Prova001

1.845 visualizações

Publicada em

0 comentários
1 gostou
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
1.845
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
2
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
7
Comentários
0
Gostaram
1
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Prova001

  1. 1. GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO Processo de Promoção 001. Prova Objetiva Assistente de Diretor de Escola Diretor de Escola Você recebeu sua folha de respostas, este caderno  Marque, na folha intermediária de respostas, localizada contendo 60 questões objetivas e um caderno no verso desta página, a letra correspondente à contendo 1 questão dissertativa. alternativa que você escolheu. Confira seu nome e número de inscrição impressos  Transcreva para a folha de respostas, com caneta de na capa deste caderno. tinta azul ou preta, todas as respostas anotadas na Quando for permitido abrir o caderno, verifique se folha intermediária de respostas. ele está completo ou se apresenta imperfeições. Caso  A duração das provas objetiva e dissertativa é de haja algum problema, informe ao fiscal da sala. 4 horas, já incluído o tempo para o preenchimento Redija a resposta da questão dissertativa com caneta da folha de respostas e texto definitivo. de tinta azul ou preta, no caderno reservado para tal.  Só será permitida a saída definitiva da sala e do prédio Os rascunhos não serão considerados na correção. após transcorridos 75% do tempo das provas. A ilegibilidade da letra acarretará prejuízo à nota do  Ao sair, você entregará ao fiscal o caderno de questão candidato. dissertativa, a folha de respostas e este caderno, Leia cuidadosamente as questões objetivas e escolha podendo destacar esta capa para futura conferência a resposta que você considera correta. com o gabarito a ser divulgado. Responda a todas as questões.  Até que você saia do prédio, todas as proibições e orientações continuam válidas. Aguarde a ordem do fiscal para abrir este caderno de questões. 25.07.2012
  2. 2. Folha Intermediária de Respostas
  3. 3. FORMAÇÃO ESPECÍFICA 03. Sobre experiências colegiadas, Abranches afirma: “É indispensável apontar que, para alcançar esse estágio na01. De acordo com Abranches (2003), a Conferência Mundial participação da comunidade, muito trabalho foi realizado, sobre Educação para todos, em 1990, em Jontiem, na tanto no sentido de incentivar os pais a superar seus medos Tailândia, com a participação de 155 países, deixou como e suas próprias limitações, quanto para romper as resis- compromisso tências das pessoas que não acreditavam ou não queriam a inclusão dos pais nas decisões da escola.” (A) a elaboração de um documento em 2010, caracte- rizando as propostas educacionais e as diretrizes Essa experiência revela que governamentais. (A) os indivíduos entram em contato com as estruturas (B) o plano decenal de educação para todos, que definiu burocráticas do poder público, incluindo a correlação novas modalidades educativas e governamentais. de forças, e se tornam integrados a esta dinâmica. (C) a garantia da educação básica a todas crianças, jovens (B) a construção do espírito de grupo surge quando os e adultos e a promoção da equidade. pais reconhecem o trabalho como uma tarefa coletiva, sentem o compromisso e a representação sobre as (D) o direcionamento de novos padrões de gestão, pos- decisões tomadas e passam a solicitar dos colegiados sibilitando a organização de um trabalho didático informações necessárias. pedagógico de qualidade. (C) a inserção dos indivíduos em estruturas colegiadas (E) promover um ensino de qualidade, priorizando uma propicia um aprendizado, possuindo principalmente ampla interação com a comunidade. direitos deliberativos. (D) cada participante, por meio de uma metodologia02. Segundo estudos e análises dos registros em atas de reu- adequada, pode objetivar o início do processo parti- niões de colegiado, em escolas públicas, Abranches (2003) cipativo e de inserção. declara: (E) a formação da participação coletiva, nos colegiados, “[...] percebe-se que, na maioria das vezes, essas deman- pode garantir opiniões formadas pelo próprio membro das partem da escola. A pauta apresentada pela diretora da instância escolar como único porta voz do grupo. e presidente do colegiado vem pronta para a reunião e sem questões trazidas pela comunidade [...] a direção já apresenta uma planilha de gastos e de um valor predefi- 04. No desenvolvimento de suas ideias a respeito da sociedade nido para a contribuição dos pais, submetendo apenas a da informação, Alarcão se apoia em afirmações de vários aprovação”. estudiosos, como Perrenoud, Morin, Raposo, entre outros. Nesse texto, a autora denuncia que Estabeleça a relação entre os autores e suas ideias. (A) o Colegiado constitui um espaço de implantação 1. Perrenoud a) valorização do conhecimento X alie- democrática, pois todos os segmentos participam nação, manipulação, injustiça. igualmente dos encontros. 2. Morin b) só o pensamento organiza o conhe- cimento. (B) a transição do processo de centralização de decisões 3. Raposo c) competência é a capacidade de utili- para um movimento descentralizado ainda não ocor- zar os saberes para agir em diferentes reu e os professores apresentam descrença diante do situações. poder dos pais na deliberação de decisões. Assinale a alternativa que apresenta a relação correta. (C) a descentralização do poder na escola vem indicando a participação mais ativa de pais, professores, equipe (A) 1 – a; 2 – b; 3 – c. gestora e representação de alunos. (B) 1 – b; 2 – c; 3 – a. (D) apesar da burocracia, as resoluções tomadas nos (C) 1 – c; 2 – a; 3 – b. colegiados se referem à opinião fornecida pelos pais e responsáveis comunitários. (D) 1 – c; 2 – b; 3 – a. (E) com a ampliação do interesse dos pais em participação (E) 1 – b; 2 – a; 3 – c. dos Colegiados, verifica-se a divisão de responsabi- lidade igualitária entre todos os envolvidos. 3 SEED1202/001-AssistDirEscola-DirEscola
