Queda - A grande tragédia | Aula 02 - Classe de Velho Testamento EBD

327 visualizações

Publicada em

Aula 02 da Classe de Velho Testamento da EBD da Igreja Presbiteriana do Bairro Amambaí
Esta aula foi ministrada no dia 16 de fevereiro de 2014.

Publicada em: Espiritual
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
327
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
2
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
12
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Queda - A grande tragédia | Aula 02 - Classe de Velho Testamento EBD

  1. 1. Igreja Presbiteriana do Bairro Amambaí Escola Bíblica Dominical 2014 Classe: Velho Testamento Aula 02 A grande tragédia - Gênesis 3 "Porque, assim como, em Adão, todos morrem, assim também todos serão vivificados em Cristo" 1 Coríntios 15.22 1. Introdução a. A importância de uma história que realmente aconteceu: Assim como falamos na aula passada, a modernidade e o liberalismo teológico tem considerado que a bíblia não é literal em alguns pontos e que deve ser vista como alegoria ou mito para ser compreendida, com destaque para o livro de Gênesis até a história do Adão. Nós reafirmamos que essa não é a posição ortodoxa, e que sim, Adão estava lá e realmente existiu. Não se trata de uma caricatura ou de uma expressão geral da humanidade, embora ele represente essa humanidade; b. A própria Bíblia atesta a importância do entendimento da história de Adão. No livro de Romanos, capítulo 5, versículos 12-21, Paulo fala da morte em Adão e da vida em Cristo. "Portanto, assim como por uma só transgressão veio o julgamento sobre todos os homens para a condenação, assim também por um só ato de justiça veio a graça sobre todos os homens para justificação que produz vida" v.18; c. A modernidade e a doutrina do pecado: A doutrina do pecado não é muito atraente para a nossa sociedade moderna. A pós modernidade traz em seu cerne a relativização de tudo o que está fundamentado. Zygmunt Bauman, filósofo polônes, diz que "Vivemos tempos líquidos em que nada é feito para durar". A própria afirmação moderna que diz que não existem mais absolutos pretende ser um absoluto, que nos coloca em um terreno muito instável e desprovido de verdadeiro sentido. Dizer o que está errado no homem não soa muito bem e não é muito aceitável para o homem. O Dr. Martyn Lloyd-Jones, em seu livro "Sincero, mas errado" considera sobre o problema fundamental do homem e diz que apesar de todos os esforços do homem moderno em resolver sues problemas, ele não consegue resolver os piores males da humanidade. Ou o pior, que é o pecado. Vivemos tempos parecidos 16/02/2014 1
  2. 2. Igreja Presbiteriana do Bairro Amambaí Escola Bíblica Dominical 2014 Classe: Velho Testamento com o do profeta Jeremias, que em Jr 6.14 diz "Curam superficialmente a ferida do meu povo, dizendo: Paz, paz; quando não há paz". Nós precisamos ter consciência da profundidade do que está errado, em um correto diagnóstico, para assim compreendermos a maravilhosa cura que foi realizada para nos tratar. Sem um diagnóstico preciso, o tratamento fica comprometido. Compreender bem a doutrina bíblica do pecado trará uma grande contribuição para sabermos o nosso lugar e viver melhor no mundo, entendendo nossas limitações e descansando em Deus, para termos paz verdadeira e salvação da nossa alma. 2. O relato da queda (Gn 3.1-24): O capítulo 3 de Gênesis é considerado o mais sintomático da Bíblia, uma vez que revela a condição caída do homem na sua queda e a misericórdia de Deus no anúncio da sua obra de redenção. a. Tentação e desobediência (v.1-7) i. A serpente é o próprio Satanás (adversário) (Ap 12.9; 20.2): A serpente foi o agente que levou o ser humano ao pecado. A inferência "É assim que Deus disse..." traz um tom de incredulidade a palavra de Deus; ii. A mulher aumenta o rigor de Deus, mudando sua palavra: Deus havia dito anteriormente que eles não poderiam comer do fruto da árvore do 'meio do jardim'. A mulher já diz que eles não poderiam nem tocar. A consequência que na afirmação de Deus era certa "..certamente morrerais", agora é tida como uma possibilidade "... para que não morrais"; iii. A contradição apresentada pelo inimigo: "É certo que não morrereis" traz a negação do juízo. Quantos em nossos dias relativizam o juízo de Deus, como se o mal não fosse tão grave assim e obstinados desafiam as palavras de Deus. O pecado inicia-se confrontando o juízo de Deus; iv. O ser como Deus, conhecedores do bem e do mal: Assim com vimos na aula passada, o homem foi criado a imagem e semelhança de Deus e traz em sua natureza aspectos da imagem divina, como sua criação. Satanás, sendo o pai da mentira (Jo 8.44), sugere essa afirmação mentirosa que move a ambição do homem ao intento que lhe aflige até hoje. v. Uma rebeldia sem causa: O homem poderia desfrutar abundantemente de tudo o que lhe era oferecido. Não haviam motivos 'justos' para o homem cair, mas ele caiu. A única restrição de Deus era não comer daquela árvore específica, 16/02/2014 2
  3. 3. Igreja Presbiteriana do Bairro Amambaí Escola Bíblica Dominical 2014 Classe: Velho Testamento Deus concedeu toda o domínio (administração) de sua criação ao homem que deveria obedecê-lo nesta única restrição. O Rev. Leandro Lima diz que "parece próprio da natureza humana não ver as bençãos de Deus quando há algum problema ou restrição". vi. O pecado da humanidade: A mulher dá ouvidos a uma criatura, ao invés do Criador e a partir disso segue suas impressões pessoais contra aquilo que Deus já tinha lhe falado, bem como intenta suas metas para a autorrealização. A expressão "Vendo a mulher que.. " diz respeito ao testemunho ocular e a possibilidade em que o proibido exerça sua atração. Na expressão "....tomou-lhe do fruto e comeu" vemos que apesar do ato simples, ele já estava todo planejado e desejado no coração. É interessante comparar que se antes vemos estes 'tomar' e 'comer' como finalidades da morte, em Cristo, vemos o 'tomar' e 'beber' como verbos de salvação, partes daqueles que agora são participantes do seu corpo e sangue. A expressão "... e ele comeu" diz respeito ao homem sendo conduzido, ao invés de conduzir. O homem falha em sua autoridade que lhe foi confiada e se vende a ideia do mal como se estivesse além do bem, como uma necessidade que eles precisassem. vii. A nossa justiça própria: O homem percebe o seu pecado, realmente, os seus olhos se abrem, como a serpente diz, só que ao invés de iluminação, o homem projeta seu mal sobre a inocência da criação e reage com vergonha e fuga. As folhas de figueira representam nossa justiça própria em relação ao pecado. Aos nossos toscos intentos em "consertar" o erro. Enquanto acharmos que as folhas da nossa justiça própria são suficientes, jamais seremos salvos (Leandro Lima). b. Confrontação (v. 8-13) i. A fuga do homem: O filme mais repetido da história da humanidade. O pecado corta o relacionamento pessoal do ser humano com Deus. O homem agora tem medo de se encontrar com Deus e foge. O que antes representava íntima comunhão e deleite na criação de Deus agora é medo, vergonha e profundo abismo. O pecado destruiu o mais importante dos nossos relacionamentos, o com Deus. E como vimos na aula passada, os relacionamentos dependentes a este, seriam também afetados, que são os sociais (familiares) e culturais (trabalho). 16/02/2014 3
  4. 4. Igreja Presbiteriana do Bairro Amambaí Escola Bíblica Dominical 2014 Classe: Velho Testamento ii. Deus vai ao encontro do homem: O homem já está caído e envergonhado no seu pecado, Deus vai ao seu encontro e quer atraí-lo para ajudá-lo. Deus pergunta e o medroso homem nu responde. O conhecimento da nudez pelo homem representa sua não inocência, uma afronta que era o não contentamento com a criação, de querer ser mais do que aquilo que Deus tinha criado o homem para ser. iii. A fuga da responsabilidade: Se antes o homem fugiu por vergonha e medo do seu pecado, agora o homem foge da sua responsabilidade com a culpa do seu pecado. Isso é presente até nos nossos dias, e aqui vemos os relacionamentos sociais sendo afetados. O homem tenta culpar a mulher, e nessa até culpar até a criação de Deus em "...a mulher que me deste por esposa". A mulher por sua vez coloca a culpa na serpente. E o pecado fica nesse jogo de culpas. Mas a verdade é que todos eram culpados. Enquanto quisermos culpar os outros pelos nossos erros nunca iremos enxergar o diagnóstico da nossa doença. Vivemos culpando o governo, a igreja, trabalho… Enquanto a culpa é toda nossa. c. O sentença (v. 14-19) i. A sentença de Satanás: Não é possível saber como realmente seria a aparência da serpente, se ela teria pernas ou braços e agora ela rasteja sobre o chão. O que se pode entender é que aqui já temos um anúncio da maldição que acompanha Satanás pelo restante da história. Comendo pó todos os dias e sendo maldita entre todos os animais. ii. O protoevangelho: Deus já anuncia a obra de redenção da humanidade que se consumaria na vitória de Cristo sobre o pecado na cruz (1 Co 15.55-57). Quando se fala "porei inimizade entre ti e a mulher…", Deus é o sujeito quem ordena e já apresenta a sua ação em cortar o relacionamento entre humanidade e pecado. Quando se fala "...este (descendente) te ferirá a cabeça, e tu lhe ferirás o calcanhar" entende-se que Deus já está falando de Cristo, que a serpente lhe fere o calcanhar, na cruz, porém este pisa na cabeça da serpente vencendo a morte. Deus está intervindo na história para redimir a humanidade do seu pecado pelo seu filho e descendente do homem, Jesus Cristo. No v.20, vemos Deus dando um nome a mulher, e ela agora se chama Eva. Eva significa vivente, vivida, a que tem vida. Isso remente a 16/02/2014 4
  5. 5. Igreja Presbiteriana do Bairro Amambaí Escola Bíblica Dominical 2014 Classe: Velho Testamento descendência que viria de Eva, como primeira mãe daquele que nasceria em Belém. Existe um pensamento comum em que Deus já anuncia a expiação no v.21 quando ele veste Adão e Eva com peles, o que entendemos não é que Deus estava satisfazendo a necessidade última de expiação ao homem e sim satisfazendo necessidades imediatas do homem, sendo estas precursoras do bem-estar moral e físico que o pecado trouxe ao homem. A ideia mais evidente é que é Deus quem cobre o homem do seu pecado, ao invés das tentativas de justiça própria do homem no v. 7. iii. A consequência do pecado: O que antes era natural e bom agora é doloroso. O pecado corrompeu a criação de Deus e afetou a ordem natural das coisas. A relação sexual criada por Deus para o homem é afetada tanto na mulher ao dar à luz aos seus filhos como ela sendo agora controlada pelas relações instintivas. O desejo agora é tido em uma relação de posse do marido. O evangelho alivia um pouco toda essa situação, porém ainda vemos as consequências disso também nos nossos dias. Ao homem, vemos a maldição sobre aquilo que o homem antes dominava. Toda a criação se tornou corrupta por causa do homem. Tudo o que antes pertencia ao homem agora se perdeu, por causa do seu pecado. O pecado é tanto a causa quanto o resultado da miséria humana. d. O paraíso perdido (v. 22-24) i. O homem é lançado fora do jardim do Éden: Se a vida eterna é a comunhão com Deus, e o homem a repudiou perdendo-a com o pecado, sua consequência é ser expulso desta comunhão. ii. O caminho para o jardim é selado: Deus fecha o caminho a árvore da vida (a qual não temos muitas inferências). Os querubins que guardam o jardim do Éden são vistos em outros lugares como guardiões simbólicos do Santo dos Santos. Na morte de Cristo, o véu que impedia o acesso ao Santo dos Santos é rasgado em duas partes e o caminho para Deus foi aberto, em Cristo que é o próprio caminho, a verdade e a vida. "Ninguém vem ao pai senão por mim" Jo 14.6 3. A origem do pecado a. O Gênesis não diz sobre quem é o autor do pecado, mas trata do fato que o pecado entrou no mundo. O mal surge com Satanás em sua 16/02/2014 5
  6. 6. Igreja Presbiteriana do Bairro Amambaí Escola Bíblica Dominical 2014 Classe: Velho Testamento queda, que pode ser melhor estudada em outra aula, e este intenta no ser humano despertando sua cobiça. Deus precisa ser excluído de tudo isso, pois como vemos na história, tudo aconteceu entre o relacionamento de Satanás e o ser humano. O mal se originou em Satanás e no ser humano. Tiago, em sua carta (Tg 1.13-17), a respeito da tentação deixa bem claro que a origem do pecado está dentro do próprio homem, e não em Deus. 4. Herdeiros de Adão: Todos estão juntos com Adão e Eva porque herdam deles o veneno do pecado. A escolha de Adão afeta toda a raça. Adão agiu como nosso representante e por essa razão a sua escolha nos atinge. Não temos liberdade de escolha. O "grito de independência" de Adão jogou a todos nós na morte. A humanidade é absolutamente responsável por tudo o que acontece de mau neste mundo, e não Deus. Irônico é que destruímos a criação e depois colocamos a culpa em Deus. a. Posicionamentos filósoficos e teológicos sobre a natureza humana i. Tábula Rasa (John Locke): Empirismo. O homem nasce 'em branco' e é preenchido com suas experiências. ii. Jean Jacques Rousseau: O homem nasce bom e a sociedade o corrompe; iii. Thomas Hobbes: O homem é o lobo do próprio homem. Para isso o Estado deveria controlar ou frear este homem. iv. Nicolau Maquiavel: A natureza do homem é essencialmente má e os seres hmanos querem obter os máximos ganhos a partir do menor esforço, fazendo o bem apenas quando forçados a isso. v. Pelagianismo: Todo homem nasce inocente e é responsável pela sua salvação. vi. Semipelagianismo: O homem nasce corrompido mas nós podemos "ajudar" a Deus, com a nossa boa vontade no coração, dando os primeirso passos em direção a Deus, e Deus iria completar segundo este nosso primeiro ato a redenção do homem. b. A nossa posição: Totalmente depravados i. Não há área em nossa vida que não tenha sido afetada pelo pecado. De modo algum poderemos dar o que Deus espera de nós. ii. Somos capazes de fazer todo o tipo de mal imaginável. iii. Deus requer de nós a perfeição com que ele nos criou para ter. 16/02/2014 6
  7. 7. Igreja Presbiteriana do Bairro Amambaí Escola Bíblica Dominical 2014 Classe: Velho Testamento E nós não podemos ter. Nenhum herdeiro de Adão consegue ter esta perfeição exigida por Deus naturalmente. iv. A corrupção original: "Desta corrupção original, pela qual ficamos totalmente indispostos, incapazes e adversos a todo bem e interamente inclinados a todo mal, é que procedem todas as transgressões atuais" CFW, Capítulo VI, Artigo IV. v. O homem não é totalmente livre: Entende-se que no princípio o homem foi dotado de liberdade, porém esta liberdade foi afetada pelo pecado, que o tornou escravo. O homem nasce escravo do pecado e só por uma ação da parte de Deus é que é liberto dessa escravidão. A Confissão Belga, no seu Artigo 14 diz ".... Por isso, rejeitamos todo o ensino contrário, sobre o livre-arbítrio do homem, porque o homem somente é escravo do pecado e "não pode receber coisa alguma se do céu não lhe for dada" (Jo 3.27). Pois quem se gloriará de fazer alguma coisa boa pela própria força se Cristo diz: "Ninguém pode vir a mim se o Pai, que me enviou, não o trouxer" (Jo 6.44)? Quem falará sobre sua própria vontade sabendo que "o pendro da carne é inimizade contra Deus"(Rm 8.7)? Quem ousará vangloriar-se sobre seu próprio conhecimento, reconhecendo que "homem natural não aceita as coisas do Espírito de Deus" (1 Co 2.14)?" c. Lições que aprendemos i. O pecado é coisa séria: Não dá para brincar ou relativar o conceito de pecado. Somos culpados. Jogar a culpa do nosso pecado nos outros não resolverá o problema. Ignorar ou minimizar os efeitos do nosso pecado muito menos. Precisamos encarar com seriedade os nossos pecados e nos arrependermos enquanto é tempo. Negar o pecado não fará com que ele desapareça. ii. Entendemos o que o homem é: Mau, perverso, pecador e extremamente doente, fora do padrão que Deus o criou para ser. iii. A obra de Cristo: Apesar de vermos essa triste história do pecado e de como nós agimos nessa relação, aprendemos que a obra de Cristo foi feita na cruz para nos trazer a cura sobre o pecado. Sabe aquela doença que a medicina dedica todos os seus esforços para chegar a uma cura? E o achado desta cura se torna maravilha e alegria para os doentes. É o mesmo para nós. Uma vez conhecendo bem o diagnóstico da nossa doença, 16/02/2014 7
  8. 8. Igreja Presbiteriana do Bairro Amambaí Escola Bíblica Dominical 2014 Classe: Velho Testamento agora nos maravilhamos com a sua cura. "Verdadeiramente ele tomou sobre si as nossas enfermidades, e as nossas dores levou sobre si; e nós o reputávamos por aflito, ferido de Deus, e oprimido. Mas ele foi ferido por causa das nossas transgressões, e móido por causa das nossas iniquidades; o castigo que nos traz a paz estava sobre ele, e pelas suas pisaduras fomos sarados." Isaías 53.4-5. Para ver arquivos e recursos desta aula, acesse: http://bit.ly/ebdvt 16/02/2014 8

×