Teoria Social Contemporânea Giddens II

7.628 visualizações

Publicada em

Publicada em: Educação
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
7.628
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
1
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
86
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Teoria Social Contemporânea Giddens II

  1. 1. UNIVERSIDADE METODISTA DE SÃO PAULO Faculdade de Humanidades e Direito Licenciatura em Ciências Sociais Campus – EAD – Pólo Campinas Módulo: Repensando as relações sociais no mundo contemporâneo Tema: Teoria Social Contemporânea Giddens II Prof.: Paulo Barrera Atividade para: 28/11/09 DISCENTE: Alcione Fátima da Silva Jurigan 4º período – RA : 155630 ATIVIDADE SOLICITADA: Está é uma atividade de síntese das duas aulas sobre o pensamento de Giddens. A partir do texto de Asensi, do capítulo titulado “Teoria Social Contemporânea – Reflexividade, agente e estruturação no pensamento de Anthony Giddens” (no Guia de Estudos do EAD Relações mundializadas, neoliberalismo e sociabilidade humana) e das idéias apresentadas na tele aula, escreva um pequeno ensaio (2 a 3 paginas) com o título: “O agente social na teoria da estruturação de Giddens”. Leve em consideração as idéias de “consciência prática”, “consciência discursiva” e reflexividade. Inclua um parágrafo final conclusivo dando sua própria opinião sobre a utilidade do pensamento de Giddens para estudar as sociedades contemporâneas. Encaminhe seu ensaio pelo Moodle. Nas Teorias Sociais clássicas vários teóricos como Comte, Durkheim, Weber, Marx , analisaram os fenômenos da sociedade cada um com suas particularidades específicas que deram nome às suas teorias e revolucionaram em cada momento no decorrer dos séculos com suas idéias as teorias da sociedade. A modernização reflexiva surge em oposição as idéias desses teóricos tradicionalistas com Giddens, bem como , com Bordieu entre outros , porém mais acentuadamente com Giddens que a partir dos avanços tecnológicos , com a globalização e uma nova forma de ver a sociedade que se transforma cotidianamente o cientista social observando essas transformações surge com novas teorias em opção as teorias tradicionais, onde o homem passa a ser na sociedade pós-moderna como agente ou ator social inserido na sociedade em que ele atua, transformando a sociedade com criatividade a partir de fenômenos sociais já preexistentes dentro dela. Giddens , assim como Bordieu, surgem no pensamento considerado pós-moderno, com idéias renovadoras de uma sociedade, onde mais acentuadamente Giddens analisa a sociedade a partir da interação que acontece entre o individuo e a sociedade de forma que o 1
  2. 2. individuo pratique uma ação social, porém ele não tem consciência prática da ação que comete. Para Giddens, o ser humano passa a ser agente social das ações que pratica, porém , ele não sabe, ou seja, não tem consciência prática dessas ações e é nesse momento que o cientista social surge para analisar que a sociedade é capaz de praticar atos de que não tem noções no momento em ele as pratica. Dessa forma, o homem se torna agente ou aquele que atua socialmente, porém ao realizar suas ações na sociedade ele não associa essa ação praticada com uma intenção específica e sim com a atitude final de ter realizado aquela ação. Ao tornar-se agente na sociedade de suas ações o homem utiliza-se de sua consciência segundo Giddens “discursiva e prática”, onde a consciência discursiva e a consciência prática estão inter-relacionadas enquanto na consciência discursiva o homem se apóia nos símbolos como a linguagem, por exemplo, para servir-se e colocar em ação a consciência discursiva o homem dispõe de uma bagagem de conhecimentos que são adquiridos ao longo de sua vida em sociedade com suas especificidades que o qualificam diferentemente de cada ser humano nas suas ações práticas o que resulta na consciência prática daquilo que antes era uma consciência apenas discursiva. É a partir desse conceito