Conduta social

555 visualizações

Publicada em

etiqueta

Publicada em: Educação
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Conduta social

  1. 1. CONDUTA SOCIAL E REGRAS DE ETIQUETA CONDUTA SOCIAL
  2. 2. A conduta é a forma como os homens se comportam na sua vida e nas suas ações. Portanto, a palavra pode ser usada como sinônimo de comportamento. Neste sentido, a conduta refere-se às ações das pessoas em relação ao seu meio envolvente ou ao seu mundo de estímulos. Portanto, conduta social é o modo de agir na sociedade. COMPONENTES DA CONDUTA SOCIAL Quando nos relacionamos com os demais, o que comunicamos não se compõe exclusivamente de palavras. Imaginemos que um companheiro de trabalho ao que pedimos ajuda. “Agora não posso; espera só um minutinho” Nossa reação será muito diferente se estas palavras nos as disse gritando, com um gesto brusco de mãos, e com um olhar de irritado, ou bem com um tom de voz tranquilo, com um sorriso e por enquanto nosso companheiro nos aperta suavemente o ombro. Se nos colocamos na situação do emissor, seguro que podemos relembrar situações nas que nossas palavras não soaram bem aos demais, embora para nós o conteúdo nos tenha parecido correto; talvez fossem esses elementos não verbais os que “se comunicaram” por nós. Podemos conceituar de duas maneiras as habilidades sociais: • De forma global o molar : desde esta ótica considera-se o comportamento de forma geral; fala-se então de habilidade de pedir um favor, de iniciar e manter uma conversação, de rejeitar uma petição. • De forma molecular: este ponto de vista supõe “analisar” o comportamento em diferentes componentes; por exemplo, pedir um favor supõe utilizar uma série de palavras, do tipo “Posso te pedir um favor?”, com um tom de voz determinado (não se costuma pedir favores falando alto), olhando diretamente aos olhos, e procurando o momento mais adequado, para ter mais probabilidades de que nos façam caso. Quando queremos melhorar nossas habilidades sociais o que devemos fazer é analisar esses componentes para poder melhorá-los; assim é mais fácil mudar nosso próprio comportamento. Centrando-nos em aspectos concretos, e não em generalidades. Pensemos por um momento numa pessoa que se propõe o objetivo “tenho que me mostrar mais seguro quando falo com meu encarregado”. Terá mais possibilidades de sucesso se fizer uma análise dos componentes do comportamento “ser mais seguro”. Isto significa falar com um tom de voz firme, olhar nos olhos, dizer coisas sem rodeios, etc. A esta pessoa lhe será mais fácil se colocar objetivos concretos do tipo “hoje vou olhar nos olhos do encarregado quando fale com ele”. Os componentes das habilidades sociais são: • Componentes verbais: fazem referência ao conteúdo da conversa, que é a ferramenta que geralmente utilizamos as pessoas para relacionarmos com os demais. • Componentes para-lingüísticos: baixo estes términos se englobam aspectos como o tom de voz, a fluidez e a velocidade da fala, que modulam o conteúdo. • Componentes não verbais: variáveis como a expressão facial, o olhar, os gestos, a distância interpessoal …são comunicativas em si mesmas, e no mesmo tempo mudam e/ou matizam o conteúdo de uma mensagem. REGRAS DE ETIQUETAS
  3. 3. Etiqueta (do francês étiquette) é o conjunto de regras cerimoniais que indicam a ordem de precedência e de usos a serem observados pela corte em eventos, públicos ou não, onde estiverem presentes chefes de estado e/ou alta autoridades tais, como solenidades e datas oficiais; por extensão, são ainda as normas a serem observadas entre particulares, no trato entre si. Dress Code (Traje Recomendado) para Homens Antes de começarmos a lista de termos do Dress Code masculino, é importante salientar que a palavra ‘terno’ representa a combinação de calça social, paletó e colete, mesmo que este último não seja mais obrigatório hoje em dia. Os trajes masculinos são: 1. Traje esporte É o tipo de traje simples e informal, ideal para passeios, festas infantis, almoços, exposições e churrascos. As roupas permitidas para compor este tipo de traje são as calças jeans ou de gabardine, camisas, suéteres, jaquetas de couro e camurça, sapatos esportivos como mocassins, tênis e sapatênis ou, os abotinados de camurça e nobuk. 