Reposta Imune Contra as Infecções

41.415 visualizações

Publicada em

Aula Imunologia ICS 045 - UFBA

Publicada em: Saúde e medicina, Tecnologia
1 comentário
7 gostaram
Estatísticas
Notas
Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
41.415
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
327
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
626
Comentários
1
Gostaram
7
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Reposta Imune Contra as Infecções

  1. 1. Resposta Imune contra as Infecções
  2. 2. Alguns patógenos causadores de doenças na especíe humana
  3. 4. Resposta imune contra as infecções <ul><li>Mecanismos imunes inatos atuam imediatamente. </li></ul><ul><li>Algumas horas mais tarde, são acompanhados por respostas induzidas precocemente . </li></ul><ul><li>Vários dias são requeridos para a expansão clonal e a diferenciação dos linfócitos naive em células efetoras T e B. </li></ul><ul><li>Durante este período, memória imunológica é também estabelecida, assegurando uma rápida re-indução de anticorpos e cels. T específicas nos encontros subseqüentes com o mesmo patógeno. </li></ul>
  4. 5. A resposta à infecção inicial ocorre em três fases
  5. 6. Compartimentos onde os patógenos podem ser encontrados
  6. 7. Mecanismos de dano tecidual causados pelos patógenos
  7. 8. Superfície epitelial-Barreira natural à infecção <ul><li>Pele e a superfície das estruturas tubulares, como tratos gastrointestinal, respiratório e genitourinário. </li></ul><ul><li>Patógenos normalmente cruzam a barreira epitelial, aderindo-se às moléculas presentes nas células epiteliais da mucosa. </li></ul><ul><li>Superfície epitelial tb produz substâncias que são microbicidas ou inibem o crescimento microbiano, por ex, o pH ácido do estômago e as enzimas digestivas do trato gastrointestinal superior constituem uma barreira química à infecção. </li></ul>
  8. 9. Superfície epitelial-Barreira natural à infecção <ul><li>Criptidinas, produzidas pelas células de Paneth, residentes na base das criptas no intestino delgado, são peptídeos anti-bacterianos. </li></ul><ul><li>Epitélio está associado à flora normal de bactérias não-patogênicas que competem com os microorganismos patogênicos por nutrientes e por ligação às células. </li></ul><ul><li>Flora normal-produção de substs. anti-microbianas que evitam a colonização por outras bactérias. </li></ul>
  9. 10. Mecanismos imunes contra a infecção
  10. 11. Mecanismos de imunidade Inata contra micróbios <ul><li>A via alternativa do complemento </li></ul>
  11. 12. Mecanismos de imunidade Inata contra micróbios <ul><li>Fagócitos iniciam a imunidade celular inata e iniciam as repostas imunes de defesa do hospedeiro. </li></ul><ul><li>Uma série de receptores que reconhecem componentes microbianos, induzindo fagocitose e liberação de citocinas. </li></ul><ul><li>Quando os patógenos atravessam a barreira epitelial, são imediatamente reconhecidos pelos fagócitos no tecido conjuntivo. </li></ul><ul><li>Resposta inata celular imediata: fagocitose, destruição do patógeno e migração de neutrófilos, processo pode evitar o estabelecimento da infecção. </li></ul><ul><li>Secreção de citocinas pelos fagocitos. Importantes na próxima fase de defesa </li></ul>
  12. 13. TNF-alfa e quimiocinas <ul><li>TNF-alfa- liberado pelo macrófago, possui efeitos locais protetores, mas pode causar choque quando liberado sistemicamente. </li></ul><ul><li>Quimiocinas – responsável pelo recrutamento de novos leucócitos para o sítio inflamatório. Sintetizado por fagócitos, cels endoteliais, queratinócitos, fibroblastos e cels da musculatura lisa do tecido conectivo. </li></ul>
