SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 23
Baixar para ler offline
GEOGRAFIA
PROFESSORA CAROLINA CORRÊA
Da cafeicultura ao Brasil
urbano-industrial
O café é originário da Abissínia (atual
Etiópia), depois foi para Pérsia ( atual Irã) e
chegou até os árabes que a partir do século
XV o difundiram.
No século XVII os franceses levaram o
café para suas colônias na América.
Os norte-amercianos substituíram o
chá pelo café a partir de 1776, quando
iniciou a guerra pela independência.
No Brasil, o café chegou em 1727, em
Belém do Pará, pelas mãos de um sargento
que voltava de missão da Guiana Francesa.
Na primeira metade do século XVIII o
café era cultivado no Maranhão, em 1770
na Bahia e em seguida no Rio de Janeiro.
A cafeicultura enveredou pelo vale do
Paraíba, aproximadamente, em 1790
ocupando as vertentes das serras e
devastando a Mata Atlântica.
O trabalho de desmatamento, limpeza
de terreno, queimada, plantio, trato,
colheita, secagem, beneficiamento, etc., era
realizado pela população escravizada.
A necessidade de mão-de-obra era
tanta que, segundo Celso Furtado, cerca de
mais de 750 mil escravos africanos foram
trazidos ao Brasil na primeira metade do
séc. XIX.
Do Vale do Paraíba
a
cafeicultura
se
espalhou para o restante
de
São
Paulo
e
encontrou no planalto
ocidental manchas de
terra roxa de grande
fertilidade.
No
princípio
a
madeira
do
desmatamento
era
toda
queimada,
posteriormente passou a ser usada na
construção das ferrovias, na construção civil
e na produção de móveis.
A expansão do café em direção a
depressão
periférica
paulista
e
principalmente em direção ao planalto
central só foi possível graças a expansão
ferroviária.
Depois da independência do Brasil
(1822) a Inglaterra passou a pressionar o
Brasil para por fim ao tráfico de escravos,
com isso o Brasil passou a incentivar a
entrada de imigrantes, na maioria italianos.
Entre 1887 e 1897, entraram no Brasil 1,3
milhões, dirigindo-se a maioria para a frente
do café.
É possível afirmar que o café constituiu
o principal fator responsável pelo impulso
do desenvolvimento capitalista no Brasil
e da produção do espaço geográfico no
sudeste neste período.
Por que podemos nos referir desta
maneira ao café?
Estimulou a imigração estrangeira;
Consolidou as relações assalariadas de
trabalho em substituição as relações
escravistas
fortalecendo
o
desenvolvimento do modo de produção
capitalista no Brasil;
Levou a implantação de um sistema
ferroviário permitindo articulação e
integração espacial (RJ, SP, MG, PR);
Possibilitou o desenvolvimento de bancos,
casas comerciais, etc.
Criou as bases financeiras para o
desenvolvimento industrial do Brasil;
Estimulou o crescimento urbano.
São Paulo tornou-se o centro
econômico e financeiro do país. Os grandes
barões do café e os pecuaristas mineiros
dominaram a política nacional até 1930.
Para os habitantes de São Paulo, as
vias férreas assumiram tanta importância
que se tornaram pontos de referência para
se situar ou se deslocar no espaço paulista.
Diferente dos gaúchos ou nordestinos que
usam aspectos da natureza como
referencial.
A
partir
de
1956,
com
o
desenvolvimento rodoviário as ferrovias
perderam o papel de estimuladores do
povoamento e da criação de cidades, bem
como de referenciais do espaço.
É importante salientar que as ferrovias
NÃO realizaram efetivamente a integração
nacional e inter-regional;
No
fim
do
séc.
XIX
houve
superprodução e o preço caiu. Com a crise
de 1929 e a continuada superprodução se
instalou a pior crise da cafeicultura
brasileira.
O Brasil adotou a partir de 1960 a
política de erradicação de cafeeiros antieconômicos,
estimulando
o
desenvolvimento da policultura.
A cafeicultura gerou o desenvolvimento
de infra-estrutura de transporte e de
capitais, além de ter incentivado o
povoamento e a formação de um mercado
interno.
Esse
desenvolvimento
foi
fundamental para que o espaço continuasse
a ser produzido e reconstruído.
A integração econômica territorial do
Brasil ou a organização de um espaço
nacional interligado só ocorreu de fato com
a industrialização, iniciada na década de
1930 e consolidada a partir da década de
1950.
A economia global dos últimos anos foi
marcada pelo desenvolvimento de um
mercado cada vez mais globalizado. A
década de 1970 foi fundamental, em virtude
da grave crise do capitalismo deflagrada
pelo aumento do preço do petróleo.A
aceleração tecnológica, marcada pela
descoberta de novas tecnologias e novos
materiais, mostrou ser uma eficiente
resposta à crise.
A partir dos anos de 1980, a palavra
de ordem da nova fase do capitalismo
passou a ser a competitividade. A formação
de mercados comuns rompia as barreiras
externas representadas pelas fronteiras
nacionais.
A partir dos anos 1990 as práticas
típicas do capitalismo monopolista (de
Estado) começaram a ser abandonadas,
seguindo as tendências da política
neoliberal: privatizações, eliminação dos
monopólios
estatais,
atração
de
investimentos externos, entre outros.
Isso fez com que o Brasil se tornasse a
sétima maior economia do mundo em 2010
segundo o FMI, e o Banco Mundial, e a
segunda maior do continente americano,
atrás apenas dos Estados Unidos.
O Brasil desenvolve projetos que vão
desde submarinos a aeronaves (a Embraer
é a terceira maior empresa que produz
aviões no mundo) e está envolvido na
pesquisa espacial: o país possui um centro
de lançamento de satélites e foi o único país
do Hemisfério Sul a integrar a equipe
responsável pela construção do Estação
Espacial Internacional (EEI). É também o
pioneiro em muitos outros campos
econômicos, incluindo a produção de etanol.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

