SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 11
Baixar para ler offline
Transtornos de Ansiedade
Visão geral
A ansiedade ocasional é uma parte esperada da vida. Você pode se sentir ansioso
quando enfrenta um problema no trabalho, antes de fazer um teste ou antes de
tomar uma decisão importante. Mas os transtornos de ansiedade envolvem mais
do que preocupação ou medo temporário. Para uma pessoa com transtorno de
ansiedade, a ansiedade não desaparece e pode piorar com o tempo. Os sintomas
podem interferir nas atividades diárias, como desempenho no trabalho,
trabalho escolar e relacionamentos.
Existem vários tipos de transtornos de ansiedade, incluindo transtorno de
ansiedade generalizada, transtorno do pânico e vários transtornos relacionados
à fobia.
Sinais e sintomas
Distúrbio de ansiedade generalizada
Pessoas com transtorno de ansiedade generalizada (TAG) exibem ansiedade ou
preocupação excessiva, na maioria dos dias por pelo menos 6 meses, sobre uma
série de coisas, como saúde pessoal, trabalho, interações sociais e circunstâncias
da vida cotidiana. O medo e a ansiedade podem causar problemas significativos
em áreas de sua vida, como interações sociais, escola e trabalho.
Os sintomas do transtorno de ansiedade generalizada incluem:
• Sentindo-se inquieto, machucado ou no limite
• Estar facilmente fatigado
• Ter dificuldade de concentração; mente em branco
• Ser irritável
• Ter tensão muscular
• Dificuldade em controlar sentimentos de preocupação
• Ter problemas de sono, como dificuldade em adormecer ou permanecer
dormindo, inquietação ou sono insatisfatório
Síndrome do pânico
Pessoas com transtorno do pânico têm ataques de pânico inesperados
recorrentes. Os ataques de pânico são períodos súbitos de medo intenso que
surgem rapidamente e atingem seu pico em poucos minutos. Os ataques podem
ocorrer inesperadamente ou podem ser desencadeados por um gatilho, como
um objeto ou situação temida.
Durante um ataque de pânico, as pessoas podem experimentar:
• Palpitações cardíacas, batimentos cardíacos acelerados ou batimentos
cardíacos acelerados
• Sudorese
• Tremendo ou tremendo
• Sensações de falta de ar, sufocamento ou asfixia
• Sentimentos de destruição iminente
• Sentimentos de estar fora de controle
As pessoas com transtorno do pânico geralmente se preocupam com quando o
próximo ataque acontecerá e tentam ativamente prevenir ataques futuros,
evitando lugares, situações ou comportamentos que associam a ataques de
pânico. A preocupação com os ataques de pânico, e o esforço despendido
tentando evitar os ataques, causam problemas significativos em várias áreas da
vida da pessoa, incluindo o desenvolvimento da agorafobia (veja abaixo).
Distúrbios relacionados à fobia
Uma fobia é um medo intenso ou aversão a objetos ou situações
específicas. Embora possa ser realista estar ansioso em algumas circunstâncias,
o medo que as pessoas com fobias sentem é desproporcional ao perigo real
causado pela situação ou objeto.
Pessoas com fobia:
• Pode ter uma preocupação irracional ou excessiva em encontrar o objeto
ou situação temida
• Tome medidas ativas para evitar o objeto ou situação temida
• Experimentar ansiedade intensa imediata ao encontrar o objeto ou
situação temida
• Suportar objetos e situações inevitáveis com ansiedade intensa
Existem vários tipos de fobias e distúrbios relacionados à fobia:
Fobias específicas (às vezes chamadas de fobias simples) : como o
nome sugere, as pessoas que têm uma fobia específica têm um medo intenso ou
sentem uma ansiedade intensa sobre tipos específicos de objetos ou
situações. Alguns exemplos de fobias específicas incluem o medo de:
• Vôo
• Alturas
• Animais específicos, como aranhas, cães ou cobras
• Recebendo injeções
• Sangue
Transtorno de ansiedade social (anteriormente chamado de fobia
social) : As pessoas com transtorno de ansiedade social têm um medo geral
intenso ou ansiedade em relação a situações sociais ou de desempenho. Eles se
preocupam que ações ou comportamentos associados à sua ansiedade sejam
avaliados negativamente pelos outros, levando-os a se sentirem
envergonhados. Essa preocupação geralmente faz com que as pessoas com
ansiedade social evitem situações sociais. O transtorno de ansiedade social pode
se manifestar em várias situações, como no local de trabalho ou no ambiente
escolar.
Agorafobia: Pessoas com agorafobia têm um medo intenso de duas ou mais
das seguintes situações:
• Usando o transporte público
• Estar em espaços abertos
• Estar em espaços fechados
• Ficar na fila ou estar na multidão
• Estar fora de casa sozinho
As pessoas com agorafobia geralmente evitam essas situações, em parte, porque
acham que poder sair pode ser difícil ou impossível no caso de terem reações de
pânico ou outros sintomas embaraçosos. Na forma mais grave de agorafobia,
um indivíduo pode ficar confinado em casa.
Transtorno de ansiedade de separação: A ansiedade de separação é
muitas vezes considerada como algo com o qual apenas as crianças lidam; no
entanto, os adultos também podem ser diagnosticados com transtorno de
ansiedade de separação. As pessoas que têm transtorno de ansiedade de
separação têm medo de se separar das pessoas a quem estão ligadas. Eles
geralmente se preocupam que algum tipo de dano ou algo desagradável
aconteça com suas figuras de apego enquanto estão separados. Esse medo os
leva a evitar a separação de suas figuras de apego e a evitar ficar
sozinhos. Pessoas com ansiedade de separação podem ter pesadelos sobre
serem separadas de figuras de apego ou experimentar sintomas físicos quando a
separação ocorre ou é antecipada.
Mutismo seletivo: Um distúrbio um tanto raro associado à ansiedade é o
mutismo seletivo . O mutismo seletivo ocorre quando as pessoas não conseguem
falar em situações sociais específicas, apesar de terem habilidades linguísticas
normais. O mutismo seletivo geralmente ocorre antes dos 5 anos de idade e é
frequentemente associado a extrema timidez, medo de constrangimento social,
traços compulsivos, retraimento, comportamento apegado e birras. Pessoas
diagnosticadas com mutismo seletivo muitas vezes também são diagnosticadas
com outros transtornos de ansiedade.
Fatores de risco
Os pesquisadores estão descobrindo que fatores genéticos e ambientais
contribuem para o risco de desenvolver um transtorno de ansiedade. Embora os
fatores de risco para cada tipo de transtorno de ansiedade possam variar, alguns
fatores de risco gerais para todos os tipos de transtornos de ansiedade incluem:
• Traços temperamentais de timidez ou inibição comportamental na
infância
• Exposição a eventos de vida ou ambientais estressantes e negativos na
primeira infância ou na idade adulta
• Uma história de ansiedade ou outras doenças mentais em parentes
biológicos
• Algumas condições de saúde física, como problemas de tireóide ou
arritmias cardíacas, cafeína ou outras substâncias/medicamentos, podem
produzir ou agravar os sintomas de ansiedade; um exame físico de saúde
é útil na avaliação de um possível transtorno de ansiedade.
Tratamentos e terapias
Os transtornos de ansiedade geralmente são tratados com psicoterapia,
medicação ou ambos. Existem muitas maneiras de tratar a ansiedade e as
pessoas devem trabalhar com seu médico para escolher o tratamento que é
melhor para elas.
Psicoterapia
A psicoterapia ou “terapia da conversa” pode ajudar
as pessoas com transtornos de ansiedade. Para ser
eficaz, a psicoterapia deve ser direcionada às
ansiedades específicas da pessoa e adaptada às suas
necessidades.
Terapia cognitiva comportamental
A Terapia Cognitivo-Comportamental (TCC) é um exemplo de um tipo de
psicoterapia que pode ajudar pessoas com transtornos de ansiedade. Ele ensina
às pessoas diferentes maneiras de pensar, se comportar e reagir a objetos e
situações que produzem ansiedade e medo. A TCC também pode ajudar as
pessoas a aprender e praticar habilidades sociais, o que é vital para o tratamento
do transtorno de ansiedade social.
A terapia cognitiva e a terapia de exposição são dois métodos de TCC que são
frequentemente usados, juntos ou sozinhos, para tratar o transtorno de
ansiedade social. A terapia cognitiva se concentra em identificar, desafiar e, em
seguida, neutralizar pensamentos inúteis ou distorcidos subjacentes aos
transtornos de ansiedade. A terapia de exposição concentra-se em confrontar os
medos subjacentes a um transtorno de ansiedade para ajudar as pessoas a se
envolverem em atividades que têm evitado. A terapia de exposição às vezes é
usada junto com exercícios de relaxamento e/ou imagens.
A TCC pode ser realizada individualmente ou com um grupo de pessoas com
dificuldades semelhantes. Frequentemente, o “trabalho de casa” é designado
