0318 psicologia do desenvolvimento 0 a 2 anos - Daniela

1.719 visualizações

Publicada em

Publicada em: Educação
0 comentários
2 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
1.719
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
51
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
55
Comentários
0
Gostaram
2
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

0318 psicologia do desenvolvimento 0 a 2 anos - Daniela

  1. 1. INTRODUÇÃOINTRODUÇÃO Infância e adolescência: período deInfância e adolescência: período de desenvolvimentodesenvolvimento  Ao longo do tempo – mudanças nas váriasAo longo do tempo – mudanças nas várias esferas do psiquismo e comportamento:esferas do psiquismo e comportamento: pensamento, afetividade, comportamento social,pensamento, afetividade, comportamento social, motricidade, grau de autonomia, autocuidado,motricidade, grau de autonomia, autocuidado, linguagemlinguagem
  2. 2. neonatal pré-escolar puberdade 0 28d 2a 7a 11/12a 18/20 lactente escolar adolescência
  3. 3.  Escalas: descritivas; organizadas em idade – ordem cronológica; valor estatístico (ex. Gesell)  Estádios: operacionais; conhecimento aprofundado do modo de organização da criança e das formas que assumem seus diversos comportamentos durante sua evolução; obedece sucessão funcional (ex.: Piaget)
  4. 4.  ARNOLD GESELL e STELLA CHESS  Desenvolvimento do sistema nervoso  Segue sempre o mesmo escalonamento de etapas Todas as condutas da criança: reações reflexas, voluntárias, espontâneas, aprendidas 1. Conduta motora 2. Conduta adaptativa 3. Conduta de linguagem 4. Conduta pessoal-social
  5. 5.  Conduta Motora: Capacidade motora (ou aquisições no desenv. motor) – estimação da maturidade
  6. 6.  CONDUTA MOTORA: 15d cça fixa os olhos 16s cabeça firme, abre as mãos, postura simétrica 28s senta-se inclinando p/ frente, pega bolinha 40s permanece sentado só, engatinha, põe-se de pé 12m caminha com ajuda, precisão para pegar 18m caminha sem cair, senta só, torre com 3 cubos 2 a corre, torre de 6 cubos
  7. 7.  Conduta Adaptativa: Adaptações da cça diante de objetos e situações que lhe são propostas; reflete a capacidade de adaptação/acomodação às novas experiências, e para servir-se de experiências passadas
  8. 8.  CONDUTA ADAPTATIVA:CONDUTA ADAPTATIVA: 4s4s olha ao redor, persecução ocularolha ao redor, persecução ocular incompletaincompleta 16s16s correta persecução ocular, olha ascorreta persecução ocular, olha as mãosmãos 28s28s passa cubos de uma mão p/ outrapassa cubos de uma mão p/ outra 40s40s combina 2 cuboscombina 2 cubos 12m12m solta um cubo dentro de uma caixasolta um cubo dentro de uma caixa 18m18m imita uma linha c/ lápisimita uma linha c/ lápis
  9. 9.  Conduta de Linguagem: Inclui toda a forma de comunicação visível e audível, movimentos posturais em relação a sons, vocalizações, palavras e orações, imitação e compreensão do que dizem outras pessoas
  10. 10.  CONDUTA DE LINGUAGEM:CONDUTA DE LINGUAGEM: 4s pequenos ruídos guturais, atende sons4s pequenos ruídos guturais, atende sons campainhascampainhas 16s16s murmúrios, ri, vocalização socialmurmúrios, ri, vocalização social 28s28s balbucia, vocaliza e escuta própriabalbucia, vocaliza e escuta própria vocalizaçãovocalização 40s40s diz 1 palavra, atende seu nomediz 1 palavra, atende seu nome 12m12m diz 2 ou mais palavrasdiz 2 ou mais palavras 18m18m nomeia desenhosnomeia desenhos 2 a2 a usa frases, compreende ordens simplesusa frases, compreende ordens simples
  11. 11. DESENVOLVIMENTO NEURO-PSICO-MOTORDESENVOLVIMENTO NEURO-PSICO-MOTOR (DNPM) - GESELL(DNPM) - GESELL  Conduta Pessoal Social:Conduta Pessoal Social: Reações individuais da cça ante outrasReações individuais da cça ante outras pessoas e estímulos culturais;pessoas e estímulos culturais; adaptação à vida doméstica, gruposadaptação à vida doméstica, grupos sociais e às convenções dasociais e às convenções da comunidade; é o setor maiscomunidade; é o setor mais dependente do temperamento da cça edependente do temperamento da cça e das condições ambientaisdas condições ambientais
