SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 6
Baixar para ler offline
28/04/2014
1
QUEIMADURA
- CHOQUE ELÉTRICO -
DESIDRATAÇÃO
Profa. Marion Vecina A. Vecina
QUEIMADURA
Queimadura é toda lesão provocada pelo
contato direto com alguma fonte de calor ou
frio, produtos químicos, corrente elétrica,
radiação, ou mesmo alguns animais e plantas
(como larvas, água-viva, urtiga), entre outros.
INTRODUÇÃO
• A pele é capaz de tolerar temperaturas de 40
graus Celsius (104 graus Fahrenheit) por
breves períodos de tempo.
• Contudo, uma vez que as temperaturas
excedem este ponto, há um aumento
logarítmico na magnitude da destruição
tecidual.
TIPOS DE QUEIMADURAS:
- Queimaduras térmicas: são provocadas por fontes
de calor como o fogo, líquidos ferventes, vapores,
objetos quentes e excesso de exposição ao sol;
- Queimaduras químicas: são provocadas por
substância química em contato com a pele ou
mesmo através das roupas;
- Queimaduras por eletricidade: são provocadas
por descargas elétricas.
LESÕES QUE NECESSITAM ATENDIMENTO
EM UNIDADES DE QUEIMADOS
QUEIMADURAS
QUEIMADURAS
28/04/2014
2
TIPOS DE QUEIMADURA
• Quanto à profundidade, as queimaduras
podem ser classificadas como:
• 1º GRAU
• 2º GRAU
• 3º GRAU
* 4º GRAU
PELE
• A pele é composta por
três camadas teciduais
– epiderme, derme e
camada subcutânea –
e musculatura
associada.
• Algumas camadas
contêm estruturas
como glândulas,
folículos pilosos, vasos
sanguíneos e nervos.
• Todas estas estruturas
são inter-relacionadas
à manutenção, perda
e ganho de
temperatura corpórea.
CAMADAS DA PELE
QUEIMADURAS
1º GRAU
• Local afetado - Epiderme.
• Agente mais comum: sol.
• Pele avermelhada e seca com dor leve e moderada.
*Queimaduras de primeiro grau envolvem somente a
epiderme e são caracterizadas por serem vermelhas e
dolorosas. Estas queimaduras resolvem-se em cerca de
uma semana, e o doente não apresenta cicatrizes.
2º GRAU
• Local afetado - Derme (camada média).
• Agente mais comum: líquidos aquecidos.
• Bolhas e dor moderada a severa.
As queimaduras de segundo grau, também denominadas
queimaduras de espessura parcial, são aquelas que envolvem a
epiderme e porções variadas da derme subjacente.
3º GRAU
• Local afetado - Hipoderme (camada profunda).
• Agente mais comum: Contato direto com eletricidade ou chama.
• Pele esbranquiçada ou carbonizada e ausência de dor.
As queimaduras de terceiro grau podem apresentar diversas
aparências. Com maior frequência, estes ferimentos são espessos,
secos, esbranquiçados, com aparência semelhante a couro,
independentemente da raça ou da cor da pele do indivíduo.
4O GRAU
• As queimaduras de quarto grau são aquelas
que acometem não somente todas as
camadas da pele, mas também o tecido adi-
poso subjacente, os músculos, os ossos ou os
órgãos internos.
28/04/2014
3
Queimadura de quarto grau no braço, acometendo não apenas a pele, mas também o
tecido adiposo subcutâneo, músculos e ossos.
SUPERFÍCIE CORPORAL QUEIMADA – GRAU DE GRAVIDADE
AVALIAÇÃO PRIMÁRIA E REPOSIÇÃO
DE FLUIDOS
• O objetivo da avaliação primária é a análise e
o tratamento sistemático das alterações
possivelmente fatais, em ordem de
importância, para preservação da vida.
• O método de atendimento de trauma ABCDE
é aplicado ao tratamento do doente vítima de
queimadura, embora seu cuidado possa trazer
desafios únicos em cada uma de suas etapas.
AVALIAÇÃO PRIMÁRIA E REPOSIÇÃO
DE FLUIDOS
• Via Aérea
• Manter a desobstrução da via aérea é a maior
prioridade no atendimento de uma vítima de
queimaduras. O calor de um incêndio pode
causar edema da via aérea, acima do nível das
cordas vocais, ocluindo-a. É necessário,
portanto, que a avaliação seja cuidadosa e
contínua.
TRATAMENTO RESIDENCIAL
• Mantenha o local sempre limpo, lavando 2
vezes ao dia com água e sabão.
• Não rompa propositadamente as bolhas.
• O uso de pomadas deve ficar restrito aos casos
de infecção, já que a sua retirada na limpeza
diária é dolorosa, facilitando a própria infecção.
PRIMEIRO ATENDIMENTO A
QUEIMADOS
• A etapa inicial do atendimento de um doente vítima
de queimadura é a interrupção do processo de lesão.
• O método mais eficaz e adequado de interrupção da
queimadura é a irrigação com grandes volumes de
água à temperatura ambiente.
• O uso de água fria ou gelo é contraindicado
• Remova todas as roupas e joias; estes itens mantêm
calor residual e continuam a ferir o doente. Além disso,
as joias podem contrair os dedos ou os membros
quando os tecidos começam a apresentar aumento de
volume.
28/04/2014
4
TRATAMENTO PRÉ-HOSPITALAR
• Apague o fogo com água, abafando com cobertor ou
rolando com a vítima no chão.
• Em caso de queimaduras elétricas, desligue a fonte de
energia antes de tocar na vítima.
• Exame primário - ABCDE da vida.
• Lave copiosamente com água corrente lesões por produtos
químicos, observando cuidados de auto-proteção.
• Resfrie a lesão, irrigando-a com água na temperatura
ambiente. Esta conduta é válida até 60 minutos após a lesão,
pois a energia térmica demora a se dissipar.
• Em caso de hipotermia envolva a vítima em lençóis limpos
para reduzir a perda de calor e a contaminação bacteriana.
• Não rompa bolhas íntegras e não use gelo no local.
NUNCA
- Nunca toque a queimadura com as mãos;
- Nunca fure bolhas;
- Nunca tente descolar tecidos grudados na pele
queimada;
- Nunca retire corpos estranhos ou graxa do local
queimado;
- Nunca coloque manteiga, pó de café, creme
dental ou qualquer outra substância sobre a
queimadura !
CHOQUE ELÉTRICO
CHOQUE ELÉTRICO
• Choque elétrico é a perturbação que ocorre no
organismo humano quando percorrido por uma
corrente elétrica.
• ELA DEPENDE:
• Da intensidade da corrente elétrica e da duração do
choque.
• Do percurso e da forma como a corrente elétrica se
espalha no corpo humano.
• Da frequência de oscilação da corrente elétrica.
• Da tensão (voltagem)
• Das condições da pele humana e da saúde da pessoa.
CHOQUE ELÉTRICO
• EFEITOS DA CORRENTE ELÉTRICA
• TETANIZAÇÃO
• PARADA RESPIRATÓRIA
• QUEIMADURAS
• FIBRILAÇÃO VENTRICULAR
TETANIZAÇÃO
• Contração muscular produzida pelo
impulso elétrico;
• Perigo: o indivíduo ficar “agarrado” durante
o tempo em que perdurar a corrente
elétrica;
• Valores elevados de corrente provocam a
repulsão;
28/04/2014
5
PARADA RESPIRATÓRIA
• Contração dos músculos ligados à
respiração;
• A permanência da corrente leva o indivíduo
a perda de consciência e morte por
sufocamento;
• A intervenção deve ser rápida (3 a 4 min),
com respiração artificial para evitar lesões
irreversíveis.
QUEIMADURA
• Calor produzido pela corrente por efeito Joule;
• Mais intensos nos pontos de entrada e saída;
• Mais graves quanto maior a corrente e o
tempo de permanência;
• As queimaduras internas podem romper as
artérias;
FIBRILAÇÃO VENTRICULAR
• O CORAÇÃO: músculo cardíaco (miocardio) que
contrai-se por impulsos elétricos provenientes do
nódulo sino-atrial;
• Fibrilação: contração desordenada das fibras devido
a interferência de corrente externa. Este fenômeno
geralmente é fatal.
• Intervenção: desfibrilador;
PROCEDIMENTO PARA AFASTAR A VÍTIMA DA CORRENTE ELÉTRICA
PRIMEIROS SOCORROS
• 1 - Corte a energia retirando o plug da tomada. Se não puder alcançar a tomada, desligue o quadro.
2- NÃO UTILIZE O INTERRUPTOR DO ELETRODOMÉSTICO.
3 - Na impossibilidade de cortar a energia, coloque debaixo dos seus pés material isolante - por exemplo,
uma espessa camada de jornais - e afaste da fonte de energia os membros da vítima com um cabo de
vassoura ou uma cadeira de madeira.
4 - NÃO UTILIZE OBJETOS METÁLICOS OU ÚMIDOS.
5 - Em alternativa, passe uma corda ou qualquer pano seco em volta dos pés ou por debaixo dos braços da
vítima e puxe-a.
6 - NÃO TOQUE NA VITIMA COM AS MÃOS.
7 - NÃO UTILIZE NADA MOLHADO, COMO, POR EXEMPLO, UMA TOALHA ÚMIDA.
8 – Se a vítima perdeu a consciência, sofreu queimaduras ou se sente mal, telefone para providenciar uma
ambulância ou transporte a vítima ao serviço de urgência do hospital.
Informe o hospital sobre o período de tempo que vítima esteve em contato com a fonte de energia
elétrica
28/04/2014
6
DESIDRATAÇÃO
DESIDRATAÇÃO
• O corpo humano adulto tem 60% de seu peso em
água. O mecanismo da sede é o principal
mecanismo do balanço de água no organismo.
• Causada por perdas líquidas de qualquer
natureza.
• Sede com boca e língua secas, e pouca urina de
cor amarelo forte são os primeiros sinais.
•Tonteiras, fraqueza muscular, apatia e sonolência.
• Hipotensão arterial e taquicardia.
DESIDRATAÇÃO
O déficit de água pode ser dividido quantitativamente
1 - Desidratação leve (perdas líquidas até 5% do peso
corporal) - Nestes casos a história e as queixas
predominam sobre o exame físico.
2 - Desidratação moderada (perdas líquidas de 5 a 12%) -
Apresentam a história, as queixas e o exame físico
alterado com tonteiras ao se levantar e taquicardia.
3 - Desidratação grave (perdas líquidas maiores que 12%)
Paciente com grandes queixas sintomáticas e hipotensão
arterial, taquicardia, podendo apresentar sinais de
choque, e/ou coma.
Conduta pré-hospitalar
• Desidratação leve = Reposição via oral de 5% do peso corporal/24hrs (2.5 a
5 litros), com soluções hidratantes. Só forneça água se a vítima estiver
consciente.
• Desidratação moderada e grave = Reposição via oral de 5 a 8% do peso
corporal (2.5 a 5 litros) + reposição venosa no hospital.
• Como solução oral, podemos utilizar – PEDIALITE 90 (recomendado pela
OMS), REHIDRATE, ou utilizar um solução caseira, com a seguinte
composição:
⇒ Água - 1 litro.
⇒ Sal - 1/2 colher de chá.
⇒ Açúcar - 1 colher de sopa.
# Em crianças ofereça pequenos volumes em seringas ou “chucas” a cada 5 –
10 min, e aumente gradativamente o volume.
REFERÊNCIAS
• PHTLS – Prehospital Trauma Life Support, 7th
edition, by NAEMT (National Association of
Emergency Medical Technicians) is published
by arrangement with Elsevier Inc.
• Atendimento pré-hospitalar ao traumatizado,
PHTLS / NAEMT - 7.ed. - Rio de Janeiro :
Elsevier, 2011.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