A Economia do 2º Reinado
A Economia do 2º ReinadoA Economia do 2º Reinado
A Economia do 2º Reinadoquintoanond
 
Segundo reinado economia
Segundo reinado economiaSegundo reinado economia
Segundo reinado economiaLúcia Santana
 
Economia cafeeira
Economia cafeeiraEconomia cafeeira
Economia cafeeiraLuan Ismar
 
Historiadocafe 110806080133-phpapp02(2)
Historiadocafe 110806080133-phpapp02(2)Historiadocafe 110806080133-phpapp02(2)
Historiadocafe 110806080133-phpapp02(2)scazuzza
 
6 imperio escravista-no_brasil
6 imperio escravista-no_brasil6 imperio escravista-no_brasil
6 imperio escravista-no_brasilLucas Cechinel
 
2º reinado economia e sociedade
2º reinado economia e sociedade2º reinado economia e sociedade
2º reinado economia e sociedadeRosa Borges
 
O Rio de Janeiro que queria ser Paris
O Rio de Janeiro que queria ser ParisO Rio de Janeiro que queria ser Paris
O Rio de Janeiro que queria ser ParisLuiz Carlos Dias
 
Urbanização do Rio de janeiro
Urbanização do Rio de janeiro   Urbanização do Rio de janeiro
Urbanização do Rio de janeiro Paloma Santos
 
Reforma Urbana do Rio de Janeiro (início do século XX)
Reforma Urbana do Rio de Janeiro (início do século XX)Reforma Urbana do Rio de Janeiro (início do século XX)
Reforma Urbana do Rio de Janeiro (início do século XX)Léo Rossetti
 
A HistóRia Do Café No Brasil
A HistóRia Do Café No BrasilA HistóRia Do Café No Brasil
A HistóRia Do Café No BrasilMaisVitamina
 
Reurbanização do rio de janeiro
Reurbanização do rio de janeiroReurbanização do rio de janeiro
Reurbanização do rio de janeiroRenata Kaori
 
Ana Paula Ajksjihduihuihjdsaidj
Ana Paula AjksjihduihuihjdsaidjAna Paula Ajksjihduihuihjdsaidj
Ana Paula AjksjihduihuihjdsaidjMara Sandra
 
Gastronomia nos tempos do barão
Gastronomia nos tempos do barãoGastronomia nos tempos do barão
Gastronomia nos tempos do barãoquituteira quitutes
 
Grupo Jéssyka, José Luiz e Mateus
Grupo Jéssyka, José Luiz e MateusGrupo Jéssyka, José Luiz e Mateus
Grupo Jéssyka, José Luiz e MateusTheandra Naves
 

Mais procurados (20)

A Economia do 2º Reinado
A Economia do 2º ReinadoA Economia do 2º Reinado
A Economia do 2º Reinado
 
