Slides natureza do tbl pedagógico escolar aula 1

1.095 visualizações

Publicada em

0 comentários
1 gostou
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
1.095
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
7
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
12
Comentários
0
Gostaram
1
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Slides natureza do tbl pedagógico escolar aula 1

  1. 1. FFAACCUULLDDAADDEESS MMOONNTTEENNEEGGRROO EEssppeecciiaalliizzaaççããoo eemm GGeessttããoo ee CCoooorrddeennaaççããoo EEssccoollaarr Natureza do trabalho escolar Profª: LAUDECEIA ANDRADA. Mestre em Ciências da Educação. Lattes: http://lattes.cnpq.br/8132194252672482 E-mail: laudiceiapsicopedagoga@hotmail.com Petrolina Setembro/2014
  2. 2. PPaarraa rreefflleettiirr O sucesso é construído a noite
  3. 3. OObbjjeettiivvooss ddaa ddiisscciipplliinnaa Entender como se dá a natureza do trabalho escolar; Refletir acerca do conceito de trabalho humano e por que este processo o diferencia do restante da natureza; Identificar o que é trabalho material e não-material e como transportar esses conceitos para o trabalho pedagógico escolar.
  4. 4. EEmmeennttaa A partir da natureza do processo do trabalho pedagógico discute-se os fundamentos da organização do trabalho escolar. Como ocorre o trabalho humano e a sua diferenciação do restante da natureza; O que chamamos de trabalho material e não-material e como ocorre essa conceituação no trabalho pedagógico escolar.
  5. 5. MMeettooddoollooggiiaa • Aulas expositivas com a utilização de textos, vídeos, dinâmicas e outros recursos; • Leitura dirigida, individual e em grupos; • Atividades individuais e em grupos.
  6. 6. BBiibblliiooggrraaffiiaa Básica Apostila da disciplina: Artigo: A natureza do trabalho pedagógico. Autor: PARO. Vitor Henrique. São Paulo. Revista da Faculdade de Educação. V. 19. n. 1. p. 103 – 109. jan/jun. 1993. Complementar Textos complementares, vídeos documentários, etc.
  7. 7. NNooss ccoonnhheecceennddoo......
  8. 8. A Natureza e Especificidade do Trabalho Escolar
  9. 9. • A educação é um fenômeno próprio dos seres humanos. • Os animais irracionais, se adaptam à realidade natural, enquanto os homens adaptam a natureza em si, retirando da natureza os meios para sua sobrevivência e transformá-la, criando um mundo humano.
  10. 10. • QUAL O CONCEITO DO TRABALHO HUMANO? • O que diferencia o homem dos outros animais é o trabalho. • Trabalho é uma característica essencialmente humana – que o diferencia do restante da natureza.
  11. 11. • Trabalho= Ação intencional do homem que transforma a Natureza. • Só o homem é capaz de estabelecer objetivos calcados em valores e busca sua concretização. • O trabalho empresta ao homem sua característica histórica; • O que é meramente natural não tem história;
  12. 12. Uma espécie animal não muda – ele será sempre o mesmo - por que está preso a sua necessidade ou necessariedade. Portanto, O homem é natureza (domínio da necessidade) Negação da natureza (domínio da liberdade)
  13. 13. VVííddeeoo Tempo, Trabalho e Subjetividade - Crises da Atualidade – 2011 Este vídeo foi apresentado no I Simpósio Internacional Tempo e Subjetividades - Perspectivas Plurais, na Universidade Federal do Ceará-UFC, em Fortaleza, por sua autora Profª. Evie Giannini, em 2011. É parte integrante da série audiovisual da Tese de Doutorado: "Tempo, Trabalho e Subjetividade -- Crises da Atualidade", de autoria da Profª. Evie Giannini, sob a orientação do Prof. Dr. Jorge Coelho Soares, pelo Programa de Pós- Graduação em Psicologia Social (PPGPS/UERJ) / 2010-2014
