0319 traumatismo em áreas específicas - Marion

716 visualizações

Publicada em

Publicada em: Educação
0 comentários
1 gostou
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
716
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
13
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
12
Comentários
0
Gostaram
1
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

0319 traumatismo em áreas específicas - Marion

  1. 1. 17/03/2014 1 TRAUMATISMO EM ÁREAS ESPECÍFICAS CRÂNIO – TÓRAX – ABDOME – MÚSCULO ESQUELÉTICO Profa. Marion Vecina A. Vecina "O destino do traumatizado está nas mãos daquele que faz o primeiro curativo." Nicholas Senn, Cirurgião VELOCIDADE / IMPACTO / ACELERAÇÃO - DESACELERAÇÃO MECANISMOS DO TRAUMA INTRODUÇÃO • Segundo o Ministério da Saúde, ocorreram 127.633 óbitos por traumas no Brasil em 2005, representando 12,67% do total de óbitos. • Trauma foi a principal causa de morte entre um e 39 anos de idade, principalmente a população jovem! • O trauma representa, atualmente, a terceira causa de morte mundial . • Segundo estatísticas, em um dia médio, 170.000 homens, mulheres e crianças sofrem traumatismos, e aproximadamente 400 morrem com resultado de suas lesões. INTRODUÇÃO • O tratamento do paciente com politraumatismo, após a estabilização hemodinâmica, restabelecimento das funções vitais e otimização da oxigenação e perfusão dos tecidos, depende diretamente da sua área de acometimento. • Assim, para melhor entendimento o tratamento será divido por estas áreas.
  2. 2. 17/03/2014 2 TRAUMATISMO CRÂNIO-ENCEFÁLICO (TCE) • O TCE é causa importante de morte nos traumas. O Traumatismo Raqui-Medular (TRM) ocorre em 5 a 10% dos casos de TCE. • Os traumatismos da cabeça podem envolver o couro cabeludo, crânio e encéfalo, isoladamente ou em qualquer combinação. • Trauma com sonolência, confusão, agitação ou inconsciência de curta ou longa duração pensar em TCE. ABORDAGEM DA VÍTIMA 1. Exame Primário - ABCDE da vida. 2. Observar cuidados com a coluna cervical: Estabilizar manualmente a cabeça e o pescoço. 3. Controlar hemorragias 4. Exame Secundário: 5. Sangramentos via nasal (rinorragia) e pelo ouvido (otorragia) geralmente é sinônimo de TCE. 6. Nos casos onde ocorra vômitos, a vítima deve ser virada em bloco para o decúbito lateral de forma a preservar a imobilização da coluna cervical. • Suspeitar sempre de lesão de coluna cervical em pacientes com TCE. TRAUMA CRÂNIOENCEFÁLICO • TCE Leve • O paciente com trauma craniano leve, após a avaliação primária, é encaminhado para a observação sem a realização de exame complementar neurológico, na sala de emergência, na ausência de algum dos fatores, • A observação da vítima que não apresenta fator de risco pode ser de menor duração (3-6 horas). TRAUMA CRÂNIOENCEFÁLICO • TCE Moderado • É um grupo heterogêneo de pacientes, alguns dos quais apresentam evolução similar àquelas dos traumatismos cranianos leves, ou então evoluem como traumatismo craniano grave. TRAUMA CRÂNIOENCEFÁLICO • TCE Grave • No traumatismo craniano grave é indispensável reduzir ao mínimo a possibilidade de dano secundário, garantindo oxigenação e perfusão adequadas. • Após realização da TC de crânio, o neurocirurgião avalia se há necessidade de intervenção cirúrgica e/ou monitoramento invasivo. Se a craniotomia não é indicada, a TC deverá ser repetida como no traumatismo craniano moderado. • Nos pacientes em coma e com lesão hemorrágica intracraniana que requerem reanimação volêmica significativa, a TC deve sempre ser repetida depois da estabilização. TRAUMA MAXILOFACIAL • No TMF, em que há epistaxe, hemorragia da cavidade oral ou das partes moles, o tratamento consiste no tamponamento e, eventualmente e quando possível, a angiografia . • O tamponamento nasal deve ser cuidadoso nos casos de epistaxe de origem traumática devido o risco das fraturas de base de crânio estarem associadas. • Em caso de urgência hemorrágica após trauma fechado de mandíbula, a redução e estabilização imediata temporárias da fratura com a aplicação de fio de aço em torno do colo de dois dentes dispostos ao lado da linha de fratura, controla a maioria dos sangramentos. TRAUMA MAXILOFACIAL • O tempo para correção da fratura pode ser variável dependendo das condições gerais do paciente, existência de outros procedimentos mais urgentes ou edema importante no foco de fratura, em média de 7 a 10 dias após o trauma.
  3. 3. 17/03/2014 3 TRAUMA RAQUIMEDULAR - TRM • Todos os pacientes com trauma grave devem ser considerados, desde a cena até o hospital, como potencial portador de TRM até a completa avaliação diagnóstica clínico- radiológica. TRAUMA RAQUIMEDULAR CUIDADOS NO TRM • Exame primário - ABCDE da vida • Imobilize a cabeça/pescoço em posição neutra com colar cervical ou com as mãos. • Remova o capacete em caso de PCR ou insuficiência respiratória. • Não mova o paciente a menos que seja necessário. Caso tenha que movê-lo utilize a técnica em monobloco • Suspeitar sempre de lesão de coluna cervical em pacientes com TCE • A proteção da coluna cervical deve ser uma das prioridades do tratamento pré-hospitalar, a não ser que outra situação esteja produzindo risco de vida iminente. CUIDADOS NO T.R.M EQUIPAMENTOS DE IMOBILIZAÇÃO CERVICAL Colar Cervical Técnica de aplicação: • Alinhe a cabeça e pescoço do paciente se não houver resistência ou dor e mantenha a estabilização manual. • Outro socorrista aplica o colar ao pescoço da vítima. • O paciente lúcido deve ser alertado contra o risco de movimentar-se. • Mantenha a imobilização manual mesmo com o colar aplicado. Improvisação: cobertor ou camisa e cintos TRAUMA TORÁCICO • No trauma de tórax, as condições de imediato risco de morte são causadas por lesão da via aérea alta, pneumotórax hipertensivo, pneumotórax aberto, tórax instável, hemotórax maciço e tamponamento cardíaco que devem ser identificadas e tratadas na fase de avaliação inicial. • Todas as outras condições: pneumotórax simples, hemotórax simples, contusão pulmonar não associada a tórax instável, fratura de esterno e costela, lesão traqueobrônquica, lesão esofágica, contusão cardíaca, lesão de grandes vasos e ruptura diafragmática podem ser diagnosticadas sucessivamente com exames complementares apropriados e tratadas em tempo hábil. TRAUMA TORÁCICO • SINAIS E SINTOMAS DE POSSÍVEL LESÃO TORÁCICA: • Dificuldade para respirar • Aumento da frequência respiratória • Escarro com sangue ( hemoptise) • Aumento da sensibilidade à palpação • Dor durante a inspiração ou expiração.
  4. 4. 17/03/2014 4 TRAUMA TORÁCICO • As lesões torácicas mais comuns são as fraturas de costelas. Estes pacientes quase sempre tem dor torácica e podem ter dificuldade para respirar. • O tratamento do paciente com suspeita de lesão torácica consta de suporte ventilatório e/ ou oxigênio suplementar se disponível *Não restrinja o tórax do paciente, pode dificultar a respiração* TRAUMA ABDOMINAL • O trauma abdominal é o sofrimento resultante de uma ação súbita e violenta, exercida contra o abdome por diversos agentes causadores: mecânicos, químicos, elétricos e irradiações. • A incidência desse traumatismo vem aumentando progressivamente e sua gravidade é determinada pela lesão de órgãos ou estruturas vitais do abdome e pela associação com outras lesões, principalmente crânio e tórax. • O sucesso no manejo do trauma abdominal é caracterizado pela eficiência da abordagem inicial que permite instituir o diagnóstico precoce e o tratamento oportuno das lesões intra-abdominais, quando presentes. TRAUMA ABDOMINAL • Classifica-se esse trauma em dois tipos principais - aberto ou fechado. • No aberto existe solução de continuidade da pele; enquanto que no fechado, também denominado contusão abdominal, a pele está íntegra, sendo que os efeitos do agente agressor são transmitidos às vísceras através da parede abdominal, ou se dão por contragolpe ou desaceleração. • Por sua vez, os traumatismos abertos são subdivididos em penetrantes e não penetrantes na cavidade abdominal. TRAUMA ABDOMINAL Campos JM, Hospital da Restauração ,1999 TRAUMA ABDOMINAL • Exame primário - ABCDE da vida. • Posicionar a vítima deitada, • Aplicar curativo impermeável e oclusivo umedecido em soro fisiológico nas feridas abertas com alças evisceradas (para fora). • Nunca tentar recolocar as alças intestinais para dentro do abdome. • Aqueça a vítima com cobertores. • Não retire objetos empalados. Estabilize-os na situação encontrada. • Paciente politraumatizado evoluindo com choque, suspeitar sempre de hemorragia interna por lesão de órgãos abdominais. • Não forneça líquido ou alimentos a pacientes com trauma abdominal. • Transporte o paciente ao hospital para avaliação médica o mais breve possível. FRATURA PÉLVICA Campos JM, Hospital das Clínicas, 1999
  5. 5. 17/03/2014 5 TRAUMA MÚSCULO-ESQUELÉTICO • A maioria das lesões músculo-esqueléticas resulta de algum tipo de trauma. O trauma é o resultado de uma força externa ( direta, indireta ou torção) que tem um impacto negativo sobre o corpo. • Uma lesão direta é o resultado de uma força aplicada diretamente sobre a parte lesada do corpo ex: impacto de um bastão no braço de uma pessoa. • Uma lesão indireta é causada por uma força aplicada a uma outra região do corpo, que então é transmitida a parte lesada ex: joelho sofrer impacto contra o painel em uma colisão automobilística, a força de volta pode lesar a “bacia”. ESTRUTURAS POTENCIALMENTE LESADAS PELE MUSCULOS TENDÕES OSSOS VASOS NERVOS ARTICULAÇÕES TRAUMA MÚSCULO-ESQUELÉTICO • TIPOS DE LESÃO MÚSCULO-ESQUELÉTICA: • Uma forma de classificar uma lesão músculo esquelética é em exposta( pele está lesada) ou fechada ( pele estiver íntegra). • Outras classificações: • Fratura: “osso quebrado”, geralmente envolvem lesões de partes moles, nervos e vasos sanguíneos. • Entorse: lesão na qual os ligamentos sofrem distensão ou ruptura; não ocorre lesão no osso. • Distensão: estiramento muscular ao redor de uma articulação. Há pouco ou nenhum edema • Luxação: deslocamento de um osso de sua posição normal na articulação. As luxações também podem ser associadas as fraturas TRAUMA MÚSCULO-ESQUELÉTICO Sangramentoexterno Três S: Stop, splint, stabilize Stop: Parar o sangramento Splint: Imobilizar extremidades Stabilize: Estabilizar a bacia Campos JM, Hospital da Restauração, 1999 TRATAMENTO DAS LESÕES MÚSCULO- ESQUELÉTICAS • Se possível, as lesões músculo-esqueléticas devem ser imobilizadas. O imobilizador (tala)é um equipamento utilizado para imobilizar ou evitar o movimento dos ossos e articulações e prevenir mais lesão. • Estabilize manualmente a lesão, • Remova ou corte as roupas sobre o local da lesão, • Avalie a perfusão e sensibilidade, • Imobilize a articulação acima e abaixo do local lesado.

×