2. Traje de passeio ou esporte fino Também conhecido como Tenue de Ville, este tipo de vestimenta é um pouco mais formal, indicado para ir ao teatro e vernissages. Para compor o traje, use camisa e calça esportiva com blazer escuro. Ternos de cor clara, com ou sem gravata, também são boas opções. Quanto aos sapatos, prefira os sociais, de cor marrom ou preta. 3. Traje social ou Passeio Completo Tipo de traje para usar em casamentos, coquetéis, jantares e ocasiões formais. A roupa ideal é o terno completo, de cor escura, acompanhado por camisa social e gravata. Os sapatos devem ser sociais e na cor preta. Nunca use terno ou sapatos marrons. 4. Black-Tie ou Rigor Típico traje das noites de gala, grandes eventos e bailes, cuja ocasião peça requinte e sofisticação. A roupa correta para este tipo de traje é o smoking, com camisa branca e gravata borboleta ou camisa preta sem o acessório. Os sapatos devem ser de verniz ou, pretos de couro e com cadarço. A escolha da nossa roupa diz muito sobre nossa personalidade e nossa educação, também. Uma escolha imprópria será lembrada por muito mais tempo do que uma escolha acertada – e o estrago é grande! Por isso, esteja sempre atento ao dress code e respeite-o. Basicamente, o dress code pode ser organizado da seguinte forma: É possível encontrar regras de etiqueta social para muitas situações, do âmbito público ao privado; do real ao virtual. Tais condutas são memorizadas com a prática, tal como qualquer outro aprendizado. Na dúvida, siga a regra do “mais é menos”: mantenha-se recatado e “sinta” o ambiente em volta para saber como interagir, evitando atitudes espalhafatosas e, consequentemente, constrangedoras. Etiqueta social – cumprimentos Nós, latinos, temos a fama de sermos muito cordiais e simpáticos, o que se reflete na nossa etiqueta de apresentação. Tais costumes tornam o clima mais amável e propício para as conversas e amizades. Mas, apesar disso, nem toda ocasião comporta a famosa troca de beijo na bochecha. A seguir temos uma lista de regras de etiqueta social para apresentações: • Quem chega ao local deve cumprimentar os demais. • O bom senso deverá determinar se a pessoa oferecerá um beijo ou um aperto de mão – tudo
  4. 4. depende do grau de intimidade que se tem com o outro. Em apresentações, oferece-se a mão, sempre. • Ao dar um aperto de mão, esse deve ser firme e respeitoso: não deve ser feito com a mão flácida e nem forte ao ponto em que chegue a ser dolorido. • Sorrir e ser amável é essencial em qualquer cumprimento. • A pessoa mais jovem ou menos influente é sempre apresentada à mais velha e mais influente e nunca o contrário. • O homem é apresentado à mulher (a não ser que ele ocupe um cargo social mais elevado do que ela, em bailes de gala, premiações, etc.). • É de bom tom apresentar-se ao anfitrião logo que chegar a um evento, principalmente se você foi convidado por outro convidado. • A prática de beijar a mão de uma mulher é raramente usada e, quando for, deve ser apenas com as senhoras, nunca com senhoritas. Regras gerais de etiqueta à mesa etiqueta à mesa é muito mais do que um conjunto de regras. Portar-se bem nas refeições faz parte da autopromoção da sua imagem e demonstra o quanto você se importa em fazer uma boa presença à sua companhia na hora de sentar-se à mesa. Além disso, em ocasiões como encontros profissionais e de negócios, seguir a etiqueta à mesa é também uma forma de expressar profissionalismo, respeito e segurança. Os talheres e suas formas de uso são os pontos que mais confundem as pessoas quando se deparam com um jantar ou almoço formal – e se engana quem acha que esse tipo de situação já ficou no passado. As duas formas vigentes de regras de etiqueta à mesa são: o estilo americano e o estilo europeu. Seja seguindo um estilo ou outro, algumas regras são universais e também devem ser aplicadas. A elegância e a discrição são os carros-chefe da etiqueta à mesa. Com a correria do dia a dia e refeições cada vez mais sendo feitas rápida e informalmente, as etiquetas acabam sendo deixadas apenas para datas muito especiais; entretanto, elas não devem ser deixadas de lado. Com prática e treino, tais atos se tornarão naturais, até mesmo fora das formalidades. Para complementar, segue abaixo 24 regras de conduta à mesa: 1. Mastigue de boca fechada Eu nem precisaria colocar esse item tão essencial na lista. Infelizmente, ainda se vê por aí uma pessoa ou outra expondo o bolo alimentar para quem quiser ver. 2. Não coloque os cotovelos sobre mesa Essa atitude passa um ar de desleixo e tira o espaço daqueles que estão ao seu lado. O correto é mantê-los junto ao corpo. 