SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 40
Baixar para ler offline
Programa de Educação
         Continuada a Distância




     Manual de Acidentes por
     Serpentes Peçonhentas



Aluno:




           EAD - Educação a Distância
Parceria entre Portal Educação e Sites Associados
Manual de
                      Acidentes por Serpentes
                           Peçonhentas




         Atenção: O material deste módulo está disponível apenas como parâmetro de estudos para
         este Programa de Educação Continuada, é proibida qualquer forma de comercialização do
         mesmo. Os créditos do conteúdo aqui contido são dados aos seus respectivos autores
         descritos na bibliografia consultada.



                                                                       2
Este material deve ser utilizado apenas como parâmetro de estudo deste Programa. Os créditos deste conteúdo são dados a seus respectivos autores
SUMÁRIO


    1. Mas afinal o que são animais peçonhentos?

    2. Serpentes Peçonhentas (Acidentes ofídicos)

          2.1 – Gênero Bothrops

          2.2 - Gênero Lachesis

          2.3 - Gênero Crotalus

          2.4 - Gênero Micrurus

          2.5 – Dicas para identificação de Serpentes Peçonhentas

          2.6 - Estatísticas

          2.7 – Prevenção

          2.8 – Como proceder em caso de acidentes?

    3. Outras Serpente Importantes

    4. Telefones úteis




                                                                       3
Este material deve ser utilizado apenas como parâmetro de estudo deste Programa. Os créditos deste conteúdo são dados a seus respectivos autores
1. Mas afinal, o que são animais peçonhentos?

         Chamamos de peçonhentos, todos os animais que possuem veneno e a
capacidade de inoculá-lo, ou seja, injetá-lo no corpo de sua vítima, podendo inclusive
levar sua vitima à morte devido à ação de seu veneno. Dessa forma, existem animais que
são venenosos, mas não são peçonhentos, pois não conseguem injetar seu veneno nas
vítimas, como é o caso de algumas espécies de sapos.
         De uma forma geral, quando falamos em animais peçonhentos diretamente
pensamos em serpentes. Neste manual, falaremos sobre as principais espécies de
serpentes peçonhentas do Brasil, conhecendo aspectos referentes à morfologia,
distribuição geográfica e medidas preventivas para evitar acidentes desta natureza.




                                                 2. Serpentes Peçonhentas


         No mundo existem cerca de 3.000 espécies de serpentes, das quais 321 podem
ser encontradas no território brasileiro, sendo que entre estas, apenas 36 são
consideradas peçonhentas (Marques et al. 2001). O maior número de acidentes com
serpentes venenosas no Brasil envolve os gêneros Bothrops, Lachesis, Crotalus e
Micrurus


                                                   2.1      – Gênero Bothrops


         Bothrops é um gênero de serpentes peçonhentas ocorrentes nas Américas Central
e do Sul. Membros deste gênero são os maiores responsáveis pelos acidentes ofídicos
em todo o continente americano.



                                                                       4
Este material deve ser utilizado apenas como parâmetro de estudo deste Programa. Os créditos deste conteúdo são dados a seus respectivos autores
No Brasil não poderia ser diferente. A maior parte dos acidentes ofídicos ocorre
com espécies pertencentes ao gênero Bothrops, que reúne as espécies popularmente
conhecidas como “jararacas”, “cotiara”, “jararacuçu”, urutus e etc.
         Trata-se de um gênero de ampla ocorrência em território brasileiro, com espécies
apresentando hábitos variados, tendo inclusive a capacidade de subirem em árvores para
capturar suas presas. Entre as espécies pertencentes ao gênero Bothrops estão: B.
jararaca, B. jararacussu e B. alternatus.


                                       2.1.1 – Bothrops jararaca WIED, 1824
                                              “jararaca”, “jararaca-da-mata”


         Espécie ocorrente nas regiões Nordeste (BA), Sudeste (MG, ES, RJ e SP), Centro-
Oeste (MS) e Sul (PR, SC e RS) (Figura 1). Ativa durante a noite, apresentando em média
entre 100 e 200 gramas, com indivíduos adultos podendo chegar a um metro de
comprimento. Seu comportamento de defesa inclui dar botes e se enrolar escondendo a
cabeça entre seu corpo (Marques et al. 2001).
         Possui uma coloração variada, apresentando ao longo de seu corpo pequenas
manchas, de forma semelhante à letra “V” de forma invertida (Figura 1).




       Figura 1: Mapa de ocorrência (esquerda) e imagem de Bothrops jararaca. Fonte:
                                               Adaptado de FUNASA (2001).


                                                                       5
Este material deve ser utilizado apenas como parâmetro de estudo deste Programa. Os créditos deste conteúdo são dados a seus respectivos autores
Pode ocorrer tanto no ambiente rural como em centros urbanos. Habitualmente,
alimenta-se de pequenos roedores, sendo que geralmente terrenos baldios e junção de
entulhos em pátios podem contribuir para a ocorrência de roedores e conseqüentemente
destas serpentes.
         É a espécie de serpente que mais causa acidentes ofídicos, sendo que geralmente
ataca quando se sente muito acuada, já que na maior parte das vezes procura se afastar
quando uma pessoa se aproxima.
         Além do Brasil, esta espécie também é encontrada na região nordeste do Paraguai
e nordeste da Argentina, na província de Misiones.


                                2.1.2 – Bothrops jararacussu LACERDA, 1884
                                                             “jararacuçu”


         Espécie ocorrente nas regiões Centro-Oeste (MS), Sudeste (MG, ES, RJ e SP) e
Sul (PR e SC) (Figura 2). Ativa tanto durante o dia quanto durante a noite, pesando mais
que 250 gramas, com indivíduos adultos chegando algumas vezes a atingir dois metros
de comprimento. Seu comportamento de defesa inclui a vibração da cauda, além de dar
repetidos botes.
         Alimenta-se de pequeno vertebrados como ratos e sapos. Possui uma coloração
variada, desde tons páleos até tons mais escuros. Apresenta manchas em seu corpo, que
lembram, àquelas observadas em B. jararaca (Figura 2).
         A espécie apresenta dimorfismo sexual, já que as fêmeas apresentam maiores
tamanhos médios que os machos, além de diferentes padrões de coloração, sendo ela
amarelada e ele cinza (Wikipédia, 2008). Outro aspecto que chama a atenção é a
quantidade considerável de veneno que são capazes de injetar. Os adultos alimentam-se
de roedores pequenos, enquanto que os mais jovens têm nos pequenos lagartos e
anfíbios seu prato principal. A ninhada geralmente se dá no início da estação chuvosa (16
a 20 filhotes).
         Além do Brasil, esta espécie também é encontrada no Paraguai, sudeste da Bolívia
e nordeste da Argentina, na província de Misiones.




                                                                       6
Este material deve ser utilizado apenas como parâmetro de estudo deste Programa. Os créditos deste conteúdo são dados a seus respectivos autores
Figura 2: Mapa de ocorrência (esquerda) e imagem de Bothrops jararacussu. Fonte:
                                               Adaptado de FUNASA (2001).


                        2.1.3 – Bothrops alternatus DUMÉRIL & BIBRON, 1854
                                                             “urutu”, “cruzeira”


         Espécie ocorrente nas regiões Centro-Oeste (GO, MS), Sudeste (MG, SP) e Sul
(PR, SC, RS) (Figura 3). Assim como a grande maioria das espécies pertencentes ao
gênero Bothrops, B. alternatus apresenta hábitos diurno e noturno. Existem muitos relatos
de indivíduos observados que apresentavam mais de 2 m de comprimento, embora o
maior registro comprovadamente efetuado fora 169 cm (Wikipedia, 2008).
         O padrão de marcas característico torna esta espécie facilmente identificável. Os
indivíduos que ocorrem no Brasil apresentam uma coloração escura com uma espécie de
“V” invertido ao longo de todo o corpo, sendo estas marcas delimitadas por uma pequena
listra branca (Figura 3).
         Pouco se conhece acerca da biologia reprodutiva desta espécie na natureza.
Registros de indivíduos em cativeiro reportam o nascimento de 3 a 12 filhotes por
ninhada.


                                                                       7
Este material deve ser utilizado apenas como parâmetro de estudo deste Programa. Os créditos deste conteúdo são dados a seus respectivos autores
Figura 3: Mapa de ocorrência (esquerda) e imagem de Bothrops alternatus. Fonte:
                                               Adaptado de FUNASA (2001).


                   2.1.4 – Ação e Sintomas do veneno das jararacas nas vítimas


         O veneno das jararacas possui ação proteolítica (edema local), hemorrágica e
coagulante. Os principais sintomas observados nas vítimas são além da dor, inchaço no
local da picada (edema), formação de bolhas (processo conhecido como equimose) e
necrose celular. Em casos extremas, pode ocorrer o óbito causado por insuficiência renal.
Além disso, secundariamente podem ocorrer infecções ocasionadas pelas bactérias que
habitam a boca das jararacas.
         Nas figuras a seguir podemos observar os efeitos de acidentes envolvendo
espécies pertencentes ao gênero Bothrops (Figuras 4, 5, 6 e 7).
         Cabe ainda ressaltar que existe uma diferença entre a ação do veneno dos filhotes
e dos indivíduos adultos. No primeiro caso observa-se uma ação anti-coagulante
enquanto que para os adultos, a ação mais comum é a lesão tecidual (proteolítica).




                                                                       8
Este material deve ser utilizado apenas como parâmetro de estudo deste Programa. Os créditos deste conteúdo são dados a seus respectivos autores
Figura 4: Sangramento no local da picada, já apresentando edema (Fonte IBAMA).




Figura 5: Vítima de acidente botrópico já apresentando sinais de equimose (formação de
                                        bolhas) no braço direito (Fonte IBAMA).




                                                                       9
Este material deve ser utilizado apenas como parâmetro de estudo deste Programa. Os créditos deste conteúdo são dados a seus respectivos autores
Figura 6: Vítima de acidente botrópico mostrando leve edema na mão direita.




      Figura 7: Vítima de acidente botrópico apresentando necrose muscular extensa e
                                             exposição óssea (Fonte IBAMA).




   2.1.5 – Classificação dos acidentes botrópicos quanto à gravidade e soroterapia
                                                                  recomendada


         A seguir veremos os procedimentos recomendados de acordo com as
manifestações dos sintomas após a ocorrência do acidente botrópico (Tabela 1),
salientando ainda que é sempre necessário buscar auxílio médico o quanto antes
possível.


                                                                      10
Este material deve ser utilizado apenas como parâmetro de estudo deste Programa. Os créditos deste conteúdo são dados a seus respectivos autores
Tabela 1: Classificação dos acidentes botrópicos quanto à gravidade e soroterapia
recomendada




                                                  2.2        – Gênero Lachesis


         Lachesis é um gênero de serpentes peçonhentas ocorrentes na América Central e
América do Sul. Este gênero é formado por três espécies, das quais apenas Lachesis
muta é encontrada no território brasileiro. Esta espécie está representada no Brasil por
duas subespécies:


                               Lachesis muta muta – Amazônia e América Central
                               Lachesis muta rhombeata – Mata Atlântica (RN até RJ)


         Sua ocorrência abrange áreas florestais da Amazônia, Mata Atlântica e enclaves de
Matas Úmidas no Nordeste do Brasil. Ocorre em áreas adjacentes a campos e clareiras,
onde a freqüência de roedores é maior.
         São popularmente conhecidas como surucucu pico-de-jaca, surucucu, malha-de-
fogo e ainda surucutinga. Em especial, a maior parte dos acidentes envolvendo serpentes
do tem sido observada na região norte do Brasil.


                                                                      11
Este material deve ser utilizado apenas como parâmetro de estudo deste Programa. Os créditos deste conteúdo são dados a seus respectivos autores
2.2.1 – Lachesis muta LINNAEUS, 1766
                          “surucucu”, “surucucu pico-de-jaca”, “surucutinga”


         Espécie ocorrente nas regiões Norte (AC, AM, AM, PA, RR, RO, TO), Centro-Oeste
(MT), Nordeste (CE, PE, AL, SE, BA) e Sudeste (MG, RJ). Trata-se da maior serpente
peçonhenta do continente Americano, podendo atingir até 3,5 m de comprimento.
         Esta espécie é ativa preferencialmente durante a noite. Trata-se de uma serpente
que habita áreas florestais, o que torna rara a possibilidade de que seja avistada
(Marques et al. 2001). Além disso, sua região natural de ocorrência possui baixa
densidade de habitantes por km2 (Amazônia).
         Seu padrão de coloração, alternando manchas amarelas e pretas permite sua fácil
distinção (Figura 8).




 Figura 8: Mapa de ocorrência (esquerda) e imagem de Lachesis muta. Fonte: Adaptado
                                                       de FUNASA (2001).


         Sua alimentação, assim como para a maior parte das serpentes, inclui pequenos
roedores e marsupiais. Durante o ataque, costuma dar o bote repetidas vezes e em casos
extremos, para defesa, seu bote pode incluir também cabeçadas (Marques et al. 2001).


                                                                      12
Este material deve ser utilizado apenas como parâmetro de estudo deste Programa. Os créditos deste conteúdo são dados a seus respectivos autores
Possui dentição solenóglifa, com dentes anteriores ocos. Quando se sente acuada
costuma vibrar a cauda repetidas vezes e esta geralmente corresponde a menos de 15%
do comprimento de seu corpo.


                    2.2.2 – Ação e Sintomas do veneno de surucucu nas vítimas


         Alguns autores sugerem que esta espécie produz uma grande quantidade de
veneno, considerado fraco quando comparado com o veneno de outras espécies. Ainda
assim, para outros autores, não existe acurácia para que maiores conclusões acerca da
intensidade do veneno possam ser obtidas.
         Quando picado por uma surucucu, a vítima apresenta diminuição na pressão
arterial, diminuição da freqüência cardíaca, alteração da visão, inchaço e dor no local da
picada, sangramentos na urina, gengiva e pele, diarréia, vômito e em casos mais
extremos insuficiência renal.
         A espécie possui veneno de ação neurotóxica, com elevado potencial de letalidade.
O soro que deve ser utilizado em caso de picada é o SAL/SABL – soro antilaquésico ou o
antibotrópico-laquésico.
         A seguir veremos algumas figuras ilustrando os efeitos de acidentes envolvendo
surucucus (Figuras 9 e 10).




