MODELOS EDUCACIONAIS NA EDUCAÇÃO DOS SURDOS - COMUNICAÇÃO TOTAL

16.873 visualizações

Publicada em

Desenvolvida nos anos de 1960, a Comunicação Total substituiu o oralismo que em presença da teoria critica perde sua atitude tradicional e admite o afrouxamento dos controles rígidos do modernismo

Publicada em: Educação
0 comentários
21 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
16.873
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
2
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
0
Comentários
0
Gostaram
21
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

MODELOS EDUCACIONAIS NA EDUCAÇÃO DOS SURDOS - COMUNICAÇÃO TOTAL

  1. 1. MODELOS EDUCACIONAIS NAEDUCAÇÃO DOS SURDOSCOMUNICAÇÃO TOTAL
  2. 2. HISTÓRICO• Segundo Sá (1999)2, foi DorothyShifflet, professora secundária, mãe de umamenina surda, que descontente com osmétodos oralistas, começou a utilizar ummétodo que combinava sinais, fala, leituralabial e treino auditivo, em uma escola naCalifórnia, denominando seu trabalho de TotalApproach – Abordagem Total.
  3. 3. O QUE É?A Comunicação Total é ummodelo educacional naeducação de surdos que incluiuma gama de instrumentoslinguísticos, entre eles:• Língua de sinais;• Língua oral;• Gestos;• Fala;• Leitura labial;• Alfabeto manual;• Leitura da escrita;• Ritmo;• Dança.Em sua prática incorpora aindao desenvolvimento da falamediante uma atividade comrepetição ritmada, dos restosauditivos com o treinamentodo som para estimular atravésde uso constante, por um longoperíodo de tempo, aparelhosauditivos individuais e/ousistemas de alta fidelidade paraamplificação em grupo. AComunicação Total consistia nouso simultâneo de palavras esinais, ou seja, no usosimultâneo de uma língua orale de uma língua sinalizada.
  4. 4. QUANDO E PORQUE SURGIU?• A Comunicação Total foi desenvolvida emmeados de 1960, após o fracasso de Oralismopuro para muitos sujeitos surdos, que nãotiveram o sucesso esperado na leitura delábios e emissão de palavras.
  5. 5. QUAL ERA O FOCO?Visava desenvolver as habilidades defala, mediante treino rítmico corporal earticulação ritmada. Para isto se servia dequalquer artefato, mesmo a língua de sinais éusada com a intenção de ensino da fala ou doportuguês.
  6. 6. PONTOS POSITIVOS• Não forçava o mudo a falar;• Leva em consideração as características dapessoa com surdez utilizando todo e qualquerrecurso possível para a comunicação, a fim depotencializar as interações sociais, considerandoas áreas cognitivas, linguísticas e afetivas dosalunos.• As crianças surdas começam a participar dasconversas com seus professores e familiares deum modo que jamais havia sido visto desde aadoção do oralismo escrito
  7. 7. PONTOSNEGATIVOS• Após estudos realizados na área da Lingüística, taiscomo as pesquisas de Stokoe, no início dos anos de1960, começou-se a comprovar que as línguas desinais são línguas legítima, com statuslingüístico, tão completa e complexa quantoqualquer outra língua. Ele e outros autores seposicionaram criticamente em relação a essamodalidade mista, acreditando que o usosimultâneo de duas línguas, resulta numa misturaque confunde o enunciado, já que a língua oralmajoritária se sobrepõe à língua de sinais. Essaprática do uso da comunicação total recebeutambém o nome de “bimodalismo” encorajando ouso inadequado da Língua de Sinais, já que amesma tem gramática diferente das línguas orais.
  8. 8. + pontos negativos• Essa modalidade mistaproduziu um problema que éaté hoje contestado pelossurdos, ou seja, a mistura deduas línguas, a línguaportuguesa e a língua de sinaisresultando numa terceiramodalidade que é o“português sinalizado”.• negam a língua natural daspessoas com surdez eacarretam perdas importantesnos aspectoscognitivos, sócioafetivos, lingüísticos, político culturais e naaprendizagem desses alunos.
  9. 9. Componentes:• Ana Maria Cruz;• Iara souza;• Juciara Brito;• Paula RauEdys.
  10. 10. F I M

×