Manual tcc 2014_2

1.356 visualizações

Publicada em

MANUAL TCC

Publicada em: Educação
0 comentários
1 gostou
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
1.356
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
86
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
24
Comentários
0
Gostaram
1
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Manual tcc 2014_2

  1. 1. MANUAL DE TCC CURSO DE ADMINISTRAÇÃO ESTÁCIO UNIRADIAL
  2. 2. 1. INTRODUÇÃO O presente manual tem por finalidade estabelecer normas e procedimentos para acadêmicos e docentes para o desenvolvimento do Trabalho de Conclusão de Curso – TCC. Este se caracteriza como atividade curricular obrigatória, a ser cumprido nos dois últimos períodos do Curso de Administração e será orientado e supervisionado pelos professores da Instituição, objetivando a integração teórico- prática dos conhecimentos da administração aplicados à realidade. 2
  3. 3. Na disciplina de Estágio (7º período,) serão desenvolvidas as etapas do TCC que resultará, como produto final, na elaboração de um Diagnóstico Organizacional de uma empresa real devendo, ao final do 8º período, ser apresentado a uma Banca Avaliadora. Esse trabalho buscará a aplicação do conhecimento obtido durante o curso, das pesquisas bibliográficas, integrando a teoria com a prática, possibilitando ao acadêmico a elaboração de propostas de melhoria nas práticas de gestão da organização escolhida. 3
  4. 4. 2. DIAGNÓSTICO ORGANIZACIONAL É um conjunto de fatores externos, organizacionais e individuais que precisam ser investigados para que se conheça a real situação de uma empresa. Assim, tem por objetivo avaliar esse conjunto de fatores para, em seguida, identificar a distância entre o ponto de partida e o ponto aonde se quer atingir. Trata-se de uma radiografia pontual registrando pontos fortes e fracos a serem melhorados. O Diagnóstico Organizacional propõe-se a levantar e definir problemas, a explorar o ambiente, reportando-se a uma situação, em um momento definido. A rigor, qualquer mudança organizacional deveria ser precedida de uma fase de diagnóstico, como: a) Sistemas de informação, introdução de programas de qualidade e produtividade; b) Para a introdução de um novo sistema para remuneração de cargos operativos; c) Para analisar a viabilidade econômico-financeira de uma empresa; d) Para efetuar levantamento de necessidades de treinamento; e, e) Para outros projetos como pesquisa de mercado, análise competitiva. 4
  5. 5. O Diagnóstico Organizacional constitui-se num método de levantamento e análise das causas da baixa produtividade, do desempenho da administração e da potencialidade da empresa, identificando as deficiências e os desequilíbrios com vistas à elaboração de um programa de reorganização e para facilitar a tomada de decisões. Para isso, exige experiência, conhecimento empírico e teórico; depende da habilidade, capacidade e do senso de responsabilidade do administrador. Os principais objetivos de um Diagnóstico Organizacional são: a) Tomar medidas corretivas se a empresa estiver numa situação crítica Quando a empresa encontra-se em uma situação crítica (alto custo de produção, má qualidade do produto, insatisfação do pessoal, posição financeira inadequada), antes de se tomarem medidas para resolvê-la cabe analisar com profundidade as causas reais de tais problemas visando preparar-se para uma reformulação; b) Facilitar o crescimento da empresa se ela está em expansão Quando uma empresa está em fase de expansão deve-se verificar se está sendo feita desordenadamente, se há falta de controle, se as previsões são reais, se o planejamento é adequado. Um crescimento desordenado causa problemas graves que uma análise preventiva pode eliminar; 5
  6. 6. c) Controlar periodicamente o funcionamento da empresa O diagnóstico pode ser utilizado como um instrumento de controle das atividades da empresa, afastando os problemas antes que se agravem; d) Verificar os fatores que limitam o desenvolvimento da empresa A determinação dos fatores que limitam o desenvolvimento é um passo importante na reorganização interna; e) Tornar clara a situação da empresa para todos os seus responsáveis O diagnóstico possibilita a cada dirigente conhecer melhor a sua área, como também as demais áreas, proporcionando um conhecimento originado da situação geral da empresa, facilitando o trabalho em equipe; f) Comparar a empresa com empresas similares Comparando-se o desempenho da empresa (financeiro, comercial, administrativo, produção) com as concorrentes, permitirá a tomada de decisões que incrementam a sua agressividade no mercado. 6
  7. 7. 3. CRITÉRIOS PARA A ELABORAÇÃO DO DIAGNÓSTICO ORGANIZACIONAL O Trabalho de Conclusão de Curso de Administração – TCC da UniExp consiste em um Diagnóstico Organizacional a ser desenvolvido por uma equipe de alunos de Administração de Empresas, sob orientação de professores da Unidade de Ensino Superior Expoente – UniExp. Este diagnóstico deverá contemplar a avaliação de uma área de estudo da administração, a saber: - Administração Mercadológica; - Administração de Recursos Humanos; - Administração Contábil, Financeira e Orçamentária; - Administração de Materiais, Patrimoniais e Logística; - Administração da Produção; - Organização, Sistemas e Métodos; - Administração de Sistemas de Informação; e, - outras. 7
  8. 8. 3.1 ENVOLVIDOS NA ELABORAÇÃO DO DIAGNÓSTICO ORGANIZACIONAL No transcorrer das atividades de elaboração do Diagnóstico Organizacional estarão envolvidos os seguintes participantes: - Coordenador de Curso: responsável pela condução e estruturação do processo de elaboração do TCC; 8
  9. 9. - Coordenador de Estágios e TCC: professor responsável pela coordenação das atividades pertinentes ao desenvolvimento do Trabalho de Conclusão de Curso e organização dos estágios, no âmbito do curso de Administração de Empresas. - Professor Orientador: professor indicado pela coordenação de curso responsável por orientar as equipes de alunos de acordo com os critérios do Diagnóstico Organizacional; - Equipe de Alunos: membros do corpo discente que, cursando o 7 o ou 8 o período do curso de Administração, desenvolverão as atividades de diagnóstico junto à empresa escolhida sob orientação do professor orientador. - Representante da Organização: profissional formalmente indicado pela organização e que será responsável pela condução do trabalho da Equipe de Alunos na empresa. - Professor Avaliador: membro do quadro de docentes do curso de Administração de Empresas da UniExp, indicado pelo Coordenador de Curso e Coordenador de Estágios e TCC para participar da Banca Final que avaliará o Diagnóstico Organizacional (TCC) e a apresentação da Equipe de Alunos (argüição). 9