  13. 14. Resposta inflamatória <ul><li>Efeitos locais combinados destes mediadores resultam na resposta inflamatória- reação local imediata da infecção </li></ul><ul><li>Aumento do diâmetro vascular, com um aumento do fluxo sanguíneo local </li></ul><ul><li>Diminuição do fluxo sanguíneo, especialmente ao longo das superfícies dos vasos sanguíneos locais. </li></ul><ul><li>Nos sítios inflamatórios, os leucócitos saem do centro dos vasos e interagem com o endotélio vascular. </li></ul><ul><li>Aumento na permebilidade vascular, acúmulo de fluido, Igs, C e outras proteinas sanguineas. </li></ul><ul><li>Mediadores induzem no endotélio expressão de moléculas de adesão, aumentando a taxa de de células fagocíticas nos tecidos. </li></ul>
  14. 15. Neutrófilos são as primeiras células que chegam nos sítios inflamatórios <ul><li>Papel de fagocitose de patógenos recobertos de Ac ou C. </li></ul><ul><li>Fagocitose de bactérias, mesmo na ausencia de Ac. </li></ul><ul><li>Produzem vários produtos tóxicos e bacteriostáticos </li></ul><ul><li>Combinacao de metabolitos toxicos de O, NO, proteases, fosfolipases e proteinas anti-bacterianas, eficazes contra bacts Gram – e +, fungos e mesmo vírus encapsulados. </li></ul>
  15. 16. NK-primeira defesa contra infecções virais e algumas bactérias intracelulares <ul><li>NK ativadas por IL-12 e TNF-alfa- produção de grandes quantidades de IFN-gama, importante no controle da infecção antes da ativação das cels T </li></ul>
  16. 17. Interferons-Inibição viral <ul><li>Infecção de cels. com virus induzem interferons, que interferem com a replicação viral </li></ul><ul><li>Bloqueiam a disseminação para cels. não infectadas. </li></ul><ul><li>interferon alfa e beta sintetizados por muitos tipos celulares diferentes. </li></ul>
  17. 18. InterferonsInibição viral
  18. 19. Resposta imune contra as infecções <ul><li>Uma infecção inicial, uma vez estabelecida, geralmente leva a uma doença perceptível seguida por resposta imune adaptativa eficiente. </li></ul><ul><li>Cura envolve a remoção das partículas extracelulares infecciosas e dos resíduos intracelulares da infecção. </li></ul><ul><li>Em alguns casos, a infecção ou, raramente, a resposta a ela é causa de dano tecidual significante. </li></ul><ul><li>Além da remoção dos agentes infecciosos, a resposta imune adaptativa pode evitar a re-infecção. </li></ul>
  19. 20. Imunidade adaptativa a infeccoes <ul><li>A imunidade adaptativa ocorre quando agentes infecciosos conseguem “escapar” dos mecanismos inatos de defesa, levando à indução da Resposta Imune. </li></ul><ul><li>Torna-se efetiva somente após vários dias, tempo requerido para que linf. B e T proliferem e se diferenciem em cels. efetoras. </li></ul>
  20. 21. Imunidade adaptativa a infeccoes <ul><li>O primeiro passo na imunidade adaptativa é a ativação das cels T nos órgãos linfóides drenantes. </li></ul><ul><li>Antígenos nos tecidos são levados para os órgãos linfóides regionais, onde ocorre apresentação aos Linf.T presentes, enquanto aqueles Ags que estão na corrente circulatória são capturadas pelas APC no baço e a sensibilização das cels. linfóides ocorre na sua polpa branca. </li></ul>
  21. 22. Imunidade adaptativa a infecções
  22. 23. A diferenciação dos linf. TCD4+ em cels efetoras é influenciada pelas citocinas elicitadas pelos patógenos
  23. 24. Mecanismo de defesa contra protozoários intracelulares Th1 ativa os macrófagos, tornando-os altamente microbicidas
  24. 25. Os mecanismos efetores usados para eliminação do patógeno dependem do agente infeccioso <ul><li>Uma resposta adaptativa primária à infecção serve para eliminação da infecção primária e prover proteção contra re-infecção com o mesmo patógeno. </li></ul><ul><li>Entretanto, alguns patógenos persistem por muito tempo, tais como Toxoplasma , Leishmania e herpes vírus. </li></ul>
