SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 13
Baixar para ler offline
2. Factores de sucesso na ligação da BE ao funcionamento da escola, ao
desenvolvimento curricular e ao sucesso educativo dos alunos


     2.1. Novos desafios
     Os conceitos em causa, quando falamos de factores de sucesso na integração da
BE na missão fundamental da escola, têm sofrido alguma evolução nos últimos tempos:
The overall focus of school library programs from 1950 to the present can be
characterized in four stages: a concentration on collections in the early and mid-1950s;
a focus on the library program to make the collections useful, which emerged from
national standards in 1960 and 1969; a major emphasis on instruction as revealed by
the 1975 and 1988 standards; and finally the current shift to a focus on learning and a
complete blending of process and content instruction. (Stripling, 1996)
     Considerando o ambiente digital em que cada vez mais a sociedade se sustenta
(socioeconomicamente falando), onde “Informação é poder”, a Biblioteca Escolar vê
reforçado o seu papel tradicional de equidade no acesso à informação junto dos alunos
que não dispõem dessa possibilidade senão através da escola.
     O próprio papel atribuído ao professor bibliotecário tem sofrido mudanças desde o
determinante documento Information Power: Guidelines for School Library Media
Programs (AASL & AECT, 1988) no qual este se assumia como um mero consultor, ao
contrário do papel de co-educador que se preconiza na literatura actual onde a BE tem
um lugar central no processo de ensino-aprendizagem.
     O novo perfil de competências necessário ao professor bibliotecário exige-lhe que
tome como missão a formação de aprendentes ao longo da vida, assegurando-se que a
definição de competências de informação a desenvolver com os alunos se prende com
um conjunto de acções como pensar, organizar, questionar, criticar, avaliar, tirar
conclusões e comunicar.
     Stripling (1996) fala mesmo numa evolução do termo de information skills para
process skills pois mais do que ensinar como aceder à Internet, temos que lhes ensinar
como seleccionar informação relevante num ambiente electrónico, como avaliar fontes
electrónicas, quando utilizar determinado tipo de fonte, como interagir com a
informação que é recebida por esta via.




Margarida Costa, 2008                                                                 1
2.2. Acessibilidade dos serviços


     Os serviços oferecidos pela BE têm que aparecer como uma resposta ao ciclo de
ensino-aprendizagem, funcionando como suporte quer do processo, quer dos conteúdos.
                                                                                            2
O programa formativo da BE reveste-se de grande importância sendo essencial que
classroom teachers and library media specialists must understand the essential
interrelationship of process and content. (Stripling, 1996). Mas a este aspecto
voltaremos mais tarde, quando falarmos do trabalho colaborativo.
     Quando falamos de serviços, não podemos deixar de falar da colecção, sendo
necessário que esta se aproxime cada vez mais do desenho curricular da escola. Se aqui
há uns tempos a oferta editorial não era muito fértil em documentação de carácter
informativo, temos assistido nos últimos anos a uma verdadeira explosão no mercado
livreiro e não só, permitindo o enriquecimento das colecções. Tendo em conta as
dificuldades orçamentais dos nossos estabelecimentos de ensino, as bibliotecas
escolares não devem funcionar de forma independente. No seio do agrupamento, as
colecções devem ser desenvolvidas de forma cooperativa, podendo ainda ser criadas
parcerias com outras BEs ou mesmo com a biblioteca pública.
     A criação de redes, quer físicas quer virtuais, tornaram-se essenciais à gestão
eficaz dos serviços de biblioteca permitindo evitar a duplicação de esforços, de fundos e
recursos.
     A acessibilidade dos serviços passa também pelos aspectos aparentemente mais
prosaicos mas que são determinantes para a criação de hábitos de uso da BE como, por
exemplo, a definição (e cumprimento) de um horário de funcionamento, o
acompanhamento por pessoal especializado que faça simultaneamente a formação dos
utilizadores no sentido de uma progressiva autonomia.
     Também o estabelecimento de comunicação e diálogo com os utilizadores através
das ferramentas tecnológicas como a Web 2.0 será um factor crítico de sucesso na
assumpção do utilizador como central na prestação do serviço.




     2.3. Gestão participativa e participada por toda a escola
Apesar de ainda muito longe da generalização entre nós, a evolução das teorias
psicológicas e educacionais conduz à introdução de algumas práticas baseadas em
novos recursos de aprendizagem fazendo com que o aluno e o desenvolvimento das suas
competências nas diversas áreas do saber assumam o protagonismo do programa da BE.
O professor bibliotecário incorpora novos papéis, deixando de ser o único e último
                                                                                            3
decisor naquilo que à BE concerne, vendo contudo a sua função pedagógica altamente
valorizada em relação aos modelos do passado.
     Apesar de a sua proposta já ultrapassar uma década de idade, não encontramos um
melhor design para as renovadas funções do professor bibliotecário como pivot na
gestão da biblioteca para uma escola (ou conjunto de escolas, no caso dos
agrupamentos) que a de Stripling (1996). Para esta autora, este profissional deve ser
altamente qualificado, especialista da informação mas generalista na apropriação da
oferta curricular que a escola oferece, de modo a arrogar-se como:
     – Caregiver (Cuidador): Essa função relaciona-se com a ideia de que o processo
de aprender envolve uma dimensão afectiva e relacional em que é importante respeitar a
individualidade e os interesses pessoais de cada utilizador. Assim, a função do professor
bibliotecário passa por apoiar a aprendizagem individualizada, o estudo e a pesquisa
autónoma;
     – Coach (Orientador): Baseia-se na ideia de que o aluno é o principal responsável
pela construção de seu conhecimento, colocando o professor bibliotecário na posição de
estimular a aprendizagem, levando o aluno a encontrar as fontes, as estratégias e
consequentemente respostas para as suas necessidades;
     – Connector (Elo de ligação): Parte do princípio de ambas as funções anteriores
seriam da responsabilidade conjunta do professor de turma/disciplina e do professor
bibliotecário; este último assume, no entanto, uma função que normalmente não é
assumida pelo primeiro: a de estabelecer a ligação dos alunos e do currículo que rege o
seu percurso formativo com as ideias concretizadas no universo dos recursos
informacionais disponíveis. Naturalmente, e à medida que esse universo se torna cada
vez mais complexo, essa função acaba por prevalecer sobre as anteriores;
     – Catalyst (Catalisador): Esta função coloca o professor bibliotecário como
catalisador das mudanças na escola, tendo em conta a sua posição na estrutura escolar -
considerada como privilegiada, não só por ter uma visão global do processo de
aprendizagem, mas por se constituir num líder na introdução da literacia da informação
como transversal em todas as áreas. Se as funções anteriores se operacionalizarem,
teremos o professor bibliotecário como colaborador na planificação curricular e
facilitador da aprendizagem, logo um dos motores da mudança - aliado à gestão
administrativa e pedagógica da escola.
      Assim, a mudança começa a acontecer quando a gestão da BE conseguir um olhar
estratégico sobre a escola, incorporando não apenas uma missão estandardizada (da
                                                                                           4
UNESCO, da IFLA ou outra) mas contemplando, antes de mais, a missão e objectivos
do Projecto Educativo daquela escola/agrupamento num enunciado claro e partilhado
por todos os actores da organização. Suportada por uma equipa de competências
diversificadas, a operacionalização desta missão através da actuação essencialmente
pedagógica coloca a BE, enquanto estrutura, num lugar privilegiado auxiliando no
cumprimento dos objectivos pedagógicos, formativos, culturais (e até de lazer, na lógica
da escola a tempo inteiro) da escola.
      Ainda assim, consideramos que só se efectiva a integração plena da BE no
funcionamento geral da escola quando esta se torna indispensável às actividades de
ensino-aprendizagem. Por isso, tal como preconizado por Stripling para a relação com
os alunos e a aprendizagem, é necessário que o professor bibliotecário desempenhe o
seu papel de catalisador através de uma acção assertiva junto dos órgãos executivos e
pedagógicos da escola, enquanto desenvolve as funções de orientador e elo de ligação
junto dos professores da escola, construindo a visão partilhada que poderá conduzir à
gestão participada por toda a escola de um currículo baseados em recursos de
aprendizagem.




       2.4. Trabalho colaborativo entre BE e professores de turma

       Os estudos realizados desde o final do século passado nos EUA, principalmente
por Lance (referidos por Conde, 2006) e Todd (2006) evidenciam que os alunos
atingem níveis médios mais elevados no desempenho académico nas bibliotecas em que
os responsáveis desempenham um papel proactivo no domínio do processo de ensino-
aprendizagem, colaborando com os professores na identificação de recursos e no
planeamento de actividades curriculares ou extra-curriculares e apoiando os alunos a
nível das suas competências de informação.
       Mais concretamente, está provado que não basta a simples existência de um
professor bibliotecário, mesmo formado e com dedicação exclusiva, para obter estes
resultados. As vantagens obtém-se quando o professor-bibliotecário faz parte das
equipas de planificação e ensino (ligação aos departamentos curriculares), em
interacção com cada turma (ligação aos conselhos de turma), quando ensina literacia da
informação e quando fornece apoio tutorial individual aos estudantes dele necessitados
(apoio individualizado).
                                                                                           5
         Estes dados introduzem um novo aspecto na discussão, que parece paradoxal à
questão que pretendemos abordar - A capacidade de liderança do professor-bibliotecário
como uma peça chave no sucesso da integração da BE na escola. A liderança passa hoje
pelo poder de estabelecer uma rede de colaboração nos processos e no cumprimento dos
objectivos formativos e       curriculares   através do trabalho colaborativo com
departamentos, professores e alunos. The library media specialist is a leader in
connecting through collaboration. Collaboration between the classroom teacher and
the library media specialist is fundamental to good school libraries. Beyond working
with individual teachers, the library media specialist weaves a web of collaboration
among teacher teams (grade level or interdisciplinary). (Stripling, 1996)
         Quando falamos de trabalho colaborativo entre professor bibliotecário e
professores de turma, podemos considerar ainda como determinantes para o sucesso da
integração da BE os níveis dessa colaboração. De acordo com a tipologia proposta por
Buzzeo (2008), os níveis de colaboração que se conseguem atingir numa BE podem
condicionar de forma importante o sucesso das aprendizagens dos alunos. Este autor
distingue quatro níveis de colaboração:
        While in cooperation, the teacher and library media specialist work
independently but come together briefly for mutual benefit, their relationship is loose.
        Coordination means there is a more formal working relationship and an
understanding of shared missions. The teacher and library media specialist do some
planning and communicate more.
        In collaboration, the two partners have a prolonged and interdependent
relationship. They share goals, have carefully defined roles in the process, and plan
much more comprehensively.
        In data-driven collaboration, the two partners have a prolonged and
interdependent relationship. They share goals, have carefully defined roles in the
process, and plan comprehensively based on the results of evidence of student
knowledge, skills, and learning, such as grade level standardized assessments.(Buzzeo,
2008)
Não existindo nas nossas escolas práticas efectivas deste tipo, cabe ao professor
bibliotecário assumir a liderança no estabelecimento progressivo de pontes,
progressivamente mais sólidas, no desenvolvimento curricular com e através da BE.
       A ideia de colaboração pode também ultrapassar a colaboração entre pares
docentes e ser incentivada entre os alunos. Tendo em conta que a aprendizagem é um
                                                                                           6
processo essencialmente social, o professor bibliotecário deve incentivar a partilha de
ideias, a resolução de problemas em grupo, o saber ouvir outros pontos de vista, o
aproveitamento da experiência e saberes uns dos outros. Mas como as boas situações de
aprendizagem cooperativa não acontecem espontaneamente, devem também elas ser
objecto de cuidada programação entre professor bibliotecário e professor curricular.
Juntos devem documentar os resultados escolares dos alunos evidenciando uma outra
estratégia inerente ao sucesso da BE: a comunicação que confere visibilidade àquilo que
se faz, que se passa na BE ou “através “ da BE, utilizando os resultados dos alunos.



