Anjos

2.049 visualizações

Publicada em

anjos

Publicada em: Espiritual
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
2.049
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
4
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
104
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Anjos

  1. 1. SEMINÁRIO BÍBLICO = Anjos ANJOSPor volta da metade da década de 90 irrompeu uma onda doutrinária a respeito dos anjos. Desde entãotêm sido produzidas várias obras sobre o assunto nos meios religiosos não-cristãos. Muitas nestas obras seocupam em mostrar que a doutrina dos anjos é uma herança das religiões orientais, e são carregadas demisticismo. A mídia, especialmente a televisão, encarregou-se de espalhar os conceitos errôneos sobre osanjos, explorando a credulidade nas pessoas espiritualmente fracas e supersticiosas. Em conseqüência, oscristãos correm o risco de serem influenciados por esses “ventos de doutrina" que, não raro, sopram sobreos arraiais evangélicos.Pensando em nos livrarmos destas influências, vamos estudar sobre os anjos. Nos ocuparemos emconsiderar as razões por que a doutrina da angelologia não tem sido bem estudada pelos cristãos e asobjeções que. durante os tempos. têm sido feitas à existência dos anjos.Angelologia é o estudo referente aos anjos. É uma palavra vinda do encontro de outras duas palavras:ângelos e logia, palavras gregas que significam anjo e estudo, respectivamente. E um assunto de poucointeresse entre os evangélicos no modo geral. O Dr. Ebenézer Soares Ferreira “AngeIoIogia sugerealgumas razões por que os estudiosos da Bíblia e da Teologia têm dado pouca atenção a este assunto:O Escolasticismo foi uma forma de pensar dos filósofos e teólogos, que vieram a ser chamados deescolásticas, no período da idade Média (período histórico entre o começo do século V e meados doséculo XV). Muitos assuntos eram tratados com profundidade, mas ás vezes eles desciam a consideraçõesbanais. Foi assim que trataram a doutrina dos anjos, levantando questões sem nenhuma relevância para asua compreensão. Como. Por exemplo:(1) Quantos anjos poderiam permanecer na ponta de uma agulha?(2) Um anjo poderia estar em dois lugares ao mesmo tempo?(3) Os anjos da guarda vigiam as crianças desde o nascimento? Depois de batizadas? Ou já desde oembrião?Estas sutilezas dos escolásticos terminaram por desinteressar os teólogos evangélicos a ref!Estirem sobreangelologia. Ou provocaram neles o receio de serem considerados escolásticos se viessem a abordar oassunto.2. O CristocentrismoEmbora ser Cristocêntrico seja uma exigência para o cristão e para o Cristianismo, porque devemos darpreeminência a Cristo e anunciar uma mensagem eminentemente Cristocêntrica (1 Co 1:23), corremos orisco de, procedendo assim, por de lado outras doutrinas. A doutrina dos anjos é uma questão derevelação de Deus, desde o Gênesis ao Apocalipse cf. Gn 3:24, onde o Senhor põe querubins a guardar ojardim do Éden e Ap 22:8),e não podemos ser ignorantes sobre qualquer aspecto da Revelação. Se aangelologia é uma doutrina bíblica, é importante que a estudemos.3. As mistificaçõesHoje se apregoa. por toda à parte, a aparição que fazem milagres, que movem pessoas de um lugar paraoutro. Anjos são vistos nos cantos superiores das naves dos templos, pousados nos lustres. Estasmistificações causam repulsa e levam a considerar o assunto dos anjos uma questão de crendice popularou de superstição, que não merece uma reflexão séria. Esta é, provavelmente, mais uma razão por que adoutrina dos anjos é esquecida.Entretanto, ao invés de esquecê-la, apenas deveríamos nos livrar do misticismo em torno dos anjos. Foiisto que Paulo condenou quando escreveu aos crentes de Colossos, que, influenciados por práticas pagãscorriam também o risco de prestarem adoração a anjos e não a Deus (Cl 2:18). Em qualquer tempo dahistória a doutrina dos anjos tem encontrado oponentes e contestadores.1. A doutrina dos saduceusOs saduceus compunham uma seita judaica, que floresceu na Palestina desde os fins do século II a.C. atéaos fins do século l d.C. Duas doutrinas em que os saduceus diferençavam dos estudiosos de sua épocaeram: a. a negação da ressurreição dos mortos (Mt 22:23). b. a inexistência dos anjos (At 23:8).Estes dois erros doutrinários dos saduceus foram condenados pelos ensinos de Jesus, que reafirma adoutrina da ressurreição e a existência dos anjos com um mesmo argumento: "Porque na ressurreiçãonem casam nem se dão em casamento; são, porém, como os anjos no céu" (Mt 22:30).1
  2. 2. SEMINÁRIO BÍBLICO = Anjos2. O racionalismoDo ponto de vista dos racionalistas, a existência dos anjos é uma aberração, pois foge nos princípios darazão e da ciência. Conseqüentemente eles vêem a crença na existência dos anjos como uma forma depoliteísmo primitivo, que teve sua evolução no judaísmo.Este pensamento racionalista não é coerente pois a doutrina judaica é essencialmente monoteísta. Osanjos não são deuses: são seres espirituais que Deus usa (cf. Hb 1:7). Os anjos bons nunca se manifestamcomo um deus, mas como mensageiros de Deus, incumbidos de uma tarefa específica: e os anjos mas sãoseres espirituais rebelados contra Deis. ainda a Ele sujeitos Jó 1:8-12; 2:1-6). Releita-se também essaopinião racionalista, porque ela exclui a interferência divina na história e na vida dos homens que,diversas vezes , foi feita através da ação dos anjos.3. O materialismoOs materialistas negam a existência de um mundo espiritual, por isso também negam a existência dosanjos. Só aceitam a realidade do mundo material rejeitando tudo o que vá alem na matéria. Contrariam avontade de Deus., porque "só se preocupam com as coisas terrenas e estão condenados à perdição (Fp3.17.4:1).4. O espiritismoA doutrina espírita sobre os anjos se encaixa devidamente no conjunto da sua estrutura doutrinária cujalinha mostra é a reencarnação. O espiritismo ensina que os anjos são almas dos mortos que depois devárias etapas de reencarnação, alcançaram um grau máximo de perfeição. Assim negam a existênciadistinta dos seres angelicais. Para eles, tanto os anjos bons como os maus ou demônios inexistem. Estesúltimos, dizem, são almas desencarnadas.Rejeitamos a doutrina da reencarnação, refutando-a com textos bíblicos, como o de Hb 9:27: "Aoshomens está ordenado morrerem uma só vez e, depois disto, o juízo". Ninguém há que tendo passadodesta vida para a outra, volta, mesmo que seja para um bom propósito. e muito menos para habitar emoutro corpo (Lc 16:27-31).Hoje diante do interesse cada vez maior no ocultismo, nos objetos voadores não identificados (ÓVNIS),na existência de vida em outros planetas e nas revelações místicas torna-se relevante um estudo sobreanjos com base nas Escrituras.Precisamos estudar seriamente o assunto para termos segurança. diante de tanta ignorância a respeito oude tanta deturpação da verdadeira doutrina.ANGELOLOGIA - UMA DOUTRINA BÍBLICATem crescido muito o mercado de livros evangélicos no Brasil. Há algum tempo atrás era pequeno onúmero de editoras. Hoje na perto de uma centena. espalhando literatura em todos os cantos. Não é,entretanto, pelo simples fato de levarem o rótulo de evangélicos que editoras e escritores produzem livrosbaseados nas Escrituras, razão pela qual devemos ser criteriosos na escolha e compra de livros.Há livros sobre anjos e demônios que não têm como fonte somente as Escrituras. Baseiam-se também emexperiências ou alinham às informações bíblicas os ensinamentos do misticismo religioso do nossotempo. Serve-nos, portanto, a advertência Paulina: "Cuidado que ninguém vos venha a enredar com suafilosofia e vás sutilezas conforme a tradição dos homens, conforme os rudimentos do mundo..." (CL 2:8).Devemos estudar angelologia unicamente por uma perspectiva bíblica.Os anjos são mencionados em toda a Bíblia: 108 vezes no Antigo Testamento e 175 vezes no NovoTestamento. 72 das quais no Apocalipse (Gama Leite, p.11,12).Em todas as partes do Antigo Testamento os anjos são mencionados:1. Nos livros da leiNesta parte da Bíblia os anjos aparecem em muitas ocasiões:a. Gênesis: logo em Gn 3:24 são mencionados. Os querubins. anjos que guardavam o jardim do Éden.Mais adiante encontramos um anjo falando a Agar (Gn 16:7); outros dialogando com Abraão (Gn 18:2;22:11); outros livraram Ló de serem destruídos junto com Sodoma e Gomorra (Gn 19:1); outrosapareceram numa visão a Jacó e um deles lutou com o patriarca (Gn 28:12 e 32:24).b. Êxodo: este livro faz menção do anjo de Deus que ia adiante ao povo de Israel cf. Ex 23:20; 32:34).c. Números: Moisés faz referência à proteção dispensada pelo anjo de Deus a Israel, quando envia umamensagem ao rei de Edom, solicitando passagem pelas terras do seu domínio (Nm 20:16). Um anjotambém aparece a Balaão repreendendo-o por ter espancado a jumenta (Nm 22:31-35).2
  3. 3. SEMINÁRIO BÍBLICO = Anjos2. Nos livros históricosNesses há algumas referências a anjos. a. Juizes: um anjo aparece repreendendo os israelitas (Jz 2:1); o anjo do Senhor é mencionado nocântico de Débora (Jz 5:23); um anjo foi instrumento de Deus para a vocação de Gideão (Jz 6:11) e outroanunciou o nascimento de Sansão (Jz 13:3). b. Livros dos Reis: os anjos também estiveram em ação: um confortou a Elas (1 Rs 19:7; 2 Rs1:3); outro feriu os assírios (2 Rs 19:35).3. Nos livros poéticosOs anjos aparecem em Jó e em Salmos. a. Jó: foi provavelmente o primeiro livro da Bíblia a ser escrito e já temos a evidência da crençana existência dos anjos. São mencionados por Elifaz (Jó 4:18) e por Elíú (Jó 33:23,24). e em Jó 1:6; 2:1 e38:7, onde aparece a expressão filhos de Deus . Pode-se afirmar que eram anjos, pois dizem respeito aseres criados imediatamente por Deus, sem intermediários. b. Salmos: anjos são mencionados algumas vezes, entre as quais em SI 29:1; 91:11.12; 103:20.4. Nos profetasHá nos livros proféticos registro de várias visões em que aparecem anjos: a. Isaías viu serafins por cima do templo (Is 6:2); b. Em Daniel 3:25. um ser “semelhante a um filho dos deuses" com o qual os amigos de Danielforam vistos pelo rei Nabucodonosor, passeando na fornalha, pode ter sido um anjo; o profeta tambémtestifica que foi um anjo que fechou a boca dos leões (Dn 6:22).Portanto, basta folhear o Antigo Testamento para notar que os anjos não são símbolos, alegorias oucriações míticas. Ao contrário, são seres reais, objeto de fé do povo de Israel, o qual admitia que Deus seservia dos anjos para governar o mundo e dirigir os rumos da história.O Novo Testamento reafirma a doutrina dos anjos exposta no Antigo.1. Nos EvangelhosPodemos constatar. primeiro, que os anjos aparecem nesta parte a algumas pessoas, às quais comunicamalguma revelação: a José (Mt 1:20,24; 2:13,19), a Maria (Lc 1:26) e a Zacarias (Lc 1:11,13).Aparecem também servindo ao Filho de Deus no deserto (Mc 1:13) e anunciando Sua ressurreição (Mt28:2). Jesus mesmo ensinou sobre a atuação deles, conforme o registro dos evangelistas (Mt 13:39,49;18:10; 22:30; Mc 12:25; Lc 15:10; 16:22).2. Em Atos dos ApóstolosLogo no início deste livro os anjos aparecem na ascensão de Jesus Cristo (At 1:10.11). Depois surgemfalando a Filipe (At 8:26), a Cornélio At 10:3:11:13) e a Paulo (At 27:23).3. Nas cartas paulinasNesta secção do Novo Testamento desenvolve-se a doutrina. Por 14 vezes a palavra "anjo” émencionada. a. Paulo não só acreditava na existência deles como também em seus serviços ( Rm 8:38; Gl3:19). b. Paulo afirma que os anjos são criaturas de Deus e como tais estão sujeitas a Cristo (Cl 1:16:Fp2:10). c. Paulo ensina que, quando na terra, Jesus Cristo foi assistido pelos anjos (1 Tm 3:16); quequando Cristo voltar, se ouvirá a voz do arcanjo (1 Ts 4:16) e que a lei foi transmitida pelo ministério dosanjos (GI 3:19). d. Paulo por outro lado adverte quanto ao perigo de se dar crédito a um evangelho pregado poralgum anjo (GI 1:8) e mostra aos crentes ce Colossos o erro de comparar Cristo aos anjos (Cl 2:18).4. Na carta aos HebreusNesta carta os anjos aparecem mencionados 13 vezes. O propósito do autor é demonstrar a superioridadede Jesus Cristo sobre eles (cf. Hb 1:4,5,13.14; 2:2.5,7.9; 12:22).5. Nas cartas de PedroO apóstolo Pedro ensina sobre a justiça divina aplicada aos anjos decaídos (2 Pe 2:4,10) e sobre a sujeiçãodos anjos a Jesus Cristo (1 Pe 3:22).3