3. Coloque o guardanapo de tecido no colo Antes, desfaça as dobras até que fique dobrado ao meio se for grande, ou todo aberto ser for menor. Use-o constantemente para manter os lábios secos e limpos. 4. Use adequadamente os talheres Use o garfo na mão esquerda e a faca na mão direita do início ao fim. Se você tem muita dificuldade em comer com a esquerda, então coloque a faca na posição de descanso e pegue
  5. 5. delicadamente o garfo com a mão direita. E vá fazendo essa troca até o final da refeição. Se o alimento não necessitar do uso da faca, você poderá usar o garfo na mão direita. Manuseie os talheres com os dedos e jamais os segure na palma da mão cerrada, como se fosse cravá-los sobre um pedaço de carne prestes a fugir do prato. A faca é um objeto cortante e não “empurrante”. Use-a quando tiver algo para cortar. Corte o alimento à medida que for comendo. Quando não estiver usando a faca, apoie-a sobre a borda superior do prato, levemente inclinada para baixo, com o fio voltado para dentro. Não fique grudado no garfo o tempo todo. Largue-o enquanto mastiga, conversa ou usa o guardanapo. Veja a posição de descanso deste talher nesta figura. Uma vez que você começou a comer, os talheres jamais deverão tocar a mesa. Quando acabar a refeição, posicione os talheres um ao lado do outro, com o garfo à esquerda e a faca (com o fio para dentro) à direita, com os cabos voltados para você ou levemente para a direita, conforme mostra esta foto. 5. Mantenha a postura Depois de algum tempo sentado, você poderá ficar cansado e começar a se curvar. Endireite-se discretamente. 6. Dê garfadas pequenas Assim você não precisará dar uma pausa muito grande até engolir o alimento para poder conversar. Não é feio falar com alimento dentro da boca (isso se você consegue falar sem cuspir), mas com a boca cheia, sim. 7. Sirva-se aos poucos Jamais deixe o prato transbordando. Se você continuar com fome, repita. 8. Pense nos outros que estão à mesa, antes de se servir Passe os olhos sobre o alimento e calcule, mentalmente, quantas porções há para cada pessoa. Por exemplo, se você visualizar cerca dez bifes e estiverem oito pessoas à mesa, sirva-se somente um, mesmo que seja pequeno. Mesmo que haja trinta bifes, tenha em mente a regra anterior e você não vai errar. 9. Mastigue devagar Mastigue muitas vezes e tranquilamente. 10. Jamais gesticule com os talheres na mão Largue os talheres se você gesticula ao falar. E evite gestos bruscos. 11. Espere o anfitrião se servir Exceto se ele pedir para você se servir. Se ele não pedir, aguarde até que, pelo menos, a metade das pessoas tenham se servido. 12. Leve o alimento à boca e não o contrário
  6. 6. 13. Não corte a massa Se é você quem vai preparar o talharim, o espaguete, ou outra massa longa, cozinhe-a inteira e al dente. Na hora de comer não a corte. Na verdade, se for servi-la como único prato, você nem precisa colocar faca na mesa. A massa é comida com garfo. Algumas pessoas dizem que se pode fazer uso de uma colher de sopa para apoiar o garfo durante o processo em que a massa é enrolada. Outras dizem que isso é deselegante. Por via das dúvidas, use somente o garfo. Comece a enrolá-la pelas bordas do prato. Não comece pelo centro, senão a garfada ficará grande demais. Se, ao levar a boca, alguns fios ficarem pendurados, simplesmente corte-os com os dentes. 14. Dobre a alface e outras folhas Faça trouxinhas e coloque-as na boca delicadamente. 15. Não pegue carnes com ossos (costela, frango, cordeiro) com as mãos Use garfo e faca. 16. Tire o caroço de azeitona da boca discretamente com a ponta do garfo E coloque-o na beira do prato, nunca sobre a mesa. 17. Evite ruídos Ao tomar a sopa. Ao tomar os outros líquidos (suco, água, etc.). De talheres raspando no prato. Assoando o nariz, arrotando e outros ruídos semelhantes – nem pensar. 18. Qualquer imprevisto que surgir, resolva no toilette Antes de se levantar, peça licença ao anfitrião. 19. Levante-se da mesa somente depois que todos estiverem prontos 20. Ao levantar-se, coloque o guardanapo ao lado do prato Não é preciso dobrá-lo. 21. Palitos de dentes nem pensar 22. Se tiver pão para acompanhar a sopa, parta-o e coma com a mão 23. Não erga o prato para tomar até a última gota de sopa 24. Se estiver em um restaurante, não grite para chamar o garçom Se não houver campainha sobre a mesa, faça um sinal gesticulando, sem muito alarde. Ter boas maneiras à mesa não é frescura, é educação. Então, se você quiser fazer bonito, volte neste
