Sociedade do consumo

1.158 visualizações

Publicada em

Sociedade do consumo

Publicada em: Educação
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
1.158
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
12
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
43
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Sociedade do consumo

  1. 1. Disciplina: Estudos do Contemporâneo Prof.: Ms. Laércio Torres de Góes
  2. 2. Romance O homem sem qualidades de Robert Musil. Ulrich não sabe o que (ou como) consumir porque não sabe quem é; mas, por outro lado, a modernidade implica que só sabemos quem somos com base no que consumimos. Ulrich é o avesso do humanista, que supõe uma essência individual anterior ao ato de consumir. Não se trata de consumir segundo seu próprio estilo, mas de instituir um estilo com base mesmo no que se consome.
  3. 3. Sociedade tradicional: as instituições já dão como respondidas as questões fundamentais da existência humana: o que é amar e trabalhar, o que é uma família; em que se deve acreditar; por que motivos se deve morrer; por que e para que se vive, de que maneira, segundo que prescrições. Uma sociedade tradicional deixa muito pouca coisa à escolha de seus membros. As instituições escolhem por nós. Sociedade de consumo: não tem uma, mas muitas respostas e escolhas.
  4. 4. Escolher ser hetero, homo ou bissexual, casar ou não casar, ter ou não ter filhos (quantos, por que métodos,em que momento); ser budista, cristão, ateu, muçulmano; posso ser onívoro, macrobiótico, vegetariano, frutariano. Escolha configura um estilo de vida, com seus comportamentos, valores, vestuário e hábitos de consumo característicos.
  5. 5. Quando se pode escolher entre tantas opções o que está em questão o seu valor de troca. Fundamentalismo: resposta ou reação à modernidade (sociedade de consumo).
  6. 6. Giddens aponta que o processo de enfraquecimento das instituições leva aos comportamentos compulsivos que aparecem quando o peso da tradição não é mais suficiente para organizar a conduta humana. Dependência química: as drogas eram conhecidas pelas sociedades tradicionais, que delas faziam um uso ritual ou místico. Não havia já que as modalidades de consumo estavam submetidas a normas muito precisas. Rompimento da norma institucional: o indivíduo já não sabe como, quanto ou para que consumir. É livre para consumir, consome para seu prazer. Liberdade que o conduz ao desregramento.
  7. 7. Liberdade – compulsão Alimentação: distúrbios como a obesidade, a bulimia e a anorexia; Sexo, amor, casamento Proliferação de grupos de auto-ajuda: alcoólicos anônimos . narcóticos anônimos, neuróticos anônimos, consumidores compulsivos, dependentes de sexo, pessoas que amam demais. O homem moderno pretende ser livre (das tradições, das normas, das imposições sociais), mas entregues à nossa liberdade nos tornamos escravos.
  8. 8. O indivíduo livre das tradições deve se tornar inventor de si mesmo, autor de sua biografia. Mas, por esse mesmo motivo, ele não sabe quem é. Deve inventar sua identidade. Em uma sociedade pré-moderna, ser alguém é ocupar o lugar social e institucionalmente designado pela tradição: é descender de certa linhagem, vincular-se a dada etnia, pertencer a uma religião ou classe social. O consumo funciona na modernidade como produtor de identidade, aquela que permitirá ao indivíduo criar a si mesmo, atribuir-se uma história e uma consistência ontológica.
  9. 9. Construção social: Nas ciências humanas e filosofia contemporânea, o sujeito é uma construção social e não dispõe de uma essência capaz de fundamentar suas ações e determinar suas escolhas. Nada há nele de natural ou universal: o sujeito é uma construção, um efeito, o produto de uma narrativa. Tecnologias do eu: produzidas historicamente, essas práticas são as condições de possibilidade do sujeito com base em estruturas que preexistem: consumo e cultura de massa. Construir uma identidade, produzir uma subjetividade equivalem a criar uma narrativa biográfica; o que caracteriza essa modalidade narrativa é que o autor, o narrador e o protagonista são a mesma pessoa.
  10. 10. O verdadeiro objeto de consumo não são nem os produtos nem os estilos de vida a eles associados, nem mesmo as sensações por eles proporcionados, mas a própria subjetividade que é deste modo produzida (biografia). Capitalismo contemporâneo não produz apenas mercadorias, mas também subjetividades (aquilo que o produto representa). Elementos da narrativa: determinados comportamentos, estilos de vida, idéias e atitudes que criamos uma identidade.
  11. 11. Produtos, atitudes, comportamentos, músicas surgem como a língua na qual essa narrativa é elaborada. A moda e a publicidade constituem a gramática que nos ensina como combinar esses signos e instituir uma fala.
  12. 12. Imperativo da sociedade de consumo: seja feliz! Não se trata de impor uma maneira de ser, mas de garantir que toda e qualquer maneira de ser encontrará sua expressão em mercadorias e bens de consumo. Lógica do consumo: qualquer coisa pode ser convertida ao serviço dos bens e transformada em mercadoria, ou seja, produzida, distribuída e consumida: xampu específico; uma atitude de revolta, displicência, engajamento; parte de um grupo; sensação de que você é único; Mecanismo da publicidade: traduzir um espírito, atitude ou estilo de vida em um objeto que possa ser adquirido.
  13. 13. Integração ao consumo: contracultura, o movimento hippie nos anos 1960, o punk nos anos 1980 e o grunge nas últimas décadas do século, etc.. Comportamentos, roupas e adereços característicos produzidos em série e integrados como elementos de consumo. Nichos: a sociedade de consumo se caracteriza por ser absolutamente inclusiva. Não há minoria ou movimento que escape à sua lógica: gays, mães solteiras, negros, crianças, todos encontram seu lugar, desde que possam consumir.
  14. 14. Consumo de produtos e comportamentos locais . Tudo que é étnico, exótico ou regional surge como autêntico ou diferenciado. A busca de raízes étnicas ou a valorização das culturas nacionais não constituem uma resistência à globalização, mas são antes um de seus efeitos. É do interesse da economia global que haja culturas locais a serem consumidas.
  15. 15. O terceiro mundo, o étnico, o exótico, o oriental tornam-se bens de consumo valorizados (como ilustram o fenômeno da world music e as tendências étnicas na moda). A globalização não é sinônimo de padronização; o que é global é a lógica do consumo, e não o consumo de determinados produtos. O homem sem qualidades é, paradoxalmente, o homem que tem acesso a todas elas.
  16. 16. ROCHA, Silvia. O homem sem qualidades: modernidade, consumo e identidade cultural. Comunicação, Mídia e Consumo, São Paulo, V.2, N.3, p.111-122, mar.2005. FIM

×