SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 104
Elementos Básicos da
Linguagem Visual
A linguagem visual transmite ideias e sensações
através de símbolos.
Os símbolos causam impacto e efeito no
observador, mais do que a linguagem oral
(quando falamos) e escrita (quando lemos ).
Vamos aprender os
seus elementos
básicos, aqueles que
formam a imagem e o
modo como os
percebemos.
Arte Visual
É o estudo e tudo aquilo que é analisado ou
percebido pelo olhar de maneira criativa.
A criação de materiais visuais é
diversificada porque são
múltiplas as necessidades
humanas. Podem ser de ordem
prática, comum ou podem estar
voltadas para a expressão de
um estado de espírito ou de uma
ideia. A maioria das produções
visuais buscam registrar,
preservar, reproduzir e identificar
pessoas, lugares ou objetos
objetivando ampliar o processo
de comunicação humana.
Por quê?
A Arte Visual atua ao representar
visualmente uma forma, cor ou
representação, estando presente no
teatro, na música, no cinema , na
fotografia e demais expressões.
Nos tempos atuais, além de atuar no
segmento artístico, também exercem
papel fundamental na representação
visual comercial, de empresas e
instituições públicas.
Para quê?
Toda arte apreciada pelo olhar é
conceituada como arte visual,
abrange a pintura, o desenho, a
gravura, a fotografia, o cinema, a
escultura, a arquitetura, web
design, a moda, a decoração e o
paisagismo. Lida com o caráter
teórico e prático do estético, seja o
estético do belo, do funcional ou
do fazer pensar.
Elementos Básicos da Linguagem
Visual
• Ponto – sinal gráfico mínimo e elementar,
caracteriza-se por uma localização em um
espaço, quando colocados em fila, criam a ideia
de uma linha. Multiplicados, ampliam seu poder
de comunicação e expressão, bem como, sua
disposição, distanciamento e cor sobre uma
superfície, sugerem ideias, sensações,
movimento , ritmo, luz, sombra e volume.
O ponto indica uma posição no espaço e constrói a
imagem e funciona como referência no espaço
visual por ter um grande poder de atração para a
visão humana.
Os pontos podem agir
agrupados obtendo um
expressivo efeito visual com
formas ordenadas ou aleatórias
em que o olho irá reuni-los em
uma única imagem. Uma série
de pontos forma uma linha, uma
massa de pontos torna-se
textura, forma ou plano.
Dependendo de como os pontos são organizados eles podem ser muito
expressivos.
Ponto
Os pontos, enquanto elementos visuais, podem ser observados facilmente
na natureza e no mundo construído. Fotos: Garcia Junior.
Imagem figurativa formada por pontos.
Ilustração: Garcia JuniorImagem abstrata formada por pontos.
Domingo à tarde na Ilha Grande Jatte. Georges Seurat. França. 1884-86.
Foi uma técnica
inovadora de pintura
desenvolvida pelo
artista francês
Georges Seurat no
final do séc. XIX que
tinha como proposta
formar a imagem
através de
minúsculos pontos de
cores pincelados na
tela de maneira que,
quando as pessoas
observassem à
distância correta,
misturassem os
milhares de pontos
formando a imagem.
PARASABERMAIS Pontilhismo
 LINHA: quando agrupamos
os pontos muito próximos, em uma
sequência ordenada uns após os
outros e de mesmo tamanho,
causam à visão uma ilusão de
direcionamento e acabamos
visualizando-os como uma linha.
Uma linha pode ser uma marca
positiva ou uma lacuna negativa.
Aparecem nos limites dos objetos
e onde dois planos se encontram.
As linhas definem as formas e as
figuras, é o sinal mais versátil e
essencial do desenho, pois pode
sugerir sentimentos, movimento,
ritmo, velocidade...
Linhas gráficas delineando um
desenho.
Linhas físicas imaginárias na
natureza.
Linha
As LINHAS podem ser
classificadas como:
> Geométricas: são
abstratas e tem apenas uma
dimensão, o comprimento;
> Gráficas: linhas
desenhadas ou traçadas
numa superfície qualquer;
> Físicas: podem ser
observadas, principalmente,
nos contornos dos objetos,
naturais ou construídos,
criada de maneira abstrata
na forma de uma percepção
visual ilusória e imaginária
como fios de energia,
rachaduras em pisos, o
horizonte etc.
Linha
A Linha Gráfica pode indicar a
trajetória de um ou vários pontos de
maneira contínua variando quanto:
> à espessura (fina ou grossa);
> à forma (reta, sinuosa, quebrada
ou mista);
> ao traçado (cheia, tracejada,
pontilhada, traço e ponto, etc);
> à posição (horizontal, vertical ou
inclinada).
Destas características destacamos a
forma e a posição que, dependendo
da intenção de quem a desenha, a
linha pode estar carregada de
movimento e energia, assumindo
diversas apresentações para
expressar vários significados.
Podemos visualizar linhas sendo traçadas de modo aleatório ou ordenado na natureza. Foto: Garcia Junior.
Os contornos das construções humanas são facilmente visualizados. Foto: Garcia Junior.
- Retas perpendiculares:
linhas retas que se cruzam
tem “aberturas” iguais
formando um “canto reto”.
- Ângulo: é a “abertura”
formada por duas linhas
semi-retas que partem de
um mesmo ponto.
- Curva: linha que muda o
seu sentido de direção
podendo ser sinuosa,
quebrada ou mista.
PARASABERMAIS - Reta: linha ilimitada nos dois sentidos (sem começo
ou fim) e possui uma única direção.
- Semi-reta: linha que parte de um ponto de origem e
é ilimitada apenas num sentido de crescimento.
- Retas paralelas: linhas retas que não se cruzam e
todos os seus pontos possuem a mesma distância.
 A FORMA é derivada da
organização imaginária que damos
a um conjunto de linhas dando um
sentido de orientação espacial e
de reconhecimento da imagem
representada. A mesma forma
pode se apresentar diferente para
nossa observação de acordo com
a referência visual da superfície
em ela está.
Existem três formas básicas: o
círculo, o quadrado e o
triângulo equilátero, cada qual
com suas características e
especificidades, exercendo no
observador diferentes efeitos
visuais e impressões quanto aos
seus significados.
Forma
As formas podem evidenciar
potenciais características de
acordo com a intenção do criador
da imagem e como trabalhar com
os elementos juntos.
Movimento
Estabilidade
Tensão
Forma
As formas também podem se
dividir em dois grandes grupos:
> Geométricas: figuras
ordenadas perfeitamente (formas
básicas, polígonos etc), não tão
facilmente reconhecidos na
natureza no seu estado mais
puro;
> Orgânicas: formas ordenadas
ou aleatórias em estruturas não
geométricas, observadas
principalmente na natureza, daí o
seu nome (asa de inseto, folha de
árvore, curso e ramificações de
um rio etc).
As formas geométricas que observamos no
mundo real são construídas pelo ser
humano.
Foto: Garcia Junior.
As formas orgânicas são facilmente
observadas na natureza. Foto: Garcia
Junior.
Piet Mondrian era um
artista holandês que
trabalhava com a arte
abstrata geométrica
buscando romper com a
representação figurativa
na arte, ou seja, sendo
contra a cópia mais ou
menos fiel da realidade.
Seguia o movimento
chamado De Stijl (o
Estilo) e reduzia a
imagem aos seus
elementos básicos –
linhas, formas, cores e
ritmo numa composição
que abandona a arte do
“natural” e passa a seguir
formas rígidas e
geométricas.
Composição com vermelho, amarelo e azul. Piet Mondrian.
Holanda. 1921.
PARASABERMAIS
A arte abstrata ou não-figurativa constitui uma das mais significativas correntes
da arte moderna, desenvolvida no mundo ocidental, na primeira metade do
século XX, principalmente na Europa, quando alguns artistas resolveram
romper com a forma tradicional de representação da realidade através da mera
cópia, como passaram a considerar a pintura acadêmica.
 TEXTURA é a qualidade
impressa em uma superfície,
enriquecendo as impressões
e sentidos que teremos de
determinada forma.
A textura pode ser
classificada de duas
maneiras: quanto à sua
natureza e quanto à forma
que ela se apresenta.
Textura
Quanto à natureza:
> Textura tátil - é aquela que
podemos tocar e sentir fisicamente
a sua característica peculiar pelo
tato, como, por exemplo, o reboco
granuloso de uma parede, a
aspereza de uma lixa, a lisura de
uma cerâmica polida;
> Textura ótica - é aquela existente
apenas na ilusão criada pelo olho
humano, como, por exemplo, a
capa de um livro que reproduza a
imagem de uma parede rebocada
ou as imagens impressas num
tecido que criam um padrão de
textura reconhecido pela visão, mas
não sentido pelo tato
Textura
tátil
Textura
Textura
ótica
Quanto à forma que se
apresenta:
> Geométrica – a organização de
formas geométricas num padrão
dentro de uma área ou superfície
acaba dando a esta a
característica de uma textura. Isto
acontece por que agrupamos
muito próximos visualmente os
elementos semelhantes.
Quanto à forma que se
apresenta:
> Orgânica – a superfície possui
uma aparência de algo natural,
iludindo o olho como se pudesse
ser percebida pelo toque.
Ao fazer sua arte de modo
inovador o artista pôde
expressar as características
dos elementos básicos da
linguagem visual.
PARASABERMAIS
Sabendo trabalhar a textura o artista cria efeitos
de impressões visuais das superfícies nas
imagens. Ilustrações: Garcia Junior.
COR: Ao longo da história,
teóricos e artistas tentaram
explicar a natureza da cor e como
o ela ocorre enquanto fenômeno
percebido pela visão.
Como foi dito, enxergamos graças
à presença da luz, e as cores só
existem devido à sua presença
também. A luz natural ou solar é
também denominada de luz
branca, deslocando-se a uma
velocidade a cerca de 300.000
km/s quando propagada no vácuo
(espaço sem ar).
Cor
COR: A luz branca pode ser decomposta em milhões de tonalidades de cores na
natureza, mas o ser humano só é capaz de enxergar e identificar uma parte que
chamamos de espectro luminoso visível. Estas cores podem ser observadas na
natureza na forma do arco-íris, com as gotículas de água suspensas na atmosfera
funcionando como prismas para a decomposição da luz branca.
COR: As cores principais do
espectro luminoso visível
obtido através da
decomposição da luz branca
são: vermelho, laranja,
amarelo, verde, azul, anil e
violeta.
A cor enquanto fenômeno
físico possui leis naturais que
a regem, e, enquanto
fenômeno fisiológico, possui
