Jucelir

219 visualizações

Publicada em

0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
219
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
2
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
1
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Jucelir

  1. 1. SENAC - Serviço Nacional de Aprendizagem Comercial Prof. Silvio Fernandes Data: 11/06/2015 Aluna: Jucelir dos Santos e Marisa Carla. Aplicativos para Projetos Aracaju/SE 2015
  2. 2. Aplicativos para Projetos o Definição de Projetos de desenvolvimento de software Projeto é empreendimento não repetitivo, caracterizado por uma sequência clara e lógica de eventos, com início, meio e fim, que se destina a atingir um objetivo claro o conduzido por pessoas dentro de parâmetros pré-definidos de tempo, custo, recursos envolvidos e qualidade. Desenvolvimento de software, como sugere Martins (2006), é uma atividade criativa, diferente dos projetos tradicionais, baseados em atividades produtivas e processos administrativos que possuem fluxo de trabalho relativamente fixo. É muito difícil planejar antecipadamente o trabalho que será feito antes de saber mais precisamente o que vai ser produzido. A engenharia de software não alcançou o nível de outras disciplinas e, talvez, nunca alcance, já que as teorias básicas de suporte são fracas e pouco compreendidas. Por conseguinte, a engenharia de software é um domínio de alto risco e requer uma abordagem diferenciada para gerenciamento de projetos. o Gerenciamento de Projetos De acordo com PMBOK, o gerenciamento de projetos é a aplicação do conhecimento, habilidades, ferramentas e técnicas às atividades do projeto a fim de atender aos seus requisitos. O gerenciamento de projetos é realizado através da aplicação e da integração dos seguintes processos de gerenciamento de projetos: iniciação, planejamento, execução, monitoramento e controle, e encerramento. Cada vez mais os sistemas são complexos e precisam estar prontos em menos tempo. Um projeto de desenvolvimento de software geralmente sofre muitas mudanças durante o seu ciclo de vida, dificultando muito o gerenciamento se forem utilizadas as técnicas tradicionais de gerenciamento de projetos. Os requisitos mudam por vários motivos: usuário muda de ideia (as necessidades dos usuários mudam com o passar do tempo), o problema muda (ao implantar o sistema verifica que o mesmo não está resolvendo completamente o problema), mudanças técnicas (novas tecnologias), mudanças de mercado (concorrentes podem lançar produtos similares e melhores). [Martins, 2006] o Ferramenta para apoio de desenvolvimento para projetos Para atender a esta necessidade de engenharia de software foi criado o Rational Unified Process (RUP). O RUP é um processo de engenharia de software cujo objetivo é garantir a produção de software de qualidade, que atenda aos requisitos estabelecidos
  3. 3. pelo cliente (escopo), respeitando um orçamento (custo) e um cronograma (prazo) previamente definidos. [Martins, 2006]. Como dito no PMBOK, é o que os gerentes de projetos frequentemente falam de uma "restrição tripla" - escopo, custo e prazo. A qualidade do projeto é afetada pelo balanceamento desses três fatores. No RUP o planejamento é baseado num conjunto de processos, que buscam atingir certos objetivos no tempo. Os processos são utilizados como base para definir as atividades das várias fases do projeto. [Martins, 2006] O RUP adota as seguintes premissas básicas: uso de iterações para evitar o impacto de mudanças no projeto, gerenciamento de mudanças e abordagens dos pontos de maior risco o mais cedo possível. A proposta do RUP é conduzir o projeto em ondas, ou seja, em iterações. Cada iteração é abordada de forma tradicional, alguns requisitos e riscos mais críticos são trabalhados, há um pouco de análise, implementação, testes e implantação. Depois há outra iteração, onde novos requisitos são trabalhados, outros riscos são mitigados, há mais análise, implementação, testes e implantação. Isso continua até que o produto seja concluído. [Martins, 2006] De acordo com Martins (2006), com essa abordagem, há dois grandes benefícios: a) permite que a equipe progressivamente identifique os componentes e decida quais serão desenvolvidos, reutilizados e quais serão comprados; b) a integração não é um "big bang " no final do projeto; ao invés disso, os elementos são integrados progressivamente. O sistema é montado através de várias integrações. Como muitos riscos do projeto geralmente estão associados às integrações entre os componentes e subsistemas, este mecanismo permite aumentar significativamente as chances de sucesso. Os processos do RUP orientam o gerente de projeto na elaboração do WBS, na identificação dos riscos, na divisão do trabalho e no sequenciamento das atividades. o Operação das ferramentas de apoio O plano de projeto define os objetivos do projeto, do ponto de vista do negócio, indicando o que vai ser produzido e não por que. Os objetivos do projeto devem ser específicos, mensuráveis e realísticos. [Martins, 2006] No RUP, o projeto é composto por quatro fases: Concepção, Elaboração, Construção e Transição. Cada fase do projeto tem um conjunto específico de objetivos: Concepção: nesta fase, o foco é chegar a um acordo com os stakeholders quanto à visão do sistema e aos objetivos e estimativas das demais fases do projeto.
  4. 4. Elaboração: esta fase é um processo de engenharia, onde o foco está em especificar uma arquitetura robusta e confiável para o sistema fazer o planejamento para o restante do projeto. Para isso é necessário obter uma visão abrangente do sistema, como, escopo, funcionalidades principais e requisitos não funcionais. Construção: a fase de construção basicamente consiste num processo de manufatura, onde o foco está no gerenciamento de recursos e otimização do tempo, custos e qualidade. Transição: a finalidade desta fase é refinar requisitos, especificações e transferir o produto para a comunidade de usuários. Cada fase do projeto é composta por uma ou mais iterações e, em cada iteração, uma parte do software é produzida. Cada iteração termina com um marco do projeto (um marco menor), onde é possível avaliar o progresso do projeto. Desta forma o produto final será produzido incrementalmente, à medida que as iterações ocorrerem. Cada iteração é abordada como um projeto em cascata. O foco de cada iteração muda em função dos seus objetivos, dando-se maior e menor ênfase em cada uma das disciplinas. Os focos das iterações em cada fase são os seguintes: Concepção: o foco é entender os requisitos de um modo abrangente e definir o escopo do projeto. Elaboração: o foco está na captura dos requisitos e na definição da arquitetura. Construção: o foco está na implementação, evoluindo-se o protótipo inicial para um produto operacional. Transição: o foco é transferir o produto para o cliente, garantir que tenha nível de qualidade esperado e atenda aos requisitos especificados, corrigir erros, treinar usuários, fazer ajustes no sistema e adicionar elementos que foram esquecidos. As iterações devem ser planejadas em detalhe, vislumbrando-se os objetivos específicos que foram definidos do planejamento das fases e considerando o horizonte de tempo da iteração. o Utilização do MS Project
  5. 5. http://www.techoje.com.br/site/techoje/categoria/detalhe_artigo/37

×