  7. 7. artigo tantas vezes quantas forem necessárias, até se familiarizar com tudo o que foi exposto aqui. Agindo polidamente, você será alvo de elogios e admiração. Como comer alguns alimentos ??? O nível cultural de um indivíduo, seu trânsito em mesas mais refinadas e até o fato de viajar e manter convivência com hábitos alimentares de outras regiões do mundo são dados que o comportamento à mesa revela. Há alimentos que representam testes infalíveis para medir as boas maneiras, mas, quando não se sabe como agir diante de um prato servido, pergunta-se com naturalidade à quem sabe. Em ocasiões de mais cerimônia, segue-se o exemplo dos companheiros de mesa. Nem sempre se dispõem de utensílios específicos para comer certos alimentos. É o caso da pinça para fixar a concha do escargot ou o garfinho para ostra. Daí a necessidade de atitudes mais flexíveis. Muitas vezes, a etiqueta recomenda comer com as mãos, o que torna natural usar a lavanda para molhar os dedos, ao final, enxugando-os com o guardanapo. Segue abaixo algumas regrinhas para se deliciar com alguns alimentos: ASPARGO Preparado fresco é apresentado ao molho de manteiga e comido com a mão. Pega-se pela extremidade mais rija e come-se a parte tenra, deixando num canto do prato a região fibrosa. Existem pinças específicas para comer aspargos, mas é raro encontrá-las num serviço. ALCACHOFRA É servida com molho quente ou fria ao vinagrete. Come-se com a mão e os talheres. Com os dedos retiram-se as folhas, uma a uma, mergulhando sua extremidade tenra no molho, pois só ela é comível. A parte descartável fica no canto do prato. À proximidade do núcleo da alcachofra, as folhas vão ficando menores e são retiradas delicadamente com o garfo para deixar exposta a parte mais gostosa que é o coração, saboreado com ajuda de garfo e faca. ALFACE Deve ser dobrada com os talheres ao menos duas vezes antes de ser levada à boca. Não corte as folhas, é feio! AZEITONAS São servidas sem caroço, graças a um aparelho especial que faz a remoção. Entretanto, quando não houve este cuidado na cozinha, come-se a azeitona e coloca-se a mão, em concha, junto da boca, para recolher o caroço, deixado no canto do prato. CARANGUEJO O modo de comê-lo é parecido ao da lagosta. Com os dedos, removem-se as patinhas e suga-se, silenciosamente, a carne. Com o garfinho de ostras, retira-se a carne debaixo da casca, colocando um pouco de molho e levando o pedaço à boca com o mesmo talher. Retira-se, com as mãos, o restante da carne contida debaixo da casca e coloca-se no prato, partindo em porções, para comer com os dedos e o garfinho. CAVIAR É servido sempre gelado, num recipiente de vidro disposto em suporte de metal onde é colocado gelo picado. Come-se o caviar colocando-o com uma faquinha sobre torradinha. O caviar é acompanhado de ovo cozido picado e cebola ralada, apresentados em pratinhos. Outro modo de comer caviar é com garfo e faca, sobre blinis, uma mini-panqueca. As bebidas adequadas para acompanhar: vodca ou champanhe. ERVILHAS Garfo na mão esquerda apoiado no prato; com a faca se vai prensando as ervilhas sobre os dentes do
  8. 8. talher, a parte côncava para cima. ESCARGÔ É um molusco que vem sendo incorporado, pouco a pouco, à mesa mais requintada do brasileiro. Pode ser uma entrada, apresentado em sua própria concha ou numa concha em caracol, de porcelana, distribuído em travessas refratárias com espaço para seis ou mais escargôs servidos bem quentes. Fixa-se a concha com a pinça e, com a outra mão, retira-se o escargô usando um garfinho. O delicioso molho que fica no prato pode ser saboreado em pedacinhos de pão nele embebidos. FRANGO Não se come com as mãos, por mais descontraída que seja a mesa. Usam-se garfo e faca. Em último caso, para não deixar