                   Figura 9: Vítima já apresentando necrose tecidual (Fonte IBAMA).


                                                                      13
Este material deve ser utilizado apenas como parâmetro de estudo deste Programa. Os créditos deste conteúdo são dados a seus respectivos autores
Figura 10: Índio amazônico mostrando amputação de dedos dos pés e necrose tecidual
           na perna direita após acidente ofídico envolvendo surucucu (Fonte IBAMA).


                                                    2.3      – Gênero Crotalus


         Crotalus é um gênero de serpentes peçonhentas pertencentes â família Viperidae.
O gênero reúne espécies terrestres, com bote veloz que em média atinge
aproximadamente um terço do corpo do animal.
         Estima-se que este gênero seja composto por mais de 30 espécies. Um aspecto
interessante sobre as cascavéis é que estas não se desprendem totalmente de sua pele
antiga: a cada troca de pele, um pequeno pedaço permanece enrolado na ponta da
cauda, como se fosse um anel. À medida que os anos vão passando, estes pequeno
pedaços ressecados de pele formam o que conhecemos por guizos, que emitem um
barulho bem característico, quando o animal está vibrando a cauda.
         Erroneamente estima-se a idade da cobra pelo número de anéis em seu chocalho.
Na verdade este número representa quantas vezes aquele indivíduo trocou de pele. O




                                                                      14
Este material deve ser utilizado apenas como parâmetro de estudo deste Programa. Os créditos deste conteúdo são dados a seus respectivos autores
som emitido pelo guizo tem como principal função advertir a presença da cascavel e
dessa forma afugentar possíveis predadores.
         A espécie que apresenta maior distribuição geográfica é Crotalus durisseus, única
representante do gênero no Brasil.


                                  2.3.1 – Crotalus durissus LINNAEUS, 1758
  “cascavel”, “cascavel-de-quatro-ventas”, “boicininga”, “maracabóia”, “boiquira”


         Crotalus durissus é encontrada desde o México até a Argentina. Os machos
atingem em média aproximadamente 1,5 m de comprimento, apresentando as fêmeas
geralmente um porte menor.
         Sua coloração é marcada por losangos escuros, dispostos verticalmente,
margeados por uma tonalidade mais clara. O dorso da cauda é de cor escura
apresentando pequenas barras de mesmo tom, dispostas na vertical. O ventre é mais
claro (Figura 11).
         Com excessão da Floresta Amazônica (embora em áreas abertas sua presença já
tenha sido verificada) ocorre em praticamente em todo o território brasileiro, excetuando
ainda a Zona da Mata e regiões litorâneas. Segundo Marques et al. (2001), a presença da
cascavel em áreas de Mata Atlântica deve-se principalmente ao desmatamento, uma vez
que trata-se de uma espécies de locais secos e de clima quente.
         Habitualmente, indivíduos de Crotalus durissus não têm o ataque como hábito,
sendo que o fato de balançar a cauda é justamente uma estratégia para evitar o
confronto, que seja com um possível predador, quer seja com o ser humano. Os
indivíduos adultos se alimentam de pequenos mamíferos e aves, enquanto que os jovens
preferencialmente se alimentam de lagartos.
         Esta serpente é responsável por aproximadamente 10% dos acidentes ofídicos
devidamente registrados para o Brasil (FUNASA, 2001).
         Esta espécie está representada no Brasil por cinco subespécies. A seguir são
listadas as subespécies e suas respectivas regiões de ocorrência no Brasil.




                                                                      15
Este material deve ser utilizado apenas como parâmetro de estudo deste Programa. Os créditos deste conteúdo são dados a seus respectivos autores
• Crotalus durissus terrificus – se distribui pelo Sul do Brasil, chegando em casos
          extremos até o MT, AM, RO e PA.
    • Crotalus durissus cascavella – serpente encontrada em áreas de caatinga,
          podendo atingir comprimento superior a 1,6 m.
    • Crotalus durissus collilineatus – ocorrente nos estados de SP, MS, MT, MG, DF e
          GO.
    • Crotalus durissus ruruima – encontrada no estado de RR, ocorrente em áreas de
          savana. Sobre esta variedade, chama a atenção o fato de que os soros
          anticrotálicos comerciais não são capazes de neutralizar a ação de seu veneno.
    • Crotalus durissus marajoensis – trata-se da sub-espécie menos conhecida,
          ocorrendo somente na Ilha de Marajó/PA, em áreas abertas.




Figura 11: Crotalus durissus, chamando a atenção para o padrão de coloração (A) e para
     a cauda, mostrando o guizo ou chocalho (B). Fonte: Adaptado de FUNASA (2001).


                                                                      16
Este material deve ser utilizado apenas como parâmetro de estudo deste Programa. Os créditos deste conteúdo são dados a seus respectivos autores
2.3.2 – Ação e Sintomas do veneno das cascavéis nas vítimas


         O veneno da Cascavel tem ação proteolítica, causando um edema no local da
picada. Além disso, a vítima pode apresentar visão dupla e aspecto de sonolência (Ptose
palpebral e face miastênica), língua prostrada (para fora da boca), a urina pode
apresentar coloração escura e apresentar diminuição e até paralisação total de sua
produção, o que pode ser indicativo de insuficiência renal de caráter agudo.
         Além disso, o veneno da cascavel possui cerca de 60% de uma proteína chamada
de crotoxina. Esta proteína quando entra no corpo da vítima inibe gradualmente a
movimentação muscular, e caso não haja tratamento adequado em tempo hábil (máximo
6 horas após a picada) a vítima pode parar de respirar.
         Nas figuras a seguir podemos observar os efeitos de acidentes envolvendo
Crotalus durissus (Figuras 12 e 13).




Figura 12: Indivíduo apresentando ptose palpebral (A) e face miastênica (B) após acidente
                             ofídico envolvendo Crotalus durissus. Fonte: IBAMA.




                                                                      17
Este material deve ser utilizado apenas como parâmetro de estudo deste Programa. Os créditos deste conteúdo são dados a seus respectivos autores
Figura 13: Vítima de acidente crotálico apresentando leve edema na mão direita (Fonte:
                                                                 IBAMA).


                                                    2.4     – Gênero Micrurus


         No continente americano a família Elapidae está formada por 61 espécies, das
quais 57 pertencem ao gênero Micrurus (Serafim et al., 2007). Este gênero distribui-se
desde o sul dos Estados Unidos até a Argentina (Melgarejo, 2003). No Brasil até o
presente momento foram registradas 22 espécies pertencentes à família Elapidae.
         O gênero Micrurus compreende 18 espécies, apresentando porte de pequeno a
médio, com indivíduos me geral não ultrapassando 1 metro de comprimento.
Caracteristicamente apresentam ao longo do corpo anéis vermelhos, pretos e brancos em
combinações variadas. Na Amazônia e limites, já foram encontradas corais de cor
marrom-escura, apresentado em seu ventre manchas avermelhadas.
         No gênero Micrurus observa-se dois grupos distintos, separados pelo padrão de
distribuição dos anéis bem como por características morfológicas (Serafim et al., 2007).
         Entre as espécies ocorrentes no território brasileiro, a maior parte dos acidentes
envolvendo o gênero Micrurus é verificada para Micrurus corallinus e Micrurus frontalis.




                                                                      18
Este material deve ser utilizado apenas como parâmetro de estudo deste Programa. Os créditos deste conteúdo são dados a seus respectivos autores
2.4.1. Micrurus corallinus MERREM, 1820
                      “cobra-coral”, “coral-verdadeira”, “ibiboboca”, “boicorá”


         Micrurus corallinus é uma espécie ocorrente nas regiões Centro-Oeste (MS),
Sudeste (MG, ES, RJ, SP) e Sul (PR, SC, RS) do Brasil. Trata-se de uma espécie com
hábitos diurnos, com comprimento variando entre 50 centímetros e 1 metro. Trata-se de
uma serpente comum, com grandes chances de visualização.
         Sua coloração é marcada por anéis pretos margeados por anéis brancos de menor
espessura, e também por vermelho marcante entre os anéis (Figura 14).
         Trata-se de uma serpente pouco agressiva que somente ataca quando se sentir
acuada. Apresenta como estratégia de defesa, o hábito de enrolar-se para esconder a
cabeça, pode mudar repentinamente de postura e dificilmente se arma para dar o bote
(Marques et al. 2001). Possui cauda curta, que corresponde em média a 15% de seu
comprimento total.
         Caracteristicamente vive no solo, escondendo-se sob a serapilheira, habitando
buracos e ocos em troncos caídos e árvores, preferencialmente em ambientes florestais e
próximas a cursos d’água.




   Figura 14: Mapa de ocorrência e imagem de Micrurus corallinus. Fonte: Adaptado de
                                                          FUNASA (2001).


                                                                      19
Este material deve ser utilizado apenas como parâmetro de estudo deste Programa. Os créditos deste conteúdo são dados a seus respectivos autores
Um aspecto que chama a atenção sobre as cobras-corais é que estas possuem
dentição proteróglifa, ou seja, está situada na porção anterior da boca (Figura 15). Isso
significa que ao invés de picar esta espécie morde suas presas, sendo o mesmo
verdadeiro para Micrurus frontalis.




  Figura 15: Detalhe de cabeça mostrando serpente com dentição proteróglifa, indicando
                     com a seta dentição por onde o veneno é injetado nas vítimas.


                           2.4.2 – Micrurus frontalis BIBRON & DUMÉRIL, 1854
                                           “cobra-coral”, “coral”, “boicorá”


         Micrurus frontalis é uma espécie que no Brasil é encontrada nas regiões Norte (sul
de TO), Centro-Oeste (MT, MS, GO, DF), Nordeste (Oeste da BA), Sudeste (MG, SP, RJ),
e Sul (PR, SC, RS). Trata-se de uma espécie com hábitos diurnos, sendo encontrada
principalmente em áreas abertas, como campo e cerrados.
         Sua coloração é marcada por anéis brancos, ladeados por anéis pretos de mesma
espessura, sendo que entre estes se observa também um vermelho marcante,
característico das serpentes popularmente conhecidas como corais (Figura 16).
         Trata-se de uma serpente pouco agressiva, sendo que a maior parte dos acidentes
envolvendo esta espécie ocorrem quando se tenta manuseá-la, em geral por pessoas
sem experiência. Da mesma forma que Micrurus corallinus sua dentição é proteróglifa
(Figura 15), o que faz com que tenha que morder suas vítimas ao invés de picá-las.


                                                                      20
Este material deve ser utilizado apenas como parâmetro de estudo deste Programa. Os créditos deste conteúdo são dados a seus respectivos autores
Figura 16: Mapa de ocorrência e imagem de Micrurus frontalis. Fonte: Adaptado de
                                                          FUNASA (2001).


         O comportamento desta espécie chama a atenção pelo fato de que quando
molestada, instintivamente enrola-se e esconde a sua cabeça, levantando e enrolando a
cauda para distrair quem a ameaça, passando a impressão que sua cabeça que realiza
tal movimento.
         Espécie de hábito subterrâneo, sendo encontrada também entre o folhiço,
habitando troncos em estado de decomposição, sendo observada também entre pedras e
raízes.
         Em todo o território brasileiro ocorrem serpentes não-peçonhentas que apresentam
padrão de coloração similar ao das corais verdadeiras, porem estas espécies não
apresentam dentes inoculadores. Também é possível, em alguns casos, diferenciá-las
pela configuração dos anéis, que nas falsas-corais não envolvem a circunferência
corporal de forma completa.




                                                                      21
Este material deve ser utilizado apenas como parâmetro de estudo deste Programa. Os créditos deste conteúdo são dados a seus respectivos autores
2.4.3 - Ação e Sintomas do veneno das corais nas vítimas


         Caracteristicamente observa-se que no local onde ocorreu a picada não se observa
nenhuma alteração acentuada. As vítimas em geral apresentam visão-dupla ou borrada,
aspecto sonolento (face miastênica) e pálpebras caídas. Em casos extremos pode se
observar nas vítimas insuficiência respiratória e salivação.
         O soro antiofídico utilizado em caso de acidentes envolvendo corais verdadeiras é
o soro antielapídico.
         Nas figuras a seguir podemos observar os efeitos de acidentes envolvendo vítimas
de acidentes com cobras corais (Figuras 17 e 18).




     Figura 17: Indivíduos picados por cobra-coral apresentando face miastênica. Fonte
                                                                 IBAMA.




  Figura 18: Indivíduo apresentando pequeno edema no local de ocorrência de acidente
                            ofídico envolvendo Micrurus corallinus. Fonte: IBAMA.


                                                                      22
Este material deve ser utilizado apenas como parâmetro de estudo deste Programa. Os créditos deste conteúdo são dados a seus respectivos autores
Existem ainda outras espécies de serpentes peçonhentas pertencentes ao gênero
Micrurus com as quais se observam acidentes ofídicos (Figura 19).




 Figura 19: Outras espécies de cobra coral com as quais se verificam acidentes ofídicos:
 A) Micrurus leminiscatus; B) Micrurus spixii e C) Micrurus ibiboboca. Fonte: Adaptado de
                                                          FUNASA (2001).


                    2.5      – Dicas para a identificação de Serpentes Peçonhentas


         As Serpentes Peçonhentas apresentam algumas características que permitem que
sejam até de certa forma, facilmente distinguidas das espécies não-peçonhentas.
Veremos a seguir quais características são estas:


a) Fosseta Loreal
         A fosseta loreal é um órgão é um órgão termorreceptor, se caracterizando como
um pequeno orifício entre a narina e os olhos das serpentes peçonhentas (Figura 20). A
presença desta estrutura indica seguramente que trata-se de uma serpente peçonhenta,
sendo observada nos gêneros Bothrops, Lachesis e Crotalus.


                                                                      23
Este material deve ser utilizado apenas como parâmetro de estudo deste Programa. Os créditos deste conteúdo são dados a seus respectivos autores
Figura 20: Seta indicando a fosseta loreal em uma serpente pertencente ao gênero
                                                                Bothrops.


b) Cauda


         De uma forma geral, observa-se que nas serpentes peçonhentas o afilamento da
cauda ocorre de maneira abrupta ao contrário das serpentes não-peçonhentas, cuja
cauda possui um padrão gradual de afilamento.
         Através da cauda, é possível ainda fazer a distinção entre os três principais
gêneros de serpentes peçonhentas, como veremos na figura a seguir (Figura 21).




