3 lei de hooke

298 visualizações

Publicada em

Lei de Hooke

Publicada em: Engenharia
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
298
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
2
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
2
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

3 lei de hooke

  1. 1. Roteiro de Física Experimental I 1 EXPERIMENTO: LEI DE HOOKE I. OBJETIVO  Verificar e compreender a Lei de Hooke. - MATERIAL UTILIZADO  01 tripé tipo estrela com manípulo;  01 haste fêmea de 40 cm;  01 haste macho de 40 cm;  01 régua 400 mm;  01 fixador metálico com manípulo;  01 fixador metálico com haste;  01 mola;  04 massas 50g com gancho; II. PROCEDIMENTO EXPERIMENTAL Montagem do instrumento 1. Encaixe a haste fêmea na haste macho. (Figura 2) COLÉGIO PEDRO CALMON Autores: Fabiana Sena; Thaís Ribeiro DISCIPLINA: Física Experimento: Lei de Hooke Componentes: THAÍS RIBEIRO/FABIANA SENA Figura 1.
  2. 2. Roteiro de Física Experimental I 2 2. Com as hastes encaixadas, prenda uma de suas extremidades no tripé (Figura 3a) e encaixe na haste o fixador metálico com manipulo para prender a régua (Figura 3b). 3. Em seguida, encaixe o fixador metálico com haste na parte superior do instrumento e coloque a mola. Lembre-se de ajustá-la ao zero da régua como indica a figura 4. Procedimento Experimental 1. Com o conjunto montado, meça o comprimento inicial da mola Lo. 2. Prenda um peso de 50g na extremidade mola; 3. O que aconteceu com a mola? Qual o valor indicado para o seu comprimento final? THAÍS RIBEIRO/FABIANA SENA Figura 3 a. Figura 3 b. THAÍS RIBEIRO/FABIANA SENA Figura 4. THAÍS RIBEIRO/FABIANA SENA
  3. 3. Roteiro de Física Experimental I 3 ________________________________________________________________ ________________________________________________________________ ________________________________________________________________ 4. Repita o procedimento anterior, acrescentando as massas de 50g restantes uma após a outra na extremidade da mola. Observe e anote o que acontece em cada caso separadamente, com a mola em questão. 5. Desenhe no espaço abaixo um esboço dos resultados obtidos ,tomando como base o estado inicial da mola. Você pode fazer uso de legendas e indicações escritas para esclarecer o desenho. Estado inicial da mola Estado da mola ao inserir massa de 50g
  4. 4. Roteiro de Física Experimental I 4 Estado da mola ao inserir massa de 100g Estado da mola ao inserir massa de 150g Estado da mola ao inserir massa de 200g
  5. 5. Roteiro de Física Experimental I 5 6. Ao acrescentar as massas na extremidade das molas, o que você pôde perceber? ___________________________________________________________________ ___________________________________________________________________ ___________________________________________________________________ 7. Considerando o aumento da força aplicada sobre a mola à medida que aumentamos as massas. Como a força aplicada se relaciona com o alongamento produzido pela mola? Você pode descrever uma expressão matemática para essa situação? ___________________________________________________________________ ___________________________________________________________________ ___________________________________________________________________ III. FUNDAMENTAÇÃO TEÓRICA Quando uma mola ideal é submetida a distensão ou compressão, força elástica restauradora é gerada de acordo com a Lei de Hooke. 퐹푥=−퐾푥 (I) onde k é a constante denominada da força (ou elástica mola) e x é a deformação da mola (variação no tamanho em relação ao comprimento natural). O sinal negativo da expressão (I) indica que a direção força é contrária à deformação. A força restauradora surge sempre no sentido de recuperar o formato original do material. Assim, por exemplo, se uma mola for esticada ou comprimida, esta tende a voltar para seu formato original devido a ação dessa força restauradora. As molas reais obedecem à equação (I), até certo valor de deformação, que chamamos de limite elástico. Acima desse limite a mola se deformará de tal maneira, que perde sua função, ficando imprópria para ser utilizada. IV. BIBLIOGRAFIA
  6. 6. Roteiro de Física Experimental I 6 Sears & Zemansky – Young & Freedman, Física 1 – Mecânica, 12ª edição - Editora Pearson. LIVEIRA, Pinto Pitriecola Maurício. Coleção Física em Contextos. Editora FTD.

×