características identificáveis
quanto ao modo como é
percebida pelo olho humano.
Cor
Efeito de pós-imagem causado pelos contrastes simultâneos das cores. Olhe fixamente para a
imagem acima por alguns segundos. Em seguida olhe fixamente pra uma área branca.
As cores têm forte influência sobre
as pessoas. Animam, relaxam,
provocam emoções boas e más. As
cores quentes aumentam o apetite
nas pessoas, não é à toa que as
lanchonetes preferem os tons de
vermelho, laranja e amarelo na
decoração. Já as chamadas cores
frias têm efeito inverso. Eis por que
se tem uma sensação de
relaxamento ao se olhar o mar.
Essas cores, principalmente o azul,
levam à redução das atividades do
corpo, como se a pessoa estivesse
prestes a adormecer. De certa
maneira, instintivamente, se
conhece a ação das cores.
Ninguém associa emoções
fortes, que fazem disparar o
coração, com tonalidades
suaves e, muito menos,
escuras. A paixão, por
exemplo, é eternamente
simbolizada por corações
vermelhos.
Já quando se está
desanimado, a tendência é
usar roupas de cores frias.
Se as cores estimulam as
pessoas, há quem acredite
que podem até curar
doenças, cada matiz
fornecendo energia para
uma parte específica do
organismo.
Nos quartos dos hospitais
modernos, as paredes estão
sendo pintadas de cores suaves
em substituição ao clássico
branco, isso porque o branco
traz tamanha sensação de paz
que, em pessoas deprimidas por
causa de doenças, pode acabar
resultando numa impressão de
solidão. A ideia de usar cores
para obter determinadas
reações de comportamento é
antiga.
Gueixas com quimonos tradicionais
do Japão. O rosto, ombros e costas
pintadas de branco representam a
pureza e a parte de trás do pescoço
à mostra e não pintado estimula a
sedução.
Nas roupas vestir tons fortes e
contrastantes dá mais colorido à vida,
quando a situação parece “preta”. Em
relação à idade, é interessante
perceber que os jovens — cujo
organismo funciona rápido — gostam
dos tons fortes, justamente os que os
estimulam ainda mais.
Os mais velhos, porém, combinam o
passar dos anos com uma crescente
sobriedade. A cultura de uma
sociedade também influi na escolha
das cores. Povos tropicais costumam
apreciar cores vivas. É só lembrar a
arte plumária dos índios brasileiros. Já
as sociedades do hemisfério norte
gostam de tons mais sóbrios, como os
das milenares porcelanas chinesas.
Indígenas brasileros
Às vezes, também, uma mesma
situação é colorida de modo
diferente em lugares diferentes. O
luto nos países ocidentais é preto
porque essa é a cor da morte — a
sensação de preto é causada
justamente pela ausência de luz,
que por sua vez é relacionada à
vida.
Mas os budistas, por exemplo, usam
branco nos enterros, como símbolo
da paz alcançada pelo morto. A
preferência por esta ou aquela cor
também está relacionada à época.
Em matéria de cor, porém, não se
pode pintar tudo em um único tom.
Os mais recentes estudos mostram
que tudo depende do estado
emocional e da personalidade de
cada um.
Muçulmanas com burka tradicional e roupa mais
moderna.
 DIMENSÃO / PLANO: trabalha em
conjunto com a linha e com a forma
para iludir o nosso olhar criando um
efeito tridimensional na imagem, que
está numa superfície bidimensional,
uma folha de papel, por exemplo. As
três dimensões são: altura,
comprimento e profundidade.
Junto com o elemento da dimensão
relacionaremos o conceito de plano
numa superfície, que é uma área da
imagem que possui duas dimensões
(comprimento e largura) e que,
através de sua sobreposição,
podemos obter uma ilusão de uma
terceira dimensão (altura).
ALTURA
COMPRIMENTO
PROFUNDIDADE
Plano
ALTURA
COMPRIMENTO
PROFUNDIDADE
OU LARGURA
EIXO
HORIZONTAL
Sobreposição de planos. Ilustração: Garcia Junior
PLANO
HORIZONTAL
EIXO VERTICAL
PLANO
VERTICAL
M.C. Escher (1898-1972):
Maurits Cornelis Escher foi
um dos maiores artistas
gráficos do mundo. Suas obras
podem ser apreciadas em
muitos sites relacionados ao
tema. Sua arte baseava-se em
estruturas impossíveis de
existirem no mundo real
tridimensional, em
sobreposições de planos e
dimensões, explorando os
recursos do desenho e da
gravura brincando com a ilusão
de ótica e a percepção visual
dos observadores.
PARASABERMAIS
Répteis. Litogravura - 1943.
Luz
 TOM: A sensibilidade dos olhos
para a luz faz com que possamos
discernir formas, movimentos,
texturas, cores e tons. O tom é a
quantidade relativa de luz existente
em um ambiente ou numa imagem,
definindo sua obscuridade ou
claridade, ausência ou presença
de luz.
 Temos uma relação de contraste
entre o claro-escuro. Sem esta
relação não veríamos o mundo da
maneira que ele nos aparenta. A
luz natural emitida pelo sol, a luz
branca, é refletida, absorvida,
circunda e penetra nos objetos
que, por sua vez, têm
características de absorver ou
refletir a luminosidade que recebe.
Luz
 TOM: Assim, podemos enxergar as
sombras e perceber o volume das
coisas (elemento da dimensão), o
espaço que elas ocupam,
identificando sua forma, massa, cor,
textura, se está estática ou em
movimento etc. As múltiplas
gradações entre o claro e escuro
consistem numa escala tonal.
Efeito de forma definida pela luz em
ângulo específico sob os objetos
distribuídos de modo ordenado.
Luz
Escalas tonais
A luz e as sombras dão a ilusão de volume às imagens.
O tom (quantidade de luz) é independente da cor (matiz).
O contraste entre os tons de uma
imagem podem ser explorados para
criar efeitos dramáticos
interessantes. Foto: Garcia Junior
Direção - Equilíbrio
 DIREÇÃO
• horizontal - estática, calma
• vertical - prontidão, equilíbrio
• inclinada - instabilidade, atividade
• curva - continuidade, totalidade
Movimento
O movimento
funciona como
uma ação que se
realiza através da
ilusão criada pelo
olho humano.
Podemos observar
uma imagem
estática num papel
e parecer que ela
está se
movimentando
para os nossos
olhos. Isso
acontece devido à
maneira como os
elementos básicos
são arranjados e
combinados entre
si para criar a
ilusão do
movimento.
Movimento
Caça no Campo de Marte, São Paulo. Foto: Garcia Junior.
PARASABERMAIS Futurismo:
Estilo artístico surgido na
França, em 1909, com um
manifesto literário promovido
pelo poeta Marinetti convocando
os artistas para demonstrarem
“audácia, coragem e revolta” e
comemorarem a “nova beleza, a
beleza da velocidade”. O estilo
se desenvolveu mais na Itália
onde os pintores foram
influenciados pela vida urbana
moderna com suas máquinas, a
velocidade dos carros, o barulho
da cidade grande.
Formas únicas de continuidade do espaço.
Umberto Boccioni. Itália. 1913.
PARASABERMAIS Futurismo:
Os pintores combinavam
cores fortes e vibrantes com
formas e linhas que
transmitissem uma
sensação de movimento na
tela. Para os futuristas, a
visão humana é dinâmica,
observa tudo, por isso seu
trabalho não podia ser
estático, tinha de mostrar
todos os espaços e formas
ao mesmo tempo. Entre os
principais artistas deste
movimento estavam
Giacomo Balla, Umberto
Boccioni, Carlo Carrá e Gino
Severini.
As flechas da vida. Giacomo Balla. Itália. 1928.
PARASABERMAIS
Noite estrelada. Vincent Van Gogh. 1889
PARASABERMAIS
Gravuras de M.
C. Escher
PARASABERMAIS
Tron. Disney Pictures. 2010
Namor (Marvel Comics). Bryan Hitch. 2006
Vagabond. Takehiko Inoue. 2007
Escala
 ESCALA: quando trabalhamos com os
elementos visuais em uma área
específica bidimensional, devemos
prestar atenção na relação entre os
tamanhos das imagens. Esta relação
entre os tamanhos é a escala, também
conhecida como proporção.
 ESCALA: ao falarmos
sobre escala ou
proporção vamos estar
comparando conceitos
opostos: grande e
pequeno.
Monumento do Ipiranga, São Paulo. Foto: Garcia Junior.
 ESCALA: A medida para
se estabelecer uma
relação comparativa de
escala é o próprio ser
humano, tendo sido
desenvolvida pelos
gregos antigos uma
relação proporcional
perfeita, a seção áurea.
O Homem Vitruviano. Estudo de desenho. Leonardo Da Vinci.
Templo de Atena (Acropolis - Partenon). Atenas, Grécia. C. 447-432 A.C.
ESCALA: A proporção áurea é
uma constante real algébrica irracional
denotada pela letra grega PHI (não
confundir com o número Pi), em
homenagem ao escultor Phidias
(Fídias), que a teria utilizado para
conceber o Parthenon, e com o
valor arredondado a três casas
decimais de 1,618.
Também é chamada de seção
áurea (do latim sectio aurea), razão
áurea,razão de ouro, média e extrema
razão (Euclides), divina
proporção, divina seção (do
latim sectio divina), proporção em
extrema razão, divisão de extrema
razão ou áurea excelência.
ESCALA: Desde a Antiguidade, a
proporção áurea é usada na Arte. Este
número está envolvido com a
natureza do crescimento. Phi pode ser
encontrado na proporção dos seres
humanos (o tamanho
das falanges, ossos dos dedos, por
exemplo) e nas colmeias, entre
inúmeros outros exemplos que
envolvem a ordem do crescimento.
Justamente por estar envolvido
no crescimento, este número se torna
tão frequente.
E justamente por haver essa
frequência, o número de ouro ganhou
um status de "quase mágico", sendo
alvo de pesquisadores, artistas e
escritores.
ESCALA: A proporção áurea também
aparece na mundialmente conhecida
sequência de Fibonacci, assim
quando aplicamos os dois juntos
diversas formas do mundo podem ser
encontradas, como a espiral de uma
concha, nos furacões, no movimento
da água, em quadros famosos e até
mesmo no formato das galáxias
Templo de Atena (Acropolis - Partenon). Atenas, Grécia. C. 447-432 A.C.
 A escala, como elemento da linguagem visual, traz em si um grande
potencial de criação de efeitos e significados na construção de mensagens
comunicativas e expressivas.
Efeito de perspectiva forçada por distanciamento e posicionamento de planos.
Efeito de perspectiva forçada só funciona se o observador estiver no correto ponto de vista.
Efeito de perspectiva anamórfica em arte de rua que só funciona num único ponto de observação.
Ilusão de perspectiva e escala. Centro Cultural Banco do Brasil, São Paulo. Foto: Garcia Junior.
Obras de Arte
Obras de Arte
Obras de Arte
Obras de Arte
Obras de Arte
Obras de Arte
Agora é a nossa vez!!!
Inspire-se!!!