  10. 10. 3.2 COMPOSIÇÃO DAS EQUIPES Considerando o pequeno número de empresas que concedem autorização para a análise de suas informações internas, o Diagnóstico Organizacional poderá ser desenvolvido por equipes de, no mínimo, dois acadêmicos e, no máximo, quatro acadêmicos. Casos especiais de formação de equipes deverão ser autorizados pela Coordenação do Curso de Administração. Problemas decorrentes do trabalho em equipe no desenvolver do diagnóstico deverão ser administrados pela própria equipe. Caso o problema ocasione a exclusão ou saída de um membro da equipe, o fato deverá ser formalmente comunicado à Coordenação de Estágios e TCC. O aluno excluído ou que tenha se separado da equipe deverá optar pelas alternativas que seguem: - procurar nova equipe, respeitando o limite de quatro alunos por equipe; - realizar o diagnóstico em outro semestre. 10
  11. 11. 3.3 PERFIL DA ORGANIZAÇÃO A SER ANALISADA A responsabilidade pela escolha da empresa a ser analisada é da Equipe de Alunos. Como suporte ao contato dos alunos com a empresa, a Coordenação de Estágios e TCC fornecerá a Carta de Apresentação TCC (Anexo 1), na qual explica o objetivo do trabalho e solicita a parceria com a empresa. Tendo a empresa aceitado o desenvolvimento do trabalho, posteriormente, a Equipe de Alunos, deverá encaminhar ao professor orientador, à Coordenação de Estágio e TCC e, principalmente, à secretaria por meio de protocolo o Formulário de Elegibilidade (Anexo 2) o qual formaliza a parceria entre a Equipe de Alunos, a empresa e a. No entanto, a escolha da organização deverá atender os seguintes critérios: - Estar localizada em Curitiba ou região metropolitana; - Não constituir entidade religiosa, política ou esportiva; - Possuir mais de 10 funcionários; e, - Ter sido constituída a mais de um ano. Tendo a Coordenação de Estágio e TCC tomado conhecimento e autorizado a empresa para diagnóstico, a Equipe de Alunos poderá dar início ao trabalho. A 11
  12. 12. organização poderá optar pela autorização da utilização de sua marca, nome e/ou logotipo no TCC, tornando públicas as informações a seu respeito no Diagnóstico Organizacional, ou optar pela não autorização da utilização de sua marca, nome e/ou logotipo. Neste caso, os alunos deverão referir-se à organização ao longo do diagnóstico por meio de um nome fictício. Sugere-se, ainda, como forma de facilitar o desenvolvimento do Diagnóstico Organizacional, que as Equipes procurem realizar a pesquisa em empresas nas quais possuam acesso as informações necessárias, seja pelo fato de um dos componentes da equipe trabalhar na organização ou pelo fato de possuírem algum contato ou vínculo prévio com a mesma. 4. ETAPAS DO TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO 1. TEMA DE PESQUISA; O tema de pesquisa é uma proposição até certo ponto abrangente do assunto que se deseja provar ou desenvolver. 1.1. Critérios para a escolha do tema: 1.1.1. Importância; 12
  13. 13. 1.1.2. Originalidade; e, 1.1.3. Viabilidade. 2. PROBLEMA DE PESQUISA; Em seguida à identificação de um tema, o investigador deverá problematizá-lo, isto é, formular com clareza um problema (pergunta) concreto a ser estudado. O problema de pesquisa deverá ser expresso em forma interrogativa, buscando o relacionamento entre variáveis ou categorias. Assim, o problema deve expressar relação entre duas ou mais variáveis (A está relacionada com B?), (X e Y estão relacionadas com Z?). Raramente, o problema de pesquisa não se modifica ao longo do processo de investigação. Para Schrader (1974:20) deve-se verificar a validade de um problema por meio de algumas questões: - Pode o problema ser enunciado em forma de pergunta? - Corresponde a interesses pessoais, sociais e científicos, isto é, de conteúdo e metodológicos? Esses interesses estão harmonizados? - Constitui-se o problema em questão científica, ou seja, relaciona entre si pelo menos dois fenômenos (fatos, variáveis)? - Pode ser objeto de investigação sistemática, controlada e crítica? - Pode ser empiricamente verificado em suas conseqüências? 13
  14. 14. 3. HIPÓTESES; Depois de formulado o problema, deve-se propor uma resposta “suposta, provável e provisória”, isto é, uma hipótese. Problema e hipótese são enunciados de relações entre variáveis com a diferença de que o problema é a sentença interrogativa e a hipótese, a afirmativa. Para Schrader (1974:47) “as hipóteses são exteriorizações conjeturais sobre as relações entre dois fenômenos. Representam os verdadeiros fatores produtivos da pesquisa, com os quais podemos desencadear o processo científico”. Para Köche (1997:108) “a hipótese é a explicação, condição ou princípio, em forma de proposição declarativa, que relaciona entre si as variáveis que dizem respeito a um determinado fenômeno ou problema”. Tuckman (1972:24) e Kerlinger (1980:38) apontam três características das hipóteses: - é um enunciado de redação clara, sem ambigüidades e em forma de sentença declarativa; - estabelece relação entre duas ou mais variáveis. Na hipótese a habilidade de distinguir as categorias gramaticais aumenta com a idade cronológica e o nível educacional; as duas variáveis, idade cronológica e nível educacional, se relacionam 14
  15. 15. com a, habilidade de distinguir as categorias gramaticais. Ainda, na redação aparecem termos de relação que unem as variáveis: é diretamente proporcional, está inversamente relacionado, produz, se...então..., resulta, há relação significativa entre, e outras; - deverá ser testável, isto é, passível de ser submetida a testes, contrastáveis com a realidade. 4. OBJETIVO GERAL E ESPECÍFICOS DO TRABALHO; 4.1. Objetivo geral: Define, de modo geral, o que se pretende alcançar com a realização da pesquisa. Deve estar profundamente ligado ao problema de pesquisa. Devem estar norteados por aspectos que determinam a finalidade da pesquisa, como: para quem, para quê, o quê, onde. 4.2. Objetivos específicos: Definem etapas que devem ser cumpridas para alcançar o objetivo geral e, portanto, devem ser apresentados no texto segundo sua ordem cronológica de realização no trabalho. Sugestões de verbos para iniciar os objetivos: conhecer, identificar, levantar, descobrir, caracterizar, descrever, analisar, avaliar, verificar, 15
  16. 16. explicar. O objetivo deve ser claro, preciso e sucinto. O objetivo deve expressar apenas uma idéia. 5. JUSTIFICATIVA DO TEMA, PROBLEMA E ESCOLHA DA ORGANIZAÇÃO; A justificativa deve apresentar os motivos de ordem teórica e prática que justificam a pesquisa. Deve ser comentado: - Experiência vivida com relação ao fenômeno ou motivação pessoal/grupal para estudá-lo (modo com foi escolhido o fenômeno e como surgiu o problema levantado para o estudo); - Relação do problema com o contexto social, ou seja, sua importância; - Fundamentação da viabilidade da execução da proposta de estudo; - Oportunidade de desenvolvimento do estudo; e, - Contribuições do trabalho: referência aos possíveis aspectos inovadores do trabalho, contribuições no plano teórico e/ou prático. A justificativa deve ter no máximo duas páginas e é de ordem pessoal. Normalmente, não contém citações. 6. REFERENCIAL TEÓRICO; 16