  4. 4. SEMINÁRIO BÍBLICO = Anjos6. No ApocalipseNeste livro a palavra anjo aparece 72 vezes, nas quais os seres angelicais desempenham vários papéis.a. Os anjos compõem um coro ao redor do trono de Deus (Ap 5:11).b. Os anjos estão diante dEle prontos a executar suas ordens (Ap 8:2).c. Os anjos são os instrumentos de aplicação do juízo de Deus sobre a terra (cf. Ap 14:15; 15:1). A Bíblia nos ensina sobre os anjos, e este ensino é suficiente para o nosso entendimento a respeito destes seres angelicais. Recorrer a outras fontes oferece o risco de se desviar da reta doutrina que as Escrituras contém.ENREDAR - prender em uma rede; embaraçar.MíTICAS - relativas a mitos, que são histórias contadas sem comprovação histórica; mitológicas.ANJOS - QUEM SÃO ESSES SÉRES?Quem são os anjos? Respostas erradas têm sido dadas a esta pergunta como já vimos. Embora não sepossa encontrar na Bíblia tudo o que desejamos para satisfazer nossa curiosidade sobre os seres angelicaiscremos que Deus nos revela o necessário para a nossa compreensão a seu respeito.A palavra “anjo" deriva da língua latina ângelus - que é correspondente a palavra grega ângelos. Nohebraico a palavra para anjo é malako. O significado comum é mensageiro, enviado.Anjos, com o sentido de mensageiros, não diz respeito à natureza espiritual desses seres, mas determina asua missão. Com esse mesmo sentido de mensageiro ou enviado. Pessoas humanas são chamadas anjos":o sacerdote (MI 2:71: o rei (2 Sm 14:17,20) ;os pastores/líderes das sete igrejas do Apocalipse (Ap 2:1,8,12.18; 3:1, 7, 141. Contudo não é difícil perceber quando o termo se refere as seres celestiais, porquevem associado à pessoa de Deus como, por exemplo, em Gn 16:7; 28:12 e SI 34:7.Deus criou tudo o que existe, as coisas visíveis e as invisíveis. Entre elas criou os anjos (Cl 1:16).Examinando a Bíblia concluímos que foram criados todos de uma só vez - Deus criou uma companhia deanjos e não uma raça.1. Quando foram criados?Provavelmente foram criados antes da criação ao mundo físico. É o que podemos entender a luz em Jó38:4-7.”.0s filhos de Deus", que foram testemunhas da criação de todas as coisas certamente eram osanjos. Se puderam contemplar toda a criação divina, é porque já haviam sido criados antes dela.2. Quantos foram criados?Não há como contá-los. As Escrituras falam de milhares de milhares (Dn 7:10; Ap 5:11), de miríades (Hb12:22). de legiões (Mt 26:53). Tentar descobrir quantos são e nomeá-los é pura tolice, porque a Bíblia dánúmeros indefinidos. Há um número definido deles. que apenas o Senhor conhece, pois foram criados aomesmo tempo, de uma só vez.3. Em qual estado foram criados?Originalmente as criaturas angelicais eram santas. Todas as outras coisas criadas por Deus eram boas (Gn1:31) e os anjos foram criados neste estado de justiça, bondade e santidade. Havia uma condição originalde igualdade em todos os anjos (2 Pé 2:4). Os anjos que assim perseveraram, continuaram a serviço doSenhor e foram chamados eleitos (1 Tm 5:21)Os anjos maus são os que não perseveraram no estado original. Rebelaram-se e tornaram-se inimigos deDeus dos outros anjos e dos homens, e estão condenados a tormentos e castigo eterno ( Jd 8:29; Mt 8:29;25:41)4. Onde habitam?Habitam nas regiões celestiais, onde se manifestam. Várias referências nos dão conta de que os anjos têmsua habitação numa dimensão celestial. Jacó, sonhando, viu anjos que subiam e desciam uma escada cujotopo tocava os céus (Gn 28:12). No Apocalipse anjos são vistos nos céus (cf. Ap 8:5). Quando descem aterra; o fazem para cumprir uma missão (cf. At 12:7).Há informações bíblicas preciosas sobre a personalidade e natureza dos anjos. Vejamos:4
  5. 5. SEMINÁRIO BÍBLICO = Anjos1. Os anjos são seres pessoaisDeus atribuiu a esses seres que criou características pessoais. A crendice popular tem os anjos comoespíritos impessoais ou influências sobre os homens. Diferentemente do que popularmente se pensa, aBíblia os apresenta como pessoas. São seres inteligentes, têm vontade própria e prerrogativas específicas.Um exame do texto de Gn 19:1-13 demonstra isso. Dois anjos estão dialogando inteligentemente com Lo,determinando providências e agindo coerentemente.2. Os anjos são seres imortaisNão são eternos, nem possuem a imortalidade essencial, que só Deus possui (cf. 1 Tm 6:16), mas sãoimortais (Lc 20:36), do mesmo modo que o são as almas dos homens. A eternidade para os anjos é amesma concedida aos seres humanos, na qualidade de criaturas de Deus (cf. Lc 20:35,36).3. Os anjos são seres espirituais e incorpóreosOs seres celestiais estão destituídos de qualquer forma corpóreos - têm uma natureza espiritual (Mt 8:16:Ef 6:12;Hb 1:14). Por isso não possuem carne nem osso (Lc 24:39) e não podem exercer atividades quesão próprias dos seres humanos (Mt 22:30).Anjos apareceram na forma de homem (Gn 18:2; 19:1); agiram como homens, ingerindo alimentos (Gn18:8; 19:3), apenas para convencer de sua Presença real as pessoas a quem apareciam. Os anjos de Deus não tomam outros corpos para se manifestarem. mas tomam formas de pessoashumanas visíveis para se fazerem manifestos” (Cabral. p.9). Sendo espirituais, são também invisíveis (Cl1:16)”.4. Os anjos são seres moraisSe forem seres pessoais, possuem também uma natureza moral e, portanto se encontram debaixo deobrigação moral. São recompensados por sua obediência e foram castigados por sua desobediência. Háanjos que permaneceram fiéis a Deus (At 10:4:22; Ap 14:10) e anjos desobedientes, infiéis que caíram (Is14:12: Ez 28:15; Jo 8:44; 2 Pé 2:4).5. Os anjos são seres gloriososForam criadas com. glória e dignidade sobre-humana (Lo 9:26). No Apocalipse alguns anjos são descritoscom majestade (Ap 10:1-3), contudo, não possuem a mesma glória do Pai nem a mesma glória do Filho(Hb 1:5-13). Anjos são seres celestiais; não são seres divinos. 6. Os anjos são seres poderososAos anjos é conferido maior poder que aos homens (2 Pé 2:11). O salmista reconhece o poder dessesseres celestiais (SI 103:20). Eles conhecem as leis da natureza e dominam o fogo e a água (Ap 14:18;16:5).Há muitos fatos bíblicos que evidenciam o poder dos anjos. Vejamos alguns:a. Um só destruiu todos os primogênitos do Egito, numa noite (Hb 11:28, cf. Ex 12:29);b. Um deles feriu setenta mil pessoas do reino de Davi (2 Sm 24:15,16);c. Um só matou cento e oitenta e cinco mil soldados assírios (Is 37:36);d. Apenas um conseguiu removera pedra que fechava o túmulo de Jesus (Mt 28:2)Entretanto, o poder dos anjos não é ilimitado. Não são onipotentes, são mais poderosos que os homens,mas não têm o mesmo poder que Deus. Não são capazes de criar nada, nem esquadrinhar o coraçãohumano. Os anjos podem influenciar a mente humana do mesmo modo como outro ser humanoinfluência. A influencia dos anjos maus, porém. pode ser impedida pelo poder de Deus (Ef 6:10-12; 1 Jo4:4,18).7. Os anjos São seres inteligentes, não são oniscientes. Não têm inteligência num grau perfeitamenteelevado como Deus, mas a possuem em grau mais elevado que os homens (cf. 2 Sm 14:17,20; Mt 24:36 1Pe 1:12).8. Os anjos são seres assexuados Os anjos, tanto os bons como os maus, são seres que não apresentam uma característica de macho efêmeo. Jesus respondeu aos saduceus. que não criam nas existências de anjos, que estes não casam, o queindica que não têm sexo e, conseqüentemente, não se propagam (Ló 20:35-36). Na Bíblia não seencontra a expressão "filhos de anjos", pois os anjos são filhos diretos de Deus por ato de criação e porobediência (Jó 1:6; 2:1).5
  6. 6. SEMINÁRIO BÍBLICO = AnjosEm Gn 6:2 os "filhos de Deus" não são anjos como alguns entendem, são os descendentes de Sete. queeram tidos como os verdadeiros adoradores de Deus, e são assim chamados para diferençar dosdescendentes de Caim.Em resumo, embora haja semelhanças entre anjos e Deus e entre anjos e homens, anjos são uma classedistinta de seres. Como Deus, mas diferente dos homens, eles não podem morrer. Como Deus eles sãosuperiores em poder em relação ao homem, contudo não são onipotentes. Do mesmo modo que Deus e ohomem eles têm personalidade. Como Deus eles são seres espirituais, mas não são onipresentes. Reverentemente, reconheça a soberania e o poder de Deus ao criar todas as coisas e que Ele, unicamente Ele, é digno de todo o louvor e adoração de Suas criaturas, incluindo nós, os seres humanos.ASSEXUADOS - que não têm sexo; que não podem ser identificados como macho nem fêmea.COERENTEMENTE - com coerência; de modo consistente e bem ajustado.CORPÓREA - que tem corpo; encorpada; material.ESQUADRINHAR - procurar diligentemente; investigar; examinar com atenção.PRERROGATIVAS - privilégios; direitos concedidos com regalias; vantagens.SOBRE-HUMANA - que está acima do nível dos homens; superior ao homem.A ORGANIZAÇÃO ANGELICALDepois de refletimos sobre a personalidade e a natureza dos anjos, podemos pensar um pouco no modocomo estão organizações. Temos algumas informações bíblicas sobre a organização dos anjos e sobreuma hierarquia angelical. Deus constituiu diversas ordens de anjos para O servirem e O glorificarem. Emcada uma das ordens os anjos são diferentes em poder e autoridade.A Bíblia fala de assembléia” de anjos (Note: Em SI 89:5-8 consta a palavra santos, mas o contexto dá aentender que são anjos), de sua organização para a batalha (Ap 12:7) e de um anjo que é rei sobre osterríveis seres apocalípticos que haverão de assolar a terra (Ap 9:11)”.Os anjos também possuem uma classificação governamental que indica organização e hierarquia,informe Ef 3:10 dos anjos bons e Ef 6:12 dos anjos maus. Sem dúvida, Deus determinou a organizaçãodos anjos bons e Satanás a dos anjos maus. Do mesmo modo que nos governos terrenos há graduações eposições, também as há nas regiões celestiais.Um importante aspecto prático decorre deste fato. Anjos bons são organizados; demônios também sãoorganizados; enquanto os cristãos freqüentemente acham desnecessário serem organizados. Muitos achamque podem lutar sozinhos, vencer a luta sozinha, sem se submeterem a uma autoridade eclesiástica. semorganização e sem disciplina. E quando precisam promover boas obras ou praticar a ação social, poderiamfazer muito mais do que fazem, se submetessem à organização e à disciplina. Lamentavelmente não ofazemOs anjos estão hierarquicamente ordenados. Aparecem numa escala de graduação ou de autoridade. Estagraduação está de acordo com a atividade que exercem.1. ArcanjoArcanjo é uma palavra grega - archangelos. Na Bíblia aparece a menção de apenas um arcanjo - Miguel(só pode haver mesmo um arcanjo. pois a palavra significa ‘. o principal entre os anjos). Seu nomesignifica "quem é como Deus" ou "semelhante a Deus". O prefixo arco.,de arcanjo, leva a supor ser esteanjo é um chefe principal e poderoso. E o significado do seu nome "Miguel" pode representar umaresposta a Lúcifer, cujo coração se elevou, dizendo Serei semelhante ao Altíssimo(Is 14:14).Em Dn 12:1 Miguel aparece como um dos primeiros príncipes - o "grande príncipe" - que se levantará6