  12. 12. DESENVOLVIMENTO NEURO-PSICO-DESENVOLVIMENTO NEURO-PSICO- MOTOR (DNPM) - GESELLMOTOR (DNPM) - GESELL  CONDUTA PESSOAL-SOCIAL:CONDUTA PESSOAL-SOCIAL: 4s olha no rosto das pessoas4s olha no rosto das pessoas 16s16s brinca c/ as mãos, c/ a roupabrinca c/ as mãos, c/ a roupa 28s28s brinca c/ pés, brinquedos, expectativa p/brinca c/ pés, brinquedos, expectativa p/ comercomer 40s40s brincadeiras simples, come bolacha sozinhobrincadeiras simples, come bolacha sozinho 12m12m ajuda a se vestir, come c/ dedos, pegaajuda a se vestir, come c/ dedos, pega brinquedosbrinquedos 18m18m usa colher, derruba um pouco, início controleusa colher, derruba um pouco, início controle esfincteresfincter 2 a2 a pede p/ banheiro, brinca c/ bonecospede p/ banheiro, brinca c/ bonecos
  13. 13. DESENVOLVIMENTO COGNITIVO -DESENVOLVIMENTO COGNITIVO - PIAGETPIAGET Processos envolvidos com oProcessos envolvidos com o desenvolvimento cognitivo:desenvolvimento cognitivo:  Esquema de açãoEsquema de ação  AssimilaçãoAssimilação  AcomodaçãoAcomodação  EquilibraçãoEquilibração
  14. 14. DESENVOLVIMENTO COGNITIVO -DESENVOLVIMENTO COGNITIVO - PIAGETPIAGET  Estádios:Estádios: 1.1. Sensório-motor (0 a 2 anos)Sensório-motor (0 a 2 anos) 2.2. Pré-operatório (2 a 6 ou 7 anos)Pré-operatório (2 a 6 ou 7 anos) 3.3. Operações concretas (7 a 11 anos)Operações concretas (7 a 11 anos) 4.4. Operações formais (a partir dos 12Operações formais (a partir dos 12 anos)anos)
  15. 15. (do nascimento aos 2 anos)(do nascimento aos 2 anos) - a criança desenvolve um conjunto de "esquemas de- a criança desenvolve um conjunto de "esquemas de ação" sobre os objetos, que lhe permitem construir umação" sobre os objetos, que lhe permitem construir um conhecimento físico da realidade. Nesta etapaconhecimento físico da realidade. Nesta etapa desenvolve o conceito dedesenvolve o conceito de permanência do objetopermanência do objeto,, constrói esquemas sensório-motores e é capaz de fazerconstrói esquemas sensório-motores e é capaz de fazer imitações, iniciando as representações mentais.imitações, iniciando as representações mentais. ESTÁGIO SENSÓRIO-MOTORESTÁGIO SENSÓRIO-MOTOR
  16. 16. - Os esquemas sensório-motores , deOs esquemas sensório-motores , de início, são ligados ao presenteinício, são ligados ao presente imediato; reações a vários estímulosimediato; reações a vários estímulos - A criança não se recorda de eventosA criança não se recorda de eventos no passado, não relaciona um eventono passado, não relaciona um evento a outro.a outro.
  17. 17. 0 – 1 mês reflexos 1 – 4 meses reações circulares primitivas 4 – 8 meses reações circulares secundárias 8 – 12 mesescoordenação dos esquemas secundários 12 – 18 meses reações circulares terciárias 18 – 24 meses início do pensamento representativo
  18. 18. REFLEXOS (0 – 1 mês)REFLEXOS (0 – 1 mês) Reflexos inatos, sugar e olhar.Reflexos inatos, sugar e olhar. Ausência de imitação.Ausência de imitação. Incapaz de integrar informações.Incapaz de integrar informações.
  19. 19. REAÇÕES CIRCULARES PRIMITIVASREAÇÕES CIRCULARES PRIMITIVAS (1 – 4 meses)(1 – 4 meses) Início da coordenação de esquemas deInício da coordenação de esquemas de diferentes órgãos dos sentidos.diferentes órgãos dos sentidos. Passa a olhar na direção de um som, sugaPassa a olhar na direção de um som, suga qualquer coisa que alcance e traga à sua boca,qualquer coisa que alcance e traga à sua boca, mas ainda não relaciona as ações de seu corpomas ainda não relaciona as ações de seu corpo a algum resultadoa algum resultado