constrangidas as pessoas que não usam os talheres, pega-se a asa ou a coxa com o guardanapinho de papel. LAGOSTA Em mesas mais formais, ela não é servida na casca; quando é comida com as mãos, utiliza-se o garfinho de ostra com a ajuda de uma espécie de alicate ou quebra-nozes. Este funciona para destacar as articulações. Nos bons restaurantes é fornecido um babador de papel para proteger a roupa e, ao final, é apresentada a lavanda. Pega-se a casca da lagosta com a mão esquerda e com a direita retiram-se os seus tentáculos. Parte-se o crustáceo ao meio, sempre com as mãos. Destaca-se a cauda do corpo, puxando com os dedos. Para as patinhas, usa-se do mesmo procedimento ou parte-se as articulações com o alicate. Suga-se a carne silenciosamente. Com o garfinho come-se a carne do corpo do crustáceo, desprezando a parte esverdeada. MASSA Cortar o espaguete é uma ofensa para quem o preparou. Enrola-se a massa no garfo, fazendo o movimento rotativo com os dentes do talher apoiados no prato e a massa absorvendo o molho. Pessoas bem-educadas usam a ajuda da colher para enrolar a massa. Em algumas mesas rústicas italianas, comem o talharim apenas com colher, mas além de complicado não é elegante. MILHO Come-se habitualmente com a mão, fixando a espiga, por suas extremidades, entre o polegar e o indicador. Mais prático é usar estiletes de metal ou em plástico descartável fabricados para este uso e que se encontram com facilidade no comércio. MEXILHÕES Quando servidos em suas conchas, são comidos com garfinho especial. Pega-se com a mão esquerda e com a faca, na direita, abre-se cuidadosamente a concha, retirando com o garfo o mexilhão. Outra maneira é usar de uma metade de concha que, por ter a borda cortante, facilita a retirada do mexilhão de sua própria concha. OSTRAS Servidas fora da concha, são comidas com talher de peixe. Quando apresentadas dentro das conchas, sobre gelo, são abertas com as mãos. Tempera-se com limão e a ostra é comida com o garfinho especial. Ao final, usa-se beber, na própria concha, o delicioso extrato ali concentrado. Champanhe é a bebida mais indicada para acompanhar ostras. PÃO O pãozinho do couvert é sempre partido com os dedos, vez por vez. A faquinha só servirá para passar a manteiga ou o patê. Ao desejar honrar um bom molho, pode-se colocar um pedacinho de pão no prato, fixá-lo com o garfo e passá-lo pelo molho. Em mesas de cerimônia, este procedimento não é adequado. PATÊ Tanto pode ser apresentado em fatias - patê Madame, patê au Champagne e outros -, comido com
  9. 9. garfo e acompanhado de pão, ou untado sobre o pedacinho de pão, a cada vez. Vinhos brancos e champanhe acompanham os patês mais suaves, porém um patê en Provence fica delicioso com vinho tinto. QUEIJOS Cortam-se com faquinha especial em pedaços pequenos, um a um, que ficam sobre torrada, bolachinha ou pedaço de pão, comidos com a mão. Os apreciadores costumam saborear um Camembert com sua crosta esbranquiçada, cortando-o na forma de V. Um bom queijo não deve ser oferecido muito gelado, mas fresco. Ao se servir de uma tábua de queijos, não se deve esquecer que os mais leves precedem os mais temperados. Boursin, Camembert, Gouda e Danablu, por exemplo, formam uma boa combinação numa tábua. Brie, Saint Paulin, Munster e Roquefort, outra. É importante degustar os queijos com vinhos escolhidos. Um dos motivos de o queijo preceder a sobremesa no cardápio é para se seguir tomando o vinho da refeição. Em geral, os vinhos brancos casam bem com os queijos mais suaves como um Prato, requeijões, queijos de leite de cabra ou o Tilsit. Queijos fortes, como o Roquefort, pedem vinhos tintos encorpados. O vinho do Porto também é recomendado para tomar acompanhando queijos, especialmente com o Stelton, um queijo inglês, ou um Cheddar. Ao organizar uma mesa de queijos e vinhos, além dos pães, manteiga, frutas frescas como a uva, calcula-se 3/4 de garrafa de vinho e 300 g de queijo por pessoa. FRUTAS Quando frescas, são apresentadas bem lavadas. As uvas, sobre gelo moído. Muitas vezes, garfo e faca para fruta vêm num prato de sobremesa sobre o qual está a lavanda com água morna. Como se procede? A faca vai para a direita e o garfo à esquerda do prato na mesa; a tigelinha é deslocada para a esquerda do prato, no lugar onde estivera