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Avaliação 9º ano POP ART e DESIGN
Avaliação 9º ano POP ART e DESIGNAvaliação 9º ano POP ART e DESIGN
Avaliação 9º ano POP ART e DESIGNCasiris Crescencio
 
Estudo das cores
Estudo das coresEstudo das cores
Estudo das coresMara dalto
 
Artes visuais e seus elementos visuais
Artes visuais e seus elementos visuaisArtes visuais e seus elementos visuais
Artes visuais e seus elementos visuaisClaudio Bastos
 
Elementos fundamentais da linguagem visual
Elementos fundamentais da linguagem visualElementos fundamentais da linguagem visual
Elementos fundamentais da linguagem visualWilliam Marques
 
O que é arte?!
O que é arte?!O que é arte?!
O que é arte?!Mary Lopes
 
Apostila arte 9 ano.pdf (1) (1)
Apostila arte 9 ano.pdf (1) (1)Apostila arte 9 ano.pdf (1) (1)
Apostila arte 9 ano.pdf (1) (1)Doane Castro
 
Texturas naturais e artificiais
Texturas naturais e artificiaisTexturas naturais e artificiais
Texturas naturais e artificiaisclaudiafarias
 

Mais procurados (20)

Apostila de arte
Apostila de arteApostila de arte
Apostila de arte
 
Avaliação 9º ano POP ART e DESIGN
Avaliação 9º ano POP ART e DESIGNAvaliação 9º ano POP ART e DESIGN
Avaliação 9º ano POP ART e DESIGN
 
O que é arte?
O que é arte?O que é arte?
O que é arte?
 
Estudo das cores
Estudo das coresEstudo das cores
Estudo das cores
 
Texturas
TexturasTexturas
Texturas
 
Artes visuais e seus elementos visuais
Artes visuais e seus elementos visuaisArtes visuais e seus elementos visuais
Artes visuais e seus elementos visuais
 
Elementos fundamentais da linguagem visual
Elementos fundamentais da linguagem visualElementos fundamentais da linguagem visual
Elementos fundamentais da linguagem visual
 
Elementos Básicos da Linguagem Visual. Prof. Garcia Junior
Elementos Básicos da Linguagem Visual. Prof. Garcia JuniorElementos Básicos da Linguagem Visual. Prof. Garcia Junior
Elementos Básicos da Linguagem Visual. Prof. Garcia Junior
 
Aula EE - composicao
Aula EE - composicaoAula EE - composicao
Aula EE - composicao
 
Slide autorretrato
Slide autorretratoSlide autorretrato
Slide autorretrato
 
Prova de arte1 9 ano
Prova de arte1 9 anoProva de arte1 9 ano
Prova de arte1 9 ano
 
Elementos visuais
Elementos visuaisElementos visuais
Elementos visuais
 
Cores estudo das cores
Cores    estudo das coresCores    estudo das cores
Cores estudo das cores
 
O que é arte?!
O que é arte?!O que é arte?!
O que é arte?!
 
