SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 7
Poderes Administrativos 
Modernamente tem sido utilizada a expressão deveres administrativos ou ainda poderes-deveres 
e deveres-poderes, para deixar claro que a administração só é dotada de poderes 
porque tem o dever de atuar, de exercer a função administrativa para o fim de atender ao 
interesse público. 
Os poderes-deveres são verdadeiros instrumentais para a defesa do interesse público. 
Os poderes administrativos são: 
- poder normativo; 
- poder hierárquico; 
- poder disciplinar; e 
- poder de polícia. 
A doutrina tradicional ainda menciona o poder vinculado e o poder discricionário. Todavia, 
entendemos que não existe um poder totalmente vinculado ou discricionário, mas sim atos 
vinculados e atos discricionários praticados com fundamento nos outros poderes, daí, não 
iremos seguir tal abordagem. 
a) Poder Normativo 
Alguns autores mencionam poder regulamentar em vez de poder normativo. É preferível falar 
em poder normativo porque o regulamento é apenas uma espécie de ato normativo já que 
convive com outros atos normativos, como resoluções, portarias, regimentos, instruções etc. 
De modo que, a expressão poder normativo é mais abrangente e adequada. 
O poder normativo é o destinado a prática dos atos normativos. Os atos normativos instituem 
regras gerais e abstratas, aliás, nesse ponto assemelham-se às leis. No entanto, os atos 
normativos diferenciam-se das leis porque não inovam inicialmente no mundo jurídico já que 
nos termos do art. 5º, II da CF, são as leis que criam direitos e obrigações. 
O regulamento é o ato normativo mais importante porque é de competência exclusiva dos 
chefes do poder executivo nas diversas esferas de governo (Presidente da República, 
governadores e prefeitos). 
O regulamento é veiculado pelo decreto, quer dizer, o regulamento é o conteúdo do ato e o 
decreto é a forma do ato. A propósito, decreto é a forma pela qual são veiculados, 
exteriorizados os atos praticados pelos chefes do poder executivo, sejam normativos ou
concretos. Ex: decreto regulamentar (ato normativo), decreto de desapropriação (ato 
concreto). 
Em doutrina, costuma-se classificar o regulamento em: 
1º) regulamento autônomo ou independente; 
2º) regulamento executivo ou para fiel execução das leis. 
O regulamento autônomo ou independente não se fundamenta em lei prévia e, por isso, inova 
inicialmente a ordem jurídica. O regulamento executivo ou para fiel execução das leis, 
fundamenta-se em lei anterior e é destinado a explicitá-la. 
Nos países em que se admite o regulamento autônomo ou independente, ele só pode tratar de 
matéria organizativa ou de supremacia especial, quer dizer, ele pode dispor sobre a 
organização da administração pública ou então estabelecer regras a quem tem um vínculo 
diferenciado com a Administração Pública, tal como ocorre com os contratados, ou seja, o 
regulamento autônomo não poderá dispor sobre matéria de supremacia geral submetendo 
todos os cidadãos. 
No Brasil, apesar das divergências, tem prevalecido o entendimento de que o regulamento 
existente é o executivo ou para fiel execução das leis, conforme art. 84, IV da CF. 
A partir da EC/32 de 2001, alguns autores (Maria Sylvia Zanella di Pietro) passaram a 
defender a existência de regulamento autônomo no direito brasileiro, em matéria organizativa 
já que o presidente da república passou a ter competência para dispor mediante decreto sobre 
organização e funcionamento da Administração Federal quando não implicar aumento de 
despesa nem criação ou extinção de órgãos públicos (art. 84, VI, a da CF). 
Diante do exposto, conclui-se que o regulamento regra no Brasil é o executivo, então é 
preciso entender o que significa explicitar a lei, que é a função do regulamento executivo. 
b) Poder Hierárquico 
Os órgãos e os agentes públicos estão estruturados de modo a ensejar uma relação de 
coordenação e subordinação entre eles num relacionamento de superior a subalterno. Para 
Celso Antonio Bandeira de Melo “a hierarquia pode ser definida como o vínculo de 
autoridade que une órgãos e agentes, através de escalões sucessivos, numa relação de 
autoridade, de superior a inferior, de hierarca a subalterno”. 
Da hierarquia decorrem alguns poderes para o superior hierárquico: 
1) de editar atos normativos de efeitos apenas internos, tais como resoluções, portarias, 
instruções;
2) de dar ordens e ser obedecido pelos subordinados, salvo as ordens manifestamente ilegais, 
como por exemplo, a ordem dada a carcereiro para torturar preso; 
3) de fiscalizar os atos do subordinado, podendo anular os atos ilegais e revogar os atos legais 
por razões de conveniência e oportunidade; 
4) de punir o subordinado que pratique infração administrativa. 
A hierarquia não existe no poder legislativo e no poder judiciário no que se refere às funções 
típicas de tais poderes que são, respectivamente, a de legislar e a de julgar. Não obstante, a 
partir da EC 45/04, alguns, como MSZDP, passaram a admitir a existência e hierarquia parcial 
na função jurisdicional porque, nos termos do art.103-A e §3º da CF, caso o magistrado 
decida contrariamente a súmula vinculante ou indevidamente a aplique, cabe reclamação no 
STF que, julgando-a procedente, cassará a decisão judicial e determinará que outra seja 
proferida com ou sem a aplicação da súmula, conforme o caso. 
A propósito, a súmula vinculante não obriga só o poder judiciário a sua observância, mas 
também a administração pública direta e indireta em todas as esferas de governo, cabendo 
reclamação para atacar ato administrativo que contrariar a súmula ou que indevidamente a 
aplicar, e o STF julgando-a procedente, anulará o ato administrativo, nos termos do art. 103-A 
e §3º da CF. 
c) Poder disciplinar 
É o que credencia a administração a apurar as infrações cometidas pelos agentes públicos e 
por demais pessoas submetidas a disciplina administrativa, tal como ocorre com os 
contratados. No que se refere aos agentes públicos, notadamente os servidores públicos, o 
poder disciplinar decorre do hierárquico. 
Eventual punição de alguém não submetido a disciplina administrativa tem fundamento no 
poder de polícia. Ex.: imposição de multa ao estabelecimento poluente, ao motorista infrator 
etc. 
Costuma-se dizer que o poder disciplinar é discricionário, o que deve ser entendido nos seus 
exatos termos. Primeiramente é preciso saber o que isso não significa. Dizer que o poder 
disciplinar é discricionário não significa que exista liberdade para a autoridade escolher entre 
agir ou deixar de agir para apurar a infração cometida diante da noticia de infração. A 
autoridade deve agir sob pena de praticar condescendência criminosa prevista no artigo 320 
do CP. 
d) Poder de Polícia
Neste tema é possível constatar facilmente, a presença do binômio ou da bipolaridade do 
regime jurídico administrativo envolvendo as prerrogativas e sujeições. 
O conceito para Hely Lopes Meireles: “poder de policia é a faculdade de que dispõe a 
administração publica para condicionar e restringir o uso e gozo de bens, atividades e direitos 
