Cuidando dos pensamentos i

774 visualizações

Publicada em

Pensamentos: fontes geradoras de harmonia ou desarmonias.
Implicações orgânicas e psicológicas.

Publicada em: Saúde e medicina
0 comentários
2 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
774
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
1
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
34
Comentários
0
Gostaram
2
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Cuidando dos pensamentos i

  1. 1. Bons ou maus escolhas nossas.
  2. 2. Os pensamentos são emissões mentais que, assim como as ondas invisíveis do rádio e da TV, permeiam o espaço em que vivemos influenciando-nos uns aos outros positiva ou negativamente.
  3. 3. De maneira semelhante ao Radio, TV e outros equipamentos eletrônicos, não vemos estas ondas; contudo seus efeitos são sentidos e percebidos. As ondas mentais (igualmente invisíveis) podem ser percebidas por meio de seus efeitos em nós mesmos e naqueles que nos cercam e que sintonizam pensamentos/ sentimentos.
  4. 4. Sua externalização, por meio de alegres e equilibradas conversas propagam sentimentos sadios que refletem um grande bem estar.. Este bem estar é facilmente percebido tanto por aqueles que externalizam tal sentimento quanto por aqueles que o recebem.
  5. 5. Ao contrário, discussões e palavras ásperas produzem desequilíbrio, desarmonias que instalam não só em nosso aspecto psicológico, como no físico.
  6. 6. Atualmente pode-se encontrar inúmeros efeitos (positivos e negativos) pesquisados e comprovados pela ciência relacionados ao pensamento/sentimento. EFEITOS COMPROVADOS PELA CIÊNCIA Inúmeras doenças físicas e psicológicas entre as quais poderíamos citar úlceras, cânceres, enfartos cardíacos e derrames cerebrais estão intimamente relacionados a pensamentos/sentimentos de raiva, ressentimentos, mágoa angústia entre outros;
  7. 7. Doenças e suas prováveis causas, elaboradas pela psicóloga Louise: DOENÇAS / CAUSAS: AMIDALITE: Emoções reprimidas, criatividade sufocada. ANOREXIA: Ódio ao externo de si mesmo. APENDICITE: Medo da vida. Bloqueio do fluxo do que é bom. ARTERIOSCLEROSE: Resistência. Recusa em ver o bem. ARTRITE: Crítica conservada por longo tempo. ASMA: Sentimento contido, choro reprimido. BRONQUITE: Ambiente familiar inflamado. Gritos, discussões.. CÂNCER: Mágoa profunda, tristezas mantidas por muito tempo. COLESTEROL: Medo de aceitar a alegria. DERRAME: Resistência. Rejeição à vida. DIABETES: Tristeza profunda. DIARRÉIA: Medo, rejeição, fuga.
  8. 8. DOR DE CABEÇA: Autocrítica, falta de autovalorização. DOR NOS JOELHOS: medo de recomeçar, medo de seguir em frente ENXAQUECA : Raiva reprimida. Pessoa perfeccionista. FIBROMAS: Alimentar mágoas causadas pelo parceiro (a). FRIGIDEZ: Medo. Negação do prazer. GASTRITE: Incerteza profunda. Sensação de condenação. HEMORRÓIDAS: Medo de prazos determinados. Raiva do passado. HEPATITE: Raiva, ódio. Resistência a mudanças. INSÔNIA: Medo, culpa. LABIRINTITE: Medo de não estar no controle. MENINGITE: Tumulto interior. Falta de apoio. NÓDULOS: Ressentimento, frustração. Ego ferido.
  9. 9. PELE (ACNE): Individualidade ameaçada. Não aceitar a si mesmo. PNEUMONIA: Desespero. Cansaço da vida. PRESSÃO ALTA: Problema emocional duradouro não resolvido. PRESSÃO BAIXA: Falta de amor quando criança. Derrotismo. PRISÃO DE VENTRE: Preso ao passado. Medo de não ter dinheiro suficiente.. PULMÕES: Medo de absorver a vida.. QUISTOS: Alimentar mágoa. Falsa evolução. RESFRIADOS: Confusão mental, desordem, mágoas. REUMATISMO: Sentir-se vitima. Falta de amor. Amargura. RINITE ALÉRGICA: Congestão emocional. Culpa, crença em perseguição. RINS: medo da crítica, do fracasso, desapontamento. SINUSITE: Irritação com pessoa próxima. TIREÓIDE: Humilhação. TUMORES: Alimentar mágoas. Acumular remorsos. ÚLCERAS: Medo. Crença de não ser bom o bastante. VARIZES: Desencorajamento. Sentir-se sobrecarregado
