Resumo filosofia

884 visualizações

Publicada em

0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
884
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
4
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
9
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Resumo filosofia

  1. 1. UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CENTRO DE CIÊNCIAS HUMANAS, LETRAS E ARTES DEPARTAMENTO DE LETRAS CLÁSSICAS E VERNÁCULASDISCIPLINA: FUNDAMENTOS FILOSÓFICOS DA LINGUAGEM – 2012.2 PROFESSORA: RAQUEL BASÍLIO LAÍZA DA COSTA SOARES – MAT.: 11123826 RESUMO FREGE E A FILOSOFIA DA LINGUAGEM João pessoa – PB 2011
  2. 2. INTRODUÇÃOApesar de não ser considerado um filósofo da linguagem, Frege contribuiu bastantecom a filosofia da linguagem.No artigo “Sobre o sentido e a referência “ Frege faz a distinção entre o sentido e areferência, assunto que trouxe grande contribuição para uma teoria de significado emsentido amplo, que inclui a linguagem natural. Mesmo trazendo essa contribuição, ointeresse de Frege era outro, ele não estava interessado em construir uma teoriasemântica aplicável a linguagem natural mas sim, utilizar as análises feitas em SSRpara justificar as modificações na linguagem formal na realização de seu projeto, queera provar que a aritmética é um ramo da lógica. Em SSR Frege tinha dois problemasa resolver: o funcionamento do signo de identidade de conteúdo e o valor semânticode sentenças. Na obra Conceitografia (CG), Frege aponta o problema de identidadeque abre SSR e apresenta a tese de que a referência de uma sentença é o seu valorde verdade.Nas principais obras de Frege são tratados os problemas do signo da identidade deconteúdo e da noção de conteúdo conceitual, as quais determinaram as alterações nalinguagem formal de Frege, a distinção entre o sentido e a referência e a tese de que areferência de uma sentença é o seu valor de verdade.
  3. 3. FREGUE As pesquisas de Frege sobre os fundamentos da matemática viriam a terprofundas conseqüências filosóficas, entre elas, o reconhecimento de que concepçõesmatemáticas podiam e deviam ser usadas para dar forma a problemas nebulosos nafilosofia da lógica e da linguagem. Em 1879, Frege propôs o primeiro sistema de lógicaformal verdadeiramente completo. Seu propósito era dar um claro alicerce filosóficoaos argumentos de sua obra inicial sobre os fundamentos da aritmética, e tambémrepresentar a lógica de uma maneira que a libertava das confusões nela introduzidaspor seu uso de termos da linguagem vulgar. Com isso, ele inventou a ciência modernada lógica formal. Em SSR Frege apresenta várias teses, algumas das quais jádemonstraram sua importância na descrição da natureza da aritmética. Duas tesesdizem o seguinte: primeiro, a de que é só no contexto de uma sentença inteira queuma palavra tem um sentido definido; segundo, que o sentido de qualquer sentençadeve ser derivável dos sentidos de suas partes. Essas parecem ser, mas não são,contraditórias. A primeira diz que o sentido de uma palavra não pertence a elaisoladamente, mas consiste em sua potencialidade de contribuir para um"pensamento" completo. E porque sentenças podem expressar pensamentos que aspalavras que as compõem têm um sentido. A tese seguinte diz que o sentido dasentença toda (ou de qualquer outra entidade lingüística múltipla) deve ser totalmentedeterminado pelas variadas "potencialidades" pertencentes a suas partes. Assim, apalavra "homem" tem o sentido que tem porque a usamos para falar sobre homens.Igualmente, as sentenças com as quais falamos sobre homens derivam seu sentidoem parte desse de "homem". Essa dependência mútua da parte do todo e do todo daparte é característica da linguagem. Como os linguístas começaram a perceber, é issoque torna possível aprender a linguagem. Se o sentido da sentença é determinadopelo sentido de suas partes, então, conhecendo apenas um vocabulário