  Figura 21: Distinção entre o formato da cauda nos três principais gêneros de serpentes
peçonhentas do Brasil: Bothrops (jararacas), Crotalus (cascavéis) e Lachesis (surucucus).


                                                                      24
Este material deve ser utilizado apenas como parâmetro de estudo deste Programa. Os créditos deste conteúdo são dados a seus respectivos autores
c) Outras dicas importantes


         Serpentes peçonhentas possuem a cabeça de forma triangular, bem destacada do
corpo, o que não acontece com as serpentes inofensivas.
         Serpentes não peçonhentas possuem pupilas grandes e arredondadas. Já as
serpentes venenosas possuem olhos pequenos e pupilas em forma de fenda.
         A cobra-coral (Micrurus spp.), apesar de ser uma serpente peçonhenta, possui
todas as características de uma serpente não-peçonhenta, como ausência de fosseta
loreal e pupila em forma de fenda. Entretanto, seu típico padrão de coloração permite sua
fácil identificação, como podemos observar na figura a seguir (Figura 22).




       Figura 22: Cobra-coral, apresentando típico padrão de listras ao longo do corpo.


                                                        2.6      – Estatísticas


         Estima-se que anualmente sejam notificados aproximadamente 100.000 casos de
acidentes ofídicos no Brasil (Brasil, 2001). Entre as regiões brasileiras, o maior coeficiente
de incidência é verificado para a região Centro-Oeste, conforme se observa na tabela a
seguir (Tabela 1):




                                                                      25
Este material deve ser utilizado apenas como parâmetro de estudo deste Programa. Os créditos deste conteúdo são dados a seus respectivos autores
Tabela 1: Coeficiente de ocorrência de acidentes com serpentes peçonhentas (por
100.000 habitantes), de 1990 a 1993*.
      Região                         1990                          1991                         1992                          1993
       Brasil                        13,78                        13,30                         14,08                        13,94
       Norte                         24,44                        23,23                         23,77                        25,89
     Nordeste                         6,77                         6,71                          6,23                         7,65
 Centro-Oeste                        34,75                        28,36                         37,98                        32,13
     Sudeste                         13,15                        13,24                         12,92                        12,34
         Sul                         15,35                        15,11                         17,52                        16,83
* Dados mais atualizados disponibilizados pela FUNASA (2001).


         Ainda assim, levando em conta o tamanho das populações nas diferentes regiões
do Brasil, verifica-se que o maior número exato de acidentes ofídicos ocorre na região
Sudeste, que por sua vez é a região mais populosa do país (Figura 23).




       Figura 23: Participação de cada região no percentual total de acidentes ofídicos
                                   verificados no Brasil. Fonte: FUNASA (2001).


         De uma forma geral, cerca de 80% das picadas promovidas por serpentes
peçonhentas em seres-humanos, atinge os pés e pernas abaixo dos joelhos, enquanto


                                                                      26
Este material deve ser utilizado apenas como parâmetro de estudo deste Programa. Os créditos deste conteúdo são dados a seus respectivos autores
que o restante concentra-se nos braços e mãos. De uma forma geral, verifica-se que
justamente em meses nos quais se observa um aumento nas atividades humanas
relacionadas com o campo. Isso faz com que nas regiões Sul, Centro-Oeste e Sudeste a
maior concentração de acidentes ofídicos se observe entre os meses de setembro a
março, enquanto que no nordeste os acidentes aumentam entre janeiro e maio e na
região norte ocorrem de forma uniforme ao longo do ano (Funasa, 2001).
         Cerca de 70% dos acidentes envolvendo serpentes peçonhentas, ocorre com o
gênero Bothrops, ou seja, as serpentes popularmente conhecidas como jararacas.
         Poucos são os casos em que uma picada de cobra pode levar ao óbito do atingido.
No período entre os anos de 1990 e 1993, o percentual de mortes envolvendo pessoas
picadas por serpentes peçonhentas foi inferior a 1%. Entretanto, chama a atenção o fato
de que o maior índice de óbitos fora observado para os acidentes envolvendo cascavéis
(Crotalus). Na maior parte dos óbitos, entre a ocorrência da picada e o atendimento
decorreram mais de 6 horas.


                      2.7      – Prevenindo acidentes com Serpentes Peçonhentas


         Como bem sabemos, a maior parte dos acidentes ofídicos ocorre em áreas rurais.
Embora poucas pessoas saibam disso, nem mesmo os proprietários rurais, conforme
estabelecido na Norma Reguladora Rural n° 4, todo funcionário rural tem direito a receber
proteção para as pernas, braços, mãos e pés, sendo dever do empregador oferecer tais
equipamentos gratuitamente para os seus empregados.


         Existem alguns cuidados que devem ser tomados e que podem contribuir
significativamente para a redução de acidentes envolvendo serpentes peçonhentas:


                        Utilize somente botas de cano longo ou senão botinas
                        protegendo as pernas com perneiras. Luvas de raspa devem
                        proteger as mãos e mangas de proteção devem proteger os
                        braços (Figura 24);




                                                                      27
Este material deve ser utilizado apenas como parâmetro de estudo deste Programa. Os créditos deste conteúdo são dados a seus respectivos autores
Figura 24: Ilustração sobre equipamentos de proteção
                            adequados para o trabalho em zonas rurais. Fonte: FUNASA
                                                                       (2001).


                        Segundo dados disponibilizados pela FUNASA (2001), como a
                        maior parte dos acidentes ofídicos ocorrem nas pernas, o uso de
                        botas pode reduzir até 80% destes acidentes. Para se ter idéia,
                        o uso de sapatos já promove redução estimada em 30% no
                        número de acidentes. Manter o entorno da residência sempre
                        limpo, sem entulhos, por exemplo, contribui para evitar a
                        presença de serpentes nos arredores das moradias, uma vez
                        que evitam a aproximação de ratos, a alimentação preferida das
                        serpentes.



                        Antes de remexer qualquer monte de folhas em algum buraco,
                        entre pedras, ocos situados em troncos, devemos sempre utilizar
                        o     pedaço          de      madeira          ou      graveto         antes       de      qualquer

                                                                      28
Este material deve ser utilizado apenas como parâmetro de estudo deste Programa. Os créditos deste conteúdo são dados a seus respectivos autores
procedimento, o que contribui muito para evitar acidentes (Figura
                        25).




   Figura 25: Antes de mexer em qualquer lugar, “cutuque” com um galho antes. (Fonte:
                                                          FUNASA (2001).


                        Frestas sob portas, vãos em janelas e principalmente em muros
                        devem sempre ser tapados.



                        Jamais tente manusear uma serpente se você não tiver prática.
                        Devemos sempre entender que as serpentes desempenham
                        importante papel no equilíbrio dos ecossistemas. Por isso,
                        jamais agrida uma serpente se esta não estiver realmente
                        incomodando. Caso você esteja no campo e encontrar alguma
                        serpente, procure não fazer nada, pois a tendência é que ela
                        siga os eu caminha naturalmente.


 2.8      – Como proceder em caso de acidente envolvendo uma serpente peçonhenta


         Mesmo sendo uma pessoa prevenida e tendo tomado todos os cuidados
necessários para se evitar qualquer acidente ofídico, acidentes podem acontecer. Em
caso da ocorrência de um acidente envolvendo serpentes peçonhentas, devem-se tomar
os seguintes cuidados:

                                                                      29
Este material deve ser utilizado apenas como parâmetro de estudo deste Programa. Os créditos deste conteúdo são dados a seus respectivos autores
Jamais amarre a perna ou braço onde ocorreu a picada.
                        Embora muito difundido popularmente, o torniquete (conhecido
                        também como garrote) dificulta a circulação, o que por sua vez
                        pode ocasionar necrose ou gangrena e mesmo assim, não
                        impede de maneira alguma que o veneno seja absorvido (Figura
                        26).




Figura 26: Embora a prática do torniquete seja muito difundida, não é aconselhável que se
         efetua tal procedimento em caso de acidente ofídico. Fonte: FUNASA (2001).


                        Algumas pessoas acreditam que realizar pequenos cortes no
                        entorno da região atingida durante a picada, poderá fazer com
                        que o veneno seja retirado. Na verdade, estes cortes poderão
                        provocar em casos extremos até hemorragia e o veneno de
                        maneira alguma será eliminado através destes cortes (Figura
                        27).



                        Também de nada adiantará sugar o local da picada, uma vez
                        que é totalmente impossível retirar o veneno através de tal
                        procedimento. A sucção pode piorar o local da picada,

                                                                      30
Este material deve ser utilizado apenas como parâmetro de estudo deste Programa. Os créditos deste conteúdo são dados a seus respectivos autores
promovendo aumento do edema.


                        Não coloque pó de café, querosene, terra ou qualquer outra
                        substância sobre o local da picada.




 Figura 27: Realizar pequenos cortes no entorno do local da picada, não ameniza a ação
                                                   do veneno. Fonte IBAMA.

                        Não de nada para o acidentado beber. Apenas deixe-o em
                        repouso e mantenha a parte atingida o mais elevada possível.
                        Dessa forma, a circulação será menos intensa no local da picada
                        e quanto mais calma a vítima estiver, mais devagar o veneno irá
                        circular pelo seu corpo (Figura 28).




    Figura 28: Mantenha o membro atingido pela picada o mais elevado possível. Fonte:
                                                          FUNASA (2001).


                                                                      31
Este material deve ser utilizado apenas como parâmetro de estudo deste Programa. Os créditos deste conteúdo são dados a seus respectivos autores
Leve o acidentado o quanto antes para o Posto de Saúde mais
                        próximo do local do acidente. Caso você não tenha certeza qual
                        espécie picou o acidentado, uma alternativa seria levar a cobra
                        até o posto, de preferência morta, uma vez que o soro deve ser
                        específico para a espécie que o picou.




                                           3. Outras serpentes importantes


         Além das espécies que estudamos ao longo deste manual,
existem outras espécies que habitam matas, campos e florestas de
todo o Brasil e que apresentam riscos em caso de ocorrência de
acidente ofídico.
         A seguir apresentamos algumas imagens (Figuras 29, 30, 31 e 32) destas espécies
e que podem auxiliar em sua correta identificação, quando necessário.




  Figura 29: Bothrops moojeni (caiçaca), espécie ocorrente nos estados do MS, PR, SP.
                                 GO, DF, MG, TO e MA. Fonte: FUNASA (2001).


                                                                      32
Este material deve ser utilizado apenas como parâmetro de estudo deste Programa. Os créditos deste conteúdo são dados a seus respectivos autores
Figura 30: Bothrops atrox (caiçaca), espécie ocorrente nos estados do MT, AM, PA, MA,
                                     AP, AC, RO e RR. Fonte: FUNASA (2001).




Figura 31: Bothrops erythromelas (jararaca da seca), espécie ocorrente especialmente em
áreas de Caatinga, nos estados do PI, CE, RN, PB, PE, SE, Al, BA e MG. Fonte: FUNASA
                                                                  (2001).


                                                                      33
Este material deve ser utilizado apenas como parâmetro de estudo deste Programa. Os créditos deste conteúdo são dados a seus respectivos autores
Figura 32: Bothrops neuwiedi (jararaca-pintada), espécie de ampla distribuição nas
regiões Sul, Sudeste, Nordeste, Centro-Oeste e na região Norte encontrada nos estados
                                  do TO, PA, RO e AM. Fonte: FUNASA (2001).


                                                        4. Telefones Úteis


                    Como vimos o primeiro procedimento em caso de acidente ofídico
envolvendo serpentes peçonhentas, é conduzir a vítima até o Posto de Saúde ou Hospital
mais próximo. Maiores informações podem ser obtidas nos seguintes endereços (Fonte:
FUNASA (2001):


                                                         REGIÃO NORTE




                                                                      34
Este material deve ser utilizado apenas como parâmetro de estudo deste Programa. Os créditos deste conteúdo são dados a seus respectivos autores
REGIÃO NORDESTE




                                                                      35
Este material deve ser utilizado apenas como parâmetro de estudo deste Programa. Os créditos deste conteúdo são dados a seus respectivos autores
36
Este material deve ser utilizado apenas como parâmetro de estudo deste Programa. Os créditos deste conteúdo são dados a seus respectivos autores
REGIÃO SUDESTE




                                                                      37
Este material deve ser utilizado apenas como parâmetro de estudo deste Programa. Os créditos deste conteúdo são dados a seus respectivos autores
REGIÃO SUL




                                                                      38
Este material deve ser utilizado apenas como parâmetro de estudo deste Programa. Os créditos deste conteúdo são dados a seus respectivos autores
REGIÃO CENTRO-OESTE




                                    -----------------FIM DO MANUAL-----------------


                                                                      39
Este material deve ser utilizado apenas como parâmetro de estudo deste Programa. Os créditos deste conteúdo são dados a seus respectivos autores
Bibliografia Consultada


FUNASA. 2001. Manual de Diagnóstico e Tratamento de Acidentes por Animais
Peçonhentos. Ministério da Saúde. 120 p.


IBAMA. Acidentes por serpentes peçonhentas (Disponível em: www.ibama.gov.br /
Acesso em 30/12/2008).


Marques, O. A. V.; Eterovic, A. & Sazima, I. 2001. Serpentes da Mata Atlântica: Guia
Ilustrado para a Serra do Mar. Ed. Holos. 185 p.


Serafim, H.; Peccinini-Seale, D. M. & Batistic, R. F. 2007. Estudo cariotípico de duas
serpentes brasileiras do gênero Micrurus (Ophidia, Elapidae). Biota Neotropica v. 7, n. 1
(http://www.biotaneotropica.org.br/v7n1/pt/abstract?article+bn01607012007).




