Leitura Informativas: o jornal como instrumento deexpressão e participaçãoOficina de: Januária Cristina AlvesUma conversa ...
lutas) que vão reparar o dano ou sanar a carência. Não há narrativas sem    danos e elas caminham em duas direções: ou tud...
progresso, objetivo maior do trabalho.     •   Estar informado ou bem informado equivale a “fazer parte”, “estar no       ...
•   Isso para dizer que a linguagem jornalística vai além do “ser objetiva e    concisa”. Ela é todo um conjunto de elemen...
•   Ao propor a feitura do jornal em sala de aula, Freinet atentou    especialmente para um aspecto fundamental na vida do...
simultaneamente com outras informações que estão dispostas na mesma         página.     •   A contextualização da notícia,...
jornal, de acordo com um projeto editorial a ser elaborado em conjunto    com o professor.•   Ao contrário do que se pode ...
todo o processo vivido pelos alunos. Esta avaliação deve ser             registrada e utilizada como base para futuros núm...
MACHADO, Nilson José. Cidadania e Educação, SP, Escrituras Editora, 1997.PERROTTI, Edmir. Confinamento Cultural, Infância ...
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Conversa sobre jornal

614 visualizações

Publicada em

0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
614
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
3
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
8
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Conversa sobre jornal

  1. 1. Leitura Informativas: o jornal como instrumento deexpressão e participaçãoOficina de: Januária Cristina AlvesUma conversa sobre jornal - principais conceitos“É preciso repensar o papel da Escola. É preciso criar as condições de umaprática da leitura não mais centrada na formação do alfabetizado, mas doleitor. Mais do que oferecer o que ler, é necessário oferecer razões do queler.” (Jean Foucambert) 1. Comunicar para se expressar • “A idéia comanda a forma de se expressar”. • Palavras servem para expressar idéias, sentimentos, sensações. Palavras também servem para representar a realidade. • A comunicação é uma necessidade intrínseca do ser humano: “Quem não se comunica, se trumbica” (Chacrinha). • “O fato fundamental de toda a cultura é a linguagem: um sistema de símbolos verbais destinados à comunicação inter-humana. Sem comunicação verbal, nenhuma das formas de vida social tipicamente humana poderia ter se desenvolvido”. (Dicionário de Sociologia) • “Comunicar-se significa associar-se de algum modo.” (Décio Pignatari) • Portanto, COMUNICAÇÃO não é apenas uma resposta dada, mas a RELAÇÃO estabelecida pela transmissão de estímulos e pela provocação de respostas. • E COMO nos comunicamos? • Através de narrativas, de histórias com começo, meio e fim. A narrativa faz parte da configuração da mente humana. Organizamos tudo em forma de HISTÓRIAS. A antropologia já comprovou que não existe povo sem narrativas, elas são viscerais para a espécie humana. A narrativa compõe tudo o que comunica: mitos, lendas, fábulas, novelas, histórias em quadrinhos, JORNAIS, RÁDIOS, TVS... • A estrutura narrativa foi bastante pesquisada e é importante compreender que ela é detonada a partir de um DANO, ou seja, de uma carência, necessidade. Este dano ou carência desencadeia ações (provas,
  2. 2. lutas) que vão reparar o dano ou sanar a carência. Não há narrativas sem danos e elas caminham em duas direções: ou tudo vai se resolver (melhorar) ou tudo vai se complicar (piorar)!• Quando contamos histórias, na verdade, buscamos sentido para nossas vidas, já que esta é a grande busca do ser humano. As narrativas, as histórias, nos trazem, antes demais nada, INFORMAÇÕES sobre determinados assuntos.• A INFORMAÇÃO, portanto, é a matéria-prima da comunicação eficaz!• RESUMINDO:• ... nos comunicamos através de narrativas porque elas nos ajudam a organizar nossos pensamentos, a planejar nossas ações, a expressar quem somos e o que queremos e nos oferecem as informações necessárias para estabelecermos relações na sociedade.2. Dado, informação, conhecimento: instrumentos de inserção social• E o que é informação? INFORMAÇÃO é a medida da redução da incerteza sobre um determinado estado de coisas, por intermédio de uma mensagem (Teoria da Informação). É uma abstração informal, que está na mente de alguém, representando algo significativo para aquela pessoa (Setzer). DADO é o que se apresenta à consciência como imediato, não construído ou elaborado (Filosofia). É a representação convencional de fatos, conceitos ou instruções de forma apropriada para a comunicação e processamento por meios automáticos (Dic. Aurélio). É uma seqüência de símbolos quantificados e quantificáveis (Valdemar Setzer).• O que é mais importante obter para se relacionar: informações ou dados?• As informações são dados que possuem UM SIGNIFICADO E UMA APLICAÇÃO/SENTIDO para nós. Informação que faz sentido gera CONHECIMENTO. Dados sem aplicação ou utilidade geram CONFUSÃO E STRESS• CONHECIMENTO, segundo Setzer, é uma abstração interior, pessoal, de algo que foi experienciado, vivenciado por alguém.• Em nossa sociedade o conhecimento é a ferramenta que possibilita o