  14. 14. Os tempos dedicados ao labor e fora dele destinados à realização do trabalho na Hipermodernidade, têm atingido graus de sofrimento e exaustão laboral sem precedentes, instalando na atualidade impactos psicofisiológicos e sociais diversos. Qual o sentido disso? Em que estamos nos tornando? No que deixamos de nos tornar? Quais os custos para os indivíduos e a sociedade como um todo para que se efetivem condições de trabalho que mais fragilizam que engrandecem? Este vídeo não responde amplamente a tais perguntas, porém intenta fazer refletir acerca de meios urgentes que possam, talvez, transformar o contexto laboral vigente.
  15. 15. • Trabalho material: Trabalho que se separa de quem o produz. • Trabalho não-material: trabalho que não se separa de quem o produz, virando idéias, valores, conceitos. • Educação como trabalho não-material.
  16. 16. Em que tipo ddee ccaatteeggoorriiaa ssee eennccaaiixxaa oo ttrraabbaallhhoo ppeeddaaggóóggiiccoo?? O trabalho pedagógico é: não material um produto um serviço
  17. 17. PPaarraa MMaarrxx,, hháá ddooiiss ttiippooss ddee ttrraabbaallhhooss nnããoo--mmaatteerriiaall:: 1. Separa-se a produção e o consumo Ex.: Produção de livros 2. A produção e consumo são simultâneos Ex.: trabalho do ator no teatro, do palhaço no circo e do professor na sala de aula
  18. 18. • O ato de dar aula, é inseparável da produção desse ato e de seu consumo. (produzida pelo professor e consumida pelos alunos) • Trabalho educativo: é o de produzir direta e direcionalmente, em casa indivíduo singular, a humanidade que é produzida histórica.
  19. 19. A especificidade ddaa eedduuccaaççããoo eessccoollaarr Marx afirma que:  Não há separação entre produção e consumo;  Há impossibilidade de subordinação real do trabalho ao capital no processo de produção pedagógico.
  20. 20. Alguns autores como Arroyo, Sá, Mazzotta tentam contestar as ideias de Marx e de Savianni procurando demonstrar que o capitalismo está sim presente na escola.
  21. 21. Ressalta-se portanto, que a natureza do trabalho escolar, da educação escolar como processo de produção de trabalho cuja produção e consumo se dá ao mesmo tempo. Em suma: a produção e o consumo são simultâneos. Portanto, Saviani afirma que: ”a atividade de ensino, a aula, é um produto da educação escolar que não se separa de seu consumo pelos alunos”
  22. 22. A AULA NA SSOOCCIIEEDDAADDEE CCAAPPIITTAALLIISSTTAA Considerada o produto do processo de educação escolar; É a aula, enquanto mercadoria que se paga no ensino privado; É a aula que se tem como serviço prestado pela escola (pública e privada) e que se avalia como boa ou ruim.
  23. 23. Todavia, a aula é uma atividade que dá origem ao produto do ensino. Assim sendo, ela não é o produto do trabalho, mas o próprio trabalho pedagógico.
  24. 24. VVííddeeoo Vinicius O. Santos - Lançamento de TRABALHO IMATERIAL E TEORIA DO VALOR EM MARX
  25. 25. CCOONNCCEEPPÇÇÃÃOO DDAA EEDDUUCCAAÇÇÃÃOO EENNQQUUAANNTTOO RREELLAAÇÇÃÃOO SSOOCCIIAALL Gramsci revela que “o produto de tal processo é algo mais complexo”, que não é apenas a apropriação de um saber (conhecimentos, valores, atitudes, comportamentos) historicamente produzido e a escola como uma das instâncias que provém a educação, a consideração do seu produto não pode se restringir a ao ato de aprender, como destaca Saviani.
  26. 26. Portanto, o educando não se apresenta apenas como consumidor, é também objeto do trabalho. Tendo em vista que ele é o verdadeiro objeto “sobre o qual” se processa o trabalho pedagógico e que se “transforma” nesse processo permanecendo pra além dele.