  17. 17. A fundamentação teórico-empírica de uma pesquisa destina-se a fornecer o embasamento para o desenvolvimento da pesquisa. Sem uma boa teoria, o trabalho científico fica inviabilizado, pois não se consegue definir as categorias ou variáveis a serem observadas nem desenvolver uma análise dos dados empíricos. Fala-se em fundamentação teórica e empírica porque, além de conter teorias, essa parte da pesquisa pode conter dados de pesquisas anteriores relacionadas ao problema, ou seja, dados empíricos. 5.1. Teoria: - Define as principais orientações de uma ciência, precisando os tipos de dados que devem ser abstraídos; - Oferece um esquema conceitual pelo qual os fenômenos são sistematizados, classificados e inter-relacionados; - Prevê fatos; e, - Indica lacunas no nosso conhecimento. 5.2. Relação teoria e prática A prática nas organizações: - Auxilia a iniciar novas teorias; - Conduz à reformulação de teorias existentes; - Leva a rejeitar teorias que não são adequadas à realidade dos fatos; e, 17
  18. 18. - Esclarece e reforça teorias existentes. FONTE: MAXIMIANO (2002) 18 Experiência prática de administradores e todos os tipos de organizações Experiência prática de administradores e todos os tipos de organizações Conhecimentos descritivos Conhecimentos prescritivos Conhecimentos descritivos Conhecimentos prescritivosPRÁTICA TEORIA FORMAÇÃO DO CONHECIMENTO Relatos da experiência prática Métodos científicos de observação e análise DISSEMINAÇÃO DO CONHECIMENTO Educação formal e informal Contatos pessoais Livros, artigos Treinamento
  19. 19. 5.3. Base empírica Dados ou resultados de outras pesquisas já realizadas sobre o tema que podem auxiliar na elaboração de argumentos teóricos. 5.4. O que não é teoria - Referências: listar referências de teorias existentes e mencionar seus nomes não é o mesmo que explicar a lógica que elas contém. Alguns trabalhos apresentam uma grande quantidade de teorias e escolas de pensamento citados sem relacioná-los com as suas questões. É preciso explicar quais conceitos e argumentos referenciados estão sendo adotados no trabalho e como eles se relacionam com a teoria que está sendo testada ou desenvolvida. - Dados: resultados empíricos são muito úteis para dar suporte à teoria, mas eles não podem ser apresentados como uma teoria por si mesmos. Na análise de dados, descrever resultados puramente não pode ser considerado análise, pois eles precisam estar relacionados com alguma explicação embasada na teoria. - Listas de variáveis ou conceitos: embora definições conceituais sobre variáveis sejam de extrema importância para a consistência de um trabalho, uma teoria precisa também explicar porque tais variáveis ou conceitos são citados e como eles estão relacionados. Uma simples lista de variáveis não compõe um argumento teórico. 19
  20. 20. - Diagramas: diagramas e figuras podem ser valiosos artifícios na elaboração teórica de uma pesquisa, mas, por si mesmos, raramente constituem uma teoria. Quadros e flechas podem adicionar ordem a certas idéias, delineando padrões e conexões, mas não explicam porque essas conexões acontecem. Alguma explicação lógica verbal é sempre necessária. - Hipóteses: hipóteses são afirmações sobre o que é esperado que ocorra e podem ser frutos de alguma teoria, não contém argumentos lógicos sobre porque determinado fenômeno ocorre. Desta forma, a simples citação de hipóteses na fundamentação de um trabalho científico não pode ser considerada teoria. Portanto, a teoria trata do “porque”, de conexões entre fenômenos, uma história sobre porque fatos, eventos estrutura e idéias ocorrem. A teoria enfatiza a natureza causal dos relacionamentos, sistematiza razões para os fenômenos, entende como os processos acontecem. 6. METODOLOGIA DE PESQUISA; Nesta primeira etapa, a Equipe de Alunos deverá apresentar um esboço dos principais aspectos de sua metodologia de pesquisa. Neste sentido, o procedimento metodológico pode ser incrementado ou alterado na segunda etapa de trabalho. Seguem abaixo os principais requisitos da metodologia de pesquisa: 20
  21. 21. 6.1. Especificação do problema 6.1.1. Hipóteses ou perguntas de pesquisa 6.1.2. Definição das variáveis/categorias de análise 2.6.2.1. Definição constitutiva: tem como objetivo esclarecer de forma precisa definições muito gerais (Triviños, 1992); 2.6.2.1. Definição operacional: tem por finalidade traduzir em conteúdo prático as variáveis teóricas (Triviños, 1992). 6.2. Design da pesquisa 6.2.1. Tipos de pesquisa: 1.6.1.1. Bibliográfica; 2.6.1.2. De campo; 2.6.1.3. De laboratório; -------------------------------------------------- 2.6.1.4. Exploratória: enfatiza a descoberta de aspectos sobre um determinado tema, geralmente utilizado quando o pesquisador não tem idéia de que variáveis estudar; 2.6.1.5. Descritiva: descreve um fenômeno ou situação mediante um estudo realizado em determinado espaço-tempo; e, 21
  22. 22. 2.6.1.6. Explicativa: engloba a explicação científica de um determinado fenômeno, e, conseqüentemente, a sua previsão, pois o objetivo da explicação é a formulação de leis se a investigação atingir estágios avançados. 6.2.2. Tipos de planos: 2.6.2.1. Corte transversal: um momento dado no tempo 2.6.3.1. Corte longitudinal (painéis): coleta de dados de uma mesma amostra através do tempo 6.2.3. Método de pesquisa: 3.6.3.1. Método quantitativo; e, 3.6.5.1. Método qualitativo. 6.2.4. Delineamento de pesquisa: Quadro 1 - Situações relevantes para as principais estratégias de pesquisa Estratégia Forma da questão de pesquisa Exige controle sobre os eventos? Focaliza acontecimentos contemporâneos? Experimento Como, por que Sim Sim Levantamento Quem, o que, onde, quantos, quanto Não Sim 22
  23. 23. Análise de arquivos Quem, o que, onde, quantos, quanto Não Sim/não Pesquisa histórica Como , por que Não Não Estudo de caso Como, por que Não Sim FONTE: YIN (2001) 6.2.5. Delineamento de pesquisa: 5.6.5.1. Experimento: quando na pesquisa as variáveis são manipuladas de maneira preestabelecida e seus efeitos suficientemente controlados. Tentam descobrir relações causais. 5.6.5.2. Levantamento (survey): trata de levantamento junto às fontes primárias, geralmente através de aplicação de questionários para grande quantidade de pessoas. São chamados de “estudos de conjuntos”. 5.6.5.3. Estudo de caso: dedica-se a um estudo intensivo sobre uma (ou algumas) unidade social. Podem ser únicos (uma só unidade) ou comparativo (mais de uma unidade social comparadas). São validados por uma variedade de fontes de dados. 23
  24. 24. 5.6.5.4. Pesquisa histórica: investigação crítica de fatos, desenvolvimentos e experiências do passado, com cuidadosa consideração sobre a validade das fontes de informação, bem como da interpretação das evidências obtidas. 5.6.5.5. Pesquisa-ação: tipo de pesquisa social com base empírica que é concebida e realizada em estreita associação com uma ação ou com a resolução de um problema coletivo e no qual os pesquisadores e os participantes da situação ou do problema estão envolvidos de modo participativo. 5.6.7.1. Análise de arquivos: tem por finalidade reunir, classificar e analisar documentos referentes a um determinado assunto. 6.2.6. População e amostragem: Nesta seção, deve-se indicar: - a área de execução da pesquisa - a população da pesquisa - o tipo de amostra e a determinação de seu tamanho - a forma de seleção dos sujeitos da pesquisa Universo ou população é o conjunto de elementos que possuem determinadas características. Em termos estatísticos, população pode ser o conjunto que 24