  3. 3. progresso, objetivo maior do trabalho. • Estar informado ou bem informado equivale a “fazer parte”, “estar no contexto”. Em nossa sociedade ninguém pode ficar “de fora” sob pena de não sobreviver, estar bem informado é VITAL. • Na verdade, consumimos informações para alimentarmos o sentido de “pertencimento” a algo maior do que nós mesmos: a sociedade. • Por isso, a questão da leitura não se restringe tão somente à decodificação dos signos, mas principalmente à compreensão do texto. • “O aprendizado deve concentrar-se no desenvolvimento das estratégias de leitura e não mais na aquisição de regras de funcionamento do sistema alfabético, supostamente a única via de acesso à escrita” (Foucambert). • Jornal e escola: instrumentos privilegiados de construção de significados, parceiros na construção de conhecimento. 3. O que é jornal? Segundo o Dicionário Aurélio o jornal é “gazeta diária, periódico, escrito no qual se relatam os acontecimentos do dia a dia, diário”; Segundo o Manual de Redação do jornal Folha de S.Paulo, o jornal é um “meio de comunicação impresso, noticioso e periódico que apresenta notícias sobre assuntos gerais e especializados”...• O jornal é um veículo de comunicação que, como o rádio, a televisão e outros meios, traz notícias sobre os mais diversos assuntos para seu público leitor.• Porém, o que difere um meio de comunicação do outro? É seu processo de produção e suas características específicas, no caso dos jornais temos:a) a utilização da linguagem escrita,b) o processo de impressão e circulação,c) a própria forma como se estrutura a informação (notícia, reportagem, artigo, editorial, etc.),d) como ela é organizada (seções, cadernos, suplementos, etc.) e, finalmente,e) como tudo isto se articula naquilo que chamamos da sua arquitetura informacional.• Ou seja, a apresentação, de maneira absolutamente “amigável”, num mesmo texto ou página, de letras, números, imagens, gráficos, entre outros, organizados através de recursos gráficos (manchete, olho, box, legendas, vinhetas, etc.) facilitando a leitura e a comunicação, é o que define a linguagem jornalística.
  4. 4. • Isso para dizer que a linguagem jornalística vai além do “ser objetiva e concisa”. Ela é todo um conjunto de elementos que devem ser conhecidos pelas crianças que vão trabalhar com o jornal. Assim, ao se trabalhar com o jornal, deve-se usá-lo inteiro e não apenas cadernos específicos ou artigos recortados (isso pode ser feito posteriormente, quando as crianças já tiverem compreendido o que é a linguagem jornalística). 4. O jornal como recurso pedagógico• A força do jornal como recurso pedagógico está na sua própria linguagem. Explorar esse universo deve ser a primeira tarefa a ser compreendida pelo professor e apresentada aos alunos.• “... um jornal é um veículo de informação e a informação é uma matéria prima fundamental na escola. Naturalmente, na mesma medida em que a escola não é um supermercado de informações, um jornal não é um banco de dados. O texto jornalístico articula informações, estabelecendo relações e construindo o significado da mensagem que veicula.” (Nilson José Machado)• O jornal, por sua natureza multi e transdisciplinar, permite um sem número de atividades e reflexões que possibilitam ao educador e ao educando uma troca de idéias e de experiências sobre qualquer assunto do nosso cotidiano. Assim, é o instrumento ideal para um trabalho crítico num espaço como a escola.• Segundo a Profa. Dra. Maria Alice Faria “o trabalho com as formas de informação tal como as encontramos nos jornais de hoje é importante não só para aprofundar o domínio da língua entre alunos, como para desenvolver- lhes o espírito crítico e preveni-los sobre as ilusões da neutralidade e objetividade do texto jornalístico.”• O jornal é um importante aliado não só para o ensino de quaisquer disciplinas do currículo escolar, mas também para o exercício expressivo da criança. O educador francês Celéstin Freinet é responsável pela criação de um método de confecção de jornal escolar que é uma das “pedras de toque” da moderna pedagogia. Ele desenvolveu uma metodologia na qual o jornal aparece como um elemento que contribui com inúmeras vantagens pedagógicas, psicológicas, sociais, expressivas, entre outras, para a formação da criança e do jovem.