estabelecido por Giddens para consciência prática que o homem estabelecerá relação com o agente social ou ator social, sendo aquele que a partir de suas ações em sociedade mesmo que inconscientemente ou apenas intuitivamente produzirá um efeito na sociedade em que ele está inserido, sendo assim , o agente ou ator social não é apenas aquele que realiza as coisas, ou seja, aquele que pratica a ação , mais sim, aquele que possui a capacidade para realizar tal e tal ação e por conseguinte essa capacidade de realizar tal ação produzirá um efeito. É nesse ponto que a teoria de Giddens diferencia-se dos demais pensamentos teóricos clássicos antes dessa “pós-modernidade” , onde eles achavam que o homem era apenas um agente passivo na sociedade dominada por classes e por interesses a que a classe dominante teria que se submeter passivamente. Para Gidddens nessa nova teoria de estruturação da sociedade o homem passa a ser agente ou ator social com ações realizadas pelo próprio homem que sai do seu campo de conforto, esperando alguém decidir por ele algo na sociedade em que ele está inserido, e passa ele mesmo , o homem , enquanto, agente ou ator social a reproduzir uma nova sociedade onde ele não é mais um mero espectador e sim alguém que participa ativamente dos resultados obtidos a partir dos efeitos causados por suas ações realizadas em sociedade, atuando e influenciando a sociedade em que o mesmo está inserido, 2
  3. 3. sabendo conscientemente nesse caso o porquê ele está agindo dessa ou daquela forma usando para isso sua consciência discursiva. Conclui-se, então, se apoiando nas teorias de Giddens, que a Sociologia é uma ciência da modernidade que desponta na viragem histórica ocorrida nos séculos XVIII e XIX, que analisa criticamente a sociedade, verificando e expondo objetivamente os seus problemas, a fim de que possamos compreendê-los. A meu ver, as teorias propostas por Giddens que resultaram na sociologia da modernização reflexiva contribuem para que o indivíduo (agente ou sujeito) a refletir sobre a sociedade pós-moderna, inserida num contexto cada vez mais industrializado, inovador e tecnológico que motivam e propiciam reflexões acerca desse assunto que está ao nosso redor cotidianamente e nos impulsiona a refletir sobre esse ou aquele tema resultado de condições e experiências que todo dia estamos vivenciando, observando, assimilando em nossas vidas. Apesar de, essas reflexões poderem comprometer as bases da sociedade industrial, visto que, quanto mais modernização, mais o indivíduo adquire capacidade de extrair reflexões e isso pode vir a comprometer a sociedade industrial, caso essas reflexões sejam utilizadas de maneira prejudicial à sociedade industrializada. Essas noções e percepções da realidade a qual estamos inseridos vai nos motivar reflexões e formular idéias mesmo que do ponto de vista do senso comum, quer queiramos ou não. Acredito que apesar das criticas ou de se achar que essa teoria da sociologia moderna reflexiva já está esgotada em favor de outras teorias que verdadeiramente possam estar substituindo as já existentes, a sociedade é dinâmica e se confrontarmos com a história pode-se notar tudo que as ciências sociais evoluíram e ainda podem mesmo traduzir novas teorias no lugar das já existentes, porém, olhando para a sociologia de modernização reflexiva de Giddens, prefiro adotar esse olhar sociológico às teorias clássicas propostas por outros pensadores, visto que, na pós-modernidade outras teorias estão apontando para uma nova forma de capitalismo. Referências Bibliográficas Rivera, Paulo Barrera. Guia de Estudos do EAD Relações mundializadas, neoliberalismo e sociabilidade humana) “Teoria Social Contemporânea – Reflexividade, agente e estruturação no pensamento de Anthony Giddens” . páginas 68-74. Asensi, Felipe Dutra. Disponível em: http://www.duplipensar.net/artigos/2006-Q2/anthony-giddens-teoria-da- estruturacao-e-acao-coletiva.html. publicado em: 08/06/2006. Acessado em 26/10/09. 3

×