      2.5. Estabelecimento de políticas que confiram um carácter sistemático e de
intencionalidade ao programa da BE


       A visibilidade dos (bons) resultados escolares dos alunos que vivem uma
integração quotidiana da BE na sua vida escolar é a evidência necessária ao próximo
passo fundamental para o sucesso da integração da BE na escola - a definição de
políticas que confiram o tal carácter sistemático ao programa da BE e o estendam a toda
a escola (não apenas aos “habituais” parceiros do professor bilbliotecário).
       Como evoca Doug Johnson, não podemos esquecer que a classroom instruction
is and will remain the primary focus of education, and unless we have an impact on it,
we will be seen as superfluous. Our [da BE] media program goals must be directly
aligned to the instructional goals of the district, building, and classroom.
       Assim, é no Projecto Educativo da escola/agrupamento que devem ter lugar as
definições de políticas claras, articulando uma visão e uma agenda (Eisenberg, 2002)
que congreguem todo o esforço de uma escola em tornos de duas vertentes intimamente
ligadas à BE e cruciais na educação das crianças e jovens:
a. Política de Promoção da Leitura que promova as literacias de forma
transversal ao currículo e às aprendizagens

       Reading is a window to the world. Reading is a foundational skill for learning,
personal growth, and enjoyment. The degree to which students can read and understand
text in all formats (…) and all the contexts is a key indicator of success in school and in   7

life. (AASL, 2007)


       A investigação tem comprovado que o envolvimento do professor bibliotecário e
a utilização da BE tem um impacto positivo no desenvolvimento de competências
leitoras que, por sua vez, contribuem inequivocamente para a melhoria dos resultados
escolares.
       When teacher-librarians model and celebrate the power of reading with students
and connect them with meaningful books, students become more motivated to read, view
reading favorably, and see themselves as readers. When teacher-librarians help
students learn how to independently locate and evaluate information, read for main
ideas, and share learning in a variety of modes, students feel more confident in their
reading abilities and better see themselves as lifelong learners. (Asselin, 2006)
       A articulação entre o programa da BE e as orientações do Plano Nacional de
Leitura contribuirá para o necessário equilíbrio entre a leitura orientada e a consequente
aquisição de competências leitoras e a leitura recreativa e a desejável formação do
prazer de ler e da formação de leitores para a vida.
       Para além dos livros (na sua forma “clássica) e publicações periódicas, existem
hoje uma série de novas e cativantes formas de criar novos leitores ou de manter os já
aficionados: blogues ou sites dedicados à leitura e à escrita mantém o interesse através
de jogos, passatempos, contactos com autores, actividades entre alunos, etc.
       Também a investigação neste domínio tem demonstrado a importância do
envolvimento dos alunos na selecção, disponibilização e promoção do fundo
documental existente. A partir de determinado nível de ensino, podem ser eles mesmos
a construir os seus sites e a auxiliar a equipa da B a organizar eventos relacionados com
a leitura. Os telemóveis, o e-mail e as redes sociais virtuais nas quais os alunos se
comunicam actualmente podem ser importantes no marketing da promoção da leitura.
       A visibilidade desta política no Projecto Educativo será o reflexo da paixão pela
leitura do professor bibliotecário, das estratégias de promoção que implementa, da
valorização que a escola atribui ao acesso a uma colecção diversificada e da importância
que revela a formação de leitores competentes ao longo da vida para esta organização
educativa.



                                                                                            8
       b. Política de Literacia da Informação que igualmente promova a
integração das TIC em contexto curricular

       The definition of information literacy has become more complex as resources
and Technologies have changed. Information literacy has progressed from the simple
definition of using reference resources to find information. (AASL, 2007)


       A Literacia da Informação mudou, de facto, o papel do professor bibliotecário
nos últimos anos, não apenas nas suas funções mas também na forma de trabalhar, pois
é de todas a que exige um nível mais elevado de colaboração com os professores.
Requer uma compreensão aprofundada do processo de ensino-aprendizagem e a
capacidade de aplicar esta compreensão no seu trabalho de desenvolvimento de
competências de informação em contexto curricular.
       A sociedade sofre alterações contínuas e os alunos, a quem hoje são
direccionadas as práticas pedagógicas e didácticas iguais desde há trinta anos atrás, têm
actividades, necessidades e interesses diferentes dos de outrora.
       A liderança neste domínio é um desafio exigente mas apresenta-se nos dias de
hoje como a solução para retirar a BE do isolamento a que está votada na maioria da
escolas (pelo menos, no que ao desenvolvimento curricular diz respeito) e torná-la no
centro da aprendizagem.
       Como refere Johnson (2002), thoughtful information literacy units can also
teach most if not all technology competences needed by students. Assim, a inscrição de
uma política que integre o desenvolvimento de competências informacionais e
tecnológicas depende da capacidade de diálogo do professor bibliotecário com os
órgãos de gestão executiva e pedagógica, da capacidade de planeamento e de
desenvolvimento de estratégias de interacção curricular, baseadas em evidências
decorrentes da avaliação. Só através da definição de uma política clara neste domínio
será possível a integração plena da BE na vida da escola e o cumprimento da sua
missão.
2.6. Permeabilidade à mudança e capacidade de adaptação permanente por
parte do professor bibliotecário e equipa responsável pela gestão da BE

       The library profession desperately needs leadership to develop a new vision for
the 21st century and reverse its declining profile and influence. This should start with
effecting that shift from a content-orientation to a user-facing perspective and then on     9

to an outcome focus. (Rowlands, 2008)


      Gladwell (2007) no seu livro A Chave do Sucesso demonstra como a mudança
está ao alcance de todas as organizações desde que se concentrem os recursos em
poucas áreas-chave. Esta afirmação corrobora a necessidade de uma outra ferramenta de
gestão, ainda não abordada - o Plano de Acção da BE, onde após avaliação diagnóstica
se procede à definição de prioridades para a implementação das necessárias acções de
melhoria.
      Mas a elaboração de documentos, se bem que imprescindível para dar visibilidade
às intenções, não é suficiente para provocar a mudança. Esta passa essencialmente pelas
pessoas e este autor afirma que, para operar a mudança, é preciso encontrar três tipos de
pessoas: os peritos, os comunicadores e os vendedores. E o que é que isto tem a ver com
bibliotecas escolares?
      Tudo, como demonstrou Creighton (2008). No seu artigo Impact as a 21st-
Century Library Media Specialist, esta autora estabelece um paralelismo entre as
tipologias de perfil de gestores para a mudança de Gladwell com o perfil do professor
bibliotecário de séc. XXI, impulsionador por excelência de uma série de mudanças não
só na BE como na própria escola.
       Os novos desenvolvimentos em TIC e o impacto do anunciado Plano
Tecnológico de Educação, os avanços nas questões da literacia da informação, o
conhecimento como de processa a aprendizagem e o imperativo de uma escola
inclusiva, assim como os resultados da investigação (Barrett, 2004) exigem que o
professor bibliotecário e a sua equipa se assumam como peritos que reap the
information harvest for the benefit of others e seek to increase their knowledge to better
serve their patrons, como comunicadores que are innovators, make themselves
available to serve e build communities both in person and virtually e como vendedores
create slogans, write mission statements, create contests, and schedule events that
attract new patrons and keep veteran patrons coming back, advocates of all things
related to school libraries e use research to convince others of their authority.
(Creighton, 2008)
     Estas competências não são, na sua maioria, inatas devendo os professores
bibliotecários e suas equipas procurar em conjunto resposta aos novos desafios que se
colocam à escola e à BE, aprendendo e partilhando experiências de gestão, comunicação
                                                                                            10
e liderança e, sobretudo, capacidade de adaptação, seja através de formação formal ou
de continuada auto-formação.
     O rápido desenvolvimento de recursos electrónicos faz com que a BE corra hoje o
risco de se ver ultrapassada. É por isso vital que os professores bibliotecários se
familiarizem com o que “de novo” vai surgindo, providenciando percursos formativos
que auxiliem professores e alunos a encontrar caminhos seguros perante a avalanche de
informação disponível através da Internet. Será assim que os professores bibliotecários
se afirmarão, mais do que como especialistas da informação, mas como gestores do
conhecimento.
       This means that school librarians have a major responsibility to develop
themselves in all the areas outlined in the Guidelines. They need to become leaders in
schools by serving on key committees, by developing a vision and by sharing that vision
with others. They need to be co-educators by understanding learning, collaborating
with teaching colleagues and participating in staff training. They need to be information
navigators by bridging the gaps between students, teachers, online information and the
curriculum. They need to be managers by creating effective learning environments, and
by planning, implementing, evaluating and advocating their service. (Barrett, 2004)




       2.7. Auto-avaliação contínua e sistemática, como forma de validação das
práticas e como indispensável ferramenta de planeamento


       O mundo por mais que queiramos, não funciona de acordo com a nossa intuição
(…) Quem consegue ser bem sucedido (…) não faz apenas o que acha que deve fazer.
Testa deliberadamente a sua intuição. (Gladwell,2007: 249)


       A avaliação não consiste apenas em olhar para trás, para os acontecimentos e
actividades que já se realizaram. Pelo contrário, constitui a ferramenta de gestão por
excelência para a planificação de todo o trabalho futuro. A auto-avaliação contínua e
sistemática, baseada em evidence-based practice [EBP] in school librarianship is
driven by central questions that give school libraries their raison d‟être. For school
librarians, the big question regarding EBP is, “Why do school libraries matter today,
particularly in the context of an educational world that increasingly relies on diverse,
complex, and often conflicting sources of digital information?” (Todd, 2008)
                                                                                           11
       Esta ferramenta, associada a competências mais aprofundadas de marketing por
parte do professor bibliotecário, proporcionará o enquadramento necessário para uma
melhor compreensão da procura e análise que permita prever as necessidades
informacionais dos utilizadores, no sentido da promoção de serviços apropriados e
recursos que satisfaçam os utilizadores habituais e que atraiam os novos. Sem esta
compreensão clara das necessidades de toda a comunidade escolar e a identificação dos
pontos fortes e dos pontos fracos da BE que gerimos é difícil antecipar soluções e
planificar programas e serviços.




     Bibliografia

AASL (2007). Standards for the 21st-century learners.
     http://www.ala.org/ala/mgrps/divs/aasl/guidelinesandstandards/learningstandards/
     standards.cfm. [Acedido em 23-02-2009]

Asselin, Marlene (2006). Redefining the School Library‟s Role in Literacy Teaching
     and Learning. www.stenhouse.com/pdfs/8196ch01.pdf. [Acedido em 23-02-2009]

Barrett, Lynn (2004). New guidelines, new challenges in schools. CILIP
     http://www.cilip.org.uk/publications/updatemagazine/archive/archive2004/septem
     ber/article2.htm [Acedido em 03-02-2009]

Batz, Linda e Rosenberg, Harlene (1999) Creating an Information literate school:
     Information literacy in action

Buzzeo, Toni (2008). Collaborating to Meet Standards:Teacher/Librarian Partnerships
     for K-12. www.tonibuzzeo.com/2008collaboratingtomeetstandardsCASL.pdf
     [Acedido em 23-02-2009]
Campello, Bernadete (2003). O movimento da competência informacional: uma
      perspectiva para o letramento informacional. Ci. Inf., Brasília, v. 32, n. 3, p. 28-
      37, set./dez. 2003. http://www.scielo.br/scielo.php?pid=S0100-
      19652003000300004&script=sci_arttext&tlng=pt [Acedido em 03-02-2009]

Conde, Elsa (2006). A Integração das TIC na Biblioteca Escolar. DGIDC: Lisboa                12



Creighton, Peggy Milam (2008). Impact as a 21st-century Library Media Specialist.
      http://www.schoollibrarymedia.com/articles/Creighton2008v24n7.html. [Acedido
      em 23-02-2009]

Douglas, Jonathan (2002) Start with the child. http://www.cilip.org.uk/cgi-
      bin/MsmGo.exe?grab_id=530&page_id=3016704&query=startwiththechild&hiw
      ord=startwiththechild+. [Acedido em 03-02-2009]

Eisenberg, Mike (2002). This man wants to change your job. School Library Journal
      http://www.schoollibraryjournal.com/article/CA240047.html [Acedido em 23-02-
      2009]

Gladwell, M. (2007) A Chave do Sucesso - The Tipping Point. Dom Quixote: Lisboa

Haycock, Ken (s/d). Reinventando as bibliotecas das escolas: alternativas, modelos e
      opções para o futuro

Henri, James et al (2002). The role of the principal in an information literate school
      community: findings from an International Research Project. 68th IFLA Council
      and General Conference

Johnson, Doug (2002). The Seven Most Critical Challenges That Face Our Profession
      Teacher - Librarian. http://www.doug-johnson.com/dougwri/seven-most-critical-
      challenges-that-face-our-profession.html [Acedido em 28-02-2009]

Rowlands, I. & Nicholas, D. (2008). Information behaviour of the researcher of the
      future . University College London (UCL).
      http://www.bl.uk/news/pdf/googlegen.pdf. [Acedido em 28-02-2009]
Stripling, Barbara (1996). Quality in school library media programs: focus on learning
      - Perspectives on Quality in Libraries. Library Trends
      http://www.ideals.uiuc.edu/handle/2142/8034 [Acedido em 03-02-2009]

Thurler, Gather (1996). Innovation et cooperation: liens et limites
      http://www.unige.ch/fapse/SSE/teachers/gather-thurler/Textes/Textes-1996/MGT-      13

      1996-03.html. [Acedido em 03-02-2009]

Todd, Ross (2008). The Evidence-Based Manifesto for School Librarians. School
      Library Journal. http://www.schoollibraryjournal.com/article/CA6545434.html.
      [Acedido em 28-02-2009]

Todd, Ross (2006). It‟s all about getting „A‟s. CILIP.
      http://www.cilip.org.uk/publications/updatemagazine/archive/archive2006/januar
      y/toddjan06.htm [Acedido em 18-02-2009]

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

PIBID: IMPACTOS POSITIVOS NA FORMAÇÃO DOCENTE ATRAVÉS DO CONTATO ANTECIPADO N...
PIBID: IMPACTOS POSITIVOS NA FORMAÇÃO DOCENTE ATRAVÉS DO CONTATO ANTECIPADO N...PIBID: IMPACTOS POSITIVOS NA FORMAÇÃO DOCENTE ATRAVÉS DO CONTATO ANTECIPADO N...
PIBID: IMPACTOS POSITIVOS NA FORMAÇÃO DOCENTE ATRAVÉS DO CONTATO ANTECIPADO N...pibidgeo
 
A implementação do Modelo de Autovaliação
A implementação do Modelo de AutovaliaçãoA implementação do Modelo de Autovaliação
A implementação do Modelo de AutovaliaçãoTeresa Gonçalves
 
A construção de comunidades virtuais de aprendizagem na formação de superviso...
A construção de comunidades virtuais de aprendizagem na formação de superviso...A construção de comunidades virtuais de aprendizagem na formação de superviso...
A construção de comunidades virtuais de aprendizagem na formação de superviso...eraser Juan José Calderón
 
PROJETO PESQUISA DO CEFET UFF - Prof. Noe Assunção
PROJETO PESQUISA DO CEFET UFF - Prof. Noe AssunçãoPROJETO PESQUISA DO CEFET UFF - Prof. Noe Assunção
PROJETO PESQUISA DO CEFET UFF - Prof. Noe AssunçãoProf. Noe Assunção
 
Trabalho análise crítica tarefa 2
Trabalho análise crítica  tarefa 2Trabalho análise crítica  tarefa 2
Trabalho análise crítica tarefa 2mariasalgueiro
 
GestãO OrganizaçãO Biblioteca Escolar Tema2
GestãO OrganizaçãO Biblioteca Escolar Tema2GestãO OrganizaçãO Biblioteca Escolar Tema2
GestãO OrganizaçãO Biblioteca Escolar Tema2guest6f8de4
 
Pré-Projeto Mídias Sociais na educação
Pré-Projeto Mídias Sociais na educaçãoPré-Projeto Mídias Sociais na educação
Pré-Projeto Mídias Sociais na educaçãoCristiane Coimbra
 
Artigo Uso das comunidades virtuais de prática na formação continuada dos pro...
Artigo Uso das comunidades virtuais de prática na formação continuada dos pro...Artigo Uso das comunidades virtuais de prática na formação continuada dos pro...
Artigo Uso das comunidades virtuais de prática na formação continuada dos pro...Eliane Ciolfi
 
Pré-projeto de Mestrado: Interface Lúdica para Ensino Remoto de Conteúdos de ...
Pré-projeto de Mestrado: Interface Lúdica para Ensino Remoto de Conteúdos de ...Pré-projeto de Mestrado: Interface Lúdica para Ensino Remoto de Conteúdos de ...
Pré-projeto de Mestrado: Interface Lúdica para Ensino Remoto de Conteúdos de ...José Neres de Almeida Junior
 
RelatóRios Ige AnáLise CríTica
RelatóRios Ige   AnáLise CríTicaRelatóRios Ige   AnáLise CríTica
RelatóRios Ige AnáLise CríTicabeloule
 
Planodemelhoriadaescola1
Planodemelhoriadaescola1Planodemelhoriadaescola1
Planodemelhoriadaescola1mjcborges30
 
Projeto de pesquisa, para comclusão do curso de pós graduação em gestão escolar
Projeto de pesquisa, para comclusão do curso de pós graduação em gestão escolarProjeto de pesquisa, para comclusão do curso de pós graduação em gestão escolar
Projeto de pesquisa, para comclusão do curso de pós graduação em gestão escolarstones De moura
 

Mais procurados (15)

PIBID: IMPACTOS POSITIVOS NA FORMAÇÃO DOCENTE ATRAVÉS DO CONTATO ANTECIPADO N...
PIBID: IMPACTOS POSITIVOS NA FORMAÇÃO DOCENTE ATRAVÉS DO CONTATO ANTECIPADO N...PIBID: IMPACTOS POSITIVOS NA FORMAÇÃO DOCENTE ATRAVÉS DO CONTATO ANTECIPADO N...
PIBID: IMPACTOS POSITIVOS NA FORMAÇÃO DOCENTE ATRAVÉS DO CONTATO ANTECIPADO N...
 
A implementação do Modelo de Autovaliação
A implementação do Modelo de AutovaliaçãoA implementação do Modelo de Autovaliação
A implementação do Modelo de Autovaliação
 
A construção de comunidades virtuais de aprendizagem na formação de superviso...
A construção de comunidades virtuais de aprendizagem na formação de superviso...A construção de comunidades virtuais de aprendizagem na formação de superviso...
A construção de comunidades virtuais de aprendizagem na formação de superviso...
 
PROJETO PESQUISA DO CEFET UFF - Prof. Noe Assunção
PROJETO PESQUISA DO CEFET UFF - Prof. Noe AssunçãoPROJETO PESQUISA DO CEFET UFF - Prof. Noe Assunção
PROJETO PESQUISA DO CEFET UFF - Prof. Noe Assunção
 
Trabalho análise crítica tarefa 2
Trabalho análise crítica  tarefa 2Trabalho análise crítica  tarefa 2
Trabalho análise crítica tarefa 2
 
Dossier.questoes e razoes.82
Dossier.questoes e razoes.82Dossier.questoes e razoes.82
Dossier.questoes e razoes.82
 
10º encontro
10º encontro10º encontro
10º encontro
 
GestãO OrganizaçãO Biblioteca Escolar Tema2
GestãO OrganizaçãO Biblioteca Escolar Tema2GestãO OrganizaçãO Biblioteca Escolar Tema2
GestãO OrganizaçãO Biblioteca Escolar Tema2
 
Pré-Projeto Mídias Sociais na educação
Pré-Projeto Mídias Sociais na educaçãoPré-Projeto Mídias Sociais na educação
Pré-Projeto Mídias Sociais na educação
 
Artigo Uso das comunidades virtuais de prática na formação continuada dos pro...
Artigo Uso das comunidades virtuais de prática na formação continuada dos pro...Artigo Uso das comunidades virtuais de prática na formação continuada dos pro...
Artigo Uso das comunidades virtuais de prática na formação continuada dos pro...
 
Pré-projeto de Mestrado: Interface Lúdica para Ensino Remoto de Conteúdos de ...
Pré-projeto de Mestrado: Interface Lúdica para Ensino Remoto de Conteúdos de ...Pré-projeto de Mestrado: Interface Lúdica para Ensino Remoto de Conteúdos de ...
Pré-projeto de Mestrado: Interface Lúdica para Ensino Remoto de Conteúdos de ...
 
RelatóRios Ige AnáLise CríTica
RelatóRios Ige   AnáLise CríTicaRelatóRios Ige   AnáLise CríTica
RelatóRios Ige AnáLise CríTica
 
Planodemelhoriadaescola1
Planodemelhoriadaescola1Planodemelhoriadaescola1
Planodemelhoriadaescola1
 
Projeto de pesquisa, para comclusão do curso de pós graduação em gestão escolar
Projeto de pesquisa, para comclusão do curso de pós graduação em gestão escolarProjeto de pesquisa, para comclusão do curso de pós graduação em gestão escolar
Projeto de pesquisa, para comclusão do curso de pós graduação em gestão escolar
 
Masetto artigo
Masetto   artigoMasetto   artigo
Masetto artigo
 

Destaque

Literacia de Informação 2.0 nas BMO: uma abordagem ao Programa Copérnico
Literacia de Informação 2.0 nas BMO: uma abordagem ao Programa CopérnicoLiteracia de Informação 2.0 nas BMO: uma abordagem ao Programa Copérnico
Literacia de Informação 2.0 nas BMO: uma abordagem ao Programa CopérnicoMaria José Amândio
 
Plano da Biblioteca Escolar FormaçãO 07 08
Plano da Biblioteca Escolar FormaçãO 07 08Plano da Biblioteca Escolar FormaçãO 07 08
Plano da Biblioteca Escolar FormaçãO 07 08guestdb6d52
 
Desenvolver criatividade uso_tic_s_joao_madeira
Desenvolver criatividade uso_tic_s_joao_madeiraDesenvolver criatividade uso_tic_s_joao_madeira
Desenvolver criatividade uso_tic_s_joao_madeiraertedgidc
 
Ng5 Tecnologias De InformaçãO E ComunicaçãO
Ng5   Tecnologias De InformaçãO E ComunicaçãONg5   Tecnologias De InformaçãO E ComunicaçãO
Ng5 Tecnologias De InformaçãO E ComunicaçãOcris80
 

Destaque (8)

Literacia de Informação 2.0 nas BMO: uma abordagem ao Programa Copérnico
Literacia de Informação 2.0 nas BMO: uma abordagem ao Programa CopérnicoLiteracia de Informação 2.0 nas BMO: uma abordagem ao Programa Copérnico
Literacia de Informação 2.0 nas BMO: uma abordagem ao Programa Copérnico
 
T.i.c.9.º
T.i.c.9.ºT.i.c.9.º
T.i.c.9.º
 
Plano da Biblioteca Escolar FormaçãO 07 08
Plano da Biblioteca Escolar FormaçãO 07 08Plano da Biblioteca Escolar FormaçãO 07 08
Plano da Biblioteca Escolar FormaçãO 07 08
 
Literacia Sociodigital, numa escola orientada para o futuro
Literacia Sociodigital, numa escola orientada para o futuroLiteracia Sociodigital, numa escola orientada para o futuro
Literacia Sociodigital, numa escola orientada para o futuro
 
6 Passos com TIC para @prender (comunicação TIC@Portugal2014)
6 Passos com TIC para @prender (comunicação TIC@Portugal2014)6 Passos com TIC para @prender (comunicação TIC@Portugal2014)
6 Passos com TIC para @prender (comunicação TIC@Portugal2014)
 
Biblioteca 2.0
Biblioteca 2.0Biblioteca 2.0
Biblioteca 2.0
 
Desenvolver criatividade uso_tic_s_joao_madeira
Desenvolver criatividade uso_tic_s_joao_madeiraDesenvolver criatividade uso_tic_s_joao_madeira
Desenvolver criatividade uso_tic_s_joao_madeira
 
Ng5 Tecnologias De InformaçãO E ComunicaçãO
Ng5   Tecnologias De InformaçãO E ComunicaçãONg5   Tecnologias De InformaçãO E ComunicaçãO
Ng5 Tecnologias De InformaçãO E ComunicaçãO
 

Semelhante a Factores de sucesso da biblioteca escolar

As ferramentas da web 2.0 ao serviço dos estudantes e da be c.r.
As ferramentas da web 2.0 ao serviço dos estudantes e da be   c.r.As ferramentas da web 2.0 ao serviço dos estudantes e da be   c.r.
As ferramentas da web 2.0 ao serviço dos estudantes e da be c.r.ramos17mariac
 
Professores bibliotecarios escolares_resultados_da_aprendizagem_e_pratica_bas...
Professores bibliotecarios escolares_resultados_da_aprendizagem_e_pratica_bas...Professores bibliotecarios escolares_resultados_da_aprendizagem_e_pratica_bas...
Professores bibliotecarios escolares_resultados_da_aprendizagem_e_pratica_bas...Teresa Gonçalves
 
Professores bibliotecarios escolares_resultados_da_aprendizagem_e_pratica_bas...
Professores bibliotecarios escolares_resultados_da_aprendizagem_e_pratica_bas...Professores bibliotecarios escolares_resultados_da_aprendizagem_e_pratica_bas...
Professores bibliotecarios escolares_resultados_da_aprendizagem_e_pratica_bas...gigilu
 
Tarefa SessãO 4 1ª Parte
Tarefa SessãO 4 1ª ParteTarefa SessãO 4 1ª Parte
Tarefa SessãO 4 1ª ParteAntonio Tavares
 
Auto AvaliaçãO Power Point
Auto AvaliaçãO  Power PointAuto AvaliaçãO  Power Point
Auto AvaliaçãO Power Pointspeeds
 
Auto AvaliaçãO Power Point
Auto AvaliaçãO  Power PointAuto AvaliaçãO  Power Point
Auto AvaliaçãO Power Pointspeeds
 
Excerto do texto_1_pb_result aprend e prát basead eviden
Excerto do texto_1_pb_result aprend e prát basead evidenExcerto do texto_1_pb_result aprend e prát basead eviden
Excerto do texto_1_pb_result aprend e prát basead evidengigilu
 
Metodologias Ativas como proposta estratégica para a o desenvolvimento de apr...
Metodologias Ativas como proposta estratégica para a o desenvolvimento de apr...Metodologias Ativas como proposta estratégica para a o desenvolvimento de apr...
Metodologias Ativas como proposta estratégica para a o desenvolvimento de apr...LindsaiSantosAmaralB
 

Semelhante a Factores de sucesso da biblioteca escolar (20)

As ferramentas da web 2.0 ao serviço dos estudantes e da be c.r.
As ferramentas da web 2.0 ao serviço dos estudantes e da be   c.r.As ferramentas da web 2.0 ao serviço dos estudantes e da be   c.r.
As ferramentas da web 2.0 ao serviço dos estudantes e da be c.r.
 
Professores bibliotecarios escolares_resultados_da_aprendizagem_e_pratica_bas...
Professores bibliotecarios escolares_resultados_da_aprendizagem_e_pratica_bas...Professores bibliotecarios escolares_resultados_da_aprendizagem_e_pratica_bas...
Professores bibliotecarios escolares_resultados_da_aprendizagem_e_pratica_bas...
 
Professores bibliotecarios escolares_resultados_da_aprendizagem_e_pratica_bas...
Professores bibliotecarios escolares_resultados_da_aprendizagem_e_pratica_bas...Professores bibliotecarios escolares_resultados_da_aprendizagem_e_pratica_bas...
Professores bibliotecarios escolares_resultados_da_aprendizagem_e_pratica_bas...
 
Paulo
PauloPaulo
Paulo
 
Tarefa 2
Tarefa 2Tarefa 2
Tarefa 2
 
Tarefa SessãO 4 1ª Parte
Tarefa SessãO 4 1ª ParteTarefa SessãO 4 1ª Parte
Tarefa SessãO 4 1ª Parte
 
Auto AvaliaçãO Power Point
Auto AvaliaçãO  Power PointAuto AvaliaçãO  Power Point
Auto AvaliaçãO Power Point
 
Auto AvaliaçãO Power Point
Auto AvaliaçãO  Power PointAuto AvaliaçãO  Power Point
Auto AvaliaçãO Power Point
 
Sessão 2 reflexão
Sessão 2  reflexãoSessão 2  reflexão
Sessão 2 reflexão
 
Sessão 3 reflexao
Sessão 3 reflexaoSessão 3 reflexao
Sessão 3 reflexao
 
Excerto do texto_1_
Excerto do texto_1_Excerto do texto_1_
Excerto do texto_1_
 
Excerto do texto_1_pb_result aprend e prát basead eviden
Excerto do texto_1_pb_result aprend e prát basead evidenExcerto do texto_1_pb_result aprend e prát basead eviden
Excerto do texto_1_pb_result aprend e prát basead eviden
 
Duas Coisas
Duas CoisasDuas Coisas
Duas Coisas
 
Metodologias Ativas como proposta estratégica para a o desenvolvimento de apr...
Metodologias Ativas como proposta estratégica para a o desenvolvimento de apr...Metodologias Ativas como proposta estratégica para a o desenvolvimento de apr...
Metodologias Ativas como proposta estratégica para a o desenvolvimento de apr...
 
Texto
TextoTexto
Texto
 
Mabe Escola 1
Mabe   Escola 1Mabe   Escola 1
Mabe Escola 1
 
Mabe Escola 1
Mabe   Escola 1Mabe   Escola 1
Mabe Escola 1
 
Mabe Escola 1
Mabe   Escola 1Mabe   Escola 1
Mabe Escola 1
 
Texto
TextoTexto
Texto
 
Texto da Sessão
Texto da SessãoTexto da Sessão
Texto da Sessão
 

Mais de Filipa Julião

Cartaz regras da BE 2020 - 2021
Cartaz regras da BE 2020 - 2021Cartaz regras da BE 2020 - 2021
Cartaz regras da BE 2020 - 2021Filipa Julião
 
Regimento contingencia be_1_ceb (3)
Regimento contingencia be_1_ceb (3)Regimento contingencia be_1_ceb (3)
Regimento contingencia be_1_ceb (3)Filipa Julião
 
Uma esplanada sobre mar
Uma esplanada sobre mar Uma esplanada sobre mar
Uma esplanada sobre mar Filipa Julião
 
Histórias da Terra e do Mar
Histórias da Terra e do MarHistórias da Terra e do Mar
Histórias da Terra e do MarFilipa Julião
 
História Trágico-Marítima
História Trágico-MarítimaHistória Trágico-Marítima
História Trágico-MarítimaFilipa Julião
 
História Trágico-Marítima
História Trágico-MarítimaHistória Trágico-Marítima
História Trágico-MarítimaFilipa Julião
 
Histórias da Terra e do Mar
Histórias da Terra e do MarHistórias da Terra e do Mar
Histórias da Terra e do MarFilipa Julião
 
Era uma vez uma praia atlântica
Era uma vez uma praia atlânticaEra uma vez uma praia atlântica
Era uma vez uma praia atlânticaFilipa Julião
 
Poemas biblioteca AEPAL
Poemas biblioteca AEPALPoemas biblioteca AEPAL
Poemas biblioteca AEPALFilipa Julião
 
Países lusofonos e a estranha boca de zeze boca doce (1)
Países lusofonos e a estranha boca de zeze boca doce (1)Países lusofonos e a estranha boca de zeze boca doce (1)
Países lusofonos e a estranha boca de zeze boca doce (1)Filipa Julião
 
Regulamento marcador2012 2013
Regulamento marcador2012 2013Regulamento marcador2012 2013
Regulamento marcador2012 2013Filipa Julião
 
Catalogo da exposição enxara
Catalogo da exposição enxaraCatalogo da exposição enxara
Catalogo da exposição enxaraFilipa Julião
 
Catalogo da exposição2
Catalogo da exposição2Catalogo da exposição2
Catalogo da exposição2Filipa Julião
 
Catalogo da exposição2
Catalogo da exposição2Catalogo da exposição2
Catalogo da exposição2Filipa Julião
 
Listas de obras metas curriculares 12 13 existencias na be aepal 4. ano
Listas de obras metas curriculares 12 13 existencias na be aepal 4. anoListas de obras metas curriculares 12 13 existencias na be aepal 4. ano
Listas de obras metas curriculares 12 13 existencias na be aepal 4. anoFilipa Julião
 

Mais de Filipa Julião (20)

Dia Mundial da Poesia
Dia Mundial da PoesiaDia Mundial da Poesia
Dia Mundial da Poesia
 
Cartaz regras da BE 2020 - 2021
Cartaz regras da BE 2020 - 2021Cartaz regras da BE 2020 - 2021
Cartaz regras da BE 2020 - 2021
 
Regimento contingencia be_1_ceb (3)
Regimento contingencia be_1_ceb (3)Regimento contingencia be_1_ceb (3)
Regimento contingencia be_1_ceb (3)
 
10 de junho
10 de junho10 de junho
10 de junho
 
Uma esplanada sobre mar
Uma esplanada sobre mar Uma esplanada sobre mar
Uma esplanada sobre mar
 
Histórias da Terra e do Mar
Histórias da Terra e do MarHistórias da Terra e do Mar
Histórias da Terra e do Mar
 
Diário I (p. 87)
Diário I (p. 87)Diário I (p. 87)
Diário I (p. 87)
 
História Trágico-Marítima
História Trágico-MarítimaHistória Trágico-Marítima
História Trágico-Marítima
 
História Trágico-Marítima
História Trágico-MarítimaHistória Trágico-Marítima
História Trágico-Marítima
 
Histórias da Terra e do Mar
Histórias da Terra e do MarHistórias da Terra e do Mar
Histórias da Terra e do Mar
 
Era uma vez uma praia atlântica
Era uma vez uma praia atlânticaEra uma vez uma praia atlântica
Era uma vez uma praia atlântica
 
Poemas biblioteca AEPAL
Poemas biblioteca AEPALPoemas biblioteca AEPAL
Poemas biblioteca AEPAL
 
Países lusofonos e a estranha boca de zeze boca doce (1)
Países lusofonos e a estranha boca de zeze boca doce (1)Países lusofonos e a estranha boca de zeze boca doce (1)
Países lusofonos e a estranha boca de zeze boca doce (1)
 
Países lusofonos
Países lusofonosPaíses lusofonos
Países lusofonos
 
Regulamento marcador2012 2013
Regulamento marcador2012 2013Regulamento marcador2012 2013
Regulamento marcador2012 2013
 
Catalogo da exposição enxara
Catalogo da exposição enxaraCatalogo da exposição enxara
Catalogo da exposição enxara
 
Jogo de observação
Jogo de observaçãoJogo de observação
Jogo de observação
 
Catalogo da exposição2
Catalogo da exposição2Catalogo da exposição2
Catalogo da exposição2
 
Catalogo da exposição2
Catalogo da exposição2Catalogo da exposição2
Catalogo da exposição2
 
Listas de obras metas curriculares 12 13 existencias na be aepal 4. ano
Listas de obras metas curriculares 12 13 existencias na be aepal 4. anoListas de obras metas curriculares 12 13 existencias na be aepal 4. ano
Listas de obras metas curriculares 12 13 existencias na be aepal 4. ano
 

Último

Slide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptx
Slide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptxSlide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptx
Slide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptxconcelhovdragons
 
As Viagens Missionária do Apostolo Paulo.pptx
As Viagens Missionária do Apostolo Paulo.pptxAs Viagens Missionária do Apostolo Paulo.pptx
As Viagens Missionária do Apostolo Paulo.pptxAlexandreFrana33
 
HORA DO CONTO3_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO3_BECRE D. CARLOS I_2023_2024HORA DO CONTO3_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO3_BECRE D. CARLOS I_2023_2024Sandra Pratas
 
geografia 7 ano - relevo, altitude, topos do mundo
geografia 7 ano - relevo, altitude, topos do mundogeografia 7 ano - relevo, altitude, topos do mundo
geografia 7 ano - relevo, altitude, topos do mundonialb
 
QUIZ DE MATEMATICA SHOW DO MILHÃO PREPARAÇÃO ÇPARA AVALIAÇÕES EXTERNAS
QUIZ DE MATEMATICA SHOW DO MILHÃO PREPARAÇÃO ÇPARA AVALIAÇÕES EXTERNASQUIZ DE MATEMATICA SHOW DO MILHÃO PREPARAÇÃO ÇPARA AVALIAÇÕES EXTERNAS
QUIZ DE MATEMATICA SHOW DO MILHÃO PREPARAÇÃO ÇPARA AVALIAÇÕES EXTERNASEdinardo Aguiar
 
19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileiros
19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileiros19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileiros
19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileirosMary Alvarenga
 
Aula 13 8º Ano Cap.04 Revolução Francesa.pptx
Aula 13 8º Ano Cap.04 Revolução Francesa.pptxAula 13 8º Ano Cap.04 Revolução Francesa.pptx
Aula 13 8º Ano Cap.04 Revolução Francesa.pptxBiancaNogueira42
 
BRASIL - DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS - Fund 2.pdf
BRASIL - DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS - Fund 2.pdfBRASIL - DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS - Fund 2.pdf
BRASIL - DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS - Fund 2.pdfHenrique Pontes
 
VALORES HUMANOS NA DISCIPLINA DE ENSINO RELIGIOSO
VALORES HUMANOS NA DISCIPLINA DE ENSINO RELIGIOSOVALORES HUMANOS NA DISCIPLINA DE ENSINO RELIGIOSO
VALORES HUMANOS NA DISCIPLINA DE ENSINO RELIGIOSOBiatrizGomes1
 
Atividade com a letra da música Meu Abrigo
Atividade com a letra da música Meu AbrigoAtividade com a letra da música Meu Abrigo
Atividade com a letra da música Meu AbrigoMary Alvarenga
 
FCEE - Diretrizes - Autismo.pdf para imprimir
FCEE - Diretrizes - Autismo.pdf para imprimirFCEE - Diretrizes - Autismo.pdf para imprimir
FCEE - Diretrizes - Autismo.pdf para imprimirIedaGoethe
 
A galinha ruiva sequencia didatica 3 ano
A  galinha ruiva sequencia didatica 3 anoA  galinha ruiva sequencia didatica 3 ano
A galinha ruiva sequencia didatica 3 anoandrealeitetorres
 
Doutrina Deus filho e Espírito Santo.pptx
Doutrina Deus filho e Espírito Santo.pptxDoutrina Deus filho e Espírito Santo.pptx
Doutrina Deus filho e Espírito Santo.pptxThye Oliver
 
HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024Sandra Pratas
 
HABILIDADES ESSENCIAIS - MATEMÁTICA 4º ANO.pdf
HABILIDADES ESSENCIAIS  - MATEMÁTICA 4º ANO.pdfHABILIDADES ESSENCIAIS  - MATEMÁTICA 4º ANO.pdf
HABILIDADES ESSENCIAIS - MATEMÁTICA 4º ANO.pdfdio7ff
 
ÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptx
ÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptxÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptx
ÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptxDeyvidBriel
 

Último (20)

Slide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptx
Slide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptxSlide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptx
Slide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptx
 
As Viagens Missionária do Apostolo Paulo.pptx
As Viagens Missionária do Apostolo Paulo.pptxAs Viagens Missionária do Apostolo Paulo.pptx
As Viagens Missionária do Apostolo Paulo.pptx
 
HORA DO CONTO3_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO3_BECRE D. CARLOS I_2023_2024HORA DO CONTO3_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO3_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
 
geografia 7 ano - relevo, altitude, topos do mundo
geografia 7 ano - relevo, altitude, topos do mundogeografia 7 ano - relevo, altitude, topos do mundo
geografia 7 ano - relevo, altitude, topos do mundo
 
QUIZ DE MATEMATICA SHOW DO MILHÃO PREPARAÇÃO ÇPARA AVALIAÇÕES EXTERNAS
QUIZ DE MATEMATICA SHOW DO MILHÃO PREPARAÇÃO ÇPARA AVALIAÇÕES EXTERNASQUIZ DE MATEMATICA SHOW DO MILHÃO PREPARAÇÃO ÇPARA AVALIAÇÕES EXTERNAS
QUIZ DE MATEMATICA SHOW DO MILHÃO PREPARAÇÃO ÇPARA AVALIAÇÕES EXTERNAS
 
19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileiros
19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileiros19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileiros
19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileiros
 
Em tempo de Quaresma .
Em tempo de Quaresma                            .Em tempo de Quaresma                            .
Em tempo de Quaresma .
 
XI OLIMPÍADAS DA LÍNGUA PORTUGUESA -
XI OLIMPÍADAS DA LÍNGUA PORTUGUESA      -XI OLIMPÍADAS DA LÍNGUA PORTUGUESA      -
XI OLIMPÍADAS DA LÍNGUA PORTUGUESA -
 
Aula 13 8º Ano Cap.04 Revolução Francesa.pptx
Aula 13 8º Ano Cap.04 Revolução Francesa.pptxAula 13 8º Ano Cap.04 Revolução Francesa.pptx
Aula 13 8º Ano Cap.04 Revolução Francesa.pptx
 
BRASIL - DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS - Fund 2.pdf
BRASIL - DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS - Fund 2.pdfBRASIL - DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS - Fund 2.pdf
BRASIL - DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS - Fund 2.pdf
 
VALORES HUMANOS NA DISCIPLINA DE ENSINO RELIGIOSO
VALORES HUMANOS NA DISCIPLINA DE ENSINO RELIGIOSOVALORES HUMANOS NA DISCIPLINA DE ENSINO RELIGIOSO
VALORES HUMANOS NA DISCIPLINA DE ENSINO RELIGIOSO
 
Atividade com a letra da música Meu Abrigo
Atividade com a letra da música Meu AbrigoAtividade com a letra da música Meu Abrigo
Atividade com a letra da música Meu Abrigo
 
FCEE - Diretrizes - Autismo.pdf para imprimir
FCEE - Diretrizes - Autismo.pdf para imprimirFCEE - Diretrizes - Autismo.pdf para imprimir
FCEE - Diretrizes - Autismo.pdf para imprimir
 
A galinha ruiva sequencia didatica 3 ano
A  galinha ruiva sequencia didatica 3 anoA  galinha ruiva sequencia didatica 3 ano
A galinha ruiva sequencia didatica 3 ano
 
Orientação Técnico-Pedagógica EMBcae Nº 001, de 16 de abril de 2024
Orientação Técnico-Pedagógica EMBcae Nº 001, de 16 de abril de 2024Orientação Técnico-Pedagógica EMBcae Nº 001, de 16 de abril de 2024
Orientação Técnico-Pedagógica EMBcae Nº 001, de 16 de abril de 2024
 
Doutrina Deus filho e Espírito Santo.pptx
Doutrina Deus filho e Espírito Santo.pptxDoutrina Deus filho e Espírito Santo.pptx
Doutrina Deus filho e Espírito Santo.pptx
 
HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
 
HABILIDADES ESSENCIAIS - MATEMÁTICA 4º ANO.pdf
HABILIDADES ESSENCIAIS  - MATEMÁTICA 4º ANO.pdfHABILIDADES ESSENCIAIS  - MATEMÁTICA 4º ANO.pdf
HABILIDADES ESSENCIAIS - MATEMÁTICA 4º ANO.pdf
 
treinamento brigada incendio 2024 no.ppt
treinamento brigada incendio 2024 no.ppttreinamento brigada incendio 2024 no.ppt
treinamento brigada incendio 2024 no.ppt
 
ÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptx
ÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptxÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptx
ÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptx
 

Factores de sucesso da biblioteca escolar

  • 1. 2. Factores de sucesso na ligação da BE ao funcionamento da escola, ao desenvolvimento curricular e ao sucesso educativo dos alunos 2.1. Novos desafios Os conceitos em causa, quando falamos de factores de sucesso na integração da BE na missão fundamental da escola, têm sofrido alguma evolução nos últimos tempos: The overall focus of school library programs from 1950 to the present can be characterized in four stages: a concentration on collections in the early and mid-1950s; a focus on the library program to make the collections useful, which emerged from national standards in 1960 and 1969; a major emphasis on instruction as revealed by the 1975 and 1988 standards; and finally the current shift to a focus on learning and a complete blending of process and content instruction. (Stripling, 1996) Considerando o ambiente digital em que cada vez mais a sociedade se sustenta (socioeconomicamente falando), onde “Informação é poder”, a Biblioteca Escolar vê reforçado o seu papel tradicional de equidade no acesso à informação junto dos alunos que não dispõem dessa possibilidade senão através da escola. O próprio papel atribuído ao professor bibliotecário tem sofrido mudanças desde o determinante documento Information Power: Guidelines for School Library Media Programs (AASL & AECT, 1988) no qual este se assumia como um mero consultor, ao contrário do papel de co-educador que se preconiza na literatura actual onde a BE tem um lugar central no processo de ensino-aprendizagem. O novo perfil de competências necessário ao professor bibliotecário exige-lhe que tome como missão a formação de aprendentes ao longo da vida, assegurando-se que a definição de competências de informação a desenvolver com os alunos se prende com um conjunto de acções como pensar, organizar, questionar, criticar, avaliar, tirar conclusões e comunicar. Stripling (1996) fala mesmo numa evolução do termo de information skills para process skills pois mais do que ensinar como aceder à Internet, temos que lhes ensinar como seleccionar informação relevante num ambiente electrónico, como avaliar fontes electrónicas, quando utilizar determinado tipo de fonte, como interagir com a informação que é recebida por esta via. Margarida Costa, 2008 1
  • 2. 2.2. Acessibilidade dos serviços Os serviços oferecidos pela BE têm que aparecer como uma resposta ao ciclo de ensino-aprendizagem, funcionando como suporte quer do processo, quer dos conteúdos. 2 O programa formativo da BE reveste-se de grande importância sendo essencial que classroom teachers and library media specialists must understand the essential interrelationship of process and content. (Stripling, 1996). Mas a este aspecto voltaremos mais tarde, quando falarmos do trabalho colaborativo. Quando falamos de serviços, não podemos deixar de falar da colecção, sendo necessário que esta se aproxime cada vez mais do desenho curricular da escola. Se aqui há uns tempos a oferta editorial não era muito fértil em documentação de carácter informativo, temos assistido nos últimos anos a uma verdadeira explosão no mercado livreiro e não só, permitindo o enriquecimento das colecções. Tendo em conta as dificuldades orçamentais dos nossos estabelecimentos de ensino, as bibliotecas escolares não devem funcionar de forma independente. No seio do agrupamento, as colecções devem ser desenvolvidas de forma cooperativa, podendo ainda ser criadas parcerias com outras BEs ou mesmo com a biblioteca pública. A criação de redes, quer físicas quer virtuais, tornaram-se essenciais à gestão eficaz dos serviços de biblioteca permitindo evitar a duplicação de esforços, de fundos e recursos. A acessibilidade dos serviços passa também pelos aspectos aparentemente mais prosaicos mas que são determinantes para a criação de hábitos de uso da BE como, por exemplo, a definição (e cumprimento) de um horário de funcionamento, o acompanhamento por pessoal especializado que faça simultaneamente a formação dos utilizadores no sentido de uma progressiva autonomia. Também o estabelecimento de comunicação e diálogo com os utilizadores através das ferramentas tecnológicas como a Web 2.0 será um factor crítico de sucesso na assumpção do utilizador como central na prestação do serviço. 2.3. Gestão participativa e participada por toda a escola
  • 3. Apesar de ainda muito longe da generalização entre nós, a evolução das teorias psicológicas e educacionais conduz à introdução de algumas práticas baseadas em novos recursos de aprendizagem fazendo com que o aluno e o desenvolvimento das suas competências nas diversas áreas do saber assumam o protagonismo do programa da BE. O professor bibliotecário incorpora novos papéis, deixando de ser o único e último 3 decisor naquilo que à BE concerne, vendo contudo a sua função pedagógica altamente valorizada em relação aos modelos do passado. Apesar de a sua proposta já ultrapassar uma década de idade, não encontramos um melhor design para as renovadas funções do professor bibliotecário como pivot na gestão da biblioteca para uma escola (ou conjunto de escolas, no caso dos agrupamentos) que a de Stripling (1996). Para esta autora, este profissional deve ser altamente qualificado, especialista da informação mas generalista na apropriação da oferta curricular que a escola oferece, de modo a arrogar-se como: – Caregiver (Cuidador): Essa função relaciona-se com a ideia de que o processo de aprender envolve uma dimensão afectiva e relacional em que é importante respeitar a individualidade e os interesses pessoais de cada utilizador. Assim, a função do professor bibliotecário passa por apoiar a aprendizagem individualizada, o estudo e a pesquisa autónoma; – Coach (Orientador): Baseia-se na ideia de que o aluno é o principal responsável pela construção de seu conhecimento, colocando o professor bibliotecário na posição de estimular a aprendizagem, levando o aluno a encontrar as fontes, as estratégias e consequentemente respostas para as suas necessidades; – Connector (Elo de ligação): Parte do princípio de ambas as funções anteriores seriam da responsabilidade conjunta do professor de turma/disciplina e do professor bibliotecário; este último assume, no entanto, uma função que normalmente não é assumida pelo primeiro: a de estabelecer a ligação dos alunos e do currículo que rege o seu percurso formativo com as ideias concretizadas no universo dos recursos informacionais disponíveis. Naturalmente, e à medida que esse universo se torna cada vez mais complexo, essa função acaba por prevalecer sobre as anteriores; – Catalyst (Catalisador): Esta função coloca o professor bibliotecário como catalisador das mudanças na escola, tendo em conta a sua posição na estrutura escolar - considerada como privilegiada, não só por ter uma visão global do processo de aprendizagem, mas por se constituir num líder na introdução da literacia da informação como transversal em todas as áreas. Se as funções anteriores se operacionalizarem,
  • 4. teremos o professor bibliotecário como colaborador na planificação curricular e facilitador da aprendizagem, logo um dos motores da mudança - aliado à gestão administrativa e pedagógica da escola. Assim, a mudança começa a acontecer quando a gestão da BE conseguir um olhar estratégico sobre a escola, incorporando não apenas uma missão estandardizada (da 4 UNESCO, da IFLA ou outra) mas contemplando, antes de mais, a missão e objectivos do Projecto Educativo daquela escola/agrupamento num enunciado claro e partilhado por todos os actores da organização. Suportada por uma equipa de competências diversificadas, a operacionalização desta missão através da actuação essencialmente pedagógica coloca a BE, enquanto estrutura, num lugar privilegiado auxiliando no cumprimento dos objectivos pedagógicos, formativos, culturais (e até de lazer, na lógica da escola a tempo inteiro) da escola. Ainda assim, consideramos que só se efectiva a integração plena da BE no funcionamento geral da escola quando esta se torna indispensável às actividades de ensino-aprendizagem. Por isso, tal como preconizado por Stripling para a relação com os alunos e a aprendizagem, é necessário que o professor bibliotecário desempenhe o seu papel de catalisador através de uma acção assertiva junto dos órgãos executivos e pedagógicos da escola, enquanto desenvolve as funções de orientador e elo de ligação junto dos professores da escola, construindo a visão partilhada que poderá conduzir à gestão participada por toda a escola de um currículo baseados em recursos de aprendizagem. 2.4. Trabalho colaborativo entre BE e professores de turma Os estudos realizados desde o final do século passado nos EUA, principalmente por Lance (referidos por Conde, 2006) e Todd (2006) evidenciam que os alunos atingem níveis médios mais elevados no desempenho académico nas bibliotecas em que os responsáveis desempenham um papel proactivo no domínio do processo de ensino- aprendizagem, colaborando com os professores na identificação de recursos e no planeamento de actividades curriculares ou extra-curriculares e apoiando os alunos a nível das suas competências de informação. Mais concretamente, está provado que não basta a simples existência de um professor bibliotecário, mesmo formado e com dedicação exclusiva, para obter estes
  • 5. resultados. As vantagens obtém-se quando o professor-bibliotecário faz parte das equipas de planificação e ensino (ligação aos departamentos curriculares), em interacção com cada turma (ligação aos conselhos de turma), quando ensina literacia da informação e quando fornece apoio tutorial individual aos estudantes dele necessitados (apoio individualizado). 5 Estes dados introduzem um novo aspecto na discussão, que parece paradoxal à questão que pretendemos abordar - A capacidade de liderança do professor-bibliotecário como uma peça chave no sucesso da integração da BE na escola. A liderança passa hoje pelo poder de estabelecer uma rede de colaboração nos processos e no cumprimento dos objectivos formativos e curriculares através do trabalho colaborativo com departamentos, professores e alunos. The library media specialist is a leader in connecting through collaboration. Collaboration between the classroom teacher and the library media specialist is fundamental to good school libraries. Beyond working with individual teachers, the library media specialist weaves a web of collaboration among teacher teams (grade level or interdisciplinary). (Stripling, 1996) Quando falamos de trabalho colaborativo entre professor bibliotecário e professores de turma, podemos considerar ainda como determinantes para o sucesso da integração da BE os níveis dessa colaboração. De acordo com a tipologia proposta por Buzzeo (2008), os níveis de colaboração que se conseguem atingir numa BE podem condicionar de forma importante o sucesso das aprendizagens dos alunos. Este autor distingue quatro níveis de colaboração: While in cooperation, the teacher and library media specialist work independently but come together briefly for mutual benefit, their relationship is loose. Coordination means there is a more formal working relationship and an understanding of shared missions. The teacher and library media specialist do some planning and communicate more. In collaboration, the two partners have a prolonged and interdependent relationship. They share goals, have carefully defined roles in the process, and plan much more comprehensively. In data-driven collaboration, the two partners have a prolonged and interdependent relationship. They share goals, have carefully defined roles in the process, and plan comprehensively based on the results of evidence of student knowledge, skills, and learning, such as grade level standardized assessments.(Buzzeo, 2008)
  • 6. Não existindo nas nossas escolas práticas efectivas deste tipo, cabe ao professor bibliotecário assumir a liderança no estabelecimento progressivo de pontes, progressivamente mais sólidas, no desenvolvimento curricular com e através da BE. A ideia de colaboração pode também ultrapassar a colaboração entre pares docentes e ser incentivada entre os alunos. Tendo em conta que a aprendizagem é um 6 processo essencialmente social, o professor bibliotecário deve incentivar a partilha de ideias, a resolução de problemas em grupo, o saber ouvir outros pontos de vista, o aproveitamento da experiência e saberes uns dos outros. Mas como as boas situações de aprendizagem cooperativa não acontecem espontaneamente, devem também elas ser objecto de cuidada programação entre professor bibliotecário e professor curricular. Juntos devem documentar os resultados escolares dos alunos evidenciando uma outra estratégia inerente ao sucesso da BE: a comunicação que confere visibilidade àquilo que se faz, que se passa na BE ou “através “ da BE, utilizando os resultados dos alunos. 2.5. Estabelecimento de políticas que confiram um carácter sistemático e de intencionalidade ao programa da BE A visibilidade dos (bons) resultados escolares dos alunos que vivem uma integração quotidiana da BE na sua vida escolar é a evidência necessária ao próximo passo fundamental para o sucesso da integração da BE na escola - a definição de políticas que confiram o tal carácter sistemático ao programa da BE e o estendam a toda a escola (não apenas aos “habituais” parceiros do professor bilbliotecário). Como evoca Doug Johnson, não podemos esquecer que a classroom instruction is and will remain the primary focus of education, and unless we have an impact on it, we will be seen as superfluous. Our [da BE] media program goals must be directly aligned to the instructional goals of the district, building, and classroom. Assim, é no Projecto Educativo da escola/agrupamento que devem ter lugar as definições de políticas claras, articulando uma visão e uma agenda (Eisenberg, 2002) que congreguem todo o esforço de uma escola em tornos de duas vertentes intimamente ligadas à BE e cruciais na educação das crianças e jovens:
  • 7. a. Política de Promoção da Leitura que promova as literacias de forma transversal ao currículo e às aprendizagens Reading is a window to the world. Reading is a foundational skill for learning, personal growth, and enjoyment. The degree to which students can read and understand text in all formats (…) and all the contexts is a key indicator of success in school and in 7 life. (AASL, 2007) A investigação tem comprovado que o envolvimento do professor bibliotecário e a utilização da BE tem um impacto positivo no desenvolvimento de competências leitoras que, por sua vez, contribuem inequivocamente para a melhoria dos resultados escolares. When teacher-librarians model and celebrate the power of reading with students and connect them with meaningful books, students become more motivated to read, view reading favorably, and see themselves as readers. When teacher-librarians help students learn how to independently locate and evaluate information, read for main ideas, and share learning in a variety of modes, students feel more confident in their reading abilities and better see themselves as lifelong learners. (Asselin, 2006) A articulação entre o programa da BE e as orientações do Plano Nacional de Leitura contribuirá para o necessário equilíbrio entre a leitura orientada e a consequente aquisição de competências leitoras e a leitura recreativa e a desejável formação do prazer de ler e da formação de leitores para a vida. Para além dos livros (na sua forma “clássica) e publicações periódicas, existem hoje uma série de novas e cativantes formas de criar novos leitores ou de manter os já aficionados: blogues ou sites dedicados à leitura e à escrita mantém o interesse através de jogos, passatempos, contactos com autores, actividades entre alunos, etc. Também a investigação neste domínio tem demonstrado a importância do envolvimento dos alunos na selecção, disponibilização e promoção do fundo documental existente. A partir de determinado nível de ensino, podem ser eles mesmos a construir os seus sites e a auxiliar a equipa da B a organizar eventos relacionados com a leitura. Os telemóveis, o e-mail e as redes sociais virtuais nas quais os alunos se comunicam actualmente podem ser importantes no marketing da promoção da leitura. A visibilidade desta política no Projecto Educativo será o reflexo da paixão pela leitura do professor bibliotecário, das estratégias de promoção que implementa, da
  • 8. valorização que a escola atribui ao acesso a uma colecção diversificada e da importância que revela a formação de leitores competentes ao longo da vida para esta organização educativa. 8 b. Política de Literacia da Informação que igualmente promova a integração das TIC em contexto curricular The definition of information literacy has become more complex as resources and Technologies have changed. Information literacy has progressed from the simple definition of using reference resources to find information. (AASL, 2007) A Literacia da Informação mudou, de facto, o papel do professor bibliotecário nos últimos anos, não apenas nas suas funções mas também na forma de trabalhar, pois é de todas a que exige um nível mais elevado de colaboração com os professores. Requer uma compreensão aprofundada do processo de ensino-aprendizagem e a capacidade de aplicar esta compreensão no seu trabalho de desenvolvimento de competências de informação em contexto curricular. A sociedade sofre alterações contínuas e os alunos, a quem hoje são direccionadas as práticas pedagógicas e didácticas iguais desde há trinta anos atrás, têm actividades, necessidades e interesses diferentes dos de outrora. A liderança neste domínio é um desafio exigente mas apresenta-se nos dias de hoje como a solução para retirar a BE do isolamento a que está votada na maioria da escolas (pelo menos, no que ao desenvolvimento curricular diz respeito) e torná-la no centro da aprendizagem. Como refere Johnson (2002), thoughtful information literacy units can also teach most if not all technology competences needed by students. Assim, a inscrição de uma política que integre o desenvolvimento de competências informacionais e tecnológicas depende da capacidade de diálogo do professor bibliotecário com os órgãos de gestão executiva e pedagógica, da capacidade de planeamento e de desenvolvimento de estratégias de interacção curricular, baseadas em evidências decorrentes da avaliação. Só através da definição de uma política clara neste domínio será possível a integração plena da BE na vida da escola e o cumprimento da sua missão.
  • 9. 2.6. Permeabilidade à mudança e capacidade de adaptação permanente por parte do professor bibliotecário e equipa responsável pela gestão da BE The library profession desperately needs leadership to develop a new vision for the 21st century and reverse its declining profile and influence. This should start with effecting that shift from a content-orientation to a user-facing perspective and then on 9 to an outcome focus. (Rowlands, 2008) Gladwell (2007) no seu livro A Chave do Sucesso demonstra como a mudança está ao alcance de todas as organizações desde que se concentrem os recursos em poucas áreas-chave. Esta afirmação corrobora a necessidade de uma outra ferramenta de gestão, ainda não abordada - o Plano de Acção da BE, onde após avaliação diagnóstica se procede à definição de prioridades para a implementação das necessárias acções de melhoria. Mas a elaboração de documentos, se bem que imprescindível para dar visibilidade às intenções, não é suficiente para provocar a mudança. Esta passa essencialmente pelas pessoas e este autor afirma que, para operar a mudança, é preciso encontrar três tipos de pessoas: os peritos, os comunicadores e os vendedores. E o que é que isto tem a ver com bibliotecas escolares? Tudo, como demonstrou Creighton (2008). No seu artigo Impact as a 21st- Century Library Media Specialist, esta autora estabelece um paralelismo entre as tipologias de perfil de gestores para a mudança de Gladwell com o perfil do professor bibliotecário de séc. XXI, impulsionador por excelência de uma série de mudanças não só na BE como na própria escola. Os novos desenvolvimentos em TIC e o impacto do anunciado Plano Tecnológico de Educação, os avanços nas questões da literacia da informação, o conhecimento como de processa a aprendizagem e o imperativo de uma escola inclusiva, assim como os resultados da investigação (Barrett, 2004) exigem que o professor bibliotecário e a sua equipa se assumam como peritos que reap the information harvest for the benefit of others e seek to increase their knowledge to better serve their patrons, como comunicadores que are innovators, make themselves available to serve e build communities both in person and virtually e como vendedores create slogans, write mission statements, create contests, and schedule events that attract new patrons and keep veteran patrons coming back, advocates of all things
  • 10. related to school libraries e use research to convince others of their authority. (Creighton, 2008) Estas competências não são, na sua maioria, inatas devendo os professores bibliotecários e suas equipas procurar em conjunto resposta aos novos desafios que se colocam à escola e à BE, aprendendo e partilhando experiências de gestão, comunicação 10 e liderança e, sobretudo, capacidade de adaptação, seja através de formação formal ou de continuada auto-formação. O rápido desenvolvimento de recursos electrónicos faz com que a BE corra hoje o risco de se ver ultrapassada. É por isso vital que os professores bibliotecários se familiarizem com o que “de novo” vai surgindo, providenciando percursos formativos que auxiliem professores e alunos a encontrar caminhos seguros perante a avalanche de informação disponível através da Internet. Será assim que os professores bibliotecários se afirmarão, mais do que como especialistas da informação, mas como gestores do conhecimento. This means that school librarians have a major responsibility to develop themselves in all the areas outlined in the Guidelines. They need to become leaders in schools by serving on key committees, by developing a vision and by sharing that vision with others. They need to be co-educators by understanding learning, collaborating with teaching colleagues and participating in staff training. They need to be information navigators by bridging the gaps between students, teachers, online information and the curriculum. They need to be managers by creating effective learning environments, and by planning, implementing, evaluating and advocating their service. (Barrett, 2004) 2.7. Auto-avaliação contínua e sistemática, como forma de validação das práticas e como indispensável ferramenta de planeamento O mundo por mais que queiramos, não funciona de acordo com a nossa intuição (…) Quem consegue ser bem sucedido (…) não faz apenas o que acha que deve fazer. Testa deliberadamente a sua intuição. (Gladwell,2007: 249) A avaliação não consiste apenas em olhar para trás, para os acontecimentos e actividades que já se realizaram. Pelo contrário, constitui a ferramenta de gestão por excelência para a planificação de todo o trabalho futuro. A auto-avaliação contínua e
  • 11. sistemática, baseada em evidence-based practice [EBP] in school librarianship is driven by central questions that give school libraries their raison d‟être. For school librarians, the big question regarding EBP is, “Why do school libraries matter today, particularly in the context of an educational world that increasingly relies on diverse, complex, and often conflicting sources of digital information?” (Todd, 2008) 11 Esta ferramenta, associada a competências mais aprofundadas de marketing por parte do professor bibliotecário, proporcionará o enquadramento necessário para uma melhor compreensão da procura e análise que permita prever as necessidades informacionais dos utilizadores, no sentido da promoção de serviços apropriados e recursos que satisfaçam os utilizadores habituais e que atraiam os novos. Sem esta compreensão clara das necessidades de toda a comunidade escolar e a identificação dos pontos fortes e dos pontos fracos da BE que gerimos é difícil antecipar soluções e planificar programas e serviços. Bibliografia AASL (2007). Standards for the 21st-century learners. http://www.ala.org/ala/mgrps/divs/aasl/guidelinesandstandards/learningstandards/ standards.cfm. [Acedido em 23-02-2009] Asselin, Marlene (2006). Redefining the School Library‟s Role in Literacy Teaching and Learning. www.stenhouse.com/pdfs/8196ch01.pdf. [Acedido em 23-02-2009] Barrett, Lynn (2004). New guidelines, new challenges in schools. CILIP http://www.cilip.org.uk/publications/updatemagazine/archive/archive2004/septem ber/article2.htm [Acedido em 03-02-2009] Batz, Linda e Rosenberg, Harlene (1999) Creating an Information literate school: Information literacy in action Buzzeo, Toni (2008). Collaborating to Meet Standards:Teacher/Librarian Partnerships for K-12. www.tonibuzzeo.com/2008collaboratingtomeetstandardsCASL.pdf [Acedido em 23-02-2009]
  • 12. Campello, Bernadete (2003). O movimento da competência informacional: uma perspectiva para o letramento informacional. Ci. Inf., Brasília, v. 32, n. 3, p. 28- 37, set./dez. 2003. http://www.scielo.br/scielo.php?pid=S0100- 19652003000300004&script=sci_arttext&tlng=pt [Acedido em 03-02-2009] Conde, Elsa (2006). A Integração das TIC na Biblioteca Escolar. DGIDC: Lisboa 12 Creighton, Peggy Milam (2008). Impact as a 21st-century Library Media Specialist. http://www.schoollibrarymedia.com/articles/Creighton2008v24n7.html. [Acedido em 23-02-2009] Douglas, Jonathan (2002) Start with the child. http://www.cilip.org.uk/cgi- bin/MsmGo.exe?grab_id=530&page_id=3016704&query=startwiththechild&hiw ord=startwiththechild+. [Acedido em 03-02-2009] Eisenberg, Mike (2002). This man wants to change your job. School Library Journal http://www.schoollibraryjournal.com/article/CA240047.html [Acedido em 23-02- 2009] Gladwell, M. (2007) A Chave do Sucesso - The Tipping Point. Dom Quixote: Lisboa Haycock, Ken (s/d). Reinventando as bibliotecas das escolas: alternativas, modelos e opções para o futuro Henri, James et al (2002). The role of the principal in an information literate school community: findings from an International Research Project. 68th IFLA Council and General Conference Johnson, Doug (2002). The Seven Most Critical Challenges That Face Our Profession Teacher - Librarian. http://www.doug-johnson.com/dougwri/seven-most-critical- challenges-that-face-our-profession.html [Acedido em 28-02-2009] Rowlands, I. & Nicholas, D. (2008). Information behaviour of the researcher of the future . University College London (UCL). http://www.bl.uk/news/pdf/googlegen.pdf. [Acedido em 28-02-2009]
  • 13. Stripling, Barbara (1996). Quality in school library media programs: focus on learning - Perspectives on Quality in Libraries. Library Trends http://www.ideals.uiuc.edu/handle/2142/8034 [Acedido em 03-02-2009] Thurler, Gather (1996). Innovation et cooperation: liens et limites http://www.unige.ch/fapse/SSE/teachers/gather-thurler/Textes/Textes-1996/MGT- 13 1996-03.html. [Acedido em 03-02-2009] Todd, Ross (2008). The Evidence-Based Manifesto for School Librarians. School Library Journal. http://www.schoollibraryjournal.com/article/CA6545434.html. [Acedido em 28-02-2009] Todd, Ross (2006). It‟s all about getting „A‟s. CILIP. http://www.cilip.org.uk/publications/updatemagazine/archive/archive2006/januar y/toddjan06.htm [Acedido em 18-02-2009]