Rins,Ureteres,Bexiga, Ap. Reprodutor Mas. E Fem.

66.023 visualizações

Publicada em

Rins,Ureteres,Bexiga, Ap. Reprodutor Mas. E Fem.

Publicada em: Educação
2 comentários
7 gostaram
Estatísticas
Notas
Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
66.023
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
22
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
239
Comentários
2
Gostaram
7
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Rins,Ureteres,Bexiga, Ap. Reprodutor Mas. E Fem.

  1. 1. RINS São dois órgãos marrom-avermelhados situados retroperitônialmentel na parede posterior da cavidade abdominal, uma em cada lado da coluna vertebral, no nível das vértebras T12 – L3, medem aproximadamente 10 cm de comprimento, 5cm de largura e 2,5 cm de espessura. Cada rim possui uma capuz formado por uma glândula endócrina, situada supero-medialmente ao pólo superior do rim, denominada glândula supra- renal. O rim direito situa-se uma pouco abaixo que o rim esquerdo, provavelmente devido a sua relação com o fígado. Superiormente, os rins estão associados ao diafragma, que os separas das cavidades pleurais e do 12º par de costelas. Inferiormente as faces posteriores do rim estão associados com o músculos quadrado do lombo. O fígado, duodeno e o colo ascendente situam-se anteriores ao rim direito( fig. 2-63, moore). O rim esquerdo está relacionado ao estômago, baço, pâncreas, jejuno e colo descendente. HILO RENAL Onde a artéria renal entra e a veia renal e a pelve renal deixa o Seio Renal. A veia renal está anteriormente à artéria renal, que está anterior a pelve. SEIO RENAL É a entrada em um espaço no rim ocupado pela pelve renal, pelos cálices, vasos( veia e artéria) e nervos e, por uma quantidade variável de gordura. Cada Rim possue:  Face anterior e posterior
  2. 2.  Margens medial e lateral  Pólos superior e inferior A margem lateral é cônvexa, na margem medial, côncava, localiza-se o Seio Renal e Pelve Renal. A margem medial entalhada confere ao Rim aparência semelhante de uma grão de feijão. PELVE RENAL É a expansão afunilada, achatada da extremidade superior do ureter. O ápice da Pelve Renal é contínuo ao ureter. A Pelve Renal recebe dois ou três cálices maiores e cada um deles se divide em dois ou três cálices menores. Cada cálice é entalhado pela Papila Renal, o ápice da pirâmide renal, no qual a urina é excretada. Cada cálice menor contém as pirâmides renais(medula renal) que são separadas pela Parede Renal, num total de 8 a 12 pirâmides, onde estão localizados as alças de Henle e os túbulos coletores. Acima da base das pirâmides está localizado o Córtex Renal envolvido por 3 camadas de tecidos. A mais interna, que cobre a superfície do rim é a cápsula fibrosa, que e envolvida pela 2ª camada ( massa de gordura perirenal) denominada cápsula adiposa. A 3ª camada é a fáscia renal(fáscia de parede dupla) que envolve o rim e a cápsula adiposa e ancora o rim na parede posterior do abdômen. No córtex renal fica o Corpúsculo de Malpighi que é composto pela Capsula glomerular de Bowman, que envolve o Glomérulo , formando o Corpúsculo Renal (Néfron). A barreira que separa o sangue (nos capilares do glomérulo) do espaço existente na cápsula do glomérulo (espaço capsular), faz com que substância sejam capazes de atravessar a barreira, e o corpúsculo renal é o local onde a maioria das substâncias deixa o sangue e penetra no néfron., mas nem todas as moléculas conseguem atravessar a barreira de filtração. Como resultado , o filtrado glomerular que penetra na cápsula glomerular inclui a maioria das substâncias presentes no plasma sangüíneo, exceto as células do sangue e as proteínas plasmáticas.