individuais, em beneficio da coletividade ou do próprio estado”. Para Celso Antonio Bandeira 
de Melo: “O poder de policia condiciona a liberdade e a propriedade em prol do interesse 
público”. O autor entende ainda que não é correto dizer que este poder de policia restringe 
estes direitos, pois a propriedade e a liberdade somadas aos condicionamentos às restrições ao 
poder de policia é que formam o perfil destes direitos. 
O CTN no seu artigo 78, traz um conceito de poder de policia já que seu exercício é um dos 
fatos geradores da taxa. 
Como exemplos práticos do direito de policia, podemos citar as restrições quanto construção 
(lei de zoneamento), alimentos em restaurantes (vigilância sanitária) etc. 
Fundamento 
O poder de policia fundamenta-se na supremacia geral da administração pública sobre os 
administrados. Isso decorre da própria supremacia do interesse público sobre o interesse 
particular. Vale dizer que não é necessário que haja um vinculo especial de sujeição do 
particular administrado para que o poder de polícia seja exercido, ou seja, que o 
administrativo seja empregado, funcionário ou etc, como a autuação de infração de trânsito. 
Meios de Atuação do Poder de Polícia 
O poder de polícia pode ser exercido pelo Poder Legislativo e pelo Poder Executivo. O Poder 
Legislativo cria por lei as chamadas limitações administrativas à propriedade e à liberdade. O 
Poder Executivo, no exercício do poder de polícia, regulamenta as leis e controla sua 
aplicação, quer dizer, expede ora atos normativos, ora atos concretos. 
Os atos concretos podem ser preventivos ou repressivos, conforme se destinem a evitar um 
dano ao interesse público, ou a cessar eventual dano a esse interesse. Assim, como exemplo 
são atos preventivos do poder de polícia a fiscalização e a concessão de licenças e 
autorizações, e são atos repressivos o embargo de obra, a interdição de estabelecimento a 
apreensão de mercadorias deterioradas etc, bem como o exercício do poder de polícia pelo 
executivo também é conhecido como polícia administrativa.
Modernamente, o poder de polícia refere-se aos mais variados setores da administração 
pública, tais como segurança, saúde, educação, meio ambiente, consumidor, patrimônio 
histórico e cultural etc. 
Características ou atributos do poder de polícia 
São atributos ou características do poder de polícia a discricionariedade, a auto 
executoriedade, e a coercibilidade. 
Discricionariedade 
Se considerarmos a atuação do legislativo, é correto dizer que o poder de polícia é 
discricionário, porque na definição do conteúdo da limitação administrativa, o legislador tem 
liberdade de atuação de modo que ele poderá criar uma limitação mais ou menos abrangente, 
conforme entenda ser o razoável para as situações descritas. 
Quanto a atuação do executivo, no mais das vezes, ela é discricionária porque a lei costuma 
dar à autoridade administrativa certa liberdade de atuação, possibilitando, por exemplo, que 
ela escolha qual a sanção que melhor reprima a infração cometida, caso em que a autoridade 
deverá se pautar pelos princípios da proporcionalidade e da razoabilidade em sua atuação. 
Não obstante, existem atos vinculados do poder de polícia, como é o caso da licença para 
construir ou para dirigir. 
A licença deve ser deferida ao administrado que preencher os requisitos legais à sua obtenção, 
não podendo ser negada. Diz-se, então, que a licença tende a direito subjetivo de quem requer. 
A licença contrapõe-se à autorização do poder de polícia porque a autorização é discricionária 
e pode ser negada por razões de interesse público, mesmo que o interessado tenha preenchido 
eventuais requisitos legais, por exemplo, a autorização para porte de arma. Diz-se então, que a 
autorização atende a mero interesse de quem requer. 
Auto executoriedade 
Pela auto executoriedade, a administração pode por em prática as suas decisões por seus 
próprios meios, isto é, diretamente, sem precisar buscar autorização prévia no poder 
judiciário. Assim, por exemplo, ela apreende mercadorias deterioradas, multa fábrica
poluente, interdita estabelecimento etc. Quanto a multa, a administração pode impô-la, mas a 
cobrança depende do ajuizamento de execução, nos termos da lei 6830/80. 
Há quem desdobre o atributo da auto executoriedade em exigibilidade e executoriedade. 
Pela exigibilidade, a administração põe em prática o que decidiu independentemente da 
autorização do judiciário, e pode usar meios indiretos de coação. Ex: notificação do munícipe 
a limpar seu terreno sob pena de multa. 
Pela executoriedade, a administração pode executar diretamente as decisões tomadas, 
podendo até mesmo usar meios diretos de coação, se necessário e na medida do necessário. A 
executoriedade pressupõe a exigibilidade, e por ser mais gravosa do que a exigibilidade só é 
admitida se: 
1) houver previsão legal; 
2) houver razão de urgência que determine a necessidade da medida para o fim de resguardar 
o interesse público. 
Quanto a multa do poder de polícia, ela é exigível, tanto que será cobrada em execução fiscal. 
Todavia, ela não é executória, justamente porque sua cobrança depende de ajuizamento de 
execução. Para quem não desdobrar o atributo da auto executoriedade, a resposta é a de que a 
multa não é auto executória. 
Coercibilidade 
Pela coercibilidade, a administração pode impor coativamente aos administrados as medidas 
adotadas, usando até mesmo de força física, se necessário. A bem da verdade, a coercibilidade 
e a auto executoriedade estão intimamente relacionadas, não podendo ser apartadas. 
Art. 84: Compete privativamente ao Presidente da República: 
IV – sancionar, promulgar e fazer publicar as leis, bem como expedir decretos e regulamentos 
para sua fiel execução; 
Art. 84: Compete privativamente ao Presidente da República: 
VI – dispor, mediante decreto, sobre: 
a) organização e funcionamento da administração federal, quando não implicar aumento de 
despesa nem criação ou extinção de órgãos públicos; 
b) extinção de funções ou cargos públicos, quando vagos. 
Art. 103-A: O Supremo Tribunal Federal poderá, de ofício ou por provocação, mediante 
decisão de dois terços dos seus membros, após reiteradas decisões sobre matéria
constitucional, aprovar súmula que, a partir de sua publicação na imprensa oficial, terá efeito 
vinculante em relação aos demais órgãos do Poder Judiciário e à administração pública direta 
e indireta, nas esferas federal, estadual e municipal, bem como proceder à sua revisão ou 
cancelamento, na forma estabelecida em lei. 
§ 3º Do ato administrativo ou decisão judicial que contrariar a súmula aplicável ou que 
indevidamente a aplicar, caberá reclamação ao Supremo Tribunal Federal que, julgando-a 
procedente, anulará o ato administrativo ou cassará a decisão judicial. 
Condescendência criminosa: Art. 320: Deixar o funcionário, por indulgência, de 
responsabilizar subordinado que cometeu infração no exercício do cargo ou, quando lhe falte 
competência, não levar o fato ao conhecimento da autoridade competente: 
Pena – detenção, de quinze dias a um mês, ou multa. 
Fonte: online.unip.br (acesso exclusivo aos alunos)