  5. 5. • Ao propor a feitura do jornal em sala de aula, Freinet atentou especialmente para um aspecto fundamental na vida do ser humano: a necessidade de falar, de compartilhar através da fala. Afinal, vivenciando este processo, o homem se "humaniza". Externar seu pensamento (o método prevê, inclusive, a troca de jornais entre escolas de todo o mundo), experienciar as possibilidades expressivas e participativas oferecidas pela leitura e escrita, faz com que a criança se perceba como ser criador: "Utilizando o texto livre e o jornal escolar, alimentamos e exploramos esta necessidade de exteriorização da criança. Tecnicamente, é desta necessidade que partimos para todo o trabalho de instrução e educação que vamos empreender.".• Por outro lado, a educadora argentina Ana Teberosky tomou o jornal como um importante mediador entre a criança e a escrita. Para ela, o jornal infantil representa "...uma oferta diversificada de situações de uso da escrita...Esse tipo de atividade tem a vantagem de contribuir para a comunicação e a interação social através de intercâmbios de informações, mas também pode contribuir para gerar situações de interpretação e de novas aprendizagens." .• Segundo a educadora, a produção e a leitura de notícias pelas crianças envolve, além de um exercício funcional, uma tarefa criativa: "Se consideramos os objetivos pedagógicos de criatividade e funcionalidade, é evidente que as produções escritas das crianças que apresentamos podem ser qualificadas de funcionais, pela apropriação do mundo adulto por meio de notícias, dos anúncios, e de criativas pela produção de textos que supõem." 5. Como ler jornal? • Ler jornais diariamente, pressupõe um tipo de leitura ágil, rápida, seletiva e o mais agradável possível, para que nos orientemos e a nossos alunos a se constituírem em assíduos leitores. Quanto mais familiarizados com o meio e mais freqüentemente nos lançarmos a sua leitura, mais ágeis e competentes nos tornamos como leitores. • A leitura do jornal impresso permite ao leitor uma outra forma de reflexão sobre a notícia, visto que, pelo próprio fato de se ter que ler – o que exige um outro tipo de habilidade mental – a pessoa aciona outros referenciais, interligando informações, conectando idéias e trabalhando,
  6. 6. simultaneamente com outras informações que estão dispostas na mesma página. • A contextualização da notícia, ou seja, ao lado de que outras notícias ela está impressa, também acaba se tornando um interessante elemento na própria análise dos assuntos. Isso não acontece com as notícias de TV ou da Internet, por exemplo, que, de tão rápidas e com múltiplas possibilidades de leitura, não deixam muito espaço para esse tipo de exercício e interpretação. • O suporte impresso, portanto, permite ao leitor uma visão dos acontecimentos diferente da que ele obtém com as outras mídias. Por isso, no trabalho com jornal é importante saber o quê e onde buscar o que é do nosso interesse; que artigos e que tipo de notícia deve atrair nossa atenção; quais jornalistas ou colaboradores são de nosso agrado e quais não nos interessam saber a opinião, constituem-se elementos que nos permitem ler um jornal diário em quinze minutos, por exemplo.ALGUMAS DICAS PARA UMA LEITURA ÁGIL DO JORNAL1. Ler em lugar agradável, com iluminação adequada;2. Ler todos os títulos, subtítulos, manchetes e legendas das fotografias;3. Identificar, através da leitura dos lides, o assunto de cada matéria;4. Julgar quais merecem ser lidas;5. Ler o editorial quando de interesse ou sobre assunto importante;6. Ler artigos assinados dos articulistas ou colaboradores de nossa confiança ou sobre assuntos que queremos formar opinião;7. Discutir e conversar com pais, amigos, professores o que se leu no jornal. É impressionante como em curto espaço de tempo crescerá o repertório de informações do leitor.In: Cadernos Folha educação – 1993. 6. Como fazer jornal em sala de aula? • O processo de confecção de jornal na sala de aula não deve ser dissociado da leitura do jornal. Ou seja, para fazer um jornal a criança ou o jovem deve conhecê-lo e ter uma certa familiaridade com ele. Ao saber como é a dinâmica da produção das notícias poderá construir o seu