Arte contemporânea
Arte contemporâneaArte contemporânea
Arte contemporânea
 
Artes Visuais
Artes VisuaisArtes Visuais
Artes Visuais
 
Apostila arte 9 ano.pdf (1) (1)
Apostila arte 9 ano.pdf (1) (1)Apostila arte 9 ano.pdf (1) (1)
Apostila arte 9 ano.pdf (1) (1)
 
EJA: AVALIAÇÃO DE ARTES - 6º E 7º ANO - O PONTO,PONTILHISMO E A SEMANA DA AR...
EJA: AVALIAÇÃO DE ARTES - 6º  E 7º ANO - O PONTO,PONTILHISMO E A SEMANA DA AR...EJA: AVALIAÇÃO DE ARTES - 6º  E 7º ANO - O PONTO,PONTILHISMO E A SEMANA DA AR...
EJA: AVALIAÇÃO DE ARTES - 6º E 7º ANO - O PONTO,PONTILHISMO E A SEMANA DA AR...
 
Texturas naturais e artificiais
Texturas naturais e artificiaisTexturas naturais e artificiais
Texturas naturais e artificiais
 
Apostila de Artes Visuais (revisada e ampliada 2014)
Apostila de Artes Visuais (revisada e ampliada 2014)Apostila de Artes Visuais (revisada e ampliada 2014)
Apostila de Artes Visuais (revisada e ampliada 2014)
 

Destaque

elementos da linguagem visual
elementos da linguagem visualelementos da linguagem visual
elementos da linguagem visualguest1c7f7f
 
Elementos linguagem visual
Elementos linguagem visual Elementos linguagem visual
Elementos linguagem visual melzynhabessa
 
Alfabetismo visual elementos_sintaticos2
Alfabetismo visual elementos_sintaticos2Alfabetismo visual elementos_sintaticos2
Alfabetismo visual elementos_sintaticos2Denise Lima
 
Linguagens Artísticas
Linguagens ArtísticasLinguagens Artísticas
Linguagens ArtísticasAcacio Arouche
 
EVT - Elementos Visuais Da Forma
EVT - Elementos Visuais Da FormaEVT - Elementos Visuais Da Forma
EVT - Elementos Visuais Da FormaAgostinho NSilva
 
OFICINA LINGUAGENS ARTÍSTICAS- ARTES VISUAIS
OFICINA LINGUAGENS ARTÍSTICAS- ARTES VISUAISOFICINA LINGUAGENS ARTÍSTICAS- ARTES VISUAIS
OFICINA LINGUAGENS ARTÍSTICAS- ARTES VISUAISTrazzi
 
As linguagens da arte
As linguagens da arteAs linguagens da arte
As linguagens da artedpport
 
LINGUAGEM VISUAL | ELEMENTOS BÁSICOS DA COMUNICAÇÃO VISUAL
LINGUAGEM VISUAL | ELEMENTOS BÁSICOS DA COMUNICAÇÃO VISUALLINGUAGEM VISUAL | ELEMENTOS BÁSICOS DA COMUNICAÇÃO VISUAL
LINGUAGEM VISUAL | ELEMENTOS BÁSICOS DA COMUNICAÇÃO VISUALAndrea Dalforno
 
Apostila de Arte Ensino Fundamental I
Apostila de Arte Ensino Fundamental IApostila de Arte Ensino Fundamental I
Apostila de Arte Ensino Fundamental IEliane Sanches
 
Princípios clássicos de composição visual e Gráfica para não Designers
Princípios clássicos de composição visual e Gráfica para não DesignersPrincípios clássicos de composição visual e Gráfica para não Designers
Princípios clássicos de composição visual e Gráfica para não DesignersLeonardo Pereira
 

Destaque (18)

Artes Visuais
Artes Visuais Artes Visuais
Artes Visuais
 
elementos da linguagem visual
elementos da linguagem visualelementos da linguagem visual
elementos da linguagem visual
 
Elementos linguagem visual
Elementos linguagem visual Elementos linguagem visual
Elementos linguagem visual
 
Artes atividades
Artes   atividadesArtes   atividades
Artes atividades
 
DEFINIÇÕES DE ARTE
DEFINIÇÕES DE ARTEDEFINIÇÕES DE ARTE
DEFINIÇÕES DE ARTE
 
A linguagem visual
A linguagem visualA linguagem visual
A linguagem visual
 
Alfabetismo visual elementos_sintaticos2
Alfabetismo visual elementos_sintaticos2Alfabetismo visual elementos_sintaticos2
Alfabetismo visual elementos_sintaticos2
 
Linguagem Visual - Fundamentos Compositivos
Linguagem Visual - Fundamentos CompositivosLinguagem Visual - Fundamentos Compositivos
Linguagem Visual - Fundamentos Compositivos
 
Linguagens Artísticas
Linguagens ArtísticasLinguagens Artísticas
Linguagens Artísticas
 
EVT - Elementos Visuais Da Forma
EVT - Elementos Visuais Da FormaEVT - Elementos Visuais Da Forma
EVT - Elementos Visuais Da Forma
 
OFICINA LINGUAGENS ARTÍSTICAS- ARTES VISUAIS
OFICINA LINGUAGENS ARTÍSTICAS- ARTES VISUAISOFICINA LINGUAGENS ARTÍSTICAS- ARTES VISUAIS
OFICINA LINGUAGENS ARTÍSTICAS- ARTES VISUAIS
 
As linguagens da arte
As linguagens da arteAs linguagens da arte
As linguagens da arte
 
As cores II
As cores IIAs cores II
As cores II
 
LINGUAGEM VISUAL | ELEMENTOS BÁSICOS DA COMUNICAÇÃO VISUAL
LINGUAGEM VISUAL | ELEMENTOS BÁSICOS DA COMUNICAÇÃO VISUALLINGUAGEM VISUAL | ELEMENTOS BÁSICOS DA COMUNICAÇÃO VISUAL
LINGUAGEM VISUAL | ELEMENTOS BÁSICOS DA COMUNICAÇÃO VISUAL
 
Apostila de Arte Ensino Fundamental I
Apostila de Arte Ensino Fundamental IApostila de Arte Ensino Fundamental I
Apostila de Arte Ensino Fundamental I
 
Princípios clássicos de composição visual e Gráfica para não Designers
Princípios clássicos de composição visual e Gráfica para não DesignersPrincípios clássicos de composição visual e Gráfica para não Designers
Princípios clássicos de composição visual e Gráfica para não Designers
 
Curso de historia da arte
Curso de historia da arteCurso de historia da arte
Curso de historia da arte
 
Ponto e linha
Ponto e linhaPonto e linha
Ponto e linha
 

Semelhante a Elementos Visuais

linguagembidimensionaletridimensional-150514163435-lva1-app6891 (1).pdf
linguagembidimensionaletridimensional-150514163435-lva1-app6891 (1).pdflinguagembidimensionaletridimensional-150514163435-lva1-app6891 (1).pdf
linguagembidimensionaletridimensional-150514163435-lva1-app6891 (1).pdfssusera065a2
 
Elementos da linguagem visual - Copia.pdf
Elementos da  linguagem visual - Copia.pdfElementos da  linguagem visual - Copia.pdf
Elementos da linguagem visual - Copia.pdftomasin2
 
OPC 02 LINGUAGEM VISUAL
OPC 02 LINGUAGEM VISUALOPC 02 LINGUAGEM VISUAL
OPC 02 LINGUAGEM VISUALOdair Tuono
 
Apostila linguagem visual.lucilene
Apostila linguagem visual.lucileneApostila linguagem visual.lucilene
Apostila linguagem visual.lucilenelucileneaa
 
O ponto e a linha aula 6º ano - 2013
O ponto e a linha   aula 6º ano - 2013O ponto e a linha   aula 6º ano - 2013
O ponto e a linha aula 6º ano - 2013Michele Wilbert
 
Fundamentos da Arte Fundamentos da arte, elementos e princípios..pdf
Fundamentos da Arte Fundamentos da arte, elementos e princípios..pdfFundamentos da Arte Fundamentos da arte, elementos e princípios..pdf
Fundamentos da Arte Fundamentos da arte, elementos e princípios..pdfiagolino234
 
Arte, leitura e elementos
Arte, leitura e elementosArte, leitura e elementos
Arte, leitura e elementosAline Raposo
 
Arte - Resumo 1º bimestre - 2015
Arte - Resumo 1º bimestre - 2015Arte - Resumo 1º bimestre - 2015
Arte - Resumo 1º bimestre - 2015Raphael Lanzillotte
 

Semelhante a Elementos Visuais (20)

linguagembidimensionaletridimensional-150514163435-lva1-app6891 (1).pdf
linguagembidimensionaletridimensional-150514163435-lva1-app6891 (1).pdflinguagembidimensionaletridimensional-150514163435-lva1-app6891 (1).pdf
linguagembidimensionaletridimensional-150514163435-lva1-app6891 (1).pdf
 
Aula EE-composicao
Aula EE-composicaoAula EE-composicao
Aula EE-composicao
 
ARTE.pptx
ARTE.pptxARTE.pptx
ARTE.pptx
 
Elementos da linguagem visual - Copia.pdf
Elementos da  linguagem visual - Copia.pdfElementos da  linguagem visual - Copia.pdf
Elementos da linguagem visual - Copia.pdf
 
Composição de um quadro
Composição de um quadroComposição de um quadro
Composição de um quadro
 
Composição de um quadro
Composição de um quadroComposição de um quadro
Composição de um quadro
 
linguagem pictórica: elementos visuais
linguagem pictórica: elementos visuaislinguagem pictórica: elementos visuais
linguagem pictórica: elementos visuais
 
2ª aula
2ª aula2ª aula
2ª aula
 
OPC 02 LINGUAGEM VISUAL
OPC 02 LINGUAGEM VISUALOPC 02 LINGUAGEM VISUAL
OPC 02 LINGUAGEM VISUAL
 
Apostila 6ºano
Apostila 6ºanoApostila 6ºano
Apostila 6ºano
 
Apostila elementos visuais 2013
Apostila elementos visuais 2013Apostila elementos visuais 2013
Apostila elementos visuais 2013
 
Apostilaprovafinal6ano
Apostilaprovafinal6anoApostilaprovafinal6ano
Apostilaprovafinal6ano
 
Apostila linguagem visual.lucilene
Apostila linguagem visual.lucileneApostila linguagem visual.lucilene
Apostila linguagem visual.lucilene
 
O ponto e a linha aula 6º ano - 2013
O ponto e a linha   aula 6º ano - 2013O ponto e a linha   aula 6º ano - 2013
O ponto e a linha aula 6º ano - 2013
 
EHA01 Conceitos
EHA01 ConceitosEHA01 Conceitos
EHA01 Conceitos
 
Elementos estruturais 1
Elementos estruturais 1Elementos estruturais 1
Elementos estruturais 1
 
Arte e natureza
Arte e naturezaArte e natureza
Arte e natureza
 
Fundamentos da Arte Fundamentos da arte, elementos e princípios..pdf
Fundamentos da Arte Fundamentos da arte, elementos e princípios..pdfFundamentos da Arte Fundamentos da arte, elementos e princípios..pdf
Fundamentos da Arte Fundamentos da arte, elementos e princípios..pdf
 
Arte, leitura e elementos
Arte, leitura e elementosArte, leitura e elementos
Arte, leitura e elementos
 
Arte - Resumo 1º bimestre - 2015
Arte - Resumo 1º bimestre - 2015Arte - Resumo 1º bimestre - 2015
Arte - Resumo 1º bimestre - 2015
 

Último

Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...
Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...
Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...LuizHenriquedeAlmeid6
 
Linguagem verbal , não verbal e mista.pdf
Linguagem verbal , não verbal e mista.pdfLinguagem verbal , não verbal e mista.pdf
Linguagem verbal , não verbal e mista.pdfLaseVasconcelos1
 
Dança Contemporânea na arte da dança primeira parte
Dança Contemporânea na arte da dança primeira parteDança Contemporânea na arte da dança primeira parte
Dança Contemporânea na arte da dança primeira partecoletivoddois
 
6°ano Uso de pontuação e acentuação.pptx
6°ano Uso de pontuação e acentuação.pptx6°ano Uso de pontuação e acentuação.pptx
6°ano Uso de pontuação e acentuação.pptxErivaldoLima15
 
PPT _ Módulo 3_Direito Comercial_2023_2024.pdf
PPT _ Módulo 3_Direito Comercial_2023_2024.pdfPPT _ Módulo 3_Direito Comercial_2023_2024.pdf
PPT _ Módulo 3_Direito Comercial_2023_2024.pdfAnaGonalves804156
 
ÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptx
ÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptxÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptx
ÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptxDeyvidBriel
 
QUIZ DE MATEMATICA SHOW DO MILHÃO PREPARAÇÃO ÇPARA AVALIAÇÕES EXTERNAS
QUIZ DE MATEMATICA SHOW DO MILHÃO PREPARAÇÃO ÇPARA AVALIAÇÕES EXTERNASQUIZ DE MATEMATICA SHOW DO MILHÃO PREPARAÇÃO ÇPARA AVALIAÇÕES EXTERNAS
QUIZ DE MATEMATICA SHOW DO MILHÃO PREPARAÇÃO ÇPARA AVALIAÇÕES EXTERNASEdinardo Aguiar
 
DIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdf
DIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdfDIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdf
DIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdfIedaGoethe
 
HORA DO CONTO3_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO3_BECRE D. CARLOS I_2023_2024HORA DO CONTO3_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO3_BECRE D. CARLOS I_2023_2024Sandra Pratas
 
As Viagens Missionária do Apostolo Paulo.pptx
As Viagens Missionária do Apostolo Paulo.pptxAs Viagens Missionária do Apostolo Paulo.pptx
As Viagens Missionária do Apostolo Paulo.pptxAlexandreFrana33
 
Currículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdf
Currículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdfCurrículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdf
Currículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdfIedaGoethe
 
Bingo da potenciação e radiciação de números inteiros
Bingo da potenciação e radiciação de números inteirosBingo da potenciação e radiciação de números inteiros
Bingo da potenciação e radiciação de números inteirosAntnyoAllysson
 
PRIMEIRO---RCP - DEA - BLS estudos - basico
PRIMEIRO---RCP - DEA - BLS estudos - basicoPRIMEIRO---RCP - DEA - BLS estudos - basico
PRIMEIRO---RCP - DEA - BLS estudos - basicoSilvaDias3
 
HORA DO CONTO5_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO5_BECRE D. CARLOS I_2023_2024HORA DO CONTO5_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO5_BECRE D. CARLOS I_2023_2024Sandra Pratas
 
Educação São Paulo centro de mídias da SP
Educação São Paulo centro de mídias da SPEducação São Paulo centro de mídias da SP
Educação São Paulo centro de mídias da SPanandatss1
 
HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024Sandra Pratas
 
PRÉ-MODERNISMO - GUERRA DE CANUDOS E OS SERTÕES
PRÉ-MODERNISMO - GUERRA DE CANUDOS E OS SERTÕESPRÉ-MODERNISMO - GUERRA DE CANUDOS E OS SERTÕES
PRÉ-MODERNISMO - GUERRA DE CANUDOS E OS SERTÕESpatriciasofiacunha18
 
A Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão Linguística
A Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão LinguísticaA Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão Linguística
A Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão LinguísticaFernanda Ledesma
 
Mapas Mentais - Português - Principais Tópicos.pdf
Mapas Mentais - Português - Principais Tópicos.pdfMapas Mentais - Português - Principais Tópicos.pdf
Mapas Mentais - Português - Principais Tópicos.pdfangelicass1
 
Gametogênese, formação dos gametas masculino e feminino
Gametogênese, formação dos gametas masculino e femininoGametogênese, formação dos gametas masculino e feminino
Gametogênese, formação dos gametas masculino e femininoCelianeOliveira8
 

Último (20)

Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...
Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...
Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...
 
