AÇÕES E DESENVOLVIMENTO PARA COOPERAÇÃO ENTRE EMPRESA E
UNIVERSIDADE

Abstract
The new times present us new challenges, it...
Do contexto econômico social entende-se que cooperação consiste em uma relação baseada
na colaboração, entre indivíduos ou...
investimentos e compromissos, em benefício das partes, o compartilhamento de informações e
do uso de garantias negociadas,...
FORMAS DE DESENVOLVER A COOPERAÇÃO
Há diversas maneiras de se aproximar instituições, grupos e pessoas. Geralmente reuniõe...
Sessão de posters X SBPMat 2011

Exemplo de proposta de trabalho
Por meio do estabelecimento de contratos de trabalhos e s...
cursos. Também, a identificação de novos treinamentos e incentivo às pessoas na
participação.

Curso de Análise e Prevençã...
Atividades em workshop

Para a participação efetiva em congresso e reuniões técnicas exige a gestão do conhecimento
envolv...
Reunião de discussão

CASO DE SUCESSO
Com a criação da área de gerenciamento do desenvolvimento tecnológico da Embraer, po...
especialistas identificados precisariam estar presentes. Toda a logística da viagem, negociação
com os gestores das áreas,...
LinkedIn: br.linkedin.com/p ub/jose-ricardo-patelli-jr/1/286/27a/
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Ações e desenvolvimento para cooperação entre empresa e universidade

582 visualizações

Publicada em

São descritos os passos para realizar uma parceria e cooperação empresa universidade com sucesso

0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
582
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
2
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
0
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Ações e desenvolvimento para cooperação entre empresa e universidade

  1. 1. AÇÕES E DESENVOLVIMENTO PARA COOPERAÇÃO ENTRE EMPRESA E UNIVERSIDADE Abstract The new times present us new challenges, it is crucial to understand the differences and develop a closer relationship between business and university, breaking false paradigms and building a solid cooperation and partnership. In this article it is shown a set of actions with which the different parts with different characteristics and visions, can achieve results that meet each other by building bridges between their differences. The implementation and positive results on a real case in the national aerospace industry is shown. Resumo Os novos tempos nos apresentam novos desafios, é crucial entender as diferenças e desenvolver uma relação mais estreita entre empresas e universidades, quebrando falsos paradigmas e construindo uma sólida parceria. Neste artigo é apresentado um conjunto de ações, no qual partes diferentes, com diferentes características e visões, procuram obter resultados que as atendam mutuamente, através da construção de pontes entre as suas diferenças. Os resultados da implementação positiva em um caso real na indústria aeroespacial nacional é mostrado. INTRODUÇÃO Cooperação Coméia exemplode cooperação
  2. 2. Do contexto econômico social entende-se que cooperação consiste em uma relação baseada na colaboração, entre indivíduos ou instituições, com a finalidade de realizar objetivos comuns, com o emprego de métodos e processos próprios ou de consenso. Pode-se entender como um conjunto de ações, no qual as partes com diferentes características e visões, procuram obter resultados que as atendam mutuamente, onde todos ajudam a encontrar soluções para os problemas, através da troca de ideias e experiências. A cooperação acontece quando um grupo contribui com suas energias para a realização d e tarefas de interesse comum, através da construção de pontes entre as suas diferenças. Para que ocorra cooperação é preciso haver interação ativa entre as partes, cooperar é colaborar, interligar e interagir. Confiança Demonstraçãode acrobacia A confiança é construída ao longo do tempo porque características como honestidade, disponibilidade, comprometimento e eficácia são demonstradas e percebidas através do contato frequente (MARIOTTI, 2005). Nos trabalhos onde é exigida a cooperação, um grande esforço deve precisa ser realizado para estabelecer o quanto confiamos e do quanto somos confiáveis, visto que pessoas diferentes têm princípios, valores e visões também diferentes, de forma que as pessoas trabalhem juntas e confiem que a outra parte cumprirá seus compromissos. A criação de um ambiente de confiança entre as partes parceiras é um dos fatores de sucesso, quiça o principal, e pré-requisito para a cooperação. O verdadeiro trabalho em equipe tem como base a confiança (LENCIONI, 2002). Onde os membros da equipe não se mostram abertos uns com os outros, em relação a seus erros e pontos fracos, tornam impossível construir as bases para a confiança. Mas, quando a confiança é cultivada há ambiente para admissão de pontos fracos s e erros, e pedidos de desculpas e sua aceitação sem dúvidas ou incertezas. Há espaço para aceitação de questionamentos e contribuições e para pedidos de ajuda. Além disto, favorece a troca de habilidades e experiências uns dos outros, a concentração de tempo e energia em questões importantes, e não em política. O grau de confiança pode ser indicado pelo nível de anseio por reuniões e outras oportunidades de trabalhar em grupo, pelo envolvimento e comprometimento de todos com o plano. Com o estabelecimento de um ambiente de confiança, ocorre a aproximação das partes com a transposição das relações para além do plano econômico, e a manifestação de futuros
  3. 3. investimentos e compromissos, em benefício das partes, o compartilhamento de informações e do uso de garantias negociadas, alicerça e aumenta a confiança. Comprometimento Aliança exemplo de comprometimento O comprometimento é outro fator, além da confiança, importante na formação e manutenção de ambiente de relacionamentos, sendo traduzido em lealdade entre as partes e influenciando o sucesso da parceria e do ambiente de relacionamento. Quando as partes são comprometidas com o relacionamento, trabalharão com todas as forças para o sucesso da parceria. Aquela parte que não se compromete com a relação normalmente age de forma oportunista, largando para as outras partes a responsabilidade pelo empenho no desenvolvimento da parceria. Na ausência de comprometimento, é comum existir ambiguidade entre os integrantes, quanto à direção e às prioridades, sempre se volta as mesmas discussões e decisões, com estímulo à críticas e questionamentos entre as pessoas, com exist6encia de medo do fracasso. ASPECTOS QUE MOTIVAM A BUSCA DE COOPERAÇÃO Quando almeja uma cooperação tem-se de preparar para a inevitável mudança do estado individual para o coletivo, onde o controle não será total e o risco do empreendimento passa a ser compartilhado. É preciso conhecer os principais aspectos que podem sustentar e estabelecer uma cooperação: a necessidade, a segurança, a facilidade e o prazer, Le Cardinal et al. (1997, apud, Do Nascimento; Labiak Jr., 2011). Na maioria das vezes haverá necessidade de se adicionar conhecimentos novos ou adicionais e recursos que não estão disponíveis, pela participação de mais pessoas ou outras instituições. Com a inclusão de mais participantes obtém-se um aumento da segurança, pois as incertezas e riscos serão divididos e ou reduzidos. Também, com aproveitamento de outras competências ou oportunidades, com o acesso a outros recursos, pode-se conseguir maior poder ou influência resultando em maior facilidade de realização do empreendimento. Com a interação entre os indivíduos e instituições, estabelecem-se relações e vínculos de amizade, com a abertura de novas relações que não econômicas. Com isto cria-se novas condições de aprendizagem, possibilidade de compartilhamento de experiências gerando aumento da confiança entre as partes, ambiente de atividades mais agradável e prazer aos participantes.
  4. 4. FORMAS DE DESENVOLVER A COOPERAÇÃO Há diversas maneiras de se aproximar instituições, grupos e pessoas. Geralmente reuniões presenciais, programadas em locais agradáveis e de fácil acesso, são muito bem aproveitadas e dão bons resultados. O encontro pode ter como agenda a divulgação e troca de informações ou conhecimentos ou a discussão de temas com baixo conhecimento. Com relação a instituições de ensino pode-se realizar visitas ou palestras de divulgação, contatos com professores com eventual acordos para endereçamento futuro de trabalhos de graduação e pós-graduação. Em congressos, reuniões técnicas e palestras pode-se estabelecer relacionamentos para a criação de workshops de discussão de temas e trabalhos em conjunto. Com o amadurecimento das relações, temas mais técnicos podem ser discutidos, como por exemplo, a elaboração de normas, manuais e patentes. As visitas ou recepção de alunos, estagiários, pesquisadores e profissionais são outro meio de se estabelecer contatos. FORMAS DE TRABALHAR A COOPERAÇÃO Os objetivos básicos para as reuniões conjuntas para troca de informações podem abranger: aproximação para futuros trabalhos conjuntos, fomento a relacionamentos e parcerias ou a organização de Reuniões Técnicas para colaboração e parcerias. 1st Brazilian Symposium in FSW and Processing X SBPMat 2011 Com o endereçamento de trabalhos de graduação e pós-graduação visa-se a divulgação de temas de interesse e a proposição às instituições e professores de projetos de pesquisa.
  5. 5. Sessão de posters X SBPMat 2011 Exemplo de proposta de trabalho Por meio do estabelecimento de contratos de trabalhos e serviços pode-se localizar outras empresas que tenham interesses semelhantes e a negociação e a proposição às instituições e empresas de trabalhos conjuntos. Através de mapeamentos de informações em conjunto obtém-se o mapeamento de informações e pessoas, o aumento da troca de conhecimentos, a identificação de carências e de trabalhos e projetos de desenvolvimento de forma sistemática. Exemplo mapeamento de oportunidades e interesses Apoio e fomento de cursos nas instituições possibilita o trabalho em conjunto para a elaboração de cursos que atendam interesses mútuos, a organização, estruturação e validação destes
  6. 6. cursos. Também, a identificação de novos treinamentos e incentivo às pessoas na participação. Curso de Análise e Prevenção de Falhas em Estruturas, viabilização e apoio de curso na EEL/USP (Banco de imagens USP) A organização e realização de workshops e trabalhos conjuntos com empresas e instituições permite a aproximação de especialistas aos profissionais das ICT’s, a identificação de pesquisadores, a identificação de novas oportunidades de pesquisa cooperativa e de linhas de pesquisa e áreas de excelência. Workshop Parceria Universidade - Embraer para P&D Nas palestras e reuniões técnicas, além da discussão dos temas agendados, é possível fazer a divulgação de ações positivas, conhecimento e materiais técnicos e informativos. Com a rede de relacionamentos criada pode-se construir a participação e organização de congresso s conferências.
  7. 7. Atividades em workshop Para a participação efetiva em congresso e reuniões técnicas exige a gestão do conhecimento envolvido, a logística de viagens, a negociação de recursos, além da realização de reuniões para análise e discussão dos relatórios e o controle e publicação deles. Eventualmente poderse-á agregar visitas técnicas com estas viagens. Registro de eventos e temas Exemplo de Congresso Com a recepção de estagiários, de alunos de pós-graduação e de trainees, é possível realizar a orientação com temas de interesse futuro e a identificação de colaboradores e o desenvolvimento de suas competências. Através da base de confiança estabelecida outras necessidades podem ser identificadas e atividades específicas planejadas. Como por exemplo: a elaboração de normas, manuais e patentes, padronização de terminologias e conceitos, e o desenvolvimento de competências conjuntas.
  8. 8. Reunião de discussão CASO DE SUCESSO Com a criação da área de gerenciamento do desenvolvimento tecnológico da Embraer, por volta de 1999, fez necessário o estabelecimento de parceiras que auxiliassem na execução das metas estratégicas de desenvolvimento tecnológico da empresa. As ideias aqui apresentadas foram discutidas, trabalhadas e colocadas em prática a partir de então. Além da identificação de instituições e profissionais externos, procurou-se localizar engenheiros especialistas nos diversos assuntos que seriam envolvidos, capacitá-los em ferramentas e técnicas, que facilitassem a interação e o desenvolvimento de parcerias. Um dos primeiros eventos realizados foi a realização de turmas para um curso de gestão de projetos, elaborado a quatro mãos, com a Fundação Vanzolini. Outra ação foi o envio de sugestões de temas à instituição de ensino superior, principalmente ao Instituto tecnológico de Aeronáutica. Também, foi realizado nas instalações da empresa, um grande encontro com os pesquisadores de vários laboratórios do Instituto de Pesquisas Tecnológicas. Este evento teve alguns desdobramentos sendo germe do estabelecimento do laboratório de estruturas leves, gerido pelo IPT, nas instalações do Parque Tecnológico de São José dos Campos, assim bem como, de acordos de trabalho e parcerias com instituições de pesquisa, nos anos seguintes. Um fato curioso é que passados doze anos da realização desta reunião, nenhum dos pesquisadores presentes não pertencia mais ao quadro do IPT. Com o advento do programa PICTA pela Fapesp ganhou-se novo fôlego à atividades de desenvolvimento tecnológico e desenhou-se uma aproximação com ICT’s, por meio do Workshop Parceria Universidade - Embraer para P&D – Programa PICTA Fapesp. Os encontros visavam a identificação de especialistas e pesquisadores, identificação de laboratórios nas instituições e a divulgação de temas estratégicos, nas áreas de interesse da empresa, e detectar novas oportunidades de pesquisa cooperativa. Nas reuniões que seguiram a estes encontros, todas as informações foram passadas e analisadas, possibilitando a concretização de vários projetos e acordos nos anos seguintes. Para aumentar a massa de discussão, foram organizadas palestras internas, com o convite e participação de profissionais de empresas e universidades, em temas pré-estabelecidos. As palestras possibilitaram o aumento da rede de contatos e alguns dos temas discutidos tornaram-se projetos de investigação. Também, de forma a aumentar a abrangência de conhecimento e poder de atuação da empresa, definiu-se uma série congressos e reuniões técnicas, em grupos de discussão ou normalização, tanto em nível nacional como internacional, nos quais os engenheiros
  9. 9. especialistas identificados precisariam estar presentes. Toda a logística da viagem, negociação com os gestores das áreas, as quais forneciam os engenheiros, instrução para a missão, preparo para elicitação, prazo para a elaboração e divulgação dos resultados e relatórios foram administrados. Com este arcabouço, realizou-se um trabalho de convencimento e esforço para dotação de orçamento pela alta administração e conselho de administração da empresa, para os primeiros projetos de cooperação e parceria em desenvolvimento. Por meio do aumento da interação e afinidade entre os profissionais da empresa e instituições foi possível estabelecer e redigir os planos de trabalho dos projetos, a elaboração conjunta e negociação de propostas com as ICT’s e suas Fundações, viabilizando propostas de subvenção junto a órgãos de fomento. O maior resultado deste trabalho está na concretização dos quatro projetos estruturantes do Laboratório de Estruturas Leves, do Parque Tecnológico de São José dos Campos, com o aporte do BNDES e garantia da Embraer, por meio de parcerias de desenvolvimento com várias universidades do estado de São Paulo. Laboratório de Estruturas Leves, Parque Tecnológico de São José dos Campos REFERÊNCIAS MARIOTTI, D. F.; SOUZA, Y. S. Relações de Confiança na Dinâmica de uma Organização. In: XXIX EnANPAD 2005, Brasília. Anais EnANPAD 2005, 2005. NASCIMENTO, D. E. do; Labiak Jr., S. Ambientes e dinâmicas para inovação - Série UTFinova, Curitiba, Ed Aymará, 2011. LENCIONI, P. Os cinco desafios das equipes. Rio de Janeiro. Ed. Campus, 2002. CONTATO José Ricardo Patelli Júnior MSc, MBA, Personal & profissional Coach email: jrpjunio@uol.com.br SKYPE: jrpatellijr
  10. 10. LinkedIn: br.linkedin.com/p ub/jose-ricardo-patelli-jr/1/286/27a/

×