  20. 20. REAÇÕES CIRCULARES SECUNDÁRIASREAÇÕES CIRCULARES SECUNDÁRIAS (4 – 8 meses)(4 – 8 meses) Torna-se mais consciente dos eventos externosTorna-se mais consciente dos eventos externos a seu corpo e os faz acontecer novamente,a seu corpo e os faz acontecer novamente, numa espécie de aprendizagem por ensaio enuma espécie de aprendizagem por ensaio e erro.erro. Pode ocorrer a imitação.Pode ocorrer a imitação. Começa a compreender o conceito de objeto.Começa a compreender o conceito de objeto.
  21. 21. ESTÁGIO SENSÓRIO-MOTORESTÁGIO SENSÓRIO-MOTOR SUBESTÁGIOS (PIAGET)SUBESTÁGIOS (PIAGET) COORDENAÇÃO DOS ESQUEMAS SECUNDÁRIOSCOORDENAÇÃO DOS ESQUEMAS SECUNDÁRIOS (8 – 12 meses)(8 – 12 meses) Comportamento claramente intencional meios-Comportamento claramente intencional meios- fins.fins. O bebê não apenas busca o que quer, mas podeO bebê não apenas busca o que quer, mas pode combinar dois esquemas para tal (utiliza umcombinar dois esquemas para tal (utiliza um travesseiro para alcançar um objeto).travesseiro para alcançar um objeto). Passa a imitar novos comportamentosPassa a imitar novos comportamentos
  22. 22. REAÇÕES CIRCULARES TERCIÁRIASREAÇÕES CIRCULARES TERCIÁRIAS (12 – 18 meses)(12 – 18 meses) Começa a experimentar novas maneiras deComeça a experimentar novas maneiras de brincar com os objetos ou manipulá-los.brincar com os objetos ou manipulá-los. Exploração bastante ativa e intencional porExploração bastante ativa e intencional por tentativa e errotentativa e erro
  23. 23. ESTÁGIO SENSÓRIO-MOTORESTÁGIO SENSÓRIO-MOTOR SUBESTÁGIOS (PIAGET)SUBESTÁGIOS (PIAGET) INÍCIO DO PENSAMENTO REPRESENTATIVOINÍCIO DO PENSAMENTO REPRESENTATIVO (18 – 24 meses)(18 – 24 meses) Desenvolvimento do uso dos símbolos paraDesenvolvimento do uso dos símbolos para representar objetos ou eventos.representar objetos ou eventos. A criança compreende que o símbolo estáA criança compreende que o símbolo está separado do objeto.separado do objeto.
  24. 24. DESENVOLVIMENTO SOCIAL E DADESENVOLVIMENTO SOCIAL E DA PERSONALIDADEPERSONALIDADE  Teoria do Apego (Vínculo): JohnTeoria do Apego (Vínculo): John BowlbyBowlby (1969, 73, 80, 88)(1969, 73, 80, 88)  Processo do apego na infância:Processo do apego na infância: Início com o vínculo afetivo dos paisInício com o vínculo afetivo dos pais com o bebêcom o bebê
  25. 25. DESENVOLVIMENTO SOCIAL E DADESENVOLVIMENTO SOCIAL E DA PERSONALIDADEPERSONALIDADE TEORIA DO APEGO (BOWLBY)TEORIA DO APEGO (BOWLBY)  Fase 1: Orientação e sinalização não focalizadaFase 1: Orientação e sinalização não focalizada Há pouca evidência de apego noHá pouca evidência de apego no comportamento do bebê, mas aqui secomportamento do bebê, mas aqui se encontram suas raízes.encontram suas raízes. O bebê está construindo suas expectativas,O bebê está construindo suas expectativas, esquemas, habilidade de discriminar a mãe e oesquemas, habilidade de discriminar a mãe e o pai das demais pessoas.pai das demais pessoas.
  26. 26. DESENVOLVIMENTO SOCIAL E DADESENVOLVIMENTO SOCIAL E DA PERSONALIDADEPERSONALIDADE TEORIA DO APEGO (BOWLBY)TEORIA DO APEGO (BOWLBY)  Fase 2: Foco em uma ou mais figurasFase 2: Foco em uma ou mais figuras Por volta dos 3 meses, começa a direcionar dePor volta dos 3 meses, começa a direcionar de maneira mais ampla seus comportamentos demaneira mais ampla seus comportamentos de apego (sorri mais para a pessoa que cuida),apego (sorri mais para a pessoa que cuida), mas ainda não possui um apego totalmentemas ainda não possui um apego totalmente desenvolvido.desenvolvido. Nesta fase ainda não apresenta ansiedade deNesta fase ainda não apresenta ansiedade de separação dos pais (figuras de ligação).separação dos pais (figuras de ligação).
  27. 27.  Fase 3: Comportamento de base segura Formação de um apego definido por volta dos 6/8 meses de idade e também de vários comportamentos relacionados. Passam a discriminar as várias expressões faciais. Passam a mostrar medo diante de estranhos e protestos pela separação

×