  25. 25. compreende o campo de análise da pesquisa. Cada unidade ou membro de uma população, ou universo, denomina-se elemento e, quando se toma certo número de elementos para averiguar algo sobre a população a que pertencem, fala-se de amostra. Denomina-se amostra, portanto, como qualquer subconjunto do conjunto da população. 6.6.7.1. Tipos de amostras a) probabilísticas (em princípio, todos os sujeitos têm a mesma probabilidade de ser escolhidos) - aleatória simples: utiliza-se a tabela de número aleatórios. Pode ser sem reposição, quando cada elemento da população só pode entrar uma vez para a amostra, ou com reposição, quando os elementos podem entrar mais de uma vez para a amostra. - Sistemática: a população deve ser ordenada de forma tal que cada elemento seja identificado pela posição. A seguir, utiliza-se um método aleatoriamente para selecionar os componentes da amostra. - Aleatória de múltiplo estágio: consiste em dois ou mais estágios, como emprego de amostragem aleatória simples e/ou sistemática em cada um. - Por área: é uma das formas de variação da amostragem aleatória simples, utilizada quando não se conhece a totalidade dos componentes da população, ou é 25
  26. 26. passível de ser encontrada mais facilmente por meio de mapas cartográficos ou fotos aéreas. - Por conglomerados ou grupos: é outra variação da amostragem aleatória simples. O nome conglomerados ou grupos deriva do fato de os conglomerados serem considerados grupos formados e/ou cadastrados de população. - Multifásica: consiste no sorteio de uma amostragem bem ampla que é submetida a uma investigação rápida e pouco profunda (primeira fase); o conhecimento obtido nessa fase permite extrair , da amostra mais ampla, uma menor, que será objeto de uma pesquisa aprofundada (segunda fase). Estratificada: estratos são formados de acordo com critérios do pesquisador segundo a necessidade do seu estudo. b) amostras não-probabilísticas (sujeitos escolhidos por determinados critérios) - acidental: uma amostra acidental é um subconjunto da população formado pelos elementos que se pôde obter, porém sem nenhuma segurança de que constituam uma amostra exaustiva de todos os possíveis subconjuntos do universo. - intencional: os elementos que formam a amostra relacionam-se intencionalmente de acordo com certas características estabelecidas no plano e nas hipóteses formuladas pelo pesquisador. É necessário assegurar a presença do sujeito- tipo na amostra para que ela se torne representativa. Entende-se por sujeitos-tipos 26
  27. 27. aqueles que representam as características típicas de todos os integrantes que pertencem a cada uma das partes da população. - Amostras por conveniência: são selecionadas, como o próprio nome diz, por conveniência do pesquisador. É o tipo de amostragem menos confiável, mas o mais barato e simples. Prestam-se para as pesquisas exploratórias, mas não para as conclusivas. - Amostra por tráfego: trata-se da escolha, pelo pesquisador, de pessoas que transitam em um determinado local (feiras, lojas, supermercados). Para obtenção de amostra precisas faz-se necessário atentar para o período de realização da pesquisa: dia, noite, durante a semana, final de semana. - Amostras auto-geradas: quando a população e seu tamanho não é conhecido, faz-se necessário que os próprios entrevistados indiquem outros membros a serem entrevistados. - Por “juris”: utilizada quando se deseja obter informações detalhadas, durante certo espaço de tempo, sobre questões particulares. - Por tipicidade: busca obter uma amostra representativa através de um subgrupo que seja típico em relação à população como um todo. Tal subgrupo é utilizado como “barômetro” da população; restringem-se as observações a ele e as conclusões obtidas são generalizadas para o total da população. 27
  28. 28. - Por quotas: a amostragem por quotas pressupõe três etapas – (1) classificação da população em termos de propriedades que se presume (ou se sabe) serem relevantes para a característica a estudar (para tanto é necessário o acesso a dados); (2) construção de uma “maqueta” da população a ser pesquisada, com a determinação, relativa à amostra total, da proporção da população que deve ser colocada em cada estrato; (3) fixação de quotas para cada entrevistador, que terá a responsabilidade de selecionar as pessoas a serem pesquisadas, de tal modo que a amostra total venha a conter a proporção de cada estrato, tal como foi fixado na segunda etapa. 6.2.7. Coleta de dados: 7.6.7.1. Questionário/formulário; 7.6.7.2. Entrevista; 7.6.7.3. Observação; 7.6.7.4. Pesquisa documental; 7.6.7.5. Testes; e, 7.6.8.1. História de Vida. 6.2.8. Tratamento de dados 8.6.8.1. Análise estatística; 8.6.8.2. Análise de conteúdo; e, 28
  29. 29. 8.6.8.3. Análise de discurso. 7. PERFIL DA ORGANIZAÇÃO; No que diz respeito ao perfil da organização, deverão ser considerados os requisitos abaixo: 7.1. Denominação; 7.2. Forma de atuação; 7.3. Histórico; 7.4. Natureza das atividades; 7.5. Missão; 7.6. Visão 7.7. Valores; 7.8. Porte da empresa (número de funcionários, faturamento....); 7.9. Produtos e processos das áreas estudadas (devem ser apresentados em forma descritiva, de fluxograma ou diagramas); 7.10. Clientes e mercado; 7.11. Fornecedores; 7.12. Sociedade (onde está inserida); 7.13. Parcerias (associações, entidades de classe, fundações...); 7.14. Concorrência e competitividade; e, 29
  30. 30. 7.15. Organograma. 8. CRONOGRAMA DE TRABALHO. O cronograma é uma estrutura que representa a distribuição planejada das atividades que compõem o projeto e o tempo necessário para sua execução. Elementos do cronograma: - as atividades que serão desenvolvidas; - a estimativa de tempo de duração de cada atividade; - o tempo total disponível para execução do trabalho. 4.1.1. MODELO DE ESTRUTURA DO PRODUTO FINAL DA ETAPA 1 Tendo considerado os itens acima relacionados, o trabalho desenvolvido ao longo do 7 o período deverá apresentar como produto final um documento contendo a seguinte estrutura: - Páginas pré-textuais: - Capa; e, - Folha de rosto. - Páginas textuais: 30
  31. 31. - Introdução; - Tema; - Problema; - Hipóteses; - Objetivos: geral e específicos; - Justificativa; - Referencial teórico; - Metodologia; - Delimitação da pesquisa; (Perfil da Organização) - Cronograma e orçamento; e, - Referências. - Páginas pós-textuais: - Apêndices; e, - Anexos. 4.2. SEGUNDA ETAPA: 8 o PERÍODO 31
