Além das estrelas - Andreia Tonetto

347 visualizações

Publicada em

Um conto escrito por uma blogueira Andreia Tonetto do Reescrevendo Gostos.

Publicada em: Estilo de vida
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
347
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
6
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
2
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Além das estrelas - Andreia Tonetto

  1. 1. Conto: Além das estrelas Autora: Andreia Tonetto. Capítulo I As réstias do sol invadiam o interior da casa. Os rastros deixados pela poeira ficavam evidentes no móvel antigo que estava na sala, era um velho sofá vermelho com um estofado mais antigo, um antigo presente de casamento. Era em torno das 8 da manhã e em uma poltrona antiga, mas em bom estado, via-se uma senhora, com pouco mais de 70 anos. Minha curiosidade foi despertada, quando decidi me aproximar da tal figura que olhava atentamente para o próprio colo e que, sem eu entender nada, me aproximei toque seu ombro e vi um antigo álbum de fotos que apesar de tanto tempo que elas haviam sido tiradas, ainda estavam conservadas pelo tempo e pela lembrança que aquela velha senhora carregava no olhar e nos pensamentos. Antes de voltar para a realidade em que me encontrava, parei para pensar em todas as histórias que ela deve ter vivido, pelas lembranças tão vivas que ainda deveriam estar mantidas em sua memória, e pela maneira tão carinhosa que ela tocava tais imagens, percebi que ela o amou mais do que qualquer coisa neste mundo. Quando toquei seu ombro, pude ver uma lágrima cair de seus olhos, talvez aquela houvesse sido a primeira vez que eu a via chorar, mas em suas lágrimas existiam muito mais do que apenas gotículas de água, existiam sentimentos, existia saudade, existia vontade de poder voltar a viver tudo aquilo que pode viver a vida toda. Quando me viu aproximar, abriu um largo sorriso, para tentar ocultar a cena que eu havia visto há pouco. Ainda com os olhos úmidos, fez sinal para que eu me sentasse ao seu lado, como se quisesse me contar algo. Quando sentei, vi que me admirava de tal maneira, como se ela estivesse buscando em mim, as primeiras palavras para iniciar uma longa conversa. Olhei em direção ao álbum antigo que segurava nas mãos e com apenas um olhar, eu já havia entendido seu sinal de aprovação, para que eu pudesse ver as fotos que nele continham. Enquanto eu observava cada lembrança fotografada mantinha a atenção nela, que sorria sem parar olhando para o próprio colo. -Ele foi a pessoa mais importante de toda a minha vida, disse sorrindo. Fiquei admirada ao ouvir sua voz pela primeira vez em tanto tempo, e mais ainda, ao ver seu sorriso brotar com tanta facilidade apenas ao mostrar a foto de um rapaz, e acredito que ao lado dele, estava ela quando ainda era jovem. Dentro daquele velho álbum, havia um envelope que continha algumas poucas palavras: -“Para a minha doce Mel, de seu eterno amor.” Dentro do envelope, continha uma série de cartas, que vieram a se tornar o desfecho dessa história. Mas antes que eu pudesse as ler, comecei a voltar no tempo, e me deparei com a voz daquela senhora e com ela, as primeiras palavras da sua própria história. Capítulo II
  2. 2. Haviam se passado tantos meses depois da última decepção, talvez aquilo deva ter sido o início de uma grande felicidade, mas no momento, talvez não passasse de palavras amargas. Os dias foram difíceis, até ela encontrar forças em algo, para ser exato, em alguém, e esse alguém perdurou ao seu lado, pelo resto da sua vida, pelo para sempre que os dois haviam criado. Qualquer pessoa normal que lesse essa história diria que seria mais uma história de amor banal e qualquer, mas digo que quem não ama de verdade, ou quem não conhece o amor fora das definições escritas, não é digno de ler uma obra prima, que é uma história de amor. Talvez eu pensasse que era difícil encontrar alguém que nunca tivesse experimentado o que era entregar-se de corpo, alma e coração á alguém. Imaginei de tudo, até entender que é possível tudo ser provável ou improvável, afinal a resposta está apenas nos olhos de quem vê, por isso existe diversos ponto de vistas. Quando dei por mim, estava sozinha tentando colar os cacos do meu coração, em um mundo onde não há parada alguma para facilitar minha vida. Mas que importa?Hoje estou tão bem que nem parece que um dia eu já estive mal. A resposta era tão simples e se concentrava apenas nele. Posso dizer que ele estava um pouco invisível amorosamente para mim, e poderia unicamente segurar suas mãos como dois velhos amigos, e por um longo tempo, foi assim, pois era como se houvesse um escudo ao seu redor e que quando eu me aproximava, emitia um alerta: “Apenas amigos.” Eu sabia bem que o amava, e sentia esse amor em eu crescer, mas o problema foi quando a fica caiu e a verdadeira realidade apareceu, eu o amava. Meu Deus fui tomada por algo tão bom, que percorria todos as partes de meu corpo, iam e voltavam, como uma corrente elétrica. Acho que eu estava eletricamente apaixonada. Fiquei tão feliz por saber que o amava que o amei o tempo todo, mas demorei em perceber. Foi quando eu percebi que o amor merece os mesmo cuidados de uma flor. Ele chega devagar tomando parte por parte, mínimos detalhes, até se alastrar completamente. Naquele instante, nada mais importava afinal eu amava meu melhor amigo, até muitas coisas tomarem conta de meus pensamentos. Capítulo III Bastaram alguns momentos para que tantas coisas “turbilhassem” meus pensamentos. Primeiro, que a promessa que eu havia feito para mim mesma havia sido quebrada, pois eu estava decidida a não amar novamente, nem que seja um pouco e nem mesmo me importar. Mas eu falhei. Segundo, que eu ainda estava na estaca zero: Sem movimento, sem ação e reação, sem você e sem saber o que fazer.Pobre de mim, naquele momento havia mais dúvidas em mim, do que no coração de todos os apaixonados de todo o mundo.
