3˚ano 6 a 8 a alta idade média

13.352 visualizações

Publicada em

0 comentários
4 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
13.352
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
11.572
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
132
Comentários
0
Gostaram
4
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

3˚ano 6 a 8 a alta idade média

  1. 1. Aula: 06 e 08 A Alta Idade Média: 20/02
  2. 2. A Pax Romana: fim da expansão militar Crise do Império Romano do Ocidente Lento declínio noabastecimento deescravos; - Falta de mão de obra; declínio da produção; - Queda na arrecadação de impostos; - Crise no comércio; - Falta de moedas; comércio se restringe a trocas; - Contestações políticas: imperadores fracos; - Empobrecimento do Estado; - Falta de pagamento dos legionários: saída das fronteiras;+ - Invasões bárbaras: saques, destruição: êxodo urbano; - Colonato: camponês dependente, vinculado à terra do senhor; cultivava em regime de parcerias; - Fortalecimento do Cristianismo: Religião confortadora diante da Crise; amor incondicional de Jesus, humanidade sofredora... - Igreja: sentimento de pertencimento a uma comunidade: irmãos
  3. 3. Em 476, o chefe bárbaro Odoacro depõe o último dos imperadores. É aqueda do império romano do ocidente. Inicia-se uma nova era nahistória da Europa. A Alta Idade Média.
  4. 4. ALTA (séc.V a X) BAIXA (séc.X a XV)• Invasões bárbaras • Cruzadas• Descentralização política • Renascimento comercial• Ruralização da economia • Renascimento urbano• Formação do feudalismo • Crise do feudalismo• Consolidação da Igreja • Surgimento da burguesia e do capitalismo ANTIGA IDADE MÉDIA MODERNA 476 1453Queda de Roma Queda de Constantinopla ORIENTE CIVILIZAÇÃO ÁRABE (séc.VII: Império Islâmico) IMPÉRIO BIZANTINO –Império Romano do Oriente
  5. 5. Síntese de instituições romanas e bárbaras ROMANAS: GERMÂNICAS: + •villa: feudo • comitatus: lealdade• colonato: servidão • beneficium: recompensa • cristianismo • direito consuetudinário
  6. 6. O mesmo aconteceu aos Alanos, Suevos e Vândalos. Aolongo do séc. V, outros povos bárbaros (Francos,Ostrogodos, Anglos, Saxões, Burgúndios…) vãocriando os seus reinos sobre os escombros do império.
  7. 7. A agricultura apenas produzia alimentos para consumo próprio = RURALIZAÇÃO da economia ECONOMIA DE SUBSISTÊNCIATotal abandono das cidades: muitasdesaparecem
  8. 8. Novo modelo social: tradiçõesgermânicas e cristãs: COMITATUS:fidelidade mútua entre senhores eguerreiros AUMENTO DO PODER EPRESTÍGIO DOS GRANDES SENHORES
  9. 9. ORIGENSCrise Romana – séc III – VILLAE grandes propriedades ruraisunidades básicas da produção mão-de-obra = colono Colonato servidã
  10. 10. Vilas, uma tradição romana: Colonato
  11. 11. Primeira dinastia dos Francos MEROVÍNGIOSSegunda dinastia dos Francos CAROLÍNGIOS
  12. 12. Reino Franco A falta de organização política, diferenças de língua, costumes e a crise econômica foram fatores que fizeram sucumbir a maioria dos reinos bárbaros. Porém, o Reino Franco teve longa duração, em parte porque um dos reis, Clóvis, tinha forte ligação com a Igreja Católica, tendo se tornado cristão por volta de 496. Podemos dividir o Reino Franco em duas dinastias: Merovíngia e Carolíngia. A primeira deve seu nome a Meroveu, avô de Clóvis, que havia lutado ao lado dos romanos contra os hunos. Um dos últimos reis da dinastia Merovíngia, Carlos Martel, venceu os árabes na Batalha de Poitiers, em 732, impedindo assim que toda a Europa fosse invadida pelos muçulmanos. O filho de Carlos Martel, Pepino, o Breve, iniciou a dinastia Carolíngia. O principal representante desta dinastia foi seu filho Carlos Magno, o mais famoso dos reis francos.
  13. 13. Império Carolíngio  Carlos Magno subiu ao trono em 768. Afoito a guerras, conquistou um império que abrangia territórios na Europa Ocidental e Oriental.  Apesar de quase analfabeto, Carlos Magno valorizava o ensino e fundou escolas gratuitas para o povo.  No ano 800, foi coroado imperador pelo papa Leão III. Assim, a Igreja Católica pretendia unificar a Europa sob o comando de um monarca cristão, restaurando a glória do Império Romano.  No entanto, esta unificação não foi possível. Após a morte de Carlos Magno, em 814, seu filho, Luís, o Piedoso, governou até 840. A partir de então, o império foi dividido em três reinos distintos, através do Tratado de Verdun.  Vale ressaltar que as invasões e a constituição dos reinos bárbaros provocou a ruralização da Europa e a concentração do poder nas mãos dos senhores de terra. Posteriormente, isto foi determinante para o surgimento do Feudalismo.
  14. 14. Roma, Natal do ano 800 Excepcionalmente, o rei franco Carlos Magno passava o inverno fora de casa.Mas era uma emergência. Ele e seus homens foram à cidade para reconduzir Leão IIIao trono de Papa. Meses antes, Leão III havia sofrido um sério atentado a mando danobreza local. No ataque perdeu a língua e ficou parcialmente cego devido a cortesfeitos em suas pálpebras. Por isso, procurou abrigo na corte de Carlos, um fiel cristãoque chegava a frequentar a Igreja três vezes por dia. O monarca chegou a Roma comsuas tropas, puniu os inimigos do papa e botou ordem na cidade. Em agradecimento,Leão III organizou uma celebração natalina especial. Tinha de presentear seu protetore, de quebra, garantir a segurança e a posição da Santa Sé por mais tempo. Naquele25 de dezembro, o papa coroou Carlos como novo Imperador do Sacro ImpérioRomano Germânico, algo que a Europa não via desde a queda do Império Romano,em 476. A cerimônia inaugurou um novo tempo. A coroação de Carlos Magno comoimperador foi realmente importante. Pela primeira vez desde o ano 476 havia umgoverno centralizado que alcançava a maior parte da Europa Ocidental. Adaptado de Aventuras na História, Edição nº6, fev.2004.
  15. 15. Com a morte de Carlos Magno Luis, o Piedoso Divisão do reinoTRATADO DE VERDUN - 843 (descentralização política)
  16. 16. Castelania: unidade essencial política e econômica: Poder Local
  17. 17. BANALIDADES = pagamentopela utilização dos instrumentosdo feudo: moinho, fornos, celeiro...em mercadorias
  18. 18. AS OBRIGAÇÕES SERVISCORVÉIA =obrigação detrabalhar algunsdias por semananos campos dosenhor feudal.
  19. 19. TALHA = uma parteda produção dosservos obtida nareserva servil eraentregue aossenhores feudais.
  20. 20. A IGREJA MEDIEVAL
  21. 21. . Nessa figura, um monge copista em seu ofício. Somente o clero tinhaacesso à educação na Idade Média e os membros da Igreja Católica foram osresponsáveis pela tradução da Bíblia para o latim.
  22. 22. Islamismo Aquele que se submete à vontade de DeusPenínsula Arábica: beduínos nômades: oásis/comércio: longasdistâncias Contato com outras culturas/ religiões: cristianismo/ judaismo Meca: Próspero centro comercial
  23. 23. Maomé Revelação: visita do anjo Gabriel – Alá é o único Deus Choque com os interesses dos comerciantes locais622: Hégira - Fuga para Yatreb: Medina (a cidade do profeta)Projeto Político: unificação – jihad (esforço no qual a guerra éferramenta)628: Unificação: Religião possibilitou a unificação dosárabes;
  24. 24. Dever do fiel: Respeitar o Corão e a sunna Orar cinco vezes ao dia; com a cabeça voltada em direção a Meca, praticar a caridade, jejuar no Ramadã, visitar Meca ao menos 1 vez na vidaCalifas: chefes políticos e religiosos: levam a religião a outrosterritórios: expansão da fé e busca por terras férteis;
  25. 25. EXPANSÃO: Península IbéricaCarlos Martel: Batalha de Portiers: contidos e nãoadentram o continente. Domínio praticamente total do Mediterrâneo Isolamento da Europa: Feudalismo Pleno
  26. 26. As Cruzadas – Entre a Fé e a Espada
  27. 27. “(…) Lutar para libertar o Santo Sepulcro émerecer a glória eterna.”
  28. 28. Consequências das Cruzadas Criação de entrepostos comerciais entre a Europa e o Oriente. Gênova e Veneza tornam-se os principais centros comerciais da Europa. Rotas marítimas e terrestres de comércio europeu. As especiarias do Oriente.
  29. 29. O Renascimento Comercial e Urbano As rotas marítimas  Marcelha, Lisboa, Flandres.  Liga Hanseática As rotas terrestres  Os burgos  A rota de Champagne  As feiras medievais
  30. 30. Transformações sociais O surgimento da burguesia O retorno da vida urbana As organizações burguesas  Guildas  Corporações de Ofício  Hansas  Bancos  As cartas de franquia e as comunas
  31. 31. As transformações culturais Alta Idade Média (séc.V-X)  Românico  Patrística Baixa Idade média (séc. X – XV)  Gótico  Escolástica
  32. 32. Falar do Mal erauma maneira dereforçar a imagemde Deus
  33. 33. Santo Agostinho: A Cidade de Deus:Sociedade dos homens eleitos: boasações. Felicidade eterna de DeusCidade dos Homens: atormentada porSatanás.
  34. 34. O expansionismo cristão ocidental Cruzadas Reconquista Reabertura do mediterrâneo
  35. 35. Mª Victoria Landa•Juan Gil Hontañón
  36. 36. Mª Victoria Landa
  37. 37. Mª Victoria Landa

×