o pratinho do pão. Depois de comer a fruta é usar a lavanda com naturalidade. Num clima tropical como o nosso, as frutas usufruem cada vez de maior prestígio como parte de um bufe entre saladas e crepes. Geralmente as frutas são apresentadas artisticamente em grandes pratos ou tigelas de vidro, cortadas em pequenos cubos como a melancia e o abacaxi. É para comer com garfinhos de aperitivos ou com um bambu. Oferecer frutas com palitos é de mau gosto numa festa. Para isso existem garfinhos descartáveis, do tipo para petiscos. ABACAXI Na mesa, é apresentado descascado, em rodelas. Com garfo e faca vai-se comendo aos pedaços, deixando, ao final, a parte rija correspondente ao talo central. ABACATE Quando a fruta é apresentada inteira, usam-se garfo e faca. Parte-se ao meio com a casca, tira-se o caroço; vai açúcar em cima da polpa eesta é comida com garfo e faca ou, em refeições muito íntimas, com a colher. BANANA O modo vulgar é comê-la com as mãos, como macaco. O correto é usar talheres: o garfo fixa a banana no centro, cortam-se suas duas extremidades e dá-se um corte com a faca em seu sentido longitudinal, descascando a fruta com os dois talheres. Come-se até o fim só com o garfo, em rodelas. LARANJA Se não vier à mesa já descascada e inteira para comer com garfo e faca, é descascada da seguinte maneira: cortam-se a calota inferior e a superior. Esta é fixada pelo garfo no alto da fruta, enquanto com a faca ela vai sendo descascada em pedaços, de cima para baixo. MORANGOS
  10. 10. Graúdos exigem garfo e colher, para não escorregar no prato. MANGA É cortada dos quatro lados do caroço. Firma-se a fruta, no prato, com o garfo, e raspa-se a polpa com a faca para comer então com o garfinho. PÊRA Corta-se em quartos com garfo e faca. A seguir, fixa-se o garfo na extremidade de um dos quartos mantendo-o um pouco acima do prato. Descasca-se e parte-se a fruta no prato, comendo os pedaços com o garfo, como se procede com a maçã. Sem cerimônia, usa-se comer um quarto de pêra ou de maçã com as mãos mesmo. UVAS São comidas com os dedos. Retira-se a uva do cacho e come-se uma a uma. Com a mão em concha junto à boca, recolhem-se as sementes, que são colocadas no prato. Ameixas, cerejas, amoras e jabuticabas comem-se do mesmo jeito Regras de etiqueta profissional As regras de etiqueta regem as boas maneiras e bons comportamentos dentro das relações sociais, valendo para situações com a família em ambiente doméstico, como também para as relações profissionais – nesse caso, as regras de etiqueta profissional são as condutas a serem seguidas. Falando especificamente do ambiente de trabalho, a etiqueta profissional se torna substancial para quem deseja manter um ambiente harmonioso e de respeito. Isso se torna ainda mais necessário quando o nosso ritmo exige que passemos a maior parte do tempo no trabalho ou na convivência com pessoas que fazem parte dessa faceta da nossa vida. Muitas vezes passamos mais tempo no mundo profissional do que com a própria família. Dessa forma, adequar o comportamento a essa situação tem ligação direta com a sua produtividade, seu respeito e relevância dentro da empresa, além de ser levado em conta na hora da evolução da sua carreira. Uma pesquisa de Harvard indicou que 2/3 das demissões são causadas por mau relacionamento entre os colegas de trabalho dentro das empresas. Isso mostra como uma boa qualificação técnica e teórica não basta para uma carreira de sucesso. Os relacionamentos interpessoais ainda são extremamente importantes e um comportamento excelente se torna um ponto diferencial para a sua carreira. Confira abaixo uma lista com boas maneiras dentro do ambiente de trabalho: Saiba se relacionar Cumprimentos muito pessoais como beijos e abraços não cabem muito bem dentro do ambiente profissional. Também deixe de lado piadas e apelidos muito pessoais. O relacionamento profissional não é o mesmo de um relacionamento íntimo. • Cuidado com o tom de voz Esteja sempre atento ao seu tom de voz e ao volume. Gritar ou falar de maneira muito espalhafatosa pode constranger as pessoas, além de ser um péssimo hábito. • Evite atrasos Esteja atento aos horários e evite atrasos, desde o horário de chegada ao trabalho até o horário marcado para entregar um relatório ou participar de uma reunião.
  11. 11. • Lanchinho tem hora Doces, chicletes e outras comidas não devem ser consumidos em sua mesa ou estação de trabalho. Tire um tempo durante o expediente para o seu lanchinho. Dessa forma, você evita situações embaraçosas (como ter que responder ao chefe com a boca cheia) e também não corre o risco de sujar algum documento importante. • Seja educado e cordial Seja educado e cordial com todos: cumprimente e responda aos cumprimentos, seja do porteiro, seja do seu chefe. • Se atente a aparência A aparência é importante: esteja sempre bem alinhado e bem vestido. As mulheres devem evitar pentear os cabelos ou retocar o batom no ambiente de trabalho; para isso, vá ao banheiro. Estar com os dentes escovados e com bom hálito é essencial. • Tenha uma boa postura A postura também é importante. Andar de forma calma, abrir e fechar as portas de forma educada (sem esquecer-se de bater antes de entrar na sala de alguém) e manejar os materiais ou equipamentos sem brutalidade mostra o seu cuidado com o ambiente e com as pessoas que se utilizam dele. • Saiba ouvir e dar espaço Saiba ouvir e dar espaço aos seus colegas de trabalho. Nas situações “incômodas”, tenha jogo de cintura para não piorar a situação. É necessário saber ceder em algumas vezes. Dentro do nosso trabalho, somos observados o tempo todo: como trabalhamos, como resolvemos problemas, como antecipamos os problemas e também como nos relacionamos com os outros. Ser uma pessoa equilibrada e que sabe agir da melhor maneira nas mais variadas situações e com todos os tipos de pessoa é, sem dúvidas, um ponto a favor para alavancar a carreira de qualquer profissional. Invista tempo na sua carreira ao trabalhar em cima da etiqueta profissional e apresente-se como alguém de sucesso. Conduta de um Garçom Dentre os requisitos comportamentais e morais estão: ser cortês com os clientes (utilizando-se de expressões como “com licença”, “bom dia”, “boa noite”), ser discreto (não se intrometendo com os clientes, nem criando intimidade), ser atencioso, paciente e tranquilo, ser pontual e assíduo, ser dinâmico e criativo, ter facilidade de comunicação e expressão, saber trabalhar em equipe, ter respeito por seus superiores, colegas e clientes, entre outros. Não só esses requisitos são primordiais como também as habilidades desenvolvidas pelo garçom para atrair mais e mais clientes, como por exemplo, conhecer as técnicas da área, procurar se atualizar conforme as tendências da época, dominar as técnicas de venda e, como principal diferencial, dominar o idioma estrangeiro para atrair turistas. Além disso, a eficiência do garçom está em como é sua conduta e comportamento perante os clientes e, para isso, um bom profissional deve andar em passo normal, falar em tom de voz normal, não falar mal dos colegas e da empresa, manter diálogo com os clientes em nível formal, saber ouvir o cliente e suas necessidades, entre outros fatores. Dicas para um garçom obter êxito em seu local de trabalho:
  12. 12. - Andar em passo normal, no salão, sem correr; - Falar em tom de voz normal com os clientes, nem alto, nem baixo demais; - Não falar mal de colegas de trabalho e, ou, da empresa; - Não comer, beber, fumar, mascar balas ou chicletes no local de trabalho; - Não utilizar o telefone, equipamentos ou materiais do restaurante para fins pessoais; - Manter o diálogo com os clientes em um nível formal, nunca entrando em intimidades dos clientes; - Ouvir o cliente, e só emitir o seu ponto de vista quando lhe for pedido; e - Não gesticular ao explicar ao cliente sobre um prato.

×