O slideshow foi denunciado.
Utilizamos seu perfil e dados de atividades no LinkedIn para personalizar e exibir anúncios mais relevantes. Altere suas preferências de anúncios quando desejar.

Palestra Utilização de Cenários na Tomada de Decisões

3.179 visualizações

Publicada em

Palestra apresentada por Lauro Jorge Prado no dia 17/11/2009 no Seminário "Gestão Estratégica de Controladoria" na cidade de São Paulo pela InterNews.
. Projeção de Cenários - Mudanças de mercado e suas interferências no planejamento financeiro da organização

Publicada em: Negócios, Tecnologia

Palestra Utilização de Cenários na Tomada de Decisões

  1. 1. GESTÃO ESTRATÉGICA DE CONTROLADORIA A UTILIZAÇÃO DE PROJEÇÃO DE CENÁRIOS NA TOMADA DE DECISÕES NA CONTROLADORIA Mudanças de mercado e suas interferências no planejamento financeiro da organização
  2. 2. A melhor maneira de predizer o futuro é inventá-lo. Alan Kay Page § 2
  3. 3. AGENDA §Cenários §Mudanças e paradigmas que impactam na vida empresarial; §Planejamento Estratégico – Um olhar no futuro com ações no presente; §Como transformar o planejamento em estratégias implementadas; §Conclusão Page § 3
  4. 4. Page § 4
  5. 5. §No cinema a ficção nos leva ao futuro. O filme Minority Report é um bom exemplo! §Para sermos eficientes não devemos tentar prever o futuro, precisamos prever mudanças. “A chave para o bom desempenho de uma empresa é parar de tentar prever o futuro e partir, definitivamente, para a ação“ Stephen Kanitz - O Brasil Que Dá Certo (Makron Books, 100 págs.) 1994 (Makron págs.) Page § 5
  6. 6. Page § 6
  7. 7. “ CONJUNTO FORMADO PELA DESCRIÇÃO (DE FORMA COERENTE, PLAUSÍVEL E CONSISTENTE) DE UMA SITUAÇÃO CONSISTENTE) FUTURA (CENA) E DO ENCAMINHAMENTO (TRAJETÓRIA) CENA) TRAJETÓRIA) DOS ACONTECIMENTOS (EVENTOS) QUE PERMITEM EVENTOS) PASSAR DA SITUAÇÃO DE ORIGEM (ATUAL) PARA ATUAL) OUTRA FUTURA”. Page § 7
  8. 8. § Organizar e delimitar as "Incertezas Críticas". (Diagrama "Relevância (impacto) x Incerteza" è tomar “Consciência do Risco”). “Consciência isco” § Alertar os decisores sobre mudanças e descontinuidades. §Unificar as visões quanto ao futuro e utilizá-las para iluminar Decisões Estratégicas no presente. § Apoiar o Planejamento Estratégico. Page § 8
  9. 9. Page § 9
  10. 10. EXEMPLOS DE MÉTODOS PARA CONSTRUIR CENÁRIOS §Michael Godet(*) §GBN – Global Business Network(*) §Cenários de Michael Porter(*) §Cenários Grumbach(*) §Delphi Page § 10
  11. 11. Page § 11
  12. 12. § O paradigma da sociedade atual baseia-se: – na amplitude das informações; – na velocidade das mudanças; – no domínio do conhecimento; e – na acelerada evolução tecnológica. § SOLUÇÃO – Flexibilidade e Agilidade nas Decisões. – Percepção (visão) de futuro e Planejamento. Page § 12
  13. 13. Page § 13
  14. 14. §Em 2.020 - o conhecimento estará duplicando a cada 83 dias. (atualmente, já duplica a cada 4 anos.) §O meio de comunicação mais efetivo será a Internet e seus correlatos. §Em 2.050, mantido o paradigma médico atual, a expectativa de vida estará chegando aos 120 anos. Page § 14