9ª aula queimaduras e acidentes elétricos aph
9ª aula   queimaduras e acidentes elétricos aph9ª aula   queimaduras e acidentes elétricos aph
9ª aula queimaduras e acidentes elétricos aphProf Silvio Rosa
 
Ações imediatas e mediatas em situações de queimaduras
Ações imediatas e mediatas em situações de queimadurasAções imediatas e mediatas em situações de queimaduras
Ações imediatas e mediatas em situações de queimadurasLaíz Coutinho
 
Assistência ao Paciente Grande Queimado
Assistência ao Paciente Grande QueimadoAssistência ao Paciente Grande Queimado
Assistência ao Paciente Grande QueimadoJanaína Lassala
 
Lesões térmicas
Lesões térmicasLesões térmicas
Lesões térmicasrosaires
 
Primeiros Socorros
Primeiros SocorrosPrimeiros Socorros
Primeiros SocorrosSusiPaula
 
Atendimento ao queimado
Atendimento ao queimadoAtendimento ao queimado
Atendimento ao queimadoCláudio Lima
 
Aula Fisioteraparia para Queimados
Aula Fisioteraparia para QueimadosAula Fisioteraparia para Queimados
Aula Fisioteraparia para QueimadosDraGilian
 
Tratamento da criança queimada
Tratamento da criança queimadaTratamento da criança queimada
Tratamento da criança queimadaAntonio Souto
 
12971430 1205924008primeirossocorros
12971430 1205924008primeirossocorros12971430 1205924008primeirossocorros
12971430 1205924008primeirossocorrosPelo Siro
 
SOS Fire! IO2: PT (apresentação ensino secundário)
SOS Fire! IO2: PT (apresentação ensino secundário)SOS Fire! IO2: PT (apresentação ensino secundário)
SOS Fire! IO2: PT (apresentação ensino secundário)Karel Van Isacker
 