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Direito penal slides - power point
Direito penal   slides - power pointDireito penal   slides - power point
Direito penal slides - power pointedgardrey
 
2012.1 semana 10 defeitos do negócio jurídico i
2012.1 semana 10  defeitos do negócio jurídico i2012.1 semana 10  defeitos do negócio jurídico i
2012.1 semana 10 defeitos do negócio jurídico ijacsf_direito
 
Teoria Geral do Processo - UNIPE (slides)
Teoria Geral do Processo - UNIPE (slides)Teoria Geral do Processo - UNIPE (slides)
Teoria Geral do Processo - UNIPE (slides)Rogerio Abreu
 
2012.1 semana 9 negocio juridico
2012.1 semana 9   negocio juridico2012.1 semana 9   negocio juridico
2012.1 semana 9 negocio juridicoNilo Tavares
 
Direito Administrativo - Aula 6 - Contratos
Direito Administrativo - Aula 6 - Contratos Direito Administrativo - Aula 6 - Contratos
Direito Administrativo - Aula 6 - Contratos Daniel Oliveira
 
Aula crime esquema
Aula crime esquemaAula crime esquema
Aula crime esquemaJunior Rocha
 
Aula 1 teoria geral do processo
Aula 1   teoria geral do processoAula 1   teoria geral do processo
Aula 1 teoria geral do processoWesley André
 
Resp estado
Resp estadoResp estado
Resp estadobola33
 
Coletânea de exercícios teoria geral do processo (1)
Coletânea de exercícios teoria geral do processo  (1)Coletânea de exercícios teoria geral do processo  (1)
Coletânea de exercícios teoria geral do processo (1)Leonardo Chagas
 
Remedios constitucionais
Remedios constitucionaisRemedios constitucionais
Remedios constitucionaisDaniele Moura
 
Direito penal parte geral - slides - caderno
Direito penal   parte geral - slides - cadernoDireito penal   parte geral - slides - caderno
Direito penal parte geral - slides - cadernoedgardrey
 
Direito Civil - Parte Geral, Obrigações e Contratos - Prof. Adenilton Valadares
Direito Civil - Parte Geral, Obrigações e Contratos - Prof. Adenilton ValadaresDireito Civil - Parte Geral, Obrigações e Contratos - Prof. Adenilton Valadares
Direito Civil - Parte Geral, Obrigações e Contratos - Prof. Adenilton ValadaresAdenilton Valadares
 
Entendeu direito ou quer que desenhe responsabilidade civil do estado
Entendeu direito ou quer que desenhe   responsabilidade civil do estadoEntendeu direito ou quer que desenhe   responsabilidade civil do estado
Entendeu direito ou quer que desenhe responsabilidade civil do estadoGenani Kovalski
 
Estatuto de Ética e Disciplina da OAB (Deontologia Jurídica)
Estatuto de Ética e Disciplina da OAB (Deontologia Jurídica)Estatuto de Ética e Disciplina da OAB (Deontologia Jurídica)
Estatuto de Ética e Disciplina da OAB (Deontologia Jurídica)Helíssia Coimbra
 
Introdução ao Estudo do Direito (FIG parte 1)
Introdução ao Estudo do Direito (FIG parte 1)Introdução ao Estudo do Direito (FIG parte 1)
Introdução ao Estudo do Direito (FIG parte 1)Elder Leite
 
Direito Administrativo - Bens públicos
Direito Administrativo - Bens públicosDireito Administrativo - Bens públicos
Direito Administrativo - Bens públicosMentor Concursos
 

Mais procurados (20)

Direito penal slides - power point
Direito penal   slides - power pointDireito penal   slides - power point
Direito penal slides - power point
 
2012.1 semana 10 defeitos do negócio jurídico i
2012.1 semana 10  defeitos do negócio jurídico i2012.1 semana 10  defeitos do negócio jurídico i
2012.1 semana 10 defeitos do negócio jurídico i
 
Teoria Geral do Processo - UNIPE (slides)
Teoria Geral do Processo - UNIPE (slides)Teoria Geral do Processo - UNIPE (slides)
Teoria Geral do Processo - UNIPE (slides)
 
2012.1 semana 9 negocio juridico
2012.1 semana 9   negocio juridico2012.1 semana 9   negocio juridico
2012.1 semana 9 negocio juridico
 
Direito Administrativo - Aula 6 - Contratos
Direito Administrativo - Aula 6 - Contratos Direito Administrativo - Aula 6 - Contratos
Direito Administrativo - Aula 6 - Contratos
 
Aula 3
Aula 3Aula 3
Aula 3
 
Aula crime esquema
Aula crime esquemaAula crime esquema
Aula crime esquema
 
Aula 16
Aula 16Aula 16
Aula 16
 
TGP - Introdução
TGP - IntroduçãoTGP - Introdução
TGP - Introdução
 
Civil IV - direitos reais
Civil IV - direitos reaisCivil IV - direitos reais
Civil IV - direitos reais
 
Aula 1 teoria geral do processo
Aula 1   teoria geral do processoAula 1   teoria geral do processo
Aula 1 teoria geral do processo
 
Resp estado
Resp estadoResp estado
Resp estado
 
Coletânea de exercícios teoria geral do processo (1)
Coletânea de exercícios teoria geral do processo  (1)Coletânea de exercícios teoria geral do processo  (1)
Coletânea de exercícios teoria geral do processo (1)
 
Remedios constitucionais
Remedios constitucionaisRemedios constitucionais
Remedios constitucionais
 
Direito penal parte geral - slides - caderno
Direito penal   parte geral - slides - cadernoDireito penal   parte geral - slides - caderno
Direito penal parte geral - slides - caderno
 
Direito Civil - Parte Geral, Obrigações e Contratos - Prof. Adenilton Valadares
Direito Civil - Parte Geral, Obrigações e Contratos - Prof. Adenilton ValadaresDireito Civil - Parte Geral, Obrigações e Contratos - Prof. Adenilton Valadares
Direito Civil - Parte Geral, Obrigações e Contratos - Prof. Adenilton Valadares
 
Entendeu direito ou quer que desenhe responsabilidade civil do estado
Entendeu direito ou quer que desenhe   responsabilidade civil do estadoEntendeu direito ou quer que desenhe   responsabilidade civil do estado
Entendeu direito ou quer que desenhe responsabilidade civil do estado
 
Estatuto de Ética e Disciplina da OAB (Deontologia Jurídica)
Estatuto de Ética e Disciplina da OAB (Deontologia Jurídica)Estatuto de Ética e Disciplina da OAB (Deontologia Jurídica)
Estatuto de Ética e Disciplina da OAB (Deontologia Jurídica)
 
Introdução ao Estudo do Direito (FIG parte 1)
Introdução ao Estudo do Direito (FIG parte 1)Introdução ao Estudo do Direito (FIG parte 1)
Introdução ao Estudo do Direito (FIG parte 1)
 
Direito Administrativo - Bens públicos
Direito Administrativo - Bens públicosDireito Administrativo - Bens públicos
Direito Administrativo - Bens públicos
 

Semelhante a Poderes Administrativos

4 poderes administrativos.docx
4   poderes administrativos.docx4   poderes administrativos.docx
4 poderes administrativos.docxRobson Barbosa
 
Apostila de Poderes Administrativos (Direito Administrativo)
Apostila de Poderes Administrativos (Direito Administrativo)Apostila de Poderes Administrativos (Direito Administrativo)
Apostila de Poderes Administrativos (Direito Administrativo)Alex Mendes
 
Preparatório OAB - USJT - Material de apoio - Direito Administrativo - 1ª parte
Preparatório OAB - USJT - Material de apoio - Direito Administrativo - 1ª partePreparatório OAB - USJT - Material de apoio - Direito Administrativo - 1ª parte
Preparatório OAB - USJT - Material de apoio - Direito Administrativo - 1ª parteCarlos José Teixeira Toledo
 