Segundo reinado economia
Segundo reinado economiaSegundo reinado economia
Segundo reinado economia
 
Ciclo do café
Ciclo do caféCiclo do café
Ciclo do café
 
Café
CaféCafé
Café
 
Economia cafeeira
Economia cafeeiraEconomia cafeeira
Economia cafeeira
 
Historiadocafe 110806080133-phpapp02(2)
Historiadocafe 110806080133-phpapp02(2)Historiadocafe 110806080133-phpapp02(2)
Historiadocafe 110806080133-phpapp02(2)
 
6 imperio escravista-no_brasil
6 imperio escravista-no_brasil6 imperio escravista-no_brasil
6 imperio escravista-no_brasil
 
2º reinado economia e sociedade
2º reinado economia e sociedade2º reinado economia e sociedade
2º reinado economia e sociedade
 
O Rio de Janeiro que queria ser Paris
O Rio de Janeiro que queria ser ParisO Rio de Janeiro que queria ser Paris
O Rio de Janeiro que queria ser Paris
 
Urbanização do Rio de janeiro
Urbanização do Rio de janeiro   Urbanização do Rio de janeiro
Urbanização do Rio de janeiro
 
Reforma Urbana do Rio de Janeiro (início do século XX)
Reforma Urbana do Rio de Janeiro (início do século XX)Reforma Urbana do Rio de Janeiro (início do século XX)
Reforma Urbana do Rio de Janeiro (início do século XX)
 
A HistóRia Do Café No Brasil
A HistóRia Do Café No BrasilA HistóRia Do Café No Brasil
A HistóRia Do Café No Brasil
 
A Vida Na Cidade
A Vida Na CidadeA Vida Na Cidade
A Vida Na Cidade
 
Reurbanização do rio de janeiro
Reurbanização do rio de janeiroReurbanização do rio de janeiro
Reurbanização do rio de janeiro
 
Ciclos econômicos
Ciclos econômicosCiclos econômicos
Ciclos econômicos
 
Ana Paula Ajksjihduihuihjdsaidj
Ana Paula AjksjihduihuihjdsaidjAna Paula Ajksjihduihuihjdsaidj
Ana Paula Ajksjihduihuihjdsaidj
 
Web quest café
Web quest caféWeb quest café
Web quest café
 
Gastronomia nos tempos do barão
Gastronomia nos tempos do barãoGastronomia nos tempos do barão
Gastronomia nos tempos do barão
 
Grupo Jéssyka, José Luiz e Mateus
Grupo Jéssyka, José Luiz e MateusGrupo Jéssyka, José Luiz e Mateus
Grupo Jéssyka, José Luiz e Mateus
 
Grupo 3
Grupo 3Grupo 3
Grupo 3
 

Destaque

Etapas do capitalismo a partir da decadência do feudalismo
Etapas do capitalismo a partir da decadência do feudalismoEtapas do capitalismo a partir da decadência do feudalismo
Etapas do capitalismo a partir da decadência do feudalismoAtividades Diversas Cláudia
 
www.AulasDeGeografiaApoio.com - Geografia - Concentração de Terras
 www.AulasDeGeografiaApoio.com  -  Geografia -  Concentração de Terras www.AulasDeGeografiaApoio.com  -  Geografia -  Concentração de Terras
www.AulasDeGeografiaApoio.com - Geografia - Concentração de TerrasAulas De Geografia Apoio
 
O espaço agrario mundial
O espaço agrario mundialO espaço agrario mundial
O espaço agrario mundialArtur Lara
 
Espaço agrário mundial
Espaço agrário mundialEspaço agrário mundial
Espaço agrário mundialRayanna Rolim
 
Espaço Agrário Brasileiro
Espaço Agrário BrasileiroEspaço Agrário Brasileiro
Espaço Agrário BrasileiroMauricio Martins
 
SLIDE DA BIPOLARIZAÇÃO À MULTIPOLARIZAÇÃO
SLIDE DA BIPOLARIZAÇÃO À MULTIPOLARIZAÇÃOSLIDE DA BIPOLARIZAÇÃO À MULTIPOLARIZAÇÃO
SLIDE DA BIPOLARIZAÇÃO À MULTIPOLARIZAÇÃOAlice Barros
 