Mais procurados (20)

Queimaduras
QueimadurasQueimaduras
Queimaduras
 
Queimaduras
QueimadurasQueimaduras
Queimaduras
 
9ª aula queimaduras e acidentes elétricos aph
9ª aula   queimaduras e acidentes elétricos aph9ª aula   queimaduras e acidentes elétricos aph
9ª aula queimaduras e acidentes elétricos aph
 
Ações imediatas e mediatas em situações de queimaduras
Ações imediatas e mediatas em situações de queimadurasAções imediatas e mediatas em situações de queimaduras
Ações imediatas e mediatas em situações de queimaduras
 
Assistência ao Paciente Grande Queimado
Assistência ao Paciente Grande QueimadoAssistência ao Paciente Grande Queimado
Assistência ao Paciente Grande Queimado
 
Queimaduras
QueimadurasQueimaduras
Queimaduras
 
Palestra de Queimaduras
Palestra de QueimadurasPalestra de Queimaduras
Palestra de Queimaduras
 
Queimaduras
QueimadurasQueimaduras
Queimaduras
 
Lesões térmicas
Lesões térmicasLesões térmicas
Lesões térmicas
 
Primeiros Socorros
Primeiros SocorrosPrimeiros Socorros
Primeiros Socorros
 
Queimaduras
QueimadurasQueimaduras
Queimaduras
 
Queimadurass
QueimadurassQueimadurass
Queimadurass
 
Tratamento Emergencial em Queimaduras - Enf. Cida Amaral
Tratamento Emergencial em Queimaduras - Enf. Cida AmaralTratamento Emergencial em Queimaduras - Enf. Cida Amaral
Tratamento Emergencial em Queimaduras - Enf. Cida Amaral
 
Atendimento ao queimado
Atendimento ao queimadoAtendimento ao queimado
Atendimento ao queimado
 
111 queimaduras
111 queimaduras111 queimaduras
111 queimaduras
 
Feridas e queimaduras
Feridas e queimadurasFeridas e queimaduras
Feridas e queimaduras
 
Aula Fisioteraparia para Queimados
Aula Fisioteraparia para QueimadosAula Fisioteraparia para Queimados
Aula Fisioteraparia para Queimados
 
Tratamento da criança queimada
Tratamento da criança queimadaTratamento da criança queimada
Tratamento da criança queimada
 
12971430 1205924008primeirossocorros
12971430 1205924008primeirossocorros12971430 1205924008primeirossocorros
12971430 1205924008primeirossocorros
 
SOS Fire! IO2: PT (apresentação ensino secundário)
SOS Fire! IO2: PT (apresentação ensino secundário)SOS Fire! IO2: PT (apresentação ensino secundário)
SOS Fire! IO2: PT (apresentação ensino secundário)
 

Destaque

Destaque (11)

0001
00010001
0001
 
01 queimaduras
01  queimaduras01  queimaduras
01 queimaduras
 
Cap 21 queimaduras
Cap 21 queimadurasCap 21 queimaduras
Cap 21 queimaduras
 
Queimaduras Histologicamente
Queimaduras Histologicamente Queimaduras Histologicamente
Queimaduras Histologicamente
 
Diretrizes de diagnóstico e tratamento de queimaduras
Diretrizes de diagnóstico e tratamento de queimadurasDiretrizes de diagnóstico e tratamento de queimaduras
Diretrizes de diagnóstico e tratamento de queimaduras
 
Apresentaçao Queimados
Apresentaçao QueimadosApresentaçao Queimados
Apresentaçao Queimados
 
Queimaduras
QueimadurasQueimaduras
Queimaduras
 
Burns Pathophysiology, Evaluation and Management
Burns Pathophysiology, Evaluation and ManagementBurns Pathophysiology, Evaluation and Management
Burns Pathophysiology, Evaluation and Management
 
Produtos perigosos
Produtos perigososProdutos perigosos
Produtos perigosos
 
Choque elétrico
Choque elétricoChoque elétrico
Choque elétrico
 
Abordagem Queimaduras
Abordagem QueimadurasAbordagem Queimaduras
Abordagem Queimaduras
 

Semelhante a Queimaduras, choque elétrico e desidratação

7 - EMERGENCIA - Queimadura.ppt
7 - EMERGENCIA - Queimadura.ppt7 - EMERGENCIA - Queimadura.ppt
7 - EMERGENCIA - Queimadura.pptdaiana665555
 
Unidade 14 primeiros socorros powerpoint
Unidade 14 primeiros socorros powerpointUnidade 14 primeiros socorros powerpoint
Unidade 14 primeiros socorros powerpointSusana Cardoso
 
Primeiro socorros - NR 10.pptx
Primeiro socorros - NR 10.pptxPrimeiro socorros - NR 10.pptx
Primeiro socorros - NR 10.pptxErnanePinheiro2
 
Primeiros Socorros Modulo V
Primeiros Socorros Modulo VPrimeiros Socorros Modulo V
Primeiros Socorros Modulo Vemanueltstegeon
 
choqueeltrico-140921174204-phpapp01.pptx
choqueeltrico-140921174204-phpapp01.pptxchoqueeltrico-140921174204-phpapp01.pptx
choqueeltrico-140921174204-phpapp01.pptxMENTORAMONIZEALMEIDA
 
choqueeltrico-140921174204-phpapp01 (1).pdf
choqueeltrico-140921174204-phpapp01 (1).pdfchoqueeltrico-140921174204-phpapp01 (1).pdf
choqueeltrico-140921174204-phpapp01 (1).pdfAndreLuis202744
 
TREINAMENTO - PRIMEIROS SOCORROS (1) (1).pptx
TREINAMENTO - PRIMEIROS SOCORROS (1) (1).pptxTREINAMENTO - PRIMEIROS SOCORROS (1) (1).pptx
TREINAMENTO - PRIMEIROS SOCORROS (1) (1).pptxsaulodasilvaMonteneg1
 
Afogamentos, choque, queimaduras, intoxicação-1-1.pptx
Afogamentos, choque, queimaduras, intoxicação-1-1.pptxAfogamentos, choque, queimaduras, intoxicação-1-1.pptx
Afogamentos, choque, queimaduras, intoxicação-1-1.pptxRGTREINAMENTOS1
 
QUEIMADURAS EDITADO.pptx
QUEIMADURAS EDITADO.pptxQUEIMADURAS EDITADO.pptx
QUEIMADURAS EDITADO.pptxJessicaAngelo5
 
QUEIMADURAS EDITADO-1.pdf
QUEIMADURAS EDITADO-1.pdfQUEIMADURAS EDITADO-1.pdf
QUEIMADURAS EDITADO-1.pdfJessicaAngelo5
 