  27. 27. Qual o papel ddoo eedduuccaaddoorr nnoo pprroocceessssoo ddee pprroodduuççããoo ppeeddaaggóóggiiccoo?? Se dá não apenas na condição de consumidor e de objeto de trabalho mas também na de sujeito, portanto de “produtor” ou “co-produtor” em tal atividade.
  28. 28. Processo material de produção – modificações no objeto de trabalho – são de natureza material; Transformação no processo pedagógico – diz respeito à personalidade viva do educando – pela apropriação do conhecimento, atitudes, valores, habilidades, técnicas, etc.
  29. 29. Qual sseerráá oo pprroodduuttoo ddaa eedduuccaaççããoo eessccoollaarr?? Se o processo do trabalho pedagógico se realizou a contento, o educando “sai” do processo diferente daquele que ali entrou. Com base nessa afirmativa responda: O produto se separa ou não da produção? Leia na pág. 106 da apostila, o primeiro parágrafo o que diz Paro.
  30. 30. A sociedade capitalista tende a reduzir todas as relações sociais a relações comerciais de compra e venda. Até que ponto a utilização “fetichizada” da aula tem a ver com a escamoteação da qualidade do ensino público? Consulte pág. 106, segundo parágrafo.... Fetiche – fantasia, objeto... Escamotear – burlar, furtar, iludir, fazer desaparecer...
  31. 31. O objeto da educação É a identificação dos elementos culturais e a descoberta das formas mais adequadas para atingir seu objetivo;
  32. 32. • O clássico não se confunde com o tradicional. • A escola é uma instituição cujo papel consiste na socialização do saber sistematizado. • Saber sistematizado não se trata de qualquer tipo de saber.
  33. 33. • Ciência é exatamente o saber metódico, sistematizado. • Em grego há três palavras referentes ao fenômeno do conhecimento: doxa, sofia, episteme.
  34. 34. Doxa é uma palavra grega que significa crença comum ou opinião popular e de onde se originaram as palavras modernas ortodoxo e heterodoxo. Exemplo do uso da palavra Doxa: Utilizada pelos retóricos gregos como ferramenta para formação de argumentos através de opiniões comuns, a doxa (em oposição ao saber verdadeiro, episteme).
  35. 35. Sofia vem da palavra FILO- SOFIA SOFIA significa sabedoria, saber, sábio. Ligado ao conhecimento humano.
  36. 36. episteme (grego epistéme, es, entendimento, conhecimento científico) Conjunto dos diversos saberes científicos pertencentes a uma época; Por oposição à opinião sem fundamento ou sem reflexão.
  37. 37. • O conhecimento que produz palpites, não justifica a existência da escola; • O conteúdo fundamental da escola elementar: ler, escrever, contar, os rudimentos das ciências naturais e das ciências sociais;
  38. 38. • No ano letivo é reservado muito tempo para todo tipo de comemoração, e muito pouco para transmissão-assimilação de conhecimentos sistematizados; • A escola tornou-se um mercado de trabalho disputado pelos diferentes tipos de profissionais;
  39. 39. CCoommoo ddeevvee sseerr aa eessccoollaa?? Vídeo: Reflexão sobre a escola
  40. 40. A escola nnããoo ddeevvee ssee ssuubbmmeetteerr aaoo mmeerrccaaddoo ddee ttrraabbaallhhoo Ela não deve se submeter ao mercado de trabalho, mas sim, ela deve levar em conta um mercado de trabalho numa região e ajudar que a formação escolar prepare para aquilo. Sem submissão Mas deve ter o mercado de trabalho como referência.
  41. 41. VVííddeeoo Escola e mercado de trabalho
  42. 42. AAttiivviiddaaddee Com base no que foi discutido até aqui, nos seus conhecimentos, nas discursões, redija um texto de no mínimo meia lauda expondo o seu posicionamento acerca da natureza do trabalho pedagógico escolar.

×