  10. 10. O pensamento, escolhido por nós, produzirá um sentimento sadio ou malsão. E esse sentimento é o elemento que cria e desencadeia em nós os aspectos benefícios ou maléficos dependendo do seu teor.
  11. 11. Mesmo naqueles em que a doença instalou-se de forma aparentemente irreversível (desenganados pela medicina), quando abandonam os sentimentos que geravam seus sofrimentos , logram sucesso em sua recuperação.
  12. 12. Desta forma a cura não estaria apenas nas nobres ciências que curam de fora para dentro, mas em nosso próprio médico interior que de dentro para fora, por meio de diretrizes sadias, recomeça a ordenar cada molécula de nosso ser gerando as inúmeras curas inexplicáveis pelas ciências do passado que hoje em dia encontram-se cada vez mais próximas de novas verdades.
  13. 13. Possuindo nosso livre arbítrio, tendo a nossa disposição inúmeras religiões, filosofias, doutrinas, ciências médicas e psicológicas que condenam o mau pensamento/ sentimento ou ainda suas manifestações, incorporadas no orgulho, ira, egoísmo e não perdão será que devemos cuidar de nossos pensamentos para não adoecermos e não contribuir para a doença do próximo?
  14. 14. Se o nosso raciocínio chegar uma resposta positiva ... Comecemos agora mesmo a refletir sobre o teor de nossos pensamentos; sua finalidade, sua utilidade.
  15. 15. ...E com o lixo mental não é diferente Mantenhamos a mente limpa com bons pensamentos.
  16. 16. Uma forma de proceder, pensar, agir e reagir torna-se, ao longo dos anos, um condicionamento mental. Isso significa que diante de uma determinada situação tendemos a reagir da mesma maneira em que já nos habituamos a fazer. A questão é: que maneira é essa?
  17. 17. Como está nosso pensamento/sentimento diante desta ou aquela situação? Independente do motivo ou agente externo que desencadeou essa ou aquela emoção; se estamos equilibrados, se já conquistamos um certo grau de equilíbrio podemos resistir a fonte propagadora da desarmonia. Possuindo um pouco mais de autocontrole e equilíbrio, não só obstamos esse mal como podemos convertê-lo novamente em harmonia benéfica.
  18. 18. A conquista do equilíbrio e do autocontrole deve ser adquirida por esforço próprio. Um esforço consciente, gradual e persistente para atingirmos um verdadeiro equilíbrio. A ascensão por essa longa caminhada depende de nós mesmos. Se tivermos passos firmes e determinados, chegaremos mais rápido ao nosso destino.
  19. 19. É nas pequenas coisas do dia a dia que podemos exercitar o perdão e paciência por aqueles que pensam de forma diferente de nós . “Aquele que não se predispôs a vencer as pequenas desarmonias do dia a dia poderá sucumbir diante dos problemas maiores”.
  20. 20. Esses problemas, em verdade, são do exato tamanho que podemos agüentar, mas o “sedentarismo moral” que paralisa e atrofia a nossa capacidade de autocontrole, faz que não aceitemos com serenidade e maturidade as pequenas dificuldades da vida. E é ai que o “peso” parece aumentar. Se sucumbimos ás provas naturais a que somos chamados diariamente para, justamente, ascendermos em inteligência e moralidade é porque não nos predispomos aos “exercícios” leves, graduais e periódicos que tonifica-nos a moral e prepara nos para maiores e melhores oportunidade de elevação crescimento.
