SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 26
Baixar para ler offline
Salvador

Prof. Carolina Corrêa
Histórico
Em 22 de abril de 1500 chegava ao
Brasil 13 caravelas portuguesas lideradas
por Pedro Álvares Cabral. A primeira vista,
eles acreditavam tratar-se de um grande
monte, e chamaram-no de Monte Pascoal.
Oscar Pereira da Silva - Desembarque de Pedro Álvares Cabral em Porto Seguro em 1500.
Fonte:http://pt.wikipedia.org/wiki/Ficheiro:Oscar_Pereira_da_Silva__Desembarque_de_Pedro_%C3%81lvares_Cabral_em_Porto_Seguro_em_1500.jpg
Após sua partida para as Índias,
Cabral, na incerteza se a terra descoberta
tratava-se de um continente ou de uma
grande ilha, alterou o nome para Ilha de
Vera Cruz e posteriormente para Terra de
Santa Cruz.
Depois da descoberta do pau-brasil,
ocorrida no ano de 1511, a Terra de Santa
Cruz passou a ser chamada Brasil.
Foi somente a partir de 1530, com a
expedição organizada por Martin Afonso de
Souza, que a coroa portuguesa começou a
interessar-se pela colonização da nova
terra. Isso ocorreu, pois havia um grande
receio dos portugueses em perderem as
novas terras para invasores que haviam
ficado de fora do tratado de Tordesilhas,
como, por exemplo, franceses, holandeses
e ingleses.
Em 1536, chegou à
região
o
primeiro
donatário,
Francisco
Pereira Coutinho, que
recebeu
capitania
hereditária do rei Dom
João III. Fundou o Arraial
do
Pereira,
nas
imediações onde hoje
está a Ladeira da Barra.

Fonte:
salvadornasoladope.blogspot.com
Em 29 de março de 1549 chegam
Tomé de Sousa e comitiva, com ordens do
rei de Portugal de fundar uma cidadefortaleza chamada do São Salvador. Nasce
assim a cidade de Salvador: já cidade, já
capital. Todos os donatários das capitanias
hereditárias eram submetidos à autoridade
do primeiro governador-geral do Brasil,
Tomé de Sousa.
Relevo
O relevo de Salvador é acidentado e
cortado por vales profundos. Conta com
uma estreita faixa de planícies, que em
alguns locais se alargam.
Assim, o núcleo urbano primitivo da
primeira capital brasileira é construído no
cume de um monte, e a organização da
cidade se dá em dois níveis - Cidade Alta,
sede do poder civil e religioso, e Cidade
Baixa, onde se desenvolviam as atividades
marítimas e comerciais.
Fonte: blogcidadebaixaemalta.blogspot.com
Um elevador (o
primeiro
instalado
no
Brasil),
conhecido como o
Elevador Lacerda,
conectam-se
as
duas
"cidades"
desde 1873.
Fonte: www.bahia-turismo.com
Uma cidade planejada.
Mapa de Salvador ao tempo de sua fundação.
Fonte:
alta.html

http://salvadorhistoriacidadebaixa.blogspot.com.br/2011/01/o-que-se-chama-cidade-
Uma reconstituição feita por Theodoro Sampaio
Fonte:
https://repositorio.ufba.br/ri/bitstream/ufba/587/3/Geografia%20de%20Salvador%20.
pdf
Fonte: http://marcosnogueira-2.blogspot.com.br/2010/12/belezas-da-cidade-baixa-da-bahia.html
Em função deste "desenho" escarpado
e do clima, surgem fontes de água doce em
locais de afloramento do lençol freático
(vinte fontes públicas em 1829, segundo
REBELAM, apud PEIXOTO, 1980, p.150).
Fonte:
http://queirosfotografo1.blogspot.com.br/2011/06/sabado-25-de-dezembro-de-2010noturnas.html
Vegetação
Ao longo da orla estão presentes
coqueiros e plantas rasteiras, como o
capim-da-areia e a grama-da-praia.
Na cidade, encontram-se importantes
áreas de dunas - as Dunas da Bolandeira,
no bairro de Costa Azul, as Dunas de
Armação e o Parque Metropolitano Lagoas
e Dunas do Abaeté, todos reconhecidos
como áreas de valor cultural e ambiental
pelo Plano Diretor de Desenvolvimento
Urbano (PDDU) de Salvador (lei 8167 de
2012).
No nordeste soteropolitano são vários
quilômetros quadrados de dunas, desde
Itapuã à Praia do Flamengo.