  3. 3. Alguns Néfrons não penetram profundamente na Medula (Piramides) sendo denominados Néfron corticais. Do lado da cápsula do Glomérulo, cada Néfron forma um túbulo com varias curvaturas conhecida como túbulo contorcido proximal, após esses túbulos , o nefron apresenta uma porção reta(ramo descendente e ascendente) que então forma a alça de Henle que dirige para a pirâmide localizada na medula renal. As alças dos Nefrons justamedulares são maiores que as dos Néfrons corticais. Por essa razão, se projetam mais profundamente na medula do que as alças dos néfrons corticais situados mais superficialmente no córtex. Após o ramos ascendente da alça de henle, cada néfron se torna espiralado formando o túbulo contorcido distal, na região do córtex renal. Os túbulos contorcidos distais de vários nefrons desembocam em um Túbulo Coletor comum que transporta a urina para o interior da pirâmide renal, no ápice, onde se localiza a papila renal . Cerca de 10 a 25 túbulos coletores, se abrem na papila de cada pirâmide e desembocam em um cálice menor. ARTÉRIA RENAL A artéria renal se divide em Ramos Dorsais e Ventrais que passam posterior e anteriormente a Pelve Renal, esses vasos transitam entre as pirâmides e através das colunas renais com artérias Interlobares. Na base das pirâmides( junção entre medula e o córtex), as artérias interlobares formam ramos arqueados que seguem paralelos à superfície dos rins. Esses vasos são as artérias arqueadas que em intervalos dão origem às pequenas artérias interlobulares que correm através do córtex em direção à superfície do rim. Essas pequenas artérias se dividem em várias artériolas Aferentes, cada uma delas irrigando um corpúsculo renal( nefron) formando uma rede capilar denominada Glomérulo. É a nível do glomérulo que o sangue arterial entra em intimo contato com as células da cápsula glomerular e o filtrado é formado. O sangue arterial deixa o glomérulo através da arteríola eferente e se dividem em uma rede de capilares que circunda os túbulos contorcidos proximal e
  4. 4. distal. Esses capilares são denominados capilares peritubulares, que também envolve as alças de Henle. Vasos conhecidos como arteríolas retas se estendem desde as arteríolas eferentes dos néfrons justamedulares para irrigar suas alças e os túbulos coletores. Esses vasos retos possuem uma ação muito importante na formação da urina concentrada. Os capilares peritubulares convergem para veias interlobulares que desembocam nas veias arqueadas e veias interlobares que confluem em veias renais. Esquema do desenho URETERES
  5. 5. São tubos musculares, com 25- 30 cm de comprimento, que unem os rins à bexiga. os ureteres são retroperitoneais, suas metades superiores estão no abdomen e suas metades inferiores na pelve, sendo divididas pela bifurcação da artéria ilíaca comum ou o inicio da artéria ilíaca externa, assim deixando o abdomem e entrando na pelve menor Os ureteres ao descerem entre o peritônio parietal e a parede da cavidade pélvica, se dirigem medialmente e penetram na face externa posterolaterais da bexiga urinária, aproximadamente 5cm distantes um do outro. Mas suas aberturas internas para a luz da bexiga vazia são separadas por metade dessa distância. Essa passagem obliqua através da bexiga forma uma “válvula” unidirecional, com a pressão interna da bexiga que se enche causando colapso da passagem intramural, e as contrações da musculutura atuam como esfíncter, impedindo o refluxo da urina para os ureteres quando a bexiga se contrai aumentando a pressão interna durante a micção. Nos homens: a única estrutura que passa entre o ureter e o peritônio é o DUCTO DEFERENTE. O ureter situa-se póstero-lateralmente ao ducto deferente, e entra no ângulo póstero-superior da bexiga logo acima da glândula seminal. Em mulheres: o ureter passa medialmente à origem da artéria uterina e continua até o nível da espinha esquiática, onde é cruzado superiormente pela artéria uterina. Em seguida, passa próximo da parte lateral do fórnice da vagina e entra no ângulo postero-superior da bexiga. Os cálculos que tendem a ser retidos nas regiões onde o ureter cruza o estreito superior da pelve ou entra na bexiga causa dor inguinal intensa. Os cálculos ureterais podem causar obstrução completa ou intermitente do fluxo urinário, ocorre em qualquer parte ao logo do ureter, sendo mais freqüente nos 3 locais onde os ureteres normalmente apresentam constrição: 1. na junção dos ureteres e das pelves renais 2. onde cruzam a artéria ilíaca externa e o estreito superior da pelve 3. durante a passagem através da parede da bexiga.