                                                                      40
Este material deve ser utilizado apenas como parâmetro de estudo deste Programa. Os créditos deste conteúdo são dados a seus respectivos autores

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Osteichthyes: Actinopterygii
Osteichthyes: ActinopterygiiOsteichthyes: Actinopterygii
Osteichthyes: ActinopterygiiGuellity Marcel
 
Dermatofitose x dermatofilose
Dermatofitose x dermatofilose Dermatofitose x dermatofilose
Dermatofitose x dermatofilose iaavila
 
Andamento de Equinos
Andamento de EquinosAndamento de Equinos
Andamento de EquinosKiller Max
 
Sanidade e enfermidade de caprinos e ovinos - caprinos e ovinos
Sanidade e enfermidade de caprinos e ovinos - caprinos e ovinosSanidade e enfermidade de caprinos e ovinos - caprinos e ovinos
Sanidade e enfermidade de caprinos e ovinos - caprinos e ovinosMarília Gomes
 
Melhoramento genético de cães
Melhoramento genético de cãesMelhoramento genético de cães
Melhoramento genético de cãesTassiaBertipaglia
 
Contenção quimica fisica animais selvagens
Contenção quimica fisica animais selvagensContenção quimica fisica animais selvagens
Contenção quimica fisica animais selvagensclaudioyudi
 
Protocolos de Vacinação e Vermifugação em Cães e Gatos
Protocolos de Vacinação e Vermifugação em Cães e GatosProtocolos de Vacinação e Vermifugação em Cães e Gatos
Protocolos de Vacinação e Vermifugação em Cães e GatosLeonora Mello
 
Dípteros miíases - moscas
Dípteros   miíases - moscasDípteros   miíases - moscas
Dípteros miíases - moscasCaroline Gomes
 
Polioencefalomalacia clinica de ruminantes
Polioencefalomalacia   clinica de ruminantesPolioencefalomalacia   clinica de ruminantes
Polioencefalomalacia clinica de ruminantesPedro Augusto
 
Casqueamento de Equinos
Casqueamento de EquinosCasqueamento de Equinos
Casqueamento de EquinosKiller Max
 
Conceitos, biosseguridade e conservação de animais selvagens
Conceitos, biosseguridade e conservação de animais selvagensConceitos, biosseguridade e conservação de animais selvagens
Conceitos, biosseguridade e conservação de animais selvagensMarília Gomes
 
Cistite Intersticial Felina - Tratamento Comportamental
Cistite Intersticial Felina - Tratamento Comportamental Cistite Intersticial Felina - Tratamento Comportamental
Cistite Intersticial Felina - Tratamento Comportamental Carolina Trochmann
 

Mais procurados (20)

Raças de Cãos
Raças de CãosRaças de Cãos
Raças de Cãos
 
Osteichthyes: Actinopterygii
Osteichthyes: ActinopterygiiOsteichthyes: Actinopterygii
Osteichthyes: Actinopterygii
 
Caes e gatos
Caes e gatosCaes e gatos
Caes e gatos
 
Exame fisico geral
Exame fisico geralExame fisico geral
Exame fisico geral
 
Dermatofitose x dermatofilose
Dermatofitose x dermatofilose Dermatofitose x dermatofilose
Dermatofitose x dermatofilose
 
Pancreatite felina
Pancreatite felinaPancreatite felina
Pancreatite felina
 
Andamento de Equinos
Andamento de EquinosAndamento de Equinos
Andamento de Equinos
 
Sanidade e enfermidade de caprinos e ovinos - caprinos e ovinos
Sanidade e enfermidade de caprinos e ovinos - caprinos e ovinosSanidade e enfermidade de caprinos e ovinos - caprinos e ovinos
Sanidade e enfermidade de caprinos e ovinos - caprinos e ovinos
 
Melhoramento genético de cães
Melhoramento genético de cãesMelhoramento genético de cães
Melhoramento genético de cães
 
Contenção quimica fisica animais selvagens
Contenção quimica fisica animais selvagensContenção quimica fisica animais selvagens
Contenção quimica fisica animais selvagens
 
Protocolos de Vacinação e Vermifugação em Cães e Gatos
Protocolos de Vacinação e Vermifugação em Cães e GatosProtocolos de Vacinação e Vermifugação em Cães e Gatos
Protocolos de Vacinação e Vermifugação em Cães e Gatos
 
Classe insecta
Classe insecta Classe insecta
Classe insecta
 
Raças suinas 01
Raças suinas 01Raças suinas 01
Raças suinas 01
 
Aula adrenais
Aula adrenaisAula adrenais
Aula adrenais
 
Dípteros miíases - moscas
Dípteros   miíases - moscasDípteros   miíases - moscas
Dípteros miíases - moscas
 
Polioencefalomalacia clinica de ruminantes
Polioencefalomalacia   clinica de ruminantesPolioencefalomalacia   clinica de ruminantes
Polioencefalomalacia clinica de ruminantes
 
Casqueamento de Equinos
Casqueamento de EquinosCasqueamento de Equinos
Casqueamento de Equinos
 
Conceitos, biosseguridade e conservação de animais selvagens
Conceitos, biosseguridade e conservação de animais selvagensConceitos, biosseguridade e conservação de animais selvagens
Conceitos, biosseguridade e conservação de animais selvagens
 
Leptospirose em cães
Leptospirose em cãesLeptospirose em cães
Leptospirose em cães
 
Cistite Intersticial Felina - Tratamento Comportamental
Cistite Intersticial Felina - Tratamento Comportamental Cistite Intersticial Felina - Tratamento Comportamental
Cistite Intersticial Felina - Tratamento Comportamental
 

Destaque

Manual de Diagnóstico e Tratamento para Acidentes com Animais Peçonhentos - M...
Manual de Diagnóstico e Tratamento para Acidentes com Animais Peçonhentos - M...Manual de Diagnóstico e Tratamento para Acidentes com Animais Peçonhentos - M...
Manual de Diagnóstico e Tratamento para Acidentes com Animais Peçonhentos - M...Augusto Moraes
 
Acidentes com animais peçonhentos
Acidentes com animais peçonhentosAcidentes com animais peçonhentos
Acidentes com animais peçonhentosIsmael Costa
 
Quelônios marinhos do Brasil
Quelônios marinhos do BrasilQuelônios marinhos do Brasil
Quelônios marinhos do Brasilvolcker
 
Aula de répteis
Aula de répteisAula de répteis
Aula de répteisIlsoflavio
 
06 ofidismo - enfermaria 18 – clínica médica rj
06  ofidismo - enfermaria 18 – clínica médica rj06  ofidismo - enfermaria 18 – clínica médica rj
06 ofidismo - enfermaria 18 – clínica médica rjadrianomedico
 
Esquema para tratamento com soro antipeçonhento
Esquema para tratamento com soro antipeçonhentoEsquema para tratamento com soro antipeçonhento
Esquema para tratamento com soro antipeçonhentoNeuder Wesley
 
Acidentes Ofidicos Serpentes Brasil 2015
Acidentes Ofidicos Serpentes Brasil 2015Acidentes Ofidicos Serpentes Brasil 2015
Acidentes Ofidicos Serpentes Brasil 2015Alexandre Naime Barbosa
 
Você s.a. administre seu tempo
Você s.a.   administre seu tempoVocê s.a.   administre seu tempo
Você s.a. administre seu tempotioheraclito
 
Voce s.a. negocie, influencie e convenca
Voce s.a.   negocie, influencie e convencaVoce s.a.   negocie, influencie e convenca
Voce s.a. negocie, influencie e convencatioheraclito
 
Guia de Fundos de Investimento Imobiliários
Guia de Fundos de Investimento ImobiliáriosGuia de Fundos de Investimento Imobiliários
Guia de Fundos de Investimento ImobiliáriosBruno Sagas Lopes
 
José elias de godoy segurança dos condominios
José elias de godoy   segurança dos condominiosJosé elias de godoy   segurança dos condominios
José elias de godoy segurança dos condominiosacajado
 

Destaque (20)

Cobras
CobrasCobras
Cobras
 
Ofidismo
OfidismoOfidismo
Ofidismo
 
Animais peçonhentos ofidismo
Animais peçonhentos ofidismoAnimais peçonhentos ofidismo
Animais peçonhentos ofidismo
 
Animais peçonhentos
Animais peçonhentosAnimais peçonhentos
Animais peçonhentos
 
Manual de Diagnóstico e Tratamento para Acidentes com Animais Peçonhentos - M...
Manual de Diagnóstico e Tratamento para Acidentes com Animais Peçonhentos - M...Manual de Diagnóstico e Tratamento para Acidentes com Animais Peçonhentos - M...
Manual de Diagnóstico e Tratamento para Acidentes com Animais Peçonhentos - M...
 
Acidentes com animais peçonhentos
Acidentes com animais peçonhentosAcidentes com animais peçonhentos
Acidentes com animais peçonhentos
 
Serpentes
SerpentesSerpentes
Serpentes
 
Quelônios marinhos do Brasil
Quelônios marinhos do BrasilQuelônios marinhos do Brasil
Quelônios marinhos do Brasil
 
Apresentação cobras ana
Apresentação cobras   anaApresentação cobras   ana
Apresentação cobras ana
 
Herpetologia
HerpetologiaHerpetologia
Herpetologia
 
Aula de répteis
Aula de répteisAula de répteis
Aula de répteis
 
06 ofidismo - enfermaria 18 – clínica médica rj
06  ofidismo - enfermaria 18 – clínica médica rj06  ofidismo - enfermaria 18 – clínica médica rj
06 ofidismo - enfermaria 18 – clínica médica rj
 
Esquema para tratamento com soro antipeçonhento
Esquema para tratamento com soro antipeçonhentoEsquema para tratamento com soro antipeçonhento
Esquema para tratamento com soro antipeçonhento
 
Serpentes brasileiras
Serpentes brasileirasSerpentes brasileiras
Serpentes brasileiras
 
Acidentes Ofidicos Serpentes Brasil 2015
Acidentes Ofidicos Serpentes Brasil 2015Acidentes Ofidicos Serpentes Brasil 2015
Acidentes Ofidicos Serpentes Brasil 2015
 
Você s.a. administre seu tempo
Você s.a.   administre seu tempoVocê s.a.   administre seu tempo
Você s.a. administre seu tempo
 
Voce s.a. negocie, influencie e convenca
Voce s.a.   negocie, influencie e convencaVoce s.a.   negocie, influencie e convenca
Voce s.a. negocie, influencie e convenca
 
2011 curso venture-capital
2011 curso venture-capital2011 curso venture-capital
2011 curso venture-capital
 
Guia de Fundos de Investimento Imobiliários
Guia de Fundos de Investimento ImobiliáriosGuia de Fundos de Investimento Imobiliários
Guia de Fundos de Investimento Imobiliários
 
José elias de godoy segurança dos condominios
José elias de godoy   segurança dos condominiosJosé elias de godoy   segurança dos condominios
José elias de godoy segurança dos condominios
 

Semelhante a 2422010193955manual serpentes peconhentas

Ofidismobernarde 131231223424-phpapp02
Ofidismobernarde 131231223424-phpapp02Ofidismobernarde 131231223424-phpapp02
Ofidismobernarde 131231223424-phpapp02Saulo Gomes
 
Acidentes ofídicos dr. paula bernades
Acidentes ofídicos dr. paula bernadesAcidentes ofídicos dr. paula bernades
Acidentes ofídicos dr. paula bernadesadrianomedico
 
Lepidópteros do brasil (agenda de campo) geraldo salgado neto
Lepidópteros do brasil (agenda de campo) geraldo salgado netoLepidópteros do brasil (agenda de campo) geraldo salgado neto
Lepidópteros do brasil (agenda de campo) geraldo salgado netoAndre Benedito
 
Extincao das Especies: uma ameaca ao direito das futuras geracoes
Extincao das Especies: uma ameaca ao direito das futuras geracoesExtincao das Especies: uma ameaca ao direito das futuras geracoes
Extincao das Especies: uma ameaca ao direito das futuras geracoesnataschatrennepohl
 
Guiadecampoanimaispeonhentos 140624073006-phpapp02
Guiadecampoanimaispeonhentos 140624073006-phpapp02Guiadecampoanimaispeonhentos 140624073006-phpapp02
Guiadecampoanimaispeonhentos 140624073006-phpapp02balinsoares
 
Guia de campo animais peçonhentos
Guia de campo animais peçonhentosGuia de campo animais peçonhentos
Guia de campo animais peçonhentosEmerson Silva
 
Os animais peconhentos
Os animais peconhentosOs animais peconhentos
Os animais peconhentosbalinsoares
 
Os biomas brasileiros , plano de aula ppt
Os biomas brasileiros , plano de aula pptOs biomas brasileiros , plano de aula ppt
Os biomas brasileiros , plano de aula pptRoseliMorais
 
Acidentes ofídicos 2008
Acidentes ofídicos 2008Acidentes ofídicos 2008
Acidentes ofídicos 2008adrianomedico
 
Lista de exercícios Ecologia e Relações ecológicas
Lista de exercícios Ecologia e Relações ecológicas Lista de exercícios Ecologia e Relações ecológicas
Lista de exercícios Ecologia e Relações ecológicas Carlos Priante
 
Aspectos ecológicos e epidemiológicos de acidentes ofídicos
Aspectos ecológicos e epidemiológicos de acidentes ofídicosAspectos ecológicos e epidemiológicos de acidentes ofídicos
Aspectos ecológicos e epidemiológicos de acidentes ofídicosadrianomedico
 
Sapos, Jias, Calangos e Serpentes.pdf
Sapos, Jias, Calangos e Serpentes.pdfSapos, Jias, Calangos e Serpentes.pdf
Sapos, Jias, Calangos e Serpentes.pdfThaniaSantos5
 
Revista corujando por ai maio 2017
Revista corujando por ai maio 2017Revista corujando por ai maio 2017
Revista corujando por ai maio 2017Kátia Boroni
 

Semelhante a 2422010193955manual serpentes peconhentas (20)

ACIDENTES OFÍDICOS
ACIDENTES OFÍDICOS ACIDENTES OFÍDICOS
ACIDENTES OFÍDICOS
 
Ofidismobernarde 131231223424-phpapp02
Ofidismobernarde 131231223424-phpapp02Ofidismobernarde 131231223424-phpapp02
Ofidismobernarde 131231223424-phpapp02
 
Acidentes ofídicos dr. paula bernades
Acidentes ofídicos dr. paula bernadesAcidentes ofídicos dr. paula bernades
Acidentes ofídicos dr. paula bernades
 
Animais peçonhentos
Animais peçonhentosAnimais peçonhentos
Animais peçonhentos
 
Lepidópteros do brasil (agenda de campo) geraldo salgado neto
Lepidópteros do brasil (agenda de campo) geraldo salgado netoLepidópteros do brasil (agenda de campo) geraldo salgado neto
Lepidópteros do brasil (agenda de campo) geraldo salgado neto
 
Ira No Ofidismo
Ira No OfidismoIra No Ofidismo
Ira No Ofidismo
 
Extincao das Especies: uma ameaca ao direito das futuras geracoes
Extincao das Especies: uma ameaca ao direito das futuras geracoesExtincao das Especies: uma ameaca ao direito das futuras geracoes
Extincao das Especies: uma ameaca ao direito das futuras geracoes
 