Linguagem verbal , não verbal e mista.pdf
Linguagem verbal , não verbal e mista.pdfLinguagem verbal , não verbal e mista.pdf
Linguagem verbal , não verbal e mista.pdf
 
Dança Contemporânea na arte da dança primeira parte
Dança Contemporânea na arte da dança primeira parteDança Contemporânea na arte da dança primeira parte
Dança Contemporânea na arte da dança primeira parte
 
6°ano Uso de pontuação e acentuação.pptx
6°ano Uso de pontuação e acentuação.pptx6°ano Uso de pontuação e acentuação.pptx
6°ano Uso de pontuação e acentuação.pptx
 
PPT _ Módulo 3_Direito Comercial_2023_2024.pdf
PPT _ Módulo 3_Direito Comercial_2023_2024.pdfPPT _ Módulo 3_Direito Comercial_2023_2024.pdf
PPT _ Módulo 3_Direito Comercial_2023_2024.pdf
 
ÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptx
ÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptxÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptx
ÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptx
 
QUIZ DE MATEMATICA SHOW DO MILHÃO PREPARAÇÃO ÇPARA AVALIAÇÕES EXTERNAS
QUIZ DE MATEMATICA SHOW DO MILHÃO PREPARAÇÃO ÇPARA AVALIAÇÕES EXTERNASQUIZ DE MATEMATICA SHOW DO MILHÃO PREPARAÇÃO ÇPARA AVALIAÇÕES EXTERNAS
QUIZ DE MATEMATICA SHOW DO MILHÃO PREPARAÇÃO ÇPARA AVALIAÇÕES EXTERNAS
 
DIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdf
DIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdfDIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdf
DIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdf
 
HORA DO CONTO3_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO3_BECRE D. CARLOS I_2023_2024HORA DO CONTO3_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO3_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
 
As Viagens Missionária do Apostolo Paulo.pptx
As Viagens Missionária do Apostolo Paulo.pptxAs Viagens Missionária do Apostolo Paulo.pptx
As Viagens Missionária do Apostolo Paulo.pptx
 
Currículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdf
Currículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdfCurrículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdf
Currículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdf
 
Bingo da potenciação e radiciação de números inteiros
Bingo da potenciação e radiciação de números inteirosBingo da potenciação e radiciação de números inteiros
Bingo da potenciação e radiciação de números inteiros
 
PRIMEIRO---RCP - DEA - BLS estudos - basico
PRIMEIRO---RCP - DEA - BLS estudos - basicoPRIMEIRO---RCP - DEA - BLS estudos - basico
PRIMEIRO---RCP - DEA - BLS estudos - basico
 
HORA DO CONTO5_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO5_BECRE D. CARLOS I_2023_2024HORA DO CONTO5_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO5_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
 
Educação São Paulo centro de mídias da SP
Educação São Paulo centro de mídias da SPEducação São Paulo centro de mídias da SP
Educação São Paulo centro de mídias da SP
 
HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
 
PRÉ-MODERNISMO - GUERRA DE CANUDOS E OS SERTÕES
PRÉ-MODERNISMO - GUERRA DE CANUDOS E OS SERTÕESPRÉ-MODERNISMO - GUERRA DE CANUDOS E OS SERTÕES
PRÉ-MODERNISMO - GUERRA DE CANUDOS E OS SERTÕES
 
A Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão Linguística
A Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão LinguísticaA Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão Linguística
A Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão Linguística
 
Mapas Mentais - Português - Principais Tópicos.pdf
Mapas Mentais - Português - Principais Tópicos.pdfMapas Mentais - Português - Principais Tópicos.pdf
Mapas Mentais - Português - Principais Tópicos.pdf
 
Gametogênese, formação dos gametas masculino e feminino
Gametogênese, formação dos gametas masculino e femininoGametogênese, formação dos gametas masculino e feminino
Gametogênese, formação dos gametas masculino e feminino
 