  7. 7. jornal, de acordo com um projeto editorial a ser elaborado em conjunto com o professor.• Ao contrário do que se pode imaginar à primeira vista, construir um jornal não se limita apenas a produzir de textos para um suporte impresso em papel. Ela pode ser uma atividade lúdica, criativa, que envolve, além da construção de textos escritos, a de histórias em quadrinhos, desenhos, fotos e/ou ilustrações e, além de tudo, o suporte pode ser um vídeo ou mesmo uma fita cassete (um programa para rádio, por exemplo). O importante é ressaltar que a produção do jornal é um exercício onde cada um pode expressar sua visão do mundo, opiniões e inventividade, e que ele pode ser um canal de comunicação interessante na comunidade onde está inserido.• Independentemente de qual suporte será escolhido pelos alunos algumas dicas são preciosas para que a feitura do jornal seja também um trabalho crítico e formador da cidadania: a) a escolha dos temas deve ser democrática, procurando-se definir o conteúdo do material a partir do público-alvo a ser atingido. Esta escolha pode acontecer em um debate onde toda a turma possa participar, vencendo os temas que a maioria considerar mais relevantes; b) o mesmo deverá acontecer em relação às funções a serem exercidas por cada um – digitador, repórter, editor de textos, fotógrafo, chargista – de forma que, se possível, haja um rodízio e a cada número do jornal essas atribuições sejam mudadas. Assim, cada aluno terá oportunidade de vivenciar todo o processo de produção do jornal; c) o processo de produção deverá ser acompanhado por todos através de reuniões periódicas, de forma que os alunos tenham, ao longo do trabalho, uma visão da sua contribuição no todo; d) concluído o jornal, seria muito rico para o trabalho, discutir sua apresentação – seja gráfica, em vídeo ou em outro suporte - assim como a sua veiculação, fazendo com que os alunos percebam que o jornal é um bem de consumo como outro qualquer e que, para tal, tem que obedecer certas regras do mercado para poder ser inserido nele; e) fechando o ciclo da produção da notícia, seria válido tentar observar como foi a recepção do produto pelo público-alvo e comunidade escolar, sucedendo-se, desta forma, uma avaliação de
  8. 8. todo o processo vivido pelos alunos. Esta avaliação deve ser registrada e utilizada como base para futuros números do jornal. • Vale lembrar que o professor pode (e deve!) criar o jornal necessário às questões que deseja tratar com os alunos. Há, inclusive, uma forte tendência a usa-los nos Projetos desenvolvidos em toda a escola, o que é muito apropriado, pela característica multi e transdisciplinar do jornal, como já falamos. • É bom frisar também que, os modelos tradicionais que conhecemos, veiculados pela mídia em geral, não devem ser “camisas de força” mas servir de inspiração para a (re)criação de outros no espaço da sala de aula e/ou biblioteca.“Quando os cidadãos souberem que o jornal pode mentir ou pelo menos, que elepode apresentar como definitivas soluções que não passam de aspectosparciais dos problemas impostos pela vida; quando estiverem aptos a discutircom prudência, mas também com ousadia, quando tiverem uma formaçãobaseada na investigação experimental e na criatividade (...), haverá entãoqualquer coisa de diferente nas nossas democracias."(Célestin Freinet) 7. BibliografiaDIMENSTEIN, Gilberto, Aprendizes do Futuro, São Paulo, Editora Ática,1997.FARIA, Maria Alice, Como usar o jornal em sala de aula, São Paulo, EditoraContexto, 1996._____, Maria Alice. O Jornal na Sala de Aula, SP, Contexto, 1991.FOUCAMBERT. Jean. A leitura em questão, Porto Alegre, Artes Médicas,1994.FREINET, Cèlestin. O Jornal Escolar, Portugal, Editorial Estampa, 1974.
  9. 9. MACHADO, Nilson José. Cidadania e Educação, SP, Escrituras Editora, 1997.PERROTTI, Edmir. Confinamento Cultural, Infância e Leitura, SP, Summus,1990.SANTOS, Antônio e PINTO, Manuel, O Jornal Escolar, Portugal, Edições Asa,1992.SANTOS, Maria Lúcia dos. A Expressão livre no Aprendizado da LínguaPortuguesa, SP, Scipione, 1993.SETZER, Valdemar W. Meios eletrônicos e Educação – uma visão alternativa,SP, Escrituras, 2002.SOARES, Ismar de Oliveira. Para uma Leitura Crítica dos Jornais, SP, Ed.Paulinas, 1984.______, Ismar de Oliveira. Comunicação e Criatividade. SP, Ed. Paulinas,1995.Januária Cristina Alvesibi Entrepalavras Rua Guarará, 258znb Jd. Paulista 01425.000 São Paulo - SP telefax: (11) 3887-8819 celular: (11) 9272-7283 e-mail: janualves@uol.com.br

×