para os participantes completarem entre as sessões.
Medicamento
A medicação não cura os transtornos de ansiedade, mas pode ajudar a aliviar os
sintomas. A medicação para a ansiedade é prescrita por médicos, como um
psiquiatra ou prestador de cuidados primários. Alguns estados também
permitem que psicólogos que receberam treinamento especializado prescrevam
medicamentos psiquiátricos. As classes mais comuns de medicamentos usados
para combater os transtornos de ansiedade são os ansiolíticos (como os
benzodiazepínicos), os antidepressivos e os betabloqueadores.
Medicamentos anti-ansiedade
Medicamentos anti-ansiedade podem ajudar a reduzir
os sintomas de ansiedade, ataques de pânico ou medo
e preocupação extremos. Os medicamentos anti-
ansiedade mais comuns são chamados de
benzodiazepínicos
benzodiazepínicos. Embora os benzodiazepínicos às vezes sejam usados como
tratamentos de primeira linha para o transtorno de ansiedade generalizada, eles
têm vantagens e desvantagens.
Alguns benefícios dos benzodiazepínicos são que eles são eficazes no alívio da
ansiedade e têm efeito mais rápido do que os medicamentos antidepressivos
geralmente prescritos para a ansiedade. Algumas desvantagens dos
benzodiazepínicos são que as pessoas podem desenvolver uma tolerância a eles
se forem tomadas por um longo período de tempo e podem precisar de doses
cada vez mais altas para obter o mesmo efeito. Algumas pessoas podem até se
tornar dependentes deles.
Para evitar esses problemas, os médicos geralmente prescrevem
benzodiazepínicos por curtos períodos de tempo, uma prática que é
especialmente útil para idosos, pessoas com problemas de abuso de substâncias
e pessoas que se tornam facilmente dependentes de medicamentos.
Se as pessoas pararem repentinamente de tomar benzodiazepínicos, elas podem
ter sintomas de abstinência ou sua ansiedade pode retornar. Portanto, os
benzodiazepínicos devem ser reduzidos lentamente. Quando você e seu médico
decidirem que é hora de interromper a medicação, o médico o ajudará a
diminuir sua dose de forma lenta e segura.
Para uso a longo prazo, os benzodiazepínicos são frequentemente considerados
um tratamento de segunda linha para a ansiedade (com os antidepressivos
sendo considerados um tratamento de primeira linha), bem como um
tratamento “conforme necessário” para quaisquer surtos angustiantes de
sintomas.
Um tipo diferente de medicamento anti-ansiedade é a buspirona . A buspirona é
um medicamento não benzodiazepínico especificamente indicado para o
tratamento da ansiedade crônica, embora não ajude a todos.
Antidepressivos
Os antidepressivos são usados para tratar a depressão, mas também podem ser
úteis no tratamento de transtornos de ansiedade. Eles podem ajudar a melhorar
a maneira como seu cérebro usa certos produtos químicos que controlam o
humor ou o estresse. Você pode precisar experimentar vários medicamentos
antidepressivos diferentes antes de encontrar aquele que melhora seus sintomas
e tem efeitos colaterais gerenciáveis. Um medicamento que tenha ajudado você
ou um familiar próximo no passado será frequentemente considerado.
Os antidepressivos podem levar tempo para fazer efeito, por isso é importante
dar uma chance ao medicamento antes de chegar a uma conclusão sobre sua
eficácia. Se você começar a tomar antidepressivos, não pare de tomá-los sem a
ajuda de um médico. Quando você e seu médico decidirem que é hora de
interromper a medicação, o médico o ajudará a diminuir sua dose de forma
lenta e segura. Interrompê-los abruptamente pode causar sintomas de
abstinência.
Antidepressivos chamados inibidores seletivos da recaptação da serotonina
(ISRSs) e inibidores da recaptação da serotonina-norepinefrina (IRSNs) são
comumente usados como tratamentos de primeira linha para a ansiedade. Os
tratamentos menos usados - mas eficazes - para transtornos de ansiedade são
classes mais antigas de antidepressivos, como antidepressivos tricíclicos e
inibidores da monoamina oxidase (IMAOs).
Observação: em alguns casos, crianças, adolescentes e adultos jovens com
menos de 25 anos podem experimentar um aumento nos pensamentos ou
comportamentos suicidas ao tomar medicamentos antidepressivos,
especialmente nas primeiras semanas após o início ou quando a dose é
alterada. Por isso, pacientes de todas as idades em uso de antidepressivos
devem ser observados de perto, especialmente durante as primeiras semanas de
tratamento.
Bloqueadores beta
Embora os betabloqueadores sejam usados com mais frequência para tratar a
pressão alta, eles também podem ser usados para ajudar a aliviar os sintomas
físicos da ansiedade, como batimentos cardíacos acelerados, tremores, tremores
e rubor. Esses medicamentos, quando tomados por um curto período de tempo,
podem ajudar as pessoas a manter os sintomas físicos sob controle. Eles
também podem ser usados “conforme necessário” para reduzir a ansiedade
aguda, inclusive como uma intervenção preventiva para algumas formas
previsíveis de ansiedades de desempenho.
Escolhendo o medicamento certo
Alguns tipos de medicamentos podem funcionar melhor para tipos específicos
de transtornos de ansiedade, portanto, as pessoas devem trabalhar em estreita
colaboração com seu médico para identificar qual medicamento é melhor para
elas. Certas substâncias, como cafeína, alguns medicamentos para resfriado
vendidos sem receita, drogas ilícitas e suplementos de ervas podem agravar os
sintomas de transtornos de ansiedade ou interagir com medicamentos
prescritos. Os pacientes devem conversar com seu médico, para que possam
saber quais substâncias são seguras e quais devem ser evitadas.
A escolha do medicamento correto, da dose do medicamento e do plano de
tratamento deve ser feita sob os cuidados de um especialista e deve basear-se
nas necessidades de uma pessoa e em sua situação médica. Seu médico pode
tentar vários medicamentos antes de encontrar o correto.
Você e seu médico devem discutir:
• Quão bem os medicamentos estão funcionando ou podem funcionar para
melhorar seus sintomas
• Benefícios e efeitos colaterais de cada medicamento
• Risco de efeitos colaterais graves com base em seu histórico médico
• A probabilidade de os medicamentos exigirem mudanças no estilo de
vida
• Custos de cada medicamento
• Outras terapias alternativas, medicamentos, vitaminas e suplementos
que você está tomando e como isso pode afetar seu tratamento; uma
combinação de medicação e psicoterapia é a melhor abordagem para
muitas pessoas com transtornos de ansiedade
• Como a medicação deve ser interrompida
(Alguns medicamentos não podem ser
interrompidos abruptamente e devem ser
reduzidos lentamente sob a supervisão de
um médico).
Grupos de apoio
Algumas pessoas com transtornos de ansiedade podem se beneficiar ao
ingressar em um grupo de autoajuda ou de apoio e compartilhar seus problemas
e conquistas com outras pessoas. Salas de bate-papo na Internet também
podem ser úteis, mas qualquer conselho recebido pela Internet deve ser usado
com cautela, pois os conhecidos da Internet geralmente nunca se viram e o que
ajudou uma pessoa não é necessariamente o melhor para outra. Você deve
sempre consultar seu médico antes de seguir qualquer conselho de tratamento
encontrado na internet. Conversar com um amigo de confiança ou membro do
clero também pode fornecer apoio, mas não é necessariamente uma alternativa
suficiente para o atendimento de um médico ou outro profissional de saúde.
Técnicas de gerenciamento de estresse
Técnicas de gerenciamento de estresse e meditação podem ajudar as pessoas
com transtornos de ansiedade a se acalmarem e podem aumentar os efeitos da
terapia. Pesquisas sugerem que o exercício aeróbico pode ajudar algumas
pessoas a controlar sua ansiedade; no entanto, o exercício não deve substituir o
tratamento padrão e mais pesquisas são necessárias.
Participe de um estudo
Ensaios clínicos são estudos de pesquisa que buscam novas maneiras de
prevenir, detectar ou tratar doenças e condições. O objetivo dos ensaios clínicos
é determinar se um novo teste ou tratamento funciona e é seguro. Embora os
indivíduos possam se beneficiar de fazer parte de um ensaio clínico, os
participantes devem estar cientes de que o objetivo principal de um ensaio
clínico é obter novos conhecimentos científicos para que outros possam ser mais
bem ajudados no futuro.
Pesquisadores do NIMH e de todo o país realizam muitos estudos com pacientes
e voluntários saudáveis. Temos opções de tratamento novas e melhores hoje por
causa do que os ensaios clínicos descobriram anos atrás. Faça parte dos avanços
médicos de amanhã. Converse com seu médico sobre ensaios clínicos, seus
benefícios e riscos e se um deles é adequado para você.
Para saber mais ou encontrar um estudo, visite:

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Redação oficial e pronomes de tratamento
Redação oficial e pronomes de tratamentoRedação oficial e pronomes de tratamento
Redação oficial e pronomes de tratamentoluisinhow
 
Slides ProporçãO áUrea
Slides ProporçãO áUreaSlides ProporçãO áUrea
Slides ProporçãO áUrearednhut
 
Turma da Mônica - "Pela ética e cidadania"
Turma da Mônica - "Pela ética e cidadania"Turma da Mônica - "Pela ética e cidadania"
Turma da Mônica - "Pela ética e cidadania"Sônia Oliveira Oliveira
 
Semiótica peirceana
Semiótica peirceanaSemiótica peirceana
Semiótica peirceanavinivs
 
Simpatia - Um estudo acerca desse gênero textual instrutivo através da cultur...
Simpatia - Um estudo acerca desse gênero textual instrutivo através da cultur...Simpatia - Um estudo acerca desse gênero textual instrutivo através da cultur...
Simpatia - Um estudo acerca desse gênero textual instrutivo através da cultur...Aleksandra Sampaio
 
Comunicação com o paciente. Caderno de apoio.
Comunicação com o paciente. Caderno de apoio. Comunicação com o paciente. Caderno de apoio.
Comunicação com o paciente. Caderno de apoio. Ceapat de Imserso
 
Cartografia
CartografiaCartografia
CartografiaFURG
 
Orientação geográfica 10ª classe
Orientação geográfica 10ª classeOrientação geográfica 10ª classe
Orientação geográfica 10ª classeDiabzie
 
Palestra de Humanização no Atendimento
Palestra de Humanização no AtendimentoPalestra de Humanização no Atendimento
Palestra de Humanização no AtendimentoFabiano Ladislau
 
A lua 9° ano - pet 1- semana 3
A lua    9° ano - pet 1- semana 3A lua    9° ano - pet 1- semana 3
A lua 9° ano - pet 1- semana 3Silvinha Gericó
 
Autocorrelação espacial - Prática no GEODA
Autocorrelação espacial - Prática no GEODAAutocorrelação espacial - Prática no GEODA
Autocorrelação espacial - Prática no GEODAVitor Vieira Vasconcelos
 
Profae apostila 2 ( estudos regionais higiene e profilaxia e nutrição e diet...
Profae apostila 2 ( estudos regionais  higiene e profilaxia e nutrição e diet...Profae apostila 2 ( estudos regionais  higiene e profilaxia e nutrição e diet...
Profae apostila 2 ( estudos regionais higiene e profilaxia e nutrição e diet...Adriana Silva
 
LATEC - UFF. PALESTRA - RESÍDUOS DE SERVIÇOS DA SAÚDE.
LATEC - UFF. PALESTRA - RESÍDUOS DE SERVIÇOS DA SAÚDE.LATEC - UFF. PALESTRA - RESÍDUOS DE SERVIÇOS DA SAÚDE.
LATEC - UFF. PALESTRA - RESÍDUOS DE SERVIÇOS DA SAÚDE.LATEC - UFF
 
Análise Espacial Baseada em Localização
Análise Espacial Baseada em LocalizaçãoAnálise Espacial Baseada em Localização
Análise Espacial Baseada em LocalizaçãoVitor Vieira Vasconcelos
 
Relatório de estágio supervisionado técnico em administração 2011
Relatório de estágio supervisionado técnico em administração 2011Relatório de estágio supervisionado técnico em administração 2011
Relatório de estágio supervisionado técnico em administração 2011Gabriela Rocha
 

Mais procurados (20)

Redação oficial e pronomes de tratamento
Redação oficial e pronomes de tratamentoRedação oficial e pronomes de tratamento
Redação oficial e pronomes de tratamento
 
Slides ProporçãO áUrea
Slides ProporçãO áUreaSlides ProporçãO áUrea
Slides ProporçãO áUrea
 
Turma da Mônica - "Pela ética e cidadania"
Turma da Mônica - "Pela ética e cidadania"Turma da Mônica - "Pela ética e cidadania"
Turma da Mônica - "Pela ética e cidadania"
 
Semiótica peirceana
Semiótica peirceanaSemiótica peirceana
Semiótica peirceana
 
metodologia projetual
metodologia projetualmetodologia projetual
metodologia projetual
 
Simpatia - Um estudo acerca desse gênero textual instrutivo através da cultur...
Simpatia - Um estudo acerca desse gênero textual instrutivo através da cultur...Simpatia - Um estudo acerca desse gênero textual instrutivo através da cultur...
Simpatia - Um estudo acerca desse gênero textual instrutivo através da cultur...
 
CARTOGRAFIA E MAPAS
CARTOGRAFIA E MAPASCARTOGRAFIA E MAPAS
CARTOGRAFIA E MAPAS
 
Comunicação com o paciente. Caderno de apoio.
Comunicação com o paciente. Caderno de apoio. Comunicação com o paciente. Caderno de apoio.
Comunicação com o paciente. Caderno de apoio.
 
A Segurança do Paciente na Construção Social da APS
A Segurança do Paciente na Construção Social da APSA Segurança do Paciente na Construção Social da APS
A Segurança do Paciente na Construção Social da APS
 
Mangá
MangáMangá
Mangá
 
Cartografia
CartografiaCartografia
Cartografia
 
Orientação geográfica 10ª classe
Orientação geográfica 10ª classeOrientação geográfica 10ª classe
Orientação geográfica 10ª classe
 
Palestra de Humanização no Atendimento
Palestra de Humanização no AtendimentoPalestra de Humanização no Atendimento
Palestra de Humanização no Atendimento
 
A lua 9° ano - pet 1- semana 3
A lua    9° ano - pet 1- semana 3A lua    9° ano - pet 1- semana 3
A lua 9° ano - pet 1- semana 3
 
Autocorrelação espacial - Prática no GEODA
Autocorrelação espacial - Prática no GEODAAutocorrelação espacial - Prática no GEODA
Autocorrelação espacial - Prática no GEODA
 
O mercado de trabalho para o enfermeiro
O mercado de trabalho para o enfermeiroO mercado de trabalho para o enfermeiro
O mercado de trabalho para o enfermeiro
 
Profae apostila 2 ( estudos regionais higiene e profilaxia e nutrição e diet...
Profae apostila 2 ( estudos regionais  higiene e profilaxia e nutrição e diet...Profae apostila 2 ( estudos regionais  higiene e profilaxia e nutrição e diet...
Profae apostila 2 ( estudos regionais higiene e profilaxia e nutrição e diet...
 
LATEC - UFF. PALESTRA - RESÍDUOS DE SERVIÇOS DA SAÚDE.
LATEC - UFF. PALESTRA - RESÍDUOS DE SERVIÇOS DA SAÚDE.LATEC - UFF. PALESTRA - RESÍDUOS DE SERVIÇOS DA SAÚDE.
LATEC - UFF. PALESTRA - RESÍDUOS DE SERVIÇOS DA SAÚDE.
 
Análise Espacial Baseada em Localização
Análise Espacial Baseada em LocalizaçãoAnálise Espacial Baseada em Localização
Análise Espacial Baseada em Localização
 
Relatório de estágio supervisionado técnico em administração 2011
Relatório de estágio supervisionado técnico em administração 2011Relatório de estágio supervisionado técnico em administração 2011
Relatório de estágio supervisionado técnico em administração 2011
 

Semelhante a Transtornos de Ansiedade: Sinais e Tratamentos

Transtorno da ansiedade
Transtorno da ansiedadeTranstorno da ansiedade
Transtorno da ansiedadeAlany Silva
 
Transtorno de Ansiedade na Infância.pptx
Transtorno de Ansiedade na Infância.pptxTranstorno de Ansiedade na Infância.pptx
Transtorno de Ansiedade na Infância.pptxJessicaDassi
 
Psicopatologia do Envelhecimento.docx
Psicopatologia do Envelhecimento.docxPsicopatologia do Envelhecimento.docx
Psicopatologia do Envelhecimento.docxPatriciaAiresCosta1
 
Os tipos de ansiedade e suas variações
Os tipos de ansiedade e suas variaçõesOs tipos de ansiedade e suas variações
Os tipos de ansiedade e suas variaçõesJoe Pinheiro
 
SLIDES SAUDE MENTAL 27-05.pptx
SLIDES SAUDE MENTAL 27-05.pptxSLIDES SAUDE MENTAL 27-05.pptx
SLIDES SAUDE MENTAL 27-05.pptxJessicaAvelar3
 
PROTOCOLO DE TRATAMENTO - TCC.pdf
PROTOCOLO DE TRATAMENTO - TCC.pdfPROTOCOLO DE TRATAMENTO - TCC.pdf
PROTOCOLO DE TRATAMENTO - TCC.pdfSIMONEANDRADE78
 
Saiba Como Controlar a Ansiedade, Prevenir e Tratar a Depressão pdf
Saiba Como Controlar a Ansiedade, Prevenir e Tratar a Depressão   pdfSaiba Como Controlar a Ansiedade, Prevenir e Tratar a Depressão   pdf
Saiba Como Controlar a Ansiedade, Prevenir e Tratar a Depressão pdfEderson Bezerra
 
Síndromes afetivas isoladas (módulo 5).pptx
Síndromes afetivas isoladas (módulo 5).pptxSíndromes afetivas isoladas (módulo 5).pptx
Síndromes afetivas isoladas (módulo 5).pptxSilviaLouro2
 
Transtorno de Ansiedade Generalizada.pptx
Transtorno de Ansiedade Generalizada.pptxTranstorno de Ansiedade Generalizada.pptx
Transtorno de Ansiedade Generalizada.pptxGabrielaMassucatti1
 
Estresse e Doenças da Alma
Estresse e Doenças da AlmaEstresse e Doenças da Alma
Estresse e Doenças da AlmaRobson Roberto
 

Semelhante a Transtornos de Ansiedade: Sinais e Tratamentos (20)

SINDROMES ANSIOSAS.pptx
SINDROMES ANSIOSAS.pptxSINDROMES ANSIOSAS.pptx
SINDROMES ANSIOSAS.pptx
 
Transtorno da ansiedade
Transtorno da ansiedadeTranstorno da ansiedade
Transtorno da ansiedade
 
Slide psiquiatria
Slide psiquiatriaSlide psiquiatria
Slide psiquiatria
 
Transtorno de Ansiedade na Infância.pptx
Transtorno de Ansiedade na Infância.pptxTranstorno de Ansiedade na Infância.pptx
Transtorno de Ansiedade na Infância.pptx
 
doenças mentais
doenças mentaisdoenças mentais
doenças mentais
 
Psicopatologia do Envelhecimento.docx
Psicopatologia do Envelhecimento.docxPsicopatologia do Envelhecimento.docx
Psicopatologia do Envelhecimento.docx
 
Os tipos de ansiedade e suas variações
Os tipos de ansiedade e suas variaçõesOs tipos de ansiedade e suas variações
Os tipos de ansiedade e suas variações
 
SLIDES SAUDE MENTAL 27-05.pptx
SLIDES SAUDE MENTAL 27-05.pptxSLIDES SAUDE MENTAL 27-05.pptx
SLIDES SAUDE MENTAL 27-05.pptx
 
Como é o manejo dos transtornos ansiosos?
Como é o manejo dos transtornos ansiosos?Como é o manejo dos transtornos ansiosos?
Como é o manejo dos transtornos ansiosos?
 
PROTOCOLO DE TRATAMENTO - TCC.pdf
PROTOCOLO DE TRATAMENTO - TCC.pdfPROTOCOLO DE TRATAMENTO - TCC.pdf
PROTOCOLO DE TRATAMENTO - TCC.pdf
 
ANSIEDADE.pptx
ANSIEDADE.pptxANSIEDADE.pptx
ANSIEDADE.pptx
 
Transtornos do humor
Transtornos do humorTranstornos do humor
Transtornos do humor
 
Saiba Como Controlar a Ansiedade, Prevenir e Tratar a Depressão pdf
Saiba Como Controlar a Ansiedade, Prevenir e Tratar a Depressão   pdfSaiba Como Controlar a Ansiedade, Prevenir e Tratar a Depressão   pdf
Saiba Como Controlar a Ansiedade, Prevenir e Tratar a Depressão pdf
 
Síndromes afetivas isoladas (módulo 5).pptx
Síndromes afetivas isoladas (módulo 5).pptxSíndromes afetivas isoladas (módulo 5).pptx
Síndromes afetivas isoladas (módulo 5).pptx
 
Transtornos.pptx
Transtornos.pptxTranstornos.pptx
Transtornos.pptx
 
Transtornos ansiosos
Transtornos ansiososTranstornos ansiosos
Transtornos ansiosos
 
TRANSTORNO BIPOLAR E DE ANSIEDADE.
TRANSTORNO BIPOLAR E DE ANSIEDADE.TRANSTORNO BIPOLAR E DE ANSIEDADE.
TRANSTORNO BIPOLAR E DE ANSIEDADE.
 
Ansiedade
AnsiedadeAnsiedade
Ansiedade
 
Transtorno de Ansiedade Generalizada.pptx
Transtorno de Ansiedade Generalizada.pptxTranstorno de Ansiedade Generalizada.pptx
Transtorno de Ansiedade Generalizada.pptx
 
Estresse e Doenças da Alma
Estresse e Doenças da AlmaEstresse e Doenças da Alma
Estresse e Doenças da Alma
 

Último

Enhanced recovery after surgery in neurosurgery
Enhanced recovery  after surgery in neurosurgeryEnhanced recovery  after surgery in neurosurgery
Enhanced recovery after surgery in neurosurgeryCarlos D A Bersot
 
AULA DE ERROS radiologia odontologia.ppsx
AULA DE ERROS radiologia odontologia.ppsxAULA DE ERROS radiologia odontologia.ppsx
AULA DE ERROS radiologia odontologia.ppsxLeonardoSauro1
 
Sistema endocrino anatomia humana slide.pdf
Sistema endocrino anatomia humana slide.pdfSistema endocrino anatomia humana slide.pdf
Sistema endocrino anatomia humana slide.pdfGustavoWallaceAlvesd
 
AULA SOBRE SAMU, CONCEITOS E CARACTERICAS
AULA SOBRE SAMU, CONCEITOS E CARACTERICASAULA SOBRE SAMU, CONCEITOS E CARACTERICAS
AULA SOBRE SAMU, CONCEITOS E CARACTERICASArtthurPereira2
 
Primeiros Socorros - Sinais vitais e Anatomia
Primeiros Socorros - Sinais vitais e AnatomiaPrimeiros Socorros - Sinais vitais e Anatomia
Primeiros Socorros - Sinais vitais e AnatomiaCristianodaRosa5
 
INTRODUÇÃO A DTM/DOF-DRLucasValente.pptx
INTRODUÇÃO A DTM/DOF-DRLucasValente.pptxINTRODUÇÃO A DTM/DOF-DRLucasValente.pptx
INTRODUÇÃO A DTM/DOF-DRLucasValente.pptxssuser4ba5b7
 
Prurigo. Dermatologia. Patologia UEM17B2.pdf
Prurigo. Dermatologia. Patologia UEM17B2.pdfPrurigo. Dermatologia. Patologia UEM17B2.pdf
Prurigo. Dermatologia. Patologia UEM17B2.pdfAlberto205764
 
O mundo secreto dos desenhos - Gregg M. Furth.pdf
O mundo secreto dos desenhos - Gregg M. Furth.pdfO mundo secreto dos desenhos - Gregg M. Furth.pdf
O mundo secreto dos desenhos - Gregg M. Furth.pdfNelmo Pinto
 

Último (9)

Enhanced recovery after surgery in neurosurgery
Enhanced recovery  after surgery in neurosurgeryEnhanced recovery  after surgery in neurosurgery
Enhanced recovery after surgery in neurosurgery
 
AULA DE ERROS radiologia odontologia.ppsx
AULA DE ERROS radiologia odontologia.ppsxAULA DE ERROS radiologia odontologia.ppsx
AULA DE ERROS radiologia odontologia.ppsx
 
Aplicativo aleitamento: apoio na palma das mãos
Aplicativo aleitamento: apoio na palma das mãosAplicativo aleitamento: apoio na palma das mãos
Aplicativo aleitamento: apoio na palma das mãos
 
Sistema endocrino anatomia humana slide.pdf
Sistema endocrino anatomia humana slide.pdfSistema endocrino anatomia humana slide.pdf
Sistema endocrino anatomia humana slide.pdf
 
AULA SOBRE SAMU, CONCEITOS E CARACTERICAS
AULA SOBRE SAMU, CONCEITOS E CARACTERICASAULA SOBRE SAMU, CONCEITOS E CARACTERICAS
AULA SOBRE SAMU, CONCEITOS E CARACTERICAS
 
Primeiros Socorros - Sinais vitais e Anatomia
Primeiros Socorros - Sinais vitais e AnatomiaPrimeiros Socorros - Sinais vitais e Anatomia
Primeiros Socorros - Sinais vitais e Anatomia
 
INTRODUÇÃO A DTM/DOF-DRLucasValente.pptx
INTRODUÇÃO A DTM/DOF-DRLucasValente.pptxINTRODUÇÃO A DTM/DOF-DRLucasValente.pptx
INTRODUÇÃO A DTM/DOF-DRLucasValente.pptx
 
Prurigo. Dermatologia. Patologia UEM17B2.pdf
Prurigo. Dermatologia. Patologia UEM17B2.pdfPrurigo. Dermatologia. Patologia UEM17B2.pdf
Prurigo. Dermatologia. Patologia UEM17B2.pdf
 
O mundo secreto dos desenhos - Gregg M. Furth.pdf
O mundo secreto dos desenhos - Gregg M. Furth.pdfO mundo secreto dos desenhos - Gregg M. Furth.pdf
O mundo secreto dos desenhos - Gregg M. Furth.pdf
 

Transtornos de Ansiedade: Sinais e Tratamentos

  • 1. Transtornos de Ansiedade Visão geral A ansiedade ocasional é uma parte esperada da vida. Você pode se sentir ansioso quando enfrenta um problema no trabalho, antes de fazer um teste ou antes de tomar uma decisão importante. Mas os transtornos de ansiedade envolvem mais do que preocupação ou medo temporário. Para uma pessoa com transtorno de ansiedade, a ansiedade não desaparece e pode piorar com o tempo. Os sintomas podem interferir nas atividades diárias, como desempenho no trabalho, trabalho escolar e relacionamentos. Existem vários tipos de transtornos de ansiedade, incluindo transtorno de ansiedade generalizada, transtorno do pânico e vários transtornos relacionados à fobia. Sinais e sintomas Distúrbio de ansiedade generalizada Pessoas com transtorno de ansiedade generalizada (TAG) exibem ansiedade ou preocupação excessiva, na maioria dos dias por pelo menos 6 meses, sobre uma série de coisas, como saúde pessoal, trabalho, interações sociais e circunstâncias da vida cotidiana. O medo e a ansiedade podem causar problemas significativos em áreas de sua vida, como interações sociais, escola e trabalho. Os sintomas do transtorno de ansiedade generalizada incluem: • Sentindo-se inquieto, machucado ou no limite • Estar facilmente fatigado • Ter dificuldade de concentração; mente em branco • Ser irritável • Ter tensão muscular • Dificuldade em controlar sentimentos de preocupação
  • 2. • Ter problemas de sono, como dificuldade em adormecer ou permanecer dormindo, inquietação ou sono insatisfatório Síndrome do pânico Pessoas com transtorno do pânico têm ataques de pânico inesperados recorrentes. Os ataques de pânico são períodos súbitos de medo intenso que surgem rapidamente e atingem seu pico em poucos minutos. Os ataques podem ocorrer inesperadamente ou podem ser desencadeados por um gatilho, como um objeto ou situação temida. Durante um ataque de pânico, as pessoas podem experimentar: • Palpitações cardíacas, batimentos cardíacos acelerados ou batimentos cardíacos acelerados • Sudorese • Tremendo ou tremendo • Sensações de falta de ar, sufocamento ou asfixia • Sentimentos de destruição iminente • Sentimentos de estar fora de controle As pessoas com transtorno do pânico geralmente se preocupam com quando o próximo ataque acontecerá e tentam ativamente prevenir ataques futuros, evitando lugares, situações ou comportamentos que associam a ataques de pânico. A preocupação com os ataques de pânico, e o esforço despendido tentando evitar os ataques, causam problemas significativos em várias áreas da vida da pessoa, incluindo o desenvolvimento da agorafobia (veja abaixo). Distúrbios relacionados à fobia
  • 3. Uma fobia é um medo intenso ou aversão a objetos ou situações específicas. Embora possa ser realista estar ansioso em algumas circunstâncias, o medo que as pessoas com fobias sentem é desproporcional ao perigo real causado pela situação ou objeto. Pessoas com fobia: • Pode ter uma preocupação irracional ou excessiva em encontrar o objeto ou situação temida • Tome medidas ativas para evitar o objeto ou situação temida • Experimentar ansiedade intensa imediata ao encontrar o objeto ou situação temida • Suportar objetos e situações inevitáveis com ansiedade intensa Existem vários tipos de fobias e distúrbios relacionados à fobia: Fobias específicas (às vezes chamadas de fobias simples) : como o nome sugere, as pessoas que têm uma fobia específica têm um medo intenso ou sentem uma ansiedade intensa sobre tipos específicos de objetos ou situações. Alguns exemplos de fobias específicas incluem o medo de: • Vôo • Alturas • Animais específicos, como aranhas, cães ou cobras • Recebendo injeções • Sangue Transtorno de ansiedade social (anteriormente chamado de fobia social) : As pessoas com transtorno de ansiedade social têm um medo geral intenso ou ansiedade em relação a situações sociais ou de desempenho. Eles se preocupam que ações ou comportamentos associados à sua ansiedade sejam avaliados negativamente pelos outros, levando-os a se sentirem envergonhados. Essa preocupação geralmente faz com que as pessoas com ansiedade social evitem situações sociais. O transtorno de ansiedade social pode
  • 4. se manifestar em várias situações, como no local de trabalho ou no ambiente escolar. Agorafobia: Pessoas com agorafobia têm um medo intenso de duas ou mais das seguintes situações: • Usando o transporte público • Estar em espaços abertos • Estar em espaços fechados • Ficar na fila ou estar na multidão • Estar fora de casa sozinho As pessoas com agorafobia geralmente evitam essas situações, em parte, porque acham que poder sair pode ser difícil ou impossível no caso de terem reações de pânico ou outros sintomas embaraçosos. Na forma mais grave de agorafobia, um indivíduo pode ficar confinado em casa. Transtorno de ansiedade de separação: A ansiedade de separação é muitas vezes considerada como algo com o qual apenas as crianças lidam; no entanto, os adultos também podem ser diagnosticados com transtorno de ansiedade de separação. As pessoas que têm transtorno de ansiedade de separação têm medo de se separar das pessoas a quem estão ligadas. Eles geralmente se preocupam que algum tipo de dano ou algo desagradável aconteça com suas figuras de apego enquanto estão separados. Esse medo os leva a evitar a separação de suas figuras de apego e a evitar ficar sozinhos. Pessoas com ansiedade de separação podem ter pesadelos sobre serem separadas de figuras de apego ou experimentar sintomas físicos quando a separação ocorre ou é antecipada. Mutismo seletivo: Um distúrbio um tanto raro associado à ansiedade é o mutismo seletivo . O mutismo seletivo ocorre quando as pessoas não conseguem falar em situações sociais específicas, apesar de terem habilidades linguísticas normais. O mutismo seletivo geralmente ocorre antes dos 5 anos de idade e é frequentemente associado a extrema timidez, medo de constrangimento social, traços compulsivos, retraimento, comportamento apegado e birras. Pessoas
  • 5. diagnosticadas com mutismo seletivo muitas vezes também são diagnosticadas com outros transtornos de ansiedade. Fatores de risco Os pesquisadores estão descobrindo que fatores genéticos e ambientais contribuem para o risco de desenvolver um transtorno de ansiedade. Embora os fatores de risco para cada tipo de transtorno de ansiedade possam variar, alguns fatores de risco gerais para todos os tipos de transtornos de ansiedade incluem: • Traços temperamentais de timidez ou inibição comportamental na infância • Exposição a eventos de vida ou ambientais estressantes e negativos na primeira infância ou na idade adulta • Uma história de ansiedade ou outras doenças mentais em parentes biológicos • Algumas condições de saúde física, como problemas de tireóide ou arritmias cardíacas, cafeína ou outras substâncias/medicamentos, podem produzir ou agravar os sintomas de ansiedade; um exame físico de saúde é útil na avaliação de um possível transtorno de ansiedade. Tratamentos e terapias Os transtornos de ansiedade geralmente são tratados com psicoterapia, medicação ou ambos. Existem muitas maneiras de tratar a ansiedade e as pessoas devem trabalhar com seu médico para escolher o tratamento que é melhor para elas. Psicoterapia A psicoterapia ou “terapia da conversa” pode ajudar as pessoas com transtornos de ansiedade. Para ser eficaz, a psicoterapia deve ser direcionada às ansiedades específicas da pessoa e adaptada às suas necessidades.
  • 6. Terapia cognitiva comportamental A Terapia Cognitivo-Comportamental (TCC) é um exemplo de um tipo de psicoterapia que pode ajudar pessoas com transtornos de ansiedade. Ele ensina às pessoas diferentes maneiras de pensar, se comportar e reagir a objetos e situações que produzem ansiedade e medo. A TCC também pode ajudar as pessoas a aprender e praticar habilidades sociais, o que é vital para o tratamento do transtorno de ansiedade social. A terapia cognitiva e a terapia de exposição são dois métodos de TCC que são frequentemente usados, juntos ou sozinhos, para tratar o transtorno de ansiedade social. A terapia cognitiva se concentra em identificar, desafiar e, em seguida, neutralizar pensamentos inúteis ou distorcidos subjacentes aos transtornos de ansiedade. A terapia de exposição concentra-se em confrontar os medos subjacentes a um transtorno de ansiedade para ajudar as pessoas a se envolverem em atividades que têm evitado. A terapia de exposição às vezes é usada junto com exercícios de relaxamento e/ou imagens. A TCC pode ser realizada individualmente ou com um grupo de pessoas com dificuldades semelhantes. Frequentemente, o “trabalho de casa” é designado para os participantes completarem entre as sessões. Medicamento A medicação não cura os transtornos de ansiedade, mas pode ajudar a aliviar os sintomas. A medicação para a ansiedade é prescrita por médicos, como um psiquiatra ou prestador de cuidados primários. Alguns estados também permitem que psicólogos que receberam treinamento especializado prescrevam medicamentos psiquiátricos. As classes mais comuns de medicamentos usados para combater os transtornos de ansiedade são os ansiolíticos (como os benzodiazepínicos), os antidepressivos e os betabloqueadores. Medicamentos anti-ansiedade Medicamentos anti-ansiedade podem ajudar a reduzir os sintomas de ansiedade, ataques de pânico ou medo e preocupação extremos. Os medicamentos anti- ansiedade mais comuns são chamados de benzodiazepínicos
  • 7. benzodiazepínicos. Embora os benzodiazepínicos às vezes sejam usados como tratamentos de primeira linha para o transtorno de ansiedade generalizada, eles têm vantagens e desvantagens. Alguns benefícios dos benzodiazepínicos são que eles são eficazes no alívio da ansiedade e têm efeito mais rápido do que os medicamentos antidepressivos geralmente prescritos para a ansiedade. Algumas desvantagens dos benzodiazepínicos são que as pessoas podem desenvolver uma tolerância a eles se forem tomadas por um longo período de tempo e podem precisar de doses cada vez mais altas para obter o mesmo efeito. Algumas pessoas podem até se tornar dependentes deles. Para evitar esses problemas, os médicos geralmente prescrevem benzodiazepínicos por curtos períodos de tempo, uma prática que é especialmente útil para idosos, pessoas com problemas de abuso de substâncias e pessoas que se tornam facilmente dependentes de medicamentos. Se as pessoas pararem repentinamente de tomar benzodiazepínicos, elas podem ter sintomas de abstinência ou sua ansiedade pode retornar. Portanto, os benzodiazepínicos devem ser reduzidos lentamente. Quando você e seu médico decidirem que é hora de interromper a medicação, o médico o ajudará a diminuir sua dose de forma lenta e segura. Para uso a longo prazo, os benzodiazepínicos são frequentemente considerados um tratamento de segunda linha para a ansiedade (com os antidepressivos sendo considerados um tratamento de primeira linha), bem como um tratamento “conforme necessário” para quaisquer surtos angustiantes de sintomas. Um tipo diferente de medicamento anti-ansiedade é a buspirona . A buspirona é um medicamento não benzodiazepínico especificamente indicado para o tratamento da ansiedade crônica, embora não ajude a todos.
  • 8. Antidepressivos Os antidepressivos são usados para tratar a depressão, mas também podem ser úteis no tratamento de transtornos de ansiedade. Eles podem ajudar a melhorar a maneira como seu cérebro usa certos produtos químicos que controlam o humor ou o estresse. Você pode precisar experimentar vários medicamentos antidepressivos diferentes antes de encontrar aquele que melhora seus sintomas e tem efeitos colaterais gerenciáveis. Um medicamento que tenha ajudado você ou um familiar próximo no passado será frequentemente considerado. Os antidepressivos podem levar tempo para fazer efeito, por isso é importante dar uma chance ao medicamento antes de chegar a uma conclusão sobre sua eficácia. Se você começar a tomar antidepressivos, não pare de tomá-los sem a ajuda de um médico. Quando você e seu médico decidirem que é hora de interromper a medicação, o médico o ajudará a diminuir sua dose de forma lenta e segura. Interrompê-los abruptamente pode causar sintomas de abstinência. Antidepressivos chamados inibidores seletivos da recaptação da serotonina (ISRSs) e inibidores da recaptação da serotonina-norepinefrina (IRSNs) são comumente usados como tratamentos de primeira linha para a ansiedade. Os tratamentos menos usados - mas eficazes - para transtornos de ansiedade são classes mais antigas de antidepressivos, como antidepressivos tricíclicos e inibidores da monoamina oxidase (IMAOs). Observação: em alguns casos, crianças, adolescentes e adultos jovens com menos de 25 anos podem experimentar um aumento nos pensamentos ou comportamentos suicidas ao tomar medicamentos antidepressivos, especialmente nas primeiras semanas após o início ou quando a dose é alterada. Por isso, pacientes de todas as idades em uso de antidepressivos devem ser observados de perto, especialmente durante as primeiras semanas de tratamento. Bloqueadores beta Embora os betabloqueadores sejam usados com mais frequência para tratar a pressão alta, eles também podem ser usados para ajudar a aliviar os sintomas
  • 9. físicos da ansiedade, como batimentos cardíacos acelerados, tremores, tremores e rubor. Esses medicamentos, quando tomados por um curto período de tempo, podem ajudar as pessoas a manter os sintomas físicos sob controle. Eles também podem ser usados “conforme necessário” para reduzir a ansiedade aguda, inclusive como uma intervenção preventiva para algumas formas previsíveis de ansiedades de desempenho. Escolhendo o medicamento certo Alguns tipos de medicamentos podem funcionar melhor para tipos específicos de transtornos de ansiedade, portanto, as pessoas devem trabalhar em estreita colaboração com seu médico para identificar qual medicamento é melhor para elas. Certas substâncias, como cafeína, alguns medicamentos para resfriado vendidos sem receita, drogas ilícitas e suplementos de ervas podem agravar os sintomas de transtornos de ansiedade ou interagir com medicamentos prescritos. Os pacientes devem conversar com seu médico, para que possam saber quais substâncias são seguras e quais devem ser evitadas. A escolha do medicamento correto, da dose do medicamento e do plano de tratamento deve ser feita sob os cuidados de um especialista e deve basear-se nas necessidades de uma pessoa e em sua situação médica. Seu médico pode tentar vários medicamentos antes de encontrar o correto. Você e seu médico devem discutir: • Quão bem os medicamentos estão funcionando ou podem funcionar para melhorar seus sintomas • Benefícios e efeitos colaterais de cada medicamento • Risco de efeitos colaterais graves com base em seu histórico médico • A probabilidade de os medicamentos exigirem mudanças no estilo de vida • Custos de cada medicamento • Outras terapias alternativas, medicamentos, vitaminas e suplementos que você está tomando e como isso pode afetar seu tratamento; uma combinação de medicação e psicoterapia é a melhor abordagem para muitas pessoas com transtornos de ansiedade
  • 10. • Como a medicação deve ser interrompida (Alguns medicamentos não podem ser interrompidos abruptamente e devem ser reduzidos lentamente sob a supervisão de um médico). Grupos de apoio Algumas pessoas com transtornos de ansiedade podem se beneficiar ao ingressar em um grupo de autoajuda ou de apoio e compartilhar seus problemas e conquistas com outras pessoas. Salas de bate-papo na Internet também podem ser úteis, mas qualquer conselho recebido pela Internet deve ser usado com cautela, pois os conhecidos da Internet geralmente nunca se viram e o que ajudou uma pessoa não é necessariamente o melhor para outra. Você deve sempre consultar seu médico antes de seguir qualquer conselho de tratamento encontrado na internet. Conversar com um amigo de confiança ou membro do clero também pode fornecer apoio, mas não é necessariamente uma alternativa suficiente para o atendimento de um médico ou outro profissional de saúde. Técnicas de gerenciamento de estresse Técnicas de gerenciamento de estresse e meditação podem ajudar as pessoas com transtornos de ansiedade a se acalmarem e podem aumentar os efeitos da terapia. Pesquisas sugerem que o exercício aeróbico pode ajudar algumas pessoas a controlar sua ansiedade; no entanto, o exercício não deve substituir o tratamento padrão e mais pesquisas são necessárias.
  • 11. Participe de um estudo Ensaios clínicos são estudos de pesquisa que buscam novas maneiras de prevenir, detectar ou tratar doenças e condições. O objetivo dos ensaios clínicos é determinar se um novo teste ou tratamento funciona e é seguro. Embora os indivíduos possam se beneficiar de fazer parte de um ensaio clínico, os participantes devem estar cientes de que o objetivo principal de um ensaio clínico é obter novos conhecimentos científicos para que outros possam ser mais bem ajudados no futuro. Pesquisadores do NIMH e de todo o país realizam muitos estudos com pacientes e voluntários saudáveis. Temos opções de tratamento novas e melhores hoje por causa do que os ensaios clínicos descobriram anos atrás. Faça parte dos avanços médicos de amanhã. Converse com seu médico sobre ensaios clínicos, seus benefícios e riscos e se um deles é adequado para você. Para saber mais ou encontrar um estudo, visite: