conclusão: O conto finaliza-se com o cônego chamando atenção ao comentário da aranha Erasmus, com o qual as aranhas que tecem os sacos eleitorais são comparadas com a Penélope, que refazem o saco incansavelmente “até que Ulisses, cansado de dar às pernas, venha tomar entre nós o lugar que lhe cabe. Ulisses é a Sapiência”.

×