“ ¿ Por qué ahora ?” Poema: Entardeceres Autor: Luiz Gonzaga Pinheiro Música: Nachtigall serenade
Entardeceres! Quantos já os vi
Não há quem não se enterneça com eles
É a hora em que a alma acalma
Fica reflexiva, levita, recorda
Busca os amores perdidos ou a construir
Hora de fazer promessas de superação
De arrepender-se
Entardeceres!
Hora em que Maria ora pelos suicidas
E que os mendigos doam
Os cruéis ficam sonolentos
Os poetas escrevem
E toda asfixia serena
Para que o ar possa escorrer.
Instante mágico e sublime
Pois que as cruzes dos homens lhes dão tréguas deixando-os mais sensíveis
É então que a maldade se envergonha
A delicadeza perde a timidez
E a arrogância parece aquietar-se
E nesta hora na qual a ponte entre Deus e os homens é de ouro, ambos se escutam e se entendem.
Entardeceres
Formatação: o caçador de imagens
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Entardeceres

364 visualizações

Publicada em

0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
364
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
10
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
1
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Entardeceres

  1. 1. “ ¿ Por qué ahora ?” Poema: Entardeceres Autor: Luiz Gonzaga Pinheiro Música: Nachtigall serenade
  2. 2. Entardeceres! Quantos já os vi
  3. 3. Não há quem não se enterneça com eles
  4. 4. É a hora em que a alma acalma
  5. 5. Fica reflexiva, levita, recorda
  6. 6. Busca os amores perdidos ou a construir
  7. 7. Hora de fazer promessas de superação
  8. 8. De arrepender-se
  9. 9. Entardeceres!
  10. 10. Hora em que Maria ora pelos suicidas
  11. 11. E que os mendigos doam
  12. 12. Os cruéis ficam sonolentos
  13. 13. Os poetas escrevem
  14. 14. E toda asfixia serena
  15. 15. Para que o ar possa escorrer.
  16. 16. Instante mágico e sublime
  17. 17. Pois que as cruzes dos homens lhes dão tréguas deixando-os mais sensíveis
  18. 18. É então que a maldade se envergonha
  19. 19. A delicadeza perde a timidez
  20. 20. E a arrogância parece aquietar-se
  21. 21. E nesta hora na qual a ponte entre Deus e os homens é de ouro, ambos se escutam e se entendem.
  22. 22. Entardeceres
  23. 23. Formatação: o caçador de imagens

×