Industriali. brasilei. (2012)

404 visualizações

Publicada em

Formação da economia brasileira

0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
404
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
2
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
10
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Industriali. brasilei. (2012)

  1. 1. Industrialização Brasileira Geografia do Brasil Profº J. R. Messias
  2. 2. Origens da industrialização ● ● Início incipiente na 2ª metade do século XIX. - Mauá (RJ e SP) e Delmiro (PE). Pós- I G.M. : Período de crescimento industrial e de diversificação do parque fabril.
  3. 3. Origens da industrialização ● ● ● ● ● Desenvolvimento do setor terciário (superior a indústria e a agricultura). Cafeicultura favorecia a expansão das ferrovias e do setor financeiro integrado ao mundo. 1919: Indústria de bens de consumo não duráveis = 70% da produção industrial 1939: Redução para 58% = maior participação dos setores elétrico, siderurgia e máquinas Síntese: Ainda havia o predomínio dos não duráveis e do investimento nacional
  4. 4. Crise do café e Industrialização ● Indústria recebe maior impulso a partir de 1929 - Crise da bolsa de NY. - Crise do café* (queda nas exportações). *Dependência agroexportadora. Agricultura comandou a pauta de exportações até a década de 1970.
  5. 5. A Revolução de 1930 ● ● ● ● Sai do poder a oligarquia cafeeira paulista. Assume Getúlio Vargas (nacionalista e industrializador). Exportações de café (acúmulo de capitais): Base para a infraestrutura industrial. Herança da cafeicultura: Infraestrutura. Obs. Colapso da bolsa = redução nas importações de mercadorias. ● Infraestrutura do café: Favoreceu concentração industrial em SP
  6. 6. A Revolução de 1930 ● Industrialização menos intensa em SP, RJ e RS. ● “Política de substituição das importações” ● Política industrial de Getúlio Vargas. * Ênfase em bens de consumo não duráveis. *Busca de superávits: comercial e na balança de pagamentos.
  7. 7. O gov. Vargas e política de substituição das importações ● ● ● ● 1930 a 1945: Estratégia governamental no setor industrial Implantação de indústrias Estatais: Bens de produção e Infraestrutura. Investimentos pesados e só o Estado era capaz. O retorno era demorado. Setores pouco atraentes ao capital nacional e estrangeiro.
  8. 8. Bens de produção e Infraestrutura.
  9. 9. O gov. Vargas e política de substituição das importações ● Papel do Estado: Montar infraestrutura para impulsionar e diversificar a indústria no país. * Oferecer a infraestrutura para as indústrias privadas. * Custos menores para esses serviços. * Política fortemente nacionalistas
  10. 10. As ações de Getúlio Vargas ● ● A “política de substituição das importações” só foi usada na sua forma mais ampla, por Vargas (1930 a 1945). Políticas nos campos fiscal e cambial: * Desvalorização da moeda nacional (importados + caros). * Implantação de leis e tributos: proibia a importação de produtos que pudessem ser fabricados aqui.
  11. 11. As ações de Getúlio Vargas ● ● ● Vargas assume o país ditatorialmente a partir de 1930 após a quebra da bolsa de N.Y. (1929) Acreditava-se que a regulação da economia deveria ser feita pelo “mercado” (liberalismo de Adam Smith). Após 29, o Estado passa a ser o regulador e gestor da economia. (Keynesianismo)
  12. 12. As ações de Getúlio Vargas ● A constituição de 1934: Regulamentou as relações trabalhistas. * Salário mínimo. * Férias anuais. *Descanso semanal remunerado. Obs. Com apoio dos trabalhadores e dos setores agrícola e industrial, Vargas promulga a constituição de 1937 e fica no poder até 1945
  13. 13. Ações de Getúlio Vargas
  14. 14. As ações de Getúlio Vargas ● Estado Novo (1937 – 1945). Características: * Repressão e censura. *Criação do Conselho Nacional da Economia (CNE): Combater os obstáculos a indústria. ● ● ● Ação do governo nos setores de Base da economia. Grande crescimento no setor industrial, exceto na II G.M. Sem ind. de base, crescimento pífio. Durante a II G. M., cresce o economia interna menos o de transportes.

×