  15. 15. §Conhecimento (aprendizado individual (aquisição/treinamento) e aprendizado institucional è maior participação nas decisões). §Intenso fluxo de informações. §Mudanças rápidas e constantes. §Descentralização das organizações, instituições e sistemas. §Intensificação no uso de tecnologia, exigindo mão de obra mais qualificada. Page § 15
  16. 16. §70% das mudanças ð pela tecnologia. §30% das mudanças ð pelo mercado. §Crítico no sucesso da implantação. – 5% = máquina – 15% = programa §80% = Pessoas Page § 16
  17. 17. Page § 17
  18. 18. PORQUE TEMOS DIFICULDADES EM CONSTRUIR CENÁRIOS? §Nossa educação e nossa cultura estão baseadas em respostas, porém o planejamento é sustentado por perguntas. §Contruir um cenário bem elaborado é fazer as perguntas certas! Page § 18
  19. 19. § “Quem não mede não controla.” § Só é possível medir com sucesso se houver sentido entre a realização e o intento estratégico. § Derivações: – Quem não sonha não planeja.. – Quem não planeja não controla… – Quem não controla não mede… – Quem não mede não realiza… Page § 19 Conceito: Hoshin Kanri
  20. 20. §Saber onde quer chegar e construir a estratégia para atingir o alvo. Page § 20
  21. 21. § Saber o que quer hoje e criar estratégia projetando a empresa no futuro, desenhando o alvo em função das estratégias definidas Page § 21
  22. 22. Page § 22
  23. 23. Como transformar o planejamento em estratégias implementadas; Page § 23
  24. 24. PASSADO, PRESENTE E FUTURO – OLHANDO AO REDOR... §Lei da física – Ação e Reação §Lei da Natureza - Razão de Fibonacci §Evidências Page § 24
  25. 25. COMO ORGANIZAR A EMPRESA? ORIENTAÇÃO POR PROCESSO F I P O N P C R R S R L O N . O I C E / D E E C R U N S E E T T S D C O E O O U S S S R R PLANEJAMENTO Page § 25
  26. 26. CARACTERÍSTICAS DE UM PROCESSO AUTORIDADE RESPONSABILIDADE CAUSAS EFEITOS MEDIDAS INSUMOS PRODUTOS BASE RECURSOS CENÁRIO PARA EQUIPAMENTOS MEIO AMBIENTE (FUTURO) PROJEÇÕES PESSOAS SERVIÇOS PROCEDIMENTOS ISTO TUDO É OBJETO DE UM CENÁRIO A SENDO CONSTRUÍDO! Page § 26
  27. 27. § A razão de Fibonacci é uma forma natural de construir quantidade sem sacrificar qualidade. § Devemos começar com pequenas e constantes ações que de forma progressiva chegará no resultado esperado. § Razão:1, 2, 3, 5, 8, 13, 21,34… § Fonte: “Desafio ao Deuses – A História Fascinante do Risco” – Peter L. Bernstein. Page § 27
  28. 28. § Quanto mais próximo do objetivo mais claro e mais ações são requiridas. Page § 28
  29. 29. vPesquisas sobre vPesquisas sobre ?. máteria morta. matéria viva - Genoma vGeração de riqueza vDomínio sobre a em cima das vInício da Revolução célula. descobertas do sec 20 Industrial vGeração de riqueza em cima das vRobótica vDomínio sobre o descobertas do sec 19 vBiotecnologia atomo. vEnergia Elétrica vTransgenia vPetróleo e derivados vGenômica vGeração de Riqueza: vSilício; vFontes alternativas Máquina Vapor, Tear, vEnergia Nuclear, etc de Energia Etc. vNanotecnologia, Etc Page § 29
  30. 30. §Tratar idéias antigas como idéias antigas. §Desconfie de idéias e estudos revolucionários. §Comemore e desenvolva o brilhantismo coletivo em vez dos gênios e gurus solitários. §Analise as vantagens e desvantagens. §Use casos de sucesso (não de fracasso) para ilustrar práticas bem embasadas. §Use uma abordagem neutra e imparcial em relação a ideologia e teorias. Page § 30