Primeiros socorros 8ª série
Primeiros socorros 8ª sériePrimeiros socorros 8ª série
Primeiros socorros 8ª sériealuisiobraga
 
Acidentes de pele corrigido
Acidentes de pele corrigidoAcidentes de pele corrigido
Acidentes de pele corrigidorasteiro
 
Noções de Primeiros Socorros.pptx
Noções de Primeiros Socorros.pptxNoções de Primeiros Socorros.pptx
Noções de Primeiros Socorros.pptxPostodeSade01
 
9208862 1205924008primeirossocorros
9208862 1205924008primeirossocorros9208862 1205924008primeirossocorros
9208862 1205924008primeirossocorrosPelo Siro
 

Semelhante a Queimaduras, choque elétrico e desidratação (20)

7 - EMERGENCIA - Queimadura.ppt
7 - EMERGENCIA - Queimadura.ppt7 - EMERGENCIA - Queimadura.ppt
7 - EMERGENCIA - Queimadura.ppt
 
Queimaduras
QueimadurasQueimaduras
Queimaduras
 
Unidade 14 primeiros socorros powerpoint
Unidade 14 primeiros socorros powerpointUnidade 14 primeiros socorros powerpoint
Unidade 14 primeiros socorros powerpoint
 
Primeiros socorros
Primeiros socorrosPrimeiros socorros
Primeiros socorros
 
Primeiro socorros - NR 10.pptx
Primeiro socorros - NR 10.pptxPrimeiro socorros - NR 10.pptx
Primeiro socorros - NR 10.pptx
 
Primeiros Socorros Modulo V
Primeiros Socorros Modulo VPrimeiros Socorros Modulo V
Primeiros Socorros Modulo V
 
choqueeltrico-140921174204-phpapp01.pptx
choqueeltrico-140921174204-phpapp01.pptxchoqueeltrico-140921174204-phpapp01.pptx
choqueeltrico-140921174204-phpapp01.pptx
 
PRIMEIROS SOCORROS.pdf
PRIMEIROS SOCORROS.pdfPRIMEIROS SOCORROS.pdf
PRIMEIROS SOCORROS.pdf
 
PRIMEIROS SOCORROS.docx
PRIMEIROS SOCORROS.docxPRIMEIROS SOCORROS.docx
PRIMEIROS SOCORROS.docx
 
choqueeltrico-140921174204-phpapp01 (1).pdf
choqueeltrico-140921174204-phpapp01 (1).pdfchoqueeltrico-140921174204-phpapp01 (1).pdf
choqueeltrico-140921174204-phpapp01 (1).pdf
 
TREINAMENTO - PRIMEIROS SOCORROS (1) (1).pptx
TREINAMENTO - PRIMEIROS SOCORROS (1) (1).pptxTREINAMENTO - PRIMEIROS SOCORROS (1) (1).pptx
TREINAMENTO - PRIMEIROS SOCORROS (1) (1).pptx
 
Afogamentos, choque, queimaduras, intoxicação-1-1.pptx
Afogamentos, choque, queimaduras, intoxicação-1-1.pptxAfogamentos, choque, queimaduras, intoxicação-1-1.pptx
Afogamentos, choque, queimaduras, intoxicação-1-1.pptx
 
QUEIMADURAS EDITADO.pptx
QUEIMADURAS EDITADO.pptxQUEIMADURAS EDITADO.pptx
QUEIMADURAS EDITADO.pptx
 
QUEIMADURAS .pptx
QUEIMADURAS .pptxQUEIMADURAS .pptx
QUEIMADURAS .pptx
 
QUEIMADURAS EDITADO-1.pdf
QUEIMADURAS EDITADO-1.pdfQUEIMADURAS EDITADO-1.pdf
QUEIMADURAS EDITADO-1.pdf
 
Primeiros socorros 8ª série
Primeiros socorros 8ª sériePrimeiros socorros 8ª série
Primeiros socorros 8ª série
 
Acidentes de pele corrigido
Acidentes de pele corrigidoAcidentes de pele corrigido
Acidentes de pele corrigido
 
Modulo 2 (30 Ao 63)
Modulo 2 (30 Ao 63)Modulo 2 (30 Ao 63)
Modulo 2 (30 Ao 63)
 
Noções de Primeiros Socorros.pptx
Noções de Primeiros Socorros.pptxNoções de Primeiros Socorros.pptx
Noções de Primeiros Socorros.pptx
 
9208862 1205924008primeirossocorros
9208862 1205924008primeirossocorros9208862 1205924008primeirossocorros
9208862 1205924008primeirossocorros
 

Mais de laiscarlini

0521 abordagem das vias aéreas e ressuscitação cardiopulmonar
0521 abordagem das vias aéreas e ressuscitação cardiopulmonar0521 abordagem das vias aéreas e ressuscitação cardiopulmonar
0521 abordagem das vias aéreas e ressuscitação cardiopulmonarlaiscarlini
 
0520 incapacidades - Daniela
0520 incapacidades - Daniela0520 incapacidades - Daniela
0520 incapacidades - Danielalaiscarlini
 
0515 Reservatório - Rose
0515 Reservatório - Rose0515 Reservatório - Rose
0515 Reservatório - Roselaiscarlini
 
0514 Acidente vascular encefálico + i.a.m - Marion
0514 Acidente vascular encefálico + i.a.m - Marion0514 Acidente vascular encefálico + i.a.m - Marion
0514 Acidente vascular encefálico + i.a.m - Marionlaiscarlini
 
0514 Acidente vascular encefálico - Marion
0514 Acidente vascular encefálico - Marion0514 Acidente vascular encefálico - Marion
0514 Acidente vascular encefálico - Marionlaiscarlini
 
0509 Código de ética profissional de fisioterapia e terapia ocupacional - Fab...
0509 Código de ética profissional de fisioterapia e terapia ocupacional - Fab...0509 Código de ética profissional de fisioterapia e terapia ocupacional - Fab...
0509 Código de ética profissional de fisioterapia e terapia ocupacional - Fab...laiscarlini
 
Polinizaçao cruzada
Polinizaçao cruzadaPolinizaçao cruzada
Polinizaçao cruzadalaiscarlini
 
0508 ascaridíase, escabiose, pediculose - rose
0508 ascaridíase, escabiose, pediculose - rose0508 ascaridíase, escabiose, pediculose - rose
0508 ascaridíase, escabiose, pediculose - roselaiscarlini
 
0508 ascaridíase, escabiose, pediculose - Rose
0508 ascaridíase, escabiose, pediculose  - Rose0508 ascaridíase, escabiose, pediculose  - Rose
0508 ascaridíase, escabiose, pediculose - Roselaiscarlini
 
0508 Vigilância alimentar e nutricional - Rose
0508 Vigilância alimentar e nutricional - Rose0508 Vigilância alimentar e nutricional - Rose
0508 Vigilância alimentar e nutricional - Roselaiscarlini
 