Direito Administrativo - aula 7 - Poderes da administração
Direito Administrativo - aula 7 - Poderes da administraçãoDireito Administrativo - aula 7 - Poderes da administração
Direito Administrativo - aula 7 - Poderes da administraçãoCarlos José Teixeira Toledo
 
Apostila inss-2015-dtoadministrativo-cristianodesouza
Apostila inss-2015-dtoadministrativo-cristianodesouzaApostila inss-2015-dtoadministrativo-cristianodesouza
Apostila inss-2015-dtoadministrativo-cristianodesouzaSUZANE LOBATO
 
Direito administrativo resumo
Direito administrativo resumoDireito administrativo resumo
Direito administrativo resumoJoão Ricardo
 
Direito administrativo
Direito administrativoDireito administrativo
Direito administrativokamyllaltf
 
Direito administrtivo resumão
Direito administrtivo   resumãoDireito administrtivo   resumão
Direito administrtivo resumãoPaula Tavares
 
Resumão de direito administrativo
Resumão de direito administrativoResumão de direito administrativo
Resumão de direito administrativoSharlene Bonfim
 
Resumo direito administrativo
Resumo   direito administrativoResumo   direito administrativo
Resumo direito administrativoRaquel Oliveira
 
Noções de d. constitucional
Noções de d. constitucionalNoções de d. constitucional
Noções de d. constitucionalRaphaella Castro
 
Resumo Poderes Administrativos | prof. João Paulo
Resumo Poderes Administrativos | prof. João PauloResumo Poderes Administrativos | prof. João Paulo
Resumo Poderes Administrativos | prof. João PauloIsabelly Sarmento
 

Semelhante a Poderes Administrativos (20)

Dir Adm Ponto Marcelo Alexandrino ExercíCios 06
Dir Adm   Ponto   Marcelo Alexandrino   ExercíCios 06Dir Adm   Ponto   Marcelo Alexandrino   ExercíCios 06
Dir Adm Ponto Marcelo Alexandrino ExercíCios 06
 
4 poderes administrativos.docx
4   poderes administrativos.docx4   poderes administrativos.docx
4 poderes administrativos.docx
 
Apostila de Poderes Administrativos (Direito Administrativo)
Apostila de Poderes Administrativos (Direito Administrativo)Apostila de Poderes Administrativos (Direito Administrativo)
Apostila de Poderes Administrativos (Direito Administrativo)
 
Preparatório OAB - USJT - Material de apoio - Direito Administrativo - 1ª parte
Preparatório OAB - USJT - Material de apoio - Direito Administrativo - 1ª partePreparatório OAB - USJT - Material de apoio - Direito Administrativo - 1ª parte
Preparatório OAB - USJT - Material de apoio - Direito Administrativo - 1ª parte
 
Direito Administrativo - aula 7 - Poderes da administração
Direito Administrativo - aula 7 - Poderes da administraçãoDireito Administrativo - aula 7 - Poderes da administração
Direito Administrativo - aula 7 - Poderes da administração
 
Apostila inss-2015-dtoadministrativo-cristianodesouza
Apostila inss-2015-dtoadministrativo-cristianodesouzaApostila inss-2015-dtoadministrativo-cristianodesouza
Apostila inss-2015-dtoadministrativo-cristianodesouza
 
Casa administrativo
Casa   administrativoCasa   administrativo
Casa administrativo
 
Direito administrativo resumo
Direito administrativo resumoDireito administrativo resumo
Direito administrativo resumo
 
Direito administrativo
Direito administrativoDireito administrativo
Direito administrativo
 
Poderes da adminitração pública.tre
Poderes da adminitração pública.trePoderes da adminitração pública.tre
Poderes da adminitração pública.tre
 
Direitoadministrativo
DireitoadministrativoDireitoadministrativo
Direitoadministrativo
 
Direito administrtivo resumão
Direito administrtivo   resumãoDireito administrtivo   resumão
Direito administrtivo resumão
 
Noções de administrativo
Noções de administrativoNoções de administrativo
Noções de administrativo
 
Administrativo
AdministrativoAdministrativo
Administrativo
 
Resumão de direito administrativo
Resumão de direito administrativoResumão de direito administrativo
Resumão de direito administrativo
 
Resumo direito administrativo
Resumo   direito administrativoResumo   direito administrativo
Resumo direito administrativo
 
Direito adm
Direito admDireito adm
Direito adm
 
Noções de d. constitucional
Noções de d. constitucionalNoções de d. constitucional
Noções de d. constitucional
 
Administrativo
AdministrativoAdministrativo
Administrativo
 
Resumo Poderes Administrativos | prof. João Paulo
Resumo Poderes Administrativos | prof. João PauloResumo Poderes Administrativos | prof. João Paulo
Resumo Poderes Administrativos | prof. João Paulo
 

Mais de Junior Ozono

A LIBERDADE DE EXPRESSÃO NA INTERNET: O EXERCÍCIO DESSE DIREITO FUNDAMENTAL F...
A LIBERDADE DE EXPRESSÃO NA INTERNET: O EXERCÍCIO DESSE DIREITO FUNDAMENTAL F...A LIBERDADE DE EXPRESSÃO NA INTERNET: O EXERCÍCIO DESSE DIREITO FUNDAMENTAL F...
A LIBERDADE DE EXPRESSÃO NA INTERNET: O EXERCÍCIO DESSE DIREITO FUNDAMENTAL F...Junior Ozono
 
Intervenção de Terceiros e Assistência
Intervenção de Terceiros e AssistênciaIntervenção de Terceiros e Assistência
Intervenção de Terceiros e AssistênciaJunior Ozono
 
Intervenção de Terceiros
Intervenção de TerceirosIntervenção de Terceiros
Intervenção de TerceirosJunior Ozono
 
Responsabilidade Civil Extracontratual
Responsabilidade Civil ExtracontratualResponsabilidade Civil Extracontratual
Responsabilidade Civil ExtracontratualJunior Ozono
 
Danos Ambientais e Nucleares, Danos aos Direitos Autorais, Responsabilidade C...
Danos Ambientais e Nucleares, Danos aos Direitos Autorais, Responsabilidade C...Danos Ambientais e Nucleares, Danos aos Direitos Autorais, Responsabilidade C...
Danos Ambientais e Nucleares, Danos aos Direitos Autorais, Responsabilidade C...Junior Ozono
 
Das Nulidades Processuais
Das Nulidades ProcessuaisDas Nulidades Processuais
Das Nulidades ProcessuaisJunior Ozono
 
Dos Atos Processuais
Dos Atos ProcessuaisDos Atos Processuais
Dos Atos ProcessuaisJunior Ozono
 
Elementares e Circunstâncias em Aplicação da Pena
Elementares e Circunstâncias em Aplicação da PenaElementares e Circunstâncias em Aplicação da Pena
Elementares e Circunstâncias em Aplicação da PenaJunior Ozono
 
Responsabilidade Civil Extracontratual
Responsabilidade Civil ExtracontratualResponsabilidade Civil Extracontratual
Responsabilidade Civil ExtracontratualJunior Ozono
 
Eficácia das Normas Constitucionais
Eficácia das Normas ConstitucionaisEficácia das Normas Constitucionais
Eficácia das Normas ConstitucionaisJunior Ozono
 