  31. 31. § Trate a organização como um protótipo inacabado. § Nada de bravatas. Atenha-se aos fatos. § Domine o óbvio e o comum. § Veja você mesmo e sua organização como as pessoas de fora os vêem. § Poder, prestigio e desempenho acarretam teimosia, estupidez e resistência a evidências válidas. § Gerenciamento baseado em evidências não é apenas para altos executivos. § Como tudo na vida, ainda é preciso vender a idéia. § Se tudo falhar, procure conter a disseminação das práticas ruins. § A melhor pergunta de diagnóstico: o que acontece quando as pessoas falham? Page § 31
  32. 32. CONCLUSÃO Page § 32
  33. 33. Page § 33
  34. 34. PROFISSÕES DO FUTURO – A EMPRESA DEVE PR0VER HOJE! GERENTE DE ECO-RELAÇÕES GERENTE DE INOVAÇÕES Ambiental – Social - Financeiro Articulador, capacidade de inovar, usar o público para inovar GESTOR DE APRENDIZAGEM GESTOR DE MARKETING E AUTO-DESENVOLVIMENTO ELETRÔNICO Vendas, comunicações, marketing de redes sociais ORIENTADOR PEDAGOGO EMPRESARIAL DE APOSENTADORIA Didática e modelo pedagógico voltado para a Carreiras mais longas estratégia da empresa – Uso de meios modernos de ensino. Fonte: James Wright – Prof. da USP Page § 34
  35. 35. § Cenário exercem impacto quando todos na empresa estão engajados. § A concepção de cenários é uma ferramenta para expansão dos processos pelo qual as empresas renovam sua visão, competitividade e adaptam-se a ambientes cada vez mais duros e voláteis. § Erros de planejamento pode levar qualquer empresa à falência. Saber administrar o risco deve ser uma prioridade essencial. § O FUTURO DEPENDE DE AÇÕES QUE ESTÃO ACONTECENDO HOJE! Page § 35
  36. 36. § Bernstein, Peter L. – Desafio aos Deuses – A Fascinante História do Risco, Editora Campus, 1997 § Charam, Ram – Know-How As 8 Competências que Separam os que Fazem dos que não Fazem, Editora Campus, 2007 § Oliver, Richard W. – Como Serão as Coisas no Futuro, Negócio Editora, 1999 § Pfeffer, Jefrey e Sutton, Robert – A Verdade dos Fatos – Editora Campus, 2006. § Prado, Lauro Jorge – Artigo “A Empresa no Divã”, publicado na Internet, 2005 § Libert, Barry - Nós Somos Mais Inteligentes do que Eu, 2009 § Pflaeging, Niels – Liderando com Metas Flexíveis, 2009 Page § 37
  37. 37. §Lauro Jorge do Prado – Contador, Pedagogo, Pós-Graduado em Controladoria e Finanças (FAPEI), em Planejamento e Gestão de Negócios (FAE), em Gestão Agro-Florestal (UFPR) e especialização em Gestão Empresarial (FGV), em Custos (FGV) e em Educação Virtual (SENAC). – Grande experiência na área controladoria e finanças, carreira desenvolvida em empresas nacionais, multinacionais nas áreas de custos, planejamento estratégico, contabilidade e orçamento empresarial, por mais de 18 anos. Últimas empresas: Norske Skog Ltda e Pisa Papel de Imprensa Ltda. – É proprietário da empresa SuGestão Consultoria e Assessoria e Sócio da empresa TOPSIS Consultoria Empresarial Ltda com sede em Curitiba, Pr. – É Consultor Certificado pela Thompson Management Horizons. Page § 38
  38. 38. ANEXOS Page § 39
  39. 39. Page § 40
  40. 40. (GBN fundada em 1986, nos EUA, por Peter Schwartz – ex-integrante da Shell) Page § 41
  41. 41. Page § 42
  42. 42. 5 Page § 43

×