  4. 4. 05. Segundo o pensamento do professor Azanha (1993), a 07. As diferentes manifestações da violência no democracia interna e a autonomia da escola são condições escolar são extremamente e multidimensio- necessárias para que ela nais. Os(As) professores(as), em geral, têm dificuldade de formas de violência geradas pela própria (A) reproduza procedimentos a partir de diretrizes, nor- escola, não veem a cultura escolar como de mas ou critérios administrativos. violência. (Candau. Adaptado) (B) abandone sua tarefa de captar valores e sentimentos de uma época. Assinale a alternativa que preenche, correta e respectiva- mente, as lacunas do texto de Candau (1990). (C) reproduza o espaço e a conveniência da participação comunitária. (A) ambiente ... frequentes ... aceitar ... forma (B) currículo ... constantes ... entender ... ponto (D) assuma o papel de produção de conhecimento e (C) espaço ... corriqueiras ... verificar ... forma criatividade. (D) cotidiano ... complexas ... identificar ... fonte (E) assuma a tarefa de defender e adotar a uniformidade (E) cotidiano ... complicadas ... aceitar ... fonte pedagógica. 08. Uma proposta de educação em direitos humanos que tenha06. Leia o texto. como eixo a recuperação do valor da vida, segundo Can- Na nossa sociedade, muitas vezes os processos edu- dau e outros, deve envolver o(a) cativos são impermeáveis à realidade do contexto social (A) pedagogia da indignação, o saber construído sobre em que se inserem [...]. Em muitas ocasiões, nem sequer os direitos humanos e o reconhecimento da vida. existe um espaço para que os diferentes sujeitos possam expressar e refletir sobre a estruturação do seu dia-a-dia, (B) sistematização de práticas coletivas que valorizam a de suas famílias e comunidades. As práticas educativas e vida em situações emergentes. a vida parecem ser dois mundos que se ignoram. (C) educação em direitos humanos com liderança da (Candau, 2007) equipe gestora associada à prática da indignação. (D) intercâmbio e o diálogo sobre o potencial da vida Para superar essa tendência de insensibilidade, de passi- para reconhecimento do seu valor. vidade e de impotência, faz-se necessário: (E) confronto entre experiências diversas provenientes I. organizar e promover constantes palestras sobre o da indignação e prática da sensibilização. cotidiano escolar e suas repercussões na comunidade; II. construir e organizar propostas educativas relacio- nadas aos direitos humanos ampliando ações de 09. Segundo Chrispino (2002), a escola, como qualquer ins- integração escola-comunidade; tituição, está planificada para que as pessoas sejam todas III. sistematizar e incentivar práticas coletivamente cons- iguais. A homogeneização é exercida por meio de meca- truídas promovendo sensibilidade e humanização no nismos disciplinares. Existe, na escola, um ambiente de espaço escolar; violência simbólica no cotidiano escolar que é indicado pelos seguintes aspectos: IV. convidar frequentemente a comunidade para participar I. discriminação individual e grupal, vigência de modelos de atividades educativas. agressivos dificultando as relações pessoais, existência Está correto apenas o contido em de um currículo inflexível e pouco significativo; II. esgotamento emocional dos docentes diante das (A) I e II. escassas expectativas, acrescido pelo exercício da homogeneização pelos mecanismos disciplinares; (B) I e III. I II. desinteresse do corpo docente na relação com a co- (C) II e III. munidade em busca de soluções disciplinares; IV. dificuldade para trabalhar as diferenças e estabelecer (D) II e IV. a tolerância por meio do diálogo e da participação. (E) III e IV. Está correto apenas o contido em (A) I e II. (B) I e III. (C) II e III. (D) II e IV. (E) III e IV.SEED1202/001-AssistDirEscola-DirEscola 4
  5. 5. 10. Leia o texto. 12. Fullan (2009), usando como exemplo a mudança na sala de aula, pois esse nível é mais próximo do ensino e da A implementação de reformas educacionais em um aprendizagem, afirma que a inovação é multidimensional país federativo, cujos sistemas de ensino caracterizam-se e que existem três dimensões em jogo na implementação por extrema descentralização político-institucional como de mudanças significativas. o Brasil, requer necessariamente a implantação de meca- nismos de monitoramento e acompanhamento das ações São dimensões necessárias: e políticas em curso por diferentes razões. I. uso de materiais novos ou revisados (recursos instru- (Maria Helena Guimarães de Castro, 2000) cionais como matérias ou tecnologias curriculares); Segundo a autora, esses mecanismos (monitoramento e II. utilização de novas formas de comunicação entre os acompanhamento) contribuem para integrantes da equipe escolar; III. uso de novas abordagens de ensino; (A) assegurar a transparência das informações, cumprindo assim dois requisitos básicos da democracia: a ampla V. subjetivação da mudança social, pelo agente de mu- I disseminação dos resultados obtidos e a permanente dança; prestação de contas à sociedade. V. alteração de crenças (teorias pedagógicas subjacentes a certas políticas ou programas novos). (B) manter sob controle do governo federal as políticas educacionais implementadas pelos estados e municí- Está correto apenas o contido em pios, possibilitando que estes façam o monitoramento das escolas. (A) I, II e III. (C) assegurar ao governo federal o controle sobre as (B) I, II e IV. políticas públicas educacionais. (C) I, III e IV. (D) adequar as políticas educacionais dos estados e muni- (D) II, III e V. cípios às determinações do Ministério da Educação, para que as escolas tenham maior autonomia na (E) III, IV e V. gestão administrativa e pedagógica. (E) manter o governo federal bem informado sobre a 13. Segundo Fullan (2009), para um número cada vez maior destinação de verbas para os estados e os municípios. de pessoas que tentam adotar mudanças educacionais, a impossibilidade está se tornando uma palavra mais corriqueira. A principal razão para a impossibilidade de11. O Ideb (Índice de Desenvolvimento da Educação Básica) realização de mudanças