Contratos Administrativos
Contratos AdministrativosContratos Administrativos
Contratos AdministrativosJunior Ozono
 
Das Obrigações Divisíveis e Indivisíveis
Das Obrigações Divisíveis e IndivisíveisDas Obrigações Divisíveis e Indivisíveis
Das Obrigações Divisíveis e IndivisíveisJunior Ozono
 
Noções Gerais de Direito Administrativo
Noções Gerais de Direito AdministrativoNoções Gerais de Direito Administrativo
Noções Gerais de Direito AdministrativoJunior Ozono
 
A introjeção do racismo e a não identidade étnica e racial do negro brasileiro
A introjeção do racismo e a não identidade étnica e racial do negro brasileiroA introjeção do racismo e a não identidade étnica e racial do negro brasileiro
A introjeção do racismo e a não identidade étnica e racial do negro brasileiroJunior Ozono
 
Relações Étnico Raciais
Relações Étnico RaciaisRelações Étnico Raciais
Relações Étnico RaciaisJunior Ozono
 
A questão de Raça e Etnia
A questão de Raça e EtniaA questão de Raça e Etnia
A questão de Raça e EtniaJunior Ozono
 
Hermenêutica Constitucional
Hermenêutica ConstitucionalHermenêutica Constitucional
Hermenêutica ConstitucionalJunior Ozono
 

Mais de Junior Ozono (20)

A LIBERDADE DE EXPRESSÃO NA INTERNET: O EXERCÍCIO DESSE DIREITO FUNDAMENTAL F...
A LIBERDADE DE EXPRESSÃO NA INTERNET: O EXERCÍCIO DESSE DIREITO FUNDAMENTAL F...A LIBERDADE DE EXPRESSÃO NA INTERNET: O EXERCÍCIO DESSE DIREITO FUNDAMENTAL F...
A LIBERDADE DE EXPRESSÃO NA INTERNET: O EXERCÍCIO DESSE DIREITO FUNDAMENTAL F...
 
Intervenção de Terceiros e Assistência
Intervenção de Terceiros e AssistênciaIntervenção de Terceiros e Assistência
Intervenção de Terceiros e Assistência
 
Intervenção de Terceiros
Intervenção de TerceirosIntervenção de Terceiros
Intervenção de Terceiros
 
Responsabilidade Civil Extracontratual
Responsabilidade Civil ExtracontratualResponsabilidade Civil Extracontratual
Responsabilidade Civil Extracontratual
 
Litisconsórcio
LitisconsórcioLitisconsórcio
Litisconsórcio
 
Danos Ambientais e Nucleares, Danos aos Direitos Autorais, Responsabilidade C...
Danos Ambientais e Nucleares, Danos aos Direitos Autorais, Responsabilidade C...Danos Ambientais e Nucleares, Danos aos Direitos Autorais, Responsabilidade C...
Danos Ambientais e Nucleares, Danos aos Direitos Autorais, Responsabilidade C...
 
Das Nulidades Processuais
Das Nulidades ProcessuaisDas Nulidades Processuais
Das Nulidades Processuais
 
Dos Atos Processuais
Dos Atos ProcessuaisDos Atos Processuais
Dos Atos Processuais
 
Elementares e Circunstâncias em Aplicação da Pena
Elementares e Circunstâncias em Aplicação da PenaElementares e Circunstâncias em Aplicação da Pena
Elementares e Circunstâncias em Aplicação da Pena
 
Responsabilidade Civil Extracontratual
Responsabilidade Civil ExtracontratualResponsabilidade Civil Extracontratual
Responsabilidade Civil Extracontratual
 
Eficácia das Normas Constitucionais
Eficácia das Normas ConstitucionaisEficácia das Normas Constitucionais
Eficácia das Normas Constitucionais
 
Contratos Administrativos
Contratos AdministrativosContratos Administrativos
Contratos Administrativos
 
Das Obrigações Divisíveis e Indivisíveis
Das Obrigações Divisíveis e IndivisíveisDas Obrigações Divisíveis e Indivisíveis
Das Obrigações Divisíveis e Indivisíveis
 
Noções Gerais de Direito Administrativo
Noções Gerais de Direito AdministrativoNoções Gerais de Direito Administrativo
Noções Gerais de Direito Administrativo
 
A introjeção do racismo e a não identidade étnica e racial do negro brasileiro
A introjeção do racismo e a não identidade étnica e racial do negro brasileiroA introjeção do racismo e a não identidade étnica e racial do negro brasileiro
A introjeção do racismo e a não identidade étnica e racial do negro brasileiro
 
Relações Étnico Raciais
Relações Étnico RaciaisRelações Étnico Raciais
Relações Étnico Raciais
 
A questão de Raça e Etnia
A questão de Raça e EtniaA questão de Raça e Etnia
A questão de Raça e Etnia
 
Nota Promissória
Nota PromissóriaNota Promissória
Nota Promissória
 
Abuso de Direito
Abuso de DireitoAbuso de Direito
Abuso de Direito
 
Hermenêutica Constitucional
Hermenêutica ConstitucionalHermenêutica Constitucional
Hermenêutica Constitucional
 

Último

Formação T.2 do Modulo I da Formação HTML & CSS
Formação T.2 do Modulo I da Formação HTML & CSSFormação T.2 do Modulo I da Formação HTML & CSS
Formação T.2 do Modulo I da Formação HTML & CSSPedroMatos469278
 
Periodo da escravidAo O Brasil tem seu corpo na América e sua alma na África
Periodo da escravidAo O Brasil tem seu corpo na América e sua alma na ÁfricaPeriodo da escravidAo O Brasil tem seu corpo na América e sua alma na África
Periodo da escravidAo O Brasil tem seu corpo na América e sua alma na Áfricajuekfuek
 
1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf
1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf
1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdfaulasgege
 
Apresentação sobre Robots e processos educativos
Apresentação sobre Robots e processos educativosApresentação sobre Robots e processos educativos
Apresentação sobre Robots e processos educativosFernanda Ledesma
 
Edital do processo seletivo para contratação de agentes de saúde em Floresta, PE
Edital do processo seletivo para contratação de agentes de saúde em Floresta, PEEdital do processo seletivo para contratação de agentes de saúde em Floresta, PE
Edital do processo seletivo para contratação de agentes de saúde em Floresta, PEblogdoelvis
 
Modelos de Inteligencia Emocional segundo diversos autores
Modelos de Inteligencia Emocional segundo diversos autoresModelos de Inteligencia Emocional segundo diversos autores
Modelos de Inteligencia Emocional segundo diversos autoresAna Isabel Correia
 
Testes de avaliação português 6º ano .pdf
Testes de avaliação português 6º ano .pdfTestes de avaliação português 6º ano .pdf
Testes de avaliação português 6º ano .pdfCsarBaltazar1
 
425416820-Testes-7º-Ano-Leandro-Rei-Da-Heliria-Com-Solucoes.pdf
425416820-Testes-7º-Ano-Leandro-Rei-Da-Heliria-Com-Solucoes.pdf425416820-Testes-7º-Ano-Leandro-Rei-Da-Heliria-Com-Solucoes.pdf
425416820-Testes-7º-Ano-Leandro-Rei-Da-Heliria-Com-Solucoes.pdfCarinaSofiaDiasBoteq
 