Aulas de Cultura e Identidade Brasileira - Colonização do Brasil
Aulas de Cultura e Identidade Brasileira - Colonização do BrasilAulas de Cultura e Identidade Brasileira - Colonização do Brasil
Aulas de Cultura e Identidade Brasileira - Colonização do BrasilGiuliano Rodrigues de Souza
 
Idade Média: Feudalismo/Renascimento Comercial e Urbano
Idade Média: Feudalismo/Renascimento Comercial e UrbanoIdade Média: Feudalismo/Renascimento Comercial e Urbano
Idade Média: Feudalismo/Renascimento Comercial e Urbanoaluizioalves
 
3° ano Brasil colônia - aula 1 e 2 - apostila 1 c
3° ano   Brasil colônia - aula 1 e 2 - apostila 1 c3° ano   Brasil colônia - aula 1 e 2 - apostila 1 c
3° ano Brasil colônia - aula 1 e 2 - apostila 1 cDaniel Alves Bronstrup
 
O início da colonização brasileira
O início da colonização brasileiraO início da colonização brasileira
O início da colonização brasileiraEefg Tj
 
América portuguesa a colonização do brasil
América portuguesa a colonização do brasilAmérica portuguesa a colonização do brasil
América portuguesa a colonização do brasilDouglas Barraqui
 
O Feudalismo Prof Medeiros 2015
O Feudalismo Prof Medeiros 2015O Feudalismo Prof Medeiros 2015
O Feudalismo Prof Medeiros 2015João Medeiros
 

Destaque (20)

2º Mb Grupo 05
2º Mb   Grupo 052º Mb   Grupo 05
2º Mb Grupo 05
 
Etapas do capitalismo a partir da decadência do feudalismo
Etapas do capitalismo a partir da decadência do feudalismoEtapas do capitalismo a partir da decadência do feudalismo
Etapas do capitalismo a partir da decadência do feudalismo
 
www.AulasDeGeografiaApoio.com - Geografia - Concentração de Terras
 www.AulasDeGeografiaApoio.com  -  Geografia -  Concentração de Terras www.AulasDeGeografiaApoio.com  -  Geografia -  Concentração de Terras
www.AulasDeGeografiaApoio.com - Geografia - Concentração de Terras
 
O espaço agrario mundial
O espaço agrario mundialO espaço agrario mundial
O espaço agrario mundial
 
Espaço agrário mundial
Espaço agrário mundialEspaço agrário mundial
Espaço agrário mundial
 
Espaço Agrário Brasileiro
Espaço Agrário BrasileiroEspaço Agrário Brasileiro
Espaço Agrário Brasileiro
 
SLIDE DA BIPOLARIZAÇÃO À MULTIPOLARIZAÇÃO
SLIDE DA BIPOLARIZAÇÃO À MULTIPOLARIZAÇÃOSLIDE DA BIPOLARIZAÇÃO À MULTIPOLARIZAÇÃO
SLIDE DA BIPOLARIZAÇÃO À MULTIPOLARIZAÇÃO
 
Estrutura fundiária brasileira
Estrutura fundiária brasileiraEstrutura fundiária brasileira
Estrutura fundiária brasileira
 
Aulas de Cultura e Identidade Brasileira - Colonização do Brasil
Aulas de Cultura e Identidade Brasileira - Colonização do BrasilAulas de Cultura e Identidade Brasileira - Colonização do Brasil
Aulas de Cultura e Identidade Brasileira - Colonização do Brasil
 
Idade Média: Feudalismo/Renascimento Comercial e Urbano
Idade Média: Feudalismo/Renascimento Comercial e UrbanoIdade Média: Feudalismo/Renascimento Comercial e Urbano
Idade Média: Feudalismo/Renascimento Comercial e Urbano
 
3° ano Brasil colônia - aula 1 e 2 - apostila 1 c
3° ano   Brasil colônia - aula 1 e 2 - apostila 1 c3° ano   Brasil colônia - aula 1 e 2 - apostila 1 c
3° ano Brasil colônia - aula 1 e 2 - apostila 1 c
 
Aula 1- 7 Ano
Aula 1- 7 AnoAula 1- 7 Ano
Aula 1- 7 Ano
 
O início da colonização brasileira
O início da colonização brasileiraO início da colonização brasileira
O início da colonização brasileira
 
17 sociedade feudal
17   sociedade feudal17   sociedade feudal
17 sociedade feudal
 
Colonização do brasil
Colonização do brasilColonização do brasil
Colonização do brasil
 
