MODELO OSICamada 2 (Ligação de Dados)
INTRODUÇÃO    Com este trabalho pretende-mos explicar a    Camada OSI onde se encontram 7 camadas.    A nossa Camada de a...
DEFINIÇÃO  A camada de ligação de dados   também é conhecida como   camada de enlace ou link de   dados. Esta camada dete...
EXEMPLOS DE PROTOCOLOS PPP LAPB (do X.25) NetBios
PPP   O protocolo ponto-a-ponto também conhecido    como PPP, foi desenvolvido e padronizado através    da RFC 1661(1993)...
EXEMPLOS   PAP - O PAP (Password Authentication Protocol)    usa um método simples de senha enviado em texto    puro pelo...
LAPB (DO X.25)   LAPB é o protocolo da camada de enlace utilizado    pelo padrão X.25. protocolo X.25 permite o acesso   ...
EXEMPLOS   Camada de Rede: responsável pelo empacotamento    dos dados. Define se a transmissão será realizada    por Cir...
NETBIOS   NetBIOS é uma interface de programa que foi    desenvolvida para permitir a comunicação entre    máquinas. Nest...
EXEMPLOS
Fim       Trabalho       elaborado por:       Cláudia Oliveira       nº2       Juliana       Fernandes nº15             1...
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Modelo osi juliana e claudia

827 visualizações

Publicada em

0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
827
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
2
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
9
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Modelo osi juliana e claudia

  1. 1. MODELO OSICamada 2 (Ligação de Dados)
  2. 2. INTRODUÇÃO Com este trabalho pretende-mos explicar a Camada OSI onde se encontram 7 camadas. A nossa Camada de apresentação é de Ligação de Dados, ou seja Camada2 onde vamos explicar a sua definição e os tipos de protocolos existentes.
  3. 3. DEFINIÇÃO A camada de ligação de dados também é conhecida como camada de enlace ou link de dados. Esta camada detecta e opcionalmente, corrige erros É responsável pela no nível que possam acontecer transmissão e recepção físico. (delimitação) de quadros e pelo controle de fluxo. Ela também estabelece um protocolo de comunicação entre sistemas diretamente conectados.
  4. 4. EXEMPLOS DE PROTOCOLOS PPP LAPB (do X.25) NetBios
  5. 5. PPP O protocolo ponto-a-ponto também conhecido como PPP, foi desenvolvido e padronizado através da RFC 1661(1993) com o objetivo de transportar todo o tráfego entre 2 dispositivos de rede através de uma única conexão física. O PPP encontra-se na lista de interfaces. Na prática, a interface PPP é implementada através de conexões físicas do tipo RS-232 ou modens. Atualmente é possível usar conexões PPP até sobre Ethernet (PPPoE).
  6. 6. EXEMPLOS PAP - O PAP (Password Authentication Protocol) usa um método simples de senha enviado em texto puro pelo host remoto. Ou seja identifica se a palavra-passe esta correta ou não. CHAP - O CHAP (Challenge Handshake Authentication Protocol) usa um método de senha criptografada, onde o host local envia um "challenge" para o host remoto, que responde enviando o login e senha. Ou seja a palavra-passe é encritada de modo a aparecer apenas pontinhos.
  7. 7. LAPB (DO X.25) LAPB é o protocolo da camada de enlace utilizado pelo padrão X.25. protocolo X.25 permite o acesso a redes públicas ou privadas operando com a comutação de pacotes sendo orientado a bit.
  8. 8. EXEMPLOS Camada de Rede: responsável pelo empacotamento dos dados. Define se a transmissão será realizada por Circuito Virtual (conexões temporárias, estabelecidas somente no momento da comunicação) ou por Circuito Virtual Permanente (conexões permanentes, não existe a necessidade de realizar uma chamada para estabelecer conexão).
  9. 9. NETBIOS NetBIOS é uma interface de programa que foi desenvolvida para permitir a comunicação entre máquinas. Nesta estrutura foi implementado o conceito de nome de serviço, o que possibilita que uma máquina conecte-se à rede reservando um nome para sua utilização. Não há um servidor central para tratar os nomes definidos e qualquer máquina pode utilizar quantos nomes desejar, desde que ele não esteja em uso.
  10. 10. EXEMPLOS
  11. 11. Fim Trabalho elaborado por: Cláudia Oliveira nº2 Juliana Fernandes nº15 10ºM

×