Acróstico - Maio Laranja
Acróstico  - Maio Laranja Acróstico  - Maio Laranja
Acróstico - Maio Laranja Mary Alvarenga
 
Slides Lição 7, Betel, Ordenança para uma vida de fidelidade e lealdade, 2Tr2...
Slides Lição 7, Betel, Ordenança para uma vida de fidelidade e lealdade, 2Tr2...Slides Lição 7, Betel, Ordenança para uma vida de fidelidade e lealdade, 2Tr2...
Slides Lição 7, Betel, Ordenança para uma vida de fidelidade e lealdade, 2Tr2...LuizHenriquedeAlmeid6
 
Livro infantil: A onda da raiva. pdf-crianças
Livro infantil: A onda da raiva. pdf-criançasLivro infantil: A onda da raiva. pdf-crianças
Livro infantil: A onda da raiva. pdf-criançasMonizeEvellin2
 
SQL Parte 1 - Criação de Banco de Dados.pdf
SQL Parte 1 - Criação de Banco de Dados.pdfSQL Parte 1 - Criação de Banco de Dados.pdf
SQL Parte 1 - Criação de Banco de Dados.pdfAndersonW5
 
Aspectos históricos da educação dos surdos.pptx
Aspectos históricos da educação dos surdos.pptxAspectos históricos da educação dos surdos.pptx
Aspectos históricos da educação dos surdos.pptxprofbrunogeo95
 
APRENDA COMO USAR CONJUNÇÕES COORDENATIVAS
APRENDA COMO USAR CONJUNÇÕES COORDENATIVASAPRENDA COMO USAR CONJUNÇÕES COORDENATIVAS
APRENDA COMO USAR CONJUNÇÕES COORDENATIVASricardo644666
 
Sequência didática Carona 1º Encontro.pptx
Sequência didática Carona 1º Encontro.pptxSequência didática Carona 1º Encontro.pptx
Sequência didática Carona 1º Encontro.pptxCarolineWaitman
 
transcrição fonética para aulas de língua
transcrição fonética para aulas de línguatranscrição fonética para aulas de língua
transcrição fonética para aulas de línguaKelly Mendes
 
Slides Lição 07, Central Gospel, As Duas Testemunhas Do Final Dos Tempos.pptx
Slides Lição 07, Central Gospel, As Duas Testemunhas Do Final Dos Tempos.pptxSlides Lição 07, Central Gospel, As Duas Testemunhas Do Final Dos Tempos.pptx
Slides Lição 07, Central Gospel, As Duas Testemunhas Do Final Dos Tempos.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 
ROTINA DE ESTUDO-APOSTILA ESTUDO ORIENTADO.pdf
ROTINA DE ESTUDO-APOSTILA ESTUDO ORIENTADO.pdfROTINA DE ESTUDO-APOSTILA ESTUDO ORIENTADO.pdf
ROTINA DE ESTUDO-APOSTILA ESTUDO ORIENTADO.pdfMarcianaClaudioClaud
 
472037515-Coelho-Nelly-Novaes-Literatura-Infantil-teoria-analise-e-didatica-p...
472037515-Coelho-Nelly-Novaes-Literatura-Infantil-teoria-analise-e-didatica-p...472037515-Coelho-Nelly-Novaes-Literatura-Infantil-teoria-analise-e-didatica-p...
472037515-Coelho-Nelly-Novaes-Literatura-Infantil-teoria-analise-e-didatica-p...GisellySobral
 

Último (20)

Formação T.2 do Modulo I da Formação HTML & CSS
Formação T.2 do Modulo I da Formação HTML & CSSFormação T.2 do Modulo I da Formação HTML & CSS
Formação T.2 do Modulo I da Formação HTML & CSS
 
Periodo da escravidAo O Brasil tem seu corpo na América e sua alma na África
Periodo da escravidAo O Brasil tem seu corpo na América e sua alma na ÁfricaPeriodo da escravidAo O Brasil tem seu corpo na América e sua alma na África
Periodo da escravidAo O Brasil tem seu corpo na América e sua alma na África
 
1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf
1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf
1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf
 
Apresentação sobre Robots e processos educativos
Apresentação sobre Robots e processos educativosApresentação sobre Robots e processos educativos
Apresentação sobre Robots e processos educativos
 
Edital do processo seletivo para contratação de agentes de saúde em Floresta, PE
Edital do processo seletivo para contratação de agentes de saúde em Floresta, PEEdital do processo seletivo para contratação de agentes de saúde em Floresta, PE
Edital do processo seletivo para contratação de agentes de saúde em Floresta, PE
 
Modelos de Inteligencia Emocional segundo diversos autores
Modelos de Inteligencia Emocional segundo diversos autoresModelos de Inteligencia Emocional segundo diversos autores
Modelos de Inteligencia Emocional segundo diversos autores
 
Testes de avaliação português 6º ano .pdf
Testes de avaliação português 6º ano .pdfTestes de avaliação português 6º ano .pdf
Testes de avaliação português 6º ano .pdf
 
425416820-Testes-7º-Ano-Leandro-Rei-Da-Heliria-Com-Solucoes.pdf
425416820-Testes-7º-Ano-Leandro-Rei-Da-Heliria-Com-Solucoes.pdf425416820-Testes-7º-Ano-Leandro-Rei-Da-Heliria-Com-Solucoes.pdf
425416820-Testes-7º-Ano-Leandro-Rei-Da-Heliria-Com-Solucoes.pdf
 
Acróstico - Maio Laranja
Acróstico  - Maio Laranja Acróstico  - Maio Laranja
Acróstico - Maio Laranja
 
Slides Lição 7, Betel, Ordenança para uma vida de fidelidade e lealdade, 2Tr2...
Slides Lição 7, Betel, Ordenança para uma vida de fidelidade e lealdade, 2Tr2...Slides Lição 7, Betel, Ordenança para uma vida de fidelidade e lealdade, 2Tr2...
Slides Lição 7, Betel, Ordenança para uma vida de fidelidade e lealdade, 2Tr2...
 
Livro infantil: A onda da raiva. pdf-crianças
Livro infantil: A onda da raiva. pdf-criançasLivro infantil: A onda da raiva. pdf-crianças
Livro infantil: A onda da raiva. pdf-crianças
 
SQL Parte 1 - Criação de Banco de Dados.pdf
SQL Parte 1 - Criação de Banco de Dados.pdfSQL Parte 1 - Criação de Banco de Dados.pdf
SQL Parte 1 - Criação de Banco de Dados.pdf
 
Aspectos históricos da educação dos surdos.pptx
Aspectos históricos da educação dos surdos.pptxAspectos históricos da educação dos surdos.pptx
Aspectos históricos da educação dos surdos.pptx
 
APRENDA COMO USAR CONJUNÇÕES COORDENATIVAS
APRENDA COMO USAR CONJUNÇÕES COORDENATIVASAPRENDA COMO USAR CONJUNÇÕES COORDENATIVAS
APRENDA COMO USAR CONJUNÇÕES COORDENATIVAS
 
Sequência didática Carona 1º Encontro.pptx
Sequência didática Carona 1º Encontro.pptxSequência didática Carona 1º Encontro.pptx
Sequência didática Carona 1º Encontro.pptx
 
transcrição fonética para aulas de língua
transcrição fonética para aulas de línguatranscrição fonética para aulas de língua
transcrição fonética para aulas de língua
 