  3. 3. Você estava comigo, mas não do jeito que eu queria e que eu precisasse que você estivesse. Mas esse, era apenas o primeiro dos problemas, afinal, eu já o amava e muito, mas sabia que eu não era a menina dos seus olhos ainda e não sabia se um dia eu seria. O desânimo me agarrou e mais uma vez eu sofri calada. O pior de tudo seria imaginar sua reação ao descobrir o sentimento que a cada dia que se passava, eu nutria-lo por você. Mas nada poderia ser pior do que aquela angustia. Mas tudo começou a mudar quando você pediu para pensar em nós dois, e naquilo tudo. Fiquei maravilhada e confiante para poder lhe dizer tudo, porém aguardar até o outro dia para dizer tudo, não seria problema se eu não tivesse pensado noites e noites antes em cada palavra que seria usada. A noite passou, amanheceu, pensei muito mais em nós, será isso possível?Sim, isso foi o necessário para eu poder dormir ou pelo menos tentar, como se fosse um jeito de saciar essa saudade de você e me distrair um pouco. Eu confessei que o amava, mais do que tudo, mais do que as mais belas palavras, mais do que qualquer pessoa. Você gostava de mim, lembro perfeitamente de suas palavras e nunca as me esquecerei. E foi neste instante em que decidi esperar pelo dia que viesse amar-me da mesma maneira que eu já o amava. Capítulo IV No meio desta confissão, ela simplesmente parou de contar as primeiras lembranças de sua história, onde foi interrompida com a janela batendo forte na parede. No instante em que ela levantou-se para encostar as janelas, refleti em tudo aquilo que ela havia me dito até ai e fiquei pensando em cada noite de sono que ela já havia perdido só de pensar nele e me questiono: Será que ele também passou diversas noites em claro pensando nela?Onde estava aquele personagem principal que tanto falávamos?Talvez em breve eu descobrisse. Quando ela retornou ao sofá, vi uma imensidão toda dentro de seus olhos, talvez seja normal nos tele transportarmos para algum lugar qualquer quando nos afogamos nas lembranças mais doces que carregamos conosco. Apesar de seu olhar continuar vago, eu daria qualquer coisa para estar dentro de seus pensamentos e já descobrir todo esse mistério de uma vez só, em que eu estava sendo carregada aos poucos, com toda a força, como se houvesse uma maré forte me puxando para viver tudo aquilo. De alguma forma, eu imaginava que ás vezes o destino gosta de brincar mesmo com o rumo que tomaremos nesta vida. Engraçado como uma pequena palavra possa ser uma imensidão, no qual essa imensidão para alguns possa existir e para outros não, possa ter um significado e importância plena, como simplesmente não ser absolutamente nada. Mas o que mais conseguia me intrigar mesmo, era saber que era realmente possível duas pessoas se amarem tanto, de verdade, a ponto de nada mais importar, coisa que por um bom tempo, imaginava ser possível apenas em
  4. 4. livros de romances em que tudo dá certo no final, conceito no qual mudou quando comecei a ouvir a história daquela senhora. Até então eu havia entendido que decepções passam que dar uma nova chance para nós mesmos é fundamental e se isolar do mundo, do sentimento, do amor por causa de uma queda era uma bobagem, pois pensar que as pessoas podem ser iguais em questão de ser humano é uma lástima. Se privar de um sentimento tão lindo por medo de sofrer não nos priva do sofrimento, nos priva apenas de vivermos tudo aquilo que o mundo nos dispõe, e fazendo isso, nos deparamos com a solidão, coisa que o ser humano mesmo inventou para se trancar em seu mundo egoísta e solitário. Capítulo V Ainda com o antigo álbum em mãos, ela retoma sua narrativa como se quisesse buscar muito mais detalhes de suas lembranças, fora daquelas que ela carregava a tantos anos em sua memória. -Os dias foram se passando, e todo aquele amor que eu confessei para ele iam aumentando consideravelmente, e a cada dia que se passava, eu me perguntava se era realmente normal amar tanto alguém assim, sem esperar tanto em troca, sem medo, sem sentimento de culpa, e a cada dia que se ia, eu ia tendo a certeza que sim, era possível acreditar que o amor pode ser infinito, como olhar para além das estrelas e não apenas finito, como o ser humano estava acostumado a acreditar. Os dias passando, as semanas e os meses chegando e havia apenas um detalhe: Distância. No início, tudo parecia um fim, a dor parecia ser insuportável, mas eu a suportava, a saudade torturava, mas as feridas insistiam em não aparecer e não apareciam, e os ciúmes. Ah os ciúmes, tão bobos, tão banais, mas que apertavam meu coração como se quisesse fazer meu amor sair dali de dentro gota por gota, mas não matou, só me machucava.Mas era tão normal, eu era uma menina que acreditava em conto de fadas, que nunca teve uma vida instável, não do jeito que ela precisasse que fosse, ela nunca havia tido alguém que lhe correspondesse ao lado, nunca teve alguém por tanto tempo, mesmo que esse tempo ainda fosse breve.Eu era apenas uma menina com um coração cheio e atordoado de amor, que não queria por nada desse mundo perdê-lo, pois isso seria o fim do mundo, sem exageros. Eu precisava tê-lo comigo, parar de imaginar nossos abraços, nossos carinhos, nossos dengos e nossas declarações. Será que faltava muito para podermos estar juntos?Nem que fosse por um pouco tempo. E isso era uma resposta que não me contentava, porque qualquer semana para meu coração eram meses e qualquer segundo de saudade agonizante eram anos. Eu precisava tê-lo ao meu lado, apenas ao meu lado. Quando eu fechava meus olhos, só conseguia ser capaz de enxergar nós e toda a felicidade que eu queria para nós dois. Naquele momento, eu havia decidido substituir o “eu” e o “ele” por nós, porque nada mais nesse mundo importava, senão o nós. E isso era o bastante para vencer qualquer pedra, qualquer obstáculo, qualquer desafio que o mundo viesse impor a mim, se ele estivesse segurando minhas mãos.
  5. 5. Posso dizer que no começo foi difícil, pois conquistá-lo todos os dias, lhe dando motivos para realmente me amar e perceber que ao meu lado, ele poderia ter, ser e viver tudo aquilo que até então não havia tido, sido e vivido. Eu queria fazê-lo crer que tudo aquilo que ele havia pensado que fosse o certo sobre o amor até então não passasse de um murro que ele estava construindo para evitar que pudesse se machucar. Eu consegui quebrar esse murro, esse conceito, essa definição e trazê-lo para o meu mundo, para a felicidade que eu queria para ele, para mim, enfim, para nós.Felicidade que nada conseguiria destruir; nem distância, nem tempo, nem inveja alheia, nada.Porque aprendi que o verdadeiro amor, é capaz de bater de frente e derrubar qualquer coisa que seja desamor. Capítulo VI Com tudo o que estava acontecendo, eu tive mais tempo para perceber como minha vida havia mudado tanto, de uns meses para cá. Nós temos um costume muito porco de não olharmos as coisas em nosso redor, de não sermos mais humanos do que deveríamos, de não sermos tudo o que queremos e precisamos ser, por isso, ás vezes passamos uma vida toda tentando buscar respostas para tudo isso, quando na verdade, as respostas para tudo o que precisamos, estão em nós mesmos, e, em alguns casos, primeiramente encontraremos em nós, para depois buscarmos lá fora. E devemos sempre nos lembrarmos disso, principalmente quando estamos “em busca” da felicidade. Eu encontrei a verdadeira felicidade, não quando o conheci, mas quando primeiramente, me preparei, me conheci, me encontrei, me amei, para assim, poder enxergar a felicidade refletida em ti, para assim poder te amar.São coisas tão simples que todos deveriam fazer, principalmente se você é sonhador como eu, que quer amar e amar, sem receios, dúvidas ou medos.Por isso só “acertei”, quando decidi em mim mesma descobrir que eu posso ser o melhor por mim, para mim, e o melhor para quem meu coração traçou em minha vida. Houve um tempo em que beijos e abraços tinham um significado maior, e parece que hoje em dia, os românticos que são os tolos e os medíocres que são felizes, afinal lhes afirmo que não existe ninguém mais tolo, do que aquele que se recusa a amar, que vê um relacionamento como um cadeado que o prenderá de tudo... Que ingênuos, que bobos, mal sabem que a melhor das alegrias desse mundo, é do amor correspondido, de todo e qualquer sentimento correspondido, até mesmo o ódio, que por ser uma palavra tão dura, ainda sim é um sentimento. Pensando deste modo, quase que por um fio, me tornei uma tola. Pensar que um dia, eu havia prometido para mim mesma jamais voltar a amar, pensar que em minha cabeça havia loucuras me colocando contra o amor...Quanta infantilidade! Mas esta seria uma infantilidade de tolos, porque o amor é um sentimento tão nobre, que habita o coração de qualquer criatura, de qualquer idade. Mas ao me dar essa segunda chance, pude reconhecer que coisas boas ainda poderiam acontecer em minha vida, mesmo que tenha demorado a chegar. Talvez no fundo eu ainda tive um pouco de esperança para não desistir tão cedo do amor e talvez por isso, que ele tenha decidido me encontrar, pois foi justamente quando eu já havia parado de o procurar, que ele me encontrou.E aqui retornamos para a velha teoria do “o amor está em busca dos distraídos”.