Aula colonização do brasil
Aula colonização do brasilAula colonização do brasil
Aula colonização do brasil
 
América portuguesa a colonização do brasil
América portuguesa a colonização do brasilAmérica portuguesa a colonização do brasil
América portuguesa a colonização do brasil
 
Feudalismo
FeudalismoFeudalismo
Feudalismo
 
O Feudalismo Prof Medeiros 2015
O Feudalismo Prof Medeiros 2015O Feudalismo Prof Medeiros 2015
O Feudalismo Prof Medeiros 2015
 
Feudalismo
FeudalismoFeudalismo
Feudalismo
 

Semelhante a Da cafeicultura ao Brasil urbano industrial

Da cafeicultura ao brasil urbano industrial
Da cafeicultura ao brasil urbano industrialDa cafeicultura ao brasil urbano industrial
Da cafeicultura ao brasil urbano industrialSuely Takahashi
 
A imigração no brasil no século XIX
A imigração no brasil no século XIXA imigração no brasil no século XIX
A imigração no brasil no século XIXLarissa Silva
 
2615segundo_reinado_7_ano.pptx
2615segundo_reinado_7_ano.pptx2615segundo_reinado_7_ano.pptx
2615segundo_reinado_7_ano.pptxbenazech1
 
Brasil república velha - Brasil no século XX
Brasil república velha - Brasil no século XXBrasil república velha - Brasil no século XX
Brasil república velha - Brasil no século XXÍtalo Azevedo Araújo
 
Formação do território brasileiro
Formação do território brasileiroFormação do território brasileiro
Formação do território brasileiroRafael Marques
 
A inserção do brasil na economia mundo
A inserção do brasil na economia mundo A inserção do brasil na economia mundo
A inserção do brasil na economia mundo Ione Rocha
 
12596677 principais-ciclos-da-economia-brasileira
12596677 principais-ciclos-da-economia-brasileira12596677 principais-ciclos-da-economia-brasileira
12596677 principais-ciclos-da-economia-brasileiraRodrigo Nillo
 
[Material de aula] região sudeste
[Material de aula] região sudeste[Material de aula] região sudeste
[Material de aula] região sudesteflaviocosac
 
Economia e modernização no século XIX
Economia e modernização no século XIXEconomia e modernização no século XIX
Economia e modernização no século XIXedsonfgodoy
 
Economia 2 desenvolvimento histórico e econômico do brasil (i) café
Economia 2 desenvolvimento histórico e econômico do brasil (i) caféEconomia 2 desenvolvimento histórico e econômico do brasil (i) café
Economia 2 desenvolvimento histórico e econômico do brasil (i) caféJorge Miklos
 
Historia ..
Historia ..Historia ..
Historia ..Jonas
 
TCD GEOGRAFIA DO BRASIL
TCD GEOGRAFIA DO BRASILTCD GEOGRAFIA DO BRASIL
TCD GEOGRAFIA DO BRASILRodrigo Lopes
 
O imperio-do-café Mario Maestri
O imperio-do-café Mario MaestriO imperio-do-café Mario Maestri
O imperio-do-café Mario MaestriJessica Tzech
 

Semelhante a Da cafeicultura ao Brasil urbano industrial (20)

Da cafeicultura ao brasil urbano industrial
Da cafeicultura ao brasil urbano industrialDa cafeicultura ao brasil urbano industrial
Da cafeicultura ao brasil urbano industrial
 
A imigração no brasil no século XIX
A imigração no brasil no século XIXA imigração no brasil no século XIX
A imigração no brasil no século XIX
 
Imigração e café
Imigração e caféImigração e café
Imigração e café
 
2615segundo_reinado_7_ano.pptx
2615segundo_reinado_7_ano.pptx2615segundo_reinado_7_ano.pptx
2615segundo_reinado_7_ano.pptx
 
Capítulo 3 - Primeira República - dominação e resistência
Capítulo 3 - Primeira República - dominação e resistênciaCapítulo 3 - Primeira República - dominação e resistência
Capítulo 3 - Primeira República - dominação e resistência
 
Migrações
MigraçõesMigrações
Migrações
 
A economia cafeeira
A economia cafeeiraA economia cafeeira
A economia cafeeira
 
Brasil república velha - Brasil no século XX
Brasil república velha - Brasil no século XXBrasil república velha - Brasil no século XX
Brasil república velha - Brasil no século XX
 
Formação do território brasileiro
Formação do território brasileiroFormação do território brasileiro
Formação do território brasileiro
 
A inserção do brasil na economia mundo
A inserção do brasil na economia mundo A inserção do brasil na economia mundo
A inserção do brasil na economia mundo
 
12596677 principais-ciclos-da-economia-brasileira
12596677 principais-ciclos-da-economia-brasileira12596677 principais-ciclos-da-economia-brasileira
12596677 principais-ciclos-da-economia-brasileira
 
[Material de aula] região sudeste
[Material de aula] região sudeste[Material de aula] região sudeste
[Material de aula] região sudeste
 
Economia e modernização no século XIX
Economia e modernização no século XIXEconomia e modernização no século XIX
Economia e modernização no século XIX
 
Grupo 4
Grupo 4Grupo 4
Grupo 4
 
Wagner projeto de pesquisa
Wagner  projeto de pesquisaWagner  projeto de pesquisa
Wagner projeto de pesquisa
 
Economia 2 desenvolvimento histórico e econômico do brasil (i) café
Economia 2 desenvolvimento histórico e econômico do brasil (i) caféEconomia 2 desenvolvimento histórico e econômico do brasil (i) café
Economia 2 desenvolvimento histórico e econômico do brasil (i) café
 
Historia ..
Historia ..Historia ..
Historia ..
 
TCD GEOGRAFIA DO BRASIL
TCD GEOGRAFIA DO BRASILTCD GEOGRAFIA DO BRASIL
TCD GEOGRAFIA DO BRASIL
 
O imperio-do-café Mario Maestri
O imperio-do-café Mario MaestriO imperio-do-café Mario Maestri
O imperio-do-café Mario Maestri
 
Aula 01 - Conceitos.ppt
Aula 01 - Conceitos.pptAula 01 - Conceitos.ppt
Aula 01 - Conceitos.ppt
 

Mais de karolpoa

Aula preocessos superficiais, conservação e uso de geossintéticos
Aula preocessos superficiais, conservação e uso de geossintéticosAula preocessos superficiais, conservação e uso de geossintéticos
Aula preocessos superficiais, conservação e uso de geossintéticoskarolpoa
 
Rochas metamórficas
Rochas metamórficasRochas metamórficas
Rochas metamórficaskarolpoa
 
Os ventos e a circulação geral da atmosfera
Os ventos e a circulação geral da atmosferaOs ventos e a circulação geral da atmosfera
Os ventos e a circulação geral da atmosferakarolpoa
 
Climatologia no brasil
Climatologia no brasilClimatologia no brasil
Climatologia no brasilkarolpoa
 
Sedimentos e rochas sedimentares 2014-2
Sedimentos e rochas sedimentares 2014-2Sedimentos e rochas sedimentares 2014-2
Sedimentos e rochas sedimentares 2014-2karolpoa
 
Intemperismo e erosão
Intemperismo e erosãoIntemperismo e erosão
Intemperismo e erosãokarolpoa
 
4 ciclo hidrológico
4 ciclo hidrológico4 ciclo hidrológico
4 ciclo hidrológicokarolpoa
 
4 ciclo hidrológico
4 ciclo hidrológico4 ciclo hidrológico
4 ciclo hidrológicokarolpoa
 
5 fatores e elementos climáticos
5 fatores e elementos climáticos5 fatores e elementos climáticos
5 fatores e elementos climáticoskarolpoa
 
Agua nos solos
Agua nos solosAgua nos solos
Agua nos soloskarolpoa
 
Aula classificação dos solos
Aula classificação dos solosAula classificação dos solos
Aula classificação dos soloskarolpoa
 
Ciclodas rochas rochas magmaticas
Ciclodas rochas rochas magmaticasCiclodas rochas rochas magmaticas
Ciclodas rochas rochas magmaticaskarolpoa
 
3 atmosfera
3 atmosfera3 atmosfera
3 atmosferakarolpoa
 
2 paleoclimatologia
2 paleoclimatologia2 paleoclimatologia
2 paleoclimatologiakarolpoa
 
1 noções de tempo e clima
1 noções de tempo e clima1 noções de tempo e clima
1 noções de tempo e climakarolpoa
 
3.1 análise granulométrica
3.1 análise granulométrica3.1 análise granulométrica
3.1 análise granulométricakarolpoa
 