Slides Lição 07, Central Gospel, As Duas Testemunhas Do Final Dos Tempos.pptx
Slides Lição 07, Central Gospel, As Duas Testemunhas Do Final Dos Tempos.pptxSlides Lição 07, Central Gospel, As Duas Testemunhas Do Final Dos Tempos.pptx
Slides Lição 07, Central Gospel, As Duas Testemunhas Do Final Dos Tempos.pptx
 
ROTINA DE ESTUDO-APOSTILA ESTUDO ORIENTADO.pdf
ROTINA DE ESTUDO-APOSTILA ESTUDO ORIENTADO.pdfROTINA DE ESTUDO-APOSTILA ESTUDO ORIENTADO.pdf
ROTINA DE ESTUDO-APOSTILA ESTUDO ORIENTADO.pdf
 
Poema - Maio Laranja
Poema - Maio Laranja Poema - Maio Laranja
Poema - Maio Laranja
 
472037515-Coelho-Nelly-Novaes-Literatura-Infantil-teoria-analise-e-didatica-p...
472037515-Coelho-Nelly-Novaes-Literatura-Infantil-teoria-analise-e-didatica-p...472037515-Coelho-Nelly-Novaes-Literatura-Infantil-teoria-analise-e-didatica-p...
472037515-Coelho-Nelly-Novaes-Literatura-Infantil-teoria-analise-e-didatica-p...
 

