1 INTRODUÇÃO
No cenário das ciencias da saúde, observa-se uma tendencia em delimitar as fronteiras
entre aquilo que é norm...
I Congresso de Pesquisa e Extensão da FSG
Caxias do Sul – RS, de 30 de Setembro a 02 de Outubro de 2013
2
aspectos, sejam ...
I Congresso de Pesquisa e Extensão da FSG
Caxias do Sul – RS, de 30 de Setembro a 02 de Outubro de 2013
3
A natureza (phys...
I Congresso de Pesquisa e Extensão da FSG
Caxias do Sul – RS, de 30 de Setembro a 02 de Outubro de 2013
4
organismo. No en...
I Congresso de Pesquisa e Extensão da FSG
Caxias do Sul – RS, de 30 de Setembro a 02 de Outubro de 2013
5
2.1 O normal e o...
I Congresso de Pesquisa e Extensão da FSG
Caxias do Sul – RS, de 30 de Setembro a 02 de Outubro de 2013
6
vezes, acontecim...
I Congresso de Pesquisa e Extensão da FSG
Caxias do Sul – RS, de 30 de Setembro a 02 de Outubro de 2013
7
Canguilhem, prop...
I Congresso de Pesquisa e Extensão da FSG
Caxias do Sul – RS, de 30 de Setembro a 02 de Outubro de 2013
8
O ponto de chega...
I Congresso de Pesquisa e Extensão da FSG
Caxias do Sul – RS, de 30 de Setembro a 02 de Outubro de 2013
9
maneira mais ade...
I Congresso de Pesquisa e Extensão da FSG
Caxias do Sul – RS, de 30 de Setembro a 02 de Outubro de 2013
10
6 REFERÊNCIAS
F...
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Rossatto2013

311 visualizações

Publicada em

0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
311
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
1
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
1
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Rossatto2013

  1. 1. 1 INTRODUÇÃO No cenário das ciencias da saúde, observa-se uma tendencia em delimitar as fronteiras entre aquilo que é normal e patológico. Consoante a isso, presencia-se movimentos que anseiam em reunir sintomas característicos que classificam determinadas patologias, como por exemplo a utilização do CID (Codigo de Internacional de doença), bem como, mais recente, a elaboração do novo DSM (Diagnoticos de Saude Mental) que já esta em sua 5ª edição. Esta pratica se mantém, devido a diversidade de saberes científicos que acabam apresentando determinada compreensão de normal e patológico, com o intuito de subsidiar suas práticas. Nesse contexto, pensar os conceitos de normal e patológico requer um debate articulado de caráter reflexivo, pois para compreende-los é necessário abordar diferentes I Congresso de Pesquisa e Extensão da FSG http://ojs.fsg.br/index.php/pesquisaextensao OS CONCEITOS DE NORMAL E PATOLÓGICO: ENTRE UMA DIMENSÃO CIENTÍFICA E UMA DIMENSÃO DO EXISTIR HUMANO Rosana Rossattoa , Rafael Wolski de Oliveirab , Adriel Marangoni c , Yasmin Fedrizzi Scola d , Adriana de Zorzi e , Julia Jacobid a Licenciatura em Filosofia (UCS). Acadêmica de Psicologia (FSG); rosana_rossatto@hotmail.com b Mestre em Psicologia Social e Institucional (UFRGS). Docente do curso de graduação em Psicologia (FSG); rafael.wolski@fsg.br c Acadêmico de Psicologia (FSG). Faculdade da Serra Gaúcha (FSG); d Acadêmica de Psicologia (FSG). Faculdade da Serra Gaúcha (FSG); e Acadêmica de Psicologia (FSG). Faculdade da Serra Gaúcha (FSG); f Acadêmica de Psicologia (FSG). Faculdade da Serra Gaúcha (FSG); Informações de Submissão Autor Correspondente Rosana Rossatto, endereço: Rua Os Dezoito do Forte, 2366 - Caxias do Sul - RS - CEP: 95020-472 Resumo O presente artigo tem por intuito apresentar um dialogo reflexivo acerca dos conceitos de normal e patológico, construídos ao longo de diferentes períodos históricos. Para tratar dessas concepções se buscou como teóricos, respectivamente, o psiquiatra e filósofo francês Georges Canguilhem e Michel Foucault. Desse modo, mediante a um estudo bibliográfico, buscou-se nas obras, O Normal e o Patológico e a História da Loucura e outros escritos de Foucault, promover um debate articulado a partir dos estudos historiográficos sobre o normal e o patológico, propostos pelos autores, bem como suas próprias compreensões de tais conceitos. Nessa direção, um estudo conceitual transcende o sentido e significado das palavras, oferecendo, dessa maneira, subsídios para se pensar as implicações das vicissitudes de normal e patológico no campo da psicologia. Palavras-chave: Normal. Patológico. Normatização. Poder.