Elementos Visuais

  • 2. A linguagem visual transmite ideias e sensações através de símbolos. Os símbolos causam impacto e efeito no observador, mais do que a linguagem oral (quando falamos) e escrita (quando lemos ). Vamos aprender os seus elementos básicos, aqueles que formam a imagem e o modo como os percebemos.
  • 3. Arte Visual É o estudo e tudo aquilo que é analisado ou percebido pelo olhar de maneira criativa.
  • 4. A criação de materiais visuais é diversificada porque são múltiplas as necessidades humanas. Podem ser de ordem prática, comum ou podem estar voltadas para a expressão de um estado de espírito ou de uma ideia. A maioria das produções visuais buscam registrar, preservar, reproduzir e identificar pessoas, lugares ou objetos objetivando ampliar o processo de comunicação humana. Por quê?
  • 5. A Arte Visual atua ao representar visualmente uma forma, cor ou representação, estando presente no teatro, na música, no cinema , na fotografia e demais expressões. Nos tempos atuais, além de atuar no segmento artístico, também exercem papel fundamental na representação visual comercial, de empresas e instituições públicas. Para quê?
  • 6. Toda arte apreciada pelo olhar é conceituada como arte visual, abrange a pintura, o desenho, a gravura, a fotografia, o cinema, a escultura, a arquitetura, web design, a moda, a decoração e o paisagismo. Lida com o caráter teórico e prático do estético, seja o estético do belo, do funcional ou do fazer pensar.
  • 7.
  • 8. Elementos Básicos da Linguagem Visual • Ponto – sinal gráfico mínimo e elementar, caracteriza-se por uma localização em um espaço, quando colocados em fila, criam a ideia de uma linha. Multiplicados, ampliam seu poder de comunicação e expressão, bem como, sua disposição, distanciamento e cor sobre uma superfície, sugerem ideias, sensações, movimento , ritmo, luz, sombra e volume. O ponto indica uma posição no espaço e constrói a imagem e funciona como referência no espaço visual por ter um grande poder de atração para a visão humana.
  • 9. Os pontos podem agir agrupados obtendo um expressivo efeito visual com formas ordenadas ou aleatórias em que o olho irá reuni-los em uma única imagem. Uma série de pontos forma uma linha, uma massa de pontos torna-se textura, forma ou plano. Dependendo de como os pontos são organizados eles podem ser muito expressivos. Ponto
  • 10. Os pontos, enquanto elementos visuais, podem ser observados facilmente na natureza e no mundo construído. Fotos: Garcia Junior.
  • 11. Imagem figurativa formada por pontos. Ilustração: Garcia JuniorImagem abstrata formada por pontos.
  • 12. Domingo à tarde na Ilha Grande Jatte. Georges Seurat. França. 1884-86. Foi uma técnica inovadora de pintura desenvolvida pelo artista francês Georges Seurat no final do séc. XIX que tinha como proposta formar a imagem através de minúsculos pontos de cores pincelados na tela de maneira que, quando as pessoas observassem à distância correta, misturassem os milhares de pontos formando a imagem. PARASABERMAIS Pontilhismo
  • 13.  LINHA: quando agrupamos os pontos muito próximos, em uma sequência ordenada uns após os outros e de mesmo tamanho, causam à visão uma ilusão de direcionamento e acabamos visualizando-os como uma linha. Uma linha pode ser uma marca positiva ou uma lacuna negativa. Aparecem nos limites dos objetos e onde dois planos se encontram. As linhas definem as formas e as figuras, é o sinal mais versátil e essencial do desenho, pois pode sugerir sentimentos, movimento, ritmo, velocidade... Linhas gráficas delineando um desenho. Linhas físicas imaginárias na natureza. Linha
  • 14. As LINHAS podem ser classificadas como: > Geométricas: são abstratas e tem apenas uma dimensão, o comprimento; > Gráficas: linhas desenhadas ou traçadas numa superfície qualquer; > Físicas: podem ser observadas, principalmente, nos contornos dos objetos, naturais ou construídos, criada de maneira abstrata na forma de uma percepção visual ilusória e imaginária como fios de energia, rachaduras em pisos, o horizonte etc. Linha
  • 15. A Linha Gráfica pode indicar a trajetória de um ou vários pontos de maneira contínua variando quanto: > à espessura (fina ou grossa); > à forma (reta, sinuosa, quebrada ou mista); > ao traçado (cheia, tracejada, pontilhada, traço e ponto, etc); > à posição (horizontal, vertical ou inclinada). Destas características destacamos a forma e a posição que, dependendo da intenção de quem a desenha, a linha pode estar carregada de movimento e energia, assumindo diversas apresentações para expressar vários significados.
  • 16. Podemos visualizar linhas sendo traçadas de modo aleatório ou ordenado na natureza. Foto: Garcia Junior.
  • 17. Os contornos das construções humanas são facilmente visualizados. Foto: Garcia Junior.
  • 18. - Retas perpendiculares: linhas retas que se cruzam tem “aberturas” iguais formando um “canto reto”. - Ângulo: é a “abertura” formada por duas linhas semi-retas que partem de um mesmo ponto. - Curva: linha que muda o seu sentido de direção podendo ser sinuosa, quebrada ou mista. PARASABERMAIS - Reta: linha ilimitada nos dois sentidos (sem começo ou fim) e possui uma única direção. - Semi-reta: linha que parte de um ponto de origem e é ilimitada apenas num sentido de crescimento. - Retas paralelas: linhas retas que não se cruzam e todos os seus pontos possuem a mesma distância.
  • 19.
  • 20.  A FORMA é derivada da organização imaginária que damos a um conjunto de linhas dando um sentido de orientação espacial e de reconhecimento da imagem representada. A mesma forma pode se apresentar diferente para nossa observação de acordo com a referência visual da superfície em ela está. Existem três formas básicas: o círculo, o quadrado e o triângulo equilátero, cada qual com suas características e especificidades, exercendo no observador diferentes efeitos visuais e impressões quanto aos seus significados. Forma
  • 21. As formas podem evidenciar potenciais características de acordo com a intenção do criador da imagem e como trabalhar com os elementos juntos. Movimento Estabilidade Tensão Forma
  • 22. As formas também podem se dividir em dois grandes grupos: > Geométricas: figuras ordenadas perfeitamente (formas básicas, polígonos etc), não tão facilmente reconhecidos na natureza no seu estado mais puro; > Orgânicas: formas ordenadas ou aleatórias em estruturas não geométricas, observadas principalmente na natureza, daí o seu nome (asa de inseto, folha de árvore, curso e ramificações de um rio etc).
  • 23. As formas geométricas que observamos no mundo real são construídas pelo ser humano. Foto: Garcia Junior. As formas orgânicas são facilmente observadas na natureza. Foto: Garcia Junior.
  • 24. Piet Mondrian era um artista holandês que trabalhava com a arte abstrata geométrica buscando romper com a representação figurativa na arte, ou seja, sendo contra a cópia mais ou menos fiel da realidade. Seguia o movimento chamado De Stijl (o Estilo) e reduzia a imagem aos seus elementos básicos – linhas, formas, cores e ritmo numa composição que abandona a arte do “natural” e passa a seguir formas rígidas e geométricas. Composição com vermelho, amarelo e azul. Piet Mondrian. Holanda. 1921.
  • 25. PARASABERMAIS A arte abstrata ou não-figurativa constitui uma das mais significativas correntes da arte moderna, desenvolvida no mundo ocidental, na primeira metade do século XX, principalmente na Europa, quando alguns artistas resolveram romper com a forma tradicional de representação da realidade através da mera cópia, como passaram a considerar a pintura acadêmica.
  • 26.  TEXTURA é a qualidade impressa em uma superfície, enriquecendo as impressões e sentidos que teremos de determinada forma. A textura pode ser classificada de duas maneiras: quanto à sua natureza e quanto à forma que ela se apresenta. Textura
  • 27. Quanto à natureza: > Textura tátil - é aquela que podemos tocar e sentir fisicamente a sua característica peculiar pelo tato, como, por exemplo, o reboco granuloso de uma parede, a aspereza de uma lixa, a lisura de uma cerâmica polida; > Textura ótica - é aquela existente apenas na ilusão criada pelo olho humano, como, por exemplo, a capa de um livro que reproduza a imagem de uma parede rebocada ou as imagens impressas num tecido que criam um padrão de textura reconhecido pela visão, mas não sentido pelo tato Textura tátil Textura Textura ótica
  • 28. Quanto à forma que se apresenta: > Geométrica – a organização de formas geométricas num padrão dentro de uma área ou superfície acaba dando a esta a característica de uma textura. Isto acontece por que agrupamos muito próximos visualmente os elementos semelhantes.
  • 29. Quanto à forma que se apresenta: > Orgânica – a superfície possui uma aparência de algo natural, iludindo o olho como se pudesse ser percebida pelo toque.
  • 30. Ao fazer sua arte de modo inovador o artista pôde expressar as características dos elementos básicos da linguagem visual. PARASABERMAIS
  • 31.
  • 32. Sabendo trabalhar a textura o artista cria efeitos de impressões visuais das superfícies nas imagens. Ilustrações: Garcia Junior.
  • 33.
  • 34. COR: Ao longo da história, teóricos e artistas tentaram explicar a natureza da cor e como o ela ocorre enquanto fenômeno percebido pela visão. Como foi dito, enxergamos graças à presença da luz, e as cores só existem devido à sua presença também. A luz natural ou solar é também denominada de luz branca, deslocando-se a uma velocidade a cerca de 300.000 km/s quando propagada no vácuo (espaço sem ar). Cor
  • 35. COR: A luz branca pode ser decomposta em milhões de tonalidades de cores na natureza, mas o ser humano só é capaz de enxergar e identificar uma parte que chamamos de espectro luminoso visível. Estas cores podem ser observadas na natureza na forma do arco-íris, com as gotículas de água suspensas na atmosfera funcionando como prismas para a decomposição da luz branca.
  • 36. COR: As cores principais do espectro luminoso visível obtido através da decomposição da luz branca são: vermelho, laranja, amarelo, verde, azul, anil e violeta. A cor enquanto fenômeno físico possui leis naturais que a regem, e, enquanto fenômeno fisiológico, possui características identificáveis quanto ao modo como é percebida pelo olho humano.
