Exemplo de questões

125 visualizações

Publicada em

0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
125
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
1
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
1
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Exemplo de questões

  1. 1. OBJETIVO: Desenvolver atividades que visam oferecer subsídios para planejar e desenvolver práticas pedagógicas inovadoras, com o uso das TIC, em sala de aula.
  2. 2. OBJETIVOS DE APRENDIZAGEM (1). Conhecer atividades que abordam questões exploratórias. (2). Refletir sobre as atividades diárias realizadas em sala de aula. (3). Reelaborar atividades estimulando as questões exploratórias.
  3. 3. Exemplo de questões exploratórias DESCRIÇÃO: – Alunos do 4º ano iniciam o estudo sobre o CALOR.
  4. 4. Questões Exploratórias  A professora destas crianças, ao invés de iniciar sua aula definindo o que é calor, como usualmente fazia, decidiu perguntar a elas o que achavam ser o calor.  Os alunos trouxeram várias ideias: (o calor vem do sol; vem dos nossos corpos; vem dos blusões de lã) e todos concordavam.  Um aluno lembrou que gorros e mantas também são muito quentes e assim começaram a aparecer as concepções ingênuas que as crianças tinham, naquele momento.
  5. 5. Concepções Ingênuas  Estas concepções foram construídas ao longo de 9 ou 10 invernos, durante os quais essas crianças, provavelmente, ouviram os adultos, inúmeras vezes, pedindo que vestissem "roupas quentes".  Assim, cada blusão de lã ou cachecol, usados para manterem-se aquecidas, auxiliou estas crianças a pensarem de determinado modo sobre o que é o calor e quando chegaram à escola já tinham algumas ideias intuitivamente construídas sobre isso.  Essas ideias são consideradas concepções ingênuas porque entram em choque com o conceito de calor, cientificamente elaborado  Ao invés de contradizer essas ideias, a professora propôs que as crianças pensassem sobre como poderiam testá-las, para colocá-las à prova.
  6. 6. Testando as hipóteses  No primeiro dia, as crianças colocaram termômetros dentro de blusões de lã, gorros e mantas, mas, mesmo depois de 15 minutos embrulhados nestas peças, os termômetros não acusaram mudanças.  Um dos alunos sugeriu, então, que isso poderia estar acontecendo em função do curto tempo de permanência deles dentro das peças e completou: "- Quando o médico mede nossa temperatura precisamos deixar o termômetro na boca por bastante tempo."  Os colegas, que também já haviam passado por esta situação (experiência pessoal), concordaram imediatamente e tiveram a ideia de deixar os termômetros bem enrolados dentro destas roupas durante toda a noite.  Previram temperaturas altíssimas.
  7. 7. Novos testes  Na manhã seguinte, as crianças ficaram confusas ao examinarem os termômetros e constatarem que suas previsões não se cumpriram, que estavam erradas.  A professora, por sua vez, pensou que agora elas mudariam sua forma de pensar e ela poderia, finalmente, iniciar suas aulas sobre calor.  As crianças, no entanto, não desistiram de suas ideias e logo encontraram outras explicações para a falha nas suas previsões: (talvez não tenham fechado as roupas adequadamente em volta dos termômetros; talvez um vento frio tenha entrado na sala de aula durante a noite e de algum modo também entrou nas roupas; os termômetros poderiam estar estragados...)
  8. 8. Certezas Provisórias  No terceiro dia as crianças apressaram-se para ver o resultado de suas experiências, mas, uma vez mais, ao desempacotarem as peças constataram que os termômetros marcavam uniformemente a mesma temperatura.  A professora solicitou às crianças que escrevessem em seus diários o que achavam dos resultados e como poderiam explicá-los.  Após alguns momentos de discussão, a professora percebeu que seus alunos estavam desequilibrados: suas teorias não davam conta de explicar os fatos e eles não tinham nenhuma nova teoria para substituir a antiga.
  9. 9. Refletindo sobre suas hipotéses.  A professora, vendo crianças confusas, decidiu-se por oferecer-lhes a possibilidade de escolherem uma entre duas ideias possíveis: − Escolha A : o calor pode vir de quase qualquer coisa, incluindo blusões de lã, mantas e chapéus. No entanto, quando queremos medir seu calor somos, às vezes, enganados porque medimos o ar frio que está dentro deles. − Escolha B : o calor, em grande parte, vem do sol e de nossos corpos e fica preso dentro da roupa de inverno. A roupa mantém o calor do nosso corpo dentro dela e mantém o ar frio fora.  Os alunos anotaram suas escolhas em seus diários e depois a professora lhes perguntou como poderiam testar esta nova teoria.
  10. 10. Novas possibilidades de respostas.  Uma das alunas, convencida pela experiência de que "roupa quente" não é realmente quente e que o calor que parece vir dela vem do corpo, sugeriu colocarem os termômetros em gorros, enquanto os usavam. Neste experimento o termômetro registrou valores mais altos, indicando que a aluna estava no caminho certo.  Como podemos constatar, só depois de esgotadas todas as possibilidades, as crianças começaram a duvidar de suas ideias e se mostraram abertas para começarem a pensar na possibilidade de que roupas de lã não são fonte de calor, como pensavam ser, até então.
  11. 11. DESAFIOS  Ainda falando em calor, neste, vídeo vocês identificam aspectos que induzem compreensões contrárias as da ciências?
  12. 12. REFERÊNCIAS Imagens retiradas do Google Image Texto do curso de Formação de Professores do Projeto UCA

×