Guiadecampoanimaispeonhentos 140624073006-phpapp02
Guiadecampoanimaispeonhentos 140624073006-phpapp02Guiadecampoanimaispeonhentos 140624073006-phpapp02
Guiadecampoanimaispeonhentos 140624073006-phpapp02
 
Guia de campo animais peçonhentos
Guia de campo animais peçonhentosGuia de campo animais peçonhentos
Guia de campo animais peçonhentos
 
Os animais peconhentos
Os animais peconhentosOs animais peconhentos
Os animais peconhentos
 
Os biomas brasileiros , plano de aula ppt
Os biomas brasileiros , plano de aula pptOs biomas brasileiros , plano de aula ppt
Os biomas brasileiros , plano de aula ppt
 
6ano bimestre-01-perguntas
6ano bimestre-01-perguntas6ano bimestre-01-perguntas
6ano bimestre-01-perguntas
 
Acidentes ofídicos 2008
Acidentes ofídicos 2008Acidentes ofídicos 2008
Acidentes ofídicos 2008
 
Lista de exercícios Ecologia e Relações ecológicas
Lista de exercícios Ecologia e Relações ecológicas Lista de exercícios Ecologia e Relações ecológicas
Lista de exercícios Ecologia e Relações ecológicas
 
Caderno ssa 3_2_dia
Caderno ssa 3_2_diaCaderno ssa 3_2_dia
Caderno ssa 3_2_dia
 
Aspectos ecológicos e epidemiológicos de acidentes ofídicos
Aspectos ecológicos e epidemiológicos de acidentes ofídicosAspectos ecológicos e epidemiológicos de acidentes ofídicos
Aspectos ecológicos e epidemiológicos de acidentes ofídicos
 
Sapos, Jias, Calangos e Serpentes.pdf
Sapos, Jias, Calangos e Serpentes.pdfSapos, Jias, Calangos e Serpentes.pdf
Sapos, Jias, Calangos e Serpentes.pdf
 
Escorpiâo 3º A
Escorpiâo 3º AEscorpiâo 3º A
Escorpiâo 3º A
 
Revista corujando por ai maio 2017
Revista corujando por ai maio 2017Revista corujando por ai maio 2017
Revista corujando por ai maio 2017
 
Hermafroditismo
HermafroditismoHermafroditismo
Hermafroditismo
 

Mais de karol_ribeiro

Cartilha colesterol 2009
Cartilha colesterol 2009Cartilha colesterol 2009
Cartilha colesterol 2009karol_ribeiro
 
Vivendo dpa guia_familiares_cuidadores
Vivendo dpa guia_familiares_cuidadoresVivendo dpa guia_familiares_cuidadores
Vivendo dpa guia_familiares_cuidadoreskarol_ribeiro
 
Cartilha prevencao da hérnia lombar
Cartilha prevencao da hérnia lombarCartilha prevencao da hérnia lombar
Cartilha prevencao da hérnia lombarkarol_ribeiro
 
Manejo clinico dengue_3ed
Manejo clinico dengue_3edManejo clinico dengue_3ed
Manejo clinico dengue_3edkarol_ribeiro
 
Livro manual de imunizações - hospital albert einstein
Livro   manual de imunizações - hospital albert einsteinLivro   manual de imunizações - hospital albert einstein
Livro manual de imunizações - hospital albert einsteinkarol_ribeiro
 
Livro vademecum simplificado - influenza - ms
Livro   vademecum simplificado - influenza - msLivro   vademecum simplificado - influenza - ms
Livro vademecum simplificado - influenza - mskarol_ribeiro
 
Cartilhagripesuina baixaki
Cartilhagripesuina baixakiCartilhagripesuina baixaki
Cartilhagripesuina baixakikarol_ribeiro
 
Normas gripe sazonal agosto 2010[1]
Normas gripe sazonal agosto 2010[1]Normas gripe sazonal agosto 2010[1]
Normas gripe sazonal agosto 2010[1]karol_ribeiro
 
Cartilha saude mulher
Cartilha saude mulherCartilha saude mulher
Cartilha saude mulherkarol_ribeiro
 
Eu gosto de_ser_mulher
Eu gosto de_ser_mulherEu gosto de_ser_mulher
Eu gosto de_ser_mulherkarol_ribeiro
 
Hanseniase direitos humanos
Hanseniase direitos humanosHanseniase direitos humanos
Hanseniase direitos humanoskarol_ribeiro
 
Cartilha saude homem
Cartilha saude homemCartilha saude homem
Cartilha saude homemkarol_ribeiro
 
Cartilha prevencao doencas_infecciosas
Cartilha prevencao doencas_infecciosasCartilha prevencao doencas_infecciosas
Cartilha prevencao doencas_infecciosaskarol_ribeiro
 
Cartilha pressao alta
Cartilha pressao altaCartilha pressao alta
Cartilha pressao altakarol_ribeiro
 
Parto aborto puerperio
Parto aborto puerperioParto aborto puerperio
Parto aborto puerperiokarol_ribeiro
 

Mais de karol_ribeiro (20)

Cartilha colesterol 2009
Cartilha colesterol 2009Cartilha colesterol 2009
Cartilha colesterol 2009
 
Vivendo dpa guia_familiares_cuidadores
Vivendo dpa guia_familiares_cuidadoresVivendo dpa guia_familiares_cuidadores
Vivendo dpa guia_familiares_cuidadores
 
Cartilha prevencao da hérnia lombar
Cartilha prevencao da hérnia lombarCartilha prevencao da hérnia lombar
Cartilha prevencao da hérnia lombar
 
Manejo clinico dengue_3ed
Manejo clinico dengue_3edManejo clinico dengue_3ed
Manejo clinico dengue_3ed
 
Livro manual de imunizações - hospital albert einstein
Livro   manual de imunizações - hospital albert einsteinLivro   manual de imunizações - hospital albert einstein
Livro manual de imunizações - hospital albert einstein
 
Livro vademecum simplificado - influenza - ms
Livro   vademecum simplificado - influenza - msLivro   vademecum simplificado - influenza - ms
Livro vademecum simplificado - influenza - ms
 
Cart vac
Cart vacCart vac
Cart vac
 
Cartilhagripesuina baixaki
Cartilhagripesuina baixakiCartilhagripesuina baixaki
Cartilhagripesuina baixaki
 
Normas gripe sazonal agosto 2010[1]
Normas gripe sazonal agosto 2010[1]Normas gripe sazonal agosto 2010[1]
Normas gripe sazonal agosto 2010[1]
 
Cartilha saude mulher
Cartilha saude mulherCartilha saude mulher
Cartilha saude mulher
 
Eu gosto de_ser_mulher
Eu gosto de_ser_mulherEu gosto de_ser_mulher
Eu gosto de_ser_mulher
 
Hanseniase direitos humanos
Hanseniase direitos humanosHanseniase direitos humanos
Hanseniase direitos humanos
 
Cartilha saude homem
Cartilha saude homemCartilha saude homem
Cartilha saude homem
 
Cartilha prevencao doencas_infecciosas
Cartilha prevencao doencas_infecciosasCartilha prevencao doencas_infecciosas
Cartilha prevencao doencas_infecciosas
 
Cartilha postura
Cartilha posturaCartilha postura
Cartilha postura
 
Cartilha estresse
Cartilha estresseCartilha estresse
Cartilha estresse
 
Cartilha pressao alta
Cartilha pressao altaCartilha pressao alta
Cartilha pressao alta
 
Cartilha imunizacao
Cartilha imunizacaoCartilha imunizacao
Cartilha imunizacao
 
Cartilha dst aids
Cartilha dst aidsCartilha dst aids
Cartilha dst aids
 
Parto aborto puerperio
Parto aborto puerperioParto aborto puerperio
Parto aborto puerperio
 

Último

PLANEJAMENTO anual do 3ANO fundamental 1 MG.pdf
PLANEJAMENTO anual do  3ANO fundamental 1 MG.pdfPLANEJAMENTO anual do  3ANO fundamental 1 MG.pdf
PLANEJAMENTO anual do 3ANO fundamental 1 MG.pdfProfGleide
 
Mapas Mentais - Português - Principais Tópicos.pdf
Mapas Mentais - Português - Principais Tópicos.pdfMapas Mentais - Português - Principais Tópicos.pdf
Mapas Mentais - Português - Principais Tópicos.pdfangelicass1
 
Habilidades Motoras Básicas e Específicas
Habilidades Motoras Básicas e EspecíficasHabilidades Motoras Básicas e Específicas
Habilidades Motoras Básicas e EspecíficasCassio Meira Jr.
 
DIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdf
DIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdfDIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdf
DIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdfIedaGoethe
 
Guia completo da Previdênci a - Reforma .pdf
Guia completo da Previdênci a - Reforma .pdfGuia completo da Previdênci a - Reforma .pdf
Guia completo da Previdênci a - Reforma .pdfEyshilaKelly1
 
cartilha-pdi-plano-de-desenvolvimento-individual-do-estudante.pdf
cartilha-pdi-plano-de-desenvolvimento-individual-do-estudante.pdfcartilha-pdi-plano-de-desenvolvimento-individual-do-estudante.pdf
cartilha-pdi-plano-de-desenvolvimento-individual-do-estudante.pdfIedaGoethe
 
A galinha ruiva sequencia didatica 3 ano
A  galinha ruiva sequencia didatica 3 anoA  galinha ruiva sequencia didatica 3 ano
A galinha ruiva sequencia didatica 3 anoandrealeitetorres
 
HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024Sandra Pratas
 
QUIZ DE MATEMATICA SHOW DO MILHÃO PREPARAÇÃO ÇPARA AVALIAÇÕES EXTERNAS
QUIZ DE MATEMATICA SHOW DO MILHÃO PREPARAÇÃO ÇPARA AVALIAÇÕES EXTERNASQUIZ DE MATEMATICA SHOW DO MILHÃO PREPARAÇÃO ÇPARA AVALIAÇÕES EXTERNAS
QUIZ DE MATEMATICA SHOW DO MILHÃO PREPARAÇÃO ÇPARA AVALIAÇÕES EXTERNASEdinardo Aguiar
 
637743470-Mapa-Mental-Portugue-s-1.pdf 4 ano
637743470-Mapa-Mental-Portugue-s-1.pdf 4 ano637743470-Mapa-Mental-Portugue-s-1.pdf 4 ano
637743470-Mapa-Mental-Portugue-s-1.pdf 4 anoAdelmaTorres2
 
trabalho wanda rocha ditadura
trabalho wanda rocha ditaduratrabalho wanda rocha ditadura
trabalho wanda rocha ditaduraAdryan Luiz
 
Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...
Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...
Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...LuizHenriquedeAlmeid6
 
Bingo da potenciação e radiciação de números inteiros
Bingo da potenciação e radiciação de números inteirosBingo da potenciação e radiciação de números inteiros
Bingo da potenciação e radiciação de números inteirosAntnyoAllysson
 
Doutrina Deus filho e Espírito Santo.pptx
Doutrina Deus filho e Espírito Santo.pptxDoutrina Deus filho e Espírito Santo.pptx
Doutrina Deus filho e Espírito Santo.pptxThye Oliver
 
PRÉ-MODERNISMO - GUERRA DE CANUDOS E OS SERTÕES
PRÉ-MODERNISMO - GUERRA DE CANUDOS E OS SERTÕESPRÉ-MODERNISMO - GUERRA DE CANUDOS E OS SERTÕES
PRÉ-MODERNISMO - GUERRA DE CANUDOS E OS SERTÕESpatriciasofiacunha18
 
VALORES HUMANOS NA DISCIPLINA DE ENSINO RELIGIOSO
VALORES HUMANOS NA DISCIPLINA DE ENSINO RELIGIOSOVALORES HUMANOS NA DISCIPLINA DE ENSINO RELIGIOSO
VALORES HUMANOS NA DISCIPLINA DE ENSINO RELIGIOSOBiatrizGomes1
 
Programa de Intervenção com Habilidades Motoras
Programa de Intervenção com Habilidades MotorasPrograma de Intervenção com Habilidades Motoras
Programa de Intervenção com Habilidades MotorasCassio Meira Jr.
 
Educação São Paulo centro de mídias da SP
Educação São Paulo centro de mídias da SPEducação São Paulo centro de mídias da SP
Educação São Paulo centro de mídias da SPanandatss1
 
Cultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdf
Cultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdfCultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdf
Cultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdfaulasgege
 

Último (20)

PLANEJAMENTO anual do 3ANO fundamental 1 MG.pdf
PLANEJAMENTO anual do  3ANO fundamental 1 MG.pdfPLANEJAMENTO anual do  3ANO fundamental 1 MG.pdf
PLANEJAMENTO anual do 3ANO fundamental 1 MG.pdf
 
Mapas Mentais - Português - Principais Tópicos.pdf
Mapas Mentais - Português - Principais Tópicos.pdfMapas Mentais - Português - Principais Tópicos.pdf
Mapas Mentais - Português - Principais Tópicos.pdf
 
Habilidades Motoras Básicas e Específicas
Habilidades Motoras Básicas e EspecíficasHabilidades Motoras Básicas e Específicas
Habilidades Motoras Básicas e Específicas
 
DIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdf
DIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdfDIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdf
DIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdf
 
Guia completo da Previdênci a - Reforma .pdf
Guia completo da Previdênci a - Reforma .pdfGuia completo da Previdênci a - Reforma .pdf
Guia completo da Previdênci a - Reforma .pdf
 
cartilha-pdi-plano-de-desenvolvimento-individual-do-estudante.pdf
cartilha-pdi-plano-de-desenvolvimento-individual-do-estudante.pdfcartilha-pdi-plano-de-desenvolvimento-individual-do-estudante.pdf
cartilha-pdi-plano-de-desenvolvimento-individual-do-estudante.pdf
 
A galinha ruiva sequencia didatica 3 ano
A  galinha ruiva sequencia didatica 3 anoA  galinha ruiva sequencia didatica 3 ano
A galinha ruiva sequencia didatica 3 ano
 
XI OLIMPÍADAS DA LÍNGUA PORTUGUESA -
XI OLIMPÍADAS DA LÍNGUA PORTUGUESA      -XI OLIMPÍADAS DA LÍNGUA PORTUGUESA      -
XI OLIMPÍADAS DA LÍNGUA PORTUGUESA -
 
HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
 
QUIZ DE MATEMATICA SHOW DO MILHÃO PREPARAÇÃO ÇPARA AVALIAÇÕES EXTERNAS
QUIZ DE MATEMATICA SHOW DO MILHÃO PREPARAÇÃO ÇPARA AVALIAÇÕES EXTERNASQUIZ DE MATEMATICA SHOW DO MILHÃO PREPARAÇÃO ÇPARA AVALIAÇÕES EXTERNAS
QUIZ DE MATEMATICA SHOW DO MILHÃO PREPARAÇÃO ÇPARA AVALIAÇÕES EXTERNAS
 
637743470-Mapa-Mental-Portugue-s-1.pdf 4 ano
637743470-Mapa-Mental-Portugue-s-1.pdf 4 ano637743470-Mapa-Mental-Portugue-s-1.pdf 4 ano
637743470-Mapa-Mental-Portugue-s-1.pdf 4 ano
 
trabalho wanda rocha ditadura
trabalho wanda rocha ditaduratrabalho wanda rocha ditadura
trabalho wanda rocha ditadura
 
Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...
Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...
Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...
 
Bingo da potenciação e radiciação de números inteiros
Bingo da potenciação e radiciação de números inteirosBingo da potenciação e radiciação de números inteiros
Bingo da potenciação e radiciação de números inteiros
 
Doutrina Deus filho e Espírito Santo.pptx
Doutrina Deus filho e Espírito Santo.pptxDoutrina Deus filho e Espírito Santo.pptx
Doutrina Deus filho e Espírito Santo.pptx
 
PRÉ-MODERNISMO - GUERRA DE CANUDOS E OS SERTÕES
PRÉ-MODERNISMO - GUERRA DE CANUDOS E OS SERTÕESPRÉ-MODERNISMO - GUERRA DE CANUDOS E OS SERTÕES
PRÉ-MODERNISMO - GUERRA DE CANUDOS E OS SERTÕES
 
VALORES HUMANOS NA DISCIPLINA DE ENSINO RELIGIOSO
VALORES HUMANOS NA DISCIPLINA DE ENSINO RELIGIOSOVALORES HUMANOS NA DISCIPLINA DE ENSINO RELIGIOSO
VALORES HUMANOS NA DISCIPLINA DE ENSINO RELIGIOSO
 
Programa de Intervenção com Habilidades Motoras
Programa de Intervenção com Habilidades MotorasPrograma de Intervenção com Habilidades Motoras
Programa de Intervenção com Habilidades Motoras
 
Educação São Paulo centro de mídias da SP
Educação São Paulo centro de mídias da SPEducação São Paulo centro de mídias da SP
Educação São Paulo centro de mídias da SP
 
Cultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdf
Cultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdfCultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdf
Cultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdf
 

2422010193955manual serpentes peconhentas

  • 1. Programa de Educação Continuada a Distância Manual de Acidentes por Serpentes Peçonhentas Aluno: EAD - Educação a Distância Parceria entre Portal Educação e Sites Associados
  • 2. Manual de Acidentes por Serpentes Peçonhentas Atenção: O material deste módulo está disponível apenas como parâmetro de estudos para este Programa de Educação Continuada, é proibida qualquer forma de comercialização do mesmo. Os créditos do conteúdo aqui contido são dados aos seus respectivos autores descritos na bibliografia consultada. 2 Este material deve ser utilizado apenas como parâmetro de estudo deste Programa. Os créditos deste conteúdo são dados a seus respectivos autores
  • 3. SUMÁRIO 1. Mas afinal o que são animais peçonhentos? 2. Serpentes Peçonhentas (Acidentes ofídicos) 2.1 – Gênero Bothrops 2.2 - Gênero Lachesis 2.3 - Gênero Crotalus 2.4 - Gênero Micrurus 2.5 – Dicas para identificação de Serpentes Peçonhentas 2.6 - Estatísticas 2.7 – Prevenção 2.8 – Como proceder em caso de acidentes? 3. Outras Serpente Importantes 4. Telefones úteis 3 Este material deve ser utilizado apenas como parâmetro de estudo deste Programa. Os créditos deste conteúdo são dados a seus respectivos autores
  • 4. 1. Mas afinal, o que são animais peçonhentos? Chamamos de peçonhentos, todos os animais que possuem veneno e a capacidade de inoculá-lo, ou seja, injetá-lo no corpo de sua vítima, podendo inclusive levar sua vitima à morte devido à ação de seu veneno. Dessa forma, existem animais que são venenosos, mas não são peçonhentos, pois não conseguem injetar seu veneno nas vítimas, como é o caso de algumas espécies de sapos. De uma forma geral, quando falamos em animais peçonhentos diretamente pensamos em serpentes. Neste manual, falaremos sobre as principais espécies de serpentes peçonhentas do Brasil, conhecendo aspectos referentes à morfologia, distribuição geográfica e medidas preventivas para evitar acidentes desta natureza. 2. Serpentes Peçonhentas No mundo existem cerca de 3.000 espécies de serpentes, das quais 321 podem ser encontradas no território brasileiro, sendo que entre estas, apenas 36 são consideradas peçonhentas (Marques et al. 2001). O maior número de acidentes com serpentes venenosas no Brasil envolve os gêneros Bothrops, Lachesis, Crotalus e Micrurus 2.1 – Gênero Bothrops Bothrops é um gênero de serpentes peçonhentas ocorrentes nas Américas Central e do Sul. Membros deste gênero são os maiores responsáveis pelos acidentes ofídicos em todo o continente americano. 4 Este material deve ser utilizado apenas como parâmetro de estudo deste Programa. Os créditos deste conteúdo são dados a seus respectivos autores
  • 5. No Brasil não poderia ser diferente. A maior parte dos acidentes ofídicos ocorre com espécies pertencentes ao gênero Bothrops, que reúne as espécies popularmente conhecidas como “jararacas”, “cotiara”, “jararacuçu”, urutus e etc. Trata-se de um gênero de ampla ocorrência em território brasileiro, com espécies apresentando hábitos variados, tendo inclusive a capacidade de subirem em árvores para capturar suas presas. Entre as espécies pertencentes ao gênero Bothrops estão: B. jararaca, B. jararacussu e B. alternatus. 2.1.1 – Bothrops jararaca WIED, 1824 “jararaca”, “jararaca-da-mata” Espécie ocorrente nas regiões Nordeste (BA), Sudeste (MG, ES, RJ e SP), Centro- Oeste (MS) e Sul (PR, SC e RS) (Figura 1). Ativa durante a noite, apresentando em média entre 100 e 200 gramas, com indivíduos adultos podendo chegar a um metro de comprimento. Seu comportamento de defesa inclui dar botes e se enrolar escondendo a cabeça entre seu corpo (Marques et al. 2001). Possui uma coloração variada, apresentando ao longo de seu corpo pequenas manchas, de forma semelhante à letra “V” de forma invertida (Figura 1). Figura 1: Mapa de ocorrência (esquerda) e imagem de Bothrops jararaca. Fonte: Adaptado de FUNASA (2001). 5 Este material deve ser utilizado apenas como parâmetro de estudo deste Programa. Os créditos deste conteúdo são dados a seus respectivos autores
  • 6. Pode ocorrer tanto no ambiente rural como em centros urbanos. Habitualmente, alimenta-se de pequenos roedores, sendo que geralmente terrenos baldios e junção de entulhos em pátios podem contribuir para a ocorrência de roedores e conseqüentemente destas serpentes. É a espécie de serpente que mais causa acidentes ofídicos, sendo que geralmente ataca quando se sente muito acuada, já que na maior parte das vezes procura se afastar quando uma pessoa se aproxima. Além do Brasil, esta espécie também é encontrada na região nordeste do Paraguai e nordeste da Argentina, na província de Misiones. 2.1.2 – Bothrops jararacussu LACERDA, 1884 “jararacuçu” Espécie ocorrente nas regiões Centro-Oeste (MS), Sudeste (MG, ES, RJ e SP) e Sul (PR e SC) (Figura 2). Ativa tanto durante o dia quanto durante a noite, pesando mais que 250 gramas, com indivíduos adultos chegando algumas vezes a atingir dois metros de comprimento. Seu comportamento de defesa inclui a vibração da cauda, além de dar repetidos botes. Alimenta-se de pequeno vertebrados como ratos e sapos. Possui uma coloração variada, desde tons páleos até tons mais escuros. Apresenta manchas em seu corpo, que lembram, àquelas observadas em B. jararaca (Figura 2). A espécie apresenta dimorfismo sexual, já que as fêmeas apresentam maiores tamanhos médios que os machos, além de diferentes padrões de coloração, sendo ela amarelada e ele cinza (Wikipédia, 2008). Outro aspecto que chama a atenção é a quantidade considerável de veneno que são capazes de injetar. Os adultos alimentam-se de roedores pequenos, enquanto que os mais jovens têm nos pequenos lagartos e anfíbios seu prato principal. A ninhada geralmente se dá no início da estação chuvosa (16 a 20 filhotes). Além do Brasil, esta espécie também é encontrada no Paraguai, sudeste da Bolívia e nordeste da Argentina, na província de Misiones. 6 Este material deve ser utilizado apenas como parâmetro de estudo deste Programa. Os créditos deste conteúdo são dados a seus respectivos autores
  • 7. Figura 2: Mapa de ocorrência (esquerda) e imagem de Bothrops jararacussu. Fonte: Adaptado de FUNASA (2001). 2.1.3 – Bothrops alternatus DUMÉRIL & BIBRON, 1854 “urutu”, “cruzeira” Espécie ocorrente nas regiões Centro-Oeste (GO, MS), Sudeste (MG, SP) e Sul (PR, SC, RS) (Figura 3). Assim como a grande maioria das espécies pertencentes ao gênero Bothrops, B. alternatus apresenta hábitos diurno e noturno. Existem muitos relatos de indivíduos observados que apresentavam mais de 2 m de comprimento, embora o maior registro comprovadamente efetuado fora 169 cm (Wikipedia, 2008). O padrão de marcas característico torna esta espécie facilmente identificável. Os indivíduos que ocorrem no Brasil apresentam uma coloração escura com uma espécie de “V” invertido ao longo de todo o corpo, sendo estas marcas delimitadas por uma pequena listra branca (Figura 3). Pouco se conhece acerca da biologia reprodutiva desta espécie na natureza. Registros de indivíduos em cativeiro reportam o nascimento de 3 a 12 filhotes por ninhada. 7 Este material deve ser utilizado apenas como parâmetro de estudo deste Programa. Os créditos deste conteúdo são dados a seus respectivos autores
  • 8. Figura 3: Mapa de ocorrência (esquerda) e imagem de Bothrops alternatus. Fonte: Adaptado de FUNASA (2001). 2.1.4 – Ação e Sintomas do veneno das jararacas nas vítimas O veneno das jararacas possui ação proteolítica (edema local), hemorrágica e coagulante. Os principais sintomas observados nas vítimas são além da dor, inchaço no local da picada (edema), formação de bolhas (processo conhecido como equimose) e necrose celular. Em casos extremas, pode ocorrer o óbito causado por insuficiência renal. Além disso, secundariamente podem ocorrer infecções ocasionadas pelas bactérias que habitam a boca das jararacas. Nas figuras a seguir podemos observar os efeitos de acidentes envolvendo espécies pertencentes ao gênero Bothrops (Figuras 4, 5, 6 e 7). Cabe ainda ressaltar que existe uma diferença entre a ação do veneno dos filhotes e dos indivíduos adultos. No primeiro caso observa-se uma ação anti-coagulante enquanto que para os adultos, a ação mais comum é a lesão tecidual (proteolítica). 8 Este material deve ser utilizado apenas como parâmetro de estudo deste Programa. Os créditos deste conteúdo são dados a seus respectivos autores
  • 9. Figura 4: Sangramento no local da picada, já apresentando edema (Fonte IBAMA). Figura 5: Vítima de acidente botrópico já apresentando sinais de equimose (formação de bolhas) no braço direito (Fonte IBAMA). 9 Este material deve ser utilizado apenas como parâmetro de estudo deste Programa. Os créditos deste conteúdo são dados a seus respectivos autores
  • 10. Figura 6: Vítima de acidente botrópico mostrando leve edema na mão direita. Figura 7: Vítima de acidente botrópico apresentando necrose muscular extensa e exposição óssea (Fonte IBAMA). 2.1.5 – Classificação dos acidentes botrópicos quanto à gravidade e soroterapia recomendada A seguir veremos os procedimentos recomendados de acordo com as manifestações dos sintomas após a ocorrência do acidente botrópico (Tabela 1), salientando ainda que é sempre necessário buscar auxílio médico o quanto antes possível. 10 Este material deve ser utilizado apenas como parâmetro de estudo deste Programa. Os créditos deste conteúdo são dados a seus respectivos autores
  • 11. Tabela 1: Classificação dos acidentes botrópicos quanto à gravidade e soroterapia recomendada 2.2 – Gênero Lachesis Lachesis é um gênero de serpentes peçonhentas ocorrentes na América Central e América do Sul. Este gênero é formado por três espécies, das quais apenas Lachesis muta é encontrada no território brasileiro. Esta espécie está representada no Brasil por duas subespécies: Lachesis muta muta – Amazônia e América Central Lachesis muta rhombeata – Mata Atlântica (RN até RJ) Sua ocorrência abrange áreas florestais da Amazônia, Mata Atlântica e enclaves de Matas Úmidas no Nordeste do Brasil. Ocorre em áreas adjacentes a campos e clareiras, onde a freqüência de roedores é maior. São popularmente conhecidas como surucucu pico-de-jaca, surucucu, malha-de- fogo e ainda surucutinga. Em especial, a maior parte dos acidentes envolvendo serpentes do tem sido observada na região norte do Brasil. 11 Este material deve ser utilizado apenas como parâmetro de estudo deste Programa. Os créditos deste conteúdo são dados a seus respectivos autores
  • 12. 2.2.1 – Lachesis muta LINNAEUS, 1766 “surucucu”, “surucucu pico-de-jaca”, “surucutinga” Espécie ocorrente nas regiões Norte (AC, AM, AM, PA, RR, RO, TO), Centro-Oeste (MT), Nordeste (CE, PE, AL, SE, BA) e Sudeste (MG, RJ). Trata-se da maior serpente peçonhenta do continente Americano, podendo atingir até 3,5 m de comprimento. Esta espécie é ativa preferencialmente durante a noite. Trata-se de uma serpente que habita áreas florestais, o que torna rara a possibilidade de que seja avistada (Marques et al. 2001). Além disso, sua região natural de ocorrência possui baixa densidade de habitantes por km2 (Amazônia). Seu padrão de coloração, alternando manchas amarelas e pretas permite sua fácil distinção (Figura 8). Figura 8: Mapa de ocorrência (esquerda) e imagem de Lachesis muta. Fonte: Adaptado de FUNASA (2001). Sua alimentação, assim como para a maior parte das serpentes, inclui pequenos roedores e marsupiais. Durante o ataque, costuma dar o bote repetidas vezes e em casos extremos, para defesa, seu bote pode incluir também cabeçadas (Marques et al. 2001). 12 Este material deve ser utilizado apenas como parâmetro de estudo deste Programa. Os créditos deste conteúdo são dados a seus respectivos autores
  • 13. Possui dentição solenóglifa, com dentes anteriores ocos. Quando se sente acuada costuma vibrar a cauda repetidas vezes e esta geralmente corresponde a menos de 15% do comprimento de seu corpo. 2.2.2 – Ação e Sintomas do veneno de surucucu nas vítimas Alguns autores sugerem que esta espécie produz uma grande quantidade de veneno, considerado fraco quando comparado com o veneno de outras espécies. Ainda assim, para outros autores, não existe acurácia para que maiores conclusões acerca da intensidade do veneno possam ser obtidas. Quando picado por uma surucucu, a vítima apresenta diminuição na pressão arterial, diminuição da freqüência cardíaca, alteração da visão, inchaço e dor no local da picada, sangramentos na urina, gengiva e pele, diarréia, vômito e em casos mais extremos insuficiência renal. A espécie possui veneno de ação neurotóxica, com elevado potencial de letalidade. O soro que deve ser utilizado em caso de picada é o SAL/SABL – soro antilaquésico ou o antibotrópico-laquésico. A seguir veremos algumas figuras ilustrando os efeitos de acidentes envolvendo surucucus (Figuras 9 e 10). Figura 9: Vítima já apresentando necrose tecidual (Fonte IBAMA). 13 Este material deve ser utilizado apenas como parâmetro de estudo deste Programa. Os créditos deste conteúdo são dados a seus respectivos autores
  • 14. Figura 10: Índio amazônico mostrando amputação de dedos dos pés e necrose tecidual na perna direita após acidente ofídico envolvendo surucucu (Fonte IBAMA). 2.3 – Gênero Crotalus Crotalus é um gênero de serpentes peçonhentas pertencentes â família Viperidae. O gênero reúne espécies terrestres, com bote veloz que em média atinge aproximadamente um terço do corpo do animal. Estima-se que este gênero seja composto por mais de 30 espécies. Um aspecto interessante sobre as cascavéis é que estas não se desprendem totalmente de sua pele antiga: a cada troca de pele, um pequeno pedaço permanece enrolado na ponta da cauda, como se fosse um anel. À medida que os anos vão passando, estes pequeno pedaços ressecados de pele formam o que conhecemos por guizos, que emitem um barulho bem característico, quando o animal está vibrando a cauda. Erroneamente estima-se a idade da cobra pelo número de anéis em seu chocalho. Na verdade este número representa quantas vezes aquele indivíduo trocou de pele. O 14 Este material deve ser utilizado apenas como parâmetro de estudo deste Programa. Os créditos deste conteúdo são dados a seus respectivos autores
  • 15. som emitido pelo guizo tem como principal função advertir a presença da cascavel e dessa forma afugentar possíveis predadores. A espécie que apresenta maior distribuição geográfica é Crotalus durisseus, única representante do gênero no Brasil. 2.3.1 – Crotalus durissus LINNAEUS, 1758 “cascavel”, “cascavel-de-quatro-ventas”, “boicininga”, “maracabóia”, “boiquira” Crotalus durissus é encontrada desde o México até a Argentina. Os machos atingem em média aproximadamente 1,5 m de comprimento, apresentando as fêmeas geralmente um porte menor. Sua coloração é marcada por losangos escuros, dispostos verticalmente, margeados por uma tonalidade mais clara. O dorso da cauda é de cor escura apresentando pequenas barras de mesmo tom, dispostas na vertical. O ventre é mais claro (Figura 11). Com excessão da Floresta Amazônica (embora em áreas abertas sua presença já tenha sido verificada) ocorre em praticamente em todo o território brasileiro, excetuando ainda a Zona da Mata e regiões litorâneas. Segundo Marques et al. (2001), a presença da cascavel em áreas de Mata Atlântica deve-se principalmente ao desmatamento, uma vez que trata-se de uma espécies de locais secos e de clima quente. Habitualmente, indivíduos de Crotalus durissus não têm o ataque como hábito, sendo que o fato de balançar a cauda é justamente uma estratégia para evitar o confronto, que seja com um possível predador, quer seja com o ser humano. Os indivíduos adultos se alimentam de pequenos mamíferos e aves, enquanto que os jovens preferencialmente se alimentam de lagartos. Esta serpente é responsável por aproximadamente 10% dos acidentes ofídicos devidamente registrados para o Brasil (FUNASA, 2001). Esta espécie está representada no Brasil por cinco subespécies. A seguir são listadas as subespécies e suas respectivas regiões de ocorrência no Brasil. 15 Este material deve ser utilizado apenas como parâmetro de estudo deste Programa. Os créditos deste conteúdo são dados a seus respectivos autores
  • 16. • Crotalus durissus terrificus – se distribui pelo Sul do Brasil, chegando em casos extremos até o MT, AM, RO e PA. • Crotalus durissus cascavella – serpente encontrada em áreas de caatinga, podendo atingir comprimento superior a 1,6 m. • Crotalus durissus collilineatus – ocorrente nos estados de SP, MS, MT, MG, DF e GO. • Crotalus durissus ruruima – encontrada no estado de RR, ocorrente em áreas de savana. Sobre esta variedade, chama a atenção o fato de que os soros anticrotálicos comerciais não são capazes de neutralizar a ação de seu veneno. • Crotalus durissus marajoensis – trata-se da sub-espécie menos conhecida, ocorrendo somente na Ilha de Marajó/PA, em áreas abertas. Figura 11: Crotalus durissus, chamando a atenção para o padrão de coloração (A) e para a cauda, mostrando o guizo ou chocalho (B). Fonte: Adaptado de FUNASA (2001). 16 Este material deve ser utilizado apenas como parâmetro de estudo deste Programa. Os créditos deste conteúdo são dados a seus respectivos autores
  • 17. 2.3.2 – Ação e Sintomas do veneno das cascavéis nas vítimas O veneno da Cascavel tem ação proteolítica, causando um edema no local da picada. Além disso, a vítima pode apresentar visão dupla e aspecto de sonolência (Ptose palpebral e face miastênica), língua prostrada (para fora da boca), a urina pode apresentar coloração escura e apresentar diminuição e até paralisação total de sua produção, o que pode ser indicativo de insuficiência renal de caráter agudo. Além disso, o veneno da cascavel possui cerca de 60% de uma proteína chamada de crotoxina. Esta proteína quando entra no corpo da vítima inibe gradualmente a movimentação muscular, e caso não haja tratamento adequado em tempo hábil (máximo 6 horas após a picada) a vítima pode parar de respirar. Nas figuras a seguir podemos observar os efeitos de acidentes envolvendo Crotalus durissus (Figuras 12 e 13). Figura 12: Indivíduo apresentando ptose palpebral (A) e face miastênica (B) após acidente ofídico envolvendo Crotalus durissus. Fonte: IBAMA. 17 Este material deve ser utilizado apenas como parâmetro de estudo deste Programa. Os créditos deste conteúdo são dados a seus respectivos autores
  • 18. Figura 13: Vítima de acidente crotálico apresentando leve edema na mão direita (Fonte: IBAMA). 2.4 – Gênero Micrurus No continente americano a família Elapidae está formada por 61 espécies, das quais 57 pertencem ao gênero Micrurus (Serafim et al., 2007). Este gênero distribui-se desde o sul dos Estados Unidos até a Argentina (Melgarejo, 2003). No Brasil até o presente momento foram registradas 22 espécies pertencentes à família Elapidae. O gênero Micrurus compreende 18 espécies, apresentando porte de pequeno a médio, com indivíduos me geral não ultrapassando 1 metro de comprimento. Caracteristicamente apresentam ao longo do corpo anéis vermelhos, pretos e brancos em combinações variadas. Na Amazônia e limites, já foram encontradas corais de cor marrom-escura, apresentado em seu ventre manchas avermelhadas. No gênero Micrurus observa-se dois grupos distintos, separados pelo padrão de distribuição dos anéis bem como por características morfológicas (Serafim et al., 2007). Entre as espécies ocorrentes no território brasileiro, a maior parte dos acidentes envolvendo o gênero Micrurus é verificada para Micrurus corallinus e Micrurus frontalis. 18 Este material deve ser utilizado apenas como parâmetro de estudo deste Programa. Os créditos deste conteúdo são dados a seus respectivos autores
  • 19. 2.4.1. Micrurus corallinus MERREM, 1820 “cobra-coral”, “coral-verdadeira”, “ibiboboca”, “boicorá” Micrurus corallinus é uma espécie ocorrente nas regiões Centro-Oeste (MS), Sudeste (MG, ES, RJ, SP) e Sul (PR, SC, RS) do Brasil. Trata-se de uma espécie com hábitos diurnos, com comprimento variando entre 50 centímetros e 1 metro. Trata-se de uma serpente comum, com grandes chances de visualização. Sua coloração é marcada por anéis pretos margeados por anéis brancos de menor espessura, e também por vermelho marcante entre os anéis (Figura 14). Trata-se de uma serpente pouco agressiva que somente ataca quando se sentir acuada. Apresenta como estratégia de defesa, o hábito de enrolar-se para esconder a cabeça, pode mudar repentinamente de postura e dificilmente se arma para dar o bote (Marques et al. 2001). Possui cauda curta, que corresponde em média a 15% de seu comprimento total. Caracteristicamente vive no solo, escondendo-se sob a serapilheira, habitando buracos e ocos em troncos caídos e árvores, preferencialmente em ambientes florestais e próximas a cursos d’água. Figura 14: Mapa de ocorrência e imagem de Micrurus corallinus. Fonte: Adaptado de FUNASA (2001). 19 Este material deve ser utilizado apenas como parâmetro de estudo deste Programa. Os créditos deste conteúdo são dados a seus respectivos autores
  • 20. Um aspecto que chama a atenção sobre as cobras-corais é que estas possuem dentição proteróglifa, ou seja, está situada na porção anterior da boca (Figura 15). Isso significa que ao invés de picar esta espécie morde suas presas, sendo o mesmo verdadeiro para Micrurus frontalis. Figura 15: Detalhe de cabeça mostrando serpente com dentição proteróglifa, indicando com a seta dentição por onde o veneno é injetado nas vítimas. 2.4.2 – Micrurus frontalis BIBRON & DUMÉRIL, 1854 “cobra-coral”, “coral”, “boicorá” Micrurus frontalis é uma espécie que no Brasil é encontrada nas regiões Norte (sul de TO), Centro-Oeste (MT, MS, GO, DF), Nordeste (Oeste da BA), Sudeste (MG, SP, RJ), e Sul (PR, SC, RS). Trata-se de uma espécie com hábitos diurnos, sendo encontrada principalmente em áreas abertas, como campo e cerrados. Sua coloração é marcada por anéis brancos, ladeados por anéis pretos de mesma espessura, sendo que entre estes se observa também um vermelho marcante, característico das serpentes popularmente conhecidas como corais (Figura 16). Trata-se de uma serpente pouco agressiva, sendo que a maior parte dos acidentes envolvendo esta espécie ocorrem quando se tenta manuseá-la, em geral por pessoas sem experiência. Da mesma forma que Micrurus corallinus sua dentição é proteróglifa (Figura 15), o que faz com que tenha que morder suas vítimas ao invés de picá-las. 20 Este material deve ser utilizado apenas como parâmetro de estudo deste Programa. Os créditos deste conteúdo são dados a seus respectivos autores
  • 21. Figura 16: Mapa de ocorrência e imagem de Micrurus frontalis. Fonte: Adaptado de FUNASA (2001). O comportamento desta espécie chama a atenção pelo fato de que quando molestada, instintivamente enrola-se e esconde a sua cabeça, levantando e enrolando a cauda para distrair quem a ameaça, passando a impressão que sua cabeça que realiza tal movimento. Espécie de hábito subterrâneo, sendo encontrada também entre o folhiço, habitando troncos em estado de decomposição, sendo observada também entre pedras e raízes. Em todo o território brasileiro ocorrem serpentes não-peçonhentas que apresentam padrão de coloração similar ao das corais verdadeiras, porem estas espécies não apresentam dentes inoculadores. Também é possível, em alguns casos, diferenciá-las pela configuração dos anéis, que nas falsas-corais não envolvem a circunferência corporal de forma completa. 21 Este material deve ser utilizado apenas como parâmetro de estudo deste Programa. Os créditos deste conteúdo são dados a seus respectivos autores
  • 22. 2.4.3 - Ação e Sintomas do veneno das corais nas vítimas Caracteristicamente observa-se que no local onde ocorreu a picada não se observa nenhuma alteração acentuada. As vítimas em geral apresentam visão-dupla ou borrada, aspecto sonolento (face miastênica) e pálpebras caídas. Em casos extremos pode se observar nas vítimas insuficiência respiratória e salivação. O soro antiofídico utilizado em caso de acidentes envolvendo corais verdadeiras é o soro antielapídico. Nas figuras a seguir podemos observar os efeitos de acidentes envolvendo vítimas de acidentes com cobras corais (Figuras 17 e 18). Figura 17: Indivíduos picados por cobra-coral apresentando face miastênica. Fonte IBAMA. Figura 18: Indivíduo apresentando pequeno edema no local de ocorrência de acidente ofídico envolvendo Micrurus corallinus. Fonte: IBAMA. 22 Este material deve ser utilizado apenas como parâmetro de estudo deste Programa. Os créditos deste conteúdo são dados a seus respectivos autores
  • 23. Existem ainda outras espécies de serpentes peçonhentas pertencentes ao gênero Micrurus com as quais se observam acidentes ofídicos (Figura 19). Figura 19: Outras espécies de cobra coral com as quais se verificam acidentes ofídicos: A) Micrurus leminiscatus; B) Micrurus spixii e C) Micrurus ibiboboca. Fonte: Adaptado de FUNASA (2001). 2.5 – Dicas para a identificação de Serpentes Peçonhentas As Serpentes Peçonhentas apresentam algumas características que permitem que sejam até de certa forma, facilmente distinguidas das espécies não-peçonhentas. Veremos a seguir quais características são estas: a) Fosseta Loreal A fosseta loreal é um órgão é um órgão termorreceptor, se caracterizando como um pequeno orifício entre a narina e os olhos das serpentes peçonhentas (Figura 20). A presença desta estrutura indica seguramente que trata-se de uma serpente peçonhenta, sendo observada nos gêneros Bothrops, Lachesis e Crotalus. 23 Este material deve ser utilizado apenas como parâmetro de estudo deste Programa. Os créditos deste conteúdo são dados a seus respectivos autores
  • 24. Figura 20: Seta indicando a fosseta loreal em uma serpente pertencente ao gênero Bothrops. b) Cauda De uma forma geral, observa-se que nas serpentes peçonhentas o afilamento da cauda ocorre de maneira abrupta ao contrário das serpentes não-peçonhentas, cuja cauda possui um padrão gradual de afilamento. Através da cauda, é possível ainda fazer a distinção entre os três principais gêneros de serpentes peçonhentas, como veremos na figura a seguir (Figura 21). Figura 21: Distinção entre o formato da cauda nos três principais gêneros de serpentes peçonhentas do Brasil: Bothrops (jararacas), Crotalus (cascavéis) e Lachesis (surucucus). 24 Este material deve ser utilizado apenas como parâmetro de estudo deste Programa. Os créditos deste conteúdo são dados a seus respectivos autores
  • 25. c) Outras dicas importantes Serpentes peçonhentas possuem a cabeça de forma triangular, bem destacada do corpo, o que não acontece com as serpentes inofensivas. Serpentes não peçonhentas possuem pupilas grandes e arredondadas. Já as serpentes venenosas possuem olhos pequenos e pupilas em forma de fenda. A cobra-coral (Micrurus spp.), apesar de ser uma serpente peçonhenta, possui todas as características de uma serpente não-peçonhenta, como ausência de fosseta loreal e pupila em forma de fenda. Entretanto, seu típico padrão de coloração permite sua fácil identificação, como podemos observar na figura a seguir (Figura 22). Figura 22: Cobra-coral, apresentando típico padrão de listras ao longo do corpo. 2.6 – Estatísticas Estima-se que anualmente sejam notificados aproximadamente 100.000 casos de acidentes ofídicos no Brasil (Brasil, 2001). Entre as regiões brasileiras, o maior coeficiente de incidência é verificado para a região Centro-Oeste, conforme se observa na tabela a seguir (Tabela 1): 25 Este material deve ser utilizado apenas como parâmetro de estudo deste Programa. Os créditos deste conteúdo são dados a seus respectivos autores
  • 26. Tabela 1: Coeficiente de ocorrência de acidentes com serpentes peçonhentas (por 100.000 habitantes), de 1990 a 1993*. Região 1990 1991 1992 1993 Brasil 13,78 13,30 14,08 13,94 Norte 24,44 23,23 23,77 25,89 Nordeste 6,77 6,71 6,23 7,65 Centro-Oeste 34,75 28,36 37,98 32,13 Sudeste 13,15 13,24 12,92 12,34 Sul 15,35 15,11 17,52 16,83 * Dados mais atualizados disponibilizados pela FUNASA (2001). Ainda assim, levando em conta o tamanho das populações nas diferentes regiões do Brasil, verifica-se que o maior número exato de acidentes ofídicos ocorre na região Sudeste, que por sua vez é a região mais populosa do país (Figura 23). Figura 23: Participação de cada região no percentual total de acidentes ofídicos verificados no Brasil. Fonte: FUNASA (2001). De uma forma geral, cerca de 80% das picadas promovidas por serpentes peçonhentas em seres-humanos, atinge os pés e pernas abaixo dos joelhos, enquanto 26 Este material deve ser utilizado apenas como parâmetro de estudo deste Programa. Os créditos deste conteúdo são dados a seus respectivos autores
  • 27. que o restante concentra-se nos braços e mãos. De uma forma geral, verifica-se que justamente em meses nos quais se observa um aumento nas atividades humanas relacionadas com o campo. Isso faz com que nas regiões Sul, Centro-Oeste e Sudeste a maior concentração de acidentes ofídicos se observe entre os meses de setembro a março, enquanto que no nordeste os acidentes aumentam entre janeiro e maio e na região norte ocorrem de forma uniforme ao longo do ano (Funasa, 2001). Cerca de 70% dos acidentes envolvendo serpentes peçonhentas, ocorre com o gênero Bothrops, ou seja, as serpentes popularmente conhecidas como jararacas. Poucos são os casos em que uma picada de cobra pode levar ao óbito do atingido. No período entre os anos de 1990 e 1993, o percentual de mortes envolvendo pessoas picadas por serpentes peçonhentas foi inferior a 1%. Entretanto, chama a atenção o fato de que o maior índice de óbitos fora observado para os acidentes envolvendo cascavéis (Crotalus). Na maior parte dos óbitos, entre a ocorrência da picada e o atendimento decorreram mais de 6 horas. 2.7 – Prevenindo acidentes com Serpentes Peçonhentas Como bem sabemos, a maior parte dos acidentes ofídicos ocorre em áreas rurais. Embora poucas pessoas saibam disso, nem mesmo os proprietários rurais, conforme estabelecido na Norma Reguladora Rural n° 4, todo funcionário rural tem direito a receber proteção para as pernas, braços, mãos e pés, sendo dever do empregador oferecer tais equipamentos gratuitamente para os seus empregados. Existem alguns cuidados que devem ser tomados e que podem contribuir significativamente para a redução de acidentes envolvendo serpentes peçonhentas: Utilize somente botas de cano longo ou senão botinas protegendo as pernas com perneiras. Luvas de raspa devem proteger as mãos e mangas de proteção devem proteger os braços (Figura 24); 27 Este material deve ser utilizado apenas como parâmetro de estudo deste Programa. Os créditos deste conteúdo são dados a seus respectivos autores
  • 28. Figura 24: Ilustração sobre equipamentos de proteção adequados para o trabalho em zonas rurais. Fonte: FUNASA (2001). Segundo dados disponibilizados pela FUNASA (2001), como a maior parte dos acidentes ofídicos ocorrem nas pernas, o uso de botas pode reduzir até 80% destes acidentes. Para se ter idéia, o uso de sapatos já promove redução estimada em 30% no número de acidentes. Manter o entorno da residência sempre limpo, sem entulhos, por exemplo, contribui para evitar a presença de serpentes nos arredores das moradias, uma vez que evitam a aproximação de ratos, a alimentação preferida das serpentes. Antes de remexer qualquer monte de folhas em algum buraco, entre pedras, ocos situados em troncos, devemos sempre utilizar o pedaço de madeira ou graveto antes de qualquer 28 Este material deve ser utilizado apenas como parâmetro de estudo deste Programa. Os créditos deste conteúdo são dados a seus respectivos autores
  • 29. procedimento, o que contribui muito para evitar acidentes (Figura 25). Figura 25: Antes de mexer em qualquer lugar, “cutuque” com um galho antes. (Fonte: FUNASA (2001). Frestas sob portas, vãos em janelas e principalmente em muros devem sempre ser tapados. Jamais tente manusear uma serpente se você não tiver prática. Devemos sempre entender que as serpentes desempenham importante papel no equilíbrio dos ecossistemas. Por isso, jamais agrida uma serpente se esta não estiver realmente incomodando. Caso você esteja no campo e encontrar alguma serpente, procure não fazer nada, pois a tendência é que ela siga os eu caminha naturalmente. 2.8 – Como proceder em caso de acidente envolvendo uma serpente peçonhenta Mesmo sendo uma pessoa prevenida e tendo tomado todos os cuidados necessários para se evitar qualquer acidente ofídico, acidentes podem acontecer. Em caso da ocorrência de um acidente envolvendo serpentes peçonhentas, devem-se tomar os seguintes cuidados: 29 Este material deve ser utilizado apenas como parâmetro de estudo deste Programa. Os créditos deste conteúdo são dados a seus respectivos autores
  • 30. Jamais amarre a perna ou braço onde ocorreu a picada. Embora muito difundido popularmente, o torniquete (conhecido também como garrote) dificulta a circulação, o que por sua vez pode ocasionar necrose ou gangrena e mesmo assim, não impede de maneira alguma que o veneno seja absorvido (Figura 26). Figura 26: Embora a prática do torniquete seja muito difundida, não é aconselhável que se efetua tal procedimento em caso de acidente ofídico. Fonte: FUNASA (2001). Algumas pessoas acreditam que realizar pequenos cortes no entorno da região atingida durante a picada, poderá fazer com que o veneno seja retirado. Na verdade, estes cortes poderão provocar em casos extremos até hemorragia e o veneno de maneira alguma será eliminado através destes cortes (Figura 27). Também de nada adiantará sugar o local da picada, uma vez que é totalmente impossível retirar o veneno através de tal procedimento. A sucção pode piorar o local da picada, 30 Este material deve ser utilizado apenas como parâmetro de estudo deste Programa. Os créditos deste conteúdo são dados a seus respectivos autores
  • 31. promovendo aumento do edema. Não coloque pó de café, querosene, terra ou qualquer outra substância sobre o local da picada. Figura 27: Realizar pequenos cortes no entorno do local da picada, não ameniza a ação do veneno. Fonte IBAMA. Não de nada para o acidentado beber. Apenas deixe-o em repouso e mantenha a parte atingida o mais elevada possível. Dessa forma, a circulação será menos intensa no local da picada e quanto mais calma a vítima estiver, mais devagar o veneno irá circular pelo seu corpo (Figura 28). Figura 28: Mantenha o membro atingido pela picada o mais elevado possível. Fonte: FUNASA (2001). 31 Este material deve ser utilizado apenas como parâmetro de estudo deste Programa. Os créditos deste conteúdo são dados a seus respectivos autores
  • 32. Leve o acidentado o quanto antes para o Posto de Saúde mais próximo do local do acidente. Caso você não tenha certeza qual espécie picou o acidentado, uma alternativa seria levar a cobra até o posto, de preferência morta, uma vez que o soro deve ser específico para a espécie que o picou. 3. Outras serpentes importantes Além das espécies que estudamos ao longo deste manual, existem outras espécies que habitam matas, campos e florestas de todo o Brasil e que apresentam riscos em caso de ocorrência de acidente ofídico. A seguir apresentamos algumas imagens (Figuras 29, 30, 31 e 32) destas espécies e que podem auxiliar em sua correta identificação, quando necessário. Figura 29: Bothrops moojeni (caiçaca), espécie ocorrente nos estados do MS, PR, SP. GO, DF, MG, TO e MA. Fonte: FUNASA (2001). 32 Este material deve ser utilizado apenas como parâmetro de estudo deste Programa. Os créditos deste conteúdo são dados a seus respectivos autores
  • 33. Figura 30: Bothrops atrox (caiçaca), espécie ocorrente nos estados do MT, AM, PA, MA, AP, AC, RO e RR. Fonte: FUNASA (2001). Figura 31: Bothrops erythromelas (jararaca da seca), espécie ocorrente especialmente em áreas de Caatinga, nos estados do PI, CE, RN, PB, PE, SE, Al, BA e MG. Fonte: FUNASA (2001). 33 Este material deve ser utilizado apenas como parâmetro de estudo deste Programa. Os créditos deste conteúdo são dados a seus respectivos autores
  • 34. Figura 32: Bothrops neuwiedi (jararaca-pintada), espécie de ampla distribuição nas regiões Sul, Sudeste, Nordeste, Centro-Oeste e na região Norte encontrada nos estados do TO, PA, RO e AM. Fonte: FUNASA (2001). 4. Telefones Úteis Como vimos o primeiro procedimento em caso de acidente ofídico envolvendo serpentes peçonhentas, é conduzir a vítima até o Posto de Saúde ou Hospital mais próximo. Maiores informações podem ser obtidas nos seguintes endereços (Fonte: FUNASA (2001): REGIÃO NORTE 34 Este material deve ser utilizado apenas como parâmetro de estudo deste Programa. Os créditos deste conteúdo são dados a seus respectivos autores
  • 35. REGIÃO NORDESTE 35 Este material deve ser utilizado apenas como parâmetro de estudo deste Programa. Os créditos deste conteúdo são dados a seus respectivos autores
  • 36. 36 Este material deve ser utilizado apenas como parâmetro de estudo deste Programa. Os créditos deste conteúdo são dados a seus respectivos autores
  • 37. REGIÃO SUDESTE 37 Este material deve ser utilizado apenas como parâmetro de estudo deste Programa. Os créditos deste conteúdo são dados a seus respectivos autores
  • 38. REGIÃO SUL 38 Este material deve ser utilizado apenas como parâmetro de estudo deste Programa. Os créditos deste conteúdo são dados a seus respectivos autores
  • 39. REGIÃO CENTRO-OESTE -----------------FIM DO MANUAL----------------- 39 Este material deve ser utilizado apenas como parâmetro de estudo deste Programa. Os créditos deste conteúdo são dados a seus respectivos autores
  • 40. Bibliografia Consultada FUNASA. 2001. Manual de Diagnóstico e Tratamento de Acidentes por Animais Peçonhentos. Ministério da Saúde. 120 p. IBAMA. Acidentes por serpentes peçonhentas (Disponível em: www.ibama.gov.br / Acesso em 30/12/2008). Marques, O. A. V.; Eterovic, A. & Sazima, I. 2001. Serpentes da Mata Atlântica: Guia Ilustrado para a Serra do Mar. Ed. Holos. 185 p. Serafim, H.; Peccinini-Seale, D. M. & Batistic, R. F. 2007. Estudo cariotípico de duas serpentes brasileiras do gênero Micrurus (Ophidia, Elapidae). Biota Neotropica v. 7, n. 1 (http://www.biotaneotropica.org.br/v7n1/pt/abstract?article+bn01607012007). 40 Este material deve ser utilizado apenas como parâmetro de estudo deste Programa. Os créditos deste conteúdo são dados a seus respectivos autores