  32. 32. Na segunda etapa de trabalho, a Equipe de Alunos deverá dar continuidade ao trabalho iniciado no período anterior. Neste sentido, tendo já estabelecido o contato com a organização, a Equipe de Alunos deverá: 1. COLETAR OS DADOS; A etapa de coleta de dados deverá se guiar pelos métodos já apresentados anteriormente dentro do item metodologia. 2. ANALISAR OS DADOS; Sugere-se que seja inserido no corpo do trabalho um capítulo específico para a análise dos dados coletados. Neste capítulo, a equipe deverá fazer a correlação entre o referencial teórico utilizado e os dados encontrados na realidade da empresa. Desta forma, justifica-se a utilização do referencial teórico no Trabalho de Conclusão de Curso o qual não deve ser inserido no TCC apenas como requisito obrigatório. A função do referencial teórico é justamente propiciar ao pesquisador a possibilidade de reflexão e comparação dos dados empíricos com os dados teóricos. A partir desta correlação teórico-empírica torna-se possível compreender de maneira mais clara a realidade analisada. Por conseguinte, a proposição de boas sugestões de melhoria para a empresa torna-se conseqüência natural da análise de qualidade. 32
  33. 33. 3. PROPOR SUGESTÕES; No que diz respeito à proposição de sugestões, deverão ser obedecidos os seguintes critérios: 3.1. Sugestão proposta: Nesse campo deverá ser apresentada a proposta sugestão de melhoria ou a nova prática de gestão. O título da sugestão deverá ser objetivo e deverá iniciar comum verbo (ex.: criar, elaborar, desenvolver, implantar) 3.2. Justificativa: Nesse campo deverá ser apresentado o motivo ou justificativa que levou a equipe a propor essa sugestão (baseado em um problema ou oportunidade). Não será aceito justificativa que alegar apenas para a não existência de tal prática na empresa, pois o fato da não existência de uma prática não a torna necessária. Esta justificativa deve se basear em dados reais, presentes, passados ou futuros. 3.3. Benefícios para a organização: Nesse campo deverão ser apresentados os principais benefícios tangíveis e intangíveis advindos da sugestão. Identificar possíveis benefícios para partes interessadas e em valores monetários para a organização. 33
  34. 34. 3.4. Responsável na organização; (cargo/área): Nesse campo deverá ser informado o cargo e a área que será responsável pela implementação da sugestão, bem como todos os envolvidos em etapas pré e pós implementação. 3.5. Prazo: Nesse campo deverá ser definida a previsão de início e final da implementação da sugestão, especificando o tempo decorrido em meses e dias. A definição de prazo considerará a quantidade estimada de horas para que a equipe possa trabalhar a etapa seguinte de custo e investimento. Considerar se o executar na empresa já está envolvido na implementação de outra sugestão. 3.6. Custo / investimento: Nesse campo deverá ser informada a previsão estimada de quanto irá custar esta sugestão devendo ser considerados todos os custos possíveis inerentes a sugestão tais como implementação, estruturação, operacionalização e manutenção 3.7. Como (determinar como implementar a sugestão na organização): 34
  35. 35. Nesse campo deverá ser apresentado o detalhamento de como fazer a sugestão, devendo ser demonstradas as principais etapas para a implementação da sugestão. Salienta-se que cada Diagnóstico Organizacional deverá contemplar, após análise da organização, um total de QUATRO sugestões de melhoria. Destas, apenas DUAS poderão contemplar padrões de trabalho (ferramentas). As demais deverão, obrigatoriamente, corresponder à sugestão de novas práticas de gestão na organização diagnosticada. 4.2.1. MODELO DE ESTRUTURA DO PRODUTO FINAL DA ETAPA 2 Tendo considerado os itens acima relacionados, o trabalho desenvolvido ao longo do 8 o período deverá apresentar como produto final um documento contendo a seguinte estrutura: - Páginas pré-textuais: - Capa; - Folha de rosto; - Páginas preliminares (opcionais) 35
  36. 36. - Dedicatória; - Agradecimentos; e. - Epígrafe. - Resumo; - Sumário; e, - Listas: ilustrações, abreviaturas, siglas, símbolos (opcional). - Páginas textuais: - Introdução; - Referencial teórico; - Metodologia; - Delimitação da pesquisa; (Perfil da Organização) - Análise dos dados; - Propostas de Melhoria; - Conclusão; e, - Referências. - Páginas pós-textuais: - Apêndices; e, - Anexos. 36
  37. 37. 5. ATUAÇÃO, FREQÜÊNCIA E AVALIAÇÃO DAS EQUIPES E ALUNOS Para elaboração do Diagnóstico Organizacional cada Equipe de Alunos deverá assinar um documento denominado “Compromisso Ético” (Anexo 3), o qual consiste em um termo de responsabilidade com os requisitos éticos desejados no trabalho da Equipe de Alunos no desenrolar do estudo na organização. Entende-se que o trato das informações cedidas pela empresa é de extrema responsabilidade e exige, portanto, uma conduta profissional por parte dos alunos. Equipes que, porventura, transgridam o “Compromisso Ético” serão desqualificadas para o desenvolvimento do TCC. A partir do 8 o período, em que os alunos dispõem de uma noite específica para orientações, será controlada formalmente a freqüência das Equipes de Alunos. Aqueles que excederem o limite de 25% de faltas estarão reprovados por falta na disciplina Estágio VI e, portanto, impossibilitados de apresentarem o Diagnóstico Organizacional perante a Banca Examinadora. Neste sentido, apresentam-se a seguir algumas orientações sobre os dias e horários de orientação que deverão ser seguidas pelos alunos do 7 o e 8 o período: - O agendamento de horários para orientação deverá ser realizado semanalmente junto à recepção ao lado da secretaria da faculdade, com a funcionária Tatiana; 37
  38. 38. - Como forma de possibilitar o atendimento a todas as equipes, cada Equipe de Alunos irá dispor de 30 minutos por agendamento para discussão com a orientação. Caso não incorra prejuízo para outras equipes, a orientação poderá decidir pela dilatação deste tempo; - Caso a Equipe de Alunos não possa comparecer à orientação por motivos relacionados ao desenvolvimento do TCC, deverá a mesma comunicar formalmente a orientação; - As atividades desenvolvidas durante a orientação deverão ser relatadas pelo Professor Orientador na Ficha de Acompanhamento de Atividades (Anexo 4). A Ficha de Acompanhamento de Atividades deverá ser entregue pelo Prof. Orientador à Coordenação de Estágio e TCC ao final de cada semestre. 6. AVALIAÇÃO DA ORIENTAÇÃO 38
  39. 39. Ao final da primeira (7 o período) e segunda (8 o período) etapa de trabalho, as Equipes de Alunos deverão proceder a avaliação de seus respectivos orientadores, conforme Anexo 5. Esta avaliação tem por objetivo informar à Coordenação do Curso e à Coordenação de Estágios e TCC sobre o andamento das orientações sob a perspectiva discente. 7. PRÉ-BANCAS As pré-bancas se caracterizam como um momento em que a Equipe de Alunos disponibiliza o trabalho até então desenvolvido para apreciação do grupo de orientadores. Com isso, a partir da leitura do material entregue pela equipe e da apresentação oral que a mesma irá proceder em data e horário a serem agendados, objetiva-se contribuir para a qualidade dos trabalhos com sugestões, dicas de bibliografia, entre outros. Portanto, a pré-banca não se configura como ocasião para atribuição de nota, nem ao trabalho escrito, nem à apresentação oral. Salienta-se, no entanto, que esta é uma etapa obrigatória para todas as Equipes de Alunos e a não participação ou o atraso no cumprimento das datas previstas para a etapa serão consideradas pelos orientadores na avaliação final da Equipe de Alunos. 39
  40. 40. Entende-se, ainda, que a partir das sugestões da pré-banca é preciso que a Equipe de Alunos disponha de tempo hábil para incorporar tais melhorias. Neste sentido, as pré-bancas serão realizadas sempre ao início da segunda etapa de trabalho, ou seja, ao início do 8 o período. As pré-bancas serão compostas, em um primeiro momento, pelo grupo de orientadores, considerando o número mínimo de três professores por pré-banca. Mediante disponibilidade, outros docentes da UniExp poderão também integrar as pré- bancas. 8. PROCEDIMENTOS PARA ENTREGA DOS TRABALHOS À SECRETARIA (ANTES DA BANCA EXAMINADORA) Com a finalidade de padronizar os procedimentos de entrega de Trabalhos de Conclusão de Curso na secretaria da faculdade, os quais serão encaminhados aos Professores Avaliadores da Banca Examinadora, enumeram-se os itens a serem cumpridos: 1) O trabalho deve ser entregue na secretaria da faculdade, mediante protocolo na data prevista em cronograma; 2) O trabalho deve ser entregue em 3 (três) vias as quais não necessitam, obrigatoriamente, constituírem-se de originais impressas; e, 3) O trabalho somente deverá ser entregue à secretaria mediante prévia autorização do Professor Orientador. Neste caso, a entrega das cópias na secretaria 40
  41. 41. deve ser acompanhada do Termo de Autorização para Encaminhamento de TCC à Banca Examinadora (Anexo 7) devidamente assinado pelo Prof. Orientador. 9. PROCEDIMENTOS DA BANCA EXAMINADORA Para a composição da Banca Examinadora deverão ser obedecidas as seguintes orientações: 1) As Bancas Examinadoras serão compostas pelo Professor Orientador e mais dois Professores Avaliadores; e, 2) A escolha dos dois Professores Avaliadores será realizada conjuntamente entre Professor Orientador e Coordenação de Estágio e TCC, mediante disponibilidade dos docentes da UniExp. Cada Banca Examinadora terá como presidente o Professor Orientador o qual conduzirá as atividades de abertura, questionamentos e encerramento. Depois de iniciada a apresentação não será permitida a entrada de pessoas no recinto de apresentação. 10. PROCEDIMENTOS PARA A APRESENTAÇÃO DO TRABALHO DE CONCLUSÃO DO CURSO À BANCA EXAMINADORA No ato da entrega das três cópias à secretaria, será iniciada a contagem do prazo máximo de 15 dias para agendar a banca. As apresentações ocorrerão de acordo com o sorteio realizado previamente. Com a finalidade de padronizar os procedimentos de apresentação pública de Trabalhos de Conclusão de Curso, enumeram-se os itens a serem cumpridos: 1) A Equipe de Alunos terá no mínimo 20 minutos e no máximo 30 minutos para apresentação do Trabalho de Conclusão do Curso; 41
  42. 42. 2) Será exigida a participação de todos os membros da Equipe de Alunos na apresentação; 3) A avaliação da apresentação será individual e corresponderá, juntamente ao trabalho escrito, a 10,0 pontos na nota do aluno, conforme Anexo 6 do Manual de TCC. Salienta-se, entretanto, que a nota de cada avaliador deverá ser calculada por média ponderada, considerando 70% para o trabalho escrito e 30% para apresentação oral na banca. Exemplo: cálculo da nota do aluno que obteve 7,0 no trabalho escrito e 8,5 na apresentação oral: ( ) ( )3,0*7,0* .. oralApresescritotrab NotaNotaNota += Neste caso, o aluno estaria aprovado, conforme abaixo: ( ) ( ) 5,73,0*5,87,0*0,7 =+=Nota No entanto, a nota final do aluno será o resultado da média aritmética das notas dos três avaliadores da Banca Examinadora: ( ) 3 3.2.1. AvAvAv NotaNotaNota FinalNota ++ = 4) A Banca Examinadora terá, no máximo, 30 minutos para apresentar suas argüições, contribuições, recomendações, sugestões, correções e questionamentos. Estas devem ser anotadas pela Equipe de Alunos durante a explanação da banca e acrescentadas na cópia definitiva; 5) A avaliação do Trabalho de Conclusão deverá considerar a área de competência do curso e ou habilitação; o delineamento claro do objetivo; sua 42
  43. 43. finalidade; os procedimentos metodológicos adequados na busca de análise dos dados e interpretação de resultados propostos; e, 6) As Fichas de Avaliação de Trabalhos para a Banca Examinadora dos Alunos deverão ser entregues pelos Professores Avaliadores ao Professor Orientador ao final da banca, obrigatoriamente. 11. PROCEDIMENTOS PARA ENTREGA DA VERSÃO FINAL DO TRABALHO DE CONCLUSÃODE CURSO A Equipe de Alunos deve cumprir com os seguintes requisitos: 1) Após a banca de apresentação do Trabalho de Conclusão, a Equipe de Alunos terá o prazo máximo de 15 (quinze) dias para entregar a cópia definitiva acompanhada de dois CD’s contendo o trabalho em formato PDF. Um ficará na faculdade e outro será enviado para a empresa; 2) A versão preliminar do TCC (entregue antes da Banca Examinadora) deverá ser entregue junto à versão final para conferência das correções. O Professor Orientador pode, em comum acordo com os professores da Banca Examinadora, rever a nota final da Equipe de Alunos caso as alterações julgadas significativas não sejam acatadas na versão definitiva; 3) O exemplar deve ser encadernado com capa dura na cor verde com letras prata, conforme modelo disponível na Biblioteca. A Ficha Catalográfica, a qual deverá ser incluída obrigatoriamente na versão final em capa dura, será elaborada pela Biblioteca da UniExp, mediante informações a serem repassadas pela Equipe de Alunos; e, 43
  44. 44. 4) O aluno que não entregar cópia definitiva do Trabalho de Conclusão do Curso e cópia resumo não estará apto para proceder à colação de grau e a obtenção do diploma. 12. PREVISÃO DE DATAS No quadro abaixo são apresentadas as principais datas que nortearão o desenvolvimento do Trabalho de Conclusão de Curso. Eventos Administração de Empresas Início das aulas 7º Período 44
  45. 45. Aulão TCC 02/08/06 Formalização de Equipes Até 17/08/06 Definição da Empresa e Tema de Pesquisa Até 24/08/06 Entrega dos documentos (Anexo 1, 2 e 3) Até 01/09/06 Entrega da primeira etapa do TCC na secretaria mediante protocolo Até 24/11/06 8º Período Pré-bancas 09 e 10/08/06 Protocolo dos trabalhos finais na secretaria 01/11/06 Bancas de Avaliação 22 e 23/11/06 45
  46. 46. Anexo 1 Carta de Apresentação TCC 46
  47. 47. São Paulo, ......... de ....................... de 2006. 47
  48. 48. À Empresa XYZ N/capital Att. Sr. Fulano Diretor de Recursos Humanos Prezado Senhor, O Centro Universitário Estacio Radial, tem como missão “formar profissionais empreendedores com responsabilidade social e ética, utilizando na prática competências, habilidades e tecnologias avançadas, identificando constantemente oportunidades de negócios, agregando valor crescente à sociedade”. No intuito de transformar esta intenção em uma realidade é que foi desenvolvida a metodologia de Trabalho de Conclusão de Curso, a qual se configura como um Diagnóstico Organizacional. Esta metodologia objetiva promover a verdadeira integração entre alunos, faculdade e o setor empresarial por meio da contextualização da empresa, análise dos dados com o correlacionamento teórico e a apresentação de propostas de melhoria para sua organização. Não obstante, entendemos que esta metodologia proporciona aos alunos, sob a orientação de professores capacitados, a aplicação na prática de todas as competências e habilidades apropriadas ao longo de quatro anos de estudo. 48
  49. 49. Neste semestre, uma equipe de alunos da UniExp selecionou sua organização como candidata para a análise. O desenvolvimento do trabalho será pautado no Compromisso Ético, documento assinado pela equipe de alunos e que deverá ser entregue ao representante da empresa. Esse compromisso objetiva exigir dos alunos o empenho máximo na prestação de serviços de elevado padrão profissional, levando em consideração o sigilo, a honestidade, a dignidade, a veracidade, a imparcialidade e a responsabilidade perante sua organização. No transcorrer deste trabalho, sua empresa pode solicitar, a qualquer momento, o comparecimento do professor orientador junto à empresa para acompanhar o desenvolvimento do trabalho pelos alunos. Além disso, sua empresa estará convidada a assistir a apresentação da equipe à Banca Examinadora e, posteriormente, receberá da equipe um exemplar em CD do Diagnóstico Organizacional concluído. Ressaltamos que sua empresa pode optar, se assim entender como mais apropriado, que o estudo seja desenvolvido sem a divulgação do nome de sua organização, o qual seria substituído por um nome fictício. Finalmente, na expectativa de que possamos estabelecer este vínculo de cooperação, nos colocamos a sua total disposição para maiores esclarecimentos pelo fone Aguardamos seu retorno confirmando esta parceria para que possamos dar início às atividades formais de diagnóstico. Atenciosamente, 49
  50. 50. ______________________________ Prof. Coordenador de Estágios e TCC ______________________________ Prof. Coordenadora dos Cursos de Administração 50
  51. 51. Anexo 2 Formulário de Elegibilidade Formulário de Elegibilidade 51
  52. 52. 1. Organização: Nome da Organização (empresa ou unidade): ....................................................................................... Endereço: .......................................................................................................................................... CEP: ......................................... Cidade: ..................................................................... UF: ................ Telefones: .......................................................................................................................................... Homepage: ........................................................................................................................................ 2. Data de Constituição / Criação da Organização: .......... / .......... / .......... 3. Representante da Organização: Nome: ............................................................................................................................................... Cargo: ............................................................................................................................................... Telefones: .......................................................................................................................................... E-mail: ............................................................................................................................................... 4. Contatos na Organização para Coleta de Dados: 52
  53. 53. Nome: ............................................................................................................................................... Cargo: ............................................................................................................................................... Telefones: .......................................................................................................................................... E-mail: ............................................................................................................................................... Nome: ............................................................................................................................................... Cargo: ............................................................................................................................................... Telefones: .......................................................................................................................................... E-mail: ............................................................................................................................................... Nome: ............................................................................................................................................... Cargo: ............................................................................................................................................... Telefones: .......................................................................................................................................... E-mail: ............................................................................................................................................... 5. Caracterização: a) A organização tem fins lucrativos? ( ) Sim ( ) Não b) Total da força de trabalho: ( ) Funcionários ( ) Terceiros 53
  54. 54. ( ) Estagiários c) Ramo de atividades da organização: ................................................................................................ d) Quantidade de instalações (matriz e filiais): ...................................................................................... 6. Data de entrega à Coordenação de Estágios e TCC e assinatura dos componentes da Equipe: .......... / .......... / .......... Integrantes da Equipe Assinatura ..................................................................... ........................................................ ..................................................................... ........................................................ ..................................................................... ........................................................ ..................................................................... ........................................................ 54
  55. 55. Anexo 3 Compromisso Ético Compromisso Ético 55
