Ficha de trabalho para o teste

1.715 visualizações

Publicada em

0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
1.715
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
1
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
52
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Ficha de trabalho para o teste

  1. 1. Agrupamento de escolas DE SAMPAIO FICHA DE TRABALHO DE PORTUGUÊS Leia o seguinte texto. Em caso de necessidade, consulte as notas de rodapé referentes ao vocabulário. «O guardador de rebanhos» era Pessoa a prever o Farmville1 5 10 15 20 25 Os hábitos de leitura dos portugueses. Tsk. Juntem 100 pessoas numa sala (de chat) e perguntem-lhes: quem leu Os Maias, de Eça de Queirós? E quem leu os comentários todos deixados no vídeo daquele moço obeso de bigode e óculos de aros grossos que se estampou de skate? Os resultados da sondagem serão alarmantes. Constatar esta realidade é triste, mais ainda porque já não escreve entre nós aquele alguém capaz de alumiar a escura masmorra das redes sociais. Falo, como é óbvio, de Fernando Pessoa. Pessoa, acredito, teria rejubilado nesta era do online. Cada um dos seus heterónimos a marcar presença numa rede social diferente: Alberto Caeiro no Facebook, a liderar o ranking internacional de Farmville; Ricardo Reis limitado a 140 caracteres por verso no Twitter; Álvaro de Campos a passar diretamente do MySpace e do Hi5 para o Google+. […] Alberto Caeiro, é provável, atualizaria o seu status no Facebook via telemóvel, embora no campo tivesse alguns problemas de rede. Ricardo Reis seria o único dos heterónimos a utilizar um tablet. Álvaro de Campos escreveria num computador portátil […]. Mais uma aflição para o Poeta. Arredem-se ideias de que Fernando Pessoa utilizaria as redes sociais para largar ao mundo detalhes comezinhos do seu quotidiano, «vou ali à Brasileira tomar uma bica», «Fernando Pessoa is in a relationship», «acho que hoje exagerei no absinto» […]. Não, Pessoa canalizaria para as redes todo o seu imenso talento e deixaria para as gerações futuras, é certo, uma obra ainda mais vasta, passível de ser consultada, comentada e discutida online. Chega a ser revoltante perceber o número de pessoas que desperdiçam as ferramentas de expressão que a época presente lhes proporciona em tiradas dignas do mais reles manual de autoajuda, quando a Pessoa não foi dada a oportunidade de espalhar em tempo real a sua Mensagem; uma obra maior em permanente atualização, à medida que os Mostrengos se multiplicam e o Quinto Império se reduz a um quinto de Império, ou menos. Quem sabe se o Poeta não teria já convocado uma megamanifestação numa rede social? Devemos a Fernando Pessoa um maior zelo nos dislates que partilhamos online. O vazio só não o é de Poesia, ensinou-nos o Poeta. Esteja então alguma presente no vazio das nossas palavras, tão cheias de nós. Em faltando Poesia, haja pelo menos um pouco de Cabecinha. […] Cuide-se do que se lê, mas também do que se escreve, do que se diz, dentro e fora das redes sociais. Cada palavra vale. Tem tanta importância quanto tosquiar ovelhas no Farmville. Talvez até um bocadinho mais, atrevo-me a dizer. Mas isto sou eu, que sempre preferi Mafia Wars2. Filipe Homem FONSECA, in Os meus livros. N.º 103, outubro 2011 1 2 Farmville: jogo virtual baseado na gestão de quintas. Mafia Wars: jogo virtual.