Fonte:www.tyba.com.br
Um dos últimos remanescentes de Mata
Atlântica da cidade situa-se no bairro do
Cabula. Trata-se da Mata do Cascão, área
pertencente à União (Exército Brasileiro). A
área da antiga Fazenda Cascão tem 137
hectares.
Apesar da presença de espécies
exóticas, como jaqueira e mangueira, a mata
está em regeneração, o que pode ser notado
pela presença de espécies nativas como paupombo, matataúba, pau-paraíba, janaúba, ingá,
jenipapeiro, sucupira, pindaíba.
A densa vegetação protege as
nascentes do rio Cascão, que alimenta um
reservatório de 4.400 metros quadrados de
espelho d'água.
Clima
Salvador possui um clima de floresta
tropical sem estação seca discernível. As
temperaturas são relativamente constantes ao
longo do ano, com condições de clima quentes
e úmidas.
O mês mais seco é Janeiro, onde a
cidade recebe, em média, 110mm de chuva. Já
os meses mais chuvosos de Salvador acontece
entre Maio e Julho e 789mm de chuva cai
durante estes 3 meses.
Chega a extremos de
17 °C no inverno39 e a
32 °C no verão. A brisa
oriunda
do
Oceano
Atlântico deixa agradável
a temperatura da cidade
mesmo nos dias mais
quentes.
Referências
HISTÓRIA DO Brasil. Disponível em:
<http://www.historiadobrasil.net/descobrim
ento/>. Acesso em: 03/12/13.
UFBA.
Disponível
em:
<https://repositorio.ufba.br/ri/bitstream/ufba
/587/3/Geografia%20de%20Salvador%20.
pdf>. Acesso em: 03/12/13.
WIKIPEDIA.
Disponível
em:
<http://pt.wikipedia.org/wiki/Salvador_(Bahi
a)>. Acesso em: 03/12/13.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

História Cultural dos Povos Africanos
História Cultural dos Povos AfricanosHistória Cultural dos Povos Africanos
História Cultural dos Povos Africanos
Isaquel Silva
 
Origem e história do carnaval
Origem e história do carnavalOrigem e história do carnaval
Origem e história do carnaval
Espaço Emrc
 
Independência do Brasil e da Bahia
Independência do Brasil e da BahiaIndependência do Brasil e da Bahia
Independência do Brasil e da Bahia
Aulas de História
 
Aspectos culturais das regiões brasileiras
Aspectos culturais das regiões brasileirasAspectos culturais das regiões brasileiras
Aspectos culturais das regiões brasileiras
Alexia 14
 

Mais procurados (20)

História Cultural dos Povos Africanos
História Cultural dos Povos AfricanosHistória Cultural dos Povos Africanos
História Cultural dos Povos Africanos
 
Religiões de matriz africana
Religiões de matriz africanaReligiões de matriz africana
Religiões de matriz africana
 
Origem e história do carnaval
Origem e história do carnavalOrigem e história do carnaval
Origem e história do carnaval
 
Cultura Afro Brasileira
Cultura Afro BrasileiraCultura Afro Brasileira
Cultura Afro Brasileira
 
Aula patrimônio cultural
Aula patrimônio culturalAula patrimônio cultural
Aula patrimônio cultural
 
A diversidade cultural do Brasil
A diversidade cultural do BrasilA diversidade cultural do Brasil
A diversidade cultural do Brasil
 
O Renascimento - 7º Ano (2017)
O Renascimento - 7º Ano (2017)O Renascimento - 7º Ano (2017)
O Renascimento - 7º Ano (2017)
 
Plano de aula artes - 3ª avaliação
Plano de aula   artes - 3ª avaliaçãoPlano de aula   artes - 3ª avaliação
Plano de aula artes - 3ª avaliação
 
Quem sou eu - a formação do povo brasileiro
Quem sou eu - a formação do povo brasileiroQuem sou eu - a formação do povo brasileiro
Quem sou eu - a formação do povo brasileiro
 
A diversidade cultural no brasil (1) (1)
A diversidade cultural no brasil (1) (1)A diversidade cultural no brasil (1) (1)
A diversidade cultural no brasil (1) (1)
 
Independência do Brasil e da Bahia
Independência do Brasil e da BahiaIndependência do Brasil e da Bahia
Independência do Brasil e da Bahia
 