  56. 56. 1. Declaração de Princípios Os integrantes da Equipe de Alunos que irá desenvolver o Trabalho de Conclusão de Curso – TCC, tendo como objeto de estudo a empresa _____________________________, CNPJ n o ___________________________ situada no endereço _____________________________________, no município de __________________, se comprometem a conduzir suas atribuições e responsabilidades de forma ética e profissional, levando em consideração a honestidade, a dignidade, veracidade, imparcialidade e confidencialidade perante a organização objeto de estudo e ressaltando as características do Administrador. 2. Regras de Conduta - Exige-se a salvaguarda das informações recebidas durante o processo, evitando, até mesmo, discutí-las com colegas de sala ou profissão, utilizando o nome fictício da empresa, quando assim for estipulado, na troca de informações com os demais professores; e, - Exige-se a não reprodução ou divulgação das informações constantes no Diagnóstico Organizacional ou em qualquer documento utilizado no processo sem a prévia autorização da organização analisada, mesmo após o encerramento do TCC. - É vedado agir de forma indigna, indecorosa, antiprofissional e sem zelo junto à equipe, turma ou interlocutores da empresa. Em concordância, assinam abaixo: 56
  57. 57. Integrantes da Equipe Assinatura ..................................................................... ........................................................ ..................................................................... ........................................................ ..................................................................... ........................................................ ..................................................................... ........................................................ Anexo 4 Ficha de Acompanhamento de Atividades 57
  58. 58. ADMINISTRAÇÃO E MARKETING FICHA DE ACOMPANHAMENTO DE ATIVIDADES ORGANIZAÇÃO: DATA ATIVIDADES DESENVOLVIDAS ASSINATURAS PROFESSOR ____/_____/2006
  59. 59. Anexo 5 Ficha de Avaliação da Orientação
  60. 60. Ficha de Avaliação da Orientação Nome do Professor Orientador: ___________________________________________________________ 1. O professor apresentou e discutiu o Manual de TCC com a Equipe? ( ) 4 Sim/Sempre ( ) 3 Muito/Com muita freqüência ( ) 2 Regular/Com média freqüência ( ) 1 Pouco/Às Vezes ( ) 0 Não/Nunca ( ) NA Não sei 2. O professor propiciou condições favoráveis para o aprofundamento da pesquisa durante as orientações? ( ) 4 Sim/Sempre ( ) 3 Muito/Com muita freqüência ( ) 2 Regular/Com média freqüência ( ) 1 Pouco/Às Vezes 60
  61. 61. ( ) 0 Não/Nunca ( ) NA Não sei 3. O professor faz sugestões e indica bibliografia pertinente ao tema que está sendo trabalhado? ( ) 4 Sim/Sempre ( ) 3 Muito/Com muita freqüência ( ) 2 Regular/Com média freqüência ( ) 1 Pouco/Às Vezes ( ) 0 Não/Nunca ( ) NA Não sei ( ) NS Não se aplica 4. O professor demonstrou comprometimento e acessibilidade na resolução das dificuldades da Equipe de Alunos? ( ) 4 Sim/Sempre ( ) 3 Muito/Com muita freqüência ( ) 2 Regular/Com média freqüência ( ) 1 Pouco/Às Vezes ( ) 0 Não/Nunca ( ) NA Não sei 5. O professor demonstrou assiduidade no comparecimento às orientações agendadas? ( ) 4 Sim/Sempre ( ) 3 Muito/Com muita freqüência ( ) 2 Regular/Com média freqüência ( ) 1 Pouco/Às Vezes ( ) 0 Não/Nunca ( ) NA Não sei 61
  62. 62. 6. O professor demonstrou pontualidade no comparecimento às orientações agendadas? ( ) 4 Sim/Sempre ( ) 3 Muito/Com muita freqüência ( ) 2 Regular/Com média freqüência ( ) 1 Pouco/Às Vezes ( ) 0 Não/Nunca ( ) NA Não sei 7. O professor disponibilizou retorno em tempo adequado do material entregue pelos alunos para análise e correção? ( ) 4 Sim/Sempre ( ) 3 Muito/Com muita freqüência ( ) 2 Regular/Com média freqüência ( ) 1 Pouco/Às Vezes ( ) 0 Não/Nunca ( ) NA Não sei 8. Utilize o espaço abaixo para comentários que julgar pertinente: _____________________________________________________________________________________________ _____________________________________________________________________________________________ _____________________________________________________________________________________________ _____________________________________________________________________________________________ _____________________________________________________________________________________________ _____________________________________________________________________________________________ _____________________________________________________________________________________________ _____________________________________________________________________________________________ _____________________ 62
  63. 63. Anexo 6 Ficha de Avaliação de Trabalhos para a Banca Examinadora 63
  64. 64. Ficha de Avaliação de Trabalhos para a Banca Examinadora Aluno(a) Curso Prof°(ª) Orientador(a) 1. Avaliação da Apresentação Escrita ITEM CRITÉRIOS VALO R NOTA 1.1 Justificativa do tema, objetivos e hipóteses 2,0 1.2 Referencial teórico 2,0 1.3 Análise dos dados 2,5 1.4 Propostas de melhoria 2,0 1.5 Normas da ABNT 0,5 64
  65. 65. 1.6 Organização, segurança e seqüência do conteúdo 1,0 Média Final 2. Avaliação da Defesa Oral (Individual) ITE CRITÉRIOS VALO R NOTA 1.1 QUALIDADE DA APRESENTAÇÃO: A exposição é facilmente inteligível? As idéias são concatenadas logicamente? Os recursos audiovisuais usados melhoram a compreensão? A exposição desperta interesse? 2,0 1.2 SEGURANÇA: O aluno responde com segurança às questões? É capaz de rebater racionalmente críticas e questionamentos? Hesita nas suas respostas, esquiva- se ou “chuta”? 2,0 1.3 CONHECIMENTO DO ASSUNTO: O aluno realmente aprofundou seus conhecimentos na área em que trabalhou? Compreende os “porquês” e os “comos”? Ou simplesmente executou e relatou um trabalho sem realmente entendê-lo? 3,0 1.4 CAPACIDADE DE APLICAÇÃO: O aluno é capaz de aplicar o que aprendeu no trabalho na resolução de problemas práticos? É capaz de extrapolar os conhecimentos para situações diferentes daquelas vivenciadas no trabalho? É capaz de interligar estes conhecimentos com outros adquiridos durante o curso? 3,0 Média Final MÉDIA GERAL Composição da Banca Examinadora (Nome e Assinatura) 1 2 3 Curitiba - PR, ______/_________________/_________ 65
  66. 66. Anexo 7 Termo de Autorização para Encaminhamento de TCC à Banca Examinadora 66
  67. 67. Termo de Autorização para Encaminhamento de TCC à Banca Examinadora Autorizo os alunos: __________________________________________________________ __________________________________________________________ __________________________________________________________ __________________________________________________________ __________________________________________________________ __________________________________________________________ _______________________, a entregarem, mediante protocolo, na secretaria da Unidade de Ensino Superior Expoente, três vias do trabalho de conclusão de curso sob o título: __________________________________________________________ __________________________________________________________ ___________________________________________ 67
  68. 68. O mesmo deverá ser apresentado para uma banca examinadora em data e horários a serem definidos pela Coordenação de Estágio e TCC. Professor Orientador: ___________________________ Assinatura: ___________________________________ Curitiba - PR, ______/_________________/_________ 68

×