  2. 2. Responda aos itens que se seguem, de acordo com as orientações que lhe são dadas. 1. Selecione, em cada um dos itens de 1.1. a 1.10., a única alternativa que permite obter uma afirmação adequada ao sentido do texto. Escreva, na folha de respostas, o número de cada item, seguido da letra que identifica a alternativa correta. 1.1. Na expressão «Os hábitos de leitura dos portugueses» (linha 1), o grupo preposicional «de leitura» é (A) um modificador do nome restritivo. (B) um modificador do nome apositivo. (C) um complemento do nome. (D) um complemento do adjetivo. 1.2. «Tsk» (linha 1) é (A) uma interjeição utilizada com uma intenção depreciativa. (B) uma sigla com um valor exclamativo. (C) uma aliteração que sublinha o espanto do cronista. (D) uma expressão coloquial que realça a intenção crítica do parágrafo. 1.3. O grupo nominal «100 pessoas» (linha 1), constituído por (A) um quantificador e um nome, é o sujeito da oração de que faz parte. (B) um determinante e um nome, é o complemento indireto da oração em que se integra. (C) um quantificador e um nome, é o complemento direto da oração em que se encontra. (D) um determinante e um nome, é o complemento oblíquo da oração em que se enquadra. 1.4. Na passagem «aquele alguém capaz de alumiar a escura masmorra das redes sociais» (linhas 5 e 6), o grupo preposicional que contém uma oração infinitiva tem a função sintática de (A) modificador do nome apositivo. (B) modificador do grupo verbal. (C) complemento do adjetivo. (D) complemento do nome. 1.5. A expressão «rede social» (linha 7) é um (A) hipónimo de «Facebook». (B) hiperónimo de «Facebook». (C) merónimo de «Facebook». (D) holónimo de «Facebook». 1.6. No grupo nominal «rede social» (linha 7), o adjetivo constitui (A) um modificador do nome restritivo. (B) um modificador no nome apositivo. (C) um predicativo do sujeito. (D) um complemento do nome. 1.7. Na citação «Arredem-se ideias» (linha 13), o sujeito é (A) simples. (B) nulo subentendido. (C) nulo indeterminado. (D) nulo expletivo. 1.8. Na oração «para largar ao mundo detalhes comezinhos do seu quotidiano» (linhas 13 e 14), a palavra sublinhada é (A) um nome no grau diminutivo. (B) um adjetivo qualificativo. (C) um advérbio de modo. (D) um verbo no particípio passado.
  3. 3. 1.9. Na frase «”vou ali à Brasileira tomar uma bica”» (linha 14), a expressão sublinhada é (A) o complemento direto. (B) o complemento indireto. (C) o complemento oblíquo. (D) o modificador do grupo verbal. 1.10. Na oração «ensinou-nos o Poeta» (linha 23), o pronome tem a função sintática de (A) sujeito. (B) complemento direto. (C) complemento indireto. (D) complemento oblíquo. 2. Responda de forma correta aos itens gramaticais apresentados. 2.1. Refira o modo e a pessoa da forma verbal presente na seguinte frase: «Pessoa […] teria rejubilado nesta era do online.» (linhas 6 e 7). 2.2. Classifique a oração subordinada presente na seguinte frase: «Alberto Caeiro, é provável, atualizaria o seu status no Facebook via telemóvel, embora no campo tivesse alguns problemas de rede.» (linhas 10 e 11). 2.3. Identifique a função sintática da expressão sublinhada em «Pessoa canalizaria para as redes sociais todo o seu imenso talento» (linhas 15 e 16). 2.4. Indique o modo, o tempo e a voz da forma verbal sublinhada na seguinte frase: «a Pessoa não foi dada a oportunidade de espalhar em tempo real a sua Mensagem» (linhas 19 e 20). 2.5. Refira a classe e a subclasse a que pertencem as três palavras da seguinte expressão: «o Quinto Império» (linhas 20 e 21). 2.6. Classifique a oração subordinada presente na seguinte frase: «Quem sabe se o Poeta não teria já convocado uma megamanifestação numa rede social?» (linhas 21 e 22). 3. Dê respostas completas aos itens que se seguem. 3.1. Refira a intenção do autor do texto ao colocar duas perguntas «numa sala (de chat)» a «100 pessoas» (linha 1). 3.2. Justifique os hipotéticos comportamentos online atribuídos a cada um dos heterónimos no segundo parágrafo do texto. 3.3. Explique as implicações da seguinte afirmação presente nas linhas 13 e 14: «Arredem-se ideias de que Fernando Pessoa utilizaria as redes sociais para largar ao mundo detalhes comezinhos do seu quotidiano». 3.4. Faça uma paráfrase da indignação do autor do texto expressa nas linhas 17 a 20. 3.5. Na seguinte citação, Filipe Homem Fonseca faz alusões à obra Mensagem de Fernando Pessoa: «uma obra maior em permanente atualização, à medida que os Mostrengos se multiplicam e o Quinto Império se reduz a um quinto de Império, ou menos.» (linhas 20 a 21). Esclareça o sentido crítico destas referências. 3.6. Explique os conselhos que o autor dá ao leitor no último parágrafo. Página 3 3.7. Identifique a ironia patente nas linhas finais do texto que leu.