Aula 3 propriedades morfológicas
Aula 3 propriedades morfológicasAula 3 propriedades morfológicas
Aula 3 propriedades morfológicaskarolpoa
 
Aula 2 origem dos solos
Aula 2 origem dos solosAula 2 origem dos solos
Aula 2 origem dos soloskarolpoa
 

Mais de karolpoa (20)

Aula preocessos superficiais, conservação e uso de geossintéticos
Aula preocessos superficiais, conservação e uso de geossintéticosAula preocessos superficiais, conservação e uso de geossintéticos
Aula preocessos superficiais, conservação e uso de geossintéticos
 
Rochas metamórficas
Rochas metamórficasRochas metamórficas
Rochas metamórficas
 
Minerais
MineraisMinerais
Minerais
 
Os ventos e a circulação geral da atmosfera
Os ventos e a circulação geral da atmosferaOs ventos e a circulação geral da atmosfera
Os ventos e a circulação geral da atmosfera
 
Climatologia no brasil
Climatologia no brasilClimatologia no brasil
Climatologia no brasil
 
Sedimentos e rochas sedimentares 2014-2
Sedimentos e rochas sedimentares 2014-2Sedimentos e rochas sedimentares 2014-2
Sedimentos e rochas sedimentares 2014-2
 
Intemperismo e erosão
Intemperismo e erosãoIntemperismo e erosão
Intemperismo e erosão
 
4 ciclo hidrológico
4 ciclo hidrológico4 ciclo hidrológico
4 ciclo hidrológico
 
4 ciclo hidrológico
4 ciclo hidrológico4 ciclo hidrológico
4 ciclo hidrológico
 
5 fatores e elementos climáticos
5 fatores e elementos climáticos5 fatores e elementos climáticos
5 fatores e elementos climáticos
 
Agua nos solos
Agua nos solosAgua nos solos
Agua nos solos
 
Aula classificação dos solos
Aula classificação dos solosAula classificação dos solos
Aula classificação dos solos
 
Ciclodas rochas rochas magmaticas
Ciclodas rochas rochas magmaticasCiclodas rochas rochas magmaticas
Ciclodas rochas rochas magmaticas
 
3 atmosfera
3 atmosfera3 atmosfera
3 atmosfera
 
2 paleoclimatologia
2 paleoclimatologia2 paleoclimatologia
2 paleoclimatologia
 
1 noções de tempo e clima
1 noções de tempo e clima1 noções de tempo e clima
1 noções de tempo e clima
 
Aula 2
Aula 2Aula 2
Aula 2
 
3.1 análise granulométrica
3.1 análise granulométrica3.1 análise granulométrica
3.1 análise granulométrica
 
Aula 3 propriedades morfológicas
Aula 3 propriedades morfológicasAula 3 propriedades morfológicas
Aula 3 propriedades morfológicas
 
Aula 2 origem dos solos
Aula 2 origem dos solosAula 2 origem dos solos
Aula 2 origem dos solos
 