  6. 6. O amor é um barco a vela posto no mar. Há seus receios, há dúvidas, mas quando temos certezas que o barco é seguro, embarcamos sem medo e confiamos sem penar no capitão que escolhemos ter sempre ao nosso lado. E quando confiamos, não há mais medo, o rumo se torna o foco, as paradas precisas, as tempestades enfrentadas sempre vencidas, pois são elas que irão nos deixar experientes, maduros, para continuar conduzindo o nosso barco.Não sabemos ao certo para onde vamos, mas sempre iremos saber que o importante é apenas ir. Capítulo VII Depois das palavras ditas, coloquei-me a refletir em cada definição que esta senhora havia dado para mim, e pude pela primeira vez acreditar, que o sentimento retratado em livros, em novelas, realmente existia, assim como havia sinceridade no olhar e nas palavras que ela me contava. No começo confesso que poderia ser qualquer história boba, mas não, eu realmente estava interessada naquilo tudo, em tudo o que ela me dizia, na história de sua vida, mas quem era ele?Ainda havia sido dito muito pouco sobre ele, o que me trouxe um pouco de curiosidade acerca do moço que mexeu com o coração dela... A curiosidade foi tanta, que obriguei-me a interrogá- la sobre o personagem principal de sua narrativa, que não se encontrava ali presente. -Como ele era?Pedi com certo receio da resposta. -Ele é muito meu. Respondeu ela com um sorriso largo no rosto, no qual desenhava as expressões de alegrias. -Ele é tudo aquilo que eu havia passado muito tempo tentando achar, mas por nada desse mundo eu encontrava, mas até que enfim eu encontrei. Nos meus tempos de moça, era tão difícil encontrar um amor que fosse além do prazer carnal, um verdadeiro amor, mas eu, tive a grande sorte de o encontrar. -Seu sorriso é inigualável, é o sorriso que apenas ele tinha, e nem que eu passasse minha vida toda tentando encontrar, seria impossível, pois nem mesmo nos momentos de mais saudade, eu não conseguia vê-lo em outros lugares, apenas se eu o visse dentro de mim. Ele tem um sorriso alegre, aquele tipo de sorriso que você tem grado de sorrir mesmo se não o conhecesse.Era lindo, independentemente do mal que estivesse me tomando, quando eu vejo aquele sorriso, parece que tudo vai embora, como se nada existisse, como se fosse a cura para o meu mal. -Seus olhos eram doces, mesmo que ele quisesse passar um ar de ríspido, de enérgico, ele tinha doçura em seu olhar, talvez tudo já fizesse parte dos segredos dos seus grandes olhos castanhos. Eu poderia perfeitamente me embebedar dentro deles, tomar um porre de amor, cada vez querendo mais e mais.Ele sempre foi o menino dos meus olhos, sempre será o meu menino, mesmo que se passe os 10, 20, 70 anos, não importa, pois meu coração escolheu amá-lo pelo resto de minha vida. -Sempre foi dono de um gênio difícil, seu humor era diverso, era sempre muito bem gesticulado, falava bem e alto quando deveria e baixo em meu ouvido para me agradar... Mas uma pessoa incrível, que sempre me apaixonei todos os dias,como se fosse a primeira vez, só que mais intenso.
  7. 7. Não era difícil de perceber como ela ficava encantada a cada vez que falava dele. Era uma fascínio só, que confesso que muitas vezes invejei.Estava sendo tão difícil acreditar que uma história tão linda, poderia mesmo existir, que senti uma ponta aguda de esperança cutucar o meu peito.Isso tudo que ela me contava, me fazia perceber que os valores humanos estavam sendo destruídos a cada ano, cada geração.Uma pena ver como sentimentos e valores tão bons estavam sendo cada vez mais levados pelo vento e ficado apenas nas memórias de quem os viveu e nas poucas definições de quem ainda acredita que isso tudo possa mudar. Capítulo VIII -Viver um relacionamento a distância é realmente complicado, pois são diversos fatores juntos que se unem para simplesmente não dar certo. Mas não pense que a distância e esses tais fatores que são o que destroem as coisas..Pois já vi muitos casais se vendo todos os dias, romperem uma relação do nada.E como isso me deixa frustrada, apenas por saber que em vez de aproveitarem essa aproximação para aumentar o que um sente pelo outro, fazem questão de jogarem fora quando algo é quebrado, em vez de consertarem.Dizia ela lamentando com certa tristeza na voz. Talvez ela se visse tão injustiçada por toda aquela distância, por tantas pessoas querendo destruir tudo, por ver pessoas não dando certo por simplesmente nada, enquanto eles lutavam para tudo dar certo, por simplesmente tudo! -O erro sempre está nas pessoas. Julgar um sentimento, criar falsos conceitos dele, por decepção, não é desculpa, pois não são os sentimentos que nos machucam, são as pessoas.Mas o erro fundamental é ver as pessoas fazendo questão de descartarem umas as outras, como se fossem objetos recicláveis, e depois, ver estas mesmas pessoas em busca de algo concreto, de algo que lhes chame a atenção.Pobre tolas, nunca percebem que ás vezes tudo o que mais queremos está ao nosso lado, e pode ter certeza, de que eu sei do que estou falando. Estas poucas palavras que ela me disse me deixou em um estado de profunda reflexão, pois por um fio, eu estava até ali vivendo tantas mentiras, tanta hipocrisia, que eu não conseguia ver as coisas fora do meu mundo, fora das coisas que não fossem as minhas. Enquanto me punha a continuar esta reflexão, fui surpreendida. -Nós sempre fizemos dar certo, porque nós dois ainda valorizávamos muito o conceito dos anos de 1950, em que se conservavam em que se consertavam os relacionamentos. Apesar da distância, nunca a vimos como um obstáculo que poderia destruir tudo; mesmo com pessoas em nossa volta que estavam nos abraçando, mas ao mesmo tempo, desejando nossa queda e nosso sofrimento, aqui estamos.Somos hoje a prova viva de que amar todos os dias a mesma pessoa é possível, e que tudo o que um dia pareceu impossível, ao nossos olhos foi tudo visto como uma oportunidade, uma oportunidade possível.Disse ela sorrindo tão entusiasmada, como se houvesse ganhado um Oscar ou algum prêmio importante.Parecia que ela desejava que eu viesse a compartilhar dessa alegria com ela, mas fica mais complicado quando somente a pessoa sabe o que está sentindo, pois eu ainda não conseguia sentir o que não podemos sentir, por não conhecer.
  8. 8. Mesmo confusa e mesmo que fosse ainda meio complicado entender onde ele se encontrava se ás vezes ela falava como se ele já tivesse partido e ás vezes como se ele ainda estivesse ao seu lado. Talvez isso faça parte de tudo o que ela quer me contar, e de tudo o que eu preciso saber. Capítulo IX Senti uma imensa curiosidade para saber como havia sido o primeiro encontro deles. Percebi que a cada pouco, ela parecia estar tentando recordar detalhes importantes para me contar e além disso, parecia que um infinito havia se instalado em sua memória.Até que me obriguei a perguntar como havia sido o primeiro e grande encontro de suas vidas. Ela instantaneamente sorriu quando ouviu minha pergunta, foi como se ela tivesse voltado ao tempo e revivido tudo aquilo em apenas alguns milésimos de segundos, até que por fim sorriu e me disse: -Foi mágico. Eu nunca havia experimentado uma alegria tão imensa como esta, se de estar ao lado de quem mais amamos, ainda mais, quando esse amor é correspondido...Pela primeira vez estava me sentindo tão feliz que havíamos vencido aquela barreira da distância, que agora as únicas coisas que importavam era nossos beijos, abraços, nossa troca de amor e olhares, que alimentavam mais ainda aquele sentimento e sei que estava dando a certeza á ele que aquilo era realmente real, que eu valeria a pena, que valeria a pena ele me esperar...Que eu saberia fazê-lo muito feliz.Ele me esperou, eu o esperei e por uma vida toda juramos amor eterno, e pela primeira vez eu tinha a certeza de que eu seria feliz. As pessoas deveriam deixar por um momento os problemas da vida, tudo aquilo que as atrasa e sorrir para o mundo, sorrir para a felicidade. Vejo todos os dias pessoas deixando várias lágrimas caírem por pessoas que nem ao menos se adoram, enquanto há tantas pessoas por ai tentando buscar mais oportunidades para fazer alguém feliz. -Eram 11 horas, do dia 15 de dezembro de 2012. Estava calor, a manhã estava bonita e eu mais ansiosa estava do que bela.Eu só sabia olhar para o relógio e ver como o tempo estava querendo custar pra passar, parece até mesmo que era proposital..Única coisa que me vinha nos pensamentos, era de poder estar jogada em seus braços em medo ou receio de nada.Quando me dirigi até o terminal rodoviário, algo estava apertando meu coração, uma sensação estranha, mas boa.Única opção que me restava era sentar e aguardar a sua chegada..Fiquei tão nervosa que fui capaz até mesmo de ir encher a paciência da atendente.Quando me informei sobre o horário do ônibus fiquei feliz que faltava só um pouco e ele estava lá, ele realmente estava vindo.Fiquei tão nervosa que mal pude me sentar, mas me sentei, talvez para evitar um desmaio repentino. -Quando dei por mim, o ônibus estava chegando e eu não sabia se encarava para ele que estava quase estacionando, ou se continuaria olhar para minhas próprias mãos com o propósito de disfarçar meu nervosismo. Mas não me contive, tive que manter meus olhos ligados a cada movimento, até quando parou.Os vidros eram escuros, mas vi um vulto se movendo com algumas mochilas, era ele.Era um vulto,
  9. 9. mas eu sabia que era ele, meu coração sabia que era realmente ele, e não tive nenhuma outra reação quando ele estava descendo as pequenas escadas, senão correr para seus braços, como se nada mais importasse, como se tudo poderia ser deixado pra trás, pois apenas nós dois me importava naquele momento.Quando o abracei, simplesmente vi meu mundo girar e o tempo parar..Esse meu jeito todo bobo e derretido conseguiu fazer com que ele me chamasse de mulher chorona.Nunca mais me esquecerei disso, nunca mais, pois esse foi o 3º melhor dia de toda a minha vida.O primeiro foi quando o conheci; o segundo quando ele disse que me amava e o terceiro quando o encontrei pela primeira vez. Às melhores alegrias dessa vida, são aquelas em que se for possível, trocaremos tudo o que tivermos para vivermos. Capítulo X Passar dias ao seu lado sempre foi a minha maior alegria.Quando amamos, temos sempre a certeza que nenhum lugar do mundo consegue substituir os braços das pessoas que tanto amamos.Aprendi isso perfeitamente quando percebi o quanto te amava e o quanto eu iria te amar cada vez mais. Passamos tanto tempo de nossas vidas tentando ser felizes, que quando realmente encontramos um motivo para ser, queremos proteger de tudo que possa tentar atrapalhar.Sempre achei que não houvesse um lugar tão seguro quanto guardar tudo isso em meu coração, pois sei que ninguém além de nós dois poderia se apossar das riquezas que trago em mim.Se eu pudesse, juro que fugiria para fora do universo, onde nada é capaz de destruir o que possuímos e onde diziam que a felicidade estava escondida.Que tolos!A felicidade mora em mim, dentro de mim, e onde eu for, ela virá junto, essa é a lei do amor próprio. Mas tantas vezes me questionaram..Se a felicidade está em nós mesmos, por que quando estamos sós dizemos que somos infelizes?Que pergunta mais simples de responder.Não direi que tal resposta se dá por experiência de milhares de pessoas, como fazem para responder algumas questões científicas, mas sim, por experiência própria.Acredito que quando estamos sós, a felicidade sempre está em nós, porém não a vemos por termos essa grande necessidade de termos alguém ao nosso lado, que seja especial, que tenhamos um sentimento afetivo em comum.Quando encontramos essa pessoa, ela desperta em nós um sentimento maior, quando a amamos, começamos a perceber que primeiramente precisamos nos amar mais ainda, para retribuirmos esse sentimento para o outro alguém e foi isso que eu fiz. Já diziam os antigos: Os relacionamentos não foram feitos para darem certos, afinal são duas pessoas diferentes, gênios diferentes, criadas de formas diferentes...Mas ainda bem, que ainda existam pessoas que querem e fazem as coisas darem certo.Pois o essencial é isso: O querer e o fazer andarem sempre juntos, de mão dadas, pois separados, são como nós dois meu bem, não dá nada certo.Só o querer, não leva a lugar nenhum e só o fazer não traz alegria alguma.Amor é tão complicado quanto o português, nem tão exato quanto a matemática, mas é tão belo quanto os poemas, quanto os contos e quanto todo o sonho de uma garotinha apaixonada.
  10. 10. Quem pensa que é só de palavras bonitas se vive amor, realmente passa fome.Porque o importante é estarmos sempre colocando em prática todas as mais belas palavras, para que elas não se tornem em vão.Palavra mesmo sendo bonita, não sendo cumprida, deixa de ser bela. Capítulo XI A cada vez que nos encontrávamos, era mais um capítulo de nossa história que se realizava, que se cumpria.A felicidade diária era intensa, era florada de amor, de rotina e de um pouco do que todos os casais estavam acostumados a viver, só que nós sempre fomos diferentes dos demais e sempre iremos ser, pois além de tudo isso em comum que todos tinham, nós tínhamos muito mais em especial, muito mais amor, muito mais essência do que realmente é amar. A cada encontro, era a mesma emoção, a mesma ansiedade, o mesmo nervosismo de sempre, mas como se todas as vezes fossem a primeira vez e isso fazia sempre cada reencontro se tornar sempre melhor.Amar a distância realmente é difícil, dói, mas é quando aprendemos muitas coisas importantes.Fico feliz por quem pode ter a pessoa que tanta ama ao lado e vê-la todos os dias, pois mesmo eu tendo que aceitar a idéia de que a distância ainda estaria habitando entre nós por um tempo. Quando queremos muito estar perto de alguém e temos que lidar com os quilômetros, acabamos aprendendo a ter mais confiança, ter mais amor, mais saudade, mais vontade de estar junto, acabamos sendo mais fortes para superar cada centímetro se quer para poder se ter o que mais quer.O ciúme e o medo de perder são enormes, mas não são tão grandes quanto as nossas vontades, quanto nossas verdades, quanto nossos sentimentos. Só espero que todos amem, independentemente se for longe ou perto, mas ame.Pois nada melhor do que o amor para alegrar uma vida, para colorir um livro monótono e monocromático que é a tristeza banhando cada dia de nossas vidas.Por isso, desejo que todos tenham a quem amar, a quem puder fazer feliz e desejo isso principalmente para as pessoas pelo qual eu antipatizo e que antipatizam, afinal, gente feliz, alegre, amada, protegida não enche o saco e assim a vida segue sem rancor, sem raiva, sem ódio..Sem gente que não sabe o que é viver uma vida sem motivos para querer viver. Capítulo XII A cada palavra dita por ela, eu sentia que havia muito mais do que apenas uma história por trás de tudo e sabia que onde haviam muitas histórias e muita emoção nas palavras, havia também muito sentimento.Cheguei a conclusão que as coisas só possuem a intensidade que tem, pois são as pessoas que as intensificaram desta maneira.Acho um grande erro deixar um grande amor, uma grande história, passarem por despercebidas, por apenas um obstáculos ter-se oposto a eles. Mas eu via no rosto daquela senhora, que em sua vida, não foi assim, pois percebemos perfeitamente que fez de sua vida um lar de rosas e não um mar de lamentações e eu de certa forma admirava tudo aquilo, pelo simples fato de ainda não
  11. 11. saber como seria a minha vida daquele tempo em diante.Me pus em plena reflexão acerca de tudo aquilo, até eu ter sido despertada daquele coma reflexivo. -Eu sempre quis poder fazer muito mais por mim, por ele e por nós.Não foi por falta de tempo, pois sempre carreguei comigo o velho e tal ditado: “quem quer arruma tempo, quem não quer, arruma uma desculpa” e fiz disso uma filosofia de vida para mim e para compreender os outros.Em um longo tempo, vi pessoas deixando umas as outras por medo do futuro, por pesos do passado e por dúvidas no presente e isso é horrível.Nunca tive o feitio de deixar oportunidades passarem, mesmo que não fossem as que eu estivesse esperando, eu as agarrá-las com força, e fazia delas algo novo em minha vida, e posso dizer que talvez ser assim, me ajudou a crescer em todos os sentidos na minha vida.Eu sempre tenho tempo pra ele, em todos os meus sonhos, ele lá está, em cada objetivo que quero buscar, lá está ele novamente, assim como ele está em cada medo que irei enfrentar.Eu sempre fui e fiz tudo aquilo que eu sei que a maioria das garotas, não fariam por ninguém, mas eu fiz por ele. Ela me tirou um sorriso no rosto com estas poucas palavras, e posso afirmar que foi uma das mais lindas já ouvidas naqueles poucos instantes.Eu vi ela sorrir também, e várias vezes, a cada vez que ela falava dele. -É difícil manter algo quando muitas pessoas a sua volta quer nada verdade destruir.Por um longo tempo, enfrentamos tantas adversidades, tantas pessoas, tantas situações complicadas, que qualquer outro casal cairia no mesmo instante; mas nós não caímos e continuamos firmes.Uma vez me disseram que um relacionamento existe para não dar certo, e que tudo depende da vontade das duas pessoas darem certo, fazerem tudo dar certo, e quando há amor, compreensão, respeito..Qualquer passo dado, são quilômetros percorridos.Dizia ela com uma expressão tão amável. -Como driblar tantas dificuldades destrutíveis?qual é a fórmula da felicidade?A interroguei como se fosse uma pequena criança esperando a resposta para um mundo melhor. Sua face revelava que eu teria todas as respostas. Capítulo XIII -Uma vez já me disseram: Sorte tem quem consegue destruir tudo aquilo que possa futuramente destruir a si próprio.Tal filosofia era empregada para qualquer desafio que aparecia em minha vida..Desde ler determinado número de páginas de um livro qualquer em determinado tempo, até controlar uma crise hepática.Ambas as coisas são imensuráveis.Talvez fosse mais simples entender o que ocorria dentro da barriga de uma mãe, do que dentro de um coração humano. -Ás vezes, em determinadas situações da vida, aprendemos que lutar sempre traz algum resultado, mas que abrir mão de algumas coisas também.Aprender vencer a si mesmo, a enfrentar esse monstro que habita dentro de nós torna-se quase como encontrar um baú entulhado de pérolas em alto mar.Quando convivemos com alguém, aprendemos a lidar com diferenças, ou não, e com essa pequena frase compreendemos já do por quê ocorre tantas separações...Se me disser que é porque a mulher tornou-se mais intolerante, mais independente, mais dona de si e de suas
  12. 12. verdades, negarei, absolutamente negarei.Pois a verdade, é que verdade não és, tão simples.Eu diria que o problema está com as duas pessoas.Por quê?Lhe explicarei: O problema é que as pessoas desde pequenas estão sendo ensinadas que quando se quebra algo, é mais fácil substituir, jogar fora, pois é visto fazer isso como “um jeito fácil” de tudo ficar bem.Mas é mentira.Pessoas não são brinquedos, não são objetos e muito menos podem ser substituídas, a não ser que ela faça por merecer ser deixada para trás. -A verdade que todos querem poder sentir e escrever em poemas, é que é tão bom chegar em casa depois de um dia longo e cansativo, banhado de saudade, desejos e carência e cair nos braços de quem lhe espera.E quer saber?Isso é uma das melhores coisas que esta vida terrena pode nos oferecer.Diga-me que não, que eu direi que você jamais soube amar e se negar, bato-lhe o pé novamente neste piso de madeira e afirmo que jamais soube o que é amar e ser amado, pois esse é o verdadeiro significado de amor: “Amar e ser correspondido”, o restante é apenas amor próprio ultrapassado de si, frustração ou qualquer outra atribuição que queiras dar a isso. -Os melhores sentimentos estão nas mais pequenas coisas, nas mais intensas, nas mais importantes que o ser humano pode carregar na lembrança.Ódio é um sentimento tão forte, que anda de mãos dadas com o amor.Que lástima, não?Ás vezes também não sei se devo acreditar que o ódio é uma raiz que se ramifica do amor, pois penso que se ódio nada mais é do que isso, inveja se ramifica da admiração?Ou será que pra isso tudo damos conceitos diferentes, explicações diferentes?ou mantemos esse velho hábito de “unir o agradável” ou melhor, “separar o joio do trigo”? -Isso tudo é o que aprendemos quando convivemos com alguém diferente de nós, mas que ao mesmo tempo, tem tudo em comum.Não estou me referindo ao gosto musical ou literário, e nem mesmo da questão do temperamento e de como agir em cada situação, digo que duas pessoas estão juntas por compartilharem de um sentimento forte e de um objetivo único: Serem felizes, apesar da rotina cansativa e difícil, dos problemas e dos obstáculos. Eu ouvia tudo aquilo tão atentamente, que nem ao menos pude perceber o tempo passar.Mas eu não me importava, pois sentia que aquilo era tudo o que eu poderia ter aprendido na minha vida toda, e que em algumas horas estava retomando e reescrevendo em mim mesma, um novo jeito de ser, de me encontrar. -Quer ser feliz?Quer aprender a receita tão simples da felicidade?Não a meço em colheres, nem em xícaras e nem mesmo em litros, lhe contentarei com palavras que tenho certeza que as guardará com muita estima.Dizia para mim toda alegre e sorridente, como se estivesse buscando em mim mesma algo que nem eu mesma pude perceber o que era. -Encare como desafios cada aprendizado que eu lhe repassar, pois são elas que eu aprendi em minha vida.Preste atenção, pois lhe contarei detalhadamente cada ingrediente da felicidade... Capítulo XIV
  13. 13. -O início de tudo que fazemos e construimos, resume-se em termos medo.Mal sabemos por onde começar, por onde caminhar, em qual mão podemos realmente confiar para então segurarmos.Tudo é tão difícil, principalmente quando você está sem rumo, sem saber ao certo para onde ir.Quem já sabe pra onde quer caminhar, apesar das dificuldades, vai.Mas e quem não sabe?Eu não sabia, mas para dizer a verdade, tive que vencer o medo para decidir onde eu deveria chegar, afinal, o que eu mais queria, eu já tinha certeza.O início de meu relacionamento foi idêntico.Eu sabia o que queria, mas os medos, as dúvidas, as incertezas, mas mágoas me faziam recuar 1 metro, a cada 2 metros que eu andava.Foi então que eu decidi acreditar plenamento em tudo o que estava acontecendo, acreditei nele firmemente, acreditei em mim mesma. Ela dizia com tanta convicção essas palavras, que durante algum momento conseguia as ouvir dentro de mim mesma.Tantas dúvidas se encaixaram em mim, em será que meus passos estão sendo dados com tanta precisão ou o medo ainda os assombram?Me ponhei em uma breve reflexão, enquanto ela tomava alguns goles de chá. -Eu já tive tanto medo nessa vida, que se eu tivesse os deixado tomar conta de mim, tenho certeza que jamais teria sido feliz, jamais teria alcançado a felicidade, jamais poderia tê-lo conquistado dia após dia.Quando ainda há um vácuo dentro de nós, não digo de sentimentos para com o meu grande amor, mas comigo mesmo, temos que suprirmos de algo, para que o outro sempre nos veja como se fossemos exatamente o tudo dentro de um nada.-Respondeu ela imaginando que eu tivesse me posto em um infinito de pensamentos abstratos-. Medo e amor não combinam, são duas palavras que não dão certo caminhando juntas e nem mesmo rimam.O amor que conquistar tudo, e o medo impede que isso aconteça; o amor quer tornar um o melhor possível para o outro, e o medo impede de que isso possa acontecer.Medos e dúvidas são pequenas palavras, mas que se o sentimento não for forte o suficiente para vencê-los, se desfacelará no primeiro obstáculo.O amor suporta tudo, exatamente tudo, menos a descrença de duas pessoas que se amam.Isso, nem mesmo todos os melhores sentimentos do mundo unidos podem superar. Já parou para imaginar até onde as pessoas iriam com medo?A lugar nenhum.E acredito que o pior de todos os medos, é o medo de amar, o medo de se entregar porque algum dia você já se machucou, medo de confiar no outro, medo de confiar em si mesmo, na sua capacidade, no seu amor, no que você é e sente.Já imaginou se todos tivessem medo de se apaixonar?Como existiria a felicidade?Pois felicidade pra mim é quando duas pessoas se amam, uma sendo recíproca com a outra, porque amar sozinho, não é felicidade.Já dizia o velho sábio, que amar sozinho não é alusão.Para tudo se há o primeiro passo.Para conhecer, para se apaixonar, para sentir paixão, amor e finalmente sentir o verdadeiro amor. Depois de tudo isso, senti algo diferente em mim.Pude notar que absorvi tais palavras com tanta facilidade, que mal poderia esperar ouví-las novamente.O que será que passa em sua cabeça, que logo poderá me dizer?
  14. 14. Capítulo XV CONTINUA...

×