  7. 7. SEMINÁRIO BÍBLICO = Anjoscomo defensor dos filhos de Israel. Em Jd 9, apesar de investido de grande autoridade, o arcanjo Migueldeixa a repreensão final a Satanás para o Senhor, reconhecendo com isto, o senhorio dEle. Em Ap 12:7-12 o arcanjo Miguel aparece comandando um exército de anjos que batalham e derrotam o diabo e seuexército de anjos maus.Outra referência a arcanjo encontra em 1 Ts 4:6 numa alusão à segunda vinda de Jesus Cristo. QuandoEle voltar, os remidos serão convocados pela voz do arcanjo” e ressuscitarão dos mortos para irem aoencontro do Senhor nos ares”.2. Anjos governadoresNos escritos paulinos aparecem várias expressões que indicam ordens de anjos que exercem governo oudomínio sobre outros. a. Principados - esta palavra é usada por Paulo sete vezes. indicando uma ornem de anjos bonsou maus, envolvidos no governo do universo (Rm 8:38; Ef 1:21; 3:10; 6:12; Cl 1:16; 2:10.151. Podem serconsiderados como generais de exércitos angelicais. São anjos que têm poderes de príncipes). b. Potestades - devem ser anjos que exercem uma supremacia; possuem autoridade paragovernar. Sua principal atividade deve ser remover os obstáculos que podem impedir o cumprimento davontade de Deus, e para isso são investidos de especial autoridade (Rm 8:38; Ef 1:21; 3:10; 6:12; Cl 1:16;2:10). Ef 3:10 pode dar a entender que potestades são anjos que aprendem algo da vontade de Deus aocontemplarem o que Ele está realizando no seio da igreja. c. Poderes-esta palavra ressalta o fato de que anjos e demônios têm maior poder que os homens.Pode referir-se, de modo especial, aos anjos que exercem poder sobre os fenômenos da natureza (2 Pé2:11; Ef 1:21; 1 Pé 3:22). d. Domínio - deve ser uma classe de anjos que executam as ordens de Deus com relação àscoisas criadas (Cl 1:16; Ef 1:21). e. Tronos - esta designação enfatiza a dignidade e autoridade com a qual Deus investiu os anjosque Ele usa para governar (Ef 1:21; Cl 1:16; 2 Pé 2:10,11).Observe-se que em Cl 1:16 principados e potestades e tronos parecem referir-se a anjos bons. Ef 1:21,entretanto, parece ser uma referência a anjos bons e maus. Já em Rm 8:38. Ef 6:12 e Cl 2:15, parecem quea referência é apenas a anjos maus. "Embora haja uma aparente semelhança entre estas denominações.temos de presumir que estes títulos representam uma dignidade incompreensível e os diversos graus decategoria. As esferas celestiais de governo excedem os impérios humanos como o universo excede aterra" (Chafer. p.345).3. Querubins"Querubins "deriva de querub (hebraico) cujo significado é "guardar" e cobrir". Com esta função osquerubins aparecem mencionados em vários textos. Eles agiram como guardiões da santidade de Deus,tendo guardado o caminho para a árvore da vida no jardim do Éden (Gn 3:24). O uso dos querubins nadecoração do tabernáculo também indica sua função de guardião (Éx 26:1; 36:8:1 Rs 6:23-29). A figurade dois querubins cobrindo o propiciatório igualmente pode representar uma "cobertura” da santidade doSenhor (Ex 25:10-22). Em Ez 10 os querubins aparecem relacionados à glória de Deus. Os anjos descritosem Ez 1 e Ap 4 podem também ser identificados como querubins. Eles possuem extraordinário poder emajestade. Querubins são, portanto, anjos que defendem o caráter santo de Deus. Assim os encontramosem ação”.4. SerafinsO nome "Serafim "tem origem na raiz hebraica saraph que significa "ardente". Estes seres angelicais sãomencionados apenas em Is 6:1-3. Eles aparecem ao redor do trono de Deus a postos para cumprirem Suasordens. Os serafins são considerados os mais nobres entre os anjos Enquanto os querubins se ocupam emdemonstrar a santidade de Deus, os serafins trabalham para promover a reconciliação preparando oshomens para uma adequada aproximação dEle.Os anjos são descritos por Isaias, em sua visão, como tendo asas: "cada um tinha seis asas: com duascobria o rosto, com duas cobria os pés e com duas voava" (Is 6:2). Estas asas têm um sentido simbólico: a. As que cobriam o rosto mostram a necessidade de uma atitude de reverência diante do Senhor; b. As que cobriam os pés falam da santidade do andar diante de Deus; c. As que serviam para voar indicam a grande capacidade de movimento e locomoção dos anjos."Com que reverência deveríamos nos comportar quando nos dirigimos á Majestade Divina, diante doqual os próprios serafins escondem seus rostos! E se eles cobrem os seus pés. estão conscientes de suaimperfeição natural comparada com a glória infinita de Deus; nós que não passamos de torrões de terra,7
  8. 8. SEMINÁRIO BÍBLICO = Anjosvis pecadores, deveríamos corar de vergonha na Sua presença..."(Chafer, p.347).5. Outros anjosUm deles, mencionado pelo nome, é Gabriel (Dn 8:15-27; 9:20-27; Lo 1:19,26). Foi incumbido demissões extraordinárias, para revelar mistérios que se encontravam acima da compreensão humana.Gabriel significa "Deus é forte". Aparece como mensageiro da misericórdia e promessas divinas.Além do anjo Gabriel, aparecem outros anjos nas Escrituras, designados por Deus para tarefasespecíficas:a. mensageiros do juízo (Gn 19:13; 2 Rs 19:35);b. com poder sobre o fogo (Ap 14:18);c. com poder sobre as águas (Ap 16:5);d. os sete anjos anunciadores de juízos (Ap 8:2)e. anunciadores de nascimento de crianças (Gn 18:1,10; Jz 13:3).1. É um fato a organização dos anjos? Por quê?Como vimos. do mesmo modo que todo o restante da criação de Deus segue uma ordem ou organização,também os anjos possuem a sua hierarquia e cada um a sua missão. É bom estarmos alertas para a práticaatual de dar nomes a anjos, com base em escritos religiosos orientais e espirituais e nos livros apócrifos.Neles aparecem nomes como Rafael , Saracael, Raquel e Remiel. Não nos é dada por Deus à tarefa deficar inquirindo sobre nomes de anjos. Os que são identificados na Bíblia o são, especialmente, paraatravés de sua nomeação ressaltar a tarefa que cumprem. Seus nomes não têm nenhuma importância alémdesta. Sendo ministros de Deus, certamente Ele os conhece pelos seus nomes. E se o Senhor não no-losrevelou, é porque não é necessário possuir este conhecimento para viver e crescer na fé. Há uma grande lição prática neste fato da organização e hierarquia dos anjos bons. Eles estão acostumados à disciplina e à obediência, e nisso nos servem de modelo.É bom também advertir que a classificação dos anjos não pode ser definitiva. Há uma grande variação nasordens apresentadas pelos teólogos.HIERARQUICAMENTE - de modo organizado em níveis; com graduação de autoridades.PROPICIATÓRIA - cobertura do tabernáculo: local de sacrifícios para tornar propícia a divindade.O MINISTÉRIO DOS ANJOS NA BÍBLIAPasso a passo estamos ampliando nosso conhecimento sobre os anjos. Depois de descobrirmos que estãodevidamente organizados e que são hierarquicamente ordenados, teremos respeito do serviço quedesempenham os anjos bons mediante as ordens do Senhor.Os anjos atuam como agentes especiais de Deus. Geralmente se deslocam de um lugar para outro para darcumprimenta as ordens do Senhor. Às vezes se tornam visíveis, mas não são reconhecidos imediatamentecomo anjos. Seja coma for, estão sempre atendendo a uma missão cada pelo Criador e servindo-Ovoluntariamente. "As 273 referências da Bíblia feitas a anjos são principalmente narrativas de suasatividades e nelas descobrimos um vasto campo de realizações" (Chafer, p.345).No Antigo Testamento encontramos os anjos exercendo varias atividades, dentre as quais destacamos:1. A promulgação da lei Embora no momento em que Moisés recebeu a lei (cf. tx 19e 20) não se mencione a participação dos anjos, no Novo Testamento se afirma que "foi promulgada por meio de anjos" (Gn 3:19) ou foi recebida por "ministério de anjos" (At 7:53).8
  9. 9. SEMINÁRIO BÍBLICO = Anjos2. O socorro a pessoasAlguns personagens bíblicos tiveram a atuação direta dos anjos vindo em seu socorro. Agar e Ló (Gn 6:7-12; 19:1-22 ) e em especial Abraão, quando estava preste a oferecer Isaque em sacrifício (Gn 22:11. 12).3. A proteção de pessoasJacó teve a experiência de ser protegido por anjos (Gn 32:1). e quando abençoava os filhos de Joséreconheceu isso, dizendo: o anjo o que me tem irado de todo mal... (Gn 48:16).4. A direção do povo de Israel no desertoIsrael tinha um anjo de Deus diante dele em sua peregrinação pelo deserto. rumo á terra prometida (Êx14:19; 23:20).5. A anunciação de nascimentoAbraão e Sara receberam de um anjo a promessa de um herdeiro (Gn 18:1-33). Também Sansão teve seunascimento anunciado por um anjo (Jz 13:1-24).Em toda a extensão do Novo Testamento os anjos são vistos em ação:1. Em relação a Jesus Cristoa. Anunciam o Seu nascimento (Lc 1:26-37:2:8-15) e indicam o Seu nome (Lc 1.31). Antes jáhavia anunciação a Zacarias o nascimento de João Batista e mostrado o nome dele (Lc1: 11-14)..b. Após ter sido tentado no deserto, os anjos O assistiam (Mt 4:11).c. Um anjo O contentava no momento de Sua agonia na Getsémani (Lc 22:43).d. Certamente eram anjos os dois varões que anunciaram a Sua ressurreição (Lc 24:4-6).e. Também dois "varões" estavam presentes em sua ascensão e confortavam os discípulos coma promessa da Sua volta (At 1:10.11).Anjos estiveram acompanhando Jesus em toca a Sua vida terrena, razão pela qual o apóstolo Paulodeclara que Ele foi contemplado por anjos" (1 Tm 3:16).2. Nos Evangelhos Os evangelistas registram varias referências ao ministério dos anjos feitos por Jesus:a. Anjos subiam e desciam sobre Ele "(Jo 1:51)b. Tinha-os para Sua defesa e poda dispor deles, se quisesse (Mt 26:53):c. Declarou que estarão com Ele no julgamento das nações (Mt 25:31)d. Disse que anjos conduziram Lázaro para o seio de Abraão (Lc 16:22);e. Afirmou que os anjos contemplam a face de Deus no céu (Mt 18:10).3. No ministério dos apóstolos e na igreja PrimitivaMesmo depois da descida do Espírito Santo. os anjos continuaram a ministrar, agora em favor da Igreja. a. Um anjo abriu a porta da prisão para que os apóstolos saíssem (At 5:19); b. Um anjo trasladou Filipe por uma distância de cerca de cem quilômetros, levando-o deonde encontrou o oficial etíope para Azoto (At 8:26-40); c. Cornélio necessitou na orientação de um anjo para mandar mensageiro a chamar Pedro (Aí10:3-8); d.Pedro teve a participação espetacular de um anjo para livrá-lo do cárcere onde estavaacorrentado e guardado por dois soldados (At12.3-11) e.Paulo teve o conforto de um anjo quando enfrentava a tumultuada viagem para Roma (At27:23.24)O MINISTÉRIO ESPECIAL DOS ANJOSAlém do ministério desenvolvido pelos anjos há algumas funções exercidas por eles. Embora estejamsempre à disposição do Senhor, para cumprir aquilo que lhes é determinado, há tarefas que desempenhamrotineiramente.No lugar de sua habitação os anjos não estão inativos. Uma das suas principais atividades é a adoração aoSenhor. Ele é digno do louvor e da adoração de todas as suas criaturas, por isso o salmista os conclama afazê-lo. "Louvai-o todos os seus anjos; louvai-o todas as suas legiões celestes" (SI 148:21). Não só o Pai.mas também o Filho recebe a adoração angelical (cf. Hb 1:6).9
  10. 10. SEMINÁRIO BÍBLICO = AnjosNo Apocalipse João tem a visão de uma "grande multidão que ninguém podia enumerar... diante dotrono e diante do Cordeiro" (Ap 7:9). A essa multidão se juntam os anjos, e tacos adoram a Deus (Ap7:11).Nem todos os anjos estão ao mesmo tempo adorando e louvando a Deus. Quanto a isso, Billy Grahamcomenta o seguinte: "Mas os anjos não passam todo o seu tempo no céu. Não são onipresentes (presentesem toda parte ao mesmo tempo), portanto só podem estar num lugar em determinado tempo. Entretanto,como mensageiros de Deus acham-se ocupados pelo mundo, cumprindo as ordens de Deus... Masquando os anjos se encontram diante do trono de Deus, de fato cultuam e adoram o seu Criador" (BíllyGraham, p.42.43).1. Por que os anjos adoram a Deus?Eles O adoram voluntariamente. Há os que seguiram a Satanás, que por sua livre escolha o fizeram e, porisso, não adoram nem servem ao Senhor. Mas os que O adoram o fazem porque, como criaturas de Deus,reconhecem Sua formosura e majestade. Estando diante de Deus (Mt 18:10) eles O conhecem. E quemconhece a Deus, O adora.2. Por que adoramos a Deus?Temos um motivo a mais que os anjos para adorá-lo. Os anjos adoram-no como Criador e Senhor. Nós Oadoramos como Criador, Senhor e Salvador. Se os anjos devem adoração a Deus, nós a devemos muitomais, porque fomos libertados da escravidão do pecado.Um anjo também revelou a Paulo que Deus lhe havia destinado, quando estava em um navio prestes anaufragar, garantindo lhe o livramento dele e de todos os do navio naquela tempestade. O anjo disse:”Paulo, não temas; é preciso que compareças perante César: e eis que Deus, por sua graça te deu atodos quantos navegam contigo" (AI 27:23, 24).Os anjos aparecem em atividade no surgimento de novas épocas no desenvolvimento da história:1. Eles se juntaram em louvor, quando a terra foi criada (Jó 38:6, 7)2. Eles estiveram envolvidos na promulgação da lei mosaica (GI 3:19; Hb 2:2)3. Eles estiveram ativos no primeiro advento de Cristo (Ml :20; 4:11)4. Eles estiveram ativos durante os primeiros anos da Igreja (At 8:26; 10:3, 7; 12:11)5. Eles estarão envolvidos nos eventos relacionados à segunda vinda de Cristo (Mt 25:31; 1 Ts 4:16).Os anjos são agentes da justiça de Deus; executam o juízo sobre indivíduos e nações.1. Na destruição de SodomaQuando da destruição de Sodoma. os anjos disseram a Ló que Deus os havia enviado com a ordem paradestruí-la: "...pois vamos destruir este lugar: porque o seu clamor se tem aumentado chegando até apresença do Senhor; e o Senhor nos enviou para destruí-lo" (Gn 19:13).2. No livramento de JerusalémQuando Deus livrou Jerusalém das mãos dos assírios, o fez por meio de um só anjo, que venceu a cento eoitenta e cinco mil se dados do exército de Senaqueribe, executando o juízo de Deus contra o presunçosorei assírio ( 2 Rs 19:35).3. No julgamento de HerodesUm anjo foi também agente do juízo de Deus contra Herodes, que queria ser reconhecido como um deus.No momento em que o povo o aclamava "um anjo do Senhor o feriu, por não haver dado glória a Deus,e, comido de vermes. expirou" (At 12:23).4. No julgamento das naçõesNo Apocalipse encontramos os anjos esvaziando taças da cólera de Deus (Ap 16 1) e controlando ostrovões de Jeová sobre as nações culpadas (Ap 16:17).Temos falsas idéias sobre anjos, e uma delas é achar que só realizam coisas boas. "É verdade que sãoespíritos auxiliadores enviados para ajudar os herdeiros da salvação Mas, da mesma forma quecumprem a vontade de Deus na salvação dos crentes em Jesus Cristo, são também vingadores queempregam o seu grande poder para cumprir a vontade de Deus no julgamento divino" Billy Graham.10
  11. 11. SEMINÁRIO BÍBLICO = Anjosp.81 .82.Que privilégio inaudito tem os anjos. Eles contemplem o Senhor da glória. Não podemos nem imaginaro que será contemplar direta e constantemente a face do Senhor.Não nos deixemos enganar pelas falsas idéias sobre os anjos. Eles são instrumentos da graça de Deus paracom os homens, mas são também agentes da aplicação da Sua justiça. Os anjos continuam em ação.HIERARQUICAMENTE -de forma organizada em níveis de autoridade; escaladamente.PRESUNÇOSO pretensioso; vaidoso; que considera a si mesmo importante.ROTINEIRAMENTE - habitualmente; repetidamente; de maneira usual. comum. rotineira.TRASLADOU - transportou; carregou: levou.OS ANJOS A SERVIÇO DA IGREJA E DOS CRENTESVimos que no Antigo Testamento eles aparecem atuando em varias ocasiões e no Novo Testamentoencontramos registros da atuação deles em relação a Jesus e a Igreja Primitiva. Alam disso, tambémestudamos sobre três aspectos do ministério especial dos anjos: adoram e louvam a Deus; comunicam aoshomens os propósitos de Deus; executam os juízos de Deus.Muito ensino errado tem sido ministrado e é necessário que nos dediquemos ao estudo desta questão, paranos firmamos na verdade. Que a Bíblia afirma que Os anjos estão a serviço dos cristãos, a verdade. Mascomo agem? Cada cristão tem o seu próprio anjo? Antigamente os anjos agiram em favor da Igreja. Masisso foi no passado. E no presente, como agem? Terão alguma atuação em favor da Igreja no futuro?1. Os anjos observam os cristãosPaulo afirma que nós “nos tornamos espetáculo ao mundo,”. Isto significa que os anjos são espectadoresdos eventos da vida dos cristãos. Esta observação angelical, entretanto, não é passiva. Certamente que osanjos de Deus vigiam para que o cristão não sofra, tanto física como emocionalmente, além da conta, Osataques de Satanás. Todos os crentes estão em constante perigo, e os anjos os protegem.O apóstolo também menciona, em 1 Corintios 1:10. que as mulheres corintios deviam trazer véu sobre acabeça por causa dos anjos. "Mui provavelmente essas palavras significam para agradá-los, para nãoofendê-los com uma conduta indecorosa" (Champlin. vol. IV, p.173), pois esperam da Igreja a mesmaatitude de reverência que tem diante de Deus (cf. Is 6:2). Este texto (1 Co 11:10) também revela ointeresse dos anjos na vida cotidiana da Igreja.Por outro lado, a Igreja é que torna conhecida "a multiforme sabedoria de Deus dos principados epotestades nos lugares celestiais" (Ef 3:10). lustrando esta verdade, John Stott diz o seguinte: "É comourna encenação de um grande drama. A história e o teatro, o mundo e o palco, e os membros da igrejaem todos os países são os atores. O próprio Deus escreveu a peca e a dirige e a produz. Ato apos ato,cena apos cena, a história continua a desdobrar-se. Mas quem esta no auditório? São as inteligênciascósmicas.. Os principados e potestades nos lugares celestiais. Devemos pensar neles corno sendo osespectadores do drama da salvação” (Stott. p.86.87).Mesmo sendo superiores aos homens em sabedoria e poder, Os anjos não são oniscientes. Por isso,nenhum conhecimento poderia adquirir do plano de salvação do homem, a não ser observando odesenrolar dos acontecimentos da história.2. Os anjos não pregam O EvangelhoA tarefa de pregar o Evangelho é dos homens.Jesus deu a entender assim quando contou a parábola do rico e de Lázaro. Ao negar o pedido do rico, demandar alguém a sua casa paterna para dar respondeu: “Se não ouvem a Moises e aos profetas (Lc16:31). Anunciar a mensagem de salvação é privilégio dos homens, que, se o fazem, são bem-aventurados (Rm 10:15). É tão significativa esta tarefa e tão dignos são Os que realizam, que os anjosdesejam envolver-se nela (cf. 1 Pe 1:12). Mas a eles não é dado este privilégio, que é exclusivo daIgreja”.3. Os anjos estarão presentes nos acontecimentos da Segunda Vinda de CristoMesmo antes de Cristo voltar a terra, Os anjos terão participação neste grande evento. Um arcanjoanunciara o tempo da volta de Cristo e ouvindo a sua voz os crentes em Cristo ressuscitarão (1 Ts 4:16).Quando o Senhor voltar, os anjos o acompanharão (cf. At 1:9-11 e ler Mt 25:31; Mc 8:38,2 Ts 1:7). Na11
  12. 12. SEMINÁRIO BÍBLICO = Anjossua volta pessoal o anjo descerá junto, formando “exércitos” celestiais (Ap 19:14) A presença dos seresangelicais com o Senhor indica a glória com que se revestirá o acontecimento. Mas não é só esta a tarefa aser cumprida pelos anjos na segunda vinda de Cristo. Eles também atuarão na execução do julgamentodos homens ímpios: Mandara o Filho do homem os seus anjos que ajuntarão do seu reino todos osescândalos e os que praticam a iniqüidade e os lançarão na fornalha acesa...(Mt 13:41,42).Os anjos ainda estarão presentes na prisão de Satanás por mil anos. Um anjo detentor da chave doabismo” prenderá Satanás por mil anos e o lançará no abismo (Ap 20:1-3)”.Os crentes em Cristo tem Os anjos a seu serviço. Nós não podermos vê -los, como já dissemos, porquesão seres espirituais e, por isso invisíveis. Eles, sim, nos podem observar. E do mesmo modo que atuaramem benefício de crentes em particular, nos tempos neotestamentários, ainda hoje atuam.1. Os anjos se alegram com a salvação dos homens"Eu vos afirmo que, de igual modo, há júbilo diante dos anjos de Deus por um pecador que searrepende" (Lc 15:10). A alegria do Pai celestial é tão grande ao receber um filho perdido, que Elecompartilha dela com as criaturas celestiais.2. Os anjos cuidam dos eleitos quando estes morremJesus declarou, quando contou a parábola do rico e de Lazaro, que o mendigo, ao morrer,”foi levadopelos anjos para o seio de Abrão" (Lc 16:22). Podemos deduzir de que quando um cristão passa destapara a outra vida é conduzido pelos anjos à presença do Pai. Quanto ao texto de Judas 9, que menciona adisputa do corpo de Moisés pelo diabo e o arcanjo Miguel, a lição que tiramos é que, até na situação demonte, o inimigo tem interesse nos fiéis, as acusa e os requer para Si.Um comentarista bíblico, tentando esclarecer este versículo, escreveu o seguinte: "Quando Moisésmorreu o arcanjo Miguel foi enviado por Deus para enterrá-lo. Mas o diabo disputou seu direito deassim fazer, pois Moises tinha sido um assassino (Ex 2:12). E, portanto seu corpo pertencia, por assimdizer, ao diabo. Além disso o diabo alegou ter autoridade sobre a matéria, e o corpo de Moisés,naturalmente, encaixava-se nesta categoria. Mas mesmo sob tal provocação, como diz a história, Miguelnão tratou o diabo com desrespeito. Simplesmente deixou o caso com Deus" (Green, p.162).Não somos autorizados a dizer, mesmo diante deste texto, que os anjos são enviados para cuidar doscorpos dos eleitos. No caso de Moisés, podemos crer, o objetivo do Senhor ao enviar o anjo era evitar aidolatria em relação ao corpo de Moisés e, ao mesmo tempo, demonstrar o trato especial que Eledispensou a este Seu servo. Por outro lado, considerando o contexto de Judas 9, aprendemos que se osanjos são cuidadosos naquilo que afirmam, quanto mais o devermos ser.3. Os anjos protegem os eleitosNo SI 34:7 temos que "O anjo do Senhor acampa-se ao redor dos que o temem e os livra". já podermosnotar, em textos tanto do Antigo corno do Novo Testamento, que servos do Senhor foram protegidos poranjos. Jesus declarou que, se quisesse, pediria ao Pai e Ele mandaria "mais de doze legiões de anjos" paraprotegê-lo e livrá-lo de ser preso (Mt 26:53).Podemos crer que os anjos estão a serviço de Deus, ministrando proteção aos santos. Existem anjos queguardam; o que não existe é "anjo da guarda". Esta e uma idéia com base em fábulas rabínicas e nafilosofia oriental. Não há fundamento bíblico para esta noção popular de “anjo da guarda. Os textosgeralmente citados como base são Mateus 18:10 e Atos 12:15. Este ultima texto registra a suposição doscrentes primitivos, ainda influenciados pelas crenças judaicas, de que o anjo de Pedro aparecera. Asuposição deles era falsa, pois era mesmo Pedro, em carne e osso que aparecera, solto que foi da prisão”.No primeiro texto, a intenção de Jesus não é afirmar a existência de anjos pessoais, mas sim mostrar oquanto são importantes "Os pequeninos" diante de Deus, razão por que também os devemos considerarimportantes.4. Os anjos não devem ser adoradosOs anjos não aceitam adoração. No Ap 22:8,9 João conta que, estarrecido diante da visão do novo céu enova terra e das palavras proferidas por um anjo, prostrou-se a seus pés para adorá-lo. Mas o anjo lhedisse: "Vê, não facas isso, eu sou conservo teu, dos teus irmãos, Os profetas, e dos que guardam aspalavras deste Livro. Adora a Deus". Somente Deus deve ser adorado. Qualquer adoração a criatura, emvez de o Criador, é idolatria. Esta e a razão por que Paulo condena o "culto dos anjos" (CI 2:18). Talvez12
  13. 13. SEMINÁRIO BÍBLICO = Anjosos colossenses achassem que Deus esta longe demais e, por isso, precisavam da intermediação de anjospara se chegar a Ele. Deus não esta distante e nem é necessário que anjos sejam mediadores entre Ele e oshomens, porque o Filho, superior aos anjos, já se tornou, urna vez por todas, o Mediador (1 Tm 2:5).É bom sabermos que Os anjos são "espíritos ministradores enviados para serviço, a favor dos que hão deherdar a salivação"(Hb 1:14). Esta palavra traz consolo os anjos nos servem. Servem a igreja e a cadacristão em particular! Contudo, devermos ter o cuidado para não aceitar nada além daquilo que a Palavrade Deus ensina a respeito dos anjos.INDECOROSA - indecente; sem decoro; vergonhosa.CONHECENDO O INIMIGOSatanás como os outros anjos, é um ser misterioso. Não podermos conhecê-lo tão profundamente como,talvez, nosso espírito de curiosidade gostaria. Entretanto podermos conhecê-lo naquilo que a Bíblia nosrevela dele, e isto é suficiente para nos armarmos para a luta que, incessantemente ele trava contra nós.Há dois textos bíblicos que nos servem de base para este estudo: Is 14:12-17 e Ez 28:13-19. O texto deEzequiel a que nos das informações de algumas características originais de Lúcifer, antes da queda. Estapassagem bíblica tem dupla referência:a. Ao príncipe de Tiro:, uma cidade-reino. Historicamente é identificado com Thobal, que reinou em 586a.c.b. Comparativamente a outro rei, chamado Lúcifer, influenciador espiritual do príncipe Thobal. Estepríncipe se torna à figura de Lúcifer devido ao seu orgulho e presunção. Era arrogante e blasfemo.Considerava-se um deus e conhecedor de todos os segredos da vida (cf. Ez 28:1-10). No texto seguinte oprofeta fala do mesmo personagem, mas agora com um sentido espiritual. Não é ao príncipe de Tiro" queo profeta se refere, mas ao "rei do Tiro”, do qual o primeiro era uma figura”.1. Foi criado perfeito em sabedoriaEra o "sinete da perfeição, cheio de sabedoria e formosura" (Ez 28:12). A expressão "sinete daperfeição" traduz a idéia de que era a imagem perfeita da criação divina. Lúcifer foi criado a mais bela emais inteligente criatura de Deus. Em Isaias Lúcifer aparece como "a estrela da manha, filho da alva" (Is14:12). O nome e os dois títulos que Isaías emprega, que significam a mesma coisa: luminoso oubrilhante, ressaltaram a perfeição do estado original de Satanás. Os babilônios criam que os astroscelestes ou estrelas fossem seres angelicais. Isaias aproveita-se da figura "filho da alva "para mostrarcomo era Satanás antes da queda.2. Foi colocado num ambiente de glória"Estavas no jardim do Éden.... de todas as pedras preciosas te cobrias" (Ez 28:13). Os ornamentos dejóias sugerem sua grande importância e o resplendor de sua inconfundível aparência. Assim, comresplendor, ele vivia no jardim de Deus.3. Era ungido e ocupava alta posição"...eras querubim da guarda, ungido..." (Ez 28:14). Lúcifer pertencia a mais alta classe de seres angélicos- a ordem dos querubins, anjos relacionados com o trono de Deus na qualidade de protetores e defensoresde Sua santidade. Para isso Deus o escolhera -"ungido”4. Tinha uma conduta perfeita"Perfeito eras nos teus carinhos..." (Ez 28:15). Até o momento em que nele se "achou iniqüidade", nadahavia que desabonasse, nem diante dos outros anjos, nem diante de Deus, sua conduta. Este era o estadooriginal de Satanás. Deus o criou assim.1. Ele é uma criaturaEm Ez 28:15 encontrarmos esta declaração:"desde o dia em que foste criado". Isto significa dizer que ele não possui atributos que pertencemsorneante ao Deus Criador, tais como onipresença, onipotência e onisciência. Embora seja um serpoderoso, é uma criatura, sujeita as limitações impostas pelo Criador.2. Ele é um ser espiritual Satanás pertencia à ordem dos anjos designados querubins (Ez 28:14). A natureza de todos Os anjos é13
  14. 14. SEMINÁRIO BÍBLICO = Anjosespiritual. Por isso é que ele é chamado de "o deus deste século" e de”o príncipe da potestade do ar (2 Co4:4; Ef 2:2)”.3. Ele é uma pessoaDo mesmo modo que os outros anjos, Satanás possui traços da personalidade. Ele se mostra inteligente (2Co 11:3); ele exibe suas emoções (Ap 12:17; Lc 22:31); ele demonstra que possui vontade própria (Is14:12-13; 2 Tm 2:26). Em dois episódios bíblicos, um no Antigo e outro no Novo Testamento, apersonalidade de satanás é claramente evidenciado. No livro de Jó ele aparece como uma pessoadialogando e mostrando o intento do seu coração (Jd 1). Em Mt 4:1-11 ele aparece em cena dialogandocom o Mestre, agindo caracteristicamente como pessoa. Não podemos negar a personalidade de satanásexceto adotando argumentos que nos compeliriam a negar também a existência dos anjos, a personalidadedo Espírito e a do Pai.4. Ele é um ser moral e responsávelSe Satanás fosse meramente uma personificação do mal, não seria moralmente responsável por seusatos, urna vez que não existiria nenhum ser para se responsabilizar. Mas Satanás é responsabilizado peloSenhor Jesus, do mesmo modo que os homens são responsabilizados por seus atos (Mt 25:41). Estapassagem também nos lembra que negar a realidade de Satanás representa negar a veracidade daspalavras de Cristo.Ate que se achou iniqüidade em ti”(Ez 28:15). É com esta simplicidade que o profeta relata a origem dopecado e da queda de Lúcifer. Ele, que havia sido criado perfeito, abrigava em seu coração a iniqüidade.Isaías dá mais detalhes sobre a queda deste anjo (Is 14:12-17). Embora seja tipológica, pois fala do reiNabucodonosor como figura de Lúcifer, esta escritura descreve os passos da queda de Lúcifer”.1. "Eu subirei ao céu"(Is 14:13)Corno guardião da santidade de Deus ele tinha acesso ao céu. Mas esta declaração expressa o seu desejode estar acima de toda a criação e acima do Criador.2. "Acima das estrelas de Deus exaltarei o meu trono" (Is 14:13)O sentido desta expressão depende do entendimento do que sejam as "estrelas". Neste texto parece sereferir a anjos (cf. Jz 38:7; Jd 13; Ap 12:4). Sendo assim, o desejo de Satanás aqui manifesto era secolocar acima de todos os anjos.3. "No monte da congregação me assentarei, nas extremidades do Norte" (Is 14:12)O "monte” é urna referência ao lugar do trono de Deus. Esta declaração representa a ambição de Satanásde se colocar como governante de todos os povos, no lugar de Deus.4. "Subirei acima das mais altas nuvens" (Is 14:13)Ele ambicionava a glória que pertence a Deus. "Nuvens" são geralmente associadas à presença gloriosa deDeus (Ex 16:10; Ap 1:7).5. "Serei semelhante ao Altíssimo" (Is 12:14)Lúcifer, "O sinete da perfeição", agora queria ser igual a Deus. Desejava ser tão poderoso quanto Deus.Ele queria assumir a autoridade e ao controle do mundo, o que é prerrogativa exclusiva de Deus.O pecado de Satanás é mais horrendo, ao se considerar o grande privilégio, inteligência e posição quetinha. Seu pecado é também mais terrível por causa dos seus efeitos sobre outros. Ele afetou outros anjos,que levou atrás de Si (Ap 12:4); afetou todos os homens (Ef 2:2); afetou as nações (Ap 20:3).A queda de satanás Lhe trouxe conseqüências irreversíveis:a. Ele tornou-se o primeiro pecador e pai do pecado (1 Jo 3:8). Aquele que peca está ligado aodiabo. O pecado é atividade característica do diabo; aquele que o comete se identifica com ele nestaatividade.b. É também o pai da mentira (Jo 8:44). A primeira frase dele registrada na Bíblia não só põe emdúvida, mas contradiz acerca o que Deus dissera. (Deus tinha dito: ‘eternamente morrerás” (Gn 2:17); aserpente disse.’”É certo que não morrerás” Gn 3:4);C. Está sob condenação eterna (Ap 20:2,10).14
  15. 15. SEMINÁRIO BÍBLICO = AnjosSeu estado não será nunca alterado. Ele é eternamente condenado ao inferno, lugar que lhe foi destinadopor Deus.Hoje em dia se tem cometido dois graves erros quanto à existência de satanás:1. Negava sua existência real, considerando o como uma criação do homem, urna espécie de forçanegativa da mente”. Certamente que uma da táticas de Satanás é fazer as pessoas não acreditarem que eleexiste. Se ele não levado a sério, em conseqüência o pecado também não é”.2. Mistificar a crença nele. À luz da Bíblia descobrimos que Satanás é urna pessoa, uma criatura,que deliberadamente optou rebelar-se contra Deus, rejeitando Sua soberania e autoridade. Ele existe e estavivo, operando para influenciar o mundo a se voltar contra Deus.O que aconteceu a Lúcifer deve servir de advertência aos homens. Seu pecado foi o orgulho, consumadona rebelião contra Deus. As conseqüências que sofreu são semelhantes as que o homem soberbo tambémsofre, se não se arrepende e confessa a Deus o seu pecado, reconhecendo a soberania de Jesus Cristo.DESABONASSE - tirasse o valor, o crédito ou o merecimento.INCESSANTEMENTE - de modo permanente; sem cessar; sem parar.MISTIFICAR - enganar; iludir; dar impressão falsa.SINETE - carimbo; instrumento para fazer marca com relevo; chancelado.TIPOLÓGICA - representativa de um modelo; simbólica; analógica.NOMES E ATIVIDADES DO INIMIGOJá conhecemos um pouco deste arquiinimigo do cristão no estudo anterior. Neste, tentaremos conhecê-loainda mais. Deve-se sempre ter em conta de que conhecer o inimigo tem o objetivo prático de estarpreparado para atacá-lo ou dele se defender. É bom também estarmos sempre lembrados que não ovencemos só porque o conhecemos, mas sim porque conhecemos Aquele que o derrotou, Jesus Cristo,que está em nós, é a força que necessitamos para vencer.Os nomes e títulos de uma pessoa revelam seu caráter. Mas a variedade de nomes de Satanás alerta-nostambém para o fato de que ele pode atacar seus oponentes de vários modos. Consideremos alguns nomes:1. DiaboEsta palavra é a transliteração do vocábulo grego diábolos, cujo significado é caluniador; acusador” (Ap2:10; 12:10). É o nome mais popular, porque também o identifica com sua tarefa mais comum. A Bíbliarelata a história de um servo de Deus sendo acusado pelo diabo (Jó 1:9-11). Outros servos de Deus sãoconstantemente acusados por ele. Sendo pai da mentira, ele forja acusações contra os eleitos”.2. SatanásEste nome passou a ser aplicado a ele depois da queda.Significa adversário" (cf. Zc 3:1; 1 Pe 5:8). Desde o momento em que Lúcifer caiu no céu e foi lançadopor terra - foi afastado da presença de Deus (Is 14:12) - tornou-se adversário e opositor constante deDeus, da Sua criação e da Sua obra. Um exemplo da oposição de Satanás à obra de Deus temos em Lc10:18. Enquanto os discípulos proclamavam o Reino de Deus, Jesus "via a Satanás caindo do céu comoum relâmpago".3. Dragão e serpenteEstes são títulos aplicados figuradamente a Satanás e indicam seu caráter de monstruoso, é traidor e deastucioso (Ap 12:9). "Senoente" foi o nome que recebeu por causa da associação com este animal - o"mais sagaz entre todos os animais selváticos" - quando tentou a Eva (Gn 3:1 2 Co 11:3). "Dragão"é15
  16. 16. SEMINÁRIO BÍBLICO = Anjostítulo apocalíptico, as vezes colocado junto ao de serpente (Ap 20:2).4. BelzebuÉ um nome decorrente de "Baal Zebube", título de um deus de Ecrom, ao qual Acazías desejou consultar,mas foi impedido por Elias (cf. 2 Rs 1:1-6,16). Significa "senhor das moscas". No Novo Testamentoencontramos Jesus sendo acusado, pelos fariseus. de expulsar demônios pelo poder de Belzebu. .0maioral dos demônios" (Mt 12:24-29). A resposta de Jesus identifica Belzebu com o próprio Satanás.5. MalignoEste título descreve bem seu caráter e sua obra. Ele é malvado, cruel e tirânico para com todos os queconsegue tornar seus súditos. Seus atos são sempre motivados pela maldade, mesmo quando pareçambons (cf. Mt 13:19, 38; Ef 6:16; 1 Jo 2:13,14; 5:19).6. Abadom e ApoliomComo o próprio texto bíblico esclarece (Ap 9:11). são os mesmo nomes, em duas línguas:hebraico e grego. O significado é "destruído". O contexto de Ap 9 assim o apresenta. Ele é o chefe dosterríveis gafanhotos que causarão dano aos homens.7. Deus deste século (2 Co 4:4)"Ele patrocina a religião do homem sem Deus e é, sem dúvida alguma, responsável por todos os falsoscultos e sistemas que assolam a cristandade hoje em dia (H.C. Thiessen). Nesta condição ele tem os seus"ministros" (2Co l:15),suas"doutrinas"(1 Tm 4:1), seus "sacrifícios" (1 Co 10:20) e suas "sinagogas"(lugares de reunião - Ap 2:9).8. Príncipe deste mundo (Jo 12:31; Ap16:13,14)“Isto parece se referir a sua influência sobre os governos deste mundo. Jesus não disputou areivindicação de algum tipo de direito aqui neste planeta feita por Satanás em Mt 4:8,9 (H.C. Thíessen).Deus lhe impõe limites, é claro. Mas ele assim atua até que, no fim, seja subjugado pelo governo dAqueleque tem o direito de governar, Jesus Cristo (Ap 12:9)”.9. Príncipe da potestade do ar (Ef 2:2; 6:12) Este título também indica uma organização dos anjos maus.Satanás é o líder deles (Mt 25:41; Ap 12:7). Ele comanda uma grande companhia de servos, queexecutam, debaixo do seu poder despótico, as suas ordens, onde quer que sejam enviados.10. LúciferEste nome não aparece escrito na Bíblia. É de corrente da linguagem figurada de saias, que se refere à"estrela da manhã"e filho da alva (Is 14:12). Em seu primeiro estado ele possuía esta característica. Eraum ser reluzente. Mas depois da queda, ele apenas se mostra como tal; aparenta ser um anjo de luz". coma finalidade de enganar os homens (2 Co 11:14).Muitas são as atividades de Satanás, desenvolvidas contra o Pai, contra Cristo, contra a humanidade econtra a Igreja. Vejamos algumas:1. Contra DeusA principal tática de Satanás é atacar Deus e se opor á implantação de Seu Reino. Isto já se havia tornadoevidente quando caiu, pecando por querer ser igual a Deus. Demonstrou, pela primeira vez, que faziaoposição a Deus quando ofereceu a Eva chance de ser como Deus, conhecendo o bem e o mal (Gn 3:5).A tentação de Cristo foi também uma demonstração de que ele se opõe ao Reino de Deus. Satanásofereceu a Jesus a glória deste mundo, tentando demovê-lo da idéia de conquistar o domínio pelosacrifício na cruz (Mt 4:8,9).Hoje ele continua agindo com a mesma intenção de desfazer a obra de Deus. Por isso, como ensina oapóstolo Paulo, para que Satanás não alcance vantagem sobre nós” não podemos ignorar os seusdesígnios (2 Co 2:11). Para atingir aos seus propósitos ele pode transformar os seus ministros em"ministros de justiça (2 Co 11:15). Ele promove um sistema religioso no qual os demônios levam aspessoas a praticarem um falso ascetismo e uma desenfreada licenciosidade (1 Tm 4:1-3; Ap 2:24).A última tentativa de Satanás contra o Reino de Deus será quando da vinda do anticristo, que agirásegundo a eficácia de Satanás, com todo poder; sinais e prodígios da mentira..." (2 Ts 2:9).2. Contra CristoA animosidade entre Satanás e Cristo foi pela primeira vez predita depois do pecado de Adão e Eva (Gn16
  17. 17. SEMINÁRIO BÍBLICO = Anjos3:15). Cristo, descendente de mulher, desferiria um golpe fatal sobre a cabeça de Satanás. Este, por suavez, causaria grande sofrimento ao descendente da mulher.Quando o Senhor veio á terra, Satanás empreendeu vários ataques contra Ele, tentando impedir querealizasse a obra para a qual havia sido destinado. Sem dúvida a morte das criancinhas, determinada porHerodes, era de inspiração satânica (Mt 2:16).Mais tarde Pedro mesmo alinha-se a Satanás, quando reprova a Jesus, depois de ouvir o Seu plano: "eranecessário seguir para Jerusalém e sofrer muitas coisas..., ser morto, e ressuscitado no terceiro dia"(cf. Mt 16:21-23).Mas o principal e mais direto ataque de Satanás a Cristo foi pela tentação no deserto (Mt 4:1-11). Oprincipal alvo de Satanás na tentação era eliminar o sofrimento de Cristo na cruz. Ele sugeria que Suamorte substitutiva era desnecessária. “Especificamente Satanás tentou Cristo a ser independente deDeus (Mt 4:3,4), a ser indulgente (vs. 5-7) e ser idólatra (vs. 8-10) (C.C. Ryrie)”.Uma vez que Satanás não logrou sucesso em sua tentativa de impedir que Cristo fosse à cruz, ele ataca oEvangelho, os seguidores de Cristo, e tudo aquilo que representa o cumprimento do plano de Deus para omundo.3. Contra a humanidadeEm relação aos homens incrédulos, Satanás cegou seus olhos para que não percebam as verdadesespirituais divinas contidas no Evangelho e o abracem (2 Co 4:4). Ele geralmente faz a humanidadepensar que não existe um único caminho para o céu, como o Evangelho propaga. Além disso, há outrasobras que realiza contra os incrédulos: a. Arrebata a semente da Palavra de Deus dos ouvintes, para impedir que venha agerminar (Mt 13:19); b. Provoca a destruição do homem.(Embora ele mesmo não tenha poder final sobre a vida, ele age com o fim de levar o homem á destruiçõesmorais, espirituais e física Mt 27:3-5; Mc 5:1-5; Jo 10:10); c. Põe no coração o desejo da traição (João13:27); d. Age impulsionando o homem para o suicídio (Mt 27:3-5).Para atingir seu intento, tudo o que puder fazer. o inimigo faz. Ele perverte o coração, levando o homem ausar indevidamente tudo o que Deus criou (1 Jo 2:15-17).APOCALÍPTICO - referente à revelação do fim dos tempos.ARQUIINIMIGO - o inimigo-chefe; o principal dos inimigos.ESPÚRIAS - adulteradas; falsas; anormais.RELUZENTE - brilhante; que tem lustro; resplandecente.SATANÂS -O AGENTE DA TENTAÇÃO Tentação é o ato de testar alguém “com propósito benevolente de provar ou melhorar a sua qualidadeou então com o propósito malicioso de mostrar sua fraqueza ou levá-lo a cair na armadilha de fazer umamá ação” Novo Dicionário da Bíblia, p. (1580). É com este segundo propósito que Satanás tenta.O escritor aos Hebreus declara que "foi ele tentado em todas as cousas, à nossa semelhança, mas sempecado" Certamente essa declaração precisa ser entendida à luz da humanidade de Cristo. Ele foi tentadocomo homem. Tendo assumido na encarnação humanidade na sua plenitude, Jesus submeteu-se a toda aexperiência humana. A tentação foi uma das humilhações a que o Senhor se sujeitou. E Ele a venceu17
  18. 18. SEMINÁRIO BÍBLICO = Anjostambém na condição de homem, para nos servir de modelo.Como Jesus enfrentou a tentação? Vamos examinar João 4:1-13 para obter a resposta.1. Jesus foi tentado com relação a uma necessidade física (vs. 3,4)Ao final de quarenta dias e quarenta noites passados no deserto, Jesus estava fisicamente debilitado.Necessitava de alimento. Como consegui-lo? Satanás surge com a sugestão para E usar do Seu poder deFilho de Deus", como acabara de ser chamado por ocasião do batismo (Jo 3:22). transformando pedra empão. Seria a usurpação do poder divino para suprimento de uma necessidade física Jesus não o fez.Rejeitou a opinião satânica, e a rebateu com as Escrituras: "Não só de pão viverá o homem”. Jesusensinou, com isso. que a vida do homem não tem apenas uma dimensão material. Ele deve interessar-sepor outras coisas, além do pão (cf. Jo 6:27)”.2. Jesus foi tentado com relação á posse de poder (vs. 5-8)O Diabo fez aparecer diante de Jesus toda à pompa deste mundo. (Alegou que era dele como “o príncipedeste mundo”, cf. Jo 12:31; 14:30; 16:11) e o ofereceu a Jesus. Bastava que Este o adorasse. Era apossibilidade de Jesus Cristo assumir um reino que seria muito mais poderoso do que o império romano.Certamente Ele governaria visando o bem estar genuíno do povo e abriria o caminho para excelentesrealizações. Mas o diabo exigia que Ele transgredisse um mandamento. Isto significava virar as costas àSua vocação. Seu reino não era aquele. Era bem diferente (cf. Jo 18:36,37). Ele não procurava uma coroaterrestre nem a soberania mundana. Mais uma vez Ele citou as Escrituras, demonstrando que a adoração aDeus é exclusiva. Venceu a segunda tentação, ensinando-nos que o poder e glória não valem adesobediência a Deus e à Sua Palavra.3. Jesus foi tentado com relação á segurança (vs. 9-12)Conduzindo Jesus ao pináculo do templo, em Jerusalém, Satanás sugeriu-Lhe que se atirasse, porquereceberia a proteção divina por meio dos anjos. A tentação pode ter sido "a de ser presunçoso com Deus,ao invés de confiar nEle humildemente" (Morris, p.99). Para assegurar a Jesus que Ele estaria bem seguro,o Maligno citou as Escrituras (SI 91:11,12), empregando de forma errônea a Palavra de Deus, torcendoum texto para servir ao seu propósito. Jesus vence também esta terceira tentação, citando a Bíblia eaplicando a corretamente. Ninguém pode submeter Deus a teste (v.12).4. Por que Jesus foi tentado?O comentarista John Broadus apresenta cinco razões: a. Ele daria, pela tentação, prova de sua verdadeira humanidade, de que possuía uma almahumana (além de corpo humano); b. Seria parte de Seu exemplo para nós; c. Faria parte de sua preparação para ser um intercessor compassivo (Hb 2:18; 4:15); d. Era parte da grande batalha na qual a semente da mulher pisaria a cabeça da serpente (Gn3:15) (Broadus, p.123).5. Algumas lições práticas devemos extrair deste episódio da vida de Jesus a. Jesus enfrentou todas as tentações fazendo uso das Escrituras; b. Ele foi tentado em relação a problemas que são vivenciados por todos os homens:alimentação. poder e segurança; c. Nenhum poder extraordinário lhe foi concedido para vencer as tentações. "No decurso detodas estas tentações, nenhum recurso especial estava aberto a Jesus. Enfrentou a tentação da mesmamaneira que nós devemos enfrentá-la..." (Broadus, p.99).Do mesmo modo com Satanás tentou a Jesus, Ele também tenta os crentes. Seu principal alvo nisso élevar-nos a praticar o mal. Há, especialmente, duas áreas em que os crentes são tentados.1. Os crentes são tentados a encobrir seu egoísmoSer altruísta não é natural. O que já faz parte da natureza humana é o egoísmo, pecado que pode serconfessado e perdoado, defeito do caráter que pode ser corrigido. Entretanto, a tendência do homem éencobri-lo e Satanás se empenha para que o faça. A história de Ananias e Safira é um exemplo clássico. Ocasal queria reter consigo parte do dinheiro conseguido com a venda de sua propriedade e ao mesmotempo receber louvor por sua contribuição. Satanás induziu-os a mentir, para parecerem altruístas ealimentarem seu egoísmo (At 5:1-11). Eles tinham direitos a possuir e a vender a propriedade. Eles não18
  19. 19. SEMINÁRIO BÍBLICO = Anjostinham a obrigação de dar todo o resultado da venda á igreja. Mas eles também não foram obrigados afingir generosidade e ao mesmo tempo suprir o seu orgulho, guardando parte do dinheiro recebido.Caíram em tentação.2. Os crentes são tentados a praticar imoralidadeA área do sexo é visada por Satanás. Ele tenta os crentes a praticarem relações sexuais ilícitas, além de oslevar a cometerem outros pecados da sensualidade. Deus proveu o casamento para proporcionar aohomem e à mulher a satisfação sexual mútua. Quando isto não acontece, Satanás tem a oportunidade detentar os cristãos a praticarem o sexo ilícito (cf. 1 Co 7:5).A "natureza carnal" é o campo de ação de Satanás. Essa nossa inclinação à pratica das coisas más é umaatração ao diabo, que disso se aproveita para levar-nos ao pecado. Quando somos seduzidos a satisfazerde forma ilícita nossas necessidades físicas e psicológicas, estamos cedendo à tentação. Paulocompreendia que era também dotado desta fraqueza humana. Por isso disse:"Então, ao querer fazer o bem, encontro à lei de que o mal reside em mim. Porque no tocante ao homeminterior tenho prazer na lei de Deus; mas vejo nos meus membros outra lei que, guerreando contra a leida minha mente, me faz prisioneiro do pecado que está nos meus membros" (Rm 7:21-23). Certamenteque a fonte mais poderosa da tentação é a nossa própria carne. Tiago diz que "cada um é tentado pela suaprópria concupiscência, quando esta o atrai e seduz" (Tg 1:14).3. Os crentes são exortados a resistir à tentaçãoJesus disse a seus discípulos que deviam "vigiar e orar" para não caírem em tentação(Mt 26:41). Quando lhes ensinou a orar incluiu na oração um pedido ao Pai: Não nos deixes cair emtentação, mas livrá-nos do mal”(Mt 6:13)”.Mas a mais contundente exortação está nas palavras de Pedro (um Pe 5:9) e de Tiago (Tg 4:7). "Resistirao diabo é, sobretudo resistir ao mal que ele injetou na sociedade, em todas as formas, visto que este é omeio mais concreto pelo qual ele se apresenta aos cristãos" (Muelier, p.263). Basta que o cristão esteja"firme na fé" e dependente da "graça de Deus", que é capaz de resistir.Mesmo sendo Satanás mais forte e mais sábio do que o homem é possível resistir às tentações? Sim. Otexto de 1 Corintios 10:13 nos ensina duas verdades a esse respeito: a. A tentação não é sobre-humana. Deus não permite que Satanás invista sobre o crente além daresistência que este possa oferecer-lhe; b. Deus mesmo provê o livramento. Além de não permitir que Satanás se exceda, o Senhorenseja ao crente a oportunidade de livrar-se das tentações. Ele pode socorrer o cristão na sua debilidadepara resistir a Satanás (Hb 2:18). Assim, se Jesus foi tentado em todas as coisas, temos de admitir que nos, enquanto neste mundo, também estamos sujeitos a toda sorte de tentação. Ser tentado não é pecado, pois Cristo também. foi tentado. A tentação só se torna pecado quando a sugestão satânica é aceita e se consente nela.Exatamente por que se dedica á tarefa de tentar os cristãos é que Satanás é denominado na Bíblia de “otentador" (Mt 4:3; 1 Ts 3:5). Não devemos nos esquecer disso e estar certo de que nosso inimigo nãodescansa neste serviço. Estejamos preparados para resistir às tentaçõesUSURPAÇÃO - aquisição feita por meio de fraude ou violência; tomada de posse fora do direito.DEMÓNIOS -AJUDANTES DE SATANÁSSatanás não age sozinho. Ele tem a companhia dos demônios, os anjos caídos que lhe são subordinados,aos quais dá ordens para agirem contra os homens. Há muitas teorias erradas sobre os demônios, muitaignorância a respeito de sua atuação e muitas fantasias criadas a respeito. Com um exame cuidadoso das19
  20. 20. SEMINÁRIO BÍBLICO = AnjosEscrituras é possível descobrir quem realmente são e como agem.Algum erro foi desenvolvido sobre a origem e existência dos demônios. Precisamos conhecê-las para,contrastarmos com o ensino bíblico nos firmarmos na verdade.1. Os demônios seriam espíritos despidos dos corpos daqueles que na vida presente foram homensdepravados perversos e corrompidos. Isto contraria abertamente a Bíblia. Segundo o seu ensino as almasou espíritos dos homens ímpios estão no inferno . Lucas 16:22.23) não podem de forma alguma, estarvagando por aí.2. Os demônios seriam espíritos de uma raça pré-adâmica.Os defensores desta opinião advogam uma diferença entre anjos caídos e demônios. Anjos caídos, dizem,são aqueles que sofrem junto com Lúcifer a conseqüência de sua rebeldia. Os demônios defendem deles,são as almas das criaturas que, por causa da queda de Lúcifer, perderam os seus corpos e setransformaram em espíritos sem corpos.Esta teoria também não encontra apoio bíblico, pois na Palavra nenhuma referência existe a uma raça pré-adâmica. Há uma só raça humana criada em Adão e Eva (Gn 1:26,27).3. Os demônios seriam seres gerados da relação de "filhos de Deus " com as "filhas dos homens"Esta teoria decorre da interpretação equivocada e da consideração isolada do texto de Gn 6:1-4.Os adeptos desta opinião entendem que os filhos de Deus" mencionados neste texto são anjos e que as"filhas dos homens” eram mulheres antediluvianas. Defendem, então, uma miscigenação, isto é, amistura de raças. Tentam, deste modo, justificar a existência de ‘gigantes’ mencionados no v.4”.Esta falsa teoria pode ser refutada com dois argumentos bíblicos: a. Os anjos são seres assexuados (cf. Lc 20:34-36)Não foram criadas umas raças e, sim. uma companhia; não possuem ascendência, ascendência ou famíliae, portanto. não se multiplicam. b. "Filhos de Deus" não significa "anjos"Mesmo que encontremos em algumas escrituras anjos sendo chamados "filhos de Deus". isso não égenérico. Em outros textos filhos de Deus” é uma referência clara a homens. O sentido exato pode serdescoberto luz do contexto, sem necessidade de forçara interpretação (cf. Jó 1:6 - anjos; Os 1:10 -filhosde lsrael)”.Quem são, então, os demônios?1. Demônios são os anjos caídosA Bíblia ensina que, quando Lúcifer se rebelou contra Deus, arrastaram atrás de si uma multidão de seresangelicais, os anjos caídos (Ml 25:41; Ap 12:4). Os anjos que seguiram a Satanás foram banidos dapresença do Senhor (2 Pe 2:4) e se juntaram a ele formando um exercito de demônios, ás suas ordens.Satanás é designado o maioral dos demônios” (Mt 12:24). Satanás é um anjo caído, tanto quanto o sãoaqueles que o seguiram”.Embora em nenhum lugar das Escrituras se diga literalmente que os demônios são anjos caídos, asevidências são mais a favor desta idéia do que das teorias acima mencionadas.2. 0 termo "demônio" na BíbliaEm Lv 17:17, o povo de Israel é exortado a nunca oferecer sacrifícios aos demônios e, em Dt 32:17,Moisés acusa o povo de Israel de ter oferecido sacrifícios aos demônios. O significado original da palavra(no hebraico) é peludo" ou bode peludo".No Novo Testamento, a palavra é daimon ou daimonion (grega), e sempre se refere a seres espirituaishostis a Deus e aos homens.3. A personalidade e a natureza dos demôniosOs demônios não são forças, fluidos ou criação da mente humana. São seres reais e pessoais.a. Pode-se provar isto porque revelam inteligência. Sabiam quem o Senhor era e por que estava na terra(Mc 1:24) e sabiam que havia um fim determinado para eles (Mt 8:29). Eles também sabem da existênciado plano de salvação e que não são beneficiados por ele (Tg 2:19).20
  21. 21. SEMINÁRIO BÍBLICO = Anjosb Eles também possuem emoção. Demonstram-na especialmente quando confrontados pelo julgamento(Lc 8:28; Tg 2:19).c. São também dotados de vontade própria. Eles a expressaram na ocasião em que Jesus expulsoualguns do geraseno (Lc 8:29).d. Os demônios, tanto quanto os anjos bons, pois pertencem à mesma categoria de seres, são espirituais.Não possuem carne nem sangue (Ef 1:12).e. Eles possuem uma natureza imoral. São designados de espíritos imundos" (Ml 10:1) ou de "espíritosmalignos" (Lo 7:21). São também classificados como "forças espirituais do mal (Ef 6:12).f. São. ainda, seres poderosos. Uma ilustração disto se encontra na atitude do endemoninhado geraseno,que, sendo possesso de espírito imundo, possuía uma força descomunal: "nem mesmo com cadeiasalguém podia prendê-lo; porque, tendo sido preso com grilhões e cadeias, as cadeias foram quebradaspor ele e os grilhões despedaçados. E ninguém podia subjugá-lo" (Mc 5:3,4).Três tipos principais de demonologia mencionaremos aqui.1. AdivinhaçãoEste é o nome dado a todos os processos empregados para ler o futuro, por meio de sinais misteriosos einspirações demoníacas. At 16:16 menciona uma jovem possessa dê espírito de adivinhação”. A Bíbliaproíbe terminantemente esta prática (Dt 18:9-14). A adivinhação pode ser praticada de váriasmaneiras”:a. pelos augúrios, que predizem o futuro observando movimentos naturais, como o vôo dos pássaros;b. pela hidromancia, que é a predição baseada na aparência da água despejada em um vaso ou de objetoscolocados na água, provavelmente praticada no Egito (cf. Gn 44:5);c. pela astrologia, o que é a determinação da suposta influência dos astros no destino de uma pessoa (cf.Is 47:13);d. pela necromancia, que é a descoberta de acontecimentos futuros pela invocação dos mortos, praticadapor Saul (1 Sm 28:8), que, por isso, recebeu a condenação do Senhor.(1 Cr 10:13,14>.e. pela feitiçaria, que é a tentativa de influenciar indivíduos e acontecimentos por meios sobrenaturais ouocultos. Esta devia ser a prática dos mágicos ou encantadores do Egito, que procuraram copiar Moisés(Ex 7:11,22; 8:18,19).2. A adoração direta a demôniosÉ outra forma de demonologia. Os filhos de Israel foram repreendidos porque provocaram ao Senhoroferecendo sacrifícios à demônios, não a Deus "(Dt 32:17). Era também praticada nos tempos do NovoTestamento (1 Co 10:20). Esta devoção a Satanás vem tendo espantoso crescimento em nossos dias. Emtodo o mundo surgem as "igrejas de Satanás, onde são reverenciados os demônios e desenvolvidas todasas formas de satanismo.3. EspiritismoÉ a crença de que os vivos podem se comunicar com os monos e que os espíritos aos monos podemmanifestar sua presença aos homens. Isto se dá supostamente mediante a ação de um ser humano.conhecido como médium. As ciências mediúnicas se espalham prodigiosamente. O espiritismo temvárias expressões. encontrando-se entre as mais comuns o baixo espiritismo. que inclui o candomblé, aumbanda. a quimbanda e a macumba; o espiritismo científico. que se manifesta especialmente noesoterismo e no teosofismo incluindo a Nova Era e o espiritismo karaecista. cuja principal doutrina é a dareencarnação.A Bíblia condena tocas as formas de demonologia. O Senhor manifestou sua severidade para com os quea praticam (Lv 19:3t: 206.27) O profeta Isaías interpretou a indignação ao Senhor contra os homens doseu tempo que praticam demônio orgia. a zero: Quando vos disserem: Consultai os necromantes e osadivinhos, que chilreiam e murmuram. acaso não consultará o povo ao seu Deus? A favor dos vivos se21