Arte africana
Arte africanaArte africana
Arte africana
 
Cultura africana 3° ano
Cultura africana 3° anoCultura africana 3° ano
Cultura africana 3° ano
 
Projeto de arte
Projeto de arteProjeto de arte
Projeto de arte
 
Arte pre historia
Arte pre historiaArte pre historia
Arte pre historia
 
Danças centro oeste1
Danças centro oeste1Danças centro oeste1
Danças centro oeste1
 
Cultura negra
Cultura negraCultura negra
Cultura negra
 
Migrações no brasil
Migrações no brasilMigrações no brasil
Migrações no brasil
 
Aspectos culturais das regiões brasileiras
Aspectos culturais das regiões brasileirasAspectos culturais das regiões brasileiras
Aspectos culturais das regiões brasileiras
 
Africa - Iorubas e Bantos
Africa - Iorubas e BantosAfrica - Iorubas e Bantos
Africa - Iorubas e Bantos
 

Destaque

Meu conforto ambiental i faufba 2012.2 - diretrizes bioclimaticas para lote...
Meu conforto ambiental i   faufba 2012.2 - diretrizes bioclimaticas para lote...Meu conforto ambiental i   faufba 2012.2 - diretrizes bioclimaticas para lote...
Meu conforto ambiental i faufba 2012.2 - diretrizes bioclimaticas para lote...
Rebeca Midiane
 
Diretrizes bioclimáticas para espaços arquitetônicos e urbanos
Diretrizes bioclimáticas para espaços arquitetônicos e urbanosDiretrizes bioclimáticas para espaços arquitetônicos e urbanos
Diretrizes bioclimáticas para espaços arquitetônicos e urbanos
JessicaHurbath
 
Cidade colonial salvador (apresentação)
Cidade colonial   salvador (apresentação)Cidade colonial   salvador (apresentação)
Cidade colonial salvador (apresentação)
Jéssica Saito
 
Salvador antiga – fotos raras
Salvador antiga – fotos rarasSalvador antiga – fotos raras
Salvador antiga – fotos raras
valtermn
 

Destaque (19)

Salvador da Bahia
Salvador da BahiaSalvador da Bahia
Salvador da Bahia
 
Salvador, Bahia
Salvador, BahiaSalvador, Bahia
Salvador, Bahia
 
Meu conforto ambiental i faufba 2012.2 - diretrizes bioclimaticas para lote...
Meu conforto ambiental i   faufba 2012.2 - diretrizes bioclimaticas para lote...Meu conforto ambiental i   faufba 2012.2 - diretrizes bioclimaticas para lote...
Meu conforto ambiental i faufba 2012.2 - diretrizes bioclimaticas para lote...
 
salvador
salvadorsalvador
salvador
 
Salvador Brasil
Salvador BrasilSalvador Brasil
Salvador Brasil
 
HISTÓRIA SUELY 1VB
HISTÓRIA SUELY 1VBHISTÓRIA SUELY 1VB
HISTÓRIA SUELY 1VB
 
PDF Um Olhar sobre a Ribeira: uma viagem no tempo
PDF Um Olhar sobre a Ribeira: uma viagem no tempoPDF Um Olhar sobre a Ribeira: uma viagem no tempo
PDF Um Olhar sobre a Ribeira: uma viagem no tempo
 
Forum de turismo 2010 Setur
Forum de turismo 2010 SeturForum de turismo 2010 Setur
Forum de turismo 2010 Setur
 
Diretrizes bioclimáticas para espaços arquitetônicos e urbanos
Diretrizes bioclimáticas para espaços arquitetônicos e urbanosDiretrizes bioclimáticas para espaços arquitetônicos e urbanos
Diretrizes bioclimáticas para espaços arquitetônicos e urbanos
 
Cidade colonial salvador (apresentação)
Cidade colonial   salvador (apresentação)Cidade colonial   salvador (apresentação)
Cidade colonial salvador (apresentação)
 
Salvador antiga – fotos raras
Salvador antiga – fotos rarasSalvador antiga – fotos raras
Salvador antiga – fotos raras
 
Bahia, o coração histórico do Brasil
Bahia, o coração histórico do BrasilBahia, o coração histórico do Brasil
Bahia, o coração histórico do Brasil
 
