N-108 REV. C JAN / 2005
PROPRIEDADE DA PETROBRAS 3 páginas
SUSPIROS E DRENOS PARA
TUBULAÇÕES E EQUIPAMENTOS
CONTEC SC-17
T...
N-108 REV. C SET / 2003
PROPRIEDADE DA PETROBRAS 14 páginas e Índice de Revisões
SUSPIROS E DRENOS PARA
TUBULAÇÕES E EQUIP...
N-108 REV. C SET / 2003
2
1 OBJETIVO
1.1 Esta Norma padroniza e define os tipos os arranjos típicos de suspiros e drenos p...
N-108 REV. C SET / 2003
3
3.4 Produtos Frios
Fluidos com temperatura igual ou inferior a 60 °C.
3.5 “Pump Out”
Tubulações ...
N-108 REV. C SET / 2003
4
4.11 Os drenos e suspiros para serviços com gases liquefeitos inflamáveis (tais como: GLP,
propa...
N-108 REV. C SET / 2003
5
6.1.2 Suspiros
Bloqueio com flange cego, inclusive em diâmetros inferiores a 1 1/2”.
6.2 Bombas
...
N-108 REV. C SET / 2003
6
Nota: Os drenos das carcaças das turbinas, devem possuir apenas bloqueios (sem
purgadores).
6.5 ...
N-108 REV. C SET / 2003
7
6.7 Tubulação
6.7.1 Pontos de Tubulação
Prever suspiros nas tubulações, no mínimo, 1 suspiro a c...
N-108 REV. C SET / 2003
IR 1/1
ÍNDICE DE REVISÕES
REV. A e B
Não existe índice de revisões.
REV. C
Partes Atingidas Descri...
70397172 n-0108-suspiro-e-drenos-para-tubulacoes-e-equipamentos
70397172 n-0108-suspiro-e-drenos-para-tubulacoes-e-equipamentos
70397172 n-0108-suspiro-e-drenos-para-tubulacoes-e-equipamentos
70397172 n-0108-suspiro-e-drenos-para-tubulacoes-e-equipamentos
70397172 n-0108-suspiro-e-drenos-para-tubulacoes-e-equipamentos
70397172 n-0108-suspiro-e-drenos-para-tubulacoes-e-equipamentos
70397172 n-0108-suspiro-e-drenos-para-tubulacoes-e-equipamentos
70397172 n-0108-suspiro-e-drenos-para-tubulacoes-e-equipamentos
70397172 n-0108-suspiro-e-drenos-para-tubulacoes-e-equipamentos
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

70397172 n-0108-suspiro-e-drenos-para-tubulacoes-e-equipamentos

694 visualizações

Publicada em

0 comentários
1 gostou
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
694
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
1
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
31
Comentários
0
Gostaram
1
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

70397172 n-0108-suspiro-e-drenos-para-tubulacoes-e-equipamentos

  1. 1. N-108 REV. C JAN / 2005 PROPRIEDADE DA PETROBRAS 3 páginas SUSPIROS E DRENOS PARA TUBULAÇÕES E EQUIPAMENTOS CONTEC SC-17 Tubulações 1a Emenda Esta é a 1ª Emenda da Norma PETROBRAS N-108 REV. C, devendo ser grampeada na frente da Norma e se destina a modificar o seu texto nas partes indicadas a seguir. - Retirar a referência à norma PETROBRAS N-2444 - Material de Tubulação para Duto, Bases, Terminais e Estações do Capítulo 2 e itens 4.5 e 4.10. - Substituir o item 4.1 conforme segue: 4.1 Todos os drenos e suspiros devem ter diâmetro mínimo de 3/4”. - Cancelar item 4.3. - Substituir o item 4.7 conforme segue: 4.7 A posição dos drenos e suspiros deve levar em consideração a dilatação térmica do tubo tronco evitando interferências, em especial com suportes e colunas. - Substituir o item 4.11 conforme segue: 4.11 Nos drenos e suspiros com gases liquefeitos inflamáveis (como GLP, propano e eteno), e que têm previsão de limpeza com vapor acima de 180 ºC, utilizar válvulas gaveta ao invés de válvula esfera. - Substituir o item 5.2 conforme segue: 5.2 A FIGURA A-2 do ANEXO A apresenta os suspiros e drenos de tubulações para hidrogênio ou classe de pressão igual ou superior a 900# conforme norma ASME B16.5. - Substituir o item 5.4 conforme segue: 5.4 A FIGURA A-4 do ANEXO A apresenta os suspiros e drenos de tubulações para serviço com hidrocarbonetos, exceto hidrogênio, GLP, gás natural, gases liquefeitos ou com classe de pressão igual ou superior a 900# conforme norma ASME B16.5. - Substituir as FIGURAS A-2 e A-4 conforme a seguir.
  2. 2. N-108 REV. C SET / 2003 PROPRIEDADE DA PETROBRAS 14 páginas e Índice de Revisões SUSPIROS E DRENOS PARA TUBULAÇÕES E EQUIPAMENTOS Padronização Esta Norma substitui e cancela a sua revisão anterior. Cabe à CONTEC - Subcomissão Autora, a orientação quanto à interpretação do texto desta Norma. O Órgão da PETROBRAS usuário desta Norma é o responsável pela adoção e aplicação dos seus itens. CONTEC Comissão de Normas Técnicas Requisito Técnico: Prescrição estabelecida como a mais adequada e que deve ser utilizada estritamente em conformidade com esta Norma. Uma eventual resolução de não segui-la ("não-conformidade" com esta Norma) deve ter fundamentos técnico-gerenciais e deve ser aprovada e registrada pelo Órgão da PETROBRAS usuário desta Norma. É caracterizada pelos verbos: “dever”, “ser”, “exigir”, “determinar” e outros verbos de caráter impositivo. Prática Recomendada: Prescrição que pode ser utilizada nas condições previstas por esta Norma, mas que admite (e adverte sobre) a possibilidade de alternativa (não escrita nesta Norma) mais adequada à aplicação específica. A alternativa adotada deve ser aprovada e registrada pelo Órgão da PETROBRAS usuário desta Norma. É caracterizada pelos verbos: “recomendar”, “poder”, “sugerir” e “aconselhar” (verbos de caráter não-impositivo). É indicada pela expressão: [Prática Recomendada]. SC - 17 Cópias dos registros das “não-conformidades” com esta Norma, que possam contribuir para o seu aprimoramento, devem ser enviadas para a CONTEC - Subcomissão Autora. As propostas para revisão desta Norma devem ser enviadas à CONTEC - Subcomissão Autora, indicando a sua identificação alfanumérica e revisão, o item a ser revisado, a proposta de redação e a justificativa técnico-econômica. As propostas são apreciadas durante os trabalhos para alteração desta Norma. Tubulação “A presente Norma é titularidade exclusiva da PETRÓLEO BRASILEIRO S.A. – PETROBRAS, de uso interno na Companhia, e qualquer reprodução para utilização ou divulgação externa, sem a prévia e expressa autorização da titular, importa em ato ilícito nos termos da legislação pertinente, através da qual serão imputadas as responsabilidades cabíveis. A circulação externa será regulada mediante cláusula própria de Sigilo e Confidencialidade, nos termos do direito intelectual e propriedade industrial.” Apresentação As Normas Técnicas PETROBRAS são elaboradas por Grupos de Trabalho - GTs (formados por especialistas da Companhia e das suas Subsidiárias), são comentadas pelas Unidades da Companhia e das suas Subsidiárias, são aprovadas pelas Subcomissões Autoras - SCs (formadas por técnicos de uma mesma especialidade, representando as Unidades da Companhia e as suas Subsidiárias) e homologadas pelo Plenário da CONTEC (formado pelos representantes das Unidades da Companhia e das suas Subsidiárias). Uma Norma Técnica PETROBRAS está sujeita a revisão em qualquer tempo pela sua Subcomissão Autora e deve ser reanalisada a cada 5 anos para ser revalidada, revisada ou cancelada. As Normas Técnicas PETROBRAS são elaboradas em conformidade com a norma PETROBRAS N - 1. Para informações completas sobre as Normas Técnicas PETROBRAS, ver Catálogo de Normas Técnicas PETROBRAS.
  3. 3. N-108 REV. C SET / 2003 2 1 OBJETIVO 1.1 Esta Norma padroniza e define os tipos os arranjos típicos de suspiros e drenos para serem usados nas tubulações e equipamentos industriais da PETROBRAS. 1.2 Esta Norma se aplica a instalações projetadas e construídas após a data de sua edição. 1.3 Esta Norma contém somente Requisitos Técnicos. 2 DOCUMENTOS COMPLEMENTARES Os documentos relacionados a seguir contêm prescrições válidas para a presente Norma. PETROBRAS N-38 - Critérios para Projetos de Drenagem, Segregação, Escoamento e Tratamento Preliminar de Efluentes Líquidos de Instalações Terrestres; PETROBRAS N-57 - Projeto Mecânico de Tubulação Industrial; PETROBRAS N-76 - Materiais de Tubulação; PETROBRAS N-1645 - Critérios de Segurança para Projeto de Instalações Fixas de Armazenamento de Gás Liqüefeito de Petróleo; PETROBRAS N-1647 - Material para Tubulação - Folha de Padronização; PETROBRAS N-1674 - Projeto de Arranjo de Refinarias de Petróleo; PETROBRAS N-2444 - Material de Tubulação para Dutos, Bases, Terminais e Estações; ASME B16.5 - Pipe Flanges and Flanged Fittings; NPS 1/2 Through NPS 24. 3 DEFINIÇÕES Para os propósitos desta Norma são adotadas as definições indicadas nos itens 3.1 a 3.5. 3.1 Serviço com Hidrogênio Considera-se tubulação em serviço com hidrogênio qualquer tubulação onde a pressão parcial de hidrogênio é igual ou superior a 0,45 MPa (4,49 kgf/cm2 ), independente do valor da temperatura. 3.2 Local Seguro Região na qual é admissível a descarga de gases inflamáveis ou tóxicos. Para suspiros, conforme norma PETROBRAS N-1674. Para drenos, conforme norma PETROBRAS N-1645. 3.3 Produtos Quentes Fluidos com temperatura acima de 60 °C.
  4. 4. N-108 REV. C SET / 2003 3 3.4 Produtos Frios Fluidos com temperatura igual ou inferior a 60 °C. 3.5 “Pump Out” Tubulações para esgotamento de equipamentos e linhas em unidades de processo. 4 CONDIÇÕES GERAIS 4.1 Todos os drenos e suspiros de aço-carbono e aço liga devem ter diâmetro mínimo de 3/4” e SCH 160, exceto quando indicado em contrário nos documentos de projeto (planta de tubulação, isométricos). Para o caso de aços inoxidáveis e altas ligas valem 3/4” e SCH 80 S. 4.2 Os drenos e suspiros devem ficar em local de fácil acesso. Quando necessário, prever acesso para os drenos e suspiros. 4.3 Os drenos e suspiros das carcaças de bombas devem ser selados por solda junto às carcaças de bombas. 4.4 Nos drenos e suspiros das bombas deve ser instalado 1 par de flange o mais próximo possível da carcaça (para possibilitar remoção do equipamento para manutenção). 4.5 Todos os prolongamentos para instrumentos, “pump out”, tochas e outros, devem conter o número de linha e padronização de material conforme as normas PETROBRAS N-76 ou N-2444. 4.6 Os drenos de visores de nível e de amostradores devem ser dirigidos para a rede de esgoto oleoso e não para o piso. 4.7 Os suspiros e drenos não devem ser instalados próximos a suportes e colunas. 4.8 Os drenos devem ser instalados na geratriz inferior das tubulações ou na parte mais inferior dos equipamentos. 4.9 Os suspiros devem ser instalados na geratriz superior das tubulações ou na parte mais superior dos equipamentos. 4.10 O material dos suspiros e drenos deve atender à padronização de material das normas PETROBRAS N-76 ou N-2444.
  5. 5. N-108 REV. C SET / 2003 4 4.11 Os drenos e suspiros para serviços com gases liquefeitos inflamáveis (tais como: GLP, propano e eteno), que têm previsão de passar vapor acima de 150 °C, devem substituir válvula de esfera pela válvula de gaveta. 4.12 Os suspiros e drenos para equipamentos, cujos arranjos encontram-se mostrados no ANEXO B, devem ter os mesmos diâmetros e tipos de conexões, indicados para tubulação, conforme ANEXO A. 4.13 Os sistemas de drenos e suspiros devem estar de acordo com os critérios da norma PETROBRAS N-38. 4.14 O “cap” (ou tampão) e o “plug” (ou bujão) devem ser mantidos instalados sempre que a linha estiver em operação. 4.15 Devem ser previstos sistemas de coleta junto aos “manifolds” no limite de bateria das unidades de processo, ligados à rede de drenagem oleosa da Unidade. 5 TIPOS PADRONIZADOS DE SUSPIROS E DRENOS PARA TUBULAÇÃO 5.1 A FIGURA A-1 do ANEXO A apresenta os suspiros e drenos de tubulações para utilidades em geral. 5.2 A FIGURA A-2 do ANEXO A apresenta os suspiros e drenos de tubulações para serviço com hidrogênio, H2S ou com classe de pressão igual ou superior a 900# conforme norma ASME B16.5. 5.3 A FIGURA A-3 do ANEXO A apresenta os suspiros e drenos de tubulações para serviço com GLP, gás natural e demais gases liquefeitos. 5.4 A FIGURA A-4 do ANEXO A apresenta os suspiros e drenos de tubulações para serviço com hidrocarbonetos, exceto serviço com hidrogênio, H2S, GLP, gás natural, gases liquefeitos e classe de pressão igual ou superior a 900#. 6 ARRANJOS TÍPICOS PARA SUSPIROS E DRENOS DE EQUIPAMENTOS E SISTEMAS 6.1 Torres e Vasos 6.1.1 Drenos Com duplo bloqueio e “figura 8” intermediária.
  6. 6. N-108 REV. C SET / 2003 5 6.1.2 Suspiros Bloqueio com flange cego, inclusive em diâmetros inferiores a 1 1/2”. 6.2 Bombas 6.2.1 Drenos e suspiros de bombas de GLP, conforme FIGURA B-1 do ANEXO B. 6.2.2 Drenos e suspiros de bombas de hidrocarbonetos líquidos: a) hidrocarbonetos frios, conforme FIGURA B-2 do ANEXO B; b) hidrocarbonetos quentes, conforme FIGURA B-3 do ANEXO B. 6.2.3 Drenos e suspiros de bombas de DEA, MEA e águas ácidas conforme FIGURA B-4 do ANEXO B. 6.2.4 Sistemas de Nafta Corrosiva Prever suspiro para a tocha o mais próximo possível do bloqueio a jusante do equipamento e injeção de nitrogênio o mais próximo possível do bloqueio a montante do equipamento. Ambas as linhas devem ser de 3/4” com bloqueio, retenção e “figura 8”. Ver FIGURA B-5 do ANEXO B. 6.3 Permutadores 6.3.1 Prever em todos os permutadores, drenos e suspiros, tanto no lado do casco como no lado dos tubos. 6.3.2 Para os permutadores que têm drenagem para o sistema de “pump out” de hidrocarbonetos, considerar a FIGURA B-6 do ANEXO B. 6.4 Turbinas 6.4.1 Linha de Vapor de Alimentação Prever dreno para a atmosfera e purgador a montante do bloqueio geral, conforme FIGURA B-7 do ANEXO B. 6.4.2 Linha de Vapor Exausto Prever dreno para a atmosfera e purgador a montante do bloqueio geral, conforme FIGURA B-7 do ANEXO B.
  7. 7. N-108 REV. C SET / 2003 6 Nota: Os drenos das carcaças das turbinas, devem possuir apenas bloqueios (sem purgadores). 6.5 Compressores 6.5.1 Linhas de Sucção a) prever suspiro com duplo bloqueio e prolongamento para o piso, no trecho descendente a montante do bloqueio de sucção; b) prever dreno de 1” a montante do bloqueio de sucção, com bocal de engate rápido de 1 1/2”; c) prever dreno de 1” com duplo bloqueio a jusante do bloqueio de sucção (ver FIGURA B-8 do ANEXO B). 6.5.2 Linhas de Descarga a) prever suspiro com duplo bloqueio e prolongamento para o piso no trecho ascendente, a jusante do bloqueio de descarga; b) prever dreno de 1” a jusante do bloqueio de descarga, com bocal de engate rápido de 1 1/2”; c) prever dreno de 1” com duplo bloqueio, a montante do bloqueio de descarga (ver FIGURA B-8 do ANEXO B). 6.5.3 Carcaça do Primeiro e Segundo Estágios Prever suspiros de 1” com duplo bloqueio e retenção interligados à linha de tocha. Ver FIGURA B-8 do ANEXO B. 6.5.4 Prever injeção de nitrogênio a montante e a jusante do equipamento. 6.6 Cavaletes de Válvulas de Controle 6.6.1 Produtos Quentes Prever dreno no trecho horizontal do cavalete, entre o bloqueio a montante e a válvula de controle e 1 dreno a jusante da válvula de controle, no trecho horizontal do cavalete, conforme FIGURA B-9 do ANEXO B. 6.6.2 Produtos Frios Prever apenas 1 dreno a jusante da válvula de controle no trecho horizontal do cavalete, conforme FIGURA B-10 do ANEXO B. 6.6.3 GLP ou Gás Combustível Conforme FIGURA B-11 do ANEXO B.
  8. 8. N-108 REV. C SET / 2003 7 6.7 Tubulação 6.7.1 Pontos de Tubulação Prever suspiros nas tubulações, no mínimo, 1 suspiro a cada 30 m. 6.7.2 Pontos Baixos Prever drenos em todos os pontos baixos das tubulações. 6.7.3 Pontos Altos Prever suspiros em todos os pontos altos das tubulações. 6.7.4 Extremidades de Tubulações Prever drenos nas extremidades das tubulações, com diâmetro suficiente (mínimo de 2”) para limpeza e condicionamento das linhas. _____________ /ANEXO A
  9. 9. N-108 REV. C SET / 2003 IR 1/1 ÍNDICE DE REVISÕES REV. A e B Não existe índice de revisões. REV. C Partes Atingidas Descrição da Alteração 1 Revisado 2 Revisado 4.1 Revisado 4.3 Incluído 4.13 Incluído 4.14 Revisado 5.1 Revisado 5.2 Revisado 5.3 Revisado 5.4 Incluído FIGURA A-1 Revisada FIGURA A-2 Revisada FIGURA A-3 Revisada FIGURA A-4 Incluída FIGURA B-4 Revisada _____________

×