  6. 6. BEXIGA Uma víscera oca com forte paredes musculares, é caracterizada por sua distencibilidade. É uma reservatório temporário para a urina e varia de tamanho, formato, posição e relações de acordo com seu conteúdo e com o estado das víscera adjacentes. Quando vazia a bexiga do adulto está localizada na pelve menor, situada parcialmente superior e parcialmente posterior ao púbis e a sínfise púbica anteriormente e o assolho pélvico posteriormente. Em lactentes e crianças pequenas: a bexiga está no abdome mesmo quando vazia. A bexiga entra na pelve maior ao 6 anos de idade; apenas depois da puberdade está completamente localizada na pelve menor. Estando sua face superior no mesmo nível da margem superior da sínfise púbica. A medida que a bexiga enche, entra na pelve maior, enquanto ascende no tecido adiposo extraperitoneal. Em alguns indivíduos, a bexiga cheia pode ascender até o nível do umbigo. no fim da micção, praticamente não contém urina. Quando vazia, a bexiga é tetraédrica e externamente possue: 1. ÁPICE DA BEXIGA : aponta em direção à margem superior da sínfise púbica. 2. FUNDO DA BEXIGA é oposto ao ápice, formado pela parede posterior algo cônvexa. 3. CORPO DA BEXIGA: é o principal parte da bexiga entre o ápice e o fundo 4. COLO DA BEXIGA: o fundo e as faces ínfero – laterais encontram – se inferiormente no colo da bexiga. As paredes da bexiga são formadas principalmente pelo Músculo Detrusor. Em direção ao colo da bexiga masculina , as fibras internas (M. detrusor) formam o esficter interno da uretra involuntário. Esse esficter se contrai durante a ejaculação para evitar ejaculação retrograda (reflexo ejaculatório) do sêmem para a bexiga. Algumas fibras ajudam na abertura do óstio uretral interno
  7. 7. Em homens, as fibras musculares no colo da bexiga são contínuas com o tecido fibromuscular da próstata. Nas mulheres, essas fibras são contínuas com fibras musculares na parede da uretra. Os òstios ureterais e o óstio uretral interno formam o trígono vesical. Os óstios ureterais são circundados por alças da musculaturas do detrusor que se contraem quando a bexiga contrai, para ajudar a evitar o refluxo da urina para o ureter. FACE SUPERIOR da bexiga localizada no teto e abrange o ápice da bexiga. FACE POSTERIOR atrás da uretra, vesícula seminal e ampola do ducto deferente. FACE ÍNFERO-LATERAIS localizado abaixo e lateralmente indo no sentido das vesículas seminais e ampola do ducto deferente. A união do ducto deferente e glândula ( vesícula ) seminal formam o ducto ejaculatório. APARELHO REPRODUTOR MASCULINO URETRA MASCULINA PARTE INTRAMURAL: Comprimento: 0,5 – 1,5 cm Localização/Disposição: Estende-se quase verticalmente através do colo da bexiga. Características: Circundada pelo esfíncter interno da uretra; o diâmetro e o comprimento variam, dependendo se a bexiga esta se enchendo ou esvaziando. PARTE PROSTATICA Comprimento: 3,0 - 4,0 cm
  8. 8. Localização/Disposição: Desce através da parte anterior da próstata, formando uma curva suave, com concavidade anterior; é limitada anteriormente por uma parte deprimida vertical do esficter externoda uretra. Características: Parte mais larga e dilatável; contém a crista uretral com o conículo seminal, ladeado dos seios prostáticos nos quais se abrem os ductos prostáticos. Os ductos ejaculatórios se abrem no colículo, assim os tratos urinários e reprodutivo se fundem nessa parte. PARTE MEMBRANÁCEA Comprimento: 1,0 – 1,5 cm Localização/Disposição: Atravessa o espaço profundo do períneo circundada por fibras circulares do esfincter externo da uretra, penetra na membrana do períneo. Características: Parte mais estreita e menos distensível, exceto pelo óstio externo da uretra. PARTE ESPONJOSA
