Introdução a pcp

794 visualizações

Publicada em

0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
794
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
5
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
35
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide
  • Não temos como falar de Higiene do Trabalho
  • Introdução a pcp

    1. 1. Prevenção e controle de Perdas PCP Juemy Moraes
    2. 2. Nome O porque Segurança ?
    3. 3. O que é segurança do Trabalho ?
    4. 4. Segurança do Trabalho Qualidade de Vida Prevenção de acidentes
    5. 5. Qualidade de Vida
    6. 6. O que um acidente ?
    7. 7.  Segundo o art. 19 da Lei n° 8.213/91, - Acidente do trabalho é o que ocorre pelo exercício do trabalho a serviço da empresa, ou ainda pelo exercício do trabalho dos segurados especiais, provocando lesão corporal ou perturbação funcional que cause morte, a perda ou redução da capacidade para o trabalho permanente ou temporário.
    8. 8.  Consideram-se acidentes do trabalho:   I - doença profissional, assim entendida a produzida ou desencadeada pelo exercício do trabalho peculiar a determinada atividade constante da respectiva relação elaborada pelo Ministério da Previdência Social;   II - doença do trabalho, assim entendida a adquirida ou desencadeada em função de condições especiais em que o trabalho é realizado e com ele se relacione diretamente, constante da respectiva relação elaborada pelo Ministério da Previdência Social.
    9. 9.  Não são consideradas como doenças do trabalho:  a) doença degenerativa;  b) a inerente a grupo etário;  c) a que não produza incapacidade laborativa;  d) a doença endêmica adquirida por segurado habitante de região em que ela se desenvolva, salvo comprovação de que é resultante de exposição ou contato direto determinado pela natureza do trabalho.
    10. 10. CONSEQÜÊNCIAS DOS ACIDENTES DO TRABALHO sofrimento físico; incapacidade para o trabalho, temporária ou permanente; perda de oportunidade de crescimento pessoal; baixa auto-estima
    11. 11. CONSEQÜÊNCIAS DOS ACIDENTES DO TRABALHO •tempo perdido por outros empregados para socorrerem o acidentado; •danificação ou perda de máquinas, ferramentas ou matéria prima; atraso na entrega do produto e consequentemente, descontentamento da clientela; •custo com indenizações e outros encargos sociais.
    12. 12. CONSEQÜÊNCIAS DOS ACIDENTES DO TRABALHO •perda do elemento produtivo; •mais dependentes da sociedade (INSS); •aumento do custo de vida.
    13. 13. Ato Inseguro (Ato Inadequado): É tudo aquilo que o trabalhador faz, voluntariamente ou não, e que pode provocar um acidente, tais como: •O desconhecimento das regras de segurança e dos métodos seguros de trabalho; •O excesso de confiança dos que tem muita prática profissional e se julgam imunes aos acidentes; •A idéia que o acidente acontece por fatalidade, não adiantando cuidar da sua prevenção; •O exibicionismo, negligência, distração, a fadiga, brincadeiras de mau gosto e improvisações DÚVIDAS EXIBICIONISMO FADIGA BRINCADEIRAS DE MAL GOSTO
    14. 14. Condições inseguras (Condições do ambiente de trabalho): São situações existentes no ambiente de trabalho e que podem vir a causar acidentes, tais como: •iluminação deficiente; •instalações elétricas impróprias e com defeitos; •máquinas com defeitos e com localização inadequada; •falta de proteção nas máquinas; •piso escorregadio e com buracos; •produção com cadência mal planejada; velocidade excessiva. MÁQUINAS SEM PROTEÇÃO RITMO DE PRODUÇÃO ACELERADO PISO ESCORREGADIO OU COM BURACOS
    15. 15. Fator pessoal de insegurança: É o que podemos chamar de “problemas pessoais” do indivíduo e que agindo sobre o trabalhador podem a vir provocar acidentes. É toda causa que influi diretamente em nosso rendimento profissional. Podemos considerar como responsável direto por todos os atos inseguros. •problemas de saúde não tratados; •conflitos familiares, doença na família; •alcoolismo e uso de substâncias tóxicas; •problemas diversos de ordem social e/ou psicológica.
