Conimbriga

7.081 visualizações

Publicada em

0 comentários
2 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
7.081
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
25
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
85
Comentários
0
Gostaram
2
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Conimbriga

  1. 1. Trabalho de pesquisa realizado por: Ricardo Pinto
  2. 2. Conímbriga Conímbriga é uma das maiores povoações romanas de que há vestígios em Portugal. Classificada Monumento Nacional, é a estação arqueológica romana mais bem estudada no país. Conímbriga foi à época da Invasão romana da Península Ibérica a principal cidade do Conventus Scallabitanus, província romana da Lusitânia. Localiza-se a 16 km de Coimbra, na freguesia de Condeixa-a-Velha, a 2 km de Condeixa-a- Nova. A estação inclui o Museu Monográfico de Conímbriga, onde estão expostos muitos dos artefactos encontrados nas escavações arqueológicas, incluindo moedas e instrumentos cirúrgicos. Conímbriga - Casa dos repuxos Características Conímbriga é uma das raras cidades romanas que conserva a cintura de muralhas, de planta aproximadamente triangular. O tramo Norte-Sul das muralhas divide a cidade em duas zonas. Particularmente notável pela planta e pela riqueza dos mosaicos que a pavimentam, é a grande villa urbana com peristilo central, a Norte da via. Em trabalhos junto à muralha Sul foi descoberto um grande edifício cujas finalidades seriam termas públicas, com as suas divisões características. Cavaleiros, um dos elaborados pavimentos revestidos a mosaico.
  3. 3. História A evidência arqueológica revela-nos que Conímbriga foi habitada, pelo menos, entre o séc. IX a.C. e sécs. VII-VIII, da nossa era. Quando os Romanos chegaram, na segunda metade do séc. I a.C., Conímbriga era um povoado florescente. Graças à paz estabelecida na Lusitânia operou-se uma rápida romanização da população indígena e Conímbriga tornou-se uma próspera cidade. Seguindo a profunda crise política e administrativa do Império, Conímbriga sofreu as consequências das invasões bárbaras. Em 465 e em 468 os Suevos capturaram e saquearam parcialmente a cidade, levando a que, paulatinamente, esta fosse abandonada. Conímbriga corresponde actualmente a uma área consagrada como monumento nacional, definida por decreto em 1910. A pesquisa arqueológica As primeiras escavações arqueológicas sistemáticas em seu sítio começaram em 1899 graças a um subsídio concedido pela rainha D. Amélia. Entre os seus pesquisadores destaca-se Virgílio Correia que, entre 1930 e 1944 (ano em que veio a falecer), escavou sistematicamente toda a área contígua à muralha Leste, colocando a descoberto, extramuros, as termas públicas e três vivendas. Entre estas últimas, destaca-se a chamada Casa dos Repuxos, com uma área de 569 m², pavimentada com mosaicos e com um jardim central onde se conservava todo um sistema de canalizações com mais de 500 repuxos. Na zona interna à muralha as escavações revelaram uma basílica paleocristã e uma luxuosa vivenda com termas privativas. As escavações revelaram ainda um fórum augustano, demolido na época dos Flávios, altura em que a cidade recebeu um estatuto municipal, para dar lugar a um novo fórum de maiores dimensões e monumentalidade; e umas termas,
  4. 4. também construídas no reinado de Augusto. Entre estes sectores monumentais foi escavada uma zona habitacional, da época claudiana, constituída por insulae que seria ocupada pela classe média da população ligada ao artesanato. A partir de uma nascente localizada em Alcabideque a água era conduzida até Conímbriga por um aqueduto. Em meados do século XX, a partir de 1955 o ritmo das investigações intensificou-se. Os abundantes materiais arqueológicos de toda a espécie, que não era possível conservar no local encontram-se no Museu Monográfico de Conímbriga.
  5. 5. Trabalho de pesquisa realizado por: José Pedro
  6. 6. Visita de estudo a CONÍMBRIGA Leça do Balio, 16 de Março de 2010 Alguns dias antes deste, todas as turmas do 4º ano, da Junta de Freguesia Leça do Balio, foram convidados a ir a Conímbriga. O que é Conímbriga? Conímbriga, classificada com Monumento Nacional, é o mais bem preservado conjunto de vestígios Romanos em Portugal. Isto deve-se ao facto de ,após as invasões bárbaras do séc.IV, a sua função de sede episcopal ,e por conseguinte de cidade mais importante da região ter sido passada para Aeminium ,a actual Coimbra .Na idade média, Conímbriga foi abandonada completamente. Então, ás 08:50, já estávamos a sair da escola (EB1 JI de Gondivai). Quando lá chegámos eram aproximadamente 10:30. A nossa professora foi chamar o guia e começámos a nossa visita de estudo. Em primeiro lugar o guia explicou-nos o que era Conímbriga e quem lá habitava.
  7. 7. Depois passámos para o museu, onde vimos alguns vestígios, deixados pelos Romanos nas ruínas. Em seguida, o guia levou-nos até ás ruínas. Lá o Carlos (guia) ensinou-nos algumas palavras em latim (Domus = casa rica). Também nos disse, porque é que havia uma muralha na “cidade”. Vi pavimentos espectaculares, termas, casas ricas e pobres daquela época, uma casa luxuosa que tinha repuxos no jardim e grandes salas, etc.
  8. 8. Depois daquela visita toda, fomos almoçar, num jardim. Foi um almoço muito divertido! Passado algum tempo, voltamos ao museu para comprar lembranças e comer um gelado. Finalmente saímos de Conímbriga e fomos dar um passeio de autocarro. Foi pena não irmos às universidades e ao jardim botânico de Coimbra, como estava previsto… E assim se passou o dia … Quando cheguei a casa estava cansado, mas muito satisfeito!

×