Poderes Administrativos

  • 1. Poderes Administrativos Modernamente tem sido utilizada a expressão deveres administrativos ou ainda poderes-deveres e deveres-poderes, para deixar claro que a administração só é dotada de poderes porque tem o dever de atuar, de exercer a função administrativa para o fim de atender ao interesse público. Os poderes-deveres são verdadeiros instrumentais para a defesa do interesse público. Os poderes administrativos são: - poder normativo; - poder hierárquico; - poder disciplinar; e - poder de polícia. A doutrina tradicional ainda menciona o poder vinculado e o poder discricionário. Todavia, entendemos que não existe um poder totalmente vinculado ou discricionário, mas sim atos vinculados e atos discricionários praticados com fundamento nos outros poderes, daí, não iremos seguir tal abordagem. a) Poder Normativo Alguns autores mencionam poder regulamentar em vez de poder normativo. É preferível falar em poder normativo porque o regulamento é apenas uma espécie de ato normativo já que convive com outros atos normativos, como resoluções, portarias, regimentos, instruções etc. De modo que, a expressão poder normativo é mais abrangente e adequada. O poder normativo é o destinado a prática dos atos normativos. Os atos normativos instituem regras gerais e abstratas, aliás, nesse ponto assemelham-se às leis. No entanto, os atos normativos diferenciam-se das leis porque não inovam inicialmente no mundo jurídico já que nos termos do art. 5º, II da CF, são as leis que criam direitos e obrigações. O regulamento é o ato normativo mais importante porque é de competência exclusiva dos chefes do poder executivo nas diversas esferas de governo (Presidente da República, governadores e prefeitos). O regulamento é veiculado pelo decreto, quer dizer, o regulamento é o conteúdo do ato e o decreto é a forma do ato. A propósito, decreto é a forma pela qual são veiculados, exteriorizados os atos praticados pelos chefes do poder executivo, sejam normativos ou
  • 2. concretos. Ex: decreto regulamentar (ato normativo), decreto de desapropriação (ato concreto). Em doutrina, costuma-se classificar o regulamento em: 1º) regulamento autônomo ou independente; 2º) regulamento executivo ou para fiel execução das leis. O regulamento autônomo ou independente não se fundamenta em lei prévia e, por isso, inova inicialmente a ordem jurídica. O regulamento executivo ou para fiel execução das leis, fundamenta-se em lei anterior e é destinado a explicitá-la. Nos países em que se admite o regulamento autônomo ou independente, ele só pode tratar de matéria organizativa ou de supremacia especial, quer dizer, ele pode dispor sobre a organização da administração pública ou então estabelecer regras a quem tem um vínculo diferenciado com a Administração Pública, tal como ocorre com os contratados, ou seja, o regulamento autônomo não poderá dispor sobre matéria de supremacia geral submetendo todos os cidadãos. No Brasil, apesar das divergências, tem prevalecido o entendimento de que o regulamento existente é o executivo ou para fiel execução das leis, conforme art. 84, IV da CF. A partir da EC/32 de 2001, alguns autores (Maria Sylvia Zanella di Pietro) passaram a defender a existência de regulamento autônomo no direito brasileiro, em matéria organizativa já que o presidente da república passou a ter competência para dispor mediante decreto sobre organização e funcionamento da Administração Federal quando não implicar aumento de despesa nem criação ou extinção de órgãos públicos (art. 84, VI, a da CF). Diante do exposto, conclui-se que o regulamento regra no Brasil é o executivo, então é preciso entender o que significa explicitar a lei, que é a função do regulamento executivo. b) Poder Hierárquico Os órgãos e os agentes públicos estão estruturados de modo a ensejar uma relação de coordenação e subordinação entre eles num relacionamento de superior a subalterno. Para Celso Antonio Bandeira de Melo “a hierarquia pode ser definida como o vínculo de autoridade que une órgãos e agentes, através de escalões sucessivos, numa relação de autoridade, de superior a inferior, de hierarca a subalterno”. Da hierarquia decorrem alguns poderes para o superior hierárquico: 1) de editar atos normativos de efeitos apenas internos, tais como resoluções, portarias, instruções;
  • 3. 2) de dar ordens e ser obedecido pelos subordinados, salvo as ordens manifestamente ilegais, como por exemplo, a ordem dada a carcereiro para torturar preso; 3) de fiscalizar os atos do subordinado, podendo anular os atos ilegais e revogar os atos legais por razões de conveniência e oportunidade; 4) de punir o subordinado que pratique infração administrativa. A hierarquia não existe no poder legislativo e no poder judiciário no que se refere às funções típicas de tais poderes que são, respectivamente, a de legislar e a de julgar. Não obstante, a partir da EC 45/04, alguns, como MSZDP, passaram a admitir a existência e hierarquia parcial na função jurisdicional porque, nos termos do art.103-A e §3º da CF, caso o magistrado decida contrariamente a súmula vinculante ou indevidamente a aplique, cabe reclamação no STF que, julgando-a procedente, cassará a decisão judicial e determinará que outra seja proferida com ou sem a aplicação da súmula, conforme o caso. A propósito, a súmula vinculante não obriga só o poder judiciário a sua observância, mas também a administração pública direta e indireta em todas as esferas de governo, cabendo reclamação para atacar ato administrativo que contrariar a súmula ou que indevidamente a aplicar, e o STF julgando-a procedente, anulará o ato administrativo, nos termos do art. 103-A e §3º da CF. c) Poder disciplinar É o que credencia a administração a apurar as infrações cometidas pelos agentes públicos e por demais pessoas submetidas a disciplina administrativa, tal como ocorre com os contratados. No que se refere aos agentes públicos, notadamente os servidores públicos, o poder disciplinar decorre do hierárquico. Eventual punição de alguém não submetido a disciplina administrativa tem fundamento no poder de polícia. Ex.: imposição de multa ao estabelecimento poluente, ao motorista infrator etc. Costuma-se dizer que o poder disciplinar é discricionário, o que deve ser entendido nos seus exatos termos. Primeiramente é preciso saber o que isso não significa. Dizer que o poder disciplinar é discricionário não significa que exista liberdade para a autoridade escolher entre agir ou deixar de agir para apurar a infração cometida diante da noticia de infração. A autoridade deve agir sob pena de praticar condescendência criminosa prevista no artigo 320 do CP. d) Poder de Polícia
  • 4. Neste tema é possível constatar facilmente, a presença do binômio ou da bipolaridade do regime jurídico administrativo envolvendo as prerrogativas e sujeições. O conceito para Hely Lopes Meireles: “poder de policia é a faculdade de que dispõe a administração publica para condicionar e restringir o uso e gozo de bens, atividades e direitos individuais, em beneficio da coletividade ou do próprio estado”. Para Celso Antonio Bandeira de Melo: “O poder de policia condiciona a liberdade e a propriedade em prol do interesse público”. O autor entende ainda que não é correto dizer que este poder de policia restringe estes direitos, pois a propriedade e a liberdade somadas aos condicionamentos às restrições ao poder de policia é que formam o perfil destes direitos. O CTN no seu artigo 78, traz um conceito de poder de policia já que seu exercício é um dos fatos geradores da taxa. Como exemplos práticos do direito de policia, podemos citar as restrições quanto construção (lei de zoneamento), alimentos em restaurantes (vigilância sanitária) etc. Fundamento O poder de policia fundamenta-se na supremacia geral da administração pública sobre os administrados. Isso decorre da própria supremacia do interesse público sobre o interesse particular. Vale dizer que não é necessário que haja um vinculo especial de sujeição do particular administrado para que o poder de polícia seja exercido, ou seja, que o administrativo seja empregado, funcionário ou etc, como a autuação de infração de trânsito. Meios de Atuação do Poder de Polícia O poder de polícia pode ser exercido pelo Poder Legislativo e pelo Poder Executivo. O Poder Legislativo cria por lei as chamadas limitações administrativas à propriedade e à liberdade. O Poder Executivo, no exercício do poder de polícia, regulamenta as leis e controla sua aplicação, quer dizer, expede ora atos normativos, ora atos concretos. Os atos concretos podem ser preventivos ou repressivos, conforme se destinem a evitar um dano ao interesse público, ou a cessar eventual dano a esse interesse. Assim, como exemplo são atos preventivos do poder de polícia a fiscalização e a concessão de licenças e autorizações, e são atos repressivos o embargo de obra, a interdição de estabelecimento a apreensão de mercadorias deterioradas etc, bem como o exercício do poder de polícia pelo executivo também é conhecido como polícia administrativa.
  • 5. Modernamente, o poder de polícia refere-se aos mais variados setores da administração pública, tais como segurança, saúde, educação, meio ambiente, consumidor, patrimônio histórico e cultural etc. Características ou atributos do poder de polícia São atributos ou características do poder de polícia a discricionariedade, a auto executoriedade, e a coercibilidade. Discricionariedade Se considerarmos a atuação do legislativo, é correto dizer que o poder de polícia é discricionário, porque na definição do conteúdo da limitação administrativa, o legislador tem liberdade de atuação de modo que ele poderá criar uma limitação mais ou menos abrangente, conforme entenda ser o razoável para as situações descritas. Quanto a atuação do executivo, no mais das vezes, ela é discricionária porque a lei costuma dar à autoridade administrativa certa liberdade de atuação, possibilitando, por exemplo, que ela escolha qual a sanção que melhor reprima a infração cometida, caso em que a autoridade deverá se pautar pelos princípios da proporcionalidade e da razoabilidade em sua atuação. Não obstante, existem atos vinculados do poder de polícia, como é o caso da licença para construir ou para dirigir. A licença deve ser deferida ao administrado que preencher os requisitos legais à sua obtenção, não podendo ser negada. Diz-se, então, que a licença tende a direito subjetivo de quem requer. A licença contrapõe-se à autorização do poder de polícia porque a autorização é discricionária e pode ser negada por razões de interesse público, mesmo que o interessado tenha preenchido eventuais requisitos legais, por exemplo, a autorização para porte de arma. Diz-se então, que a autorização atende a mero interesse de quem requer. Auto executoriedade Pela auto executoriedade, a administração pode por em prática as suas decisões por seus próprios meios, isto é, diretamente, sem precisar buscar autorização prévia no poder judiciário. Assim, por exemplo, ela apreende mercadorias deterioradas, multa fábrica
  • 6. poluente, interdita estabelecimento etc. Quanto a multa, a administração pode impô-la, mas a cobrança depende do ajuizamento de execução, nos termos da lei 6830/80. Há quem desdobre o atributo da auto executoriedade em exigibilidade e executoriedade. Pela exigibilidade, a administração põe em prática o que decidiu independentemente da autorização do judiciário, e pode usar meios indiretos de coação. Ex: notificação do munícipe a limpar seu terreno sob pena de multa. Pela executoriedade, a administração pode executar diretamente as decisões tomadas, podendo até mesmo usar meios diretos de coação, se necessário e na medida do necessário. A executoriedade pressupõe a exigibilidade, e por ser mais gravosa do que a exigibilidade só é admitida se: 1) houver previsão legal; 2) houver razão de urgência que determine a necessidade da medida para o fim de resguardar o interesse público. Quanto a multa do poder de polícia, ela é exigível, tanto que será cobrada em execução fiscal. Todavia, ela não é executória, justamente porque sua cobrança depende de ajuizamento de execução. Para quem não desdobrar o atributo da auto executoriedade, a resposta é a de que a multa não é auto executória. Coercibilidade Pela coercibilidade, a administração pode impor coativamente aos administrados as medidas adotadas, usando até mesmo de força física, se necessário. A bem da verdade, a coercibilidade e a auto executoriedade estão intimamente relacionadas, não podendo ser apartadas. Art. 84: Compete privativamente ao Presidente da República: IV – sancionar, promulgar e fazer publicar as leis, bem como expedir decretos e regulamentos para sua fiel execução; Art. 84: Compete privativamente ao Presidente da República: VI – dispor, mediante decreto, sobre: a) organização e funcionamento da administração federal, quando não implicar aumento de despesa nem criação ou extinção de órgãos públicos; b) extinção de funções ou cargos públicos, quando vagos. Art. 103-A: O Supremo Tribunal Federal poderá, de ofício ou por provocação, mediante decisão de dois terços dos seus membros, após reiteradas decisões sobre matéria
  • 7. constitucional, aprovar súmula que, a partir de sua publicação na imprensa oficial, terá efeito vinculante em relação aos demais órgãos do Poder Judiciário e à administração pública direta e indireta, nas esferas federal, estadual e municipal, bem como proceder à sua revisão ou cancelamento, na forma estabelecida em lei. § 3º Do ato administrativo ou decisão judicial que contrariar a súmula aplicável ou que indevidamente a aplicar, caberá reclamação ao Supremo Tribunal Federal que, julgando-a procedente, anulará o ato administrativo ou cassará a decisão judicial. Condescendência criminosa: Art. 320: Deixar o funcionário, por indulgência, de responsabilizar subordinado que cometeu infração no exercício do cargo ou, quando lhe falte competência, não levar o fato ao conhecimento da autoridade competente: Pena – detenção, de quinze dias a um mês, ou multa. Fonte: online.unip.br (acesso exclusivo aos alunos)