Da cafeicultura ao Brasil urbano industrial

  • 2. Da cafeicultura ao Brasil urbano-industrial
  • 3. O café é originário da Abissínia (atual Etiópia), depois foi para Pérsia ( atual Irã) e chegou até os árabes que a partir do século XV o difundiram.
  • 4. No século XVII os franceses levaram o café para suas colônias na América. Os norte-amercianos substituíram o chá pelo café a partir de 1776, quando iniciou a guerra pela independência. No Brasil, o café chegou em 1727, em Belém do Pará, pelas mãos de um sargento que voltava de missão da Guiana Francesa.
  • 5. Na primeira metade do século XVIII o café era cultivado no Maranhão, em 1770 na Bahia e em seguida no Rio de Janeiro. A cafeicultura enveredou pelo vale do Paraíba, aproximadamente, em 1790 ocupando as vertentes das serras e devastando a Mata Atlântica.
  • 6. O trabalho de desmatamento, limpeza de terreno, queimada, plantio, trato, colheita, secagem, beneficiamento, etc., era realizado pela população escravizada. A necessidade de mão-de-obra era tanta que, segundo Celso Furtado, cerca de mais de 750 mil escravos africanos foram trazidos ao Brasil na primeira metade do séc. XIX.
  • 7. Do Vale do Paraíba a cafeicultura se espalhou para o restante de São Paulo e encontrou no planalto ocidental manchas de terra roxa de grande fertilidade.
  • 8. No princípio a madeira do desmatamento era toda queimada, posteriormente passou a ser usada na construção das ferrovias, na construção civil e na produção de móveis. A expansão do café em direção a depressão periférica paulista e principalmente em direção ao planalto central só foi possível graças a expansão ferroviária.
  • 9. Depois da independência do Brasil (1822) a Inglaterra passou a pressionar o Brasil para por fim ao tráfico de escravos, com isso o Brasil passou a incentivar a entrada de imigrantes, na maioria italianos. Entre 1887 e 1897, entraram no Brasil 1,3 milhões, dirigindo-se a maioria para a frente do café.
  • 10. É possível afirmar que o café constituiu o principal fator responsável pelo impulso do desenvolvimento capitalista no Brasil e da produção do espaço geográfico no sudeste neste período.
  • 11. Por que podemos nos referir desta maneira ao café?
  • 12. Estimulou a imigração estrangeira; Consolidou as relações assalariadas de trabalho em substituição as relações escravistas fortalecendo o desenvolvimento do modo de produção capitalista no Brasil; Levou a implantação de um sistema ferroviário permitindo articulação e integração espacial (RJ, SP, MG, PR);
  • 13. Possibilitou o desenvolvimento de bancos, casas comerciais, etc. Criou as bases financeiras para o desenvolvimento industrial do Brasil; Estimulou o crescimento urbano. São Paulo tornou-se o centro econômico e financeiro do país. Os grandes barões do café e os pecuaristas mineiros dominaram a política nacional até 1930.
  • 14. Para os habitantes de São Paulo, as vias férreas assumiram tanta importância que se tornaram pontos de referência para se situar ou se deslocar no espaço paulista. Diferente dos gaúchos ou nordestinos que usam aspectos da natureza como referencial.
  • 15. A partir de 1956, com o desenvolvimento rodoviário as ferrovias perderam o papel de estimuladores do povoamento e da criação de cidades, bem como de referenciais do espaço.
  • 16. É importante salientar que as ferrovias NÃO realizaram efetivamente a integração nacional e inter-regional; No fim do séc. XIX houve superprodução e o preço caiu. Com a crise de 1929 e a continuada superprodução se instalou a pior crise da cafeicultura brasileira.
  • 17. O Brasil adotou a partir de 1960 a política de erradicação de cafeeiros antieconômicos, estimulando o desenvolvimento da policultura. A cafeicultura gerou o desenvolvimento de infra-estrutura de transporte e de capitais, além de ter incentivado o povoamento e a formação de um mercado interno. Esse desenvolvimento foi fundamental para que o espaço continuasse a ser produzido e reconstruído.
  • 18. A integração econômica territorial do Brasil ou a organização de um espaço nacional interligado só ocorreu de fato com a industrialização, iniciada na década de 1930 e consolidada a partir da década de 1950.
  • 19. A economia global dos últimos anos foi marcada pelo desenvolvimento de um mercado cada vez mais globalizado. A década de 1970 foi fundamental, em virtude da grave crise do capitalismo deflagrada pelo aumento do preço do petróleo.A aceleração tecnológica, marcada pela descoberta de novas tecnologias e novos materiais, mostrou ser uma eficiente resposta à crise.
  • 20. A partir dos anos de 1980, a palavra de ordem da nova fase do capitalismo passou a ser a competitividade. A formação de mercados comuns rompia as barreiras externas representadas pelas fronteiras nacionais.
  • 21. A partir dos anos 1990 as práticas típicas do capitalismo monopolista (de Estado) começaram a ser abandonadas, seguindo as tendências da política neoliberal: privatizações, eliminação dos monopólios estatais, atração de investimentos externos, entre outros.
  • 22. Isso fez com que o Brasil se tornasse a sétima maior economia do mundo em 2010 segundo o FMI, e o Banco Mundial, e a segunda maior do continente americano, atrás apenas dos Estados Unidos.
  • 23. O Brasil desenvolve projetos que vão desde submarinos a aeronaves (a Embraer é a terceira maior empresa que produz aviões no mundo) e está envolvido na pesquisa espacial: o país possui um centro de lançamento de satélites e foi o único país do Hemisfério Sul a integrar a equipe responsável pela construção do Estação Espacial Internacional (EEI). É também o pioneiro em muitos outros campos econômicos, incluindo a produção de etanol.