Profa. Laís Araújo.
 “ Saúde Pública é a ciência e a arte de evitar doenças, prolongar a vida e
desenvolver a saúde física e mental, através ...
 “ É a ciência que estuda o processo saúde-doença em coletividades humanas,
analisando a distribuição e os fatores determ...
 História natural da doença é o nome dado ao conjunto de processos interativos
compreendendo as inter-relações do agente,...
 HOSPEDEIRO- MEIO AMBIENTE – AGENTE ETIOLOGICO
A doença seria resultante de um desequilíbrio nas auto-regulações existent...
Pré- patogenese Período Patogênico
Não há doença, mas
a conjunção de
fatores relacionados
ao indivíduo e ao
ambiente que p...
 Prevenção Primária: evitar que a doença apareça
 Promoção da saúde- inespecífica. Ex.: Alimentação saudável
 Proteção ...
 Infectividade:
É a capacidade de certos organismos (agentes) de penetrar, se desenvolver e/ou se multiplicar em um outro...
Hospedeiro - ser vivo que oferece, em condições naturais, subsistência ou alojamento a
um agente infeccioso. Pode ser Huma...
 Resistência:
É o conjunto de mecanismos do organismo que servem de defesa contra a invasão ou multiplicação de
agentes o...
 Portadores:
São os que têm o agente infeccioso, podem transmití-lo, mas no momento não apresentam
sintomas.
 Portadores...
 Reservatório:
Reservatório de agentes infecciosos (reservatório de bioagentes) é o ser humano ou animal,
artrópode, plan...
 Vetores:
São seres vivos que veiculam o agente desde o reservatório até o hospedeiro potencial.
 VETORES MECÂNICOS : sã...
 Caso: é uma pessoa ou animal infectado ou doente que apresenta características clínicas, laboratoriais e
epidemiológicas...
 PERÍODO DE INCUBAÇÃO:
É o intervalo de tempo que decorre desde a penetração do agente etiológico no hospedeiro (
indivíd...
 ENDEMIA:
É a ocorrência de determinada doença que acomete sistematicamente populações em espaços
característicos e deter...
Saúde pública1
Saúde pública1
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Saúde pública1

913 visualizações

Publicada em

Publicada em: Educação
0 comentários
1 gostou
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
913
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
95
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
18
Comentários
0
Gostaram
1
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Saúde pública1

  1. 1. Profa. Laís Araújo.
  2. 2.  “ Saúde Pública é a ciência e a arte de evitar doenças, prolongar a vida e desenvolver a saúde física e mental, através de esforços organizados da comunidade para o saneamento do meio ambiente, o controle de infecções na comunidade, a organização de serviços médicos e para-médicos para o diagnóstico precoce e tratamento preventivo de doenças, e o aperfeiçoamento da máquina social que irá assegurar a cada indivíduo, dentro da comunidade, um padrão de vida adequada à manutenção da saúde”.
  3. 3.  “ É a ciência que estuda o processo saúde-doença em coletividades humanas, analisando a distribuição e os fatores determinantes das enfermidades, danos à saúde e eventos associados à saúde coletiva, propondo medidas específicas de prevenção, controle, ou erradicação de doenças, e fornecendo indicadores que sirvam de suporte ao planejamento, administração e avaliação das ações de saúde”.
  4. 4.  História natural da doença é o nome dado ao conjunto de processos interativos compreendendo as inter-relações do agente, do suscetível e do meio ambiente que afetam o processo global e seu desenvolvimento, desde as primeiras forças que criam o estímulo patológico no meio ambiente, ou em qualquer outro lugar, passando pela resposta do homem ao estímulo até as alterações que levam a um defeito, invalidez, recuperação ou morte.  A história natural da doença, portanto, tem desenvolvimento em dois períodos sequenciados:  Período Epidemiológico/ Pré-patogenese – relações suscetível- ambiente; Período Patológico - modificações que se passam no organismo vivo.
  5. 5.  HOSPEDEIRO- MEIO AMBIENTE – AGENTE ETIOLOGICO A doença seria resultante de um desequilíbrio nas auto-regulações existentes no sistema
  6. 6. Pré- patogenese Período Patogênico Não há doença, mas a conjunção de fatores relacionados ao indivíduo e ao ambiente que podem torná-la possível Ex.: Acúmulo de água limpa e parada + existência de vetor + existência de um reservatório de vírus da dengue + suscetíveis Doença assintomática Doença Precoce Doença Avançada Conclusão/ Convalescença PREVENÇÃO PRIMÁRIA  Promoção a saúde  Proteção específica PREVENÇÃO SECUNDÁRIA PREVENÇÃO TERCIÁRIA Reabilitação Pré-clínico Início do processo patológico até a manifestação dos primeiros sintomas Ex.: Alterações celulares decorrentes da multiplicação viral nos tecidos Fase clínica Ex.: Mal estar inespecífico Manifestação da doença avança Ex.: Cefaléia + Mialgia + dor retro- orbital + febre Diagnóstico e tratamento precoces Limitação do dano  Morte  Invalidez  Cronicidade  Cura
  7. 7.  Prevenção Primária: evitar que a doença apareça  Promoção da saúde- inespecífica. Ex.: Alimentação saudável  Proteção específica – medidas específicas. Ex.: vacinação  Prevenção Secundária: evitar que a doença evolua  Diagnóstico Precoce. Ex.: auto-exame das mamas; exame de papanicolau  Limitação do dano  Prevenção Terciária – recuperar o potencial de saúde do organismo  Reabilitação
  8. 8.  Infectividade: É a capacidade de certos organismos (agentes) de penetrar, se desenvolver e/ou se multiplicar em um outro (hospedeiro) ocasionando uma infecção. Ex.: alta infectividade do vírus da gripe e a baixa infectividade dos fungos.  Patogenicidade: É a capacidade do agente, uma vez instalado, de produzir sintomas e sinais (doença). Ex.: é alta no vírus do sarampo, onde a maioria dos infectados tem sintomas e a patogenicidade é reduzida do vírus da pólio onde poucos ficam doentes.  Virulência: É a capacidade do agente de produzir efeitos graves ou fatais, relaciona-se à capacidade de produzir toxinas, de se multiplicar etc. Ex.: baixa virulência do vírus da gripe e do sarampo em relação à alta virulência do vírus da raiva.  Imunogenicidade: É a capacidade do agente de, após a infecção, induzir a imunidade nos hospedeiro. Ex.: alta no vírus da rubéola, do sarampo, da caxumba que imunizam em geral por toda a vida, em relação à baixa imunogenicidade do vírus da gripe, da dengue e das salmonelas que só conferem imunidade relativa e temporária.  Dose Infectante: É a quantidade do agente etiológico necessária para iniciar uma infecção.  Poder Invesivo: É a capacidade que tem o parasita de se difundir através de tecidos, órgãos e sistemas anatomofisiológicos do hospedeiro.
  9. 9. Hospedeiro - ser vivo que oferece, em condições naturais, subsistência ou alojamento a um agente infeccioso. Pode ser Humano ou animal! Hospedeiro Primário ou definitivo: É onde o agente atinge a maturidade ou passa sua fase sexuada. Hospederiro Intermediário ou Secundário: É aquele onde o parasita se encontra em forma assexuada ou larvária.
  10. 10.  Resistência: É o conjunto de mecanismos do organismo que servem de defesa contra a invasão ou multiplicação de agentes ou contra efeitos nocivos de seus produtos tóxicos e depende da nutrição, da capacidade de reação e estímulos do meio, de fatores genéticos, da saúde geral, estresse, ou da imunidade. Resistência Natural – é aquela que independe de anticorpo ou de reação específica dos organismos e resulta de fatores anatômicos, fisiolóficos, e outros intrínsecos do hospedeiro; pode ser genética, adquirida, permanente ou temporária.  Imunidade: É um subtipo de resistência, específica, associada à presença de anticorpos que possuem ação específica sobre o microorganismo responsável por uma doença infecciosa ou sobre suas toxinas.  Suscetibilidade: É medida de fragilidade, a possibilidade de adoecimento por determinado agente, fator de riscoou conjunto de causas. A suscetibilidade de uma espécie ocorre quando esta está sujeita a determinada infecção ou doença. Dentro da mesma espécie, há indivíduos resistentes e suscetíveis a uma infecção; a suscetibilidade individual é, portanto, o estado de qualquer pessoa ( ou animal) que não apresenta defesa ou resistência contra o agente infeccioso e por essa razão pode adoecer ao entrar em contato com este.
  11. 11.  Portadores: São os que têm o agente infeccioso, podem transmití-lo, mas no momento não apresentam sintomas.  Portadores ativos – já tiveram sintomas ou virão a tê-los;  Portadores passivos – são os que nunca apresentaram ou apresentarão sintomas; estes são os mais importantes epidemiologicamente por difundirem o agente etiológico de forma contínua ou intermitente apesar de passarem desapercebidos.
  12. 12.  Reservatório: Reservatório de agentes infecciosos (reservatório de bioagentes) é o ser humano ou animal, artrópode, planta, solo ou matéria inanimada em que um agente normalmente vive, se multiplica ou sobrevive e do qual tem o poder de ser transmitido a um hospedeiro susceptível. Classificam-se as doenças segundo seu reservátório como:  ANTROPONOSE: Infecção cuja transmissão se restringe aos seres humanos. EX: hanseníase  ANTROPOZOONOSE: Infecção transmitida ao homem a partir dereservatório animal. EX: leptospirose  ANFIXENOSES: Onde homens e animais são reservatórios. EX: leishimaniose  FITONOSE: Infecção transmissível ao homem, cujo agente tem os vegetais como reservatórios. EX: blastomicose  ZOOANTROPONOSE: Infecção transmitida aos animais a partir de reservatório humano.EX.: Amebíase ( do homem para o cão)  ZOONOSES*: Infecção ou doença infeciosa transmissível, sob condições naturais, de homens a animais, e vice-versa ( São consideradas zoonoses as antropozoonoses, as zooantroponoses e as anfixenoses)
  13. 13.  Vetores: São seres vivos que veiculam o agente desde o reservatório até o hospedeiro potencial.  VETORES MECÂNICOS : são os transportadores de agentes, geralmente insetos, que os carreiam nas patas, asas ou trato gastro-intestinal contaminados e onde não há multiplicação ou modificação do agente.  VETORES BIOLÓGICOS: são aqueles em que os agentes desenvolvem algum ciclo vital antes de serem disseminados ou inocurados no hospedeiro.  Veículos: Sãofontes secundárias, intermediárias entre o reservatório e o hospedeiro como objetos e materiais (alimentos, água, roupas, instrumentos cirúrgicos, etc). Fômites: objetos de uso pessoal do caso clínico ou portador, que podem estar contaminados e transmitir agentes infeciosos, cujo controle é feito por meio de desinfecção.
  14. 14.  Caso: é uma pessoa ou animal infectado ou doente que apresenta características clínicas, laboratoriais e epidemiológicas de uma doença ou agravo.  Caso confirmado: pessoa de quem foi isolado e identificado o agente etiológico ou de quem foram obtidas outras evidências epidemiológicas e /ou laboratoriais da presença do agente etiológico, como por exemplo, a conservação sorológica em amostras de sangue colhidas nas fases aguda e convalescente.  Casos Autóctones: são os casos de doença que tiveram origem dentro dos limites do lugar em referência ou sob investigação;  Casos Alóctones: são os casos importados; o doente, atualmente presente na área sob consideração, adquiriu o seu mal em outra região, de onde emigrou.  Caso suspeito: pessoa cuja história clínica, sintomas e possível exposição a uma fonte de infecção sugerem que possa estar com ou vir a desenvolver uma doença infecciosa.  Comunicante: são todos aqueles ( pessoa ou animal) que estiveram em contato com um reservatório ( pessoa- caso clínico ou doente e portadores ou animal infectado) ou com ambiente contaminado, de forma a ter oportunidade de adquirir o agente etiológico de uma doença.
  15. 15.  PERÍODO DE INCUBAÇÃO: É o intervalo de tempo que decorre desde a penetração do agente etiológico no hospedeiro ( indivíduo já está infectado), até o aparecimento dos sinais e sintomas da doença, variando de acordo com a doença considerada. PERÍODO DE TRANSMISSIBILIDADE: É aquele em que o indivíduo é capaz de transmitir a doença quer esteja ou não com sintomas. PERÍODO PRODRÔMICO: É o período que abrange o intervalo entre os primeiros sintomas da doença e o início dos sinais ou sintomas que lhe são característicos, portanto, com os quais o diagnóstico clínico pode ser estabelecido. *** Pródromos são os sintomas indicativoa do início de uma doença.
  16. 16.  ENDEMIA: É a ocorrência de determinada doença que acomete sistematicamente populações em espaços característicos e determinados, no decorrer de um longo período, (temporalmente ilimitada), e que mantém uma incidência relativamente constante, permitindo variações cíclicas e sazonais.  EPIDEMIA: É a ocorrência emuma comunidade ou região de casos de natureza semelhante, claramente excessiva em relação ao esperado.  PANDEMIA: Caracterizada por uma ocorrência epidêmica com larga distribuição geográfica, atingindo mais de um país ou de um comtinente.  SURTO: É a ocorrência de dois ou mais casos epidemiologicamente relacionados – alguns atutores denominam o surto a ocorrência de uma doença ou fenêmeno restrita a um espaço extremamente delimitado: colégio, quartel, creches...

×