  21. 21. Aquele que se prepara durante a vida está sempre pronto para ascender um pouco mais. Em que pese ser um esforço que compete apenas a nós mesmos: uma parceria que conscientemente aceita e almeja uma felicidade madura e harmônica, pode facilitar ainda mais a jornada.
  22. 22. Notório é o fato que antes mesmo do Cristo vir a terra que a humanidade assola-se em discussões estéreis e sem sentido. A forma prepondera diante do conteúdo e aquilo que não deveria assumir nem a condição de detalhe transforma-se em ponto de honra, motivos para dissensões e desequilíbrios desnecessários. “A letra mata, mas o espírito vivifica...”
  23. 23. Se o assunto não agrega, não acrescenta e não repercute de forma sadia em nós ou em nosso semelhante deixemo-lo de fora de nossa prosa. Ocupemo-nos com assuntos e comentários agradáveis. Pensamento bom é vida feliz.
  24. 24. “O verdadeiro Cristão é aquele que se esforça para vencer suas más inclinações e melhorar-se a cada dia .” Utilizemo-nos da humildade que nos sugere que aquele que considera-se pequeno, por não cristalizar-se em velhos hábitos, continua crescendo e por isso mesmo torna-se verdadeiramente grande. “Por isso, pela graça que me foi dada digo a todos vocês: Ninguém tenha de si mesmo um conceito mais elevado do que deve ter; mas, ao contrário, tenha um conceito equilibrado, de acordo com a medida da fé que Deus lhe concedeu.” Romanos 12:3 Para aqueles que assim acreditam se,lembremos :
  25. 25. Utilizemo-nos do perdão incondicional, da humildade, da paciência e da resignação em nosso dia a dia.. Essas não devem sair apenas dos lábios (como faziam os Fariseus), mas serem propagadas por meio de gestos e ações que gerarão pensamentossentimentos equilibrantes em nós que poderão até esvanecer as desarmonias que seriam propagadas no meio que vivemos “Nem todos os que me dizem: Senhor! Senhor! entrarão no reino dos céus; apenas entrará aquele que faz a vontade de meu Pai, que está nos céus. Mateus” 7, 21-29 “Ai de vós, doutores da Lei e fariseus hipócritas, porque limpais o exterior do copo e do prato, quando por dentro estão cheios de rapina e de iniqüidade! Fariseu cego! Limpa antes o interior do copo, para que o exterior também fique limpo.” Mateus 23,23-26
  26. 26. Ao aceitarmos um novo ser em nós mesmos que não se cristaliza nos antigos hábitos, mas se esforça por continuar melhorando devemos lembrar: O irmão desequilibrado ao qual depararemo-nos, inevitavelmente, pela vida é vítima de si mesmo. Não o condenemos e não caiamos em sua própria faixa de desequilíbrio. O perdão àqueles que nos perseguem, é antes de tudo uma proteção para nós mesmos e ainda, uma chance de reflexão e reequilíbrio para o perseguidor.
  27. 27. Ao contrário, que não aumentemos a sua perturbação; possamos ajudá-lo a equilibrar-se e a manter-se equilibrado. “Aquele que se esquece de si mesmo, auxiliando seu irmão em necessidade, auxilia a si mesmo na aquisição da própria felicidade”
  28. 28. Bons ou maus escolhas nossas. Fim
  29. 29. Bons ou maus escolhas nossas. Créditos: Idealização/direção: L.P.L.R Revisão: M.M.L.R Imagens: coletadas da Internet Inspirado em : estudos relativos ao CristianismoEspiritismo, ciências médicas e psicologias .
  30. 30. Bons ou maus escolhas nossas. Créditos: Idealização/direção: L.P.L.R Revisão: M.M.L.R Imagens: coletadas da Internet Inspirado em : estudos relativos ao CristianismoEspiritismo, ciências médicas e psicologias . Se você achou útil o conteúdo desses slides: encaminhe para outros, juntamente com seus bons pensamentos . Obrigado

×