A influência da cultura inglesa no brasil
A influência da cultura inglesa no brasilA influência da cultura inglesa no brasil
A influência da cultura inglesa no brasil
 
Rio de janeiro
Rio de janeiroRio de janeiro
Rio de janeiro
 
Estratégias bioclimáticas
Estratégias bioclimáticasEstratégias bioclimáticas
Estratégias bioclimáticas
 
Projeto salvador
Projeto salvadorProjeto salvador
Projeto salvador
 
Slide nordeste
Slide nordesteSlide nordeste
Slide nordeste
 
Atividades os índios historia do brasil
Atividades os índios historia do brasilAtividades os índios historia do brasil
Atividades os índios historia do brasil
 
1º ANO -Tempo e Clima
1º ANO -Tempo e Clima1º ANO -Tempo e Clima
1º ANO -Tempo e Clima
 

Semelhante a Salvador

Santa catarina prof.samanta
Santa catarina  prof.samantaSanta catarina  prof.samanta
Santa catarina prof.samanta
jacoanderle
 
Alogoas tarefa de portugues 1
Alogoas tarefa de portugues 1Alogoas tarefa de portugues 1
Alogoas tarefa de portugues 1
hwkz2011
 
Trabalho do chapada diamantina david
Trabalho do chapada diamantina davidTrabalho do chapada diamantina david
Trabalho do chapada diamantina david
davidlezc
 
Concurso da prefeitura de aracaju mudança da capital
Concurso da prefeitura de aracaju   mudança da capitalConcurso da prefeitura de aracaju   mudança da capital
Concurso da prefeitura de aracaju mudança da capital
Jorge Marcos Oliveira
 

Semelhante a Salvador (20)

Santa catarina prof.samanta
Santa catarina  prof.samantaSanta catarina  prof.samanta
Santa catarina prof.samanta
 
Alogoas tarefa de portugues 1
Alogoas tarefa de portugues 1Alogoas tarefa de portugues 1
Alogoas tarefa de portugues 1
 
Le revista appers
Le revista appersLe revista appers
Le revista appers
 
Resumo - História de Santa Catarina
Resumo - História de Santa CatarinaResumo - História de Santa Catarina
Resumo - História de Santa Catarina
 
Pontos Turisticos De BeléM 3 Ano A
Pontos Turisticos De BeléM 3 Ano APontos Turisticos De BeléM 3 Ano A
Pontos Turisticos De BeléM 3 Ano A
 
Cidade velha
Cidade velhaCidade velha
Cidade velha
 
Jogo Educativo - 450 anos de Fundação da Cidade do Rio de Janeiro
Jogo Educativo - 450 anos de Fundação da Cidade do Rio de Janeiro Jogo Educativo - 450 anos de Fundação da Cidade do Rio de Janeiro
Jogo Educativo - 450 anos de Fundação da Cidade do Rio de Janeiro
 
Evolução Urbana do Bairro Imperial de São Cristóvão - RJ
Evolução Urbana do Bairro Imperial de São Cristóvão - RJEvolução Urbana do Bairro Imperial de São Cristóvão - RJ
Evolução Urbana do Bairro Imperial de São Cristóvão - RJ
 
Manaus
ManausManaus
Manaus
 
Ilha do Corvo
Ilha do CorvoIlha do Corvo
Ilha do Corvo
 
1VC GISELLE HISTORIA
1VC GISELLE HISTORIA1VC GISELLE HISTORIA
1VC GISELLE HISTORIA
 
1VC GISELE HISTORIA DA BAHIA
1VC GISELE HISTORIA DA BAHIA1VC GISELE HISTORIA DA BAHIA
1VC GISELE HISTORIA DA BAHIA
 
Ae vh madeira
Ae vh madeiraAe vh madeira
Ae vh madeira
 
A história sp periodo colonial
A história sp periodo colonialA história sp periodo colonial
A história sp periodo colonial
 
Dez09 galápagos
Dez09 galápagosDez09 galápagos
Dez09 galápagos
 
Galápagos
GalápagosGalápagos
Galápagos
 
BRASIL - PRÉ COLONIAL
BRASIL - PRÉ COLONIAL BRASIL - PRÉ COLONIAL
BRASIL - PRÉ COLONIAL
 
Trabalho do chapada diamantina david
Trabalho do chapada diamantina davidTrabalho do chapada diamantina david
Trabalho do chapada diamantina david
 
Concurso da prefeitura de aracaju mudança da capital
Concurso da prefeitura de aracaju   mudança da capitalConcurso da prefeitura de aracaju   mudança da capital
Concurso da prefeitura de aracaju mudança da capital
 
Apostila turismohistoriadoceara
Apostila turismohistoriadocearaApostila turismohistoriadoceara
Apostila turismohistoriadoceara
 

Mais de karolpoa

Aula preocessos superficiais, conservação e uso de geossintéticos
Aula preocessos superficiais, conservação e uso de geossintéticosAula preocessos superficiais, conservação e uso de geossintéticos
Aula preocessos superficiais, conservação e uso de geossintéticos
karolpoa
 
Rochas metamórficas
Rochas metamórficasRochas metamórficas
Rochas metamórficas
karolpoa
 
Os ventos e a circulação geral da atmosfera
Os ventos e a circulação geral da atmosferaOs ventos e a circulação geral da atmosfera
Os ventos e a circulação geral da atmosfera
karolpoa
 
Climatologia no brasil
Climatologia no brasilClimatologia no brasil
Climatologia no brasil
karolpoa
 
Sedimentos e rochas sedimentares 2014-2
Sedimentos e rochas sedimentares 2014-2Sedimentos e rochas sedimentares 2014-2
Sedimentos e rochas sedimentares 2014-2
karolpoa
 
Intemperismo e erosão
Intemperismo e erosãoIntemperismo e erosão
Intemperismo e erosão
karolpoa
 
4 ciclo hidrológico
4 ciclo hidrológico4 ciclo hidrológico
4 ciclo hidrológico
karolpoa
 
4 ciclo hidrológico
4 ciclo hidrológico4 ciclo hidrológico
4 ciclo hidrológico
karolpoa
 
5 fatores e elementos climáticos
5 fatores e elementos climáticos5 fatores e elementos climáticos
5 fatores e elementos climáticos
karolpoa
 
Agua nos solos
Agua nos solosAgua nos solos
Agua nos solos
karolpoa
 
Aula classificação dos solos
Aula classificação dos solosAula classificação dos solos
Aula classificação dos solos
karolpoa
 
Ciclodas rochas rochas magmaticas
Ciclodas rochas rochas magmaticasCiclodas rochas rochas magmaticas
Ciclodas rochas rochas magmaticas
karolpoa
 
3 atmosfera
3 atmosfera3 atmosfera
3 atmosfera
karolpoa
 
2 paleoclimatologia
2 paleoclimatologia2 paleoclimatologia
2 paleoclimatologia
karolpoa
 
1 noções de tempo e clima
1 noções de tempo e clima1 noções de tempo e clima
1 noções de tempo e clima
karolpoa
 
3.1 análise granulométrica
3.1 análise granulométrica3.1 análise granulométrica
3.1 análise granulométrica
karolpoa
 
Aula 3 propriedades morfológicas
Aula 3 propriedades morfológicasAula 3 propriedades morfológicas
Aula 3 propriedades morfológicas
karolpoa
 
Aula 2 origem dos solos
Aula 2 origem dos solosAula 2 origem dos solos
Aula 2 origem dos solos
karolpoa
 

Mais de karolpoa (20)

Aula preocessos superficiais, conservação e uso de geossintéticos
Aula preocessos superficiais, conservação e uso de geossintéticosAula preocessos superficiais, conservação e uso de geossintéticos
Aula preocessos superficiais, conservação e uso de geossintéticos
 
Rochas metamórficas
Rochas metamórficasRochas metamórficas
Rochas metamórficas
 
Minerais
MineraisMinerais
Minerais
 
Os ventos e a circulação geral da atmosfera
Os ventos e a circulação geral da atmosferaOs ventos e a circulação geral da atmosfera
Os ventos e a circulação geral da atmosfera
 
Climatologia no brasil
Climatologia no brasilClimatologia no brasil
Climatologia no brasil
 
Sedimentos e rochas sedimentares 2014-2
Sedimentos e rochas sedimentares 2014-2Sedimentos e rochas sedimentares 2014-2
Sedimentos e rochas sedimentares 2014-2
 
Intemperismo e erosão
Intemperismo e erosãoIntemperismo e erosão
Intemperismo e erosão
 
4 ciclo hidrológico
4 ciclo hidrológico4 ciclo hidrológico
4 ciclo hidrológico
 
4 ciclo hidrológico
4 ciclo hidrológico4 ciclo hidrológico
4 ciclo hidrológico
 
5 fatores e elementos climáticos
5 fatores e elementos climáticos5 fatores e elementos climáticos
5 fatores e elementos climáticos
 
Agua nos solos
Agua nos solosAgua nos solos
Agua nos solos
 
Aula classificação dos solos
Aula classificação dos solosAula classificação dos solos
Aula classificação dos solos
 
Ciclodas rochas rochas magmaticas
Ciclodas rochas rochas magmaticasCiclodas rochas rochas magmaticas
Ciclodas rochas rochas magmaticas
 
3 atmosfera
3 atmosfera3 atmosfera
3 atmosfera
 
2 paleoclimatologia
2 paleoclimatologia2 paleoclimatologia
2 paleoclimatologia
 
1 noções de tempo e clima
1 noções de tempo e clima1 noções de tempo e clima
1 noções de tempo e clima
 
Aula 2
Aula 2Aula 2
Aula 2
 
3.1 análise granulométrica
3.1 análise granulométrica3.1 análise granulométrica
3.1 análise granulométrica
 
Aula 3 propriedades morfológicas
Aula 3 propriedades morfológicasAula 3 propriedades morfológicas
Aula 3 propriedades morfológicas
 
Aula 2 origem dos solos
Aula 2 origem dos solosAula 2 origem dos solos
Aula 2 origem dos solos
 

Último

O Reizinho Autista.pdf - livro maravilhoso
O Reizinho Autista.pdf - livro maravilhosoO Reizinho Autista.pdf - livro maravilhoso
O Reizinho Autista.pdf - livro maravilhoso
VALMIRARIBEIRO1
 

Último (20)

Unidade 4 (Texto poético) (Teste sem correção) (2).docx
Unidade 4 (Texto poético) (Teste sem correção) (2).docxUnidade 4 (Texto poético) (Teste sem correção) (2).docx
Unidade 4 (Texto poético) (Teste sem correção) (2).docx
 
Livro infantil: A onda da raiva. pdf-crianças
Livro infantil: A onda da raiva. pdf-criançasLivro infantil: A onda da raiva. pdf-crianças
Livro infantil: A onda da raiva. pdf-crianças
 
Nós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º ano
Nós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º anoNós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º ano
Nós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º ano
 
04_GuiaDoCurso_Neurociência, Psicologia Positiva e Mindfulness.pdf
04_GuiaDoCurso_Neurociência, Psicologia Positiva e Mindfulness.pdf04_GuiaDoCurso_Neurociência, Psicologia Positiva e Mindfulness.pdf
04_GuiaDoCurso_Neurociência, Psicologia Positiva e Mindfulness.pdf
 
Slides Lição 8, Central Gospel, Os 144 Mil Que Não Se Curvarão Ao Anticristo....
Slides Lição 8, Central Gospel, Os 144 Mil Que Não Se Curvarão Ao Anticristo....Slides Lição 8, Central Gospel, Os 144 Mil Que Não Se Curvarão Ao Anticristo....
Slides Lição 8, Central Gospel, Os 144 Mil Que Não Se Curvarão Ao Anticristo....
 
EB1 Cumeada Co(n)Vida à Leitura - Livros à Solta_Serta.pptx
EB1 Cumeada Co(n)Vida à Leitura - Livros à Solta_Serta.pptxEB1 Cumeada Co(n)Vida à Leitura - Livros à Solta_Serta.pptx
EB1 Cumeada Co(n)Vida à Leitura - Livros à Solta_Serta.pptx
 
Semana Interna de Prevenção de Acidentes SIPAT/2024
Semana Interna de Prevenção de Acidentes SIPAT/2024Semana Interna de Prevenção de Acidentes SIPAT/2024
Semana Interna de Prevenção de Acidentes SIPAT/2024
 
bem estar animal em proteção integrada componente animal
bem estar animal em proteção integrada componente animalbem estar animal em proteção integrada componente animal
bem estar animal em proteção integrada componente animal
 
Exercícios de Clima no brasil e no mundo.pdf
Exercícios de Clima no brasil e no mundo.pdfExercícios de Clima no brasil e no mundo.pdf
Exercícios de Clima no brasil e no mundo.pdf
 
O que é, de facto, a Educação de Infância
O que é, de facto, a Educação de InfânciaO que é, de facto, a Educação de Infância
O que é, de facto, a Educação de Infância
 
"Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã"
"Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã""Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã"
"Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã"
 
CONCORDÂNCIA NOMINAL atividade ensino médio ead.pptx
CONCORDÂNCIA NOMINAL atividade ensino médio  ead.pptxCONCORDÂNCIA NOMINAL atividade ensino médio  ead.pptx
CONCORDÂNCIA NOMINAL atividade ensino médio ead.pptx
 
Slides Lição 8, Betel, Ordenança para confessar os pecados e perdoar as ofens...
Slides Lição 8, Betel, Ordenança para confessar os pecados e perdoar as ofens...Slides Lição 8, Betel, Ordenança para confessar os pecados e perdoar as ofens...
Slides Lição 8, Betel, Ordenança para confessar os pecados e perdoar as ofens...
 
livro para educação infantil conceitos sensorial
livro para educação infantil conceitos sensoriallivro para educação infantil conceitos sensorial
livro para educação infantil conceitos sensorial
 
Slides Lição 9, CPAD, Resistindo à Tentação no Caminho, 2Tr24.pptx
Slides Lição 9, CPAD, Resistindo à Tentação no Caminho, 2Tr24.pptxSlides Lição 9, CPAD, Resistindo à Tentação no Caminho, 2Tr24.pptx
Slides Lição 9, CPAD, Resistindo à Tentação no Caminho, 2Tr24.pptx
 
Descrever e planear atividades imersivas estruturadamente
Descrever e planear atividades imersivas estruturadamenteDescrever e planear atividades imersivas estruturadamente
Descrever e planear atividades imersivas estruturadamente
 
Enunciado_da_Avaliacao_1__Sociedade_Cultura_e_Contemporaneidade_(ED70200).pdf
Enunciado_da_Avaliacao_1__Sociedade_Cultura_e_Contemporaneidade_(ED70200).pdfEnunciado_da_Avaliacao_1__Sociedade_Cultura_e_Contemporaneidade_(ED70200).pdf
Enunciado_da_Avaliacao_1__Sociedade_Cultura_e_Contemporaneidade_(ED70200).pdf
 
Meu corpo - Ruth Rocha e Anna Flora livro
Meu corpo - Ruth Rocha e Anna Flora livroMeu corpo - Ruth Rocha e Anna Flora livro
Meu corpo - Ruth Rocha e Anna Flora livro
 
O Reizinho Autista.pdf - livro maravilhoso
O Reizinho Autista.pdf - livro maravilhosoO Reizinho Autista.pdf - livro maravilhoso
O Reizinho Autista.pdf - livro maravilhoso
 
Nós Propomos! Infraestruturas em Proença-a-Nova
Nós Propomos! Infraestruturas em Proença-a-NovaNós Propomos! Infraestruturas em Proença-a-Nova
Nós Propomos! Infraestruturas em Proença-a-Nova
 

Salvador

  • 2. Histórico Em 22 de abril de 1500 chegava ao Brasil 13 caravelas portuguesas lideradas por Pedro Álvares Cabral. A primeira vista, eles acreditavam tratar-se de um grande monte, e chamaram-no de Monte Pascoal.
  • 3. Oscar Pereira da Silva - Desembarque de Pedro Álvares Cabral em Porto Seguro em 1500. Fonte:http://pt.wikipedia.org/wiki/Ficheiro:Oscar_Pereira_da_Silva__Desembarque_de_Pedro_%C3%81lvares_Cabral_em_Porto_Seguro_em_1500.jpg
  • 4. Após sua partida para as Índias, Cabral, na incerteza se a terra descoberta tratava-se de um continente ou de uma grande ilha, alterou o nome para Ilha de Vera Cruz e posteriormente para Terra de Santa Cruz. Depois da descoberta do pau-brasil, ocorrida no ano de 1511, a Terra de Santa Cruz passou a ser chamada Brasil.
  • 5. Foi somente a partir de 1530, com a expedição organizada por Martin Afonso de Souza, que a coroa portuguesa começou a interessar-se pela colonização da nova terra. Isso ocorreu, pois havia um grande receio dos portugueses em perderem as novas terras para invasores que haviam ficado de fora do tratado de Tordesilhas, como, por exemplo, franceses, holandeses e ingleses.
  • 6. Em 1536, chegou à região o primeiro donatário, Francisco Pereira Coutinho, que recebeu capitania hereditária do rei Dom João III. Fundou o Arraial do Pereira, nas imediações onde hoje está a Ladeira da Barra. Fonte: salvadornasoladope.blogspot.com
  • 7. Em 29 de março de 1549 chegam Tomé de Sousa e comitiva, com ordens do rei de Portugal de fundar uma cidadefortaleza chamada do São Salvador. Nasce assim a cidade de Salvador: já cidade, já capital. Todos os donatários das capitanias hereditárias eram submetidos à autoridade do primeiro governador-geral do Brasil, Tomé de Sousa.
  • 8. Relevo O relevo de Salvador é acidentado e cortado por vales profundos. Conta com uma estreita faixa de planícies, que em alguns locais se alargam.
  • 9. Assim, o núcleo urbano primitivo da primeira capital brasileira é construído no cume de um monte, e a organização da cidade se dá em dois níveis - Cidade Alta, sede do poder civil e religioso, e Cidade Baixa, onde se desenvolviam as atividades marítimas e comerciais.
  • 11. Um elevador (o primeiro instalado no Brasil), conhecido como o Elevador Lacerda, conectam-se as duas "cidades" desde 1873. Fonte: www.bahia-turismo.com
  • 13. Mapa de Salvador ao tempo de sua fundação. Fonte: alta.html http://salvadorhistoriacidadebaixa.blogspot.com.br/2011/01/o-que-se-chama-cidade-
  • 14. Uma reconstituição feita por Theodoro Sampaio Fonte: https://repositorio.ufba.br/ri/bitstream/ufba/587/3/Geografia%20de%20Salvador%20. pdf
  • 16. Em função deste "desenho" escarpado e do clima, surgem fontes de água doce em locais de afloramento do lençol freático (vinte fontes públicas em 1829, segundo REBELAM, apud PEIXOTO, 1980, p.150).
  • 18. Vegetação Ao longo da orla estão presentes coqueiros e plantas rasteiras, como o capim-da-areia e a grama-da-praia.
  • 19. Na cidade, encontram-se importantes áreas de dunas - as Dunas da Bolandeira, no bairro de Costa Azul, as Dunas de Armação e o Parque Metropolitano Lagoas e Dunas do Abaeté, todos reconhecidos como áreas de valor cultural e ambiental pelo Plano Diretor de Desenvolvimento Urbano (PDDU) de Salvador (lei 8167 de 2012).
  • 20. No nordeste soteropolitano são vários quilômetros quadrados de dunas, desde Itapuã à Praia do Flamengo. Fonte:www.tyba.com.br
  • 21. Um dos últimos remanescentes de Mata Atlântica da cidade situa-se no bairro do Cabula. Trata-se da Mata do Cascão, área pertencente à União (Exército Brasileiro). A área da antiga Fazenda Cascão tem 137 hectares. Apesar da presença de espécies exóticas, como jaqueira e mangueira, a mata está em regeneração, o que pode ser notado pela presença de espécies nativas como paupombo, matataúba, pau-paraíba, janaúba, ingá, jenipapeiro, sucupira, pindaíba.
  • 22. A densa vegetação protege as nascentes do rio Cascão, que alimenta um reservatório de 4.400 metros quadrados de espelho d'água.
  • 23.
  • 24. Clima Salvador possui um clima de floresta tropical sem estação seca discernível. As temperaturas são relativamente constantes ao longo do ano, com condições de clima quentes e úmidas. O mês mais seco é Janeiro, onde a cidade recebe, em média, 110mm de chuva. Já os meses mais chuvosos de Salvador acontece entre Maio e Julho e 789mm de chuva cai durante estes 3 meses.
  • 25. Chega a extremos de 17 °C no inverno39 e a 32 °C no verão. A brisa oriunda do Oceano Atlântico deixa agradável a temperatura da cidade mesmo nos dias mais quentes.
  • 26. Referências HISTÓRIA DO Brasil. Disponível em: <http://www.historiadobrasil.net/descobrim ento/>. Acesso em: 03/12/13. UFBA. Disponível em: <https://repositorio.ufba.br/ri/bitstream/ufba /587/3/Geografia%20de%20Salvador%20. pdf>. Acesso em: 03/12/13. WIKIPEDIA. Disponível em: <http://pt.wikipedia.org/wiki/Salvador_(Bahi a)>. Acesso em: 03/12/13.