  25. 26. Memória Imunológica <ul><li>Capacidade do organismo em responder, de forma mais rápida e efetiva, a patógenos encontrados previamente. </li></ul><ul><li>Reflete a pré-existência de populações antígeno-específicas que apresentaram expansão clonal. </li></ul><ul><li>A manutenção da memória imunológica, ainda não é completamente compreendida </li></ul>
  26. 27. Mecanismos de Escape dos Parasitas Inibição de Moléculas MHC classe I Liberação de antígenos de superfície Resistência aos Acs e complemento (clivagem Latência Bloqueio da fusão do lisossoma Imunossupressão “ Camuflagem” : Ags do hospedeiro *Variação antigênica Mecanismos de Evasão Imune
  27. 28. Mecanismos de escape dos patógenos <ul><li>Variação antigênica- importante para patógenos extracelulares </li></ul><ul><li>1-Grande variabilidade de tipos antigênicos , por ex., 84 tipos de S. pneumoniae- diferem quanto à estrutura dos polissacarídeos de sua cápsula. </li></ul>
  28. 29. Mecanismos de escape dos patógenos <ul><li>Variação antigênica- </li></ul><ul><li>2- Influenza vírus- </li></ul><ul><li>Antigenic drift- mutações pontuais-escapam da neutralização dos Acs, . </li></ul><ul><li>Antigenic shift- troca de material genético entre virus diferentes ou relacionados, levando ao não reconhecimento dos anticorpos </li></ul>
  29. 30. Mecanismos de escape dos patógenos <ul><li>Variação antigênica- </li></ul><ul><li>3-Rearranjo no DNA do patógeno induzindo mudanças nos antígenos principais de superfície (VSG) </li></ul><ul><li>- Plasmodium </li></ul><ul><li>-Trypanosoma </li></ul>
  30. 31. Alguns vírus persistem in vivo, cessando a sua replicação até o desaparecimento da RI <ul><li>Virus entram no estado de latência- não há replicação. </li></ul><ul><li>Não causa doença, mas tampouco não há proteínas virais a serem detectadas pelos componentes da RI. </li></ul><ul><li>Tais infecções latentes podem ser re-ativadas, resultando em doença recorrente. </li></ul>
  31. 32. Alguns patógenos resistem à destruição por mecanismos de defesa ou se utilizam destes para a sua sobrevivênica <ul><li>Mycobacterium tuberculosis : Vive no macrófago, evitando a fusão dos fagossomos com os lisossomos, protegendo-se do efeito do conteúdo lisossomal. </li></ul><ul><li>Listeria monocytogenes : escapa do fagossomo para o citoplasma, multiplica-se rapidamente, e espalha-se para cels. adjacentes, sem alcançar o meio extracelular. </li></ul><ul><li>Toxoplasma gondii : geração de vesícula própria, isola-se da célula, não se funde com nenhuma outra vesícula. Permanece como invisível. </li></ul><ul><li>* Treponema pallidum : evita o reconhecimento dos Acs por se recobrir com proteínas próprias do hospedeiro. </li></ul>
  32. 33. Imunossupressão ou respostas imunes inapropriadas podem contribuir para a persistência da doença <ul><li>Estafilococos produzem toxinas, que podem causar supressão da RI. </li></ul><ul><li>Outros patógenos levam a uma imunossupressão transitória durante a fase aguda. </li></ul><ul><li>Infecções oportunísticas - HIV </li></ul><ul><li>Hanseníase-imunossupressão da imunidade celular ou humoral, levando as duas formas da doença. </li></ul><ul><li>Hanseníase lepromatosa </li></ul><ul><li>Hanseníase tuberculoide </li></ul>
  33. 34. Respostas Imunes podem contribuir diretamente para a patogênese <ul><li>Hanseníase – Formação de granulomas </li></ul><ul><li>RSV (respiratory syncytial virus)- Indução de broncoespasmo e aumento da secreção de muco. </li></ul><ul><li>Esquistossomose- Ativação excessiva de Th2 - RI exacerbada levando à inflamação crônica, fibrose hepática e, eventualmente, a dano hepático e cirrose. </li></ul>

×