  22. 22. SEMINÁRIO BÍBLICO = Anjosconsultarão as mortas? À lei e ao testemunho! Se eles não falarem desta maneira. jamais verão a alva (Is8: 19-20).Com estas palavras a Bíblia também testifica da inutilidade das práticas demonológicas. Nenhumbeneficio têm os que as desenvolvem.Não precisamos ser enganados a respeito aos demônios. adotando crenças supersticiosas. Se buscarmos aBíblia, seremos esclarecidos quanto à realidade identidade e atuação deles.Podemos estar certos de que não são criações da mente humana, como propagam os céticos. São os anjoscaídos que seguindo a Satanás se rebelaram contra Deus e se tornaram praticantes das obras malignas. sobo comando do seu chefe. Os demônios são ajudantes do diabo no cumprimento de seus propósitos:a. atrapalhar o desenvolvimento do plano de Deus a favor de toda a humanidade;b. estender a autoridade e o domínio de Satanás.AUGÚRIOS - adivinhações; práticas pagãs de previsão ominosa do futuro.CÉTICOS - aqueles que duvidam ou questionam antes de acreditar (como Tomé).ESOTERISMO - prático de crenças misteriosas, cuja revelação é restrita a poucos.KARDECISTA - referente a Alan Kardec, pioneiro ao espiritismo.TEOSOFISMO - especulação religiosa sobre uma natureza divina da alma, desenvolvida nos EUA em1875 sob influência do bramanismo e budismo.OS DEMÔNIOS EM AÇÃOO crente em Cristo está em constante confronto com os demônios. Enquanto ele serve a Deus para darcumprimento ao Seu plano na terra, implantando o Seu Reino, os demônios, de algum modo, agem paradificultar ou interromper o trabalho. As formas da atuação demoníacas são várias. A questão, então, écomo enfrentar este confronto vitoriosamente.Vamos relacionar algumas atividades dos demônios e procurar compreender a extensão dos prejuízos desua ação para a Igreja e para o crente, em particular.1. Os demônios infligem doenças físicasEles são capazes para isso e realmente o fazem. Podem causar a mudez (Ml 9:32,33), a cegueira e amudez juntas (Mt 12:22), a epilepsia (Mt 17:15-18). Entretanto, nem toda enfermidade física é resultadode uma atividade demoníaca. Precisamos aprender a distinguir enfermidades físicas naturais daquelas quesão provocadas por demônios. (Os textos acima mencionados indicam que aquelas enfermidades nãoeram naturais )conseqüências naturais da debilidade física do homem, (herdada do pecado). Mas em Mt8:16 se diz que Jesus "expeliu os espíritos"e "curou todos os que estavam enfermos". Duas ações distintasforam praticadas pelo Mestre, porque havia dois males distintos (cf. Mt 4:23.24). Quando Jesus curou umleproso, a Bíblia não menciona que a lepra estava associada à ação de demônios (cf. Mt 8:1-4); quandodebelou a febre alta da qual estava acometida a sogra de Pedro, nenhuma relação se faz entre a doença e aatividade dos demônios (Mt 8:14,15); nem quando curou os dois cegos se menciona que a cegueira delesera provocada pelos espíritos malignos (Mt 9:27-31). Poderíamos multiplicar os exemplos. Mas bastamestes para estarmos convencidos de que não devemos atribuir toda doença á influência dos demônios.2. Os demônios causam distúrbios mentaisParece que o homem geraseno estava acometido de distúrbios mentais causados por demônios. Suasatitudes demonstravam ser ele mentalmente desequilibrado (cf. Mc 5:4,5; 9:22). Outra vez é necessárioque sejamos prudentes, não fazendo generalizações. Há distúrbios mentais que são naturais, que não são22
  23. 23. SEMINÁRIO BÍBLICO = Anjosinfligidos pelos demônios nem estão associados à possessão demoníaca. Esquizofrenia, por exemplo,pode não ter relação nenhuma com um mal espiritual. Há casos em que o doente precisa de tratamentopsiquiátrico e não de expulsão de demônios, porque não está possuído por eles.3. As doenças não são "demônios"Os adeptos da doutrina da Confissão Positiva e da Teologia da Prosperidade crêem que as doenças, demodo geral, são demônios" ou espíritos maus" alojados nas pessoas. Dois graves erros são por elescometidos:a. acreditam que todas as doenças são causadas por demônios. Ora, já vimos acima que isto é falso. Hádoenças de causas naturais, que sofremos devido à nossa debilidade física em conseqüência da naturezapecaminosa que herdamos, e há doenças infligidas por demônios. Não podemos tratar todas as doençascomo se fossem demônios, porque assim toda pessoa estaria endemoninhada ao ficar enfermo, inclusive ocristão! E teríamos de admitir que alguns personagens bíblicos como Timóteo (1 Tm 5:23) e Trófimo (2Tm 4:20) tinham demônios alojados em seu corpo, pois a Bíblia menciona que eram enfermos. Absurdo!b. enganam-se quanto à natureza dos demônios.Tratam-nos como se fossem coisas, doenças. Os demônios têm existência real, são seres pessoais eespirituais, como já vimos, que causam grandes males aos homens. Um espírito maligno pode provocaruma enfermidade, mas não se pode confundi-lo com ela (cf. Lc 13:11).Os demônios incentivam a impureza moral. O fato de serem chamados de espíritos imundos (Mt 10:1; Mc5:13) já indica que eles agem para perverter tudo aquilo que é puro, nobre e justo. A imoralidade doscanaanitas parecia ser determinada pela atividade dos demônios (cf. Dt 18:9-14).Esta ação dos demônios é tão sutil e velada que nós, os cristãos, não nos apercebemos dela. Depois deensinar os crentes de Éfeso a praticarem a vida cristã, a andarem "em Cristo" e na plenitude doEspírito”, evidenciando-a nos diversos relacionamentos pessoais. o apóstolo Paulo os adverte”:"Quanto ao mais... revesti-vos de toda a armadura de Deus, para poderdes ficar firmes contra as ciladasdo diabo, porque a nossa luta não é contra o sangue e a carne, e, sim, contra os principados epotestades, contra os dominadores deste mundo tenebroso. contra as forças espirituais do mal..." (Ef6:10-12). Os demônios são os dominadores deste mundo tenebroso. Eles “odeiam a luz, e se retraemdiante dela. As trevas são sua habitação natural; as trevas da falsidade e do pecado. Também são descritoscomo sendo as forças espirituais do mal, que operam nas regiões celestes, ou seja, na esfera da realidadeinvisível. São ‘os agentes secretos do mal’. Assim, portanto, trevas e mal caracterizam suas ações...Esperam-se vencê-los, temos de ter em mente que não possuem nenhum princípio moral, nem código dehonra, nem sentimentos mais nobres... São totalmente inescrupulosos, e implacáveis na procura de seusdesígnios maldosos. (Stort. p.201/2). Os demônios estão sempre agindo no campo das idéias, dospensamentos e dos sentimentos, pervertendo-os”.Muito nos enganamos quando achamos que a atuação do diabo e dos demônios se prende à possessãodemoníaca, ao infligir doenças ou a dominar certos grupos. Há muitos sinais da presença do Maligno edos demônios mesmo dentro das igrejas. Num artigo "Sinais do Maligno na comunidade da fé" do JornalBatista (11417/96) por Josué M. Salgado está escrito o seguinte: “As manifestações do Maligno dentro dacomunidade cristão se dão, sobretudo”:a quando se coloca interesse humano contra a vontade de Deus (Mc 8:33);b. quando se é empecilho á continuidade ou progresso da obra (Lo 22:2);c. quando se é dominado pela mentira, pelo egoísmo ou pelo interesse de autopromoção (At 5:1-11)d. quando não se perdoa o outro (2 Co 2:10);e. quando há ociosidade, falação e intriga (2 Tm 2:14-16>;f. quando não há solidariedade concreta para com o necessitado e oprimido (Mt 25:31-46);g. quando não há prática de amor e de justiça (1 Jo 3:6-10);h. quando não há bom testemunho externo (1 Tm 3:7);23
  24. 24. SEMINÁRIO BÍBLICO = Anjosi. quando há resistência e contendas (2 Tm 2:23-26).Os demônios operam contra Deus, promovendo as falsas religiões.1. Promovem a idolatriaNo curso de sua oposição a Deus, os demônios tentam tornar os homens adoradores de ídolos. Istoocorria na antiguidade (Lv 17:7; Dt 32:17; SI 106:36-38), e ainda ocorre (1 Co 10:20). No fim dostempos, esta operação maligna será mais intensa (Ap 9:20).2. Promovem as falsas doutrinasHá muitos artifícios usados por eles para promover a criação e a difusão de falsas doutrinas. a. Ensinam erros sobre a Pessoa do Salvador.João exortou os seus leitores a provar os espíritos, porque os demônios influenciam os falsos profetas (1Jo 4:1-4). A razão porque João manda provar os espíritos é que "por trás de cada profeta está um espíritoe por trás de cada espírito está Deus ou o diabo. Antes de podermos confiar em quaisquer espíritos,precisamos prová-los, se procedem de Deus. O que importa é a sua origem" (Stoff no seu comentáriosobre 1,2 e 3 João). O teste específico que João ensina a aplicar é o da encarnação de Jesus. Osverdadeiros profetas proclamam a vinda "em carne" do Salvador; os falsos, inspirados pelo "espírito doerro" (1 Jo 4:6) ou pelo "espírito do anticristo" (1 Jo 4:3) negam a vinda do Senhor "em carne". Se Cristonão encarnou então não poderia morrer para tornar-se o Salvador.Paulo também desfere seu ataque aos "ensinos de demônios" (1 Tm 4:1-5). Estabelecendo uma ligaçãoentre este texto e o anterior. onde o apóstolo apresenta um sumário da verdade sobre Cristo e Sua obra (1Tm 3:16), deduzimos que os falsos mestres não só negavam a encarnação, como também a ressurreiçãohistórica e a ascensão de Jesus Cristo.b. Ensinam erros sobre a obra de Jesus Cristo.Todo ensino que diminuí o valor e eficácia da obra de Jesus Cristo não vem de Deus. Isto também émostrado em 1 Tm 4, onde os falsos mestres acusados por Paulo ensinavam a necessidade de práticasascéticas e das boas obras para alcançar a graça de Deus (cf. vs. 2 e 3).Quando escreve aos crentes de Colossos, além de asseverar a absoluta suficiência que encontramos emnosso Senhor, lembra-lhes para não aceitarem nenhum aditivo espiritual. como a filosofia (CI 2:8-10), olegalismo (Cl 2:16,17), o misticismo (Cl 2:18,19) e o ascetismo (Cl 2:20-23), que os falsos mestressugeriam.Constatamos, portanto, que os demônios estão em ação. Afligem os homens impingindo-lhesenfermidades, pervertendo a moral e arrebatando sua alma com as falsas doutrinas. Se não estivermosapercebidos disso, se ignorarmos estas estratégias de ação do inimigo, teremos maior dificuldade emcombater sua obra. E podemos estar certos que temos autoridade outorgada por Crísto para atacar osdemônios e suas obras (cf. Mc 16:15-18). Os demônios "se nos submetem" pelo nome de Jesus, isto é,pela autoridade que aos verdadeiros cristãos foi outorgada (Lc 10:17-20).ASCETICISMO - práticas de exercícios de aperfeiçoamento moral pelo sacrifício, contemplação eprivação do conforto físico.FALAÇÃO - Murmuração; conversa fiada.A POSSESSÃO DEMONÍACAConsideramos a ação dos demônios em três campos: o das doenças físicas, o das doenças mentais e odoutrinário. Consideraremos mais duas atividades específicas deles: a opressão e a possessão.Satanás e os demônios não agem de uma única forma contra os homens, nem mesmo contra os crentes.Paulo ensina que ele arma ciladas, mais que uma (Ef 6:12). Comentando sobre isto, John Stofl diz:Quando o diabo se transforma em anjo de luz, geralmente somos apanhados sem nada suspeitar. Istoporque raramente ele ataca desta forma, preferindo sempre as trevas à luz. Por vezes ruge como leão,mas muito frequentemente é sutil como a serpente” (Stott, p.202). Opressão e possessão são doisestratagemas de ação do demônio”.Opressão demoníaca é a atuação de Satanás ou dos demônios sobre uma pessoa. Quando ocorre noímpio, é para afligi-lo e desesperá-lo. Quando ocorre no fiel, tem o objetivo de levá-lo a desobedecer aoSenhor. Jó era um “homem integro e reto, temente a Deus, e que se desviava do mal” (Jó 1:1), mas esteve24

×