na escola ocorre quando foi criado em 2007 como parte do Plano de Desenvolvi- mento da Educação (PDE). (A) se leva em conta o contexto e a cultura do local. A respeito do Ideb, podemos afirmar que: (B) os agentes que tomam decisões desconhecem as situ- I. é um instrumento que permite ao INEP medir a qua- ações que os possíveis implementadores enfrentam. lidade de cada escola e de cada rede de ensino; II. é uma das provas que compõem o complexo Sistema (C) há uma visão para proporcionar clareza e energia para Nacional de Avaliação da Educação Básica (Saeb) e promover a mudança. da Prova Brasil; III. caracteriza-se em importante referência para o estudo (D) há um entendimento das realidades múltiplas do e o estabelecimento de metas de desempenho para as processo de reestruturação dos órgãos centrais. escolas; IV. o desempenho de uma escola no Ideb pode revelar as (E) existe forte convicção sobre a necessidade de mudan- falhas de aprendizagem de seus alunos. ça institucional. Estão corretas apenas as afirmativas (A) I e II. (B) I e III. (C) I, II e III. (D) I, III e IV. (E) II, III e IV. 5 SEED1202/001-AssistDirEscola-DirEscola
  6. 6. 14. Segundo La Taille, a indisciplina em sala de aula não se 16. Segundo Luck e outros, “A participação, em seu sentido deve essencialmente a “falhas” psicopedagógicas, pois a pleno, caracteriza-se por uma força de , pela sua ocorrência se relaciona a outros fatores de formação qual os membros de uma unidade social reconhecem e as- moral e de valores. sumem o seu poder de exercer influência na determinação da dinâmica dessa unidade social, de sua Nessa perspectiva, está correto afirmar que e de seus resultados, poder esse resultante de sua (A) a vergonha perdeu o seu caráter de sentimento moral e vontade de compreender, no trato das questões relacionais e na forma de olhar e agir em torno de questões que lhe são afetas.” o espaço público. Assinale a alternativa que preenche, correta e respectiva- mente, as lacunas do texto. (B) as repentinas mudanças curriculares interferiram nas motivações das condutas humanas que ocorrem no (A) solidariedade mútua ... cultura ... participação ... cotidiano escolar. integrar (C) a observação da dignidade como valor a ser cons- (B) competência recíproca ... colaboração ... participação tantemente reverenciado na escola se constitui numa ... decidir competência a ser alcançada. (C) atuação consciente ... cultura ... competência ... de- (D) a escola e seus agentes não constroem limites adequa- cidir dos para os alunos, criando uma situação de conflito no ambiente de convívio. (D) participação mútua ... solidariedade ... competência ... decidir (E) atualmente as instituições passam por um momento de crise e de ruptura que ainda não constituem preo- (E) competência única ... participação ... colaboração ... cupações para os envolvidos no ambiente escolar. organizar15. Segundo Libâneo e outros (2003), as formas de atuação 17. Os líderes escolares eficazes, avaliados em pesquisas feitas e da organização e da gestão das escolas favorecem o com alunos e apontados por dirigentes educacionais, são alcance dos objetivos pedagógicos por ela delineados. capazes de empregar uma série de habilidades de lide- rança. Para começar são propensos para definir objetivos Esses autores sugerem como áreas de atuação: claros que servem como fonte contínua de motivação. (A) o planejamento técnico-pedagógico, a avaliação e a (Luck e outros) escolha de políticas administrativas sólidas. Estão presentes na ação de diretores eficazes as seguintes (B) o planejamento e o projeto pedagógico curricular, as características: práticas de gestão técnico-administrativas e pedagó- (A) prática de gestão participativa, organização regrada gicas e a avaliação institucional. da rotina escolar e o estabelecimento do planejamento (C) seleção adequada dos procedimentos de ensino- de curso. -aprendizagem e dos processos avaliativos. (B) participação na construção do Projeto Pedagógico da (D) valorização da equipe pedagógico-administrativa, or- escola, relacionamento unilateral com professores e ganização e desenvolvimento de técnicas atualizadas criação de regras disciplinares. de gestão e de currículo. (C) definição de objetivos claros discutidos com a equipe (E) planejamento teórico-prático dos procedimentos escolar, respeito à diversidade e prática de gestão curriculares, organização administrativo-pedagógica participativa. e valorização da equipe profissional. (D) organização do plano de trabalho para uma escola de qualidade, definição de objetivos claros e relaciona- mento de ordem com a comunidade. (E) prática da gestão participativa, elaboração de regras de conduta aos alunos e professores e organização das festas escolares para arrecadação de fundos.SEED1202/001-AssistDirEscola-DirEscola 6
  7. 7. 18. Segundo o documento Progestão, existe a autonomia legal 20. Entre inúmeras pesquisas e estudos no campo educacional, e a autonomia construída. A primeira refere-se à autonomia os trabalhos a respeito da família/escola desenvolvidos prevista na LDB (Lei n.º 9.394/96), já a segunda refere-se por Heloisa Szymanski nos permitem afirmar que à autonomia construída na escola. (A) no século XXI, as famílias, indistintamente, engajam- Segundo o mesmo documento, o papel do gestor no -se em projetos coletivos de melhoria do ensino e das processo de elaboração do projeto pedagógico da escola, relações da escola com a comunidade, permitindo a visando ajudar na construção de sua autonomia, é fluidez das relações. (A) coordenar o trabalho dos professores na elaboração (B) as famílias das classes trabalhadoras sempre se do projeto pedagógico da escola. envolvem nos projetos de melhoria do ensino e da escola, estabelecendo uma relação horizontal com os (B) coordenar o processo de organização das pessoas gestores. no interior da escola, buscando a convergência dos interesses dos vários segmentos e a superação dos (C) famílias com melhor condição financeira não valo- conflitos deles decorrentes. rizam os projetos coletivos voltados à melhoria do ensino e das relações escola/comunidade, dificultan- (C) coordenar o trabalho de professores, alunos e fun- do a relação dialógica necessária. cionários administrativos na elaboração do projeto pedagógico da escola, evitando, assim, que interesses (D) a relação horizontal e dialógica entre a família e a particulares se sobreponham aos interesses coletivos. escola só é possível quando se considera que os vários contextos sociais geram diferentes relações sociais. (D) impor as determinações legais aos seus subordinados, para evitar interferência direta dos órgãos centrais. (E) a relação dialógica entre família e escola não é possí- vel porque a ação educativa destas instituições difere (E) manter pais e responsáveis afastados da elaboração em seus objetivos, conteúdos e métodos. do projeto pedagógico da escola, pois esta é uma atribuição que cabe aos profissionais da educação, pois assim o gestor evita conflitos de interesses. 21. No que se refere à Direção por Valores (DpV), leia aten- tamente as informações contidas nas colunas “A” e “B” e, em seguida, estabeleça a relação correta entre elas.19. O modelo de produção taylorista/fordista separa a con- cepção da execução. Esse sistema influenciou a forma de Coluna A Coluna B organização de todos os setores da sociedade. I. Situação de aplica- a) Alto nível de profissio- (Martins, 2008, CONSED, 2001). ção preferencial. nalização média (direção Pensando na elaboração do projeto pedagógico para a de profissionais). construção da autonomia da escola, podemos afirmar que II. Nível médio de pro- b) Necessidade de criativi- fissionalização dos dade para a resolução de (A) é fundamental a superação da organização taylorista/ membros da orga- problemas complexos. fordista para que o gestor possa tornar-se o centro das nização. decisões escolares. III. Autonomia e res- c) Cliente com critério e (B) a superação do modelo taylorista/fordista é funda- ponsabilidade. liberdade de escolha. mental à construção do projeto pedagógico pelos IV. Tipo de destinatário. d) Alta. professores. Segundo Trigo (2008), a relação correta entre as colunas (C) a construção do projeto pedagógico deve envolver “A” e “B” é: toda comunidade escolar, com objetivo de superar a divisão entre concepção e execução, para construir (A) I – b; II – a; III – c; IV – d. a autonomia na escola. (B) I – c; II – d; III – b; IV – a. (D) a construção do projeto pedagógico por professores, alunos e demais funcionários administrativos leva à (C) I – c; II – b; III – d; IV – a. superação do modelo taylorista/fordista. (D) I – b; II – a; III – d; IV – c. (E) cabe ao gestor a concepção e aos professores e fun- (E) I – d; II – c; III – a; IV – b. cionários administrativos a execução. 7 SEED1202/001-AssistDirEscola-DirEscola
  8. 8. 22. Segundo Veiga (2007), o Projeto Político Pedagógico, de 25. Conforme destaca o Caderno do Gestor, a avaliação como acordo com a teoria progressista, exige uma profunda processo voluntário, permanente, participativo, legítimo, reflexão relacionada à prática social e ao compromisso contextualizado para todos que dela participam e construí­ de solucionar os problemas da educação, direcionados da com base nos significados partilhados pelo conjunto de por pressupostos norteadores: pessoas que vivenciam a escola fundamenta-se em uma concepção (A) pressupostos filosóficos-sociológicos e didáticos- -metodológicos. (A) progressista. (B) pressupostos filosóficos-sociológicos, pressupostos (B) inovadora. epistemológicos e os didáticos-metodológicos. (C) progressiva. (C) pressupostos didáticos-metodológicos e os pressu- postos básicos do processo. (D) incentivadora. (D) pressupostos epistemológicos e básicos do processo. (E) transformadora. (E) pressupostos básicos do processo ensino aprendiza- gem. 26. Segundo o Caderno do Gestor, no contexto da construção do conhecimento, o erro é considerado23. De acordo com Veiga (2007), a elaboração do Projeto (A) uma demonstração da não assimilação do conheci- Político Pedagógico não se reduz apenas à dimensão pe- mento pelo aluno. dagógica, nem ao conjunto de projetos e planos isolados, mas se constitui em (B) o sinônimo do fracasso escolar frente aos recursos didáticos aplicados pelo professor. (A) uma proposta que nasce da própria realidade singular em que a escola está inserida. (C) revelador da não pertinência das ações do professor em relação ao processo ensino-aprendizagem. (B) uma proposta de opções explícitas na direção da superação de problemas relacionados a questões de (D) revelador dos procedimentos, das representações e ordem pedagógica. dos modos de raciocínio do aluno. (C) um instrumento clarificador após profunda reflexão (E) a falta de memorização do conteúdo ministrado pelo dos agentes envolvidos, sobre a ação coletiva e edu- professor. cativa da escola, baseada na pesquisa real no sentido de possibilitar possíveis transformações. 27. A diversificação dos instrumentos avaliativos tem uma (D) processo de organização educativa de ordem didática função estratégica na coleta de um maior número e e administrativa que direciona as ações escolares. variedade de informações sobre o trabalho docente e os percursos de aprendizagem. (E) propostas de ações de constante superação de proble- Com a finalidade de cumprir essa função, de acordo com o mas do cotidiano escolar e de ordem administrativa. Carderno do Gestor, os instrumentos de avaliação devem ser construídos a partir de24. Segundo o Caderno do Gestor, a avaliação faz parte da (A) técnicas elaboradas e complexas baseadas nos con- aula do professor e deve ser observada em cada situação teúdos mínimos. de aprendizagem proposta por ele e realizada pelo aluno. A avaliação definida como eixo do processo de ensino (B) técnicas simples, baseadas em matrizes de referência. aprendizagem deve ser (C) formas complexas baseadas no conteúdo ministrado. (A) diagnóstica. (D) formas simples que têm por objetivo abordar uma (B) formativa. área do conhecimento. (C) sistemática. (E) técnicas abrangentes que tendem a abordar o conteúdo desenvolvido. (D) contínua. (E) intensiva.SEED1202/001-AssistDirEscola-DirEscola 8
  9. 9. 28. Em uma visão construtivista, Psicologia e Didática cons- 30. Conforme o documento UNESCO (2009), as reformas tituem uma formidável relação de interdependência, pois educacionais estão cada vez mais ligadas à utilização das irredutíveis, complementam-se para produzir o que é TIC’s no processo de ensino-aprendizagem. indissociável na prática pedagógica: a relação ensino- Remetendo-se à preocupação apresentada no referido -aprendizagem. documento em relação ao desenvolvimento profissional (Caderno do Gestor, vol. 2, 2008) do professor, o gestor democrático enquanto liderança pedagógica deve Está correto afirmar que (A) informar aos professores a necessidade destes bus- (A) a aprendizagem é o único fator responsável pelo carem formação profissional, independentemente de desenvolvimento das competências do aluno. promover ambientes favoráveis para esse processo de formação na escola. (B) o desenvolvimento cognitivo tem preponderância em relação ao afetivo e ao social. (B) deixar a cargo de cada professor a decisão sobre a utilização ou não das TIC’s. (C) professor, aluno e objeto do conhecimento são cate- (C) instalar equipamentos modernos na escola e deixar gorias independentes. que os professores tomem a iniciativa de usá-los. (D) o sucesso e o fracasso escolar dependem principal- (D) contratar empresas que auxiliem os professores no mente da atuação do professor em sala de aula. trabalho com as TIC’s. (E) incentivar a utilização das TIC’s e propiciar ambien- (E) devem ser considerados os modos como o aluno tes favoráveis à formação profissional do professor, assimila as propostas do professor e as estruturas proporcionando a este a alfabetização tecnológica. mentais que dispõe para isso. 31. Segundo o documento CONSED (2009), a avaliação29. O Programa de Qualidade da Escola (PQE) tem como externa como uma das políticas públicas, em execução objetivo a melhoria da e a equidade no sistema educacional, tem como foco o desempenho do sistema de , com ênfase no que escolar. A melhoria da qualidade do ensino depende os da rede pública têm: o direito principalmente de com qualidade. (A) de uma equipe docente constituída de professores Assinale a alternativa que preenche, correta e respectiva- efetivos e participativos. mente, o texto divulgado na Nota Técnica do Programa de Qualidade na Escola. (B) da relação entre a Política Pública e a Proposta Pe- dagógica da Escola, como documento formal. (A) ressaltar ... escolaridade ... promoção ... valor ... só ... matriculados ... estudar (C) da interação entre a Política Pública, a Proposta Pe- dagógica da Escola e a atividade no cotidiano escolar. (B) destacar ... educação ... promoção ... sucesso ... so- (D) de uma política educacional centrada no desempenho mente ... alunos ... estudar dos professores e na participação da comunidade. (C) estimular ... escolarização ... ensino ... tempo ... todos (E) de avaliações externas comprometidas com a orga- ... matriculados ... formação nização pedagógica da escola. (D) estabelecer ... educação ... aprendizagem ... sucesso ... só ... estudantes ... formação 32. A Política Educacional vigente que se articula com a Proposta Pedagógica da escola, visando à melhoria da (E) promover ... qualidade ... ensino ... direito ... todos ... qualidade de ensino, tem como princípios básicos: alunos ... aprender I. colaboração e participação; II. autonomia; III. competitividade; IV. compromisso com a direção. Está correto apenas o contido em (A) I e II. (B) I e III. (C) II e III. (D) II e IV. (E) III e IV. 9 SEED1202/001-AssistDirEscola-DirEscola
  10. 10. 33. No documento Professores do Brasil, Gatti (2009) afirma 35. Em face das mudanças histórico-sociais, a escola recebe como necessária uma verdadeira revolução nas estruturas novos desafios, a que não consegue responder imediata- institucionais formativas e nos currículos de formação mente, convivendo com o que era e com o que tende a de professores. Segundo a autora, “A forte tradição de ser. Uma síntese de algumas tendências da escolarização profissionais professores para a educação básica tem que tradicional e contemporânea está presente nas escolas. partir de seu campo de prática e agregar a este os conheci- (Gomes, 2005) mentos necessários selecionados como valorosos, em seus fundamentos e com as mediações didáticas necessárias”. Assinale a alternativa que apresenta tendências de esco- larização contemporânea. Com relação a isso, é fundamental que a formação docente seja pensada (A) Escola centrada no processo de ensino e no educador. (A) a partir das ciências e seus diversos campos discipli- (B) Espaço restrito para a autonomia do aluno. nares. (C) Unicidade aparente de valores, normas e padrões de (B) através da relação com a área do conhecimento es- comportamento. pecífico, fruto da formação docente. (D) Autoridade do professor é automaticamente conferida (C) através das demandas provenientes de sua área espe- pelo papel profissional. cífica do conhecimento. (E) Escola centrada no processo de aprendizagem e no (D) levando em conta a forte tradição disciplinar que aluno. marca a identidade docente. (E) a partir da função própria à escolarização, atendendo 36. Segundo Gomes (2005), “A expansão do acesso à educa- as demandas gerais da educação básica. ção, praticada por numerosos países, como o Brasil, constituiu uma democratização parcial de oportunidades. É muito mais fácil garantir o acesso à escola através da34. Segundo Gomes (2005), há duas abordagens sociológicas oferta de vagas, do que interferir no processo de escola- que levam às diferentes visões da escola: o paradigma do rização para reduzir as diferenças internas, sobretudo no consenso e o paradigma do conflito. Como a escola é so- que concerne à qualidade.” [...] “Assegurando o acesso, cialmente complexa, pode-se afirmar que sempre há uma é preciso garantir condições equivalentes para que todos dosagem de consenso e de conflito, como ingredientes permaneçam no sistema e sejam bem sucedidos ao longo desta cultura. do que é definido como educação básica”. Assinale a alternativa cuja frase retrata a coexistência de Com relação a isso, é correto afirmar que a inclusão e a situações de consenso e de conflito na escola. permanência na educação básica dependem (A) Agir moralmente é agir em termos do interesse cole- (A) da definição de formas efetivas de intervenção, que tivo. impeçam que o mérito se relacione à origem social do aluno. (B) A unidade da autoridade e a regularidade derivam do conceito de disciplina. (B) do desenvolvimento de um currículo único estabele- cido pelo sistema de ensino. (C) O processo de negociação ocorre entre professores e alunos, de acordo com um sistema de normas com- (C) do grau de dificuldades e diferenças com que os partilhadas. alunos ingressam na escola. (D) A escola é organizada com base no princípio da auto- (D) de um processo educativo que diminua as desigualda- cracia para mediar conflitos latentes entre professores des sociais e as possibilidades de êxito para os menos e alunos. favorecidos. (E) Os professores são agentes de imposição cultural (E) da didática desenvolvida na sala de aula que priorize sobre os estudantes. a memorização dos conteúdos ministrados.SEED1202/001-AssistDirEscola-DirEscola 10
  11. 11. 37. Segundo Lopes (2008), as análises desconsideram que 41. A gestão democrática do ensino público é um dos princí- alterações nos códigos de organização curricular são, pios estabelecidos na Constituição Federal/88, e a con- sobretudo, alterações nas relações de poder e de controle cepção de educação como formação humana contida no que regem os currículos. texto da LDB. n.º 9.394/96 reafirma o princípio da gestão Ao desconsiderar essa conclusão, muitas das propostas democrática do ensino público. de currículo integrado ao longo da história transformam Para gerir democraticamente o ensino e a escola, é a discussão sobre mudanças na organização curricular em necessário uma questão a ser resolvida simplesmente por meio de novas grades curriculares. (A) desenvolver ações que promovam a participação de Assinale a alternativa que preenche, de forma correta, a todos de acordo com uma programação estipulada lacuna do texto. pelo corpo docente. (A) administrativa (B) aplicar corretamente os recursos financeiros arreca- (B) política dados pela escola. (C) técnica (C) desenvolver atividades na escola que serão execu- (D) pedagógica tadas pelos alunos que tiverem melhor desempenho (E) filosófica escolar. (D) estimular a participação de diferentes pessoas na ar-38. Segundo os estudos de Rose Neubauer e Ghisleine Trigo ticulação dos aspectos financeiros e administrativos da Silveira, em relação à autonomia da escola, as medidas da escola. que mais impactaram positivamente o desempenho escolar foram: (E) programar com os docentes reuniões de planejamento para análise do resultado das avaliações, visando à (A) o aumento da autonomia financeira, a atuação dos melhoria da qualidade do ensino. Conselhos Escolares e a eleição de diretores. (B) o aumento da autonomia financeira e a atuação dos Conselhos Escolares. (C) a atuação dos Conselhos Escolares e a eleição de 42. São princípios que os sistemas de ensino devem respeitar diretores. para a definição das normas da gestão democrática do ensino público na educação básica: (D) o aumento da autonomia financeira e a eleição de diretores. I. participação dos governos locais na elaboração do projeto pedagógico da escola; (E) o aumento da autonomia financeira, a atuação dos Conselhos Escolares, a eleição de diretores e a cen- II. participação das comunidades escolar e local em tralização das decisões na figura do gestor escolar. conselhos escolares ou equivalentes; I II. participação das empresas privadas na elaboração do projeto pedagógico da escola e no financiamento de39. De acordo com Sarmento (2008), é papel da pedagogia, atividades extracurriculares; acompanhando as outras ciências (filosofia, sociologia, psicologia, história etc.), criticar e rever sua postura IV. participação dos profissionais da educação na elabo- em relação à infância, pois os estudos demonstram que ração do projeto pedagógico da escola. existe(m) De acordo com a Lei n.o 9.394/96, está correto apenas o (A) uma única infância. contido em (B) um padrão universal de infância. (A) I e II. (C) uma inter-relação entre infância e adolescência. (D) várias infâncias. (B) II e IV. (E) uma única forma de interpretar a infância. (C) III e IV.40. Segundo Dermeval Saviani (2010), o “aprender a apren- (D) I, II e III. der” está ligado à necessidade, constante, de ampliar a(o) (E) II, III e IV. (A) carreira. (B) formação técnica. (C) profissionalismo. (D) formação geral. (E) empregabilidade. 11 SEED1202/001-AssistDirEscola-DirEscola
  12. 12. 43. A Lei Complementar n.o 1.078/08, que instituiu a Bonifi- 45. De acordo com o Decreto n.o 55.078/09, o docente titular cação por Resultados, define como dias de efetivo exer- de cargo poderá exercer carga suplementar de trabalho, cício os dias do período de avaliação em que o servidor respeitado o limite máximo de tenha exercido regularmente suas funções, desconsiderada toda e qualquer ausência, à exceção das que se verificarem (A) 9 (nove) horas em atividades com alunos, quando em em virtude de Jornada Básica de Trabalho Docente; 14 (quatorze) horas em atividades com alunos, quando em Jorna- (A) férias, licença à gestante, licença-paternidade, licença da Inicial de Trabalho Docente; 24 (vinte e quatro) por adoção e faltas abonadas. horas em atividades com alunos, quando em Jornada Reduzida de Trabalho Docente. (B) férias, licença à gestante, licença-paternidade e licen- ça por adoção. (B) 7 (sete) horas em atividades com alunos, quando em Jornada Básica de Trabalho Docente; 12 (doze) horas (C) férias, licença à gestante, licença-paternidade, licença em atividades com alunos, quando em Jornada Inicial por adoção e faltas justificadas. de Trabalho Docente; 22 (vinte e duas) horas em atividades com alunos, quando em Jornada Reduzida (D) férias, licença à gestante, licença médica e faltas de Trabalho Docente. abonadas. (C) 8 (oito) horas em atividades com alunos, quando em (E) férias, licença à gestante, licença-paternidade, licença Jornada Básica de Trabalho Docente; 14 (quatorze) por adoção, faltas abonadas e faltas justificadas. horas em atividades com alunos, quando em Jornada Inicial de Trabalho Docente; 23 (vinte e três) horas em atividades com alunos, quando em Jornada Reduzida de Trabalho Docente.44. O interstício mínimo para fins de promoção fixado pela Lei Complementar n.º 1.097/09, que instituiu o sistema (D) 8 (oito) horas em atividades com alunos, quando de promoção para os integrantes do Quadro do Magistério em Jornada Básica de Trabalho Docente; 13 (treze) da Secretaria da Educação, é de horas em atividades com alunos, quando em Jornada Inicial de Trabalho Docente; 23 (vinte e três) horas em (A) 4 (quatro) anos na faixa inicial, 3 (três) anos na segun- atividades com alunos, quando em Jornada Reduzida da faixa e de 2 (dois) anos nas faixas subsequentes. de Trabalho Docente. (B) 3 (três) anos na faixa inicial e 4 (quatro) anos nas (E) 9 (nove) horas em atividades com alunos, quando faixas subsequentes. em Jornada Básica de Trabalho Docente; 13 (treze) (C) 4 (quatro) anos na faixa inicial e 3 (três) anos nas horas em atividades com alunos, quando em Jornada faixas subsequentes. Inicial de Trabalho Docente; 23 (vinte e três) horas em atividades com alunos, quando em Jornada Reduzida (D) 4 (quatro) anos na faixa inicial, 3 (três) anos na segun­ de Trabalho Docente. da faixa e de 1 (um) ano nas faixas subsequentes. (E) 3 (três) anos em todas as faixas.SEED1202/001-AssistDirEscola-DirEscola 12
  13. 13. 46. De acordo com a Deliberação CEE n.º 82/2009, que esta­ 48. A instituição do regime de progressão continuada no belece as diretrizes para os cursos de Educação de Jovens ensino fundamental da rede pública estadual, nos termos e Adultos em nível do Ensino Fundamental e Médio, é da Indicação CEE n.º 08/97, foi acompanhada por rela- correto afirmar que os cursos que correspondem aos tório que destacou com propriedade o relevante papel da avaliação na verificação do rendimento escolar e da (A) quatro anos finais do Ensino Fundamental devem necessária revisão de seu conceito. ser organizados de forma a atender ao mínimo de 48 (quarenta e oito) meses de integralização e Um novo olhar para a avaliação, em especial a da sala 3 200 horas de efetivo trabalho escolar, exigindo-se de aula, revela uma concepção de avaliação contínua e dos alunos a idade mínima de 18 (dezoito) anos cumulativa considerada como eixo de sustentação para a completos para seu início. (A) Construção da sociedade do século XXI. (B) três anos do Ensino Médio devem ser organizados de (B) Qualidade dos serviços educativos. forma a atender ao mínimo de 36 (trinta e seis) meses de integralização e 2  400 horas de efetivo trabalho (C) Eficácia da progressão continuada. escolar, exigindo-se do aluno a idade mínima de 21 (vinte e um) anos completos para seu início. (D) Clareza de metas da equipe escolar. (C) três anos do Ensino Médio devem ser organizados de (E) Transparência dos resultados alcançados. forma a atender ao mínimo de 12 (doze) meses de integralização e 900 horas de efetivo trabalho escolar, exigindo-se do aluno a idade mínima de 18 (dezoito) anos completos para seu início. 49. O Programa Ler e Escrever implantado nas escolas da rede estadual de ensino envolve projetos e ações especi- (D) quatro anos finais do Ensino Fundamental devem ficadas de acordo com o grupo de alunos a que se destina ser organizados de forma a atender ao mínimo ao longo dos anos do Ciclo I. de 24 (vinte e quatro) meses de integralização e 3 200 horas de efetivo trabalho escolar, exigindo-se O objetivo central do Programa é dos alunos a idade mínima de 18 (dezoito) anos (A) promover a aprendizagem dos alunos que se encon- completos para seu início. tram nos anos finais do Ciclo I. (E) três anos do Ensino Médio devem ser organizados (B) reverter o quadro de analfabetismo e alfabetização de forma a atender ao mínimo de 18 (dezoito) meses precária dos alunos do Ciclo I. de integralização e 1 200 horas de efetivo trabalho escolar, exigindo-se do aluno a idade mínima de (C) conhecer, discutir e decidir a respeito dos processos 18 (dezoito) anos completos para seu início. de alfabetização, a partir dos dados divulgados pelo Saresp. (D) formar o trio gestor, o professor coordenador e o47. Nos termos das Normas Regimentais Básicas para as regente para que entendam os rumos do letramento. Escolas Estaduais, aprovadas pelo Parecer CEE n.º 67/1998, é admitido a escola funcionar com um terceiro (E) investir em programas que promovam e incentivem turno somente quando o(a) a busca pela melhoria da qualidade de ensino. (A) demanda escolar assim o exigir. (B) Conselho de Escola assim definir. 50. Nos termos da Resolução CNE/CEB n.º 2/01, o atendi- mento aos alunos com necessidades educacionais espe- (C) comunidade escolar assim o desejar. ciais, na Educação Básica, deve ser realizado em (D) gestor achar necessário. (A) Classes especiais do ensino regular. (E) governo assim decidir. (B) Classes comuns do ensino regular. (C) Classes especiais até o fim do Ciclo I. (D) Escolas adaptadas às necessidades. (E) Escolas especiais com professores habilitados. 13 SEED1202/001-AssistDirEscola-DirEscola
  14. 14. 51. As Diretrizes Curriculares Nacionais para o Ensino Médio, 54. Ao conjunto de definições doutrinárias sobre princípios, fruto da consulta a muitas e variadas vertentes da comu­ fundamentos e procedimentos da educação básica que nidade educacional, consolidam-se num conjunto de orientam as propostas pedagógicas das escolas brasileiras, definições doutrinárias fundamentadas em pressupostos nos diferentes sistemas de ensino, denominamos e princípios a serem observados. (A) Plano Nacional de Educação. São princípios pedagógicos estruturadores dos currículos do ensino médio: (B) Referencial Curricular da Educação Básica. (A) Liberdade, Responsabilidade, Autonomia, Flexibili- (C) Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional. dade e Regionalização. (D) Diretrizes Curriculares Nacionais. (B) Identidade, Flexibilidade, Regionalização, Integrali- (E) Plano de Desenvolvimento da Educação. zação e Diversidade. (C) Contextualização, Identidade, Aprendizagem, Criti- 55. Cabe a cada de ensino definir a e cidade e Autonomia. o(a) dos cursos da Educação de Jovens e Adultos, respeitadas as   nacionais, a (D) Diversidade, Contextualização, Autonomia, Interdis- identidade desta modalidade de eo ciplinaridade e Identidade. de colaboração entre os entes federativos. (E) Interdisciplinaridade, Flexibilidade, Contextualiza- De acordo com o artigo 6 das Resolução CNE/CEB ção, Liberdade e Criticidade. n.o 01/2000, assinale a alternativa que preenche, correta e respectivamente, as lacunas do texto.52. “[...] Promover a educação de cidadãos atuantes e cons- (A) Secretaria … organização … tempo … propostas … cientes no seio da sociedade multicultural e pluriétnica do curriculares … escola … papel Brasil [...]” é meta expressa no seguinte documento legal: (B) Sistema … estrutura … duração … diretrizes … (A) Diretrizes Curriculares Nacionais para a Educação curriculares … educação … regime de Jovens e Adultos. (C) Conselho … proposta … organização … metas … (B) Diretrizes Curriculares Nacionais para o Ensino pedagógicas … ensino … convênio Médio. (D) Sistema … forma … tempo … normas … curriculares (C) Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional. … escola … regime (E) Secretaria … estrutura … organização … diretrizes (D) Diretrizes Curriculares Nacionais para a Educação … pedagógicas … ensino … contrato dos Povos Indígenas e para o Ensino da História e da sua Cultura. (E) Diretrizes Curriculares Nacionais para a Educação 56. Ao conceber a Educação de Jovens e Adultos como uma das relações Étnico-Raciais e para o Ensino da His- possibilidade que os “[...] adolescentes, jovens, adultos tória e Cultura Afro-Brasileira e Africana. e idosos têm de atualizar conhecimentos, mostrar habi- lidades, trocar experiências e ter acesso a novas regiões do trabalho e da cultura” o relator do Parecer CNE/CEB53. De acordo com o Parecer CNE/CEB n.º 17/01, os princí- n.o 11/00 faz referência ao grande educador Comenius, pios que fundamentam o direito à Educação das pessoas empregando a “máxima” utilizada pelo pensador, para in- que apresentam necessidades especiais são: dicar a relevância da Educação de Jovens e Adultos (EJA). (A) preservação da dignidade humana, busca de identi- A “máxima” em questão é: dade e exercício da cidadania. (A) Ensinar tudo a todos. (B) universalização dos direitos, igualdade de oportuni- (B) Rever a oportunidade perdida. dades e prática da inclusão. (C) Equalizar as chances de todos. (C) prática da inclusão, interdependência social e aceita- (D) Reduzir as diferenças. ção das diferenças. (E) Disponibilizar as oportunidades. (D) espírito democrático, construção da identidade e prática da inclusão. (E) solidariedade, exercício da cidadania e universaliza- ção dos direitos humanos.SEED1202/001-AssistDirEscola-DirEscola 14
  15. 15. 57. [...] partirá do princípio de que todo conhecimento mantém 60. Quanto à manutenção e ao financiamento da educação, um diálogo permanente com outros conhecimentos, que definidos nos artigos 69, 70 e 71 da LDB (Lei n.o 9.394/96), pode ser de questionamento, de negação, de comple- analise as seguintes afirmações, classificando-as em mentação, de ampliação, de iluminação de aspectos não V (verdadeira) ou F (falsa). distinguidos … (   ) A União aplicará, anualmente, nunca menos de Esse texto reproduz parte do contido no art. 8.º das dezoito, e os Estados, o Distrito Federal e os Mu- Dire­rizes Curriculares Nacionais para o Ensino Médio, t nicípios, vinte e cinco por cento, ou o que consta referindo-se especificamente ao princípio da nas respectivas Constituições ou Leis Orgânicas (A) Didática. da receita resultante de impostos, compreendidos as transferências constitucionais, na manutenção e (B) Aprendizagem. desenvolvimento do ensino público. (C) Competência. (   ) Não serão consideradas como despesas de manuten- ção e desenvolvimento do ensino as despesas com (D) Interdisciplinaridade. remuneração do pessoal administrativo, aquisição de merenda, materiais de escritório para escolas e (E) Complementaridade. materiais de limpeza. (   ) Não constituem despesas de manutenção e desenvol- vimento de ensino aquelas realizadas com pesquisa,58. A Resolução CNE/CP n.º 01/04 atribuiu aos órgãos cole- quando não vinculada às instituições de ensino, ou, os giados dos estabelecimentos de ensino a responsabilidade programas suplementares de alimentação, assistência de examinar e encaminhar soluções para as situações de médico-odontológica, psicológica e outras formas de discriminação em busca de assistência social. (A) soluções adequadas ao reconhecimento das diversi- (   ) São despesas consideradas como manutenção e dades e seus desdobramentos. desenvolvimento de ensino as despesas com aqui- sição, manutenção e construção de escolas, levan- (B) situações educativas para o reconhecimento, valori- tamentos estatísticos, estudos e pesquisas visando zação e respeito à diversidade. precipuamente ao aprimoramento da qualidade e expansão do ensino. (C) oportunidades pedagógicas de aprendizagem e valo- rização das diferenças. Assinale a alternativa que apresenta a classificação correta, de cima para baixo. (D) soluções educativas para a aceitação e respeito às diferenças. (A) F; V; F; V. (E) situações pedagógicas oportunas ao enriquecimento (B) V; F; V; V. curricular. (C) V; F; V; F. (D) F; F; V; V. (E) V; V; F; F.59. Nos termos do § 6.º do Art. 26 da LDB (Lei n.o 9.394/96), a deverá ser conteúdo obrigatório, mas não exclusivo, do componente curricular. Assinale a alternativa que preenche corretamente a lacuna do texto. (A) arte (B) educação física (C) língua estrangeira (D) educação religiosa (E) música 15 SEED1202/001-AssistDirEscola-DirEscola

×