    16. 16. Agentes físicos: ruído, vibrações, pressões anormais, temperaturas extremas, radiações etc.
    17. 17. Agentes químicos: poeiras, fumos, névoas, neblinas, gases, vapores que podem ser absorvidos por vias respiratórias, digestivas e cutâneas.
    18. 18. Agentes biológicos: bactérias, fungos, bacilos, parasitas, protozoários, vírus, entre outros
    19. 19. Riscos Ergonômicos: Local de trabalho inadequado, levantamento e transporte de pesos sem meios auxiliares corretos, postura inadequada, rotinas de trabalho excessiva.
    20. 20. Riscos Mecânicos: Falta Iluminação, Incêndio, Explosão, Piso escorregadio, arranjo físico e ferramentas inadequadas, ferramentas inadequadas, animais peçonhentos.
    21. 21.  A sigla CAT significa Comunicação de Acidente do Trabalho.  A CAT é um documento usado para comunicar o acidente ou doença de trabalho ao INSS.  Hoje em dia é emitida Online. Após a emissão, vai imediatamente constar no banco de dados do INSS.
    22. 22.  Existe também a CAT para digitar manualmente, mas essa está entrando em completo desuso. Muitas vezes o próprio INSS não a aceita
    23. 23.  inicial:  É usada quando acontece o acidente ou doença ocupacional.   - Reabertura:  É usada quando há agravamento de lesões decorrentes de acidente ou doença do trabalho.  Quando um trabalhador já estava recuperado e tem uma piora. Nesse caso se usa a data do acidente inicial.   - Óbito:  É preenchida em caso de falecimento.  Só vale para casos de óbito que ocorreram após o preenchimento da CAT inicial. Tipos CAT
    24. 24.  Serve para comunicar ao INSS que determinada pessoa sofreu um acidente de trabalhoou doença ocupacional. É também a principal ferramenta de estatísticas de acidente de trabalho e de trajeto da Previdência Social.  Só após comunicar o acidente que o INSS poderá dar seguimento ao amparo que é dado ao trabalhador acidentado ou vítima de doença ocupacional. Ou no caso de morte, a família dele. Artigos 22 e 23 da Lei 8.213/91.
    25. 25.  A CAT deve ser emitida logo após o acidente, pode ser emitido até o primeiro dia útil após o acidente. Se por acaso a empresa perder esse prazo, preencha assim mesmo. O que não pode é ficar sem emitir.  Artigo 22 da Lei 8.213/91.
    26. 26.  No caso de doença do trabalho, e emissão da CAT deverá ser feita logo depois de constatada a incapacidade para o trabalho, ou no dia em que for realizado o diagnóstico da doença.  Valendo para esses casos o que ocorrer primeiro. Artigo 23 da Lei 8.213/91
    27. 27. 4 vias. De acordo com o site da Previdência  1° Via vai para o INSS;  - 2° Via fica com o segurado ou os dependentes do mesmo (acidentado);  - 3° Via fica com o sindicato da categoria do trabalhador;  - 4° Via fica com a empresa;  - 5° Autoridade pública (quando houver);
    28. 28.  As autoridades públicas reconhecidas para esse fim são: magistrados em geral, membros do Ministério Público e do Serviços Jurídicos da União e dos Estados. Comandantes do Exército, Marinha, Aeronáutica, Bombeiros, Polícia Militar e Forças Auxiliares.  Segundo a Instrução Normativa do INSS n° 45 de Agosto de 2010 no artigo 357, a CAT deve ser emitida em 4 vias, sendo:  - 1° INSS;
    29. 29.  Segundo a Instrução Normativa do INSS n° 45 de Agosto de 2010 no artigo 357, a CAT deve ser emitida em 4 vias, sendo:  - 1° INSS;  - 2° Segurado ou dependente;  - 3° Sindicato dos Trabalhadores;  - 4° Empresa.
    30. 30.  O emitente da CAT tem a incumbência de enviar as 4 vias para os lugares mencionados.  O emitente tem o dever de informar ao acidentado onde foi registrada a CAT.

    ×