A EXPERIÊNCIA DO REINOE A VOLTA DE JESUS CRISTO Esboço do Planejamento do CursoMeta        Que você conheça o propósito de...
A primeira diferença entre ambos é quanto ao tempo. A vida eterna é para a eternidade, maso reino não é para a eternidade....
Com relação à vida eterna, Deus nunca nos disse para procurarmos obtê-Ia. Pelo contrário,toda vez que é mencionada, Ele no...
de desistir de toda a sua riqueza hoje. Estou dizendo que a pessoa tem de entregar toda a suariqueza ao Senhor. Somos apen...
Então que é a recompensa, e que é o dom? Nós fomos salvos por causa do dom gratuito deDeus. Deus nos deu o dom gratuitamen...
salvação já está resolvida. Ela não pode mais ser abalada, pois ela já foi cumprida pelo SenhorJesus. Ela está totalmente ...
Emprestar dinheiro a alguém sem esperar ser pago é sua obra, e amar seu inimigo é sua obra. Vocêtem de fazer isso para obt...
"Bem aventurados sais quando, por minha causa, vos injuriarem e vos perseguirem e, mentindo,disserem todo mal contra vós. ...
resposta de Deus à nossa oração. Entretanto, esse não é todo o significado. O Senhor Jesus disseque devemos orar ao Pai qu...
Deixamos claro que o reino é o tempo 1 em que Deus recompensará os cristãos conforme        as suas obras. No reino, os cr...
Naquele dia muitos dirão perante o Senhor:"Não temos nós profetizado em teu nome, e em teu nome não expelimos demônios, e ...
nos de que somente que fazem a vontade de Deus podem entrar no reino. Se alguém confiar emsua própria obra para se achegar...
Paulo temia que, tendo pregado a outros, ele mesmo fosse reprovado. Aqui, Paulo estavadizendo que ele também poderia ser r...
é necessário esmurrar nosso próprio corpo. Podemos realizar muitas obras exteriormente, masenquanto não restringirmos noss...
Santo tem trabalhado nele. Aqui vemos que é possível perder nosso galardão. E igualmente possívelsermos reprovados para o ...
desenfreado, que desvirtuou tudo o que Deus fez, banalizando e tornando comum o pecado, é umreal sinal de que a vinda do S...
Alguns têm a idéia de que um cristão não precisa estudar ou trabalhar e, sim, ler a Bíblia eorar o dia todo. Mas o Senhor ...
cristão é, mais equilibrado, sóbrio e prático. ele é. Por que apenas um foi tomado e o outro deixado?Não são ambos salvos,...
Esperando e Apresando         Essas parábolas apresentam a disciplina que sofrerão os cristãos que não estiveremmaduros à ...
Ninguém pode garantir que estará vivo quando o Senhor voltar, portanto, é necessário estarmospreparados para encontrá-Lo, ...
amar exclusivamente ao nosso Noivo. É por amá-lo que negamos a nós mesmos, poisreconhecemos que nossa vontade é contrária ...
do Senhor, o Espírito (2 Co 3: 18). Se diariamente nos enchemos com Espírito Santo, Eletransbordará do nosso espírito, a l...
tarde. Elas perderam a recompensa, pois não foram aprovadas para as bodas. Mas é preciso repetirenfaticamente: elas não pe...
"Não sabeis vós que os que correm no estádio, todos, na verdade, correm, mas um só leva oprêmio? Correi de tal m eira que ...
mais importantes tarefas de um servo de Deus é suprir comida aos outros servos da casa de Deus(24:45). Devemos ministrar a...
Esse que recebera um talento não é uma pessoa incrédula, não salva, como interpretamalguns. Uma pessoa não salva não pode ...
passagens referem-se a cristãos genuínos, genuinamente regenerados pelo Espírito Santo que,todavia, não foram vencedores. ...
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

A experiência do_reino

618 visualizações

Publicada em

0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
618
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
2
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
13
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

A experiência do_reino

  1. 1. A EXPERIÊNCIA DO REINOE A VOLTA DE JESUS CRISTO Esboço do Planejamento do CursoMeta Que você conheça o propósito de Deus de ter uma Igreja vencedora e invista nos princípiosde vida que te qualificarão para o arrebatamento. .Outros ObjetivosDescubra a "visão dos Vencedores" e saiba discernir salvação de galardão. Sugestões Bibliográficas1. O DANO DA SEGUNDA MORTE - Watchman NeeRecomendações Muito Importantes1. invista tempo em oração e na Palavra para conhecer melhor esse assunto.2. Compartilhe com outros irmãos da célula o que aprendeu.3. Disponha-se a responder a Deus para ser um crente vencedor.Avaliação1.Faça a distinção entre salvação e galardão.2.0 que é "arrebatamento" da igreja e quem participará dele? 3. O que é necessário para ser umcristão vencedor?A EXPERIÊNCIA DO REINOE A VOLTA DE JESUS CRISTO Há uma coisa sobre a qual temos de estar claros. Ter vida eterna é diferente de entrar noreino dos céus. O Senhor Jesus disse que de João Batista até agora o reino dos céus é tomado aforça (Mt 11: 12), os violentos o tomam. A lei e as profecias dos profetas terminaram com João (11:12, 13). Baseados nesta palavra, alguns têm dito .-que precisamos ser violentos, isto é, devemosesforçarmo-nos antes de ser salvos. Se não nos esforçarmos, não seremos salvos. Uma pessoa dizisso porque não pode d.izer a diferença entre o reino dos céus e a vida eterna. Existe uma diferençaentre a vida eterna e o reino dos céus.A DIFERENÇA ENTRE A VIDA ETERNA E O REINO1) A recompensa é para o milênio; a vida eterna não tem fim.1
  2. 2. A primeira diferença entre ambos é quanto ao tempo. A vida eterna é para a eternidade, maso reino não é para a eternidade. Quando o novo céu e a nova terra vierem, o reino dos céuspassará. O reino dos céus denota o governo de Deus. O período do governo de Deus é o período doreino dos céus. Que são os céus? O livro de Daniel fala sobre o governo dos céus (7:27). Portanto, oreino dos céus é a esfera na qual os céus governam. Quando o Senhor Jesus vier reger sobre aterra, aquele será o tempo em que os céus governarão. Hoje, aquele que governa na terra é o diabo,Satanás. A pol ítica e a autoridade mundial de hoje são de Satanás. O Senhor Jesus não reinarásenão no período do reino dos céus. Mas o período no qual a autoridade dos céus é efetuada émuito curto. Em 1 Corintios 15:24 é dito:"E então virá o fim, quando ele entregar o reino ao Deus e Pai, quando houver destruido todoprincipado, bem como toda potestade e poder." O reino será entregue a Deus Pai. Portanto, há um limite temporal para o reino. Contudo, avida eterna é para sempre. Todo o que lê 1 Corintios 15 sabe que no início do novo céu e nova terra,isto é, na conclusão do milênio, o reino será entregue. Portanto, há uma diferença no tempo entre avida eterna e o reino dos céus.2) A vida Eterna é pela fé; a recompensa é pelas obras A segunda diferença reside no método pelo qual o homem entra no reino dos céus e namaneira que ele obtém a vida eterna. O recebimento da vida eterna é o assunto de todo oEvangelho de João. A maneira de ter a vida eterna é por meio do crer. Uma vez que cremos,obtemos. Contudo, entrar no reino dos céus não é uma questão simples. Todo o Evangelho deMateus menciona o reinodos céus trinta e duas vezes. Nenhuma vez é dito que o reino dos céus é recebido pela fé. Como umhomem ganha o reino dos céus? Mateus 7:21 diz:"Nem todo o que me diz: Senhor, Senhor! entrará no reino dos céus, mas aquele que faz a vontadede meu Pai que está nos céus." Pode-se ver que a entrada no reino dos céus é uma questão de obra. Mateus 5:3 tambémnos diz: "Bem aventurados os humildes de espírito, porque deles é o reino dos céus." Aqui não dizvida eterna, mas o reino dos céus. Para ter o reino dos céus, a pessoa precisa ser pobre no espírito.O Senhor também diz: Bem aventurados os perseguidos por causa da justiça, porque deles é oreino dos céus" (v.10). Não se precisa ser perseguido para receber a vida eterna, mas o reino é paraos que têm sido perseguidos por causa da justiça. Mesmo se um homem tiver a vida eterna, se elenão tem sido perseguido por causa da justiça hoje e não é pobre no espírito, ele ainda pode não terparte no reino.3) Uma vez que recebemos a vida eterna não temos mais de buscá-Ia; a recompensa precisaser buscada.2
  3. 3. Com relação à vida eterna, Deus nunca nos disse para procurarmos obtê-Ia. Pelo contrário,toda vez que é mencionada, Ele nos mostra que já a temos. Entretanto, com relação ao reino, apalavra da Bíblia diz que devemos procurar obtê-Ia e buscá-Ia diligentemente. Hoje, em se tratandodo reino, esta no estágio de busca; ainda não o obtivemos. Ainda temos de empregar o esforçopara almejar e buscar o reino.4) A vida eterna é de graça; a recompensa é por mérito A quarta diferença reside na maneira como Deus trata o reino e a vida eterna. Deus trata avida eterna como um presente; ela é dada a nós (Rm 6:23). A vida eterna é uma graça gratuita; ela édada por meio do Senhor Jesus para todos aqueles que crêem Nele. Não existe diferença entrealguém que busca e alguém que não está buscando. Contudo, o mesmo não ocorre com o reino.Lembre-se da mãe dos dois filhos de Zebedeu vindo ao Senhor Jesus e querendo que o Senhorfizesse com que seus dois filhos se sentassem em ambos os lados Dele no reino (Mt 20:21). Mas, oSenhor Jesus disse: "O assentar-se à minha direita e à minha esquerda não me compete concedê-Ia; é, porém, para aqueles a quem está preparado por meu Pai" (v.23). A graça é obtida uma vez:que O invocamos. Mas o reino depende se alguém pode ser I batizado em Seu batismo e podebeber o cálice que Ele bebeu. Ambos os discípulos disseram que podiam. Todavia, o Senhor disseque apesar de terem prometido que o fariam, a questão não cabia a Ele decidir. O Pai é Aquele queconcede. Além disso, o criminoso que foi crucificado juntamente com o Senhor disse a Ele:"Jesus, lembra-te de mim quando vieres no teu reino." (Lc 23:42). o Senhor Jesus ouviu sua oração? Sem dúvida que sim. Mas Ele não concedeu seu pedido.O criminoso pediu que o Senhor se lembrasse dele quando o Senhor recebesse o reino. O SenhorJesus não lhe respondeu que ele estaria com Ele no reino. Pelo contrário, Ele respondeu-lhe: "Hojeestarás comigo no paraíso." (v.43). O Senhor não lhe respondeu sobre o reino. Mas Efe lhe deu umaresposta com relação ao paraíso. Uma vez que O invoquemos, podemos ser salvos. Contudo, não étão simples ir ao reino. Portanto, há uma grande diferença aqui. A atitude de Deus para com a vidaeterna e o reino dos céus é diferente: um é o presente de Deus e o outro é a recompensa de Deus. Com respeito à diferença entre o reino dos céus e a vida eterna, existem outras passagensna Bíblia que são muito interessantes. Agora, chegamos à quinta diferença. Apocalipse 20 mostra-nos que os mártires recebem o reino, embora não diga que sejam os únicos a receberem o reino(v.4). A Bíblia, entretanto, nunca nos mostra que o homem deva ser martirizado a fim de receber avida eterna. Entretanto, o reino é diferente. O reino requer esforço. Até mesmo requer o martírio paraobtê-Ia. Por exemplo, a pobreza é uma condição para o reino dos céus. Para obter o reino dos céus,a pessoa precisa perder suas riquezas. A Bíblia nos mostra claramente que nenhuma pessoa naterra que seja rica segundo seus próprios meios pode entrar no reino dos céus. Não podemos dizerque nenhum rico possa ser salvo. Não podemos dizer que ninguém pode entrar na vida eterna senão quiser perder suas riquezas. Assim como é difícil um camelo passar pelo fundo de uma agulha,da mesma forma é difícil um rico entrar no reino dos céus (Mt 19:24). Graças ao Senhor. O pobrepode ser salvo. Assim como o rico pode. O pobre pode herdar a vida eterna e o rico também pode.Contudo, entrar no reino dos céus é um problema para o rico. Se acumularmos riquezas na terra,não seremos capazes de entrar no reino dos céus. É óbvio que isso não significa que alguém tenha3
  4. 4. de desistir de toda a sua riqueza hoje. Estou dizendo que a pessoa tem de entregar toda a suariqueza ao Senhor. Somos apenas os administradores. Não somos o dono da casa. A Bíblia nuncareconhece um cristão como o dono de seu dinheiro. Cada um é apenas um administrador dodinheiro que é para o Senhor. Todos nós somos apenas os administradores do Senhor. Existe estacondição para entrar no reino. Há outra coisa muito peculiar. Não se vê as questões de casamento e família envolvendo aquestão da vida eterna. Ma, o evangelho de Mateus diz que alguns não se casam por causa do reinodos céus. Alguns até mesmo se fizeram eunucos por causa do reino dos céus (Mt 19: 12). A fim deentrar no reino dos céus e ganhar um lugar no reino, eles escolheram permanecerem virgens.Ninguém vê a vida eterna ser negada a uma pessoa casada. Vemos que a questão da vida eternanão está de forma nenhuma relacionada à família e ao casamento, mas a questão do reino estámuitíssimo relacionada à família e ao casamento. Essa é a razão de a Bíblia dizer que aqueles quetêm esposa devem ser como se não a tivessem. Os que se utilizam do mundo devem ser como sedelenão utilizassem, e os que compram como se nada possuíssem (1 Co 7:2931). Isso tem muito a vercom nossa posição no reino dos céus.5) A vida eterna é igual para todos; mas recompensa varia para cada um. Finalmente, temos de mencionar outra diferença. No reino, há diversos níveis de graduação.Alguns receberão dez cidades, outros receberão cinco (Lc 19:1719). Alguns receberão meramenteuma recompensa, mas outros receberão um galardão. Alguns ganharão uma rica entrada no reino (2Pe 1: 11). Alguns entrarão no reino sem uma rica entrada. Portanto, existe uma diferença emgraduação no reino. Mas nunca haverá uma questão de graduação com relação à vida eterna. Avida eterna é a mesma para todos. Ninguém recebera dez anos a mais que o outro. Não existediferença na vida eterna, todavia no reino há diferença. Se alguém ponderar um pouco, perceberá que na Bíblia, oreino e a vida eterna são duas coisas absolutamente diferentes. A condição para a salvação é a féno Senhor. Além da fé, não há outra condição, pois todos os requisitos já foram cumpridos pelo Filhode Deus. A morte de Seu Filho satisfez todas as exigências de Deus. Mas entrar no reino dos céus éoutra questão: requer obras. Hoje, um homem é salvo pela justiça de Deus. Mas não podemosentrar no reino dos céus a menos que nossa justiça exceda a dos escribas e fariseus (Mt 5:20). Ajustiça no viver e na conduta de uma pessoa deve ultrapassar a dos escribas e fariseus antes queela possa entrar no reino dos céus. Portanto, pode-se ver que a questão da vida eterna écompletamente baseada no Senhor Jesus. Contudo, a questão do reino está baseada nas obras dohomem.A RECOMPENSA E O DOM GRATUITO DE DEUS Vamos continuar a ver a diferença entre recompensa e dom (ou presente de Deus), emoutras pala",r a diferença entre o reino e a vida eterna. Muitos pensam que o reino dos céus é a vidaeterna e que a vida eterna é simplesmente o reino dos céus. Eles confundiram a Palavra de Deus,tomando a condição para receber o reino como sendo a condição para a vida eterna. Eles tomam aperda do reino como sendo a perda da vida eterna. Entretanto, a distinção entre os dois é muitoclara na Bíblia. Uma pessoa pode perder o reino dos céus, mas ela não perderá a vida eterna.Alguém pode perder a recompensa, contudo não perderá o dom (ou presente de Deus).4
  5. 5. Então que é a recompensa, e que é o dom? Nós fomos salvos por causa do dom gratuito deDeus. Deus nos deu o dom gratuitamente pela Sua graça; portanto, fomos salvos. A recompensa dizrespeito ao nosso relacionamento com Deus após sermos salvos. Se alguém crê no Senhor Jesuscomo Salvador, aceitando-O como vida, ele é salvo diante de Deus. Após ser salvo, Deusimediatamente coloca essa pessoa numa pista, de modo que ela corra a carreira e obtenha arecompensa posta diante dela. Um cristão é salvo por causa do Senhor Jesus. Após ser salvo, eledeve manifestar a vitória de Cristo pelo Espírito Santo dia a dia. Se fizer isso, então, no fim dacarreira, ele obterá a glória celestial e a recompensa celestial de Deus. Portanto, a salvação é o primeiro passo deste camil1ho, e a recompensa é o último passo.Quando alguém crê em Cristo, recebe o presente. Quando alguém segue Cristo, recebe arecompensa. O presente é obtido por meio da fé, e é para as pessoas do mundo. A recompensa éobtida por ser fiel e ter boas obras, e é para os cristãos. Há um grande engano nas igrejas hoje. O homem pensa que a salvação é a única coisa eque não há nada além de ser salvo. Ele considera o reino dos céus e a vida eterna como se fossema mesma coisa. Ele considera que uma vez que alguém é salvo quando crê, não tem de sepreocupar com as obras. A Bíblia faz distinção entre a parte de Deus e a parte do homem. Umaparte é a salvação dada por Deus, e a outra parte é a glória do reino milenar. Ser salvo não temabsolutamente nada a ver com as obras da pessoa. Tão logo uma pessoa creia no Senhor Jesus,ela é salva. Mas, após sua salvação ela precisa começar a carreira para receber a glória vindoura, acoroa e o trono. Deus coloca Seu trono, coroa, glória e recompensa diante dos crentes. Se umapessoa for fiel vai: recebê-Ia. Se for infiel vai perdê-Ia. As boas obras são inúteis no que se refere à salvação. O homem não pode ser salvo pelassuas boas obras, mas as boas obras são necessárias à questão da recompensa, da coroa, da glóriae do trono. A boa obra é inútil quanto à questão da salvação. Deus não pode permitir que o homemseja salvo pela sua obra; Ele também não permitirá ao homem ser recompensado sem obras. Deussó pode decidir sobre a salvação ou perdição do homem por meio do seu crer ou não no Seu Filho.Se você tem ou não Seu Filho em si, determina a questão da vida eterna ou perdição. Se você temou não boas obras diante de Deus, determina a questão , de receber a recompensa e a glória. Emoutras palavras, Deus nunca salvará uma pessoa por ela ter méritos, e Ele nunca recompensaráalguém que não tenha mérito. O homem deve vir diante de Deus totalmente carente e sem méritopara que Deus o salve. Contudo, após a salvação, temos de ser fiéis, e temos de esforçarmo-nospara produzir boas obras por meio de Seu Filho Jesus Cristo, a fim de obtermos a recompensa. O problema de hoje é que as pessoas não fazem distinção entre a salvação e o reino. NaBíblia, há uma distinção clara entre a salvação e o reino, e entre o dom e a recompensa. A salvaçãonão é o último passo da experiência cristã. Pelo contrário, a salvação é o seu primeiro passo. Apóstermos sido salvos, temos de correr e perseguir a recompensa diante de nós. O problema é quepensamos que nossa salvação é nossa recompensa. Muitos cristãos acham que a glória ésimplesmente a graça da salvação, e assim tornam-se néscios em seu viver. Por favor, apliquem aobra somente à recompensa e a graça à salvação. Através da salvação, Deus separa os salvos dos não salvos; Ele separa aqueles que têm avida eterna daqueles que estão condenados. De igual modo, Deus também separa Seus filhos emdois grupos pela Sua recompensa. Deus separa Seus filhos em obedientes e desobedientes. Paracom as pessoas do mundo, é uma questão de ter fé e não ter fé. Para com os cristãos, é umaquestão de ser fiel ou não ser fiel. Para com as pessoas do mundo, é uma questão de ser salvo ounão ser salvo. Para com os cristãos, é uma questão de ter ou não ter a recompensa. O problema dehoje com os filhos de Deus é que eles exaltam demais a salvação; tudo o que vêem é simplesmentea salvação. Que Deus soja misericordioso conosco para que compreendamos que a questão da5
  6. 6. salvação já está resolvida. Ela não pode mais ser abalada, pois ela já foi cumprida pelo SenhorJesus. Ela está totalmente concretizada. Hoje, devemos empenharmo-nos é com a recompensadiante de nós. Haverá uma grande diferenciação no reino: Alguns terão glória, e alguns não terãoglória.A base da recompensa Agora precisamos ver sobre que base a recompensa é dada. A Palavra de Deus diz que arecompensa é dada por causa da obra. Assim como a Bíblia diz claramente que a salvação é pelafé, da mesma forma a Bíblia diz claramente que a recompensa é pela obra. A Bíblia revela-nos que asalvação é pela fé dos pecadores, e a recompensa é pela obra dos cristãos. A fé está relacionada àsalvação; isso está mais do que claro. A obra está relacionada à recompensa; isso também estámais do que claro. Ninguém deve confundir as duas coisas.Romanos 4:4 diz: "Ora, ao que trabalha, o salário não é considerado como favor, e, sim, comodivida. Dar uma recompensa a alguém que trabalha não é graça, mas uma divida. Em outraspalavras, como alguém pode obter uma recompensa? A recompensa vem pelas obras, e não pelagraça.Apocalipse 2:23 diz: li... Eu sou aquele que sonda mente e corações, e vos darei a cada um,segundo as vossas obras." Esse versículo diz que o Senhor fará todos conhecerem que Ele é Aquele que sonda asmentes e os corações, e dará a cada um segundo as suas obras. Em outras palavras, Elerecompensará a cada um segundo as suas obras. Como Ele recompensa? É de acordo com nossaobra. É claro que essa obra não é nossa própria obra, é quando o Espírito Santo vive Cristo em nós,então temos as obras de um cristão. Portanto, esse versículo nos mostra m claramente a questão darecompensa. A questão da recompensa depende de um cristão ser digno ou não.A Primeira Epístola aos Corintios 3: 14 diz:"Se permanecer a obra de alguém que sobre o fundamento edificou, esse receberá galardão." Aqui diz que se a sua obra permanecer, ele será recompensado. Não diz que se a sua fépermanecer, ele será recompensado. A questão da recompensa depende da obra da pessoa. ABíblia distingue claramente salvação de galardão: Ela nunca confunde a salvação e o galardão, enunca confunde a fé com a obra. Sem a fé, o homem não pode ser salvo. Sem as boas obras, ohomem não poder ser recompensado. As obras de alguém devem resistir diante do trono dojulgamento e sobreviver ao exame minucioso dos olhos de chama, antes que haja a possibilidade dereceber um galardão.Lucas 6 35 diz: "Ama i , porém, os vossos inimigos, fazei o bem e emprestai, sem esperar nenhumapaga; será grande o vosso galardão (...)". A recompensa é inteiramente devida à obra de alguém.6
  7. 7. Emprestar dinheiro a alguém sem esperar ser pago é sua obra, e amar seu inimigo é sua obra. Vocêtem de fazer isso para obter a recompensa. Em nenhum lugar a Bíblia menciona que alguém tenhade amar seus inimigos e fazer o bem antes que possa ser salvo. Mas existe o versículo que diz quese você emprestar aos outros e fizer o bem aos outros, a sua recompensa no céu será grande. Arecompensa é proveniente da obra e não da fé. A fé pode salvá-Io, mas a fé não pode ajudá-Io aobter a recompensa. A Segunda Epístola a Timóteo 4:14 diz: "Alexandre, o latoeiro, causou-me muitos males; oSenhor lhe dará a paga segundo as suas obras." Aqui é citado um exemplo. Um cristão estava tentando prejudicar Paulo; ele tinha pecadocontra Paulo. A pessoa mencionada aqui era um cristão. Ele não era uma pessoa do mundo. Nofuturo, os cristãos serão recompensados diante de Deus segundo as suas obras.A recompensa é o Reino Muitas pessoas sabem que existe uma diferença entre salvação e recompensa. Contudo,existe um bom número de pessoas que não vê o que é recompensa. Quando o Senhor Jesus diz noevangelho de João que Ele dá a vida eterna para as Suas ovelhas, Ele está falando a realidade enão algumas palavras vazias (João 10:28). Romanos 6 diz que o dom de Deus é a vida eterna emCristo Jesus nosso Senhor (v. 23). Está tão claro que o dom de Deus é a vida eterna. Então, que é arecompensa? A Bíblia mostra-nos claramente que a recompensa é a coroa, o trono, e o reino doscéus. O reino dos céus é a recompensa. Na Bíblia, existem três aspectos para o reino dos céus.a} No primeiro aspecto, o reino dos céus é a manifestação da autoridade de Deus hoje; é amanifestação da soberania de Deus. A Bíblia chama isso de reino dos céus.b) O segundo aspecto é a autoridade dos céus controlando e limitando o homem. Isso também échamado de reino dos céus.c) Entretanto, há um terceiro aspecto do reino dos céus, que se refere à recompensa. o sermão do monte, em Mateus 5 a 7, fala do reino dos céus. Estes ensinamentos doSenhor dizemo-nos como o homem pode entrar no reino dos céus. Mateus 5 a 7 repetidamente falasobre a questão da recompensa. Percebemos muito claramente que as palavras "o reino dos céus"e a palavra "recompensa" são encontradas juntas muitas vezes. Nas Bem aventuranças lemos: "Bem aventurados os humildes de espírito, porque deles é o reino dos céus; Bem-aventurados osque choram, porque serão consolados; Bem aventurados os mansos, porque herdarão a terra; Bemaventurados os que têm fome e sede de justiça, porque serão fartos; Bem aventurados os limpos decoração, porque verão a Deus; e também, bem aventurados os que são perseguidos por causa dajustiça, porque deles é o reino dos céus", o reino dos céus é mencionado duas vezes nessas poucas bem aventuranças. No final oSenhor diz:7
  8. 8. "Bem aventurados sais quando, por minha causa, vos injuriarem e vos perseguirem e, mentindo,disserem todo mal contra vós. Regozijai-vos e exultai, porque é grande o vosso galardão nos céus(...)"(Mt5: 11, 12). Aqui devemos admitir que a recompensa é o reino dos céus. O Senhor começa dizendo queeste tipo e aquele tipo de pessoa é bem aventurada porque o reino dos céus é deles. No final Ele dizque essas pessoas são bem aventuradas, porque a recompensa delas é grande nos céus. Essassentenças mostram-nos que o reino dos céus é a recompensa de Deus. Não há diferença entre osdois.- No sermão do monte, o Senhor mencionou a questão da recompensa muitas vezes, poisesta porção diz respeito ao reino. Mateus 5:46 diz:"Porque se amardes os que vos amam, que recompensa tendes?" Mateus 6: 12 diz: "Guardai-vos deexercer a vossa justiça diante dos homens, com o fim de serdes vistos por eles; doutra sorte nãotereis galardão junto de vosso Pai celeste. Quando, pois, deres esmola, não toques trombeta diantede ti, como fazem os hipócritas, nas sinagogas e nas ruas, para serem glorificados pelos homens.Em verdade vos digo que eles já receberam a recompensa." o versículo 5 diz: "E, quando orardes, não sereis como os hipócritas (o..) eles já receberam arecompensa." O versículo 16 diz: "Quando jejuardes, não vos mostreis contristados como oshipócritas (...) eles já receberam a recompensa." O versículo 4 diz: "Para que a tua esmola fique emsecreto; e teu Pai que vê em secreto, te recompensará" O versículo 6 diz:"Tu, porém, quando orares, entra no teu quarto, e, fechada a porta orarás a teu Pai que está emsecreto; e teu Pai que vê em secreto, te recompensará" A parte final do versículo 18 diz: "E teu Pai, que vê em secreto, te recompensará" Todo leitorda Bíblia concorda que o assunto principal do sermão no monte em Mateus 5 a 7 é o reino dos céus.Mas aqui, a questão da recompensa é também mencionada repetidamente, porque o reino dos céusé a recompensa.Mateus 16:2728 diz: "Porque o Filho do homem há de vir na glória de seu Pai, com os seus anjos, eentão retribuirá a cada um conforme as suas obras." Deus recompensará ou disciplinará uma pessoa salva de acordo com as suas obras."Em verdade vos digo que alguns aqui se encontram que de maneira nenhuma passarão pela morteaté que vejam vir o Filho do homem no seu reino." Há três fatos aqui. Primeiro, o homem será recompensado de acordo com suas obras. Aquestão da recompensa é inteiramente baseada nas obras. Segundo, em que momento arecompensa será distribuída? Ela será distribuída quando Cristo vier na glória de Seu Pai com Seusanjos. Quando Cristo vier na glória de Seu Pai com Seus anjos, aquele será o tempo em que Eleestabelecerá Seu reino sobre a terra. Portanto, sqmente quando o reino iniciar é que a recompensainiciará. Os versículos em Mateus 6, que acabamos de ler acerca da recompensa por dar, por orar, epor jejuar, todos envolvem recompensa. Alguns pensam que a recompensa por orar é a8
  9. 9. resposta de Deus à nossa oração. Entretanto, esse não é todo o significado. O Senhor Jesus disseque devemos orar ao Pai que está em secreto, e nosso Pai que vê em secreto nos recompensará Epossível interpretar isso como o Pai respondendo nossa oração. I Contudo, tanto na primeira partequando o Senhor menciona o dar! esmolas, quanto na segunda parte quando Ele menciona o jejum,i Ele disse: "E teu Pai que vê em secreto te recompensará" Essa recompensa deve referir-se a algono futuro. Além disso, o Senhor disse que devemos orar ao Pai que vê em secreto. Não diz que oPai ouve em secreto, mas Ele vê em secreto. Quando Deus distribuir a recompensa no futuro, Eledará de acordo com o que Ele vê. Deus vê com Seus olhos. Portanto, a recompensa é no futuro.Apocalipse 11: 15 diz:"O sétimo anjo tocou a trombeta, e houve no céu grandes vozes, dizendo: O reino do mundo setornou de nosso Senhor e do seu Cristo, e ele reinará pelos séculos dos séculos." O versículo 18 diz:..Na verdade, as nações se enfureceram; chegou, porém, a tua ira, e o tempo determinado paraserem julgados os mortos, para se dar o galardão aos teus servos, os profetas, aos santos e aosque temem o teu nome, assim aos pequenos como aos grandes (...)." Esse versículo mostra-nos claramente que quando o Senhor tornar-se o Rei e o reino domundo tornar-se o reino de nosso Senhor e do Seu Cristo, aquele será o tempo para se dar arecompensa aos santos, aos pequenos e aos grandes. Em outras palavras, o tempo do reino é otempo da recompensa. Quando o reino vier, a recompensa virá também. . Há um ponto adicional. A recompensa é a obtenção da coroa e a obtenção do trono. Certavez um missionário disse-me: "Se não posso ter a coroa, pelo menos posso ter o reino." Você podeperguntar à rainha da Inglaterra se ela perder sua coroa, ainda terá o reino? Que é uma coroa? Nãoé simplesmente um chapéu esculpido em ouro e enfeitado com diamantes. Esse tipo de coroa podeser obtido com um pouco de dinheiro. Que é uma coroa? Uma coroa representa uma posição noreino. Ela também representa glória no reino. Se uma coroa for apenas um objeto, ela não significamuito. Se alguém tiver dinheiro, pode fazer uma de ouro. Se não tiver dinheiro, pode fazer uma debronze ou de ferro. Mesmo alguém muito pobre. pode ainda confeccionar uma coroa de pano. Nofuturo, não será uma questão de uma coroa ser maior que a outra em tamanho, ou de uma ter maisdiamantes que a outra. Uma coroa representa algo. Quando alguém perde a coroa, ele perde aquiloque a coroa representa. Temos que ver que a coroa é o símbolo do reino.Que é o trono? A Bíblia mostra-nos que os doze apóstolos sentar -se-ão em doze tronos. A coroa éuma recompensa para os vencedores, e o trono também é uma recompensa para os vencedores.Portanto, o trono também é um símbolo do reino. Ele representa uma posição no reino, autoridadeno reino, e a glória no reino. Não existe algo como perder a coroa, mas ainda ter o reino.Semelhantemente, ninguém pode perder o trono e ainda ter o reino. Se alguém perder o trono,também perderá o reino. Assim também, se alguém perder a coroa, perderá o reino. O trono e acoroa em si mesmos não são significativos; eles existem apenas para representar o reino. Em outraspalavras, a recompensa é o reino. ABíblia mostra-nos claramente que a recompensa é simplesmente o reino.Qualificações para Entrar no Reino9
  10. 10. Deixamos claro que o reino é o tempo 1 em que Deus recompensará os cristãos conforme as suas obras. No reino, os crentes fiéis serão recompensados, e os infiéis serão punidos. Muitas pessoas pensam que se um cristão for infiel, mesmo que possa ter de ocupar uma posição inferior, ele, contudo, o fará dentro do reino. Muitos que não compreendem a Palavra de Deus e a obra de Deus, pensam que Ihes está garantida uma entrada no reh10 dos céus. Eles pensam que, quando o Senhor Jesus vier para reinar, haverá simplesmente uma distinção entre as mais altas e as mais baixas posições no reino; que ninguém perderá totalmente o reino dos céus. Entretanto, no reino dos céus, haverá não somente distinção entre as posições mais altas e mais baixas, como também distinção entre ser permitido entrar e ser deixado de fora. A Bíblia mostra.;.nos que há uma nítida diferença entre dez cidades e cinco cidades, entre uma coroa grande e urna pequena, e entre uma glória maior e uma menor. Como uma estrela difere de outra, assim também são diferentes as posições no reino. Não somente há diferença entre as mais baixas e as mais altas posições no reino; há também a distinção de estar apto ou não para entrar. 1) Fazer a vontade do Pai A Bíblia revela-nos uma verdade muito séria. Apesar de uma pessoa ter a vida eterna, ela ainda pode ser rejeitada no reino dos céus. Um versículo que fala disso é Mateus 7:21: "Nem todo o que me diz: Senhor, Senhor! Entrará no reino dos céus, mas aquele que faz a vontade de meu Pai que está nos céus." Nesse versículo, todas as pessoas referem-se ao Senhor como "Senhor". O Senhor fará uma distinção entre os discípulos que podem entrar no reino dos céus e os que não podem. O Senhor mostra-nos claramente, aqui, que a condição para entrar no reino dos céus é fazer a vontade de Deus. Embora alguns tenham sido salvos e tenham o chamado do Senhor, e embora tenham realizado alqumas obras, todavia, sem fazer a vontade de Deus, não podem entrar no reino dos céus. Se alguém não for fiel enquanto viver na terra, embora não vá perder a vida eterna perderá o reino dos céus. Quando chegar o tempo de os céus reinarem, isto é, quando o Senhor Jesus vier pela segunda vez, alguns não estarão aptos a entrar no reino, mas virão a perdê-Io. Primeiramente o Senhor mencionou esse assunto no versículo 21. A seguir, nos versículos 22 e 23, Ele explicou-nos a questão em forma de profecia. Haverá muitos, não somente um ou dois, que não farão a vontade de Deus.--- I "Muitos, naquele dia hão de dizer-me: Senhor, Senhor! Porventura, não temos nós profetizado em teu nome, e em teu nome não expelimos demônios, e em teu nome não fizemos muitos milagres? Então Ihes direi explicitamente: Nunca vos conheci. Apartai-vos de mim, os que praticais a iniqüidade. " Aqui o Senhor Jesus nos diz o que ocorrerá diante do trono de julgamento. Ele diz: "Naquele dia". Portanto, isso não se refere a hoje, mas ao futuro. Há muitos que labutam, mas não vêem a luz de Deus em suas vidas. Quando o tempo do trono do julgamento vier, e quando Cristo começar a julgar a partir da casa de Deus, esses cristãos terão luz pela primeira vez. Eles verão que estão errados na sua posição e no seu viver. 10
  11. 11. Naquele dia muitos dirão perante o Senhor:"Não temos nós profetizado em teu nome, e em teu nome não expelimos demônios, e em teu nomenão fizemos muitos milagres?" Dentro de uma só frase, a expressão "em teu nome" é mencionada três vezes. Isso provaque estas pessoas são do Senhor. O fato de dizerem: "Senhor, Senhor", prova que a posição delasé a de um cristão. Elas não somente dizem que profetizam, expelem demônios e fazem milagres;elas fazem isso no nome do Senhor. A menção de "em teu nome" por três vezes, mostra-nos orelacionamento delas com o Senhor. Surpreendentemente, o Senhor Ihes diz: " Então Ihes direi explicitamente: Nunca vosconhecL" Muitos acham que tais pessoas certamente não são salvas. Mas se elas não fossemsalvas, então a palavra do Senhor aqui não teria significado. Mateus 7 é a conclusão do sermão nomonte, dando seqüência à palavra do Senhor acerca das bem aventuranças. Essas palavras nomonte foram ditas pelo Senhor Jesus aos discípulos. Após o Senhor ter subido na montanha, Seusdiscípulos seguiram-No, e a partir do capitulo 5 até o capitulo 7, Ele abriu a boca e passou a ensiná-Ios. O Senhor Jesus disse que eles não deveriam chamá-Lo de Senhor apenas com a boca. Seeles O chamavam de Senhor, deveriam fazer a vontade do Pai. Mesmo que tivessem as obrasexteriores de profetizar, expelir demônios e fazer milagres, essas obras não deveriam substituir avQntade do Pai. Fazer a vontade do Pai é uma coisa, enquanto profetizar, expelir demônios e fazermilagres são coisas totalmente diferentes. Algumas vezes, pode-se profetizar, expelir demônios efazer milagres sem fazer a vontade do Pai. Devemos lembrar-nos não somente de chamá-Lo deSenhor com nossa boca,. mas também de fazer a vontade do Pai em nosso andar. Se o Senhorestivesse falando acerca de pessoas não salvas, essa palavra perderia totalmente o significado, poisse essas pessoas fossem não salvas, não importaria muito para os discípulos ouvirem ou não a Suapalavra. o Senhor Jesus, aqui, deve estar advertindo os salvos, falando sobre salvos. Ele não podeestar advertindo os salvos, falando sobre não salvos. Suponha que uma pessoa tenha uma criada eduas filhas, e suponha que essa pessoa dissesse para a filha mais jovem: "Você está vendo essacriada? Ela não nasceu de mim; estou despedindo ela. Você deve ser obediente hoje. Se não forobediente, farei com você assim como estou fazendo com ela." Essa palavra é coerente? Umacriada não nasceu na família. Se ela for desobediente, pode ser demitida. Mas a filha da família nãoé uma criada. Não se pode aplicar a uma filha a maneira de tratar uma criada. A mãe deveria dizer:"Na noite anterior castiguei sua irmã, pois ela foi desobediente. Agora, se cuide. Se você não forobediente, vou castigá-Ia da mesma forma." A mãe deve tomar a irmã como um exemplo. Umacriada não pode ser usada para comparação. Não existe motivo para o Senhor usar os não salvoscomo exemplo para mostrar aos discípulos que eles precisam fazer a vontade de Deus. Se Elefizesse isso, os discípulos poderiam levantar-se e dizer: "Eles são os não salvos, mas nós somos ossalvos." Se dissessem isso, ninguém poderia dizer mais nada. O que o Senhor Jesus está dizendo é isto: "Muitas pessoas são filhos de Deus. Elas sãosalvas e são como você é. Elas chamam-Me de . Senhor e têm realizado muitas obras. Mas, apesardisso, elas estão excluídas do reino. Por essa razão você deve ser cuidadoso. Você deve fazer avontade de Deus." Somente dessa maneira os discípulos saberão que, embora realizem muitasobras, se não fizerem a vontade de Deus, receberão a mesma punição. O Senhor estava advertindo-11
  12. 12. nos de que somente que fazem a vontade de Deus podem entrar no reino. Se alguém confiar emsua própria obra para se achegar diante de Deus, o Senhor Jesus lhe dirá: "Não conheço você." Permitam que eu Ihes dê outro exemplo. Suponham que o filho de um juiz dirijadescuidadamente e bata em outro carro. Ele é levado pela policia até a corte para uma audiência. Ojuiz pergunta: "Jovem, qual é o seu nome? Quantos anos tem? Onde você mora?" Abatido, notribunal, o filho pode pensar: Você deve saber todas essas coisas melhor do que eu." Ele poderesponder às poucas perguntas iniciais. Mas depois de algum tempo pode gritar ao pai: "Pai, vocênão me conhece?" Então, que deveria o juiz fazer? Ele poderia bater seu martelo e dizer: "Eu não oconheço. Em minha casa, eu o conheço. Mas, na corte, nunca o conheci. " Se alguém vir a questãodo reino, perceberá que no reino a questão não é se uma pessoa é salva ou não nem se é um filhode Deus ou não; o que realmente conta é a sua obra depois de tornar-se um crente.Por que o Senhor disse: "Nunca vos conheci,? A próxima sentença explica: "Apartai-vos de mim, osque praticais a iniqüidade." Por favor, lembrem-se de que o Senhor não Ihes disse para apartarem-se da vida eterna. No original grego o significado de "os que praticais a iniqüidade" é de pessoasque não seguem regras, não guardam a lei, ou não aceitam regulamentos. Aos olhos de Deus, fazero mal não significa apenas fazer coisas más. Não importa quanto uma pessoa tenha feito; uma vezque ela não tenha prestado atenção à exigência de Deus, ao Seu julgamento, e ao Seu arranjosoberano, isso é maligno aos olhos de Deus. O problema aqui não é de se fazer o mal, mas de nãoter princípios. Que são os princípios? Os princípios são a palavra de Deus. Mas que é a palavra deDeus? A palavra de Deus é a vontade de Deus. Se você não estiver fazendo a vontade de Deus,não importa o que faça, o Senhor Jesus dirá que você é iníquo. Os que fazem as coisas segundoseu próprio ego não terão parte no reino dos céus. Meu propósito ao dizer essas coisas é mostrar-Ihes a importância das obras de um cristão.A Bíblia mostra-nos claramente que uma pessoa, após crer no Senhor, embora nunca vá perder avida eterna, ela pode perder seu lugar e glória no reino. Se não fizermos a vontade de Deus, mas,em vez disso, fizermos obras de acordo com nossa própria vontade, seremos excluídos do reino.Nada pode substituir a vontade de Deus. Todos os que nunca aprenderam a não trabalhar paraDeus, não são dignos de trabalhar para Ele. Aqueles que não sabem como parar a sua própria obra,certamente nada sabem sobre a vontade de Deus. Somente aqueles que conhecem a vontade deDeus conseguem parar de trabalhar. Deus quer que primeiro obedeçamos à Sua vontade e, depois,que trabalhemos. Existe uma grande diferença entre trabalhar e fazer a vontade de Deus.2) Esmurrar o corpo para agradar ao Senhor Outra passagem que alguns interpretam mal, como se referisse à perdição, na verdade,refere-se também à perda do reino e à perda da recompensa. A Primeira Epístola aos Corintios9:2327 diz:"Tudo faço por causa do evangelho, com o fim de me tornarcooperador com ele. Não sabeis vós que os que correm no estádio, todos, na verdade, correm, masum só leva o prêmio? Correi de tal maneira que o alcanceis. Todo atleta em tudo se domina; aquelespara alcançar uma coroa corruptível; nós, porém, a incorruptível. Assim corro também eu, não semmeta; assim luto, não como desferindo golpes no ar. Mas esmurro o meu corpo, e o reduzo à !escravidão, para que, tendo pregado a outros, não venha eu mesmo a ser desqualificado.1tI12
  13. 13. Paulo temia que, tendo pregado a outros, ele mesmo fosse reprovado. Aqui, Paulo estavadizendo que ele também poderia ser reprovado. Qual é, aqui, o significado de ser reprovado? E emque se está sendo reprovado? No versículo 24, Paulo se compara a alguém que está participando de uma corrida, na qualsomente um levará o prêmio. Portanto, o problema aqui não é uma questão de salvação, mas dereceber o prêmio. Paulo está falando sobre como uma pessoa salva pode receber o prêmio; ele nãoestá falando de como alguém não salvo pode ser salvo. Somente os filhos de Deus podem participarda corrida e perseguir o prêmio que Ele deseja que ganhemos. Se alguém não é filho de Deus, nãoestá sequer qualificado para entrar na corrida. Em nenhum lugar na Bíblia é dito que a salvação éganha por corrermos a carreira. A Bíblia nunca diz que se alguém for capaz de correr, então serásalvo. Se assim fosse, poucos seriam salvos, e a salvação dependeria de obras. A Bíblia diz que oprêmio vem pelo correr; Deus colocou-nos em uma pista de corrida de modo a corrermos a carreira. Qual é o prêmio? O versículo 25 diz: "Todo atleta em tudo se domina; aqueles para alcançaruma coroa corruptível; nós, porém, a incorruptível." Aqui é dito que o prêmio é uma coroa. Jámencionamos antes que a coroa representa a glória e o reino. Portanto, a palavra "desqualificado"não se refere à perda da salvação. A palavra "desqualificado", no versículo 27, significa fracassarem receber a coroa e o prêmio. Se Paulo podia ser desqualificado, então todos nós temospossibilidade de o ser. Se Paulo podia perder seu prêmio e sua coroa, então cada um de nóstambém tem a possibilidade de perder o prêmio e a coroa.O versículo 26 indica o motivo de ser desqualificado:"Assim corro também eu, não sem meta; assim luto, não como desferindo golpes no ar." Paulo tinha um propósito e uma direção. Ele não desferia golpes no ar. O seu alvo e direçãoera aquilo que ele disse em 2 Corintios 5: que ele anelava ser agradável ao Senhor (v. 9). Quervivesse ou morresse nesta terra, o seu desejo era agradar ao Senhor. Como ele correu a carreira?Ele não a correu desleixadamente. Ele tinha uma direção certa e um alvo definido. Ele não desferiagolpes no ar. Ele não fazia simplesmente o que outros diziam que fizesse. Tampouco fazia algoapenas porque a necessidade estava presente. Nós não somos para a obra, mas para agradar aoSenhor. Se quisermos receber o prêmio, que devemos fazer? "Mas esmurro o meu corpo, e o reduzoà escravidão" (v. 27). Muitos estimam seu próprio corpo acima do prêmio. Entretanto, Paulo disseque dominava seu corpo; ele era capaz de controlá-Io. Paulo podia controlar a concupiscência deseu corpo, as exigências excessivas de seu corpo, e os desejos de seu corpo. Ele não permitia queseu corpo prevalecesse. Ele disse que esmurrava seu corpo e fazia dele seu escravo. Se um cristãopode ou não agradar ao Senhor, depende se ele pode ou não controlar seu corpo. Devemos ver quetodos os que não podem controlar seu próprio corpo perderão seu prêmio e sua coroa. Emborapossam pregar o evangelho a outros, eles mesmos serão desqualificados. Nós, cristãos, somos salvos de uma vez por todas e jamais perderemos nossa salvação.Mas quando o Senhor Jesus voltar na Sua glória para governar a terra, Ele não dará coroas paratodos. Alguns não estarão aptos para entrar no reino e não estarão aptos para receber uma coroa. A palavra do Senhor é muito clara acerca da salvação e da I vida eterna: ambas sãototalmente provenientes da graça. Além do I mais, se alguém pode ou não entrar no reino dos céus,depende de I suas obras. Acabamos de ver que temos de fazer a vontade de Deus. Aqui vemos que13
  14. 14. é necessário esmurrar nosso próprio corpo. Podemos realizar muitas obras exteriormente, masenquanto não restringirmos nosso corpo, não nos será permitido entrar no reino. Na Bíblia parece haver um número fixo de coroas. Apocalipse 3:11 diz: ."Venho logo. Segura com firmeza o que tens, para que ninguém tome a tua coroa" (BJ). Alguns que não compreendem a Bíblia, não sabem qual a diferença entre uma recompensae um dom. Tampouco sabem a diferença entre a coroa e a salvação de Deus. Eles acham que asalvação pode ser tirada deles. A palavra "tome", aqui, não se refere à salvação, mas à coroa.Alguém pode estar salvo e, no entanto, perder a coroa. Se você for frouxo, e não segurar comfirmeza, perderá sua coroa. Alguma outra pessoa poderá tirá-Ia de você.Apocalipse 2: 1 O tem uma palavra semelhante a essa:" Sê fiel até à morte, e dar-te-ei a coroa da vida." Aqui não diz dar a vida, mas dar a coroa da vida. A vida é obtida pela fé; ela não é obtidapela fidelidade. Se uma pessoa não tiver fé, ela não poderá ter vida. Mas se uma pessoa for infieldepois de ter vida, ela perderá a coroa da vida. Portanto, se um cristão não tiver boas obras apósser salvo, embora não vá perder a vida, ele, contudo, perderá a coroa.3) Edificar com ouro, prata e pedras preciosas A passagem mais clara na Bíblia acerca da recompensa é 1 Corintios 3 1415:"Se permanecer a obra de alguém que sobre o fundamento edificou, esse receberá galardão; se aobra de alguém se queimar, sofrerá ele dano; mas esse mesmo será salvo". Isso nos mostra claramente o que um cristão não pode perder e o que ele pode perder.Uma vez que uma pessoa seja salva, certamente está salva para sempre. Contudo, se tal pessoareceberá ou não um galardão, não pode ser decidido hoje. A salvação eterna de um cristão já estádeterminada. Mas a recompensa futura é uma questão ainda pendente. Ela é decidida pela maneiracomo alguém edifica sobre o fundamento do Senhor Jesus. A nossa salvação independe de comoedificamos. Ela depende apenas de como o Senhor edifica. Se a Sua obra é perfeita, certamenteestamos salvos. Entretanto, se receberemos ou não a recompensa, ou se sofreremos perda,depende da nossa própria obra de edificação. Se alguém edifica com ouro, prata e pedras preciosas,coisas com valor eterno, sobre o fundamento do Senhor Jesus, este certamente receberá umgalardão. Contudo, se ele edifica com madeira, feno e palha, não receberá um galardão diante deDeus. Ele pode ter muito diante do homem, contudo não terá muito diante de Deus. Isso nos mostraque é possível que um homem perca seu galardão e tenha sua obra queimada. Permitam-me repetir isto: Graças a Deus que a questão da nossa salvação eterna foidecidida há mais de mil e novecentos anos. Quando o Filho de Deus foi levado à cruz, a nossasalvação foi decidida. Mas, se vamos receber ou não a recompensa, depende de como nosconduzimos. A verdade do evangelho é muito equilibrada. A salvação depende totalmente doSenhor Jesus. A concessão da salvação depende totalmente do Senhor Jesus. Entretanto, sealguém pode obter sua recompensa ou não, depende da sua própria obra de edificação. O homemdeve crer e também trabalhar. Esse trabalho não é propriamente dele, mas é aquilo que o Espírito14
  15. 15. Santo tem trabalhado nele. Aqui vemos que é possível perder nosso galardão. E igualmente possívelsermos reprovados para o reino e privados da nossa coroa.Participando da glória de Cristo Gostaria de saber se vocês alguma vez pensaram no tipo de glória com que Deusrecompensará Cristo no milênio, por aquilo que Ele sofreu há dois mil anos. Uma recompensa deveequiparar-se ao sofrimento. Se um homem for rebaixado à mais inferior posição, sua recompensadeverá ser a maior. Suponha que sua casa pegue fogo ou que você se encontre em sério perigo, eum empregado seu se arrisque e quase perde a vida tentando salvá-Io. Como você orecompensaria? Você diria: "Eu o recompenso com vinte centavos"? Ninguém faria isso. Arecompensa tem de equiparar-se ao sofrimento. Cristo glorificou a Deus de tal maneira e sofreu talmorte na cruz. Como Deus recompensará Cristo no futuro? E como Ele glorificará Cristo? O reino será o tempo no qual Cristo e os cristãos receberão a glória juntos. O reino é otempo no qual Deus recompensará Cristo. Naquele tempo, nós também teremos uma porção. Sevamos ser achados dignos de receber a glória do Senhor, dependerá totalmente do resultado donosso andar e trabalho pessoais. Não existe a questão de mérito no novo céu e nova terra. Mas noreino, somente os que tiverem mérito receberão a glória. O Senhor sofreu perseguição, dificuldadese humilhação. Se hoje sofrermos perseguição, dificuldades e humilhação, da mesma forma, nóspartilharemos uma porção com Ele no reino vindouro.AS PARÁBOLAS DE MA TEUS 24 As parábolas do Senhor Jesus registradas em Mateus 24 elucidam mais alguns pontossobre a recompensa para os cristãosvencedores. A promessa da recompensa bem como a certeza da disciplina devem encorajar-nos aviver uma vida piedosa, aguardando e apressando a vinda do Senhor (2 Pe 3: 11, 12a)."Assim como foi nos dias de Noé, também será a vinda do Filho do homem" (Mt 24:37). A situação das pessoas no tempo da volta do Senhor será como nos dias de Noé, quando"comiam e bebiam, casavam e davam-se em casamento" (v. 38). Comer, beber e casar sãonecessidades legítimas do ser humano e foram originalmente estabeleci das por Deus para aexistência do homem. Por que, então, teriam sido aqui mencionadas como característica negativa daépoca da volta do Senhor? Houve algum tempo em que as pessoas não comiam, não bebiam nemse casavam? O problema está em que, devido à concupiscência do homem, Satanás usa essasnecessidades legítimas da vida humana para ocupar o homem e distraí-Io dos interesses de Deus.Não há problema algum em comer ou beber, mas quando isso é transformado em concupiscência,em gula ou embriaguez, quando o homem dá mais importância ao prazer do que à saciedade de suanecessidade física, isso é pecado. Em relação ao casamento, ao relacionamento entre homem emulher, o quadro é muitíssimo pior. O mundo hoje aceita como normal divórcio, adultério, fomicaçãoe homossexualismo. O casamento, que simboliza a relação de amor entre Cristo e a igreja, tem sidomaculado e envergonhado por causa do pecado do homem. Portanto, esse tempo de prazer15
  16. 16. desenfreado, que desvirtuou tudo o que Deus fez, banalizando e tornando comum o pecado, é umreal sinal de que a vinda do Senhor se aproxima. Os cristãos genuínos, que amam o Senhor e Sua Palavra, conhecem o padrão que Eleestabeleceu em relação a esses assuntos; por isso, com certeza, sentem-se profundamenteincomodados e revoltados com todo esse quadro. No entanto, a situação moral da humanidade irápiorar até atingir o seu clímax à época que antecede a vinda do Senhor. A sociedade humana estáentorpecida pelos prazeres carnais e mundanos e o inimigo de Deus, Satanás, se utiliza dasnecessidades da vida para envenenar os homens criados por Deus e inutilizá-Ios para o propósitopara que foram criados. As pessoas que se envolvem com o pecado ficam com a consciênciacauterizada e com o coração endurecido para o Senhor. É comum encontrarmos pessoas que nãoaceitam o evangelho por saber que terão de abandonar sua vida caída e mundana, e muitospreferem permanecer na prática do mal do que reconciliar-se com Deus. Comer, beber e casarforam determinados por Deus para o homem, a fim de manter sua existência, porém foramusurpados por Satanás e tomaram-se uma armadilha para o homem, mantendo-o afastado de Deus. Apesar de o Senhor estar-se referindo à situação do mundo, isso serve também de alertapara os cristãos. Muitos bons cristãos têm sofrido dano em seu serviço a Deus por causa de suaansiedade com a subsistência e por problemas de pecados morais. Precisamos comer e beber, masnão podemos viver ansiosos por causa disso. Como cristãos, como filhos do Pai Celestial, devemosconfiar em Seu cuidado por nós e por Sua provisão (Mt 6:2534). Em relação ao casamento,precisamos mantê-Io em honra e em dignidade (Hb 114), fugindo de quaisquer situações oupessoas que possam levar-nos ao pecado (2 Tm 2:22; Gn 39:712). Com isso, estaremos preparadospara a vinda do Senhor.Um Serã Tomado e Deixado o Outro"Então dois estarão no campo, um será tomado, e deixado o outro; duas estarão trabalhando nummoinho, uma será tomada, e deixada a outra" (Mt 24:40, 41). Enquanto as pessoas do mundo estiverem entorpeci das pelas coisas materiais e pelopecado, sem nenhuma percepção do juízo vindouro, alguns cristãos sóbrios e vigilantes serãotomados. Os dois homens nesses versículos são cristãos e as duas mulheres são cristãs. Isso éconfirmado no versículo 42, em que lemos: "Vigiai, porque não sabeis em que dia vem o vossoSenhor". O Senhor não exortaria pessoas não salvas a vigiarem, tampouco é Senhor dos nãosalvos. Ser tomado significa ser arrebatado. Isso deve ocorrer pouco antes da rande tribulação (Ap3: 10). Esse é um sinal da vinda do Senhor. E interessante observar que os dois homens estarão nocampo e as duas mulheres estarão trabalhando num moinho. Ou seja, eles estarão envolvidos comseu trabalho cotidiano, secular. Muitos imaginam ser arrebatados em meio a uma reunião cristãgloriosa, cheia de louvores, ou em ir para um alto monte a fim de receber o Senhor de mãoserguidas. No entanto, o Senhor Jesus disse claramente que isso ocorreria quando estivéssemos emnossas atividades comuns e diárias. As pessoas do mundo estudam ou trabalham apenas paracomer, beber e casar-se de maneira pecaminosa; elas são usurpadas pelos prazeres carnais emundanos. Nós, os cristãos, também estudamos e trabalhamos para manutenção da nossaexistência, mas essas coisas não são o objetivo de nossa vida; nosso alvo ao trabalhar e ao realizartodas as tarefas comuns da vida humana é simplesmente expressar a Deus onde estivermos, poisvivemos para cumprir Seu eterno propósito.16
  17. 17. Alguns têm a idéia de que um cristão não precisa estudar ou trabalhar e, sim, ler a Bíblia eorar o dia todo. Mas o Senhor Jesus mostra-nos claramente que o arrebatamento ocorrerá quandoos cristãos estiverem fazendo seu trabalho normal. Devemos ser fiéis em nossos deveres diários,precisamos ter uma vida equilibrada entre nossas obrigações seculares e familiares e nossa vidaespiritual. Não podemos permitir que nossas atividades cotidianas nos desviem de buscar ocrescimento de vida espiritual, tampouco podemos ser irresponsáveis com nossas obrigaçõesseculares alegando sermos muito "espirituais". Quanto mais espiritual um cristão é, mais equilibrado,sóbrio e prático ele é. Por que apenas um foi tomado e o outro deixado? Não são ambos salvos,cristãos genuínos? Sem dúvida, são; contudo eles são diferentes em sua maturidade espiritual. Parasermos arrebatados, precisamos estar maduros espiritualmente. Isso não ocorre de um momentopara o outro, mas é um processo longo e lento, que durará toda a vida cristã. Todos os dias temosoportunidade de amadurecer um pouco. Cada vez que tomarmos a cruz, cada vez que negarmos anós mesmos, cada vez que abdicarmos de nossas opiniões ou vontades para fazer a vontade doSenhor, vivendo em constante união com Ele e alimentados por Sua Palavra, daremos passosseguros em direção à maturidade. Infelizmente, muitos cristãos não estarão maduros à época doarrebatamento, o qual servirá como um sinal e um alerta para os que forem deixados.Vigiar e Estar Apercebidos"Portanto, vigiai, porque não sabeis em que dia vem o vosso Senhor (Mt 24:42). o Senhor virá secretamente, como um ladrão. Um ladrão, ao entrar em urna casa, procuraapenas coisas de valor para roubar,não se interessando por quinquilharias ou imitações. O Senhor Jesus comparou Sua vinda à de umladrão para demonstrar que virá roubar os que Lhe são preciosos, os cristãos que têm valor com oSeu testemunho e Sua vida nesta terra. Se ao longo de nossa vida cristã buscarmos crescimento ematuridade de vida, permitindo que o Espírito Santo nos transforme, seremos cOmO pedraspreciosas que o Senhor, na Sua vinda, levará secretamente. Essa é a vinda secreta do Senhor paraos servos vigilantes, os vencedores.A Parábola do Servo Fiel e Prudente Na parábola do servo fiel e prudente encontraremos a ênfase de servir a Deus por meio deservir a Seus filhos. Quanto mais crescidos, quanto mais experimentarmos a maturidade espiritual,espontaneamente desejaremos servir aos irmãos. O crescimento na vida espiritual nos levará aservir os irmãos; ao servi-Ias, sentiremos mais e mais necessidade de sermos maduros ebuscaremos mais crescimento. Isso se toma um ciclo de vida, que nos fará vencedores. Na parábola, o Senhor Jesus pergunta: "Quem é, pois, o servo fiel e prudente a quem osenhor confiou os seus conservos para dar-Ihes o sustento a seu tempo?" (v. 45). A fidelidade está relacionada ao Senhor. Desde que fomos salvos, o Senhor espera que Lhesejamos fiéis, não apenas tomando-O como único Senhor e Deus, mas também fazendo toda a Suavontade. Por outro lado, prudência refere-se ao nosso relacionamento com as pessoas. Comocristãos, não podemos viver de qualquer maneira, agindo precipitadamente ou sem medir asconseqüências de nossos atos. Por vivermos pela vida de Deus,17
  18. 18. cristão é, mais equilibrado, sóbrio e prático. ele é. Por que apenas um foi tomado e o outro deixado?Não são ambos salvos, cristãos genuínos? Sem dúvida, são; contudo eles são diferentes em suamaturidade espiritual. Para sermos arrebatados, precisamos estar maduros espiritualmente. Isso nãoocorre de um momento para o outro, mas é um processo longo e lento, que durará toda a vida cristã.Todos os dias temos oportunidade de amadurecer um pouco. Cada vez que tomarmos a cruz, cadavez que negarmos a nós mesmos, cada vez que abdicarmos de nossas opiniões ou vontades parafazer a vontade do Senhor, vivendo em constante união com Ele e alimentados por Sua Palavra,daremos passos seguros em direção à maturidade. Infelizmente, muitos cristãos não. estarãomaduros à época do arrebatamento, o qual servirá como um sinal e um alerta para os que foremdeixados.Vigiar e Estar Apercebidos"Portanto, vigiai, porque não sabeis em que dia vem o vosso Senhor" (Mt 24:42). o Senhor virá secretamente, como um ladrão. Um ladrão, ao entrar em uma casa, procuraapenas coisas de valor para roubar, não se interessando por quinquilharias ou imitações. O SenhorJesus comparou Sua vinda à de um ladrão para demonstrar que virá roubar os que Lhe sãopreciosos, os cristãos que têm valor com o Seu testemunho e Sua vida nesta terra. Se ao longo denossa vida cristã buscarmos crescimento e maturidade de vida, permitindo que o Espírito Santo nostransforme, seremos como pedras preciosas que o Senhor, na Sua vinda, levará secretamente. Essaé a vinda secreta do Senhor para os servos vigilantes, os vencedores.A Parábola do Servo Fiel e Prudente Na parábola do servo fiel e prudente encontraremos a ênfase de servir a Deus por meio deservir a Seus filhos. Quanto mais crescidos, quanto mais experimentarmos a maturidade espiritual,espontaneamente desejaremos servir aos irmãos. O crescimento na vida espiritual nos levará aservir os irmãos; ao servi-Ias, sentiremos mais e mais necessidade de sermos maduros ebuscaremos mais crescimento. Isso se toma um ciclo de vida, que nos fará vencedores. Na parábola, o Senhor Jesus pergunta: "Quem é, pois, o servo fiel e prudente a quem osenhor confiou os seus conservos para dar-Ihes o sustento a seu tempo?" (v. 45). A fidelidade está relacionada ao Senhor. Desde que fomos salvos, o Senhor espera que lhesejamos fiéis, não apenas tomando-O como único Senhor e Deus, mas também fazendo toda a Suavontade. Por outro lado, prudência refere-se ao nosso relacionamento com as pessoas. Comocristãos, não podemos viver de qualquer maneira, agindo precipitadamente ou sem medir asconseqüências de nossos atos. Por vivermos pela vida de Deus, o problema desse servo não édesconhecer que o Senhor virá, mas é não esperá-Lo. Ele não vive como alguém preparado para avolta do Senhor, especialmente no que se refere ao seu relacionamento com outros cristãos e comas pessoas do mundo. Portanto, quando o Senhor voltar, esse cristão será colocado com oshipócritas. Isso não significa que ele irá para a perdição eterna, para o lago de fogo, pois, uma vezsalvo, é salvo para sempre, mas será cortado da glória vindoura do Senhor. Isso equivale a serexcluído da recompensa do reino. O Senhor se refere a isso como ser lançado nas trevas exteriores,onde haverá choro e ranger de dentes por mil anos. Ali ele lamentará por não ter sido fiei e prudenteenquanto viveu na terra.18
  19. 19. Esperando e Apresando Essas parábolas apresentam a disciplina que sofrerão os cristãos que não estiveremmaduros à época da volta do Senhor. Mesmo não perdendo a salvação, os que não tiverem sidovigilantes, não tiverem buscado a maturidade espiritual e não se tiverem importado em cuidar deseus conservos sofrerão certo tipo de prejuízo. O fato de a salvação ser eterna não significa quepodemos viver de qualquer maneira, como quem- não tem de acertar contas com o Senhor. Seconsiderarmos com seriedade o que nos é apresentado nessas parábolas, veremos que haverágrande dano para quem não viver de acordo com a vontade do Senhor. Esta parábolas apresentafatos muito simples e comuns nossas ocupações seculares e nosso relacionamento com outroscristãos e com as pessoas do mundo que poderão decidir se seremos ou não vencedores. Tudodependerá de como vivemos, de como nos portamos nessas situações. Vale a pena empenharmo-nos em viver de maneira vigilante, vale a pena abrir nossocoração e dispormo-nos a servir os irmãos. Se formos vencedores, ganharemos a recompensa departicipar do milênio, como coreis com Cristo; se não formos, perderemos o galardão, o gozo doreino. Por esse motivo, Paulo nos alerta em 2 Coríntios 5: 10:"Importa que todos nós compareçamos perante o tribunal de Cristo para que cada um recebasegundo o bem ou o mal que tiver feito por meio do corpo". "Ter feito o bem" corresponde a edificar com ouro, prata e pedras preciosas, a ser vigilante ea alimentar os conservos; "ter feito o mal" corresponde a edificar com madeira, feno e palha, a andardesapercebido e a espancar os conservas e andar com pessoas dissolutas. O dia desse julgamentoestá muito próximo. Portanto, é tempo de avaliar nossa vida com Deus à luz de Sua Palavra. Sepercebermos que ainda não estamos preparados para a vinda do Senhor, por vivermosexcessivamente envolvidos com o mundo, ansiosos com nossa subsistência, ou porque nossorelacionamento com os irmãos é frio e indiferente, precisamos nos arrepender. O Senhor temtardado Sua volta esperando que nos arrependamos; por isso, devemos viver de maneira santa,esperando e apressando a vinda do Senhor (2 Pe 1912).A PARÁBOLA DAS DEZ VIRGENS No Evangelho de Mateus encontramos duas profecias, em forma de parábolas, referentes àvolta do Senhor. Elas enfatizam dois aspectos diferentes da vida cristã em relação à segunda vindade Cristo: estarmos vigilantes e cheios do azeite do Espírito, e sermos fiéis e prudentes. "O reino dos céus será semelhante a dez virgens que, tomando as suas lâmpadas, saíram aencontrar-se com o noivo" (25: 1). Na Bíblia, dez significa a maior parte de doze (Gn 42:3,4; 1 Rs 11 :30, 3 1; Mt 20:24); doze,por sua vez, relaciona-se à totalidade do povo de Deus, como vemos, por exemplo, nas doze tribosde Israel. Assim, as dez virgens representam a maior parte dos cristãos. Em Mateus 24, os doishomens no campo ou as duas mulheres no moinho representam os cristãos que estarão vivos até avolta do Senhor. Todavia, à época da volta do Senhor, a maioria dos cristãos, desde o início daigreja, obviamente já terá morrido. Esses são representados pelas dez virgens. Mesmo referindo-seaos cristãos que descansaram no Senhor, há nessa parábola princípios espirituais importantes.19
  20. 20. Ninguém pode garantir que estará vivo quando o Senhor voltar, portanto, é necessário estarmospreparados para encontrá-Lo, quer vivos, quer Nele descansando.Mateus 25:5 diz: fiE, tardando o noivo, foram todas tomadas de sono, e adormeceram". Aos olhos de Deus, um cristão não morre, mas adormece (1 Ts 4: 13). Todos os quereceberam a salvação em Jesus morreram com Ele na cruz e, por isso, não podem morrernovamente; portanto, adormecem, descansam ou dormem no Senhor. Por esse motivo, podemosdizer que as dez virgens que foram tomadas de sono e adormeceram representam os salvos quemorreram e os que terão morrido até a volta do Senhor. É importante enfatizar que a palavra "virgens" refere-se a cristãos genuínos. Em 2 Coríntios11 :2, Paulo disse aos cristãos Coríntios que eles eram como virgem pura preparada para Cristo.Quando nos tomamos essas virgens aos olhos de Deus? Ao crer em Cristo. Quando cremos Nele,recebemos Sua vida. Durante o tempo em que esteve na terra, Cristo foi absolutamente fiel ao Pai,vivendo de maneira santa, não se contaminando com o pecado ou o mundo. Quando recebemosSua vida, recebemos também Sua santidade e Sua fidelidade. Paulo, considerando isso, comparou-nos a uma virgem pura. Todos os cristãos, homens ou mulheres, aos olhos de Deus, são virgenssendo preparadas para o casamento com Cristo.Tomar as Lâmpadas As virgens, tomando suas lâmpadas, saíram a encontrar-se , com o noivo. As lâmpadasrepresentam o espírito humano (Pv 20:27). Quando somos salvos, recebemos a vida de Deus pormeio do Espírito de Deus em nosso espírito. O Espírito Santo, na Bíblia, é representado pelo azeite.O azeite era usado nas lâmpadas para molhar um pavio que, aceso, gerava luz. Assim, as lâmpadasnessa parábola representam nosso espírito unido com o Espírito Santo (ci. Rm 8: 16; 1 Co 6: 17). OSenhor Jesus disse que os cristãos são a luz do mundo e que sua luz deve brilhar diante doshomens (Mt 5: 1416). Essa luz é, na verdade, a luz do Espírito de Deus brilhando dentro do nossoespírito. Desse modo, podemos ser a luz do mundo, como lâmpada que brilha nesta era de trevas(Fp 2:15), e testemunhamos de Deus para glorificá-Lo (Mt 5: 16). Mesmo quando a Bíblia fala deobras, a ênfase não está em fazermos coisas para Deus, mas em permitir que Deus trabalhe emnós, transformandonos e, desse modo, espontaneamente nossa vida O manifestarádiante daspessoas. Na parábola isso é representado pelo fato de as virgens não carregarem armas nemferramentas para trabalho. Isso demonstra que nosso testemunho diante das pessoas não estárelacionado ao que fazemos, mas especialmente ao que somos. Por termos o Espírito Santo emnosso espírito, podemos testemunhar de Deus e brilhar por Ele.Saíram a Encontrar-se com o NoivoA parábola diz que as virgens saíram a encontrar-se com o noivo. Isso também indica que as virgenssão os cristãos que morreram, saindo, assim, do mundo. Nessa parábola, Cristo é apresentado como o noivo amado (Jo 3:29; Mt 9:15). Aqui Ele nãoé um general, a quem obedecemos por obrigação, mas é um noivo, a quem seguimos por amor. Épor amá-lO que fugimos do pecado, pois não queremos fazer nada que O desagrade ou ofenda. Épor amar ao Senhor que rejeitamos o mundo e não nos deixamos envolver por ele, pois queremos20
  21. 21. amar exclusivamente ao nosso Noivo. É por amá-lo que negamos a nós mesmos, poisreconhecemos que nossa vontade é contrária à Sua, e nos deleitamos em fazer a Sua vontade. Atodo o tempo, mesmo a cada instante, devemos sair, sair de nós mesmos, sair do mundo, sair denossos pensamentos vãos para encontrar-nos com o Noivo, nosso amado Jesus.Cinco Virgens Néscias Entre as dez virgens, cinco eram néscias, e cinco prUdentes (Mt 25:2). Isso não significaque essa seja, necessariamente, a proporção entre cristãos néscios e prudentes. O número cinco,na Bíblia, indica responsabilidade. Podemos ver o motivo disso em nossa mão. É possível, comcerta dificuldade, pegarmos qualquer coisa com apenas quatro dedos. Mas se quisermos pegar algocom firmeza, precisaremos dos cinco. A divisão das virgens em dois grupos de cinco indica quetodos os cristãos devem assumir a responsabilidade de se encherem de azeite, que é o Espírito deDeus. O número cinco é composto de quatro mais um. Quatro, na Bíblia, refere-se à criação deDeus, especialmente ao homem, e um, ao Criador, o único Deus. Isso quer dizer que nós mesmos,como o número quatro, não somos suficientes para arcar com a responsabilidade do testemunho deDeus isso somente é possível pelo adicionar da vida de Deus a nós. Por isso o Senhor disse emJoão 15:5: "Sem mim nada podeis fazer". . As virgens néscias não são cristãos falsos, como alguns afirmam. Todas as dez mulheressão virgens, implicando serem iguais em natureza diante de Deus. Além disso, todas elas tinhamlâmpadas que brilhavam. A diferença entre elas é que as néscias, ao tomar suas lâmpadas nãolevaram azeite consigo (Mt 25:3). O azeite ou o óleo representa o Espírito de Deus (Is 61:1; Hb 1:9).Essas cinco virgens eram néscias porque só tinham o óleo na lâmpada, mas não a porção extra deóleo nas vasilhas, ou seja, elas tinham o espírito regenerado pelo Espírito Santo, mas não haviamsido cheias do Espírito Santo.Cinco Virgens Sábias"No entanto, as prudentes, além das lâmpadas, levaram azeite nas vasilhas" (v. 4). O homem é um vaso feito por Deus (Rm 9:21, 23, 24) e a personalidade do homem está nasua alma. Portanto, as vasilhas aqui referem-se à alma dos cristãos. O homem foi criado com três partes: espírito, alma e corpo (1 Ts 5:23). No momento em querecebemos o Senhor, o Espírito Santo entrou em nosso espírito, regenerando-o e trazendo paradentro de nós a vida de Deus. Por termos recebido a vida eterna, estamos qualificados a participarda Nova Jerusalém. Esse é o primeiro estágio da nossa salvação e foi realizado exclusivamente porDeus. Por outro lado, o processo da salvação deve desenvolverse no estágio da transformação daalma, e isso é absolutamente responsabilidade nossa. Qual é o resultado da transformação denossa alma? Suas três partes mente, vontade e emoção serão alcançadas; pela vida de Deus:nossa mente será renovada (Rm 122), nossa vontade será obediente ao Senhor (Jo 7:17; Tg 4:7)fazendo Sua vontade (Lc 22:42; Fp 2:13) e nossa emoção amará ao Senhor acima de todas ascoisas (Mt 10:3739). O resultado final dessa transformação será nossa maturidade espiritual e ogalardão no reino milenar. Por esse motivo, não podemos nos contentar apenas com a regeneração do nosso espírito,mas precisamos buscar diariamente o enchimento do azeite, do Espírito Santo, para que Elepermeie todas as partes da nossa alma, transformando-nos de glória em glória, na própria imagem21
  22. 22. do Senhor, o Espírito (2 Co 3: 18). Se diariamente nos enchemos com Espírito Santo, Eletransbordará do nosso espírito, a lâmpada, e penetrará cada parte da nossa alma, que é a vasilha.Somente assim, teremos- a porção extra do azeite. Dessa forma, seremos virgens prudentes.Tardando o Noivo"E, tardando o noivo, foram todas tomadas de sono, e adormeceram" (Mt 25:5). Quase dois mil anos se passaram desde a Sua ascensão, e o Senhor ainda não veio.Muitas pessoas pensam que iSSQ não ocorrerá, podendo, portanto, viver de qualquer maneira,como se não tivessem de prestar contas a ninguém. Por não conhecerem o Senhor, é natural quepensem assim. Há muitos cristãos que não crêem na segunda vinda. de Cristo ou se crêem não.vivem de acordo com isso. Nosso amado Noivo áinda não veio porque está nos dando oportunidadepara arrependimento, para que deixemos de viver para nós mesmos e vivamos absolutamente paraEle (2 Pe 19). Desde a ascensão do Senhor, ao longo dos séculos, muitos cristãos morreram e outrosmorrerão até a Sua vinda. Esses são as virgens que adormeceram.A Vinda do Noivo À meia noite, a hora mais escura da noite, veio o noivo. Isso significa que o Senhor virá notempo de maior escuridão desta era de trevas ao final da grande tribulação. O grito que avisa dachegada do noivo (Mateus 25:6) é a voz do arcanjo mencionada em 1 Tessalonicenses 4:16. Ao ouvir o grito, as virgens se levantaram e prepararam, suas lâmpadas. "Levantar-se" é aressurreição predita em 1 Tessalonicenses 4:14, 16 e em 1 Coríntios 15:52. O fato de as virgensirem ao noivo com suas lâmpadas indica também que após a ressurreição ainda teremos deresponder pelos nossos atos enquanto vivemos na terra. As néscias tentaram obter azeite dasprudentes, porém porção extra do Espírito não pode ser dada por um cristão a outro, mas cada umé responsável por obtê-Ia. Assim, elas saíram para comprar. A aplicação disso é que para obteressa porção extra do Espírito Santo temos de pagar um preço, tal como deixar o mundo, negar oego, buscar o Senhor e considerar tudo como perda por causa de Cristo. A era da graça é o tempoapropriado para isso, mas se não estivermos dispostos a pagar esse preço hoje, ainda teremos depagá-Io após a ressurreição, por mil anos."E, saindo elas para comprar, chegou o noivo, e as que estavam apercebidas entraram com ele paraas bodas; e fechou-se a porta" (v. 10)."Mais tarde, chegaram as virgens néscias, clamando: Senhor, senhor, abre-nos a porta! Mas elerespondeu: Em verdade vos digo que não vos conheço" (Mt 25: 11, 12). A expressão "não conhecer", em grego, pode ser melhor traduzida para não reconhecer, nãoaprovar (encontramos a mesma expressão com o mesmo significado em Lucas 13:25 e em João1:26,31; 8:19). Isso demonstra que o Senhor não aprova um viver cristão desleixado, sem buscaespiritual, sem disposição de abandonar as exigências da alma e da carne para ter mais de Cristo.Enquanto viviam, essas virgens não pagaram o preço exigido para obter a porção extra do óleoperdendo, assim, o direito de participar das bodas do Cordeiro. Depois que o Noivo vier, já será22
  23. 23. tarde. Elas perderam a recompensa, pois não foram aprovadas para as bodas. Mas é preciso repetirenfaticamente: elas não perderam a salvação.Vigiai! "Vigiai, pois, porque não sabeis o dia nem a hora (Mt 25: 13).Ao dizer que desconhecemos a hora e o dia em que virá, o Senhor Jesus estava enfatizando anecessidade de estarmos preparados. Se estivermos prontos, amadurecidos, se tivermos deixadotodas as coisas para ganhar mais da vida do Senhor, certamente seremos arrebatados. Devemosviver uma vida vigilante e preparada para a volta do Senhor; devemos ser vigilantes contra toda aação de Satanás que tentará desviar-nos do alvo de Deus; devemos estar vigilantes para nãosatisfazer as concupiscências da carne, a fim de não sermos achados em pecado quando o Senhorvoltar. Essa palavra do Senhor deve nos encorajar a vigiar e a não vivermos descuidados. Nossoalvo é sermos virgens prudentes!A PARÁBOLA DOS TALENTOS Antes de tratar da parábola dos talentos, é importante relembrar que na Bíblia existe umagrande diferença entre a perdição eterna e a perda da recompensa durante o milênio. F alamosanteriormente que nossa salvação é eterna: uma vez salvos, somos salvos para sempre (Jo 10:28).Todavia, isso não significa que após a salvação podemos viver de maneira desleixada, por termos agarantia de que não JLerderemos. Deus é justo; Ele não pode tratar da mesma maneira um cristãoque viveu; absolutamente para Ele e outro que, após a salvação, continuou a viver nos prazeres dopecado e do mundo. Por isso haverá recompensa ou disciplina na era vindoura, o milênio. Oscristãos que tiverem amadurecido, os que permitiram que o Espírito Santo saturasse sua alma,serão recompensados com as bodas do Cordeiro, enquanto os outros serão amadurecidos "à força",mas com choro e ranger de dentes. Após os mil anos, todos os cristãos de todos os tempos, ou seja,todas as pessoas de todas as épocas e lugares, que um dia genuinamente receberam a Jesus comoseu Senhor e Salvador, participarão da Nova Jerusalém, do novo céu e nova terra, pela eternidade. Há muitos versículos na Bíblia referentes à disciplina no milênio que são interpretados comoindicadores da possibilidade de perdermos a salvação. É preciso entender a diferença entre essesdois fatos, a fim de termos uma vida cristã vitoriosa e segura. Portanto, mesmo que a distinção entreessas duas verdades seja "novidade" para muitos, pelo desconhecimento que há sobre elas,devemos considerar seriamente esse assunto em oração diante de Deus e conferi-Io com asEscrituras. Os judeus da cidade de Beréia foram considerados mais nobres que os de T essalônica,pelo fato de conferir com as Escrituras tudo o que Paulo e Silas Ihes ensinavam (At 17: 10, 11). Oresultado foi que muitos deles creram (v. 12). Devemos proceder da mesma maneira. A autoridadeúltima em relação às verdades divinas é a Bíblia. Por isso devemos examiná-Ia com atenção eoração, a fim de verificar que ela ensina claramente a eternidade da salvação dos cristãos e aexistência de uma disciplina para os que não amadurecerem até o final da era da graça. Conhecer que nossa salvação é eterna e que poderemos ser recompensados oudisciplinados de acordo com nossa maturidade espiritual, levar-nos-á a uma vida cristã estável evitoriosa, pois estaremos "correndo" para um alvo certo e definido. Paulo estava se referindo a issoquando disse:23
  24. 24. "Não sabeis vós que os que correm no estádio, todos, na verdade, correm, mas um só leva oprêmio? Correi de tal m eira que o alcanceis. Todo atleta em tudo se domina; aqueles para alcançaruma coroa corruptível; nós, porém, a incorruptível. Assim corro também eu, não sem meta; ,assimluto, não como desferindo golpes no ar" (1 Co 9:2426). Como ele corria, devemos nós correr também, visando alcançar o grande prêmio, que é opróprio Cristo. Estudaremos agora, sucintamente, a parábola dos talentos (Mt 25: 14-30). . A parábola das dez virgens está relacionada à vida, e a dos talentos, ao serviço. No aspectoda vida, os cristãos são virgens, e a exigência é que sejam vigilantes; quanto ao serviço, somosservos, o que implica sermos fiéis. Portanto, não podemos negligenciar nem o aspecto da vida(aspecto interior, subjetivo, da experiência com Deus) nem o aspecto do serviço (aspecto exterior,objetivo, I resultado da comunhão com Deus). A parábola dos talentos, por sua vez, também estárelacionada ao serviço, mas especificamente I ao adequado uso dos dons que de Deus recebemos. I Pois será como um homem que, ausentando-se do país, chamou os seus servos e Ihesconfiou os seus bens" (v. 14). O "homem" aqui refere-se a Cristo. Ele entregou Seus bens aos Seus servos. Os cristãos,ao mesmo tempo que são filhos de Deus, são servos ou escravos de Cristo (1 Co 7:22, 23; 2 Pe 1:1; Tg 1: 1; Rm 1: 1). No aspecto da vida, somos virgens vivendo unicamente para Cristo (2 Co 11:2), e no aspecto do serviço nós O servimos como escravos comprados por Seu precioso sangue.tiA um deu cinco talentos, à outro dois e a outro um, a cada um segundo a sua própria capacidade; eentão partiu" (Mt 25: 15). Os talentos nessa parábola representam os dons espirituais (Ef4:7, 8; Rm 12:6; 1 Co 12:4; 1Pe 4: 10; 2 Tm 1: 6). Para servir ao Senhor precisamos de dons. Muitas pessoas, ao tornarem-secristãs, pensam usar para o Senhor seus talentos naturais, suas habilidades "de nascimento". Isso,no entanto, é abominável para Deus, pois tais habilidades pertencem ao homem caído, velhacriação, à natureza pecaminosa. Os talentos de que Deus necessita no serviço a Ele são donsespirituais, são dons que nos são dados por Ele após a nossa salvação. Somente com esses donspodemos servir ao Senhor como bons servos a .fim de realizar Sua obra. No momento em que recebemos a vida de Deus, por meio da regeneração, tomamo-nosmembros do Corpo de Cristo e membros uns dos outros. Num corpo, nem todos os membros têm amesma função (Rm 12:4, 5). Em nosso corpo físico, cada membro sabe exatamente qual é suafunção e sabe como agir em coordenação com os outros membros. No Corpo de Cristo, porém,precisamos descobrir a função de cada membro, e é especialmente necessário que aprendamos aservir junto com outros irmãos.Negociando com os Talentos O que recebera cinco talentos negociou com eles e ganhou outros cinco. Assim também oque recebera dois ganhou outros dois (Mt 25:16, 17). Devemos usar ao máximo os dons que recebemos do Senhor, sem desperdiçá-Ios,pregando o evangelho, ministrando vida e verdade a outros, e pastoreando os que precisam decuidado. O resultado disso será a edificação da igreja e a multiplicação de nossos talentos. Uma das24
  25. 25. mais importantes tarefas de um servo de Deus é suprir comida aos outros servos da casa de Deus(24:45). Devemos ministrar a Palavra de Deus com as riquezas insondáveis de Cristo (Ef 3:8) a fimde nutrir nossos COnservos. Por meio desse serviço, as pessoas serão ricamente alimentadas e osbens do Senhor se multiplicarão."Mas o que recebera um, saindo, abriu uma cova e escondeu o dinheiro do seu senhor I (v. 18). Há cristãos que receberam apenas um talento e, por isso, não o valorizam, considerando-sesem importância e sem utilidade para Deus e para a igreja. Normalmente são estes os que nãomultiplicam o talento que receberam, isto é, "enterram" o dom dado pelo Senhor. Precisamos sersábios: se recebemos apenas um talento do Senhor, devemos, mais do que os outros, empenhar-nos em multiplicá-Io. Se nos consagrarmos ao Senhor, para servi-lo de acordo com Sua vontade,nossos dons espirituais se multiplicarão e nos tomaremos mais e mais úteis para a edificação daigreja.Acerto de Contas! "Depois de muito tempo, voltou o senhor daqueles servos e ajustou contas com eles" (v. 19)."Muito tempo" aqui refere-se à era i da igreja e "voltou" refere-se à vinda do Senhor nos ares (1 Ts 4:16, 17); "ajustar contas" refere-se ao julgamento no tribunal de Cristo (2 Co 5: 10; Rm 14: 10) nosares, onde nossa vida, conduta e I obra serão julgadas para recompensa ou punição (1 Co 4:5; Mt .16:27; Ap 22:12; 1 Co 3:1315). Esse tempo está cada vez mais próximo; por isso precisamosconsiderar seriamente como temos usado os dons espirituais ganhos de Deus. Os dons espirituaisnos I foram dados por Deus e a Ele prestaremos contas de seu uso nada! é realmente nosso, masfoi-nos entregue para administrarmos em nome de Deus e para o Seu propósito. O que recebera cinco talentos entregou os outros cinco que ganhara. Disse-lhe o senhor:"Muito bem, servo bom e fiel; foste fiel I no pouco, sobre o muito te colocarei: entra no gozo do teusenhor" : (Mt 25:21 ). . "Pouco" refere-se ao nosso serviço ao Senhor nesta era e . "sobre o muito", à autoridadepara governar no reino vindouro. 0 1"gozo" do Senhor é o desfrute do Senhor na era vindoura, omilênio. A recompensa dos servos fiéis tem, portanto, dois aspectos: eles receberão autoridade paragovernar sobre as nações durante o i milênio, e desfrutarão de maneira especial da Pessoa doSenhor I Jesus. O que recebera dois talentos entregou a seu amo os outros dois que ganhara. O louvor e arecompensa do senhor a ele foram os mesmos dados ao de cinco talentos. É interessante observarque a ambos servos, tanto o que recebera cinco como o que recebera dois, seu senhor Ihes disseque eles tinham sido fiéis "no pouco". Isso prova que sermos aprovados não depende do quantofizemos para Deus, e, sim, de nossa fidelidade em usar plenamente os dons que Ele nos deu. Nãoconsidere os irmãos de cinco talentos como se fossem predestinados para serem vencedores e osde um talento como marcados para as trevas exteriores. Isso é uma mentira diabólica, que visa tãosomente desanimar e paralisar muitos filhos de Deus. Se o que recebera um JÉilento tivesse sidofiel em multiplicá-Io, ele também seria colocado sobre o muito e entraria no gozo do seu senhor."Chegando, por fim, o que recebera um talento, disse: Senhor, sabendo que és homem severo, queceifas onde não semeaste, e ajuntas onde não espalhaste, receoso, escondi na terra o teu talento;aqui tens o que é teu"(vs. 24, 25).25
  26. 26. Esse que recebera um talento não é uma pessoa incrédula, não salva, como interpretamalguns. Uma pessoa não salva não pode receber dons espirituais de Deus, tampouco será levada ajulgamento no tribunal de Cristo. Aparentemente o Senhor é severo, como disse o último servo, pois parece exigir quetrabalhemos para Ele a partir do nada. Na verdade, Ele mesmo nos supre com toda a graça e vidade que necessitamos para servi-lo. Nossa responsabilidade é trabalhar, multiplicar os dons querecebemos. Talvez para os de cinco e dois talentos seja mais fácil usá-Ias, talvez o de um talentoseja mais tímido e despreparado. Todavia, isso não deve ser desculpa para negligenciarmos o usodo dom que recebemos. Se somos os de um talento, isso deve forçar-nos a exercitar a fé mais doque os outros para usar mais diligentemente nosso dom. Se para nós é mais difícil usar o espírito oumanter-nos separados para Deus, então precisamos nos esforçar mais que os outros. O que importaé que alcancemos o prêmio. Tenhamos a certeza de que o Senhor, ao nos dar dons, sabe quesomos capazes de multiplicá-Ios; Ele está semeando e espera ceifar. Esconder na terra o talento é envolver-se com as coisas terrenas, mundanas, e não com asespirituais, tomanda-se, por isso, inativo e infrutuoso. Quanto mais envolvidos com os cuidados eprazeres desta vida, menos interesse teremos pelas coisas espirituais. Por exemplo, alguns cristãosnunca têm tempo para visitar a outros a fim de ministrar-Ihes cuidado, pois estão a todo tempoenvolvidos com as coisas do mundo. Outros se acham fracos demais para pastorear ou pregar oevangelho. lembre-se, porém: por mais fraco que você seja, por mais inútil que você se considere,tenha a certeza de que sempre haverá pessoas ainda mais fracas que necessitam do seu cuidado.Nunca devemos menosprezar os poucos dons que recebemos. Devemos ser fiéis no pouco que oSenhor nos deu e os dons se multiplicarão. Também não podemos argumentar que nos falta tempopara cuidar dos outros. Se nosso coração estiver cheio de amor por Deus e por Sua igreja, por maisocupados que sejamos, sempre conseguiremos reservar algum tempo para usar nossos dons afavor de Cristo e a igreja.Choro e Ranger de Dentes "Respondeu-lhe, porém, o senhor: Servo mau e negligente", (y. 26). Aquele senhor foiríspido e severo com seu servo, pois ele nem mesmo havia tentado investir seu talento paradevolvê-Io ao senhor com juros (v. 27). O servo deveria ter entregue o dinheiro do seu senhor (odinheiro, apesar de estar nas mãos do servo, ainda era de seu senhor. Isso confirma que às donsespirituais que o Senhor nos deu ainda são Dele; nossa função é simplesmente administrá-Ias aosbanqueiros. Isso representa o uso dos talentos na igreja. Disse o senhor aos outros servos: "Tirai-Ihe, pois, o talento, e dai-o ao que tem dez" (Mt25:28). O dom do Senhor, no reino vindouro, será tirado daqueles que são negligentes. O uso dosdons é uma oportunidade que nos foi dada pelo Senhor a fim de que, nesta era, cresçamos em Suavida e recebamos mais da Sua graça. Portanto, após a era da graça, esses dons não terão maisrazão de existir e serão tirados dos que não os multiplicaram. E acrescentou o Senhor: "E o servo inútil lançai-o para fora, nas trevas. Ali haverá choro eranger de dentes" (v. 30). "Ser lançado nas trevas" aqui não denota a perdição eterna de um falsocristão. Como já vimos, o fato de esse homem ser chamado de servo e a ele terem sido dados dons,prova que ele é um cristão genuíno. Desse modo, as trevas aqui mencionadas referem-se à puniçãode cristãos genuínos que não foram fiéis. Há vários versículos em Mateus que falam de alguém serlançado nas trevas exteriores (8:12; 22:13; 24:51; 25:30). Uma vez mais, reafirmamos: essas26
  27. 27. passagens referem-se a cristãos genuínos, genuinamente regenerados pelo Espírito Santo que,todavia, não foram vencedores. Esses santos não vencedores não serão lançados no lago de fogo,mas nas trevas exteriores, o que significa ficar fora da esfera da glória de Deus durante a era doreino vindouro.Um Encorajamento Deus nos escolheu antes da fundação do mundo. De antemão, Ele nos conhecia e sabiaque, mesmo após O conhecermos, ainda lhe seríamos infiéis muitas e muitas vezes. Ele conhecenossa estrutura, sabe de nossas fraquezas, de nossas dificuldades para prosseguirmos com Ele.Por isso, Deus nos dá o galardão do reino como um encorajamento, um. estímulo adicional para Obuscarmos. Participar dessa festa, dessa comunhão íntima, dessa porção especial por mil anos não éalgo pequeno, sem importância, mas é uma bênção indescritível prometida para todos os cristãos.Há um preço a pagar, um caminho estreito a seguir, mas os que aceitarem ser vencedores obterãouma recompensa que olhos humanos nunca viram, cuja descrição nenhum ouvido jamais ouviu nemjamais foi possível ao coração do homem conceber (d. 1 Co 2:9). Entrar no gozo de nosso Senhor éum prêmio pelo qual vale a pena entregar toda a nossa vida e pagar o preço que for necessário.BibliografiaCompilado de:Todos os textos são um resumo e adaptação de T. S. Watchman Nee27

×