  4. 4. Agrupamento de escolas DE SAMPAIO CORREÇÃO DA FICHA DE TRABALHO DE PORTUGUÊS 1.1. Na expressão «Os hábitos de leitura dos portugueses» (linha 1), o grupo preposicional «de leitura» é (A) um modificador do nome restritivo. (B) um modificador do nome apositivo. (C) um complemento do nome. (D) um complemento do adjetivo. (NOTA: Se relacionarmos o nome (hábito) com o verbo (habituar-se a) vemos que ambos carecem de um complemento que especifique o seu objeto: um complemento do nome ou um complemento oblíquo, respetivamente.) 1.2. «Tsk» (linha 1) é (A) uma interjeição utilizada com uma intenção depreciativa. (B) uma sigla com um valor exclamativo. (C) uma aliteração que sublinha o espanto do cronista. (D) uma expressão coloquial que realça a intenção crítica do parágrafo. 1.3. O grupo nominal «100 pessoas» (linha 1), constituído por (A) um quantificador e um nome, é o sujeito da oração de que faz parte. (B) um determinante e um nome, é o complemento indireto da oração em que se integra. (C) um quantificador e um nome, é o complemento direto da oração em que se encontra. (D) um determinante e um nome, é o complemento oblíquo da oração em que se enquadra. 1.4. Na passagem «aquele alguém capaz de alumiar a escura masmorra das redes sociais» (linhas 5 e 6), o grupo preposicional que contém uma oração infinitiva tem a função sintática de (A) modificador do nome apositivo. (B) modificador do grupo verbal. (C) complemento do adjetivo. (D) complemento do nome. 1.5. A expressão «rede social» (linha 7) é um (A) hipónimo de «Facebook». (B) hiperónimo de «Facebook». (C) merónimo de «Facebook». (D) holónimo de «Facebook». Página (NOTA: O grupo nominal «rede social» é uma expressão consagrada, na qual, para definir o referente em questão, não pode dissociar-se o nome do adjetivo, constituindo este, portanto, um complemento do primeiro.) 4 1.6. No grupo nominal «rede social» (linha 7), o adjetivo constitui (A) um modificador do nome restritivo. (B) um modificador no nome apositivo. (C) um predicativo do sujeito. (D) um complemento do nome.
  5. 5. 1.7. Na citação «Arredem-se ideias» (linha 13), o sujeito é (A) simples. (B) nulo subentendido. (C) nulo indeterminado. (D) nulo expletivo. 1.8. Na oração «para largar ao mundo detalhes comezinhos do seu quotidiano» (linhas 13 e 14), a palavra sublinhada é (A) um nome no grau diminutivo. (B) um adjetivo qualificativo. (C) um advérbio de modo. (D) um verbo no particípio passado. 1.9. Na frase «”vou ali à Brasileira tomar uma bica”» (linha 14), a expressão sublinhada é (A) o complemento direto. (B) o complemento indireto. (C) o complemento oblíquo. (D) o modificador do grupo verbal. 1.10. Na oração «ensinou-nos o Poeta» (linha 23), o pronome tem a função sintática de (A) sujeito. (B) complemento direto. (C) complemento indireto. (D) complemento oblíquo. 2. Responda de forma correta aos itens gramaticais apresentados. 2.1. Refira o modo e a pessoa da forma verbal presente na seguinte frase: «Pessoa […] teria rejubilado nesta era do online.» (linhas 6 e 7). MODO: condicional composto PESSOA: 3.ª pessoa do singular 2.2. Classifique a oração subordinada presente na seguinte frase: «Alberto Caeiro, é provável, atualizaria o seu status no Facebook via telemóvel, embora no campo tivesse alguns problemas de rede.» (linhas 10 e 11). ORAÇÃO SUBORDINADA ADVERBIAL CONCESSIVA: «embora no campo tivesse alguns problemas de rede». 2.3. Identifique a função sintática da expressão sublinhada em «Pessoa canalizaria para as redes sociais todo o seu imenso talento» (linhas 15 e 16). FUNÇÃO SINTÁTICA: complemento oblíquo 2.4. Indique o modo, o tempo e a voz da forma verbal sublinhada na seguinte frase: «a Pessoa não foi dada a oportunidade de espalhar em tempo real a sua Mensagem» (linhas 19 e 20). MODO: indicativo TEMPO: pretérito perfeito simples VOZ: passiva 2.6. Classifique a oração subordinada presente na seguinte frase: «Quem sabe se o Poeta não teria já convocado uma megamanifestação numa rede social?» (linhas 21 e 22). ORAÇÃO SUBORDINADA SUBSTANTIVA COMPLETIVA: «se o Poeta não teria já convocado uma megamanifestação numa rede social» Página «o»: determinante artigo definido «Quinto»: adjetivo numeral ordinal «Império»: nome próprio (no contexto da expressão «Quinto Império» este nome torna-se próprio, pois designa uma realidade única.) 5 2.5. Refira a classe e a subclasse a que pertencem as três palavras da seguinte expressão: «o Quinto Império» (linhas 20 e 21).
  6. 6. 3. Dê respostas completas aos itens que se seguem. 3.1. Refira a intenção do autor do texto ao colocar duas perguntas «numa sala (de chat)» a «100 pessoas» (linha 1). O autor pretende demonstrar, através das hipotéticas questões que colocaria a 100 pessoas «numa sala (de chat)», que os hábitos de leitura dos portugueses são deploráveis («Os resultados da sondagem serão alarmantes.» — ll. 3-4), pois apenas se interessam pelos faits-divers propalados nas redes sociais em vez de apreciarem obras de grande envergadura como Os Maias. 3.2. Justifique os hipotéticos comportamentos online atribuídos a cada um dos heterónimos no segundo parágrafo do texto. O comportamento de ALBERTO CAEIRO, poeta da Natureza e bucólico de uma espécie complicada, como lhe chamará Fernando Pessoa, está em consonância com o de um jogador exímio de Farmville, pois, simples como pretende ser, na verdade sabe conduzir bem os seus paradoxos. RICARDO REIS e o seu estilo lacónico e depurado combinariam bem com as restrições linguísticas do Twitter e o aspeto estilizado, esteticamente apelativo e contido do tablet. Já ÁLVARO DE CAMPOS, com a sua volubilidade e versatilidade poéticas, com a sua personalidade facetada e bipolar, não se contentaria com uma rede social apenas, antes transitaria freneticamente de uma para a outra, ora louvando a técnica ora lamentando a sua infância perdida, e encontrando ombros amigos em toda a parte e nenhuma. 3.3. Explique as implicações da seguinte afirmação presente nas linhas 13 e 14: «Arredem-se ideias de que Fernando Pessoa utilizaria as redes sociais para largar ao mundo detalhes comezinhos do seu quotidiano». O autor faz ver que, se vivesse no nosso tempo, Fernando Pessoa não desperdiçaria as imensas virtualidades da nossa sociedade de informação e comunicação com a divulgação de mensagens fúteis ou fortuitas como as que o autor refere nas linhas 14 e 15, constituindo esta constatação uma crítica à forma como muitos enchem as redes sociais de inutilidades sobre a sua vida pessoal e sobre o seu dia a dia. 3.4. Faça uma paráfrase da indignação do autor do texto expressa nas linhas 17 a 20. O autor indigna-se com o facto de muitos desaproveitarem as potencialidades que os meios de comunicação do nosso tempo lhes põem à disposição, comparativamente à extraordinária pujança expressiva que um homem do século passado demonstrou, numa época em que não existiam esses meios. 3.5. Na seguinte citação, Filipe Homem Fonseca faz alusões à obra Mensagem de Fernando Pessoa: «uma obra maior em permanente atualização, à medida que os Mostrengos se multiplicam e o Quinto Império se reduz a um quinto de Império, ou menos.» (linhas 20 a 21). Esclareça o sentido crítico destas referências. Para Filipe Homem Fonseca, a Mensagem é uma obra sempre atual, pois não faltam Mostrengos (obstáculos e adversidades) que deveríamos afrontar com tanta coragem como o homem do leme de El-Rei D. João II, nem carecemos de chamadas de atenção à degradação do nosso império (que, em vez de ser o Quinto prometido, lugar utópico de realização da nossa vocação como povo, é um quinto do que deveria ser) e à decadência da nossa soberania. Página No último parágrafo, o autor aconselha a que, mesmo que se não tenha a capacidade de produzir uma obra poética tão notável como a de Fernando Pessoa, se usem ao menos as tecnologias de informação e comunicação com «Cabecinha» (linha 25), medindo as palavras («Cada palavra vale.» — linha 26), valorizando-as e dando-lhes o devido uso, pois elas serão certamente tão ou mais importantes do que os jogos virtuais (por exemplo o Farmville) em que tantos gastam horas da sua existência sem mais préstimo do que um duvidoso prazer alcançado. 6 3.6. Explique os conselhos que o autor dá ao leitor no último parágrafo.
  7. 7. 3.7. Identifique a ironia patente nas linhas finais do texto que leu. Página 7 É com ironia que o autor equipara o valor das palavras ao de uma atividade inútil num mero jogo virtual («Tem tanta importância quanto tosquiar ovelhas no Farmville» — linhas 26-27) e depois a sobreleva muito subtilmente (e muito sarcasticamente) — «Talvez até um bocadinho mais, atrevo-me a dizer.» (linha 27) —, com a intenção de nos mostrar como, na nossa sociedade, perdemos de vista o que importa, deixando-nos enredar em tarefas vãs e sem sentido.

×