  2. 2. I Congresso de Pesquisa e Extensão da FSG Caxias do Sul – RS, de 30 de Setembro a 02 de Outubro de 2013 2 aspectos, sejam eles de cunho filosófico, histórico, social ou político. Para tanto, com o intuito de buscar pensamentos que sirvam de material histórico para pensar o presente, realizou-se um estudo da obra, O Normal e o Patólogico (2012) de Georges Canguilhem, a qual o autor acessa diferentes momentos históricos a partir de diferentes autores, promovendo uma discussão de caráter filosófico acerca das concepções de normal e patológico. Ademais, utilizou-se de fragmentos de obras do filósofo francês Michel Foucault, tendo como maior relevância sua clássica obra, História da Loucura. Aqui, é possível acessar aspectos relevantes a diferentes contextos históricos que acabam determinando o que se caracteriza como normal e patológico. Nesse sentido, o objetivo do trabalho é propor uma discussão articulada entre tais concepções, possibilitando uma reflexão ampla dos conceitos valendo-se de dimensões históricas, sociais e política, bem como científica. Nesta direção, o trabalho esta estruturado em dois capítulos. Num primeiro momento apresenta-se os conceitos de normal e patológico contruídos historicamente, estudo realizado por Canguilhem. O autor demarca as alternâncias de tais concepções em conformidade com os discursos das ciencias medicas, que se utilizam de critérios para construção dos conceitos que subsidiarão suas praticas. Indo além, apresenta-se as perspectivas em torno do normal e patológico pensadas pelo Canguilhem. No segundo capítulo, expõe-se o discurso da loucura analisado por Foucault em diferentes momentos históricos, o qual legitima as alternâncias deste conceito que se corrobora frente a uma relação entre poder e saber. 2 O Normal e o patológico:uma construção histórica. "A loucura é diagnosticada pelos sãos, que não se submetem a diagnóstico. Há um limite em que a razão deixa de ser razão, e a loucura ainda é razoável. Somos lúcidos na medida em que perdemos a riqueza da imaginação. (Carlos Drumond de Andrade). Ao pensar as concepções de normal e patológico, Canguilhem (2012) propõe um resgate de aspectos históricos. Assim, referindo-se a Hipócrates, filósofo grego, situa a doença como resultado de conflitos entre forças internas, sendo o próprio organismo responsável para o reestabelecimento do equilíbrio destas forças que se encontram em desordem. Desse modo, o médico se torna o aliado da natureza orgânica do indivíduo, trabalhando para o processo de cura.
  3. 3. I Congresso de Pesquisa e Extensão da FSG Caxias do Sul – RS, de 30 de Setembro a 02 de Outubro de 2013 3 A natureza (physis), tanto no homem como fora dele, é harmonia e equlibrio. A perturbação desse equilibrio, dessa harmonia, é a doença. Nesse caso, a doença não está em alguma parte do homem. Está e, todo o homem e é toda dele. As circunstâncias externas são ocasiões, e não causas. O que está em equilíbrio no homem, e cuja perturbação causa a doença, são quatro humores, cuja fluidez é precisamente capaz de suportar variações e oscilações, e cujas qualidades são agrupadas duas a duas, segundo seu constraste (quente, frio, úmido, seco). A doença não é somente desequlíbrio ou desarmonia; ela é também, e talvez sobretudo, o esforço que a natureza exerce no homem para obter um novo equilíbrio (CANGUILHEM, 2012, p. 10) Nesse sentido, a partir dos pressupostos encontrados na Grécia antiga, Canguilhem (2012) oferece uma compreensão quantitativa da doença, pois adoecer implica em um desequilibrio interno, a uma desarmonia evidente no organismo. Trata-se de uma falta ou execesso de possíveis substâncias, o que ocasionaria o adoecimento. Indo de encontro com a abordagem hipocrática, canguilhem apresenta a perspectiva da medicina egípicia e oriental. Esta expõe o adoecimento como uma variação qualitativa no organismo, relacionando a doença ao aparecimento de parasitas no corpo, acreditava-se que a “doença entra e sai do homem como por uma porta” (Canguilhem, 2012, p. 09). Ou seja, pregava-se