0508 Educação sanitária - Rose
0508 Educação sanitária - Rose0508 Educação sanitária - Rose
0508 Educação sanitária - Roselaiscarlini
 
0508 Controle de artrópodes e roedores - Rose
0508 Controle de artrópodes e roedores - Rose0508 Controle de artrópodes e roedores - Rose
0508 Controle de artrópodes e roedores - Roselaiscarlini
 
0508 Aterro sanitário - Rose
0508 Aterro sanitário - Rose0508 Aterro sanitário - Rose
0508 Aterro sanitário - Roselaiscarlini
 
0507 Obstrução de vias aéreas - Marion
0507 Obstrução de vias aéreas - Marion0507 Obstrução de vias aéreas - Marion
0507 Obstrução de vias aéreas - Marionlaiscarlini
 
0506 Luto - Daniela
0506 Luto - Daniela 0506 Luto - Daniela
0506 Luto - Daniela laiscarlini
 
0505 Prevenção incêndios - Antônio Carlos
0505 Prevenção incêndios - Antônio Carlos0505 Prevenção incêndios - Antônio Carlos
0505 Prevenção incêndios - Antônio Carloslaiscarlini
 
02 26 sinais vitais - Marion
02 26 sinais vitais  - Marion02 26 sinais vitais  - Marion
02 26 sinais vitais - Marionlaiscarlini
 
0416 emergências hipertensivas - Marion
0416 emergências hipertensivas - Marion0416 emergências hipertensivas - Marion
0416 emergências hipertensivas - Marionlaiscarlini
 
0423 envenenamento - Marion
0423 envenenamento - Marion0423 envenenamento - Marion
0423 envenenamento - Marionlaiscarlini
 

Mais de laiscarlini (20)

0521 abordagem das vias aéreas e ressuscitação cardiopulmonar
0521 abordagem das vias aéreas e ressuscitação cardiopulmonar0521 abordagem das vias aéreas e ressuscitação cardiopulmonar
0521 abordagem das vias aéreas e ressuscitação cardiopulmonar
 
0520 incapacidades - Daniela
0520 incapacidades - Daniela0520 incapacidades - Daniela
0520 incapacidades - Daniela
 
0515 Reservatório - Rose
0515 Reservatório - Rose0515 Reservatório - Rose
0515 Reservatório - Rose
 
0514 Acidente vascular encefálico + i.a.m - Marion
0514 Acidente vascular encefálico + i.a.m - Marion0514 Acidente vascular encefálico + i.a.m - Marion
0514 Acidente vascular encefálico + i.a.m - Marion
 
0514 Acidente vascular encefálico - Marion
0514 Acidente vascular encefálico - Marion0514 Acidente vascular encefálico - Marion
0514 Acidente vascular encefálico - Marion
 
Np2
Np2Np2
Np2
 
0509 Código de ética profissional de fisioterapia e terapia ocupacional - Fab...
0509 Código de ética profissional de fisioterapia e terapia ocupacional - Fab...0509 Código de ética profissional de fisioterapia e terapia ocupacional - Fab...
0509 Código de ética profissional de fisioterapia e terapia ocupacional - Fab...
 
Polinizaçao cruzada
Polinizaçao cruzadaPolinizaçao cruzada
Polinizaçao cruzada
 
0508 ascaridíase, escabiose, pediculose - rose
0508 ascaridíase, escabiose, pediculose - rose0508 ascaridíase, escabiose, pediculose - rose
0508 ascaridíase, escabiose, pediculose - rose
 
0508 ascaridíase, escabiose, pediculose - Rose
0508 ascaridíase, escabiose, pediculose  - Rose0508 ascaridíase, escabiose, pediculose  - Rose
0508 ascaridíase, escabiose, pediculose - Rose
 
0508 Vigilância alimentar e nutricional - Rose
0508 Vigilância alimentar e nutricional - Rose0508 Vigilância alimentar e nutricional - Rose
0508 Vigilância alimentar e nutricional - Rose
 
0508 Educação sanitária - Rose
0508 Educação sanitária - Rose0508 Educação sanitária - Rose
0508 Educação sanitária - Rose
 
0508 Controle de artrópodes e roedores - Rose
0508 Controle de artrópodes e roedores - Rose0508 Controle de artrópodes e roedores - Rose
0508 Controle de artrópodes e roedores - Rose
 
0508 Aterro sanitário - Rose
0508 Aterro sanitário - Rose0508 Aterro sanitário - Rose
0508 Aterro sanitário - Rose
 
0507 Obstrução de vias aéreas - Marion
0507 Obstrução de vias aéreas - Marion0507 Obstrução de vias aéreas - Marion
0507 Obstrução de vias aéreas - Marion
 
0506 Luto - Daniela
0506 Luto - Daniela 0506 Luto - Daniela
0506 Luto - Daniela
 
0505 Prevenção incêndios - Antônio Carlos
0505 Prevenção incêndios - Antônio Carlos0505 Prevenção incêndios - Antônio Carlos
0505 Prevenção incêndios - Antônio Carlos
 
02 26 sinais vitais - Marion
02 26 sinais vitais  - Marion02 26 sinais vitais  - Marion
02 26 sinais vitais - Marion
 
0416 emergências hipertensivas - Marion
0416 emergências hipertensivas - Marion0416 emergências hipertensivas - Marion
0416 emergências hipertensivas - Marion
 
0423 envenenamento - Marion
0423 envenenamento - Marion0423 envenenamento - Marion
0423 envenenamento - Marion
 

Último

Apresentação sobre o Combate a Dengue 2024
Apresentação sobre o Combate a Dengue 2024Apresentação sobre o Combate a Dengue 2024
Apresentação sobre o Combate a Dengue 2024GleyceMoreiraXWeslle
 
Revolução Industrial - Revolução Industrial .pptx
Revolução Industrial - Revolução Industrial .pptxRevolução Industrial - Revolução Industrial .pptx
Revolução Industrial - Revolução Industrial .pptxHlioMachado1
 
As teorias de Lamarck e Darwin. Evolução
As teorias de Lamarck e Darwin. EvoluçãoAs teorias de Lamarck e Darwin. Evolução
As teorias de Lamarck e Darwin. Evoluçãoprofleticiasantosbio
 
CRONOGRAMA: AÇÕES DO PROJETO ESTAÇÃO LEITURA
CRONOGRAMA: AÇÕES DO PROJETO ESTAÇÃO LEITURACRONOGRAMA: AÇÕES DO PROJETO ESTAÇÃO LEITURA
CRONOGRAMA: AÇÕES DO PROJETO ESTAÇÃO LEITURADouglasVasconcelosMa
 
TREINAMENTO - BOAS PRATICAS DE HIGIENE NA COZINHA.ppt
TREINAMENTO - BOAS PRATICAS DE HIGIENE NA COZINHA.pptTREINAMENTO - BOAS PRATICAS DE HIGIENE NA COZINHA.ppt
TREINAMENTO - BOAS PRATICAS DE HIGIENE NA COZINHA.pptAlineSilvaPotuk
 
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbb
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbv19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbb
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbyasminlarissa371
 
Ser Mãe Atípica, uma jornada de amor e aceitação
Ser Mãe Atípica, uma jornada de amor e aceitaçãoSer Mãe Atípica, uma jornada de amor e aceitação
Ser Mãe Atípica, uma jornada de amor e aceitaçãoJayaneSales1
 
Slides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptx
Slides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptxSlides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptx
Slides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 
Prova de Empreendedorismo com gabarito.pptx
Prova de Empreendedorismo com gabarito.pptxProva de Empreendedorismo com gabarito.pptx
Prova de Empreendedorismo com gabarito.pptxJosAurelioGoesChaves
 
Apreciação crítica -exercícios de escrita
Apreciação crítica -exercícios de escritaApreciação crítica -exercícios de escrita
Apreciação crítica -exercícios de escritaeliana862656
 
A Unidade de Espiritualidade Eudista se une ao sentimiento de toda a igreja u...
A Unidade de Espiritualidade Eudista se une ao sentimiento de toda a igreja u...A Unidade de Espiritualidade Eudista se une ao sentimiento de toda a igreja u...
A Unidade de Espiritualidade Eudista se une ao sentimiento de toda a igreja u...Unidad de Espiritualidad Eudista
 
Linguagem verbal , não verbal e mista.pdf
Linguagem verbal , não verbal e mista.pdfLinguagem verbal , não verbal e mista.pdf
Linguagem verbal , não verbal e mista.pdfLaseVasconcelos1
 
Estudo Dirigido de Literatura / Terceira Série do E.M.
Estudo Dirigido de Literatura / Terceira Série do E.M.Estudo Dirigido de Literatura / Terceira Série do E.M.
Estudo Dirigido de Literatura / Terceira Série do E.M.Paula Meyer Piagentini
 
TIPOS DE DISCURSO - TUDO SALA DE AULA.pdf
TIPOS DE DISCURSO - TUDO SALA DE AULA.pdfTIPOS DE DISCURSO - TUDO SALA DE AULA.pdf
TIPOS DE DISCURSO - TUDO SALA DE AULA.pdfmarialuciadasilva17
 
Slides Lição 01, Central Gospel, Os Sinais do Fim dos Tempos 2Tr24.pptx
Slides Lição 01, Central Gospel, Os Sinais do Fim dos Tempos 2Tr24.pptxSlides Lição 01, Central Gospel, Os Sinais do Fim dos Tempos 2Tr24.pptx
Slides Lição 01, Central Gospel, Os Sinais do Fim dos Tempos 2Tr24.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 
Mini livro sanfona - Diga não ao bullying
Mini livro sanfona - Diga não ao  bullyingMini livro sanfona - Diga não ao  bullying
Mini livro sanfona - Diga não ao bullyingMary Alvarenga
 
atividades diversas 1° ano alfabetização
atividades diversas 1° ano alfabetizaçãoatividades diversas 1° ano alfabetização
atividades diversas 1° ano alfabetizaçãodanielagracia9
 
organizaao-do-clube-de-lideres-ctd-aamar_compress.pdf
organizaao-do-clube-de-lideres-ctd-aamar_compress.pdforganizaao-do-clube-de-lideres-ctd-aamar_compress.pdf
organizaao-do-clube-de-lideres-ctd-aamar_compress.pdfCarlosRodrigues832670
 
POETAS CONTEMPORANEOS_TEMATICAS_explicacao.pptx
POETAS CONTEMPORANEOS_TEMATICAS_explicacao.pptxPOETAS CONTEMPORANEOS_TEMATICAS_explicacao.pptx
POETAS CONTEMPORANEOS_TEMATICAS_explicacao.pptxJMTCS
 

Último (20)

Apresentação sobre o Combate a Dengue 2024
Apresentação sobre o Combate a Dengue 2024Apresentação sobre o Combate a Dengue 2024
Apresentação sobre o Combate a Dengue 2024
 
Revolução Industrial - Revolução Industrial .pptx
Revolução Industrial - Revolução Industrial .pptxRevolução Industrial - Revolução Industrial .pptx
Revolução Industrial - Revolução Industrial .pptx
 
As teorias de Lamarck e Darwin. Evolução
As teorias de Lamarck e Darwin. EvoluçãoAs teorias de Lamarck e Darwin. Evolução
As teorias de Lamarck e Darwin. Evolução
 
CRONOGRAMA: AÇÕES DO PROJETO ESTAÇÃO LEITURA
CRONOGRAMA: AÇÕES DO PROJETO ESTAÇÃO LEITURACRONOGRAMA: AÇÕES DO PROJETO ESTAÇÃO LEITURA
CRONOGRAMA: AÇÕES DO PROJETO ESTAÇÃO LEITURA
 
TREINAMENTO - BOAS PRATICAS DE HIGIENE NA COZINHA.ppt
TREINAMENTO - BOAS PRATICAS DE HIGIENE NA COZINHA.pptTREINAMENTO - BOAS PRATICAS DE HIGIENE NA COZINHA.ppt
TREINAMENTO - BOAS PRATICAS DE HIGIENE NA COZINHA.ppt
 
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbb
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbv19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbb
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbb
 
Ser Mãe Atípica, uma jornada de amor e aceitação
Ser Mãe Atípica, uma jornada de amor e aceitaçãoSer Mãe Atípica, uma jornada de amor e aceitação
Ser Mãe Atípica, uma jornada de amor e aceitação
 
Slides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptx
Slides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptxSlides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptx
Slides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptx
 
Prova de Empreendedorismo com gabarito.pptx
Prova de Empreendedorismo com gabarito.pptxProva de Empreendedorismo com gabarito.pptx
Prova de Empreendedorismo com gabarito.pptx
 
Apreciação crítica -exercícios de escrita
Apreciação crítica -exercícios de escritaApreciação crítica -exercícios de escrita
Apreciação crítica -exercícios de escrita
 
Os Ratos - Dyonelio Machado FUVEST 2025
Os Ratos  -  Dyonelio Machado  FUVEST 2025Os Ratos  -  Dyonelio Machado  FUVEST 2025
Os Ratos - Dyonelio Machado FUVEST 2025
 
A Unidade de Espiritualidade Eudista se une ao sentimiento de toda a igreja u...
A Unidade de Espiritualidade Eudista se une ao sentimiento de toda a igreja u...A Unidade de Espiritualidade Eudista se une ao sentimiento de toda a igreja u...
A Unidade de Espiritualidade Eudista se une ao sentimiento de toda a igreja u...
 
Linguagem verbal , não verbal e mista.pdf
Linguagem verbal , não verbal e mista.pdfLinguagem verbal , não verbal e mista.pdf
Linguagem verbal , não verbal e mista.pdf
 
Estudo Dirigido de Literatura / Terceira Série do E.M.
Estudo Dirigido de Literatura / Terceira Série do E.M.Estudo Dirigido de Literatura / Terceira Série do E.M.
Estudo Dirigido de Literatura / Terceira Série do E.M.
 
TIPOS DE DISCURSO - TUDO SALA DE AULA.pdf
TIPOS DE DISCURSO - TUDO SALA DE AULA.pdfTIPOS DE DISCURSO - TUDO SALA DE AULA.pdf
TIPOS DE DISCURSO - TUDO SALA DE AULA.pdf
 
Slides Lição 01, Central Gospel, Os Sinais do Fim dos Tempos 2Tr24.pptx
Slides Lição 01, Central Gospel, Os Sinais do Fim dos Tempos 2Tr24.pptxSlides Lição 01, Central Gospel, Os Sinais do Fim dos Tempos 2Tr24.pptx
Slides Lição 01, Central Gospel, Os Sinais do Fim dos Tempos 2Tr24.pptx
 
Mini livro sanfona - Diga não ao bullying
Mini livro sanfona - Diga não ao  bullyingMini livro sanfona - Diga não ao  bullying
Mini livro sanfona - Diga não ao bullying
 
atividades diversas 1° ano alfabetização
atividades diversas 1° ano alfabetizaçãoatividades diversas 1° ano alfabetização
atividades diversas 1° ano alfabetização
 
organizaao-do-clube-de-lideres-ctd-aamar_compress.pdf
organizaao-do-clube-de-lideres-ctd-aamar_compress.pdforganizaao-do-clube-de-lideres-ctd-aamar_compress.pdf
organizaao-do-clube-de-lideres-ctd-aamar_compress.pdf
 
POETAS CONTEMPORANEOS_TEMATICAS_explicacao.pptx
POETAS CONTEMPORANEOS_TEMATICAS_explicacao.pptxPOETAS CONTEMPORANEOS_TEMATICAS_explicacao.pptx
POETAS CONTEMPORANEOS_TEMATICAS_explicacao.pptx
 

Queimaduras, choque elétrico e desidratação

  • 1. 28/04/2014 1 QUEIMADURA - CHOQUE ELÉTRICO - DESIDRATAÇÃO Profa. Marion Vecina A. Vecina QUEIMADURA Queimadura é toda lesão provocada pelo contato direto com alguma fonte de calor ou frio, produtos químicos, corrente elétrica, radiação, ou mesmo alguns animais e plantas (como larvas, água-viva, urtiga), entre outros. INTRODUÇÃO • A pele é capaz de tolerar temperaturas de 40 graus Celsius (104 graus Fahrenheit) por breves períodos de tempo. • Contudo, uma vez que as temperaturas excedem este ponto, há um aumento logarítmico na magnitude da destruição tecidual. TIPOS DE QUEIMADURAS: - Queimaduras térmicas: são provocadas por fontes de calor como o fogo, líquidos ferventes, vapores, objetos quentes e excesso de exposição ao sol; - Queimaduras químicas: são provocadas por substância química em contato com a pele ou mesmo através das roupas; - Queimaduras por eletricidade: são provocadas por descargas elétricas. LESÕES QUE NECESSITAM ATENDIMENTO EM UNIDADES DE QUEIMADOS QUEIMADURAS QUEIMADURAS
  • 2. 28/04/2014 2 TIPOS DE QUEIMADURA • Quanto à profundidade, as queimaduras podem ser classificadas como: • 1º GRAU • 2º GRAU • 3º GRAU * 4º GRAU PELE • A pele é composta por três camadas teciduais – epiderme, derme e camada subcutânea – e musculatura associada. • Algumas camadas contêm estruturas como glândulas, folículos pilosos, vasos sanguíneos e nervos. • Todas estas estruturas são inter-relacionadas à manutenção, perda e ganho de temperatura corpórea. CAMADAS DA PELE QUEIMADURAS 1º GRAU • Local afetado - Epiderme. • Agente mais comum: sol. • Pele avermelhada e seca com dor leve e moderada. *Queimaduras de primeiro grau envolvem somente a epiderme e são caracterizadas por serem vermelhas e dolorosas. Estas queimaduras resolvem-se em cerca de uma semana, e o doente não apresenta cicatrizes. 2º GRAU • Local afetado - Derme (camada média). • Agente mais comum: líquidos aquecidos. • Bolhas e dor moderada a severa. As queimaduras de segundo grau, também denominadas queimaduras de espessura parcial, são aquelas que envolvem a epiderme e porções variadas da derme subjacente. 3º GRAU • Local afetado - Hipoderme (camada profunda). • Agente mais comum: Contato direto com eletricidade ou chama. • Pele esbranquiçada ou carbonizada e ausência de dor. As queimaduras de terceiro grau podem apresentar diversas aparências. Com maior frequência, estes ferimentos são espessos, secos, esbranquiçados, com aparência semelhante a couro, independentemente da raça ou da cor da pele do indivíduo. 4O GRAU • As queimaduras de quarto grau são aquelas que acometem não somente todas as camadas da pele, mas também o tecido adi- poso subjacente, os músculos, os ossos ou os órgãos internos.
  • 3. 28/04/2014 3 Queimadura de quarto grau no braço, acometendo não apenas a pele, mas também o tecido adiposo subcutâneo, músculos e ossos. SUPERFÍCIE CORPORAL QUEIMADA – GRAU DE GRAVIDADE AVALIAÇÃO PRIMÁRIA E REPOSIÇÃO DE FLUIDOS • O objetivo da avaliação primária é a análise e o tratamento sistemático das alterações possivelmente fatais, em ordem de importância, para preservação da vida. • O método de atendimento de trauma ABCDE é aplicado ao tratamento do doente vítima de queimadura, embora seu cuidado possa trazer desafios únicos em cada uma de suas etapas. AVALIAÇÃO PRIMÁRIA E REPOSIÇÃO DE FLUIDOS • Via Aérea • Manter a desobstrução da via aérea é a maior prioridade no atendimento de uma vítima de queimaduras. O calor de um incêndio pode causar edema da via aérea, acima do nível das cordas vocais, ocluindo-a. É necessário, portanto, que a avaliação seja cuidadosa e contínua. TRATAMENTO RESIDENCIAL • Mantenha o local sempre limpo, lavando 2 vezes ao dia com água e sabão. • Não rompa propositadamente as bolhas. • O uso de pomadas deve ficar restrito aos casos de infecção, já que a sua retirada na limpeza diária é dolorosa, facilitando a própria infecção. PRIMEIRO ATENDIMENTO A QUEIMADOS • A etapa inicial do atendimento de um doente vítima de queimadura é a interrupção do processo de lesão. • O método mais eficaz e adequado de interrupção da queimadura é a irrigação com grandes volumes de água à temperatura ambiente. • O uso de água fria ou gelo é contraindicado • Remova todas as roupas e joias; estes itens mantêm calor residual e continuam a ferir o doente. Além disso, as joias podem contrair os dedos ou os membros quando os tecidos começam a apresentar aumento de volume.
  • 4. 28/04/2014 4 TRATAMENTO PRÉ-HOSPITALAR • Apague o fogo com água, abafando com cobertor ou rolando com a vítima no chão. • Em caso de queimaduras elétricas, desligue a fonte de energia antes de tocar na vítima. • Exame primário - ABCDE da vida. • Lave copiosamente com água corrente lesões por produtos químicos, observando cuidados de auto-proteção. • Resfrie a lesão, irrigando-a com água na temperatura ambiente. Esta conduta é válida até 60 minutos após a lesão, pois a energia térmica demora a se dissipar. • Em caso de hipotermia envolva a vítima em lençóis limpos para reduzir a perda de calor e a contaminação bacteriana. • Não rompa bolhas íntegras e não use gelo no local. NUNCA - Nunca toque a queimadura com as mãos; - Nunca fure bolhas; - Nunca tente descolar tecidos grudados na pele queimada; - Nunca retire corpos estranhos ou graxa do local queimado; - Nunca coloque manteiga, pó de café, creme dental ou qualquer outra substância sobre a queimadura ! CHOQUE ELÉTRICO CHOQUE ELÉTRICO • Choque elétrico é a perturbação que ocorre no organismo humano quando percorrido por uma corrente elétrica. • ELA DEPENDE: • Da intensidade da corrente elétrica e da duração do choque. • Do percurso e da forma como a corrente elétrica se espalha no corpo humano. • Da frequência de oscilação da corrente elétrica. • Da tensão (voltagem) • Das condições da pele humana e da saúde da pessoa. CHOQUE ELÉTRICO • EFEITOS DA CORRENTE ELÉTRICA • TETANIZAÇÃO • PARADA RESPIRATÓRIA • QUEIMADURAS • FIBRILAÇÃO VENTRICULAR TETANIZAÇÃO • Contração muscular produzida pelo impulso elétrico; • Perigo: o indivíduo ficar “agarrado” durante o tempo em que perdurar a corrente elétrica; • Valores elevados de corrente provocam a repulsão;
  • 5. 28/04/2014 5 PARADA RESPIRATÓRIA • Contração dos músculos ligados à respiração; • A permanência da corrente leva o indivíduo a perda de consciência e morte por sufocamento; • A intervenção deve ser rápida (3 a 4 min), com respiração artificial para evitar lesões irreversíveis. QUEIMADURA • Calor produzido pela corrente por efeito Joule; • Mais intensos nos pontos de entrada e saída; • Mais graves quanto maior a corrente e o tempo de permanência; • As queimaduras internas podem romper as artérias; FIBRILAÇÃO VENTRICULAR • O CORAÇÃO: músculo cardíaco (miocardio) que contrai-se por impulsos elétricos provenientes do nódulo sino-atrial; • Fibrilação: contração desordenada das fibras devido a interferência de corrente externa. Este fenômeno geralmente é fatal. • Intervenção: desfibrilador; PROCEDIMENTO PARA AFASTAR A VÍTIMA DA CORRENTE ELÉTRICA PRIMEIROS SOCORROS • 1 - Corte a energia retirando o plug da tomada. Se não puder alcançar a tomada, desligue o quadro. 2- NÃO UTILIZE O INTERRUPTOR DO ELETRODOMÉSTICO. 3 - Na impossibilidade de cortar a energia, coloque debaixo dos seus pés material isolante - por exemplo, uma espessa camada de jornais - e afaste da fonte de energia os membros da vítima com um cabo de vassoura ou uma cadeira de madeira. 4 - NÃO UTILIZE OBJETOS METÁLICOS OU ÚMIDOS. 5 - Em alternativa, passe uma corda ou qualquer pano seco em volta dos pés ou por debaixo dos braços da vítima e puxe-a. 6 - NÃO TOQUE NA VITIMA COM AS MÃOS. 7 - NÃO UTILIZE NADA MOLHADO, COMO, POR EXEMPLO, UMA TOALHA ÚMIDA. 8 – Se a vítima perdeu a consciência, sofreu queimaduras ou se sente mal, telefone para providenciar uma ambulância ou transporte a vítima ao serviço de urgência do hospital. Informe o hospital sobre o período de tempo que vítima esteve em contato com a fonte de energia elétrica
  • 6. 28/04/2014 6 DESIDRATAÇÃO DESIDRATAÇÃO • O corpo humano adulto tem 60% de seu peso em água. O mecanismo da sede é o principal mecanismo do balanço de água no organismo. • Causada por perdas líquidas de qualquer natureza. • Sede com boca e língua secas, e pouca urina de cor amarelo forte são os primeiros sinais. •Tonteiras, fraqueza muscular, apatia e sonolência. • Hipotensão arterial e taquicardia. DESIDRATAÇÃO O déficit de água pode ser dividido quantitativamente 1 - Desidratação leve (perdas líquidas até 5% do peso corporal) - Nestes casos a história e as queixas predominam sobre o exame físico. 2 - Desidratação moderada (perdas líquidas de 5 a 12%) - Apresentam a história, as queixas e o exame físico alterado com tonteiras ao se levantar e taquicardia. 3 - Desidratação grave (perdas líquidas maiores que 12%) Paciente com grandes queixas sintomáticas e hipotensão arterial, taquicardia, podendo apresentar sinais de choque, e/ou coma. Conduta pré-hospitalar • Desidratação leve = Reposição via oral de 5% do peso corporal/24hrs (2.5 a 5 litros), com soluções hidratantes. Só forneça água se a vítima estiver consciente. • Desidratação moderada e grave = Reposição via oral de 5 a 8% do peso corporal (2.5 a 5 litros) + reposição venosa no hospital. • Como solução oral, podemos utilizar – PEDIALITE 90 (recomendado pela OMS), REHIDRATE, ou utilizar um solução caseira, com a seguinte composição: ⇒ Água - 1 litro. ⇒ Sal - 1/2 colher de chá. ⇒ Açúcar - 1 colher de sopa. # Em crianças ofereça pequenos volumes em seringas ou “chucas” a cada 5 – 10 min, e aumente gradativamente o volume. REFERÊNCIAS • PHTLS – Prehospital Trauma Life Support, 7th edition, by NAEMT (National Association of Emergency Medical Technicians) is published by arrangement with Elsevier Inc. • Atendimento pré-hospitalar ao traumatizado, PHTLS / NAEMT - 7.ed. - Rio de Janeiro : Elsevier, 2011.