  • 37. Cor
  • 38.
  • 39.
  • 40.
  • 41.
  • 42. Efeito de pós-imagem causado pelos contrastes simultâneos das cores. Olhe fixamente para a imagem acima por alguns segundos. Em seguida olhe fixamente pra uma área branca.
  • 43.
  • 44. As cores têm forte influência sobre as pessoas. Animam, relaxam, provocam emoções boas e más. As cores quentes aumentam o apetite nas pessoas, não é à toa que as lanchonetes preferem os tons de vermelho, laranja e amarelo na decoração. Já as chamadas cores frias têm efeito inverso. Eis por que se tem uma sensação de relaxamento ao se olhar o mar. Essas cores, principalmente o azul, levam à redução das atividades do corpo, como se a pessoa estivesse prestes a adormecer. De certa maneira, instintivamente, se conhece a ação das cores.
  • 45. Ninguém associa emoções fortes, que fazem disparar o coração, com tonalidades suaves e, muito menos, escuras. A paixão, por exemplo, é eternamente simbolizada por corações vermelhos. Já quando se está desanimado, a tendência é usar roupas de cores frias. Se as cores estimulam as pessoas, há quem acredite que podem até curar doenças, cada matiz fornecendo energia para uma parte específica do organismo.
  • 46. Nos quartos dos hospitais modernos, as paredes estão sendo pintadas de cores suaves em substituição ao clássico branco, isso porque o branco traz tamanha sensação de paz que, em pessoas deprimidas por causa de doenças, pode acabar resultando numa impressão de solidão. A ideia de usar cores para obter determinadas reações de comportamento é antiga. Gueixas com quimonos tradicionais do Japão. O rosto, ombros e costas pintadas de branco representam a pureza e a parte de trás do pescoço à mostra e não pintado estimula a sedução.
  • 47. Nas roupas vestir tons fortes e contrastantes dá mais colorido à vida, quando a situação parece “preta”. Em relação à idade, é interessante perceber que os jovens — cujo organismo funciona rápido — gostam dos tons fortes, justamente os que os estimulam ainda mais. Os mais velhos, porém, combinam o passar dos anos com uma crescente sobriedade. A cultura de uma sociedade também influi na escolha das cores. Povos tropicais costumam apreciar cores vivas. É só lembrar a arte plumária dos índios brasileiros. Já as sociedades do hemisfério norte gostam de tons mais sóbrios, como os das milenares porcelanas chinesas. Indígenas brasileros
  • 48. Às vezes, também, uma mesma situação é colorida de modo diferente em lugares diferentes. O luto nos países ocidentais é preto porque essa é a cor da morte — a sensação de preto é causada justamente pela ausência de luz, que por sua vez é relacionada à vida. Mas os budistas, por exemplo, usam branco nos enterros, como símbolo da paz alcançada pelo morto. A preferência por esta ou aquela cor também está relacionada à época. Em matéria de cor, porém, não se pode pintar tudo em um único tom. Os mais recentes estudos mostram que tudo depende do estado emocional e da personalidade de cada um. Muçulmanas com burka tradicional e roupa mais moderna.
  • 49.  DIMENSÃO / PLANO: trabalha em conjunto com a linha e com a forma para iludir o nosso olhar criando um efeito tridimensional na imagem, que está numa superfície bidimensional, uma folha de papel, por exemplo. As três dimensões são: altura, comprimento e profundidade. Junto com o elemento da dimensão relacionaremos o conceito de plano numa superfície, que é uma área da imagem que possui duas dimensões (comprimento e largura) e que, através de sua sobreposição, podemos obter uma ilusão de uma terceira dimensão (altura). ALTURA COMPRIMENTO PROFUNDIDADE Plano
  • 50. ALTURA COMPRIMENTO PROFUNDIDADE OU LARGURA EIXO HORIZONTAL Sobreposição de planos. Ilustração: Garcia Junior PLANO HORIZONTAL EIXO VERTICAL PLANO VERTICAL
  • 51.
  • 52.
  • 53.
  • 54.
  • 55.
  • 56. M.C. Escher (1898-1972): Maurits Cornelis Escher foi um dos maiores artistas gráficos do mundo. Suas obras podem ser apreciadas em muitos sites relacionados ao tema. Sua arte baseava-se em estruturas impossíveis de existirem no mundo real tridimensional, em sobreposições de planos e dimensões, explorando os recursos do desenho e da gravura brincando com a ilusão de ótica e a percepção visual dos observadores. PARASABERMAIS Répteis. Litogravura - 1943.
  • 57. Luz  TOM: A sensibilidade dos olhos para a luz faz com que possamos discernir formas, movimentos, texturas, cores e tons. O tom é a quantidade relativa de luz existente em um ambiente ou numa imagem, definindo sua obscuridade ou claridade, ausência ou presença de luz.  Temos uma relação de contraste entre o claro-escuro. Sem esta relação não veríamos o mundo da maneira que ele nos aparenta. A luz natural emitida pelo sol, a luz branca, é refletida, absorvida, circunda e penetra nos objetos que, por sua vez, têm características de absorver ou refletir a luminosidade que recebe.
  • 58. Luz  TOM: Assim, podemos enxergar as sombras e perceber o volume das coisas (elemento da dimensão), o espaço que elas ocupam, identificando sua forma, massa, cor, textura, se está estática ou em movimento etc. As múltiplas gradações entre o claro e escuro consistem numa escala tonal. Efeito de forma definida pela luz em ângulo específico sob os objetos distribuídos de modo ordenado.
  • 59. Luz Escalas tonais A luz e as sombras dão a ilusão de volume às imagens.
  • 60. O tom (quantidade de luz) é independente da cor (matiz).
  • 61. O contraste entre os tons de uma imagem podem ser explorados para criar efeitos dramáticos interessantes. Foto: Garcia Junior
  • 62.
  • 63.
  • 64.
  • 65.
  • 66. Direção - Equilíbrio  DIREÇÃO • horizontal - estática, calma • vertical - prontidão, equilíbrio • inclinada - instabilidade, atividade • curva - continuidade, totalidade
  • 67.
  • 69. O movimento funciona como uma ação que se realiza através da ilusão criada pelo olho humano. Podemos observar uma imagem estática num papel e parecer que ela está se movimentando para os nossos olhos. Isso acontece devido à maneira como os elementos básicos são arranjados e combinados entre si para criar a ilusão do movimento. Movimento
  • 70.
  • 71.
  • 72.
  • 73.
  • 74.
  • 75.
  • 76.
  • 77. Caça no Campo de Marte, São Paulo. Foto: Garcia Junior.
  • 78. PARASABERMAIS Futurismo: Estilo artístico surgido na França, em 1909, com um manifesto literário promovido pelo poeta Marinetti convocando os artistas para demonstrarem “audácia, coragem e revolta” e comemorarem a “nova beleza, a beleza da velocidade”. O estilo se desenvolveu mais na Itália onde os pintores foram influenciados pela vida urbana moderna com suas máquinas, a velocidade dos carros, o barulho da cidade grande. Formas únicas de continuidade do espaço. Umberto Boccioni. Itália. 1913.
  • 79. PARASABERMAIS Futurismo: Os pintores combinavam cores fortes e vibrantes com formas e linhas que transmitissem uma sensação de movimento na tela. Para os futuristas, a visão humana é dinâmica, observa tudo, por isso seu trabalho não podia ser estático, tinha de mostrar todos os espaços e formas ao mesmo tempo. Entre os principais artistas deste movimento estavam Giacomo Balla, Umberto Boccioni, Carlo Carrá e Gino Severini. As flechas da vida. Giacomo Balla. Itália. 1928.
  • 83. Namor (Marvel Comics). Bryan Hitch. 2006
  • 85. Escala  ESCALA: quando trabalhamos com os elementos visuais em uma área específica bidimensional, devemos prestar atenção na relação entre os tamanhos das imagens. Esta relação entre os tamanhos é a escala, também conhecida como proporção.
  • 86.  ESCALA: ao falarmos sobre escala ou proporção vamos estar comparando conceitos opostos: grande e pequeno. Monumento do Ipiranga, São Paulo. Foto: Garcia Junior.
  • 87.  ESCALA: A medida para se estabelecer uma relação comparativa de escala é o próprio ser humano, tendo sido desenvolvida pelos gregos antigos uma relação proporcional perfeita, a seção áurea. O Homem Vitruviano. Estudo de desenho. Leonardo Da Vinci.
  • 88. Templo de Atena (Acropolis - Partenon). Atenas, Grécia. C. 447-432 A.C. ESCALA: A proporção áurea é uma constante real algébrica irracional denotada pela letra grega PHI (não confundir com o número Pi), em homenagem ao escultor Phidias (Fídias), que a teria utilizado para conceber o Parthenon, e com o valor arredondado a três casas decimais de 1,618. Também é chamada de seção áurea (do latim sectio aurea), razão áurea,razão de ouro, média e extrema razão (Euclides), divina proporção, divina seção (do latim sectio divina), proporção em extrema razão, divisão de extrema razão ou áurea excelência.
  • 89. ESCALA: Desde a Antiguidade, a proporção áurea é usada na Arte. Este número está envolvido com a natureza do crescimento. Phi pode ser encontrado na proporção dos seres humanos (o tamanho das falanges, ossos dos dedos, por exemplo) e nas colmeias, entre inúmeros outros exemplos que envolvem a ordem do crescimento. Justamente por estar envolvido no crescimento, este número se torna tão frequente. E justamente por haver essa frequência, o número de ouro ganhou um status de "quase mágico", sendo alvo de pesquisadores, artistas e escritores.
  • 90. ESCALA: A proporção áurea também aparece na mundialmente conhecida sequência de Fibonacci, assim quando aplicamos os dois juntos diversas formas do mundo podem ser encontradas, como a espiral de uma concha, nos furacões, no movimento da água, em quadros famosos e até mesmo no formato das galáxias
  • 91. Templo de Atena (Acropolis - Partenon). Atenas, Grécia. C. 447-432 A.C.
  • 92.  A escala, como elemento da linguagem visual, traz em si um grande potencial de criação de efeitos e significados na construção de mensagens comunicativas e expressivas. Efeito de perspectiva forçada por distanciamento e posicionamento de planos.
  • 93. Efeito de perspectiva forçada só funciona se o observador estiver no correto ponto de vista.
  • 94. Efeito de perspectiva anamórfica em arte de rua que só funciona num único ponto de observação.
  • 95. Ilusão de perspectiva e escala. Centro Cultural Banco do Brasil, São Paulo. Foto: Garcia Junior.
  • 96.
  • 97.
  • 104. Agora é a nossa vez!!! Inspire-se!!!