tele santana

921 visualizações

Publicada em

historia de tele santana

Publicada em: Diversão e humor
0 comentários
1 gostou
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
921
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
9
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
9
Comentários
0
Gostaram
1
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

tele santana

  1. 1. Tele Santana Bruno e Juliano
  2. 3. <ul><li>ponta Telê iniciou sua carreira no Itabirense Futebol Clube, sua carreira deslanchou mesmo quando foi transferido para o Fluminense. Telê é o terceiro jogador que mais vestiu a camisa do tricolor carioca. Como jogador do Fluminense marcou 165 gols em 556 jogos, o mais importante foi a conquista do campeonato carioca de 1951 e 1959, Rio - São Paulo de 1957 e Copa Rio - Mundial de Clubes (1952). </li></ul>
  3. 4. <ul><li>Por ser franzino e insistente Telê ganhou o apelido de &quot;Fio de Esperança. Jogador habilidoso e leal, Telê se orgulhava de ter ganhado o troféu Belfort Duarte, prêmio concedido aos jogadores de futebol que para atletas que eram exemplos de disciplina. </li></ul><ul><li>Depois de encerrada a gloriosa carreira de jogador Telê incluiu o sobrenome Santana e virou técnico, justamente no Fluminense em 1967, dirigindo os juvenis do clube. Dois anos depois passou a ser o técnico dos profissionais. Telê foi o primeiro técnico campeão brasileiro com o Atlético Mineiro em 1971. </li></ul>
  4. 5. <ul><li>&quot;(…) Devo, devemos todos, a Telê Santana aquelas horas de futebol no ano de 1982, para as quais olho quando tenho dúvidas se gosto de facto do jogo. Tenho gravada na memória a imagem de um Tardelli efusivo depois de marcar um golo na final contra a Alemanha e tenho que deve ser feito. (…)&quot; </li></ul>
  5. 6. <ul><li>ainda não tinha lido a ultima frase e estava a pensar o mesmo.era o tempo em que as nossas preocupações era vir da escola,com a mochila ás costas,fazer os deveres á pressa,vestir a camisola do benfica (sporting nunca!),reunir a “pandilha”,esfolar os joelhos ,sujar a roupa e sonhar,sonhar…que um dia iriamos estar no mundial..ainda que os nossos dois pés fossem dois baldes de massa ( o que até nem era o caso,diga-se de passagem ;)e nos estivessem sempre a desmentir… </li></ul>
  6. 7. <ul><li>Assim, sob qualquer ângulo que se esteja situado para considerar esta questão,chega-se ao mesmo resultado execrável: o governo da imensa maioria das massas populares se faz por uma minoria privilegiada minoria, porém, dizem os marxistas, compor-se-á de operários.Sim, com certeza, de antigos operários, mas que, tão logo se tornem governantes ou representantes do povo,cessarão de ser operários e por-se-ão a observar o mundo proletário de cima do Estado; não mais representarão o povo,mas a si mesmos e suas pretensões de governá-lo.Quem duvida disso,não conhece a natureza humana.&quot; </li></ul>
  7. 9. <ul><li>Telê Santana não foi campeão do mundo com a seleção brasileira. Mas é reverenciado por três treinadores que conseguiram conquistar um título que certamente ele mereceria ter em sua carreira. Zagallo, técnico campeão com o Brasil em 1970; Carlos Alberto Parreira, vencedor em 1994; e Luiz Felipe Scolari, ganhador em 2002, demonstraram ontem admiração e respeito pelo mestre. Parreira, inclusive, prometeu homenageá-lo na Copa da Alemanha </li></ul>
  8. 11. <ul><li>As conquistas mais marcantes foram, sem dúvida, as duas Libertadores e os dois Mundiais, feitos que tornaram o Tricolor um clube continental. Em dois jogos inesquecíveis, adonava-se do planeta. Em 1992, contra o Barcelona de Johan Cruyff, ganhou por 2 a 1 com um golaço de falta de Raí. E em 1993, vitória eletrizante sobre o Milan por 3 a 2, com um gol inacreditável de Muller nos minutos finais. Telê firmou-se como um dos maiores personagens da história do São Paulo e recuperava o prestígio perdido na década anterior. Em 1995, ele deixou o São Paulo para tirar um período de férias, recusando um convite do Valencia. No ano seguinte, acertava para ser diretor técnico do Palmeiras. Mas por pouco tempo. Em 1997, descobriu-se que o &quot;Mestre&quot;, apelido carinhoso que ganhou dos colegas treinadores, sofria de isquemia cerebral, a causa das eventuais tonturas que passou a sofrer um ano antes . </li></ul>
  9. 12. Títulos como jogador <ul><li>1950 - Campeão Carioca Juvenil (Fluminense) 1951 - Campeão Carioca (Fluminense) 1952 - Campeão da Copa Rio (Mundial de Clubes - Fluminense) 1957 - Campeão do Rio - São Paulo (Fluminense) 1959 - Campeão Carioca (Fluminense) 1960 - Campeão do &quot;Roberto Gomes Pedrosa&quot; Rio - São Paulo (Fluminense) </li></ul>
  10. 13. Títulos como técnico <ul><li>1967 - Campeão Carioca Juvenil (Fluminense) 1968 - Campeão Carioca Júnior (Fluminense) 1969 - Taça Guanabara (Fluminense) 1969 - Campeão Carioca (Fluminense) 1970 - Campeão Mineiro (Atlético) 1971 - Campeão Brasileiro (Atlético) 1977 - Campeão Gaúcho (Grêmio) 1983 - Campeão Árabe (Al Ahli) 1984 - Copa do Rei (Al Ahli) 1985 - Copa do Golfo (Al Ahli) 1988 - Campeão Mineiro (Atlético) 1989 - Taça Guanabara (Flamengo) 1991 - Campeão Paulista (São Paulo) 1991 - Campeão Brasileiro (São Paulo) 1991 - Troféu Cidade de Barcelona (São Paulo) 1992 - Campeão Paulista (São Paulo ) </li></ul>

×