Texto o velho o menino e a mulinha

4.350 visualizações

Publicada em

Publicada em: Educação
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
4.350
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
358
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
22
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Texto o velho o menino e a mulinha

  1. 1. ● Leia a história de Monteiro Lobato e insira as imagens de acordo com a situação vivenciada pelos personagens. ● Dica: o professor pode embaralhar os slides ensinando o aluno a usar o classificador de slides. As imagens podem ser produzidas noAtividade no BrOffice Impress Kolour Paint ou Tux Paint. Profª Keyla Krause
  2. 2. O pai chamou o filho e disse:- Vá ao pasto, pegue a bestinharuana e apronte-se para irmos àcidade, que quero vendê-la.O menino foi e trouxe a mula.Passou-lhe a raspadeira,escovou-a e partiram os dois apé, puxando-a pelo cabresto.Queriam que ela chegassedescansada para melhorimpressionar os compradores.
  3. 3. De repente:- Esta é boa! – exclamou umviajante ao avistá-los. O animalvazio e o pobre velho a pé! Quedespropósito! Será promessa,penitência ou caduquice? . . .E lá se foi, a rir.
  4. 4. O velho achou que o viajantetinha razão e ordenou aomenino:- Puxa a mula, meu filho. Eu voumontado e assim tapo a boca domundo.
  5. 5. Tapar a boca do mundo, quebobagem! O velhocompreendeu isso logo adiante,ao passar por um bando delavadeiras ocupadas em baterroupas num córrego.- Que graça! – exclamaramelas.– O marmanjão montado comtodo o sossego e o pobremenino a pé . . . Há cada paimalvado por este mundo deCristo . . . Credo! . . .
  6. 6. O velho danou e, sem dizerpalavra, fez sinal ao filho paraque subisse à garupa.- Quero só ver o que dizemagora . . .Viu logo. O Izé Biriba, estafetado correio, cruzou com eles eexclamou:- Que idiotas! Querem vender oanimal e montam os dois deuma vez . . . Assim, meu velho,o que chega à cidade não émais a mulinha; é a sombra damulinha . . .
  7. 7. - Ele tem razão, meu filho, Assim fizeram, e caminharamprecisamos não judiar o animal. em paz um quilômetro, até oEu apeio e você, que é encontro com um sujeito quelevezinho, vai montado. tirou o chapéu e saudou o pequeno respeitosamente: - Bom dia, príncipe! - Por que príncipe? – indagou o menino. - É boa! Porque só príncipes andam assim de lacaio à rédea . - Lacaio, eu? – esbravejou o velho. – Que desaforo! Desce, desce, meu filho, e carreguemos o burro às costas. Talvez isto contente o mundo . . .
  8. 8. Nem assim. Um grupo de Já vi que morre doido quemrapazes, vendo a estranha procura contentar toda gentecavalgada, acudiu em tumulto, … FIM.com vaias:- Hu! Hu! Olha a trempe de trêsburros, dois de dois pés e um dequatro! Resta saber qual dostrês é o mais burro . . .- Sou eu! – replicou o velho,arriando a carga. Sou eu,porque venho há uma horafazendo não o que quero, mas oque quer o mundo. Daqui emdiante, porém, farei o que memanda a consciência, pouco meimportando que o mundoconcorde ou não.
  9. 9. Vocabulário:ruana: de pêlo branco commanchas escuras earredondadasdespropósito: absurdo,inconveniênciaestafeta: entregador de cartase telegramas; carteirolacaio: criado que acompanhao amo em passeioarriando: descendo,descarregandoreplicou: respondeu

×