  9. 9. Comprimento: (~) 15 cm Localização/Disposição: Atravessa o corpo esponjoso; há um alargamento inicial no bulbo do pênis; alarga-se de novo distalmente como fossa navicular na glande do pênis. Características: Parte mais larga e mais móvel; as glândulas bulbouretrais se abre na parte bulbar; (distalmente , as glândulas uretrais se abrem em pequenas lacunas uretrais que entramna luz dessa parte.) ORGÃOS GENITAIS INTERNOS MASCULINOS TESTÍCULOS São as gônadas masculinas – pares de glândulas reprodutivas masculinas ovóides que produzem células germinativas masculinas, os espermatozóides, e homônios masculinos, principalmente a TESTOSTERONA. Estão suspenso no escroto pelo funículo espermático, e o testículo esquerdo localiza-se na posição mais baixa que o direito. Os Testículos possuem: 1. Extremidade Superior e Inferior 2. Superfície Medial e Lateral 3. Bordas Anterior e Posterior 4. Vasos Testiculares 5. Plexo pampiniforme
  10. 10. EPIDÍDIMO É uma estrutura alongada na face posterior do testículo. Os dúctulos eferentes do testículo transportam espermatozóides recém-desenvolvidos da rede do testículo para o epidídimo. O epidídimo é formado pelas pequenas convoluções do ducto do epidídimo, tão sólidas que parecem compactas. O ducto torna-se progressivamente menor enquanto segue da cabeça do epidídimo na extremidade superior do testículo até a sua cauda. Na cauda do epidídimo, o ducto deferente começa como a continuação do ducto do epidídimo. No longo trajeto deste tubo contorcido, os espermatozóides são armazenados e continuam a amadurecer. O epidídimo é formado por:  Cabeça do epidídimo: a parte expandida superior que é composta de lóbulos formados pelas extremidadesespiraladas de 12 – 14 dúctulos eferentes.  Corpo do epidídimo: é formado pelo ducto contorcido do epidídimo.  Cauda do epidídimo: contínuo com o ducto deferente, o ducto que transporta os espermatozóides do epidídimo para o ducto ejaculatório para expulsão da uretra durante a ejaculação. DUCTO DEFERENTE É a continuação do ducto do epidídimo. O ducto deferente:  Possui paredes musculares relativamente espessas e uma luz muito pequena, conferindo-lhe firmeza como um cordão.  Começa na cauda do epidídimo, no extremidade inferior do testículo.  Ascende posterior ao testículo, medial ao epidídimo.  É o componente primário do funículo espermático.  Penetra na parede anterior do abdome através do canal inguinal.
  11. 11.  Cruza sobre os vasos ilíacos externos e entra na pelve.  Passa ao longo da parede lateral da pelve, onde situa-se externamente ao peritônio parietal.  O ducto deferente se dilata para formar a ampola do ducto deferente antes do seu fim.  Termina unindo-se ao ducto da glândula seminal para formar o ducto ejaculatório. GLÂNDULAS SEMINAIS É uma estrutura alongada possui 5 cm de comprimento, mas algumas vezes é muito mais curta . situada entre o fundo da bexiga e o reto. Estão obliquamente posicionadas superiores à próstata e que não armazenam espermatozóides, como indicam seu nome.

×