que o organismo adoecia devido a fatores externos. Assim, tanto elementos externos tinham a capacidade de adoecer, bem como curar. Daí, justificam-se o uso de drogas e ritos em busca da cura. A partir dos estudos de Canguilhem (2012), reconhece-se duas compreensões distintas da dicotomia saúde-doença. Na visão grega, hipocrática, a doença passa a ser algo dinâmico e intrínsico. Nesta dimensão, não há intervenção externa, pois o organismo estabelece suas próprias estratégias para aquisição do equilibrio. Assim, o potencial da cura é orgânico. Portanto, neste contexto, os conflitos entre saúde-doença poderia ser vista como algo normal. Em oposiçao a esta concepção, situada no Egito, tem-se a ideia de doença como algo extrínseco. Ou seja, a doença é algo externo ao organismo, existe parasitas ou ações sobrenaturais que acabam levando ao adoecimento. Aqui, a doença passa a ser concebida como algo anormal, necessitando de auxílio externo para ser reinstaurada. Assim, o autor conclui, “a doença difere da saúde, o patológico, do normal, como uma qualidade difere da outra, quer pela presença ou ausência de um princípio definido, quer pela reestruturação da totalidade orgânica” (Canguilhem, 2012, p. 11). Nesta direção, Canguilhem avança em sua reconstrução histórica, possibiltando o reconhecimento destas abordagens extrínseco/intríseco frente a compreensão saude-doença, em outros momentos históricos. No período que compreende a Idade Média é possível reconhecer uma compreensão de doença correlta a ideia de elementos externos que acabam implicando no adoecimento do
  4. 4. I Congresso de Pesquisa e Extensão da FSG Caxias do Sul – RS, de 30 de Setembro a 02 de Outubro de 2013 4 organismo. No entanto, neste contexto, o indivíduo além da doença assume a culpa pela sua enfermidade, pois as variantes são outras, doença/pecado e saúde/salvação. Desse modo, a doença estava associada ao erro, ao pecado que acarreta a uma punição. Sendo assim, a manutenção da saúde implica em não pecar, buscando a salvação. Nesta dimensão, é possível reconhecer uma norma aplicada para obtenção da salvação e da saúde. Indo além, Canguilhem (2012) apresenta o inicio da perspecitva moderna, expondo o movimento de Comte e Bernard em resgatar a concepção de doença como algo intrínsico, sem desconsiderar a possibilidade de agentes externos. Ressalva-se, que nesse período Pasteur contribui para tal compreensão tendo comprovado a existência de microorganismos provedores de doença. Assim, a partir de uma sustentação científica e não mais mística, conclui-se que elementos externos podem provocar enfermidades. Para tanto, o cientista se aproxima das ideias disseminadas pelo positivismo de Augusto Comte. Este influenciado pelas ideias de Broussais, propagava a ideia de uma clínica experimental e mensurável, aonde as variaveis são controladas para que possa haver uma intervenção posterior. Faz-se necessário ressaltar que Broussais explicita como elemento fundamental para vida a exicitação, o homem só existe pela excitação exercida sobre seus orgãos pelos meios dos quais é obrigado a viver(...)aplicar a doutrina fisiológica a patologia é pesquisar o modo como essa ‘excitação pode se desviar do estado normal e contituir um estado anormal ou doentio’ (CANGUILHEM, 2012, p. 22). Neste contexto, patologia e fisologia se aproximam, sendo a doença entendida a partir da fisiologia. Aqui, a patologia passa a ser algo apropriável para ciência. Desse modo, a intervenção se baseia na restituição daquilo que esta alterado. Sendo que, esta implica em falta ou excesso de algum elemento no organismo. Como afirma o autor, “a distinção entre o normal e o fisiológico e o anormal ou patológico seria, portanto, uma simples distinção quantitativa, se nos prendermos aos termos excesso ou falta” (Cangulhem, 2012, p. 23). Desse modo, a patologia seria o desvio do normal, sendo que o normal, para Boussais, seria o funcionamento dos orgãos de maneira uniforme e regular. Nesta dimensão, o normal é entendido como normativo, conexo a algum valor.
  5. 5. I Congresso de Pesquisa e Extensão da FSG Caxias do Sul – RS, de 30 de Setembro a 02 de Outubro de 2013 5 2.1 O normal e o patológico: uma compreensão do existir humano. A partir da reconstrução histórica das concepções de normal e patológico, Canguilhem (2012) afirma que antes de situar o que é de ordem normal, é mister pensar e construir uma compreensão sobre a própria vida. Conforme o autor, é preciso reconhecer a vida em constante devir, ou seja, viver implica em uma polaridade dinâmica. Sendo que, este movimento remete à oscilação do organismo entre momentos distintos por definição. Ademais, é preciso compreender esta oscilação como um acontecimento que faz parte da existência da condição humana. Ou seja, não implica em situar um polo que seja negativo e outro positivo, mas entender esta dinamicidade inerente ao curso do existir humano. É por referência a polaridade dinâmica da vida que se podem chamar de normais determinados tipos ou funções. Se exitem normas biológicas, é porque a vida, sendo não apenas submissão ao meio mas também instituição de seu próprio meio, estebelece, por isso mesmo , valores, não apenas no meio, mas também no próprio organismo. É o que chamamos de normatividade biológica (CANGUILHEM, 2012, p.165) Diante disso, para Canguilhem (2012) no momento em que se apreende a vida como polarizada, bem como o normal entendido como uma inclinação do orgão em alcançar novas constantes que potencializem o funcionamento desse, a doença passa a ser assinalada como a incapacidade do corpo de se colocar de maneira normativa. Contudo, este entendimento não direciona a doença como resultante de desordem. Trata-se de vincular a doença a determinada normatividade. Portanto para o autor, a ausência de normalidade não induz ao anormal. Aqui, o patológico passa ser normal, pois a condição de estar vivo implicaria a possibilidade do adoecer. Assim, saúde e doença implicam em uma norma de vida. Não é absurdo considerar o estado patológico como normal, na medida em que exprime uma relação com a normatividade da vida. Seria absurdo, porém, considerar esse normal idêntico ao normal fisiológico, pois trata-se de normas diferentes. Não é a ausência de normalidade que constitui o anormal. Não existe absolutamente vida sem normas de vida, e o estado mórbido é sempre uma certa maneira de viver (CANGUILHEM, 2012, p. 165) Nesta direção, o autor infere a doença como um processo de construção valorativa. Trata-se de um conceito edificado a partir de uma conjuntura de ideias justificadas por valores. Assim, a doença refere-se a inadequação e a saúde ao adequado. Portanto, a norma que possibilita a caracterização de determinada doença não é de ordem do natural, mas construída em conformidade com determinados valores. Conforme Canguilhem (2012), por
  6. 6. I Congresso de Pesquisa e Extensão da FSG Caxias do Sul – RS, de 30 de Setembro a 02 de Outubro de 2013 6 vezes, acontecimentos que fogem do habitual, por exemplo a mutação na dimensão da biologia, necessariamente não pode ser considerada negativa, pois sugere-se a ideia de uma evolução no sentido de garantir a vida. Com isso, não subjaz uma compreensão de patológico como um desvio da norma, mas se trata de uma norma distinta, valorizada como inferior. Neste contexto, emerge a medicina que por meio de uma operação de valores converte os conceitos em ideais normativos de sua prática. Utilizando-se de critérios que delimitam uma linha divisória entre aquilo que passa a ser normal ou anormal. Sendo que, para o estado anormal é atribuído uma valoração negativa, ruim. Desse modo, este termo é fundamentalmente valorativo não infere apenas uma diferença, subjaz a ideia de uma “diferença ruim”. Aqui, reconhece-se a medicina como sendo moral, pois sua atividade implica em estabelecer valores em relação aos quais a saúde e a doença serão discriminadas. Para Canguilhem (2012), o conteúdo do estado patológico não pode ser deduzido de maneira lógica ou analógica, do conteúdo da saúde, pois o estar doente implica uma nova extensão da vida. Trata-se, de uma estrutura singular, individual alterada. As reações patológicas nunca se apresentam no indivíduo normal da mesma forma e nas condições, pois patológico implica uma relação com um meio novo, mais limitado, já que o doente não consegue responder às exigencias do meio normal anterior. Portanto, para o autor o estado de saúde implica na capacidade do indivíduo em relacionar-se normativamente com o meio, ou seja, de criar normas vitais para segurança e continuidade da existência. Nesta direção, é importante destacar dois conceitos estabelecidos por Canguilhem o da normatividade e o da normalidade. O primeiro, implica na capacidade do indivíduo em organizar-se em seu meio e compor normas para sua existênca. O segundo, subjaz uma ideia de julgmento em torno da adequação a uma norma de funcionamento dita como mais apropriada. Nesta perspectiva, a vida passa a ser um valor para o indivíduo que zela pela sua manutenção, assim a medicina seria apenas uma extensão desse valor. Aqui, o próprio indivíduo é capaz de realizar um julgamento de sua doença. Ou seja, a generalização do que é patológico torna-se algo de grande imprecisão. 3. Os conceitos de “normal” e “patológico” em uma perspectiva foucaultiana. Ao pensar os conceitos de normal e patológico é de extrema relevancia apresentar as considerações do filosófo frances Michel Foucault, pois este levantou importantes discussões para o entendimento daquilo que é considerado normal ou anormal. Aluno de Georges
  7. 7. I Congresso de Pesquisa e Extensão da FSG Caxias do Sul – RS, de 30 de Setembro a 02 de Outubro de 2013 7 Canguilhem, propõe uma reflexão histórica sobre a visão da norma, tendo como fundamentação a análise do contexto socio-histórico de produção da chamada “loucura”. Nesta direção, Foucault (2004) salienta que com Broussais emerge os primeiros pressupostos que fundamentaram e reorganizaram a medicina no século XIX, e assim, as concepções de normal e patológico. Ou seja, a prática médica anterior a este período aludia em uma regra de vida, acompanhavam-se práticas de isolamento, quarentena, que implicavam na manutenção da saúde. Consoante a isso, a partir do século XIX a medicina “regula-se mais pela normalidade do que pela saúde; é em relação a um tipo de funcionamento ou de estrutura orgânica que ela forma seus conceitos e prescreve suas intervenções”(Foucault, 1998, p. 39). Nesse sentido, para o pensador os conceitos de normalidade e anormalidade, correlacionam-se a complexos mecanismos disciplinadores, tendo por objetivo impor aos indivíduos certos modelos de comportamento vistos como adequados. Contudo, os indivíduos se tornam disciplinados, sendo categorizados como normais quando assumem posturas impostas como adequadas, ao contrário recebem o estigma de anormais. Desse modo, segundo Foucault estamos inseridos em uma sociedade disciplinar que determina o que é de ordem normal ou anormal. Daí. Justifica-se a loucura como produção social e não uma condição irrelutável de certos sujeitos. Ou seja, o conceito de loucura varia segundo os critérios legitimados em diferentes contextos sociais e históricos. Desse modo, no trajeto histórico presente na maioria de seus escritos, Foucault assinala, as diferenças que marcaram a passagem do período renascentista, que compreende o século XV e XVI, para a chamada idade clássica e em seguida as que marcaram a passagem da idade clássica para moderna. Nesse sentido, é possível reonhecer que pensar a loucura requer uma reflexão sobre as relações de poder e saber nos diferentes contextos histórico- social. Com isso, em sua obra clássica História da loucura, Foucault começa falar sobre o estigma imposto sobre os leprosos no final da Idade Média. Desse modo, os leprosos, os portadores de doenças venerias e os loucos ameaçavam a sociedade, assim deveriam ser banidos do convívio social. No que compreende ao período da renascença, emerge o navio conhecido como “nau do louco”. Aqui, embarcavam pessoas que, simbolicamente, partiam em direção a fortuna ou a revelação dos seus destinos. No entanto, tratava-se de um mecanismo de afastamento do “louco” da visibilidade social, proporcionando mais segurança para a população. Como salienta o autor, “A navegação entrega ao homem à certeza de sua sorte” (Foucault, 1997, p.03). Aqui, o louco passa ser errante que parte em busca de sua sorte.
  8. 8. I Congresso de Pesquisa e Extensão da FSG Caxias do Sul – RS, de 30 de Setembro a 02 de Outubro de 2013 8 O ponto de chegada do percurso histórico realizado pelo filósofo esta na acensão de um novo tipo de sociedade. Trata-se da sociedade industrial que traz consigo o advento do capitalismo, bem como a ascensão da burguesia. Neste contexto, as relações de poder são marcadas pela vigilância, controle e correção. Nota -se que esse mecanismo de afastamento do louco, é um exemplo claro de como a organização social coordena a vida pessoal dos individuos, restringindo a liberdade e controlando comportamentos. Porém como a sociedade consegue transmitir suas regras de tal modo que influencie os individuos que nela vivem? A sociedade e suas divisões está marcada pelo surgimento de instituições. Para que exista uma instituição se faz necessária adoção de certas regras. A existencia de regras e organização, são a principal característica de qualquer institucionalização. No contexto social, observa-se a constituição de um número expressivo de instituições, como por exemplo: a familia, a escola, o trabalho, as penitenciárias, etc. As instituições além de estabelecer suas regras e condições buscam a participação efetiva dos individuos no funcionamento do que foi estabelecido, gerando assim uma complementariedade, visto que regras são feitas para individuos e permeiam suas vidas de modo expressivo. Como consequencia da interação entre indivíduos e instituições temos a norma como um conjunto complexo de regras que visa certo controle social. Neste caso, observa-se a necessidade de normas que se apliquem para um grande número de pessoas e como consequencia a existencia dos individuos se torna fortemente associada a existência das normas. Esse processo é sutil de tal forma que parece natural, para a maioria das pessoas delimitar os objetivos de vida conforme os limites estabelecidos pela disciplina social. A finalidade ultima desse mecanismo é fixar o individuo a uma norma integrá-lo em um esquema de normalização, mas ao mesmo tempo em que produz o normal a disciplina produz o anormal. É possivel situar o retardado mental como individuo inadequado a disciplina escolar; o delinquente à disciplina policial; (SILVA, 2008, p. 146) Indo além, o filósofo afirma a existência de um poder exercido sobre o indivíduo, que busca controlar a vida em um sentido amplo (nascimento, morte, doença). Este denomina-se o Biopoder. Sugeram-se estatísticas sobre mortalidade ou natalidade, inquietações que as ciencias humanas aparecem como operadoras ideias de resoluções de problemas. Desse modo, há um interdito na vida das pessoas que afirma como garantir a vida e sua expressão de
  9. 9. I Congresso de Pesquisa e Extensão da FSG Caxias do Sul – RS, de 30 de Setembro a 02 de Outubro de 2013 9 maneira mais adequada, fortalecendo a ideia de uma possível delimitção daquilo que é da ordem do normal e patológico. 4 CONCLUSÃO Ao pensar a construção histórica dos conceitos de normal e patológico propostos por Ganguilhem e Foucault, reconhece-se a importância desse olhar para história que oferece subsídios para se estar pensando o presente e assim, a prática dos psicologos. Sendo que, esta tarefa se mostra essencial na atualidade, pois observa-se um número crescente de nomenclaturas que acabam ditando diferentes patologias, movimento que se destaca na mídia, bem como na atenção popular. Nota-se que aumenta os indices de individuos portadores de alguma patologia, pois a compreensão de doença acaba variando entre um desvio orgânico, fisiológico ou a uma dificuldade de adaptação social. Então, para o contento das industrias farmaceuticas, sugere-se intervenções medicamentosas ou um treinamento adaptativo para inserção social. Ademais, com Canguilhem e Foucault é possível reconhecer uma negação do caráter científico da psicopatologia, para os autores qualquer experiência que tenhamos não significa que seja determinada cientificamente. Nesse sentido, como futuros psicológos é importante compreender o ser humano não como uma coleção de substâncias ou de estruturas psíquicas ou mecanismos, mas como algo que emerge, em ebulição, como EXISTENTE. Ainda nessa perspectiva, é importante perceber que buscar por uma compreensão dos conceitos de normal e patológico, gera diferentes e diverosos questionamentos. Assim, observa-se inquietações realacionadas à evolução dos conceitos, bem como entenimento de diferentes autores, ou a influência das ciências médicas em sua organização. O importante é que sua problematização, mostra-se essencial para a ciência psicologica. Através deste diálogo reflexivo é que podemos assumir uma posição autêntica, contrário a um caráter superficial em assuntos que apresentam importantes para uma efetiva tranformação da realidade.
  10. 10. I Congresso de Pesquisa e Extensão da FSG Caxias do Sul – RS, de 30 de Setembro a 02 de Outubro de 2013 10 6 REFERÊNCIAS FOUCUALT, M. A História da Loucura na Idade Clássica. São Paulo: Perspectiva, 1997. _____________. Arqueologia das Ciências e História dos sistemas de Pensamento. Rio de Janeiro: Forense Unversitária, 2000. _____________. O Nascimento da clínica. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 2004. _____________. Microfísica do Poder. São Paulo: Graal, 2012. SILVA, M.M. A Saúde Mental e a Fabricação da Normalidade: uma Crítica aos Excessos do Ideal Normalizador a Partir das Obras de Foucault e Canguilhem. Interação em Psicologia: Curitiba, 2008. CANGUILHEM, G. O Normal e O Patológico. Rio de Janeiro: Forense-Universitária, 2012. PAULUS. J. “Você é normal?”, Artigo. Revista Mente Cérebro. Ed. 240. São Paulo: Janeiro 2013.

×