finito, possoentender indefinidamente muitas sentenças. Meu uso da linguagem éautomaticamente "criativo" e me dá a capacidade de pensamento ilimitado. A Linguagem formal apresentada por Frege na CG foi uma ferramenta paraque ele provasse a tese logicista. Os signos da linguagem formal de Frege tinham queter significados, ou seja, “não podiam ser signos vazios”. As expressões que Fregeestavam construindo precisavam ter valor semântico. O valor semântico de um nomepróprio é um indivíduo que pertence ao universo de discurso e o valor semântico deum predicado é um subconjunto do universo de discurso. Portanto, a uma expressãolinguística de um determinado tipo, associamos um item não-linguístico também de um
  4. 4. determinado tipo. Ou seja, predicados referem-se a conceitos que determinam funçõesque rendem verdade ou falsidade de acordo com os objetos a que são aplicados.Frege afirmou que o sentido de uma sentença completa é o pensamento comoconceito. Frege ainda coloca a noção de conteúdo conceitual de sentenças que possuicaracterísticas inferenciais: duas sentenças A e B têm o mesmo conteúdo conceitualquando são intersubstituíveis, preservando correção de inferências. Isso significa, emoutras palavras, que tudo o que podemos obter de uma sentença podemos tambémobter da outra. Ou seja a conclusão que temos a partir de uma sentença precisa ser amesma conclusão obtida a partir de outra sentença. Frege não esclarece devidamenteo que ele entende por correção de inferências, mas certamente a noção fregiana deinferência correta não corresponde exatamente à nossa noção de consequêncialógica. Nos conteúdos conceituais de sentenças de identidade mostram a igualdadede sentidos das expressões independentes de como estejam fomados e de suaposição dentro da estrutura. Sobre a identidade e o valor semântico das sentençasFrege supõe que a identidade seja uma relação entre objetos, dessa forma, todas assentenças de identidade seriam equivalentes a sentenças semelhantes. Frege fala quealém de ser uma relação entre objetos, a identidade pode ser uma relação entrenomes e objetos e mediada pelo sentido. Frege também acreditava que a relação deuma sentença com suas condições de verdade deve ser objetivamente determinada.Ao estabelecer a distinção entre sentido e referência de nomes próprios, Fregepergunta se esta distinção também deve ser estendida as sentenças. Frege diz que areferência de uma sentença é o seu valor de verdade. Assim como o sentido dasentença toda é determinado pelo sentido de suas partes, assim também o valor deverdade é determinado pela referência das palavras individuais. A extensão de umasentença é seu valor de verdade, e as intenções, suas condições de verdade.
  5. 5. CONCLUSÃOAo construir a sua linguagem formal, Frege analisou vários aspectos que mostramcomo funciona a linguagem de um modo geral. No contexto específico de investigaçãode Frege a linguagem da CG iria substituir a linguagem natural. Com isso, Fregetrouxe várias contribuições à filosofia da linguagem, as quais devem ser consideradasdentro de seu projeto, como um resultado secundário. Como matemático, o projeto deFrege estava voltado em provar que a aritmética era um ramo da lógica. Dessa forma,mesmo os artigos contidos em sua obra que possuíam caráter filosófico, não foramconsiderados contribuições à teoria de significado.Frege estava interessado em analisar como a linguagem funciona dentro do projetoque estava desenvolvendo. Esta consideração não significa dizer que as teses deFrege não possam ser desdobradas e posteriormente contribuir para a análise dalinguagem natural, mas que suas doutrinas não podem ser aplicadas a análise defuncionamento de linguagem em geral, sem que haja maiores consideraçõesREFERÊNCIA: RODRIGUES FILHO, Abílio. Frege e a filosofia da linguagem. Rio DeJaneiro: PUC-Rio. Aula inaugural do curso de Filosofia da UFSJ, 2008. V.I.

×