Doenca transmitida por alimentos dta

3.076 visualizações

Publicada em

DTA's Doenças transmitidas por alimentos

Publicada em: Saúde
0 comentários
6 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
3.076
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
3
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
103
Comentários
0
Gostaram
6
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Doenca transmitida por alimentos dta

  1. 1. DOENÇA TRANSMITIDA PORDOENÇA TRANSMITIDA POR ALIMENTOS - DTAALIMENTOS - DTA NORIVAL FERREIRA DOS SANTOSNORIVAL FERREIRA DOS SANTOS SECRETARIA DA SAUDE DO ESTADO DO CEARASECRETARIA DA SAUDE DO ESTADO DO CEARA ESCOLA DE SAUDE PUBLICA DO CEARÁESCOLA DE SAUDE PUBLICA DO CEARÁ
  2. 2. Salpicão Estragado intoxica 200 pessoas em almoço comunitário – Fonte: desconhecida Merenda Estragada em Santa Maria – Fonte: Jornal DF Estudo da ANVISA aponta substâncias não autorizadas em verduras e frutas – Fonte: IDEC Pessoas morrem após ingerirem caldo de cana- Fonte Santa Catarina Açaí causa óbito em Belém Manchetes!!!Manchetes!!!
  3. 3. ObservaçõesObservações As DTAs são uma importante causa de morbidade e mortalidadeAs DTAs são uma importante causa de morbidade e mortalidade em todo o mundo;em todo o mundo; Em muitos países, durante as últimas duas décadas, tem emergidoEm muitos países, durante as últimas duas décadas, tem emergido como um crescente problema econômico e de saúde pública;como um crescente problema econômico e de saúde pública; Numerosos surtos de DTA atraem atenção da mídia.Numerosos surtos de DTA atraem atenção da mídia. No século 21 corremos o risco das DTA’s aumentarem devido,No século 21 corremos o risco das DTA’s aumentarem devido, especialmente, as várias mudanças globais, incluindo crescimentoespecialmente, as várias mudanças globais, incluindo crescimento da população, pobreza, exportação de alimentos e rações animais,da população, pobreza, exportação de alimentos e rações animais, que influenciam a segurança alimentar internacional.que influenciam a segurança alimentar internacional.
  4. 4. IntroduçãoIntrodução  Atribuída à ingestão de alimentos ou água contaminados por: - Bactérias, vírus, parasitas, toxinas, produtos químicos, agrotóxicos e metais pesados em quantidades que afetam a saúde do consumidor  O patógeno deve estar em quantidade suficiente paraO patógeno deve estar em quantidade suficiente para causar uma infecção ou para produzir toxinas;causar uma infecção ou para produzir toxinas;  O alimento deve ser capaz de sustentar o crescimentoO alimento deve ser capaz de sustentar o crescimento dos patógenos;dos patógenos;  O alimentos deve permanecer na zona de perigo deO alimentos deve permanecer na zona de perigo de temperatura por tempo suficiente para que o organismotemperatura por tempo suficiente para que o organismo se multiplique e/ou produza toxina;se multiplique e/ou produza toxina;
  5. 5.  Deve-se ingerir uma quantidade suficiente do alimento de modo aDeve-se ingerir uma quantidade suficiente do alimento de modo a ultrapassar o limiar de susceptibilidade do indivíduo que ingere oultrapassar o limiar de susceptibilidade do indivíduo que ingere o alimento.alimento.
  6. 6. ImportanteImportante  Mais de 250 tipos de DTA  Cólera  Febre tifóide  Botulismo
  7. 7. DTA emergentes e reemergentes  Síndrome Hemolítica Urêmica (Escherichia coli  O157:H7)  Síndrome de Creutzfeld-Jacob, na sua forma variante  Doença de Chagas Aguda de Transmissão Oral  Doença diarréicas agudas por protozoários e vírus  Cyclospora, Cryptosporidium  Norovírus, Astrovírus  Beribéri  Toxoplasmose  Brucelose  Listeriose
  8. 8. Aspectos Clínicos  DTA é um termo genérico  Aplicado a uma síndrome, geralmente constituída de:  Falta de apetite  Náuseas  Vômitos  Diarréia  Acompanhada ou não de febre
  9. 9. Aspectos Clínicos (cont.)  Afecções extra-intestinais  Diferentes órgãos e sistemas – Fígado (Hepatite A) – Terminações nervosas periféricas (Botulismo) – Mal formação congênita devido toxoplasmose
  10. 10. Suscetibilidade e resistência  Geral  Suscetibilidade aumentada – Crianças e idosos – Imunodeprimidos (AIDS, neoplasias, transplantes)  DTA não conferem imunidade duradoura
  11. 11. OcorrênciaOcorrência  Modo de transmissão das DTA • Pela ingestão de alimentos e/ou água contaminados  Modo de contaminação • Pode ocorrer em toda cadeia alimentar Produção primária Consumo
  12. 12. Principais Fatores das DTA Falha DTA e/ou surto DTA
  13. 13. Surtos de DTA  Surto de DTASurto de DTA – ocorrência de dois ou mais casos de uma– ocorrência de dois ou mais casos de uma manifestação clínica semelhante, relacionados entre si nomanifestação clínica semelhante, relacionados entre si no tempo e espaço, e caracterizados pela exposição comum a umtempo e espaço, e caracterizados pela exposição comum a um alimento suspeito de conter microrganismos patogênicos,alimento suspeito de conter microrganismos patogênicos, toxinas ou produtos químicos.toxinas ou produtos químicos. A investigação objetiva identificar:A investigação objetiva identificar: - o alimento responsável;- o alimento responsável; - o agente etiológico envolvido;- o agente etiológico envolvido; - os fatores determinantes;- os fatores determinantes; - quadro clínico predominantes.- quadro clínico predominantes.
  14. 14.
  15. 15.
  16. 16.
  17. 17. Notificação  Ocorrência de surtos é de notificação compulsória  Dever de todo cidadão comunicar o surto à autoridade sanitária  Notificação é obrigatória para: - Profissionais de saúde (no exercício da profissão)  Responsáveis por organizações, estabelecimentos públicos e particulares de saúde  Vigilância
  18. 18. Como evitar as DTAsComo evitar as DTAs  Responsabilidade Sanitária; ( de quemResponsabilidade Sanitária; ( de quem produz)produz)  Capacitação; ( todos)Capacitação; ( todos)  Consciência Sanitária; ( consumidor)Consciência Sanitária; ( consumidor)  VigilânciaVigilância  EducaçãoEducação
  19. 19. Como evitar as DTAsComo evitar as DTAs  Adoção dos Sistemas de Gestão deAdoção dos Sistemas de Gestão de QualidadeQualidade -- Boas Práticas de Fabricação;Boas Práticas de Fabricação; - APPCC;APPCC; - Certificação de Fornecedores;Certificação de Fornecedores; - Análise de Risco;Análise de Risco; - Rastreabilidade;Rastreabilidade; - ISOISO
  20. 20.
  21. 21. Obrigado .Obrigado . norival@saude.ce.gov.brnorival@saude.ce.gov.br

×