Cordados

118 visualizações

Publicada em

Não se assustem com a quatidade de slides,tem 97 slides só poruque está explicando cada classe direito. Todas as classes .

Publicada em: Educação
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
118
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
3
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
0
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Cordados

  1. 1.  É o filo dos animais mais avançados da natureza.  Ocupam todos os ambientes da natureza.  São triblásticos.  Celomados.  Deuterostômios.
  2. 2.  Simetria bilateral.  Tubo digestivo completo, com boca e ânus.  Grande diversidade de espécies (adaptações à vida em diferentes ambientes).
  3. 3.  Noto corda (é substituída pela coluna vertebral) › É um bastão gelatinoso, alongado, em posição dorsal no embrião, abaixo do tubo neural › Origem: mesoderme › É a primeira estrutura de substituição do embrião › Cordados primitivos: noto corda permanece a vida toda › Cordados avançados: noto corda desaparece ainda no embrião
  4. 4.  Tubo nervoso dorsal › Tubo oco, de origem ectodérmica, e em posição dorsal no embrião e no adulto. › Cordados primitivos: permanece tubo. › Cordados avançados: tubo nervoso sofre 3 dilatações na região anterior, formando cérebro, cerebelo e bulbo raquidiano (conjunto dos 3: encéfalo)
  5. 5.  Fendas branquiais na faringe › Em uma faringe de cordado em formação embrionária encontramos vários pares de fendas alongadas laterais, nos primeiros estágios do desenvolvimento.  Cordados aquáticos: fendas permanecem abertas e dentro de cada uma delas irão as brânquias.  Em anfíbios: fendas branquiais se fecham na metamorfose.  Répteis, aves e mamíferos: fendas branquiais se fecham ainda no embrião.
  6. 6.  Sem encéfalo  Sem crânio  Invertebrados  Possui 3 subfilos: › Hemicordados › Urocordados (tunicados) › Cefalocordados
  7. 7.  Animais marinhos, aspecto vermiforme  Colarinho contendo a boca (ciliado)  Hábito filtrador  Tubícolas  Exemplo: balanoglossus sp
  8. 8.  Larva: natante  Notocorda na cauda  Adultos são fixos  Sifão inalante (mais alto), sifão exalante (mais baixo)  Cesta branquial(com fendas branquiais)  Alimentação e respiração  Revestimento externo: tunica proteica
  9. 9.  Provável ancestral evolutivo dos peixes e de todos os vertebrados  Tem as 3 características dos cordados muito visíveis a vida toda  Animal padrão de estudo da embriologia dos vertebrados  Pequenos (1 a 2 cm)  Já tem musculatura em feixes intercalados  Exemplo: Branchiostoma Lanceolatus
  10. 10.  Com encéfalo  Com crânio  Vertebrados  Possui 2 tipos: › Ágnatos: sem mandíbula › Gnatóstomos: boca com mandíbula
  11. 11.  Classe ciclóstomos ou ciclostomados.  Boca circular em forma de funil.  Exemplo: lampreias e feiticeiras
  12. 12.  Com dentes fortes, perfuram e rasgam a pele ou as brânquias.  Vivem em rios ou mares.  Possui hábito parasita ou predadoras.
  13. 13. › Boca revestida de tentáculos. Não há dentes. Necrófagos. Vivem no mar. Pele fina, delicada, rica em glândulas mucosas. › Não há escamas, só há nadadeiras impares. › Respiração branquial › Excreção: 1 par de rins. Eliminam amônia. › Dioicos, sem dimorfismo sexual › Fecundação interna, ovíparos › Desenvolvimento indireto › Larva: amocetes.
  14. 14.  Classe dos condrícties  Esqueleto predominantemente cartilaginoso  Forma corporal: fusiforme, hidrodinâmico, esqueleto leve e flexível, musculatura desenvolvida “excelentes nadadores”  Exemplo: tubarão, tubarão-martelo, cações, raias, módulas e quimeras
  15. 15.  Respiração branquial: 5 a 7 pares de fendas branquiais nuas, expostas.  1ª vez:  Nadadeiras pares › Peitorais ou anteriores › Pélvicas ou posteriores  Nadadeiras impares › Dorsal anterior › Dorsal posterior › Caudal do tipo heterocerca
  16. 16.  Pele: rica em glândulas mucosas, coberta de dentículos dérmicos ou escamas placoides  Boca é ventral  Língua rudimentar  Dentição: homodentia › Dentes iguais, triangulares › Muito frágeis, arrancados facilmente › Várias fileiras de dentes › Produzidos e repostos a vida toda › Projeção do maxilar + mandíbula fora da boca
  17. 17.  Estomago: muito desenvolvido  Suco gástrico potente  Intestino com tiflossolis ou válvula espiral: aumenta a área de absorção, aumenta o tempo do alimento no intestino.  Termina em cloaca: abertura única que serve para à eliminação de fezes, urina e gametas.
  18. 18.  Coração ventral, com 2 cavidades (1 átrio e 1 ventrículo).  Circulação simples: só passa um tipo de sangue pelo coração.  Sangue com hemácias ovais e com núcleo/ leucócito.
  19. 19.  1 par de rins  Eliminam ureia  Parte da ureia é retida no sangue, aumentando sua concentração, equilibrando-a com água do mar.
  20. 20.  Bastante desenvolvido  Crânio cartilaginoso
  21. 21.  1 par de olhos simples e pequenos (visão rudimentar)  1 par de narinas aguçadíssimas  Ampolas de Lourencini (narinas): campo eletromagnético da Terra  Linhas laterais: milhares de sensores de pressão hidrostática › Profundidade › Presença de outro animal, obstáculos, direção e velocidade de correntes de água › Sons
  22. 22.  Com dimorfismo sexual  Dioicos  Clásper: estrutura copuladora (nadadeiras pélvicas modificadas)  Fecundação interna  São ovíparos: cações, raias dulcícolas e alguns tubarões  São ovovivíparos (retém os ovos no corpo): tubarões de grande porte
  23. 23.  Classe dos osteícties  Peixes de esqueleto predominantemente ósseo  Corpo fusiforme, musculatura desenvolvida  Nadadeiras impares › Dorsal anterior › Dorsal posterior › Caudal (e alguns com anal)  Nadadeiras pares › Pélvicas (posteriores) › Peitorais (anteriores)
  24. 24.  Nadadeira caudal homocerca ou dificerca  Boca em posição anterior terminal  Epiderme fina e permeável  Rica em glândulas mucosas  Maioria: coberta de escamas mortas revestidas de epiderme  Tipos: ctenoides, cicloides e ganoides  Algumas espécies sem escamas (peixes de couro)
  25. 25.  Língua pouco desenvolvida  Dentes iguais (homodentia). Algumas exceções : cachorra)  Dentição única e definitiva. Não são substituíveis  Intestino sem válvula espiral (tiflossolis). É mais longo  Anus diferente do orifício urogenital  Respiração branquial  4 pares de brânquias filamentosas, localizadas em câmaras branquiais, cobertas por um opérculo ósseo e móvel
  26. 26.  Conseguem criar uma corrente de água passando pelas brânquias.  Alteram movimentos de abrir e fechar a boca e o opérculo.  Circulação fechada e simples (só passa sangue venoso pelo coração)  Coração com 2 cavidades (1 átrio + 1 ventrículo)  Excreção: › 1 par de rins › Eliminam amônia › Não conseguem reter no sangue (muito toxica)
  27. 27.  Órgãos de sentido: › 1 par de olhos (maiores) › Narinas › Linhas laterais › Vesícula gasosa ou bexiga natatória  Órgão flutuador: responsável pelo equilíbrio hidrostático
  28. 28.  Reprodução: › Dioicos › Durante a época reprodutiva as fêmeas mudam de cor e apresentam inchaço abdominal › Piracema: migração reprodutiva para as nascentes dos rios › Fecundação externa › Ritual de acasalamento › Dos ovos nascem larvas chamadas: alevinos › Desenvolvimento indireto
  29. 29.  1ª fase larval: girino (obrigatoriamente aquático)  Metamorfose  2ª fase: adulta (aquática ou terrestre)  Classe dividida em 3 ordens: › 1- ordem anura › 2- ordem urodelos › 3- ordem gimnofiona (ápodes)
  30. 30.  Anfíbios que na fase adulta não apresentam cauda (adulto sem cauda)  Exemplos: Sapos (não possuem membrana e nem ventosas), rãs (membrana entre os dedos) e pererecas (possui ventosas na ponta dos dedos).
  31. 31.  Adultos com cauda  Exemplo: salamandras e tritões.
  32. 32.  Sem patas  Exemplo: cobra-cega
  33. 33.  Epiderme fina e permeável  Rica em glândulas mucosas  Algumas espécies de pererecas e rãs fabricam muco muito tóxico.  Sapos: atrás dos olhos eles possuem glândulas paratóides, onde fica o veneno que é muito tóxico.  São venenosos mais não são peçonhentos.
  34. 34.  Tubo digestivo completo › Termina em cloaca › Boca enorme: “serrilha” – dentes vomerianos (homodentia) › Língua desenvolvida, muscular, pegajosa e invertida.  Esqueleto › Leve, flexível e 70% é cartilaginoso › Adaptado a saltos.
  35. 35.  Fase larval: brânquias (4 pares) + cutânea (pele)  Metamorfose  Fase adulta: 1 par de pulmões saculiformes + cutânea (pele)  Sapos adultos: pulmões saculiformes + cutânea (pele) + bucofaringeana  Emissão de sons: coachar.
  36. 36.  Circulação dupla e incompleta › Passam 2 tipos de sangue pelo coração › Há mistura de sangue venoso e arterial no ventrículo.  Circulação fechada › Coração: 3 cavidades › 2 átrios e 1 ventrículo  Excreção › 1 par de rins › Larvas: eliminam amônia › Adultos: eliminam ureia
  37. 37.  1 par de olhos: com pálpebras e com glândulas lacrimais  1 par de tímpanos externos  Narinas aguçadas  Girinos: linhas laterais
  38. 38.  Dioicos com dimorfismo sexual  “Acasamento” : amplexo (abraço)  Fêmeas liberam a massa de óvulos na água + substâncias que excitam o macho.  Macho libera os espermatozoides sobre os óvulos  Fecundação externa  Ovos não tem casca calcárea  Desenvolvimento indireto
  39. 39.  Subordem ofídios: serpentes  Subordem lacertídios: lagartixas, lagartos e dragão de Komodo
  40. 40.  Tartarugas (membros transformados em nadadeiras)  Jabutis (terrestres)  Cágados (aquário, com dentinhos e membrana entre eles)
  41. 41.  Jacarés  Gaviais  Aligatores  Crocodilos
  42. 42.  Pele seca, grossa, pluriestratificada, queratinizada e impermeável  Não há glândula epidérmica  Anexos: escamas, plastrão, placas córneas, cristas, espinhos...  São pecilotérmicos: temperatura corporal interna varia de acordo com a temperatura ambiental.
  43. 43.  Termina em cloaca  Boca desenvolvida  Língua invertida: lagartos insetívoros  Outros lagartos e serpentes possuem: língua bífida, teto da boca ficam os órgãos de Jacobi (percepção do calor do corpo das pressas)  Dilatação do esôfago › Papo: armazena e umedece o alimento › Moela com paredes musculares: tritura o alimento › Cobras e lagartos: moela separa as partes duras do corpo da presa, que depois são eliminadas pela boca .
  44. 44.  Pulmonar a vida toda  Pulmões parenquimatosos (com maior área interna de trocas gasosas)  Tartarugas: conseguem trocas gases pelas paredes da cloaca (10 a 20%)  (respiração acessória): aumenta o tempo de submersão
  45. 45.  1 par de rins  Eliminam urina a base de ácido úrico, eliminando junto com as fezes pela cloaca.
  46. 46.  Repteis em geral: coração com 2 átrios e 1 ventrículo  Crocodilianos: coração com 2 átrios e 2 ventrículos.  Dupla: passam os 2 tipos de sangue pelo coração  Incompleta: ocorre mistura de sangue venoso e arterial.
  47. 47.  Dioicos, geralmente sem dimorfismo sexual  Fecundação interna  São ovíparos  Embrião com saco vitelínico, cório, âmnio e alantoide  Não há choca dos ovos  Desenvolvimento direto  Não há fase larval
  48. 48.  Venenos (tipos de ação): › Ação paralisante › Ação hemolítica (destruição dos glob.verm) › Ação hepatotóxica (destrói o fígado) › Ação nefrotóxica (destrói os rins) › Ação hemorrágica (destrói as paredes dos vasos sanguíneos) › Neurotóxicos (age no sist.nerv central) › Necrosante (morte e apodrec.dos tecidos) › **cada veneno tem de 3 a 4 reações combinadas.
  49. 49.  Sem dentes inoculadores de veneno, ou glândulas de veneno.  Exemplo: Jiboia, anaconda, sucuris, pítons...
  50. 50.  Dente inoculador de veneno no fundo da boca  Exemplo: corais falsas e cobras verdes arborícolas.
  51. 51.  Dente sulcado e curto.  Exemplo: corais-verdadeiras.
  52. 52.  Dente com canal interno e basculante.  Exemplo: cascavéis, urutus, surucucus, jararacas e najas.
  53. 53.  Apresentam o osso esterno plano e pouco desenvolvido  São aves corredoras  Exemplo: avestruzes, emas, emus e kiwi.
  54. 54.  Apresentam o osso esterno com quilha  Isso permite a fixação de um grande volume muscular que é a musculatura peitoral, responsável pela movimentação das asas.  Todas as demais aves  são assim.
  55. 55.  Grossa, pluriestratificada, queratinizada  Não há glândulas (pele seca)  Exceção: glândula uropigiana, produz um óleo que o animal espalha sobra a plumagem, impermeabiliza as penas e também serve como verniz para o bico.
  56. 56.  Penas ou plumas  Direcionamento do voo › Escamas › Garras, esporões › Cristas › Bico (leve, queratinizado, muito especializado)
  57. 57.  Forma do corpo aerodinâmica  Membros anteriores modificados em asas  Animais de metabolismo muito eficiente, intenso (acelomado)  Homeotérmicos (mantém a temperatura corporal interna constante e independente da externa)  Maior que dos mamíferos (Tmédia = 40ºC)
  58. 58.  Respiração pulmonar a vida toda. Pulmões parenquimatosos  Sacos aéreos: projeções em forma de bolsas preenchidas de ar. Localizadas entre os órgãos e até dentro de alguns ossos. Ar quente é mais leve que o ar frio. Isso reduz a densidade do animal facilitando o voo e a planação.
  59. 59.  Fechada  Dupla: passam os 2 tipos de sangue pelo coração  1ª vez completa: não há mistura de sangues venosos e arterial  Coração: 4 compartimentos (2 átrios + 2 ventrículos)  Sangue: rico em hemácias ovais e com núcleo. Leucócitos (glóbulos brancos)
  60. 60.  1 par de rins  Eliminam urina pastosa e esbranquiçada, a base de ácido úrico, liberada pela cloaca junto com as fezes  Não há bexiga urinária
  61. 61.  Equilíbrio para o voo  Ausência de dentição  Bico leve  Ausência de glândulas salivares  Ausência de orelhas  Encéfalo reduzido (+ de 80% funcional)
  62. 62.  1 par de olhos grandes e com pálpebra + membrana nictitante (fecham na horizontal)  Ouvido interno muito aguçado  Narinas  Canto: órgão canoro Siringe (bifurcação da traqueia)
  63. 63.  Dioicos, com dimorfismo sexual  Fecundação interna  Ritual de acasalamento  Ovíparos  Chocam os ovos  Eclosão: filhotes  Desenvolvimento direto
  64. 64.  Pluriestratificada, complexa  Totalmente queratinizada e impermeável  Glândulas na epiderme › Sudoríparas (produzem suor) › Mamárias › Sebáceas (produzem óleos e gorduras) › Odoríferas › **Exclusividade
  65. 65.  Pelos de queratina  Garras, unhas  Chifres, cornos  Placas queratinizadas  Couraças  Cascos
  66. 66.  Boca com glândulas salivares  Dentes muito especializados (heterodentia)  Duas dentições: infantil e adulta  Língua desenvolvida  Estômago e 2 intestinos (delgado e grosso)  Anus diferente do orifício urogenital
  67. 67.  Pulmonar  Pulmões alvelados (alvéolos pulmonares)  Diafragma: músculo respiratório que separa a caixa torácica da cavidade abdominal
  68. 68.  Coração com 4 compartimento (2 átrios e 2 ventrículos)  Dupla (passam os 2 tipos de sangue pelo coração)  Completa (não há mistura de sangues)  Hemácias (glóbulos vermelhos) anucleados e bicôncavos  Plaquetas (coagulação sanguínea)
  69. 69.  Órgãos de sentido › 1 par de olhos com pálpebras e glândulas lacrimais › Ouvido interno muito desenvolvido › Paladar e olfato  Excreção: › 1 par de rins › Urina: predomina a ureia
  70. 70.  São dioicos  Mecanismo de côrte  Clo: período fértil  Útero e placenta  Fecundação interna  Desenvolvimento direto (sem fase larval)  3 tipos:
  71. 71.  Sem útero e placenta  São ovíparos  Exemplos: ornitorrincos e équidnas
  72. 72.  Vivíparos  Placenta rudimentar  Nascem muito prematuros, migram para o marsúpio onde estão as glandulas mamárias  Lá terminam o desenvolvimento  Exemplo: canguru (7 espécies), lobo marsupial australiano (já extinto), esquilos planadores, coala, gambá americano e cuíca
  73. 73.  Placenta desenvolvida e duradoura  Todo desenvolvimento